Fundamento de economia, Resumos de Economia de Mercado
vinicius-rodrigues-5
vinicius-rodrigues-5

Fundamento de economia, Resumos de Economia de Mercado

177 páginas
16Número de visitas
Descrição
Fundamentos da economia de mercado
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 177
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 177 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 177 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 177 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 177 páginas
(Livro Fundamento de Economia - Vasconcellos 3ª Edição Finalzão)

0

1

Marco Antonio Sandoval de Vasconcellos Manuel Enriquez Garcia

SUMÁRIO

Capítulo 1 Introdução à Economia

1.1 Introdução ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1.2 Conceito de Economia ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1.2.1 Os problemas econômicos fundamentais -------------------------------------------------------------------------------------------------- 1.3 Sistemas econômicos ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 1.4 Curva de possibilidades de produção (ou curva de transformação)-------------------------------------------------------------------- 1.4.1 Custo de oportunidade ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1.4.2 Deslocamentos da curva de possibilidades de produção ------------------------------------------------------------------------------ 1.5 Funcionamento de uma economia de mercado: fluxos reais e monetários ---------------------------------------------------------- 1.5.1 Bens de capital, bens de consumo, bens intermediários e fatores de produção ------------------------------------------------- 1.6 Argumentos positivos versus argumentos normativos ------------------------------------------------------------------------------------ 1.7 Inter-relação da Economia com outras áreas do conhecimento ------------------------------------------------------------------------ 1.7.1 Economia, Física e Biologia -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1.7.2 Economia, Matemá3ca e Esta4s3ca --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1.7.3 Economia e Polí3ca ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 1.7.4 Economia e História ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1.7.5 Economia e Geografia --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1.7.6 Economia, Moral, Jus3ça e Filosofia --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1.8 Divisão do estudo econômico-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Capítulo 2 Evolução do Pensamento Econômico: Breve Retrospecto

2.1 Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 2.2 Precursores da teoria econômica---------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 2.2.1 Antiguidade ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 2.2.2 Mercantilismo ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 2.2.3 Fisiocracia ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 2.2.4 Os clássicos ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Adam Smith (1723-1790) ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ David Ricardo (1772-1823) ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- John Stuart Mill (1806-1873) ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Jean-Baptiste Say (1768-1832) ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Thomas Malthus (1766-1834) ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 2.3 A teoria neoclássica -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Alfred Marshall (1842-1924) ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 2.4 A teoria keynesiana -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 2.5 O período recente ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 2.6 Abordagens alternativas -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Capítulo 3 Economia e Direito

3.1 Introdução ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 3.2 O Direito e a teoria dos mercados: defesa do consumidor e da concorrência ------------------------------------------------------ 3.3 Arcabouço jurídico das polí3cas macroeconômicas ---------------------------------------------------------------------------------------- 3.4 O Estado promovendo o bem-estar da sociedade ----------------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Capítulo 4 Introdução à Microeconomia

4.1 Conceito ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 4.2 Pressupostos básicos da análise microeconômica ------------------------------------------------------------------------------------------ 4.2.1 A hipótese coeteris paribus -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 4.2.2 Papel dos preços rela3vos --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 4.2.3 Objetivos da empresa --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 4.3 Aplicações da análise microeconômica ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 4.4 Divisão do estudo microeconômico ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

7 7 8 8 9

10 11 11 12 13 13 13 14 15 15 15 15 15 16

17 17 17 17 17 18 18 18 18 19 19 19 19 20 20 21 22

23 23 25 25 26

27 27 27 28 28 28 29

2

4.4.1 Análise da demanda ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 4.4.2 Análise da oferta --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 4.4.3 Análise das estruturas de mercado ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- 4.4.4 Teoria do equilíbrio geral ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Capítulo 5 – Demanda, Oferta e Equilíbrio de Mercado

5.1 Introdução-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.1.1 Breve histórico ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 5.1.2 Utilidade total e utilidade marginal ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.2 Demanda de mercado ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.2.1 Conceito--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.2.2 Relação entre quan3dade procurada e preço do bem: a lei geral da demanda -------------------------------------------------- 5.2.3 Outras variáveis que afetam a demanda de um bem ----------------------------------------------------------------------------------- 5.2.4 Dis3nção entre demanda e quan3dade demandada------------------------------------------------------------------------------------ 5.3 Oferta de mercado --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.3.1 Oferta e quantidade ofertada ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.4 Equilíbrio de mercado ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.4.1 A lei da oferta e da procura: tendência ao equilíbrio ------------------------------------------------------------------------------------ 5.4.2 Deslocamento das curvas de demanda e oferta ----------------------------------------------------------------------------------------- 5.5 Interferência do governo no equilíbrio de mercado --------------------------------------------------------------------------------------- 5.5.1 Estabelecimento de impostos ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.5.2 Polí3ca de preços mínimos na agricultura ------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.5.3 Tabelamento -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.6 Conceito de elasticidade -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.6.1 Elas3cidade-preço da demanda -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.6.2 Elasticidade-renda da demanda -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.6.3 Elas3cidade-preço cruzada da demanda --------------------------------------------------------------------------------------------------- 5.6.4 Elas3cidade-preço da oferta ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Apêndice --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Determinação do preço e quan3dade de equilíbrio -------------------------------------------------------------------------------------------- Exemplo numérico -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Capítulo 6 Produção e Custos

I – Teoria da Produção---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.1 Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.2 Conceitos básicos da teoria da produção ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.2.1 Produção ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.2.2 Função de produção ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.2.3 Fatores fixos e fatores variáveis de produção – curto e longo prazos --------------------------------------------------------------- 6.3 Análise de curto prazo ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.3.1 Conceitos de produto total, produ3vidade média e produ3vidade marginal ----------------------------------------------------- 6.3.2 Lei dos rendimentos decrescentes ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.4 Análise de longo prazo ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.4.1 Economias de escala ou rendimentos de escala ----------------------------------------------------------------------------------------- Custos de Produção-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.5 Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.6 Custos totais de produção ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 6.6.1 Custos de curto prazo --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.6.2 Custos de longo prazo -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.7 Diferenças entre a visão econômica e a visão contábil-financeira dos custos de produção -------------------------------------- 6.7.1 Custos de oportunidade versus custos contábeis ---------------------------------------------------------------------------------------- 6.7.2 Custos privados e custos sociais: as externalidades ou economias externas ----------------------------------------------------- 6.7.3 Custos versus despesas ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Maximização dos Lucros ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.8 Maximização do lucro total ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 6.9 Conceitos de lucro normal e lucro extraordinário ------------------------------------------------------------------------------------------ 6.10 O conceito de break-even point --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

29 29 29 30 30

31 31 31 31 31 32 33 34 34 35 36 36 37 37 38 38 39 39 39 43 43 43 44 44 44 45

46 46 46 46 46 47 48 48 49 52 52 53 53 53 53 57 57 57 58 58 59 59 60 60 61

3

Capítulo 7 Estruturas de Mercado

7.1 Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7.2 Concorrência pura ou perfeita ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7.3 Monopólio -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7.4 Oligopólio --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7.5 Concorrência monopolís3ca --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7.6 Estruturas do mercado de fatores de produção --------------------------------------------------------------------------------------------- 7.6.1 Concorrência perfeita no mercado de fatores -------------------------------------------------------------------------------------------- 7.6.2 Monopólio no mercado de fatores ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7.6.3 Oligopólio no mercado de fatores ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7.6.4 Monopsônio (monopólio na compra de insumos) --------------------------------------------------------------------------------------- 7.6.5 Oligopsônio (oligopólio na compra de insumos) ----------------------------------------------------------------------------------------- 7.6.6 Monopólio bilateral ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 7.7 Grau de concentração econômica no Brasil ------------------------------------------------------------------------------------------------- 7.8 A ação governamental e os abusos do poder econômico nos mercados ------------------------------------------------------------- Questões para revisão ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Capítulo 8 Introdução à Macroeconomia

8.1 Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.2 Obje3vos de polí3ca macroeconômica -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.2.1 Alto nível de emprego --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.2.2 Estabilidade de preços--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.2.3 Distribuição equitativa de renda ------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.2.4 Crescimento econômico ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 8.2.5 Dilemas de polí3ca econômica: inter-relações e conflitos de obje3vos ------------------------------------------------------------ 8.3 Instrumentos de polí3ca macroeconômica -------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.3.1 Polí3ca fiscal --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.3.2 Polí3ca monetária -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.3.3 Polí3cas cambial e comercial ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 8.3.4 Polí3ca de rendas -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.4 Estrutura de análise macroeconômica -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.4.1 Mercado de bens e serviços ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.4.2 Mercado de trabalho ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.4.3 Mercado monetário ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.4.4 Mercado de 4tulos ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.4.5 Mercado de divisas ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ Questões para revisão ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Capítulo 9 Contabilidade Social

9.1 Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.1.1 Sistemas de contabilidade social ------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.1.2 Sistema de contas nacionais ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.1.3 Matriz de relações intersetoriais (ou matriz insumo-produto ou matriz de Leontief) ------------------------------------------ 9.2 Princípios básicos das contas nacionais ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.3 Economia a dois setores: famílias e empresas ----------------------------------------------------------------------------------------------- 9.3.1 O fluxo circular de renda: análise da ó3ca do produto, da despesa e da renda -------------------------------------------------- 9.3.2 Formação de capital: poupança, inves3mento e depreciação ------------------------------------------------------------------------ 9.4 Economia a três setores: agregados relacionados ao setor público -------------------------------------------------------------------- 9.4.1 Receita fiscal do governo ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.4.2 Gastos do governo ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.4.3 Superávit ou déficit público -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.4.4 Renda nacional a custo de fatores e produto nacional a preços de mercado ----------------------------------------------------- 9.4.5 Renda pessoal disponível ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.4.6 Carga tributária bruta e líquida --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.5 Economia a quatro setores: agregados relacionados ao setor externo --------------------------------------------------------------- 9.5.1 Exportações e importações -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.5.2 Produto interno bruto, produto nacional bruto e renda líquida do exterior ------------------------------------------------------ 9.5.3 Exercício de fixação de conceitos ------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.6 PIB nominal e PIB real ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.6.1 PIB nominal ou monetário ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

62 62 63 64 65 66 66 66 66 66 67 67 67 68 69

70 70 71 71 71 72 72 73 73 73 74 74 74 74 75 75 76 76 77

78 78 78 78 79 79 79 83 85 85 85 85 86 86 86 87 87 87 87 88 88

4

9.6.2 PIB real ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.6.3 Exercício sobre deflação ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 9.7 O PIB como medida do bem-estar -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9.8 PIB em dólares--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Apêndice --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Números-índices ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Conceito de número-índice---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Índices de preços ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Interpretação de uma série de um número-índice ---------------------------------------------------------------------------------------------- Exemplo de atualização de uma dívida ------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Capítulo 10 Determinação da Renda e do Produto Nacional: O Mercado de Bens e Serviços

10.1 Introdução ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.2 Hipóteses do modelo básico ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.2.1 Economia com desemprego de recursos (subemprego) ------------------------------------------------------------------------------ 10.2.2 Nível geral de preços constante------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.2.3 Curto prazo -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.2.4 Oferta agregada potencial fixada a curto prazo ---------------------------------------------------------------------------------------- 10.2.5 Princípio da demanda efe3va --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.3 O equilíbrio macroeconômico ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.3.1 Análise gráfica ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.4 Comportamento dos agregados macroeconômicos no mercado de bens e serviços -------------------------------------------- 10.4.1 Consumo agregado ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.4.2 Poupança agregada ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.4.3 Investimento agregado ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.5 Vazamentos e Injeções de Renda Nacional ------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.6 O multiplicador keynesiano de gastos ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.7 Polí3ca fiscal, inflação e desemprego -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.7.1 Economia com desemprego de recursos ------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.7.2 Economia com inflação ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Apêndice A ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ Determinação da renda nacional de equilíbrio: análise algébrica --------------------------------------------------------------------------- Exercício proposto --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Apêndice B ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ O multiplicador keynesiano de gastos -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Capítulo 11 Determinação da Renda e do Produto Nacional: O Lado Monetário

11.1 Conceito de moeda------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.2 Funções e 3pos de moeda ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.2.1 Tipos de moeda --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.3 Oferta de moeda ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.3.1 Conceito de meios de pagamento ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.3.2 Oferta de moeda pelo Banco Central ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 11.3.3 Oferta de moeda pelos bancos comerciais. O mul3plicador monetário ---------------------------------------------------------- 11.4 Demanda de moeda ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 11.5 O papel das taxas de juros ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.5.1 Taxa de juros nominal e taxa de juros real ----------------------------------------------------------------------------------------------- 11.6 Moeda, nível de a3vidade e inflação: interligação entre o lado real e o lado monetário da economia --------------------- 11.6.1 Teoria quantitativa da moeda -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.6.2 Moeda e polí3cas de expansão do nível de a3vidade --------------------------------------------------------------------------------- 11.6.3 A relação entre a oferta monetária e o processo inflacionário ---------------------------------------------------------------------- 11.6.4 Eficácia das polí3cas monetária e fiscal --------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.7 O sistema financeiro ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.7.1 Segmentos do sistema financeiro----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.8 Indicadores do comportamento monetário no Brasil ------------------------------------------------------------------------------------ Apêndice --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- A base jurídica do Sistema Financeiro Nacional -------------------------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

89 90 92 93 93 93 93 94 95 96 97

98 98 98 99 99 99 99

100 100 102 102 103 103 104 104 105 106 106 107 107 108 109 109 110

111 111 112 112 112 113 115 117 117 118 119 119 120 121 121 122 123 124 126 126 127

5

Capítulo 12 O Setor Externo

12.1 Introdução ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 12.2 Fundamentos do comércio internacional: a teoria das vantagens comparativas-------------------------------------------------- 12.3 Determinação da taxa de câmbio-------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.3.1 Conceito ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 12.3.2 Taxa de câmbio e inflação -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.4 Polí3cas externas ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.4.1 Polí3ca cambial --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.4.2 Polí3ca comercial ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.5 Fatores determinantes do comportamento das exportações e importações------------------------------------------------------- 12.5.1 Exportações -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.5.2 Importações ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.6 A estrutura do balanço de pagamentos ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.6.1 Exercício ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 12.7 O balanço de pagamentos no Brasil ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.8 Organismos internacionais --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.8.1 Fundo Monetário Internacional (FMI)-------------------------------------------------------------------------------- --------------------- 12.8.2 Banco Mundial ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.8.3 Organização Mundial do Comércio (OMC) ----------------------------------------------------------------------------------------------- Apêndice --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Principais lançamentos contábeis do balanço de pagamentos ------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Capítulo 13 Inflação

13.1 Conceito de inflação------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 13.2 Inflação de demanda----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 13.3 Inflação de custos --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 13.4 Inflação inercial ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 13.5 Efeitos provocados por taxas elevadas de inflação --------------------------------------------------------------------------------------- 13.6 A polí3ca econômica brasileira de combate à inflação ---------------------------------------------------------------------------------- 13.6.1 A corrente estruturalista --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Capítulo 14 O Setor Público

14.1 Introdução.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 14.2 O crescimento da par3cipação do setor público na a3vidade econômica ---------------------------------------------------------- 14.3 As funções econômicas do setor público ---------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.3.1 Função aloca3va -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.3.2 Função distribu3va ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.3.3 Função estabilizadora ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.4 Estrutura tributária ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.4.1 Princípios da tributação ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.4.2 Os tributos e sua classificação --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.4.3 Efeitos sobre a a3vidade econômica ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.5 Déficit público: conceitos e formas de financiamento ----------------------------------------------------------------------------------- 14.5.1 Financiamento do déficit --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.5.2 Uma observação sobre déficit público e inflação --------------------------------------------------------------------------------------- 14.6 Aspectos ins3tucionais do orçamento público. Princípios orçamentários ---------------------------------------------------------- 14.6.1 Orçamento público ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.6.2 Princípios orçamentários --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.6.3 Orçamento público no Brasil ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14.6.4 A Lei de Responsabilidade Fiscal ------------------------------------------------------------------------------------------------------------ Apêndice --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Dispêndio e receita pública: classificação segundo categorias ------------------------------------------------------------------------------- Classificação da despesa (dispêndio) --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Classificação da receita --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Questões para revisão ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

128 128 129 129 130 131 131 132 133 113 133 134 136 136 137 137 138 138 139 139 141

142 142 142 143 143 144 146 146

147 147 148 148 148 149 149 149 150 151 152 152 153 153 153 154 155 155 156 156 156 157 159

6

Capítulo 15 Crescimento e Desenvolvimento Econômico

15.1 Crescimento e desenvolvimento -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 15.2 Fontes de crescimento--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 15.2.1 Capital humano --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 15.2.2 Capital Rsico ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 15.3 Financiamento do desenvolvimento econômico ------------------------------------------------------------------------------------------ 15.4 Um modelo de crescimento econômico ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 15.5 Estágios de desenvolvimento ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 15.6 A internacionalização da economia: o processo de globalização ---------------------------------------------------------------------- Questões para revisão ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Glossário ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

160 160 160 161 161 162 163 163 164

165

7

CAPITULO 1 Introdução à Economia

1.1 Introdução Seja em nosso co3diano, seja nos jornais, rádio e televisão, deparamo-nos com inúmeras questões econômicas, como:

 aumentos de preços;  períodos de crise econômica ou de crescimento;  desemprego;  setores que crescem mais do que outros;  diferenças salariais;  crises no balanço de pagamentos;  vulnerabilidade externa;  valorização ou desvalorização da taxa de câmbio;  dívida externa;  ociosidade em alguns setores de atividade;  diferenças de renda entre as várias regiões do país;  comportamento das taxas de juros;  déficit governamental;  elevação de impostos e tarifas públicas.

Esses temas, já ro3neiros em nosso dia-a-dia, são discu3dos pelos cidadãos comuns, que, com altas doses de

empirismo, têm opiniões formadas sobre as medidas que o Estado deve adotar. Um estudante de Economia, de Direito ou de outra área pode vir a ocupar um cargo de responsabilidade em uma empresa ou na própria administração pública e necessitará de conhecimentos teóricos mais sólidos para poder analisar os problemas econômicos que nos rodeiam diariamente.

O obje3vo do estudo da Ciência Econômica é analisar os problemas econômicos e formular soluções para resolvê-los, de forma a melhorar nossa qualidade de vida. 1.2 Conceito de Economia

A palavra economia deriva do grego oikonomía (de óikos, casa; nómos, lei), que significa a administração de uma casa, ou do Estado, e pode ser assim definida:

Economia é a ciência social que estuda como o indivíduo e a sociedade decidem (escolhem) empregar recursos produ3vos escassos na produção de bens e serviços, de modo a distribuí-los entre as várias pessoas e grupos da sociedade, a fim de satisfazer as necessidades humanas.

Essa definição contém vários conceitos importantes, que são a base e o objeto do estudo da Ciência Econômica:

 escolha;  escassez;  necessidades;  recursos;  produção;  distribuição.

Em qualquer sociedade, os recursos produtivos ou fatores de produção (mão-de-obra, terra, matérias-

primas, dentre outros) são limitados. Por outro lado, as necessidades humanas são ilimitadas e sempre se

renovam, por força do próprio crescimento populacional e do con4nuo desejo de elevação do padrão de

vida. Independentemente do grau de desenvolvimento do país, nenhum deles dispõe de todos os recursos

necessários para sa3sfazer todas as necessidades da coletividade.

Tem-se, então, um problema de escassez: recursos limitados contrapondo-se a necessidades humanas ilimitadas.

Em função da escassez de recursos, toda sociedade tem de escolher entre alterna3vas de produção e de distribuição dos resultados da a3vidade produ3va entre os vários grupos da sociedade. Essa é a questão central do

8

estudo da Economia: como alocar recursos produ3vos limitados, de forma a atender ao máximo às necessidades humanas. 1.2.1 Os problemas econômicos fundamentais

Da escassez dos recursos ou fatores de produção, associada às necessidades ilimitadas do homem, originam-se os chamados problemas econômicos fundamentais: O quê e quanto produzir? Como produzir? Para quem produzir?

 o quê e quanto produzir: dada a escassez de recursos de produção, a sociedade terá de escolher, dentro do leque de possibilidades de produção, quais produtos serão produzidos e as respec3vas quantidades a serem fabricadas;

 como produzir: a sociedade terá de escolher ainda quais recursos de produção serão u3lizados para

a produção de bens e serviços, dado o nível tecnológico existente. A concorrência entre os diferentes produtores acaba decidindo como serão produzidos os bens e serviços. Os produtores escolherão, entre os métodos mais eficientes, aquele que 3ver o menor custo de produção possível;

 para quem produzir: a sociedade terá também de decidir como seus membros par3ciparão da

distribuição dos resultados de sua produção. A distribuição da renda dependerá não só da oferta e da demanda nos mercados de serviços produ3vos, ou seja, da determinação dos salários, das rendas da terra, dos juros e dos beneRcios do capital, mas também da repar3ção inicial da propriedade e da maneira como ela se transmite por herança.

O modo como as sociedades resolvem os problemas econômicos fundamentais depende da forma da organização econômica do país, ou seja, do sistema econômico de cada nação. 1.3 Sistemas econômicos

Um sistema econômico pode ser definido como a forma polí3ca, social e econômica pela qual está organizada uma sociedade. É um par3cular sistema de organização da produção, distribuição e consumo de todos os bens e serviços que as pessoas u3lizam buscando uma melhoria no padrão de vida e bem-estar.

Os elementos básicos de um sistema econômico são:

 estoque de recursos produBvos ou fatores de produção: aqui se incluem os recursos humanos (trabalho e capacidade empresarial), o capital, a terra, as reservas naturais e a tecnologia;

 complexo de unidades de produção: cons3tuído pelas empresas;

 conjunto de insBtuições políBcas, jurídicas, econômicas e sociais: que são a base da organização da sociedade.

Os sistemas econômicos podem ser classificados em:

 sistema capitalista, ou economia de mercado. É regido pelas forças de mercado, predominando a livre iniciativa e a propriedade privada dos fatores de produção;

 sistema socialista, ou economia centralizada, ou ainda economia planificada. Nesse sistema as

questões econômicas fundamentais são resolvidas por um órgão central de planejamento, predominando a propriedade pública dos fatores de produção, chamados nessas economias de meios de produção, englobando os bens de capital, terra, prédios, bancos, matérias-primas1.

Os países organizam-se segundo esses dois sistemas, ou alguma forma intermediária entre eles. Pelo menos até

o início do século XX, prevalecia nas economias ocidentais o sistema de concorrência pura, em que não havia a intervenção do Estado na a3vidade econômica. Era a filosofia do Liberalismo, que será discu3da mais adiante.

9

Principalmente a partir de 1930, passaram a predominar os sistemas de economia mista, no qual ainda prevalecem as forças de mercado, mas com a atuação do Estado, tanto na alocação e distribuição de recursos como na própria produção de bens e serviços, nas áreas de infraestrutura, energia, saneamento e telecomunicações.

Em economias de mercado, a maioria dos preços dos bens, serviços e salários é determinada predominantemente pelo mecanismo de preços, que atua por meio da oferta e da demanda dos fatores de produção. Nas economias centralizadas, essas questões são decididas por um órgão central de planejamento, a par3r de um levantamento dos recursos de produção disponíveis e das necessidades do país. Ou seja, grande parte dos preços dos bens e serviços, salários, cotas de produção e de recursos é calculada nos computadores desse órgão, e não pela oferta e demanda no mercado.

Após o fim da chamada “Cor3na de ferro”, ao final dos anos 1980, mesmo as economias guiadas por governos comunistas, como Rússia e China, têm aberto cada vez mais espaço para atuação da iniciativa privada, caracterizando um “socialismo de mercado”: regime polí3co comunista, com economia de mercado.

1 - Não pertencem ao Estado pequenas avidades comerciais e artesanais, que, com os meios de sobrevivência, como roupas,

automóveis e móveis pertencem aos indivíduos (mas com preços fixados pelo governo). Existe também liberdade para escolha de

profissão (ou seja, há mobilidade de mão-de-obra).

1.4 Curva de possibilidades de produção (ou curva de transformação)

A curva (ou fronteira) de possibilidades de produção (CPP) expressa a capacidade máxima de produção da sociedade, supondo pleno emprego dos recursos ou fatores de produção de que se dispõe em dado momento do tempo. Trata-se de um conceito teórico com o qual se ilustra como a escassez de recursos impõe um limite à capacidade produ3va de uma sociedade, que terá de fazer escolhas entre diferentes alterna3vas de produção.

Devido à escassez de recursos, a produção total de um país tem um limite máximo, uma produçãopotencial ou produto de pleno emprego, quando todos os recursos disponíveis estão empregados (todos os trabalhadores que querem trabalhar estão empregados, não há capacidade ociosa).

Suponhamos uma economia que só produza máquinas (bens de capital) e alimentos (bens de consumo) e que as alterna3vas de produção de ambos sejam as seguintes:

Na primeira alternativa (A), todos os fatores de produção seriam alocados para a produção de máquinas; na úl3ma (E), seriam alocados somente para a produção de alimentos; e nas alterna3vas intermediárias (B, C e D), os fatores de produção seriam distribuídos na produção de um e de outro bem (veja a Figura 1.1).

A curva ABCDE indica todas as possibilidades de produção potencial de máquinas e de alimentos nessa economia hipoté3ca. Qualquer ponto sobre a curva significa que a economia irá operar no pleno emprego, ou seja, à plena capacidade, utilizando todos os fatores de produção disponíveis.

No ponto F (ou em qualquer outro ponto interno à curva), quando a economia está produzindo 10 mil máquinas e 30 toneladas de alimentos, dizemos que se está operando com capacidade ociosa ou com desemprego. Ou seja, os fatores de produção estão sendo subutilizados. O ponto G representa uma combinação impossível de produção (25 mil máquinas e 50 toneladas de alimentos),

uma vez que os fatores de produção e a tecnologia de que a economia dispõe seriam insuficientes para obter essas

10

quan3dades de bens. Esse ponto ultrapassa a capacidade de produção potencial ou de pleno emprego dessa

economia.

1.4.1 Custo de oportunidade

A transferência dos fatores de produção de um bem X para produzir um bem Y implica um custo de oportunidade, que é igual ao sacriRcio de se deixar de produzir parte do bem X para se produzir mais do bem Y. O custo de oportunidade também é chamado de custo alternativo, por representar o custo da produção alterna3va sacrificada. Por exemplo, na Figura 1.1, para aumentar a produção de alimentos de 30 para 47,5 toneladas (passar do ponto B para o C), o custo de oportunidade em termos de máquinas é igual a 5 mil, que é a quan3dade sacrificada desse bem para se produzirem mais 17,5 toneladas de alimentos.

É de se esperar que os custos de oportunidade sejam crescentes, uma vez que, quando aumentamos a produção de determinado bem, os fatores de produção transferidos dos outros produtos se tornam cada vez menos aptos para a nova finalidade, ou seja, a transferência vai ficando cada vez mais diRcil e onerosa, e o grau de sacriRcio vai aumentando. Isto é, os fatores de produção são especializados em determinadas linhas de produção, e não são completamente adaptáveis a outros usos.

Esse fato jus3fica o formato côncavo da curva de possibilidades de produção: acréscimos iguais na produção dos alimentos implicam decréscimos cada vez maiores na produção de máquinas, como mostra a Figura 1.22.

2 - Se os custos de oportunidade fossem constantes, a CPP seria uma reta; se fossem decrescentes, a CPP seria convexa em relação à origem.

11

1.4.2 Deslocamentos da curva de possibilidades de produção

O deslocamento da CPP para a direita indica que o país está crescendo. Isso pode ocorrer fundamentalmente tanto em função do aumento da quan3dade Rsica de fatores de produção como em função do melhor aproveitamento dos recursos já existentes, o que pode ocorrer com o progresso tecnológico, maior eficiência produ3va e organizacional das empresas e melhoria no grau de qualificação da mão-de-obra. Desse modo, a expansão dos recursos de produção e os avanços tecnológicos, que caracterizam o crescimento econômico, mudam a curva de possibilidades de produção para cima e para a direita, permitindo que a economia obtenha maiores quantidades de ambos os bens.

1.5 Funcionamento de uma economia de mercado: fluxos reais e monetários

Para entender o funcionamento do sistema econômico, vamos supor uma economia de mercado que não tenha interferência do governo nem transações com o exterior (economia fechada). Os agentes econômicos são as famílias (unidades familiares) e as empresas (unidades produtoras). As famílias são proprietárias dos fatores de produção e os fornecem às unidades de produção (empresas) no mercado dos fatores de produção. As empresas, pela combinação dos fatores de produção, produzem bens e serviços e os fornecem às famílias no mercado de bens e serviços.

A esse fluxo de fatores de produção, bens e serviços denominamos fluxo real da economia3.

3 - Um fluxo é definido ao longo de um dado período de tempo (ano, mês etc.). Diferencia-se do conceito de estoque, que é definido num dado momento do tempo, e não ao longo de um período. Em Economia, essa diferenciação é parcularmente importante: por exemplo, o conceito de déficit público é um fluxo (mensal, trimestral, anual), enquanto a dívida pública é um estoque acumulado, até um dado momento.

Como pode ser observado na Figura 1.4, famílias e empresas exercem um duplo papel. No mercado de bens e serviços, as famílias demandam bens e serviços, enquanto as empresas os oferecem; no mercado de fatores de produção, as famílias oferecem os serviços dos fatores de produção (que são de sua propriedade), enquanto as empresas os demandam.

12

No entanto, o fluxo real da economia só se torna possível com a presença da moeda, que é u3lizada para remunerar os fatores de produção e para o pagamento dos bens e serviços.

Desse modo, paralelamente ao fluxo real, temos um fluxo monetário da economia (veja a Figura 1.5).

Unindo os fluxos real e monetário da economia, temos o chamado fluxo circular de renda (veja a Figura 1.6).

Em cada um dos mercados atuam conjuntamente as forças da oferta e da demanda, determinando o preço. Assim, no mercado de bens e serviços formam-se os preços dos bens e serviços, enquanto no mercado de fatores de produção são determinados os preços dos fatores de produção (salários, juros, aluguéis, lucros, royalties, dentre outros).

Esse fluxo, também chamado de fluxo básico, é o que se estabelece entre famílias e empresas. O fluxo completo incorpora o setor público, adicionando-se o efeito dos impostos e dos gastos públicos ao fluxo anterior, bem como o setor externo, que inclui todas as transações com mercadorias, serviços e o movimento financeiro com o resto do mundo.

1.5.1 Bens de capital, bens de consumo, bens intermediários e fatores de produção

Os bens de capital são u3lizados na fabricação de outros bens, mas não se desgastam totalmente no processo produ3vo. É o caso, por exemplo, de máquinas, equipamentos e instalações. São usualmente classificados no a3vo fixo das empresas, e uma de suas caracterís3cas é contribuir para a melhoria da produ3vidade da mão-de- obra.

Os bens de consumo destinam-se diretamente ao atendimento das necessidades humanas. De acordo com sua durabilidade, podem ser classificados como duráveis (por exemplo, geladeiras, fogões, automóveis) ou como não-duráveis (alimentos, produtos de limpeza).

13

Os bens intermediários são transformados ou agregados na produção de outros bens e são consumidos totalmente no processo produ3vo (insumos, matérias-primas e componentes). Diferenciam-se dos bens finais, que são vendidos para consumo ou u3lização final. Os bens de capital, como não são “consumidos” no processo produ3vo, são bens finais, e não intermediários.

Os fatores de produção, chamados recursos de produção da economia, são cons3tuídos pelos recursos humanos (trabalho e capacidade empresarial), terra, capital e tecnologia. A cada fator de produção corresponde uma remuneração ao seu proprietário, conforme o quadro a seguir:

As famílias são as proprietárias dos fatores de produção. Inclusive, como se observa, em Economia considera-se o lucro também como remuneração a um fator de produção, representado pela capacidade empresarial ou gerencial dos proprietários da empresa. As empresas vendem bens e serviços no mercado, e o resultado de suas atividades (lucro/prejuízo) pertence a seus proprietários (unidades familiares). 1.6 Argumentos positivos versus argumentos normativos

A Economia é uma ciência social e u3liza fundamentalmente uma análise posi3va, que deve explicar os fatos da realidade. Os argumentos positivos não envolvem juízo de valor, e referem-se a proposições obje3vas, tipo se A,então B. Por exemplo, se o preço da gasolina aumentar em relação a todos os outros preços, então a quantidade que as pessoas irão comprar de gasolina cairá. É uma análise do que é.

Desse ponto de vista, a Economia se aproxima da Física e da Química, que são ciências consideradas virtualmente isentas de juízo de valor. Em Economia, entretanto, defrontamo-nos com um problema diferente. Ela trata do comportamento de pessoas, e não de moléculas, como na Química. Frequentemente e nossos valores interferem na análise do fato econômico.

Nesse sen3do, definimos também argumentos normativos, rela3vos a uma análise que contém, explícita ou implicitamente, um juízo de valor sobre alguma medida econômica.

Por exemplo, na afirmação “o preço da gasolina não deve subir” expressamos uma opinião ou juízo de valor, ou seja, se é uma coisa boa ou . É uma análise do que deveria ser.

Suponha, por exemplo, que desejemos uma melhoria na distribuição de renda do país (argumento norma3vo). É um julgamento de valor em que acreditamos. O administrador de polí3ca econômica (policymaker) dispõe de algumas opções para alcançar esse obje3vo (aumentar salários, combater a inflação, criar empregos). A Economia Positiva ajudará a escolher o instrumento de polí3ca econômica mais adequado. Se a economia es3ver próxima da plena capacidade de produção, aumentos de salários, por encarecerem o custo da mão-de-obra, podem gerar desemprego; isso é o contrário do desejado quanto à melhoria na distribuição de renda. Esse é um argumento positivo, indicando que aumentos salariais, nessas circunstâncias, não cons3tuem a polí3ca mais adequada. 1.7 Inter-relação da Economia com outras áreas do conhecimento

Embora a Economia tenha seu núcleo de análise e seu objeto bem definidos, ela tem intercorrências com outras ciências. Afinal, todas estudam a mesma realidade e, evidentemente, há muitos pontos de contato.

Nesta seção, tentaremos estabelecer relações entre a Economia e outras áreas do conhecimento. As inter- relações entre Economia e Direito serão discu3das com mais profundidade no Capítulo 3. 1.7.1 Economia, Física e Biologia

O início do estudo sistemá3co da Economia coincidiu com os grandes avanços da técnica e das ciências Rsicas e biológicas nos séculos XVIII e XIX.

14

A construção do núcleo cien4fico inicial da Economia começou a par3r das chamadas concepções organicistas (biológicas) e mecanicistas (Rsicas). Segundo o grupo organicista, a Economia se comportaria como um órgão vivo. Daí u3lizarem-se termos como órgãos, funções, circulação e fluxos na teoria econômica. Já para o grupomecanicista, as leis da Economia se comportariam como determinadas leis da Física. Daí advêm termos como equilíbrio, está3ca, dinâmica, aceleração, velocidade, forças e outros.

Com o passar do tempo, predominou uma concepção humanís3ca, que coloca em plano superior os móveis psicológicos da a3vidade humana. Afinal, a Economia repousa sobre os atos humanos, e é por excelência uma ciência social. 1.7.2 Economia, MatemáBca e EstaOsBca

Apesar de ser uma ciência social, a Economia é limitada pelo meio Rsico, dado que os recursos são escassos, e se ocupa de quan3dades Rsicas e das relações entre essas quan3dades, como a que se estabelece entre a produção de bens e serviços e os fatores de produção u3lizados no processo produ3vo.

Daí surge a necessidade da u3lização da Matemá3ca e da Esta4s3ca como ferramentas para estabelecer relações entre variáveis econômicas.

A MatemáBca torna possível escrever de forma resumida importantes conceitos e relações de Economia e permite análises econômicas na forma de modelos analíBcos, com poucas variáveis estratégicas, que resumem os aspectos essenciais da questão em estudo4. Tomemos como exemplo uma importante relação econômica:

“O consumo nacional está diretamente relacionado com a renda nacional”. Essa relação pode ser representada da seguinte forma:

C = f (RN) e Δ C > 0 ΔRN

4 - Modelos também podem ter formulação verbal, como as experiências históricas para fundamentar a análise econômica.

A primeira expressão diz que o consumo (C) é uma função (ƒ) da renda nacional (RN). A segunda informa que, dada uma variação na renda nacional (∆RN), teremos uma variação diretamente proporcional (na mesma direção) do consumo agregado (∆C).

Como as relações econômicas não são exatas, mas probabilísBcas, recorre-se à EstaOsBca. Por exemplo,

C = 2πr

(em que C = comprimento da circunferência, π = letra grega pi e r = raio) é uma relação matemá3ca exata qualquer

que seja o comprimento da circunferência. Em Economia tratamos de leis probabilís3cas. Na relação vista

anteriormente (C = ƒ(RN)), conhecendo o valor da renda nacional num dado ano, não obtemos o valor exato do

consumo, mas sim uma es3ma3va aproximada. Embora a renda seja a variável mais importante, o consumo não

depende só da renda nacional, mas de outros fatores (como condições de crédito, juros, patrimônio).

Se a Economia 3vesse relações matemá3cas, tudo seria previsível. No entanto, “não existe no mundo

econômico regularidades como C = 2πr, equivalência entre massa e energia, leis de Newton. Na Economia, o

‘átomo’ aprende, pensa, reage, projeta, finge. Imagine como seria a Física e a Química se o átomo aprendesse:

aquelas belas regularidades desapareceriam. Os átomos pensantes logo se agrupariam em classes para defender

seus interesses: teríamos uma ‘Física dos átomos proletários’, ‘Física dos átomos burgueses’ e outros”5. Contudo, a

Economia apresenta muitas regularidades, que podem ser estimadas estatisticamente, tais como:

5 - Extraído de Delfim Ne9o, A. Moscou, Freiburg e Brasília: ensaios. Rio de Janeiro: Topbooks, 199

 o consumo nacional depende diretamente da renda nacional;  a quan3dade demandada de um bem tem uma relação inversamente proporcional com seu preço,

tudo o mais constante;  as exportações e as importações dependem da taxa de câmbio.

15

A área da Economia que está voltada para a quan3ficação dos modelos é a Econometria, que combina Teoria Econômica, Matemá3ca e Esta4s3ca.

Lembremo-nos, porém, de que a Matemá3ca e a Esta4s3ca são instrumentos, ferramentas de análise necessárias para testar as proposições teóricas com os dados da realidade. Permitem colocar à prova as hipóteses da teoria econômica, mas são meios, e não fins em si mesmas. A questão da técnica nos deve auxiliar, mas não predominar, quando tratamos de fatos econômicos, pois esses sempre envolvem decisões que afetam relações humanas. 1.7.3 Economia e PolíBca

A Economia e a polí3ca são áreas bastante interligadas. A polí3ca fixa as ins3tuições sobre as quais se desenvolverão as a3vidades econômicas. Nesse sen3do, a

a3vidade econômica se subordina à estrutura e ao regime polí3co do país (se é um regime democrá3co ou autoritário). As prioridades de polí3ca econômica (crescimento, distribuição de renda, estabilização) são determinadas pelo poder polí3co.

Entretanto, por outro lado, a estrutura polí3ca se encontra muitas vezes subordinada ao poder econômico. Citemos apenas alguns exemplos:

 polí3ca do “café com leite”, antes de 1930, quando Minas Gerais e São Paulo dominavam o cenário

polí3co do país;  poder econômico dos la3fundiários;  poder dos oligopólios e monopólios;  poder das corporações estatais;  poder do sistema financeiro.

1.7.4 Economia e História

A pesquisa histórica é extremamente ú3l e necessária para a Economia, pois facilita a compreensão do presente e ajuda nas previsões. As guerras e revoluções, por exemplo, alteraram o comportamento e a evolução da Economia.

Por outro lado, também os fatos econômicos afetam o desenrolar da História. Alguns importantes períodos históricos são associados a fatores econômicos, como os ciclos do ouro e da cana-de-açúcar no Brasil, e a Revolução Industrial, a quebra da Bolsa de Nova York (1929), a crise do petróleo, que alteraram profundamente a história mundial. Em úl3ma análise, as próprias guerras e revoluções são permeadas por mo3vações econômicas. 1.7.5 Economia e Geografia

A Geografia não é o simples registro de acidentes geográficos e climá3cos. Ela nos permite avaliar fatores muito úteis à análise econômica, como as condições geoeconômicas dos mercados, a concentração espacial dos fatores produtivos, a localização de empresas e a composição setorial da a3vidade econômica.

Atualmente, algumas áreas de estudo econômico estão relacionadas diretamente com a Geografia, como a economia regional, a economia urbana, as teorias de localização industrial e a demografia econômica. 1.7.6 Economia, Moral, JusBça e Filosofia

Antes da Revolução Industrial, no século XVIII, a a3vidade econômica era vista como parte integrante da Filosofia, Moral e É3ca. A Economia era orientada por princípios morais e de jus3ça. Não exis3a ainda um estudo sistemá3co das leis econômicas, e predominavam princípios como a lei da usura, o conceito de preço justo (discu3dos, dentre outros filósofos, por Santo Tomás de Aquino).

Ainda hoje, as encíclicas papais refletem a aplicação da filosofia moral e cristã às relações econômicas entre homens e nações. 1.8 Divisão do estudo econômico

A análise econômica, para fins metodológicos e didá3cos, é normalmente dividida em quatro áreas de estudo:

16

Microeconomia ou teoria de formação de preços. Examina a formação de preços em mercados específicos, ou seja, como consumidores e empresas interagem no mercado e como decidem os preços e a quan3dade para satisfazer a ambos simultaneamente. Essa parte será desenvolvida nos Capítulos 4 a 7.

Macroeconomia. Estuda a determinação e o comportamento dos grandes agregados nacionais, como o produto interno bruto (PIB), investimento agregado, a poupança agregada, o nível geral de preços, entre outros. Seu enfoque é basicamente de curto prazo (ou conjuntural). A teoria macroeconômica será discu3da nos Capítulos 8 a 11, 13 e 14.

Economia internacional. Analisa as relações econômicas entre residentes e não residentes do país, as quais envolvem transações com bens e serviços e transações financeiras. Os principais aspectos das relações de um país com o resto do mundo serão abordados no Capítulo 12.

Desenvolvimento econômico. Preocupa-se com a melhoria do padrão de vida da cole3vidade ao longo do tempo. O enfoque é também macroeconômico, mas centrado em questões estruturais e de longo prazo (como progresso tecnológico, estratégias de crescimento). No Capítulo 15, apresentaremos as noções básicas que envolvem essa parte da teoria econômica.

Questões para revisão

1. Por que os problemas econômicos fundamentais (o quê, quanto, como e para quem produzir) originam-se da escassez de recursos de produção? 2. O que mostra a curva de possibilidades de produção ou curva de transformação? 3. Explique a razão do formato da curva de possibilidades de produção. Ilustre graficamente. 4. Analisando-se uma economia de mercado, observa-se que os fluxos real e monetário conjuntamente formam o fluxo circular da renda. Explique como esse sistema funciona. 5. Conceitue: bens de capital, bens de consumo, bens intermediários e fatores de produção. 6. O que vem a ser argumentos positivos e argumentos normativos? Exemplifique. 7. Qual a importância da Matemá3ca e da Esta4s3ca para estudos econômicos? Exemplifique. ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________

17

CAPITULO 2 Evolução do Pensamento Econômico: Breve Retrospecto

2.1 Introdução

Existe consenso de que a teoria econômica, de forma sistematizada, iniciou-se quando foi publicada a obra de Adam Smith A riqueza das nações, em 17761.

Em períodos anteriores, a a3vidade econômica do homem era tratada e estudada como parte integrante da Filosofia Social, da Moral e da É3ca. Nesse sen3do, a a3vidade econômica deveria orientar-se de acordo com alguns princípios gerais de é3ca, jus3ça e igualdade. Os conceitos de troca, em Aristóteles, e preço justo, em Santo Tomás de Aquino, a condenação dos juros ou da usura encontravam sua jus3fica3va em termos morais, não exis3ndo um estudo sistemá3co das relações econômicas.

1 O 4tulo completo da obra é Uma inves3gação sobre a natureza e as causas da riqueza das nações.

2.2 Precursores da teoria econômica 2.2.1 Antiguidade

Na Grécia An3ga, as primeiras referências conhecidas à Economia aparecem no trabalho de Aristóteles (384-322 a.C.), que aparentemente foi quem cunhou o termo economia (oiko-nomía) em seus estudos sobre aspectos de administração privada e sobre finanças públicas. Também encontramos algumas considerações de ordem econômica nos escritos de Platão (427-347 a.C.) e de Xenofonte (440-335 a.C.).

Roma não deixou nenhum escrito notável na área de Economia. Nos séculos seguintes, até a época dos descobrimentos, encontramos poucos trabalhos de destaque, mas que não apresentam um padrão homogêneo e estão permeados de questões referentes a jus3ça e moral. A já citada lei da usura, a moralidade em relação a juros altos e o que deveria ser um lucro justo são os exemplos mais conhecidos. 2.2.2 Mercantilismo

A par3r do século XVI observa-se o nascimento da primeira escola econômica: o mercantilismo. Apesar de não representar um conjunto técnico homogêneo, o mercantilismo 3nha algumas preocupações explícitas sobre a acumulação de riquezas de uma nação. Con3nha alguns princípios de como fomentar o comércio exterior e entesourar riquezas. O acúmulo de metais adquire grande importância, e aparecem relatos mais elaborados sobre a moeda. Considerava-se que o governo de um país seria mais forte e poderoso quanto maior fosse seu estoque de metais preciosos. Com isso, a políBca mercanBlista acabou estimulando guerras, exacerbou o nacionalismo e manteve a poderosa e constante presença do Estado em assuntos econômicos. 2.2.3 Fisiocracia

No século XVIII, uma escola de pensamento francesa, a fisiocracia, elaborou alguns trabalhos importantes. Os fisiocratas sustentavam que a terra era a única fonte de riqueza e que havia uma ordem natural que fazia com que o universo fosse regido por leis naturais, absolutas, imutáveis e universais, desejadas pela Providência Divina para a felicidade dos homens. O trabalho de maior destaque foi o do dr. François Quesnay, autor da obra TableauÉconomique, o primeiro a dividir a economia em setores, mostrando a relação entre eles. Apesar de os trabalhos dos fisiocratas estarem permeados de considerações é3cas, foi grande sua contribuição à análise econômica. O Tableau Économique do dr. Quesnay foi aperfeiçoado e transformou-se no sistema de circulação monetária input- output criado no século XX (anos 1940) pelo economista russo, naturalizado norte-americano, Wassily Leontief, da Universidade de Harvard.

Na verdade, a fisiocracia surgiu como reação ao mercan3lismo. A fisiocracia sugeria que era desnecessária a regulamentação governamental, pois a lei da natureza era suprema, e tudo o que fosse contra ela seria derrotado. A função do soberano era servir de intermediário para que as leis da natureza fossem cumpridas.

Para os fisiocratas, a riqueza consis3a em bens produzidos com a ajuda da natureza (fisiocracia significa “regras da natureza”) em a3vidades econômicas como a lavoura, a pesca e a mineração. Portanto, encorajava-se a agricultura e exigia-se que as pessoas empenhadas no comércio e nas finanças fossem reduzidas ao menor número possível. Em um mundo constantemente ameaçado pela falta de alimentos, com excesso de regulamentação e intervenção governamental, uma economia com significativo desenvolvimento comercial e financeiro não se ajustava às necessidades da expansão econômica. Só a terra 3nha capacidade de mul3plicar a riqueza.

18

Como observamos no primeiro capítulo, os organicistas (fisiocratas) associaram conceitos da Medicina à Economia (aliás, Quesnay era médico): circulação, fluxos, órgãos, funções. 2.2.4 Os clássicos Adam Smith (1723-1790)

Considerado o precursor da moderna teoria econômica, colocada como um conjunto cien4fico sistema3zado, com um corpo teórico próprio, Smith já era um renomado professor quando publicou sua obra A riqueza das nações, em 1776. O livro é um tratado muito abrangente sobre questões econômicas que vão desde as leis do mercado e aspectos monetários até a distribuição do rendimento da terra, concluindo com um conjunto de recomendações políBcas.

Em sua visão harmônica do mundo real, Smith entendia que a atuação da livre concorrência, sem qualquer interferência, levaria a sociedade ao crescimento econômico, como que guiada por uma “mão invisível”. Adam Smith advogava a ideia de que todos os agentes, em sua busca de lucrar o máximo, acabam promovendo o bem- estar de toda a comunidade. É como se uma mão invisível orientasse todas as decisões da economia, sem necessidade da atuação do Estado. A defesa do mercado como regulador das decisões econômicas de uma nação traria muitos beneRcios para a cole3vidade, independentemente da ação do Estado. É o princípio do liberalismo.

Seus argumentos baseavam-se na livre iniciativa, no laissez-faire. Considerava-se que a causa da riqueza das nações é o trabalho humano (a chamada teoria do valor-trabalho) e que um dos fatores decisivos para aumentar a produção é a divisão de trabalho, isto é, os trabalhadores deveriam especializar-se em algumas tarefas. A aplicação desse princípio promoveu um aumento da destreza pessoal, economia de tempo e condições favoráveis para o aperfeiçoamento e invento de novas máquinas e técnicas.

A ideia de Smith era clara. A produtividade decorre da divisão de trabalho, e essa, por sua vez, decorre da tendência inata da troca, que, finalmente, é es3mulada pela ampliação dos mercados. Assim, é necessário ampliar os mercados e as iniciativas privadas para que a produtividade e a riqueza sejam incrementadas.

Para Adam Smith, o papel do Estado na economia deveria corresponder apenas à proteção da sociedade contra eventuais ataques e à criação e à manutenção de obras e ins3tuições necessárias, mas não à intervenção nas leis de mercado e, consequentemente, na prá3ca econômica. David Ricardo (1772-1823)

David Ricardo é outro expoente do período clássico. Partindo das ideias de Smith, desenvolveu alguns modelos econômicos com grande potencial analí3co. Aprimora a tese de que todos os custos se reduzem a custos do trabalho e mostra como a acumulação do capital, acompanhada de aumentos populacionais, provoca uma elevação da renda da terra. Sua análise de distribuição do rendimento da terra foi um trabalho seminal de muitas das ideias do chamado período neoclássico.

Ricardo também desenvolveu estudos sobre o comércio internacional. Analisou por que as nações negociam entre si, se é melhor para elas comerciarem e quais produtos devem ser comercializados. A resposta dada por Ricardo a essas questões constitui importante contribuição à teoria do comércio internacional, chamada de teoria das vantagens comparativas (veja o item 12.2). O comércio entre países dependeria das dotações rela3vas de fatores de produção. Ricardo, a par3r de algumas generalizações e usando poucas variáveis estratégicas, produziu vários dos mais expressivos modelos de toda a história da ciência econômica, desses derivando importantes implicações polí3cas.

A maioria dos estudiosos considera que os estudos de Ricardo deram origem a duas correntes antagônicas: a corrente neoclássica, por suas abstrações simplificadoras, e a corrente marxista, pela ênfase dada à questão distributiva e aos aspectos sociais na repar3ção da renda da terra. John Stuart Mill (1806-1873)

John Stuart Mill foi o sinteBzador do pensamento clássico. Seu trabalho foi o principal texto utilizado para o ensino de Economia no fim do período clássico e no início do período neoclássico. Sua obra consolida o exposto por seus antecessores, e avança ao incorporar mais elementos ins3tucionais e ao definir melhor as restrições, vantagens e funcionamento de uma economia de mercado.

19

Jean-Baptiste Say (1768-1832)

O economista francês Jean-Baptiste Say retomou a obra de Adam Smith, ampliando-a. Subordinou o problema das trocas de mercadorias a sua produção, e popularizou a chamada lei de Say: “a oferta cria sua própria procura”, ou seja, o aumento da produção transformar-se-ia em renda dos trabalhadores e empresários, que seria gasta na compra de outras mercadorias e serviços. A lei de Say é um dos pilares da macroeconomia clássica, e só foi contestada em meados do século XX. Thomas Malthus (1766-1834)

Malthus foi o primeiro economista a sistema3zar uma teoria geral sobre a população. Ao assinalar que o crescimento da população dependia rigidamente da oferta de alimentos, Malthus deu apoio à teoria dos salários de subsistência.

Para Malthus, a causa de todos os males da sociedade residia no excesso populacional: enquanto a população crescia em progressão geométrica, a produção de alimentos seguia em progressão aritmé3ca. Assim, o potencial de crescimento da população excederia em muito o potencial da terra na produção de alimentos.

A capacidade de crescimento da população é dada pelo ins3nto de reprodução, mas encontra um conjunto de obstáculos que a limitam: a miséria, o vício e a contenção moral, que atuam sobre a mortalidade e a natalidade. Em função disso, Malthus advogou o adiamento de casamentos, a limitação voluntária de nascimentos nas famílias pobres, e aceitava as guerras como uma solução para interromper o crescimento populacional.

Malthus não previu o ritmo e o impacto do progresso tecnológico na agricultura, nem as técnicas de controle da natalidade que se seguiriam.

A par3r da contribuição dos economistas clássicos, a Economia passou a ter um corpo teórico próprio e a desenvolver um instrumental de análise específico para as questões econômicas.

Apesar de ainda exis3rem muitas aplicações norma3vas no pensamento clássico, seu tema central pertence à ciência posi3va, situando-se o interesse primordial na análise abstrata das relações econômicas, com a finalidade de descobrir leis gerais e regularidades do comportamento econômico. Os pressupostos morais e as consequências sociais dessas a3vidades já não eram mais realçados como no período anterior. 2.3 A teoria neoclássica

O período neoclássico teve início na década de 1870 e desenvolveu-se até as primeiras décadas do século XX. Nesse período, privilegiam-se os aspectos microeconômicos da teoria, pois a crença na economia de mercado e em sua capacidade auto-reguladora fez com que os teóricos econômicos não se preocupassem tanto com a polí3ca e o planejamento macroeconômico.

Os neoclássicos sedimentaram o raciocínio matemá3co explícito inaugurado por Ricardo, procurando isolar os fatos econômicos de outros aspectos da realidade social. Alfred Marshall (1842-1924)

Um grande destaque dessa corrente foi Alfred Marshall. Seu livro, Princípios de economia, publicado em 1890, serviu como obra básica até a metade do século XX. Outros teóricos importantes foram: William Jevons, Léon Walras, Eugene Böhm-Bawerk, Joseph Alois Schum- peter, Vilfredo Pareto, Arthur Pigou e Francis Edgeworth.

Nesse período, a formalização da análise econômica (principalmente a Microeconomia) evoluiu muito. O comportamento do consumidor é analisado em profundidade. O desejo do consumidor de maximizar sua u3lidade (sa3sfação no consumo) e o do produtor de maximizar seu lucro são a base para a elaboração de um sofis3cado aparato teórico. Com o estudo de funções ou curvas de u3lidade (que pretendem medir o grau de sa3sfação do consumidor) e de produção, considerando restrições de fatores e restrições orçamentárias, é possível deduzir o equilíbrio de mercado. Como sua análise fundamenta-se em conceitos marginais, como receitas e custos marginais, que serão discu3dos no Capítulo 6 —, essa corrente teórica é também chamada de teoria marginalista.

A análise marginalista é muito rica e variada. Alguns economistas privilegiaram alguns aspectos, como a interação de muitos mercados simultaneamente — o equilíbrio geral de Walras é um caso —, enquanto outros privilegiaram aspectos de equilíbrio parcial, usando um instrumental gráfico — a caixa de Edgeworth, por exemplo.

Apesar de as questões microeconômicas ocuparem o centro dos estudos econômicos, houve uma produção rica em outros aspectos da teoria econômica, como a teoria do desenvolvimento econômico de Schumpeter e a teoria do capital e dos juros de Böhm-Bawerk. Deve-se destacar também a análise monetária, com a criação da

20

teoria quantitativa da moeda, que relaciona a quan3dade de dinheiro com os níveis gerais de a3vidade econômica e de preços. 2.4 A teoria keynesiana

A era keynesiana iniciou-se com a publicação da Teoria geral do emprego, dos juros e da moeda, de John Maynard Keynes (1883-1946), em 1936. Muitos autores descrevem a contribuição de Keynes como a revoluçãokeynesiana, tamanho o impacto de sua obra.

Keynes ocupou a cátedra que havia sido de Alfred Marshall na Universidade de Cambridge. Acadêmico respeitado, Keynes 3nha também preocupações com as implicações prá3cas da teoria econômica.

Para entender o impacto da obra de Keynes, é necessário considerar sua época. Na década de 1930, a economia mundial atravessava uma crise que ficou conhecida como a Grande Depressão. A realidade econômica dos principais países capitalistas era crí3ca naquele momento. O desemprego na Inglaterra e em outros países da Europa era muito grande. Nos Estados Unidos, após a quebra da Bolsa de Valores de Nova York em 1929, o número de desempregados assumiu proporções elevadíssimas.

A teoria econômica vigente acreditava que se tratava de um problema temporário, apesar de a crise estar durando alguns anos. A teoria geral de Keynes consegue mostrar que a combinação das polí3cas econômicas adotadas até então não funcionava adequadamente naquele novo contexto econômico, e aponta para soluções que poderiam 3rar o mundo da recessão.

Segundo o pensamento keynesiano, um dos principais fatores responsável pelo volume de emprego é o nível de produção nacional de uma economia, determinado, por sua vez, pela demanda agregada ou efetiva. Ou seja, sua teoria inverte o sen3do da lei de Say (a oferta cria sua própria procura) ao destacar o papel da demanda agregada de bens e serviços sobre o nível de emprego.

Para Keynes, numa economia em recessão, não existem forças de auto-ajustamento, por isso se torna necessária a intervenção do Estado por meio de uma polí3ca de gastos públicos. Tal posicionamento teórico significa o fim da crença no laissez-faire como regulador dos fluxos real e monetário da economia e é chamado princípio da demanda efeBva.

Os argumentos de Keynes influenciaram muito a polí3ca econômica dos países capitalistas. De modo geral, essas polí3cas apresentaram resultados positivos nos anos que se seguiram à Segunda Guerra Mundial.

Nesse período, houve desenvolvimento expressivo da teoria econômica. Por um lado, incorporaram-se os modelos por meio do instrumental esta4s3co e matemá3co, que ajudou a formalizar ainda mais a ciência econômica. Por outro, alguns economistas trabalharam na esteira de pesquisa aberta pela obra de Keynes. Debates teóricos sobre aspectos de seu trabalho duram até hoje, destacando-se três grupos: os monetaristas, os fiscalistas e os pós-keynesianos. Apesar de nenhum deles ter um pensamento homogêneo e todos terem pequenas divergências internas, é possível fazer algumas generalizações.

Os monetaristas estão associados à Universidade de Chicago e têm como economista de maior destaque Milton Friedman. De maneira geral, privilegiam o controle da moeda e um baixo grau de intervenção do Estado.

Os fiscalistas ou keynesianos têm expoentes como James Tobin (1918-2002), da Universidade de Yale, e Paul Anthony Samuelson, de Harvard e MIT. Em geral, recomendam o uso de polí3cas fiscais a3vas e acentuado grau de intervenção do Estado.

Os pós-keynesianos têm explorado outras implicações da obra de Keynes, e pode-se associar a esse grupo a economista Joan Robinson (1903-1983), cujas ideias eram afinadas com as de Keynes. Os pós-keynesianos realizaram uma releitura da obra de Keynes, procurando mostrar que ele não negligenciou o papel da moeda e da polí3ca monetária. Enfa3zam o papel da especulação financeira e, como Keynes, defendem um papel ativo do Estado na condução da a3vidade econômica. Além de Joan Robinson, outros economistas dessa corrente são Hyman Minsky (1919-1996), Paul Davison e Alessandro Vercelli. Cabe destacar que, apesar das diferenças entre as várias correntes, há consenso quanto aos pontos fundamentais da teoria, uma vez que todas são baseadas no trabalho de Keynes. 2.5 O período recente

A teoria econômica vem apresentando algumas transformações, principalmente a par3r dos anos 1970, após as duas crises do petróleo. Três características marcam esse período. Primeiro, existe uma consciência maior das limitações e possibilidades de aplicações da teoria. O segundo ponto diz respeito ao avanço no conteúdo empírico da economia. Finalmente, observamos uma consolidação das contribuições dos períodos anteriores.

O desenvolvimento da informá3ca permi3u um processamento de informações em volume e precisão sem precedentes. A teoria econômica passou a ter um conteúdo empírico que lhe conferiu maior aplicação prá3ca. Por

21

um lado, isso permite um aprimoramento constante da teoria existente; por outro, abre novas frentes teóricas importantes.

Atualmente, a análise econômica engloba quase todos os aspectos da vida humana, e o impacto desses estudos na melhoria do padrão de vida e do bem-estar da sociedade é considerável. O controle e o planejamento macroeconômico permitem antecipar muitos problemas, e evitar algumas flutuações desnecessárias na economia.

A teoria econômica caminha em muitas direções. Um exemplo é a área de finanças empresariais. Até alguns anos atrás, a teoria de finanças era basicamente descri3va, com baixo conteúdo empírico. A incorporação de algumas técnicas econométricas, conceitos de equilíbrio de mercados e hipóteses sobre o comportamento dos agentes econômicos acabou por revolucioná-la. Essa revolução se fez sen3r também nos mercados financeiros, com o desenvolvimento dos chamados mercados futuros e de derivativos. 2.6 Abordagens alternativas

A teoria econômica tem recebido muitas crí3cas e abordagens alterna3vas. Muitas das crí3cas foram e são

absorvidas, e algumas abordagens alterna3vas foram e são incorporadas. O espectro de crí3cos é muito amplo e disperso e, evidentemente, heterogêneo. Destacamos os marxistas e os institucionalistas. Em ambas as escolas, critica-se a abordagem pragmá3ca da ciência econômica e propõe-se um enfoque analí3co, em que a Economia interage com os fatos históricos e sociais. A análise das questões econômicas sem a observação dos fatores históricos e sociais leva, segundo essas escolas, a uma visão distorcida da realidade.

Os marxistas têm como pilar de seu trabalho a obra O capital, de Karl Marx (1818-1883), economista alemão que desenvolveu quase todo seu trabalho com Friedrich Engels (1820- 1895) na Inglaterra, na segunda metade do século XIX. O marxismo desenvolve uma teoria do valor-trabalho, e consegue analisar muitos aspectos da economia com seu referencial teórico. A apropriação do excedente produ3vo (a mais-valia) pode explicar o processo de acumulação e a evolução das relações entre classes sociais.

Para Marx, o capital aparece com a burguesia, considerada uma classe social que se desenvolve após o desaparecimento do sistema feudal e que se apropria dos meios de produção. A outra classe social, o proletariado, é obrigada a vender sua força de trabalho, dada a impossibilidade de produzir o necessário para sobreviver.

O conceito da mais-valia u3lizado por Marx refere-se à diferença entre o valor das mercadorias que os trabalhadores produzem em dado período de tempo e o valor da força de trabalho vendida aos empregadores capitalistas, que a contratam. Os lucros, juros e aluguéis (rendimentos de propriedades) representam a expressão da mais-valia. Assim sendo, o valor que excede o valor da força de trabalho e que vai para as mãos do capitalista é definido por Marx como mais-valia. Ela pode ser considerada o valor extra que o trabalhador cria, além do valor pago por sua força de trabalho.

Marx foi influenciado pelos movimentos socialistas utópicos, por Hegel e pela teoria do valor-trabalho de Ricardo. Acreditava no trabalho como determinante do valor, tal como Adam Smith e David Ricardo, mas era hos3l ao capitalismo compe33vo e à livre concorrência, pois afirmava que a classe trabalhadora era explorada pelos capitalistas.

Marx enfatizou muito o aspecto políBco de seu trabalho, que teve impacto ímpar não só na ciência econômica como em outras áreas do conhecimento.

As contribuições dos economistas da linha marxista para a teoria econômica foram muitas e variadas. Entretanto, a maioria ocorreu à margem dos grandes centros de estudos ocidentais, por razões polí3cas. Consequentemente, a produção teórica foi pouco divulgada. Um exemplo é o trabalho de Michal Kalecki (1899- 1970), economista polonês que antecipou uma análise parecida com a da teoria geral de Keynes. Contudo, o reconhecimento de seu trabalho inovador só ocorreu muito tempo depois de 1933, quando publicou pela primeira vez seu Esboço de uma teoria do ciclo econômico.

Os institucionalistas, que têm como grandes expoentes os norte-americanos Thornstein Veblen (1857- 1929) e John Kenneth Galbraith (1917-2007), dirigem suas crí3cas ao alto grau de abstração da teoria econômica e ao fato de ela não incorporar em sua análise as ins3tuições sociais — daí o nome de ins3tucionalistas.

Rejeitam o pressuposto neoclássico de que o comportamento humano, na esfera econômica, seja racionalmente dirigido e resulte do cálculo de ganhos e perdas marginais. Consideram que as decisões econômicas das pessoas refletem muito mais as influências das ins3tuições dominantes e do desenvolvimento tecnológico.

A par3r de 1969 foi ins3tuído o Prêmio Nobel de Economia e consolidou-se a importância da teoria econômica como corpo cien4fico próprio. Os primeiros ganhadores foram Ragnar Frisch (1895-1973) e Jan Tinbergen (1903-1994). Aliás, os econometristas e economistas que trouxeram contribuição empírica ao conhecimento econômico têm cons3tuído a grande maioria dos agraciados com o Nobel de Economia.

22

Questões para revisão 1. Em que consistia a riqueza para os mercantilistas e para os fisiocratas? 2. Quem foi o mais destacado dos economistas clássicos? Quais suas principais ideias? 3. O que diz a teoria das vantagens comparativas? Quem foi seu autor? 4. Qual a principal diferença entre a lei de Say e o princípio keynesiano da demanda efe3va? 5. Explique sucintamente as principais diferenças entre monetaristas, fiscalistas, pós-keynesianos, marxistas e institucionalistas.

23

CAPITULO 3 Economia e Direito

3.1 Introdução

Este capítulo procura mostrar como importantes conceitos da teoria econômica estão relacionados ou dependem do quadro de normas jurídicas do país. No mundo real, por um lado, as normas jurídicas molduram o campo de análise da teoria econômica e, por outro, o surgimento de novas questões econômicas atuam de modo a modificar esse arcabouço jurídico.

Par3cularmente, nas úl3mas décadas, em função do expressivo avanço da liberalização dos mercados, tanto do comércio como das finanças internacionais, e a consequente redução da a3vidade econômica do Estado (o chamado neoliberalismo), vem ganhando mais importância o papel regulador do governo, visando garan3r a defesa da concorrência e os direitos dos consumidores.

Nesse sen3do, iniciamos este capítulo com um enfoque mais ligado à Microeconomia. Em seguida, já direcionados mais pela Macroeconomia, destacamos a relevância do arcabouço jurídico que norteia a aplicação dos instrumentos de polí3ca econômica. Finalizamos com alguns comentários sobre o papel do Estado na promoção do bem-estar da sociedade, tanto do ponto de vista econômico como jurídico. 3.2 O Direito e a teoria dos mercados: defesa do consumidor e da concorrência

Quando se estuda a teoria dos mercados, que é parte da Microeconomia, dois enfoques são encontrados: de um lado, no econômico, analisa-se o comportamento dos produtores e dos consumidores quanto a suas decisões de produzir e de consumir; de outro, no jurídico, o foco reside nos agentes das relações de consumo — consumidor e fornecedor —, sendo que, conforme o Código Brasileiro de Defesa do Consumidor, os direitos do consumidor colocam-se perante os deveres do fornecedor de bens e serviços.

Quando se estuda o estabelecimento comercial e o papel do empresário, novamente, duas visões emergem da análise: a econômica e a jurídica. A visão econômica ressalta o papel do administrador na organização dos fatores de produção — capital, trabalho, terra e tecnologia —, combinando-os de modo a minimizar seus custos ou maximizar seu lucro. A jurídica, extraída do Direito Comercial, apresenta várias concepções, que enfa3zam que o estabelecimento comercial é um sujeito de direito dis3nto do comerciante, com seu patrimônio elevado à categoria de pessoa jurídica, com a capacidade de adquirir e exercer direitos e obrigações.

Consumidores e produtores/fornecedores encontram-se nos mais variados mercados. Adam Smith1, analisando os mercados, descobriu uma propriedade notável: o princípio da mão invisível, pelo qual cada indivíduo, ao atuar na busca apenas de seu bem-estar par3cular, realiza o que é mais conveniente para o conjunto da sociedade. Assim, em mercados compe33vos, não concentrados em poucas empresas dominantes, o sistema de preços permite que se extraia a máxima quan3dade de bens e serviços úteis do conjunto de recursos disponíveis na sociedade, conduzindo a economia a uma eficiente alocação dos recursos.

Ele ficou impressionado com a ordem econômica estabelecida pelos mercados e preconizou que qualquer interferência governamental na livre concorrência seria prejudicial, tanto para compradores como para vendedores de mercadorias ou serviços.

Segundo essa visão do sistema econômico, o Estado deveria intervir o menos possível no funcionamento dos mercados, porque estes livremente resolveriam da maneira mais eficiente possível os problemas econômicos básicos da sociedade: o quê, como e para quem produzir.

Contudo, quando o Estado deveria intervir na economia? A jus3fica3va econômica para a intervenção governamental nos mercados se apoia no fato de que no mundo real observam-se desvios em relação ao modelo ideal preconizado por Smith, isto é, existem as chamadas imperfeições de mercado: externalidades, informação imperfeita e poder de monopólio.

As externalidades ou economias externas se observam quando a produção ou o consumo de um bem acarreta efeitos posi3vos ou nega3vos sobre outros indivíduos ou empresas, que não se refletem nos preços de mercado. As externalidades dão a base econômica para a criação de leis an3poluição, de restrições quanto ao uso da terra, de proteção ambiental etc.

Por seu lado, se os agentes econômicos possuem falhas de informação, ou seja, não têm informação completa a respeito de determinado bem ou serviço, eles não tomarão decisões corretas quando forem ao mercado desejando adquiri-lo. A análise da chamada “Assimetria de informações” é um dos campos mais estudados

24

na moderna teoria econômica. E como meio de proteger os consumidores, jus3fica-se a ação governamental, com a regulamentação da comercialização de bens e serviços, por exemplo: estabelecendo-se normas quanto aos prazos de validade de produtos; ou, no caso da segurança do motorista, exigindo-se o uso do cinto de segurança etc. Já o exercício do poder de monopólio caracteriza-se quando um produtor (ou grupo de produtores) aumenta unilateralmente os preços (ou reduz a quantidade), ou diminui a qualidade ou a variedade de produtos ou serviços, com a finalidade de aumentar os lucros. Em resposta a essas falhas de mercado, normas jurídicas possibilitaram que a atuação do governo na economia fosse cada vez mais abrangente.

Pouco a pouco, a sociedade foi vivenciando a mão visível do governo como forma de aumentar a eficiência econômica. Sua atuação se faz por meio de leis, as chamadas leis de defesa da concorrência, que regulam tanto as estruturas de mercado, como a conduta das empresas. Historicamente, o controle de monopólios e oligopólios surgiu nos Estados Unidos, no final do século XIX. Naquele período, empresas de pequeno porte passaram a ser absorvidas por outras maiores, que passaram a limitar a oferta e a encarecer os preços dos bens e serviços. Paralelamente, maquiagens nos balanços permi3ram colocar no mercado ações com preços bem acima do valor real dessas empresas. Devido a esses fatos, em 1890, foi votada a lei Sherman contra os trusts, que proibiu a formação de monopólios, tanto no comércio como na indústria. E, em 1914, com o Clayton Act, tratou-se de definir mais concretamente quais condutas seriam consideradas ilícitas. Finalmente, em 1950, a lei Celler-Kefauver proibiu as fusões de empresas por meio da compra de a3vos, se fosse verificado que essas fusões reduziriam a concorrência.

O Brasil, desde os anos 1960, possui legislação em defesa da concorrência. Contudo, esse conjunto de normas, até meados dos anos 1990, 3nha sido pouco eficaz, devido aos altos níveis de proteção à indústria nacional e aos elevados índices de inflação. Em consequência, o Estado brasileiro fez, durante muitos anos, a opção pelos controles de preços. Mudança expressiva ocorreu, todavia, a par3r da Cons3tuição Federal de 19882. Nela encontram-se os princípios básicos da atuação do Estado na economia, a sujeição do sistema econômico ao Estado sob a forma de proteção contra o abuso do poder econômico e, na forma da lei, as funções de fiscalização, incen3vo e planejamento, sendo este determinante para o setor público e indica3vo para o setor privado.

A partir dessa base legal, foi promulgada a Lei no 8.884, de 11 de junho de 19943, que criou o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência (SBDC), formado pelos três órgãos encarregados da defesa da concorrência no País: a Secretaria de Direito Econômico (SDE), do Ministério da Jus3ça, a Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE), do Ministério da Fazenda, e o Conselho Administra3vo de Defesa Econômica (CADE), autarquia vinculada ao Ministério da Jus3ça, que possuem diferentes funções: o CADE tem um poder decisório sobre os processos por ele julgados, enquanto as secretarias apresentam um caráter mais instrutor do processo.

O Conselho AdministraBvo de Defesa Econômica — CADE foi criado em 1962 e transformado em autarquia vinculada ao Ministério da Jus3ça em 1994. Tem por finalidade orientar, fiscalizar, prevenir e apurar abusos de poder econômico. O CADE é, assim, a úl3ma instância, na esfera administra3va, responsável pela decisão final sobre a matéria concorrencial.

O CADE baseia suas decisões na lei an3truste de 1994, que regulamenta os acordos de união e cooperação entre as empresas. Esta lei também julga os ‘atos de cooperação’, quando a junção representa mais de 20% do mercado. Após receber os pareceres das duas secretarias (SEAE e SDE), o CADE tem a tarefa de julgar os processos, desempenhando três papéis principais: preven3vo, repressivo e educa3vo. Em todas essas funções, o CADE tem por principal obje3vo zelar pela conduta concorrencial, impedindo prá3cas que violem a essência competitiva do mercado.

Esses órgãos do sistema atuam em duas frentes: a primeira, no controle das estruturas de mercado; a segunda, procurando coibir condutas ou prá3cas an3concorrenciais.

O controle das estruturas de mercado diz respeito aos atos que resultem em qualquer forma de concentração econômica, seja por fusões ou por incorporações de empresas, pela cons3tuição de sociedade para exercer o controle de empresas ou qualquer forma de agrupamento societário, que implique par3cipação da empresa, ou grupo de empresas.

O controle de condutas, por seu turno, consiste na apuração de práBcas anBconcorrenciais de empresas que detêm poder de mercado; por exemplo: a fixação de preços de revenda, as vendas casadas, os acordos de exclusividade, a cartelização de mercados e os preços predatórios.

Como se pode notar, é de extrema importância a ação governamental para a polí3ca de defesa da concorrência. Por meio dela, busca-se coibir e reprimir abusos no mercado: concorrência desleal, u3lização indevida das invenções, de signos distintivos, marcas e nomes comerciais, tudo que possa induzir o consumidor a erro, causando-lhe prejuízos. Enfim, a defesa da concorrência implica necessariamente a defesa do bem-estar público.

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 177 páginas