Fundamentos da Psicopedagogia - Apostilas - Psicopedagogia, Notas de estudo de Pedagogia. Universidade de Taubaté (Unitau)
Selecao2010
Selecao20106 de Maio de 2013

Fundamentos da Psicopedagogia - Apostilas - Psicopedagogia, Notas de estudo de Pedagogia. Universidade de Taubaté (Unitau)

PDF (249 KB)
18 páginas
33Números de download
1000+Número de visitas
100%de 7 votosNúmero de votos
2Número de comentários
Descrição
Apostilas de Psicopedagogia sobre o estudo dos Fundamentos da Psicopedagogia, Objeto de Estudo, Teorias, Campo de atuação do psicopedagogo.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 18
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 18 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 18 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 18 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 18 pages
baixar o documento

O termo psicopedagogia apresenta-se, hoje, com uma característica especial. Quanto mais tentamos elucidá-lo, menos claro ele nos parece. Essa dificuldade é

uma das razões e finalidade do presente ensaio, isto é, procuro deixar claro que a ambigüidade reside tanto na palavra quanto na coisa que ela reporta. À primeira vista, o termo sugere tratar-se de uma aplicação da psicologia à pedagogia, porém

tal definição não reflete o significado que esse termo assume em razão do seu nasci- mento. Como diz Lino de Macedo (1992), “o termo já foi inventado e assinala de forma simples e direta uma das mais profundas e importantes razões da produção de um conhecimento científico: o de ser meio, o de ser instrumento, para um outro,

tanto em uma perspectiva teórica ou aplicada”. Neste sentido, enquanto produção de conhecimento científico, a psicopedagogia, que nasceu da necessidade de uma melhor compreensão do processo de aprendizagem, não se basta como aplicação da

psicologia à pedagogia. Macedo (1992, p. VII) lembra-nos, ainda, que no Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa o termo psicopedagogia é definido como “aplicação da psicologia experimental à pedagogia”.

Os diversos autores que tratam da Psicopedagogia enfatizam o seu caráter

interdisciplinar.1 Reconhecer tal caráter significa admitir a sua especificidade en-

quanto área de estudos, uma vez que, buscando conhecimentos em outros campos,

cria o seu próprio objeto, condição essencial da interdisciplinaridade. Ao admitir essa interseção, não nos resta outra alternativa senão abandonarmos a idéia de tratar

a psicopedagogia apenas como aplicação da psicologia à pedagogia, pois, ainda que

se tratasse de recorrer apenas a estas duas disciplinas (o que não creio) na solução da problemática que lhe deu origem – os problemas de aprendizagem –, não seria como mera aplicação de uma à outra, mas sim como constituição de uma nova área que,

recorrendo aos conhecimentos dessas duas, pensa o seu objeto de estudo a partir de

um corpo teórico próprio, ou melhor, que busca se formar. Penso que a psicopedagogia, como área de aplicação, antecede o status de

área de estudos, a qual tem procurado sistematizar um corpo teórico próprio, defi-

FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA

1

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0019

20 Nadia A. Bossa

nir o seu objeto de estudo, delimitar o seu campo de atuação; para isso, recorre à psicologia, psicanálise, lingüística, fonoaudiologia, medicina e pedagogia. Pode- mos citar alguns profissionais brasileiros que objetivam dar a sua contribuição na

formação desse corpo teórico, começando por tentar definir a psicopedagogia. Para Maria M. Neves (1992, p. 10):

falar sobre psicopedagogia é, necessariamente, falar sobre a articulação entre educa- ção e psicologia, articulação essa que desafia estudiosos e práticos dessas duas áreas. Embora quase sempre presente no relato de inúmeros trabalhos científicos que tratam principalmente dos problemas ligados à aprendizagem, o termo psicopedagogia não consegue adquirir clareza na sua dimensão conceitual.

Segundo essa autora, a psicopedagogia inicialmente foi utilizada como adjetivo,

indicando uma forma de atuação que apontava a inevitável interseção dos campos do conhecimento da psicologia e da pedagogia. Diz Neves (1992, p. 10):

dentro dessa conotação adjetiva da psicopedagogia, alguns autores, principalmente pertencentes ao campo pedagógico, no final da década de 1970 e início da década de 1980 no Brasil, chamaram de atitude psicopedagógica o que em verdade era um psicologismo radical. Por isso, tratavam de denunciar a formação dos professores por eles cognominada de psicopedagógica.

Posteriormente, ainda segundo a professora Neves, a psicopedagogia assu-

miu uma conotação substantiva, o que, por um lado, correspondeu a uma aplica- ção conceitual e, por outro, causou um lamentável estado de confusão, devido a utilização de toda uma polissemia aplicada a um só termo. Concordo com Neves

quando se refere à questão conceitual mencionando a confusão que se apresenta e creio que essa ambigüidade ou dubiedade se estende também à pratica.

Para Sonia Moojen Kiguel (1991, p. 22), que também tem contribuído nesse

processo de construção do saber psicopedagógico,

historicamente a psicopedagogia surgiu na fronteira entre a pedagogia e a psicologia, a partir das necessidades de atendimento de crianças com “distúrbios de aprendizagem”, consideradas inaptas dentro do sistema educacional convencional (...) no momento atual, à luz de pesquisas psicopedagógicas que vêm se desenvolvendo, inclusive no nosso meio, e de contribuições da área da psicologia, sociologia, antropologia, lingüística, epistemologia, o campo da psicopedagogia passa por uma reformulação. De uma pers- pectiva puramente clínica e individual busca-se uma compreensão mais integradora do fenômeno da aprendizagem e uma atuação de natureza mais preventiva.

A afirmação de que a psicopedagogia, historicamente, surgiu na fronteira entre a psicologia e a pedagogia merece maior atenção. Kiguel aventa outra possibilida-

de quanto ao surgimento da psicopedagogia ao mencionar as tentativas de expli- cação para o fracasso escolar por outras vias que não a pedagógica e a psicológi- ca. Afirma que “os fatores etiológicos utilizados para explicar índices alarmantes

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0020

A psicopedagogia no Brasil 21

do fracasso escolar envolviam quase que exclusivamente fatores individuais como desnutrição, problemas neurológicos, psicológicos, etc.”, acrescentando que “no Brasil, particularmente durante a década de 1970, foi amplamente difundido o

rótulo de Disfunção Cerebral Mínima para as crianças que apresentavam, como sintoma proeminente, distúrbios na escolaridade” (Kiguel, 1991, p. 22).

Tais afirmações de Kiguel remetem-nos a duas considerações:

1. As explicações para o fracasso escolar fundamentavam-se em discursos que superam o psicológico e negam o pedagógico, pois falam de desnu-

trição, problemas neurológicos e problemas psicológicos (cf. Dorneles, em Scoz et al., 1987).

2. A idéia, muito aceita no Brasil (e em outros países), de que o problema

de aprendizagem estivesse relacionado com fatores neurológicos (cf. Cypel, 1986), indica o peso da concepção organicista no entendimento de uma problemática que, conforme vimos, se afirma, ao mesmo tempo,

ser preocupação da psicologia e da pedagogia.

Essa segunda consideração nos permite a seguinte correlação: quanto maior a preocupação com o orgânico, menor o espaço para o psicológico. Considerando

as suas implicações na prática, portanto, a psicopedagogia não pode ser pensada simplesmente como uma aplicação da psicologia à pedagogia, mas, se a psicope- dagogia não é uma aplicação da psicologia (experimental) à pedagogia, o que é

então? Para responder esta pergunta, convém percorrer um caminho em que é preciso pensar sobre o seu objeto de estudo, sobre as teorias que, na interdisci- plinaridade, embasam essa prática e sobre o seu campo de atuação.

Passemos a pensar, pois, sobre o objeto de estudo da psicopedagogia.

O OBJETO DE ESTUDO DA PSICOPEDAGOGIA

Se a (in)definição do termo psicopedagogia produz um estado de confusão

conforme afirma Neves, vejamos qual é a definição do objeto de estudo da psicope-

dagogia segundo alguns psicopedagogos brasileiros. Para Kiguel (1991, p. 24):

o objeto central de estudo da psicopedagogia está se estruturando em torno do processo de aprendizagem humana: seus padrões evolutivos normais e patológicos – bem como a influência do meio (família, escola, sociedade) no seu desenvolvimento.

De acordo com Neves (1991, p. 12):

a psicopedagogia estuda o ato de aprender e ensinar, levando sempre em conta as realida- des interna e externa da aprendizagem, tomadas em conjunto. E, mais, procurando estudar a construção do conhecimento em toda a sua complexidade, procurando colocar em pé de igualdade os aspectos cognitivos, afetivos e sociais que lhe estão implícitos.

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0021

22 Nadia A. Bossa

Segundo Scoz (1992, p. 2):

a psicopedagogia estuda o processo de aprendizagem e suas dificuldades? e em uma ação profissional deve englobar vários campos do conhecimento, integrando-os e sintetizando-os.

Para Golbert (1995, p. 13):

[o] objeto de estudo da psicopedagogia deve ser entendido a partir de dois enfoques: preventivo e terapêutico. O enfoque preventivo considera o objeto de estudo da psicope- dagogia o ser humano em desenvolvimento, enquanto educável. Seu objeto de estudo é a pessoa a ser educada, seus processos de desenvolvimento e as alterações de tais proces- sos. Focaliza as possibilidades do aprender, num sentido amplo. Não deve se restringir a uma só agência como a escola, mas ir também à família e à comunidade. Poderá esclare- cer, de forma mais ou menos sistemática, a professores, pais e administradores sobre as características das diferentes etapas do desenvolvimento, sobre o progresso nos proces- sos de aprendizagem, sobre as condições psicodinâmicas da aprendizagem, sobre as condições determinantes de dificuldades de aprendizagem. O enfoque terapêutico consi- dera o objeto de estudo da psicopedagogia a identificação, análise, elaboração de uma metodologia de diagnóstico e tratamento das dificuldades de aprendizagem.

Para Kubinstein (1992, p. 103):

em um primeiro momento a psicopedagogia esteve voltada para a busca e o desenvolvi- mento de metodologias que melhor atendessem aos portadores de dificuldades, tendo como objetivo fazer a reeducação ou a remediação e desta forma promover o desapare- cimento do sintoma. Ainda, a partir do momento em que o foco de atenção passa a ser a compreensão do processo de aprendizagem e a relação que o aprendiz estabelece com a mesma, o objeto da psicopedagogia passa a ser mais abrangente: a metodologia é apenas um aspecto no processo terapêutico, e o principal objetivo é a investigação de etiologia da dificuldade de aprendizagem, bem como a compreensão do processamento da aprendizagem considerando todas as variáveis que intervêm neste processo.

Do ponto de vista de Weiss (1991, p. 6):

a psicopedagogia busca a melhoria das relações com a aprendizagem, assim como a melhor qualidade na construção da própria aprendizagem de alunos e educadores.

Essas considerações em relação ao objeto de estudo da psicopedagogia sugerem que há um certo consenso quanto ao fato de que ela deve ocupar-se em

estudar a aprendizagem humana, porém é uma ilusão pensar que tal consenso nos

conduza, a todos, a um único caminho. O tema da aprendizagem apresenta tama- nha complexidade que tem a dimensão da própria natureza humana e caberia um

outro ensaio para tratá-lo. É importante, no entanto, ressaltar que a concepção de aprendizagem resulta de uma visão de homem, e é em razão desta que acontece a

práxis psicopedagógica.

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0022

A psicopedagogia no Brasil 23

Dos profissionais brasileiros supracitados, pudemos verificar que o tema da aprendizagem ocupa-os e preocupa-os, sendo os problemas desse processo (de apren- dizagem) a causa e a razão da psicopedagogia. Este é também o pensamento dos

argentinos (os quais, conforme veremos no Capítulo 2, nos inspiraram). Podemos observar esse pensamento traduzido nas palavras de profissionais argentinos que atuam na área e que estão envolvidos no trabalho teórico. Para eles, “a aprendiza-

gem com seus problemas” constitui-se no pilar-base da psicopedagogia. Vejamos. Alicia Fernández (1990a, p. 11), ao citar Sara Paín, coloca:

ela considera o sintoma histérico a plataforma de lançamento para que Freud pudesse formular a teoria e a técnica da psicanálise, dando conta dos fenômenos inconscien- tes, o problema da aprendizagem é nossa plataforma de lançamento para construir uma teoria psicopedagógica .

Ao se referir à psicopedagogia, Fernández (1984a, p. 102) sublinha:

Mas ainda não podemos construir uma teoria acerca de nossa prática específica, na pato- logia da aprendizagem. Recorremos à teoria da inteligência de Piaget, que nos aporta um modelo da inteligência, mas não uma teoria sobre as fraturas no aprender, acerca do sujei- to que não aprende. Recorremos também à psicanálise, que nos permite, entre tantas ou- tras coisas, realizar uma leitura do inconsciente e nos possibilita um marco psicopatológico a que remetemos para compreender a estrutura de personalidade de nossos pacientes. Mas carecemos de uma psicopatologia acerca da aprendizagem. Estamos tentando construir nossa própria teoria, nosso específico enquadramento, os rasgos diferenciadores de nossa técnica e nosso lugar como especialistas em problemas de aprendizagem.

Segundo Jorge Visca (1987), a psicopedagogia, que inicialmente foi uma ação

subsidiária da medicina e da psicologia, perfilou-se como um conhecimento inde- pendente e complementar, possuidora de um objeto de estudo – o processo de aprendizagem – e de recursos diagnósticos, corretores e preventivos próprios.

Para Marina Müller, ao refletir-se sobre o objeto de estudo específico da psico- pedagogia, deve-se tomar em conta o lugar em que se situa este campo de atividade. Müller (1984, p. 7 e 8) diz que é função da psicologia pensar

como se incrementam os conhecimentos, ou entram em contradição e são substituí- dos; que leis regem estes processos; que influências afetivas e representações incons- cientes os acompanham; que dificuldades interferem ou impedem; de que maneira é possível favorecer as aprendizagens ou tratar suas alterações.

É função da pedagogia pensar: O que é educar, o que é ensinar e aprender;

como se desenvolvem estas atividades; como incidem subjetivamente os sistemas e métodos educativos; quais as problemáticas estruturais que intervêm no surgimento de transtornos da aprendizagem e no fracasso escolar; que propostas

de mudança surgem. “O sujeito que aprende” – diz Marina Müller – “é motivo de perguntas para os psicopedagogos, e destinatário de sua atividade profissional”.

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0023

24 Nadia A. Bossa

A psicopedagogia se ocupa da aprendizagem humana, que adveio de uma de- manda – o problema de aprendizagem, colocado em um território pouco explorado, situado além dos limites da psicologia e da própria pedagogia – e evoluiu devido a

existência de recursos, ainda que embrionários, para atender a essa demanda, consti- tuindo-se, assim, em uma prática. Como se preocupa com o problema de aprendiza- gem, deve ocupar-se inicialmente do processo de aprendizagem. Portanto, vemos que

a psicopedagogia estuda as características da aprendizagem humana: como se aprende, como essa aprendizagem varia evolutivamente e está condicionada por vários fato- res, como se produzem as alterações na aprendizagem, como reconhecê-las, tratá-las

e preveni-las.2 Esse objeto de estudo, que é um sujeito a ser estudado por outro sujei- to, adquire características específicas a depender do trabalho clínico ou preventivo:

w O trabalho clínico se dá na relação entre um sujeito com sua história pessoal e sua modalidade de aprendizagem, buscando compreender a mensagem de outro sujeito, implícita no não-aprender. Nesse processo, onde investi-

gador e objeto-sujeito de estudo interagem constantemente, a própria alte- ração torna-se alvo de estudo da psicopedagogia. Isso significa que, nesta modalidade de trabalho, deve o profissional comprender o que o sujeito

aprende, como aprende e por que, além de perceber a dimensão da relação entre psicopedagogo e sujeito de forma a favorecer a aprendizagem.

w No trabalho preventivo,3 a instituição, enquanto espaço físico e psíquico da aprendizagem, é objeto de estudo da psicopedagogia, uma vez que são

avaliados os processos didático-metodológicos e a dinâmica institucional que interferem no processo de aprendizagem.

A definição do objeto de estudo da psicopedagogia passou por fases distintas, assim como os demais aspectos dessa área de estudo. Em diferentes momentos históricos, que repercutem nas produções científicas, esse objeto foi entendido de

várias formas. Houve tempo em que o trabalho psicopedagógico priorizava a ree- ducação, o processo de aprendizagem era avaliado em função de seus déficits, e o trabalho procurava vencer tais defasagens. O objeto de estudo era o sujeito que

não podia aprender, concebendo-se a “não-aprendizagem” pelo enfoque que sa-

lientava a falta. Esse enfoque buscava estabelecer as semelhanças entre grandes grupos de sujeitos, as regularidades, o esperado para determinada idade, visando

reduzir as diferenças e acentuar a uniformidade. Posteriormente, a psicopedagogia adotou a noção de “não-aprendizagem” de

outra maneira: o não-aprender é tido como carregado de significados, e não se opõe

ao aprender. Essa fase da psicopedagogia é fundamentada, em especial, na psicaná- lise e na psicologia genética. Essa nova concepção leva em conta a singularidade do indivíduo ou grupo, buscando o sentido particular de suas características e suas

alterações, segundo as circunstâncias da sua própria história e do seu mundo sociocul- tural. O processo evolutivo pelo qual essa nova área de estudo procurou estruturar-

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0024

A psicopedagogia no Brasil 25

se entende que o objeto de estudo é sempre o sujeito “aprendendo”, como se refere Alicia Fernández (1991). Essa concepção de sujeito variou, porém, conforme disse- mos anteriormente, em função da visão de homem adotada em cada momento histó-

rico e da sua correspondente concepção de aprendizagem. Atualmente, a psicopedagogia trabalha com uma concepção de aprendiza-

gem segundo a qual participa desse processo um equipamento biológico com dis-

posições afetivas e intelectuais que interferem na forma de relação do sujeito com o meio, sendo que essas disposições influenciam e são influenciadas pelas condi- ções socioculturais do sujeito e do seu meio.

Conforme vimos, o trabalho psicopedagógico pode ser preventivo e clínico. Entretanto, ele é também teórico na medida da necessidade de se refletir sobre a práxis. Assim sendo, vale repensar um pouco a prática, antes de abordar o teórico.

No trabalho preventivo, podemos falar em diferentes níveis de prevenção. No primeiro nível, o psicopedagogo atua nos processos educativos com o objetivo de diminuir a “freqüência dos problemas de aprendizagem”. Seu trabalho incide nas

questões didático-metodológicas, bem como na formação e orientação de profes- sores, além de fazer aconselhamento aos pais. No segundo nível, o objetivo é dimi- nuir e tratar dos problemas de aprendizagem já instalados. Para tanto, cria-se um

plano diagnóstico da realidade institucional, e elaboram-se planos de intervenção baseados nesse diagnóstico, a partir do qual se procura avaliar os currículos com os professores, para que não se repitam tais transtornos. No terceiro nível, o objetivo é

eliminar os transtornos já instalados, em um procedimento clínico com todas as suas implicações. O caráter preventivo permanece aí, uma vez que, ao eliminarmos um transtorno, estamos prevenindo o aparecimento de outros.

Como exemplo dos níveis de trabalho preventivo, podemos nos valer de uma situação específica: a alfabetização. Ao se deparar com novas teorias acerca da alfabetização, o psicopedagogo, juntamente com outros profissionais da escola,

trata de elaborar métodos de ensino compatíveis com as novas concepções acerca desse processo. Nesse momento, que corresponderia ao primeiro nível preventi- vo, ele trabalha com os professores, auxiliando-os a incorporar os novos conheci-

mentos e os procedimentos metodológicos deles decorrentes.

Utilizando ainda a alfabetização, digamos que, em um determinado grupo, classe

ou instituição, apareçam transtornos na aprendizagem do processo de leitura e escri-

ta. Cabe então ao psicopedagogo, no segundo nível preventivo, realizar um diagnós- tico do grupo e intervir nos procedimentos didático-metodológicos em vigor. Esse profissional tem, agora, não só o objetivo de detectar as causas dos transtornos,

como também de encontrar os meios para que os mesmos sejam eliminados. Já o terceiro nível se dá no momento em que problemas específicos de leitura e escrita já estejam instalados em um aluno ou grupo de alunos. Deve o psicopedagogo, neste

caso, atuar diretamente junto a estes, a fim de tratar esses transtornos e evitar outros. No exercício clínico, o psicopedagogo deve reconhecer a sua própria subjetivi-

dade na relação, pois trata-se de um sujeito que estuda outros sujeitos. Essa inter-

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0025

26 Nadia A. Bossa

relação de sujeitos, na qual um procura conhecer no outro aquilo que o impede de aprender, implica uma temática muito complexa. Ao psicopedagogo cabe saber como se constitui o sujeito, como este se transforma em suas diversas etapas de vida, quais

os recursos de conhecimento de que ele dispõe e a forma pela qual produz conheci- mento e aprende.

Esse saber exige do psicopedagogo que recorra a teorias que lhe permitam

reconhecer de que modo se dá a aprendizagem, bem como às leis que regem esse processo: as influências afetivas e as representações inconscientes que o acompa- nham, o que pode comprometê-lo e o que pode favorecê-lo. É preciso, também,

que o psicopedagogo saiba o que é ensinar e o que é aprender; como interferem os sistemas e métodos educativos; os problemas estruturais que intervêm no surgi- mento dos transtornos de aprendizagem e no processo escolar.

Faz-se, desta maneira, imperioso que, enquanto psicopedagogos, aprenda- mos sobre como os outros sujeitos aprendem e também sobre como nós aprende- mos. Para Alicia Fernández (1991), esse saber só é possível com uma formação

que se oriente sobre três pilares:

a) prática clínica: ocorre em consultório individual-grupal-familiar, em insti-

tuições educativas e sanitárias; b) construção teórica: é permeada pela prática de forma que, a partir desta, a

teoria psicopedagógica possa ser tecida; c) tratamento psicopedagógico-didático: segundo essa autora argentina, o tra-

tamento psicopedagógico-didático é fundamental na formação do psico- pedagogo, pois se constitui em um espaço para a construção do olhar e da escuta clínica4 – a partir da análise do seu próprio aprender –, que confi-

guram a atitude psicopedagógica.

Ainda de acordo com Alicia Fernández (1991), todo sujeito tem a sua modalidade

de aprendizagem, ou seja, meios, condições e limites para conhecer. Modalidade de aprendizagem significa uma maneira pessoal para aproximar-se do conhecimento e constituir o saber. Tal modalidade constrói-se desde o nascimento, é como uma matriz,

um molde, um esquema de operar que utilizamos nas situações de aprendizagem.

Essa modalidade é fruto do seu inconsciente simbólico constituído na sua inter-relação com o outro e de sua atividade estruturante de um universo estável: relação causa-

efeito, espaço-temporal, objetividade. Assim, organizam-se as operações lógicas de

classificação e de relação que de um nível de elaboração simples passam a outro cada vez mais complexo. Esse sujeito envolve, em um único personagem, o sujeito

epistêmico e o sujeito do desejo. Isso significa que a possibilidade de aprender está situada no nível inconsciente, no desejo de conhecer,5 conforme observa outro autor: “Este desejo de conhecer (epistemofilia) está ligado, em movimento dialético, à busca

de sua própria verdade (conhecer quem é, e quem é para os outros), e à busca do mundo cognitivo cultural, compartilhado socialmente” (Müller, 1984, p. 8).

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0026

A psicopedagogia no Brasil 27

No trabalho clínico, conceber o sujeito que aprende como um sujeito epistêmico- epistemofílico implica procedimentos diagnósticos e terapêuticos que considerem tal concepção. Por exemplo, no processo diagnóstico interessa-nos saber como e o

que o sujeito pode aprender, e perceber o interjogo entre o desejo de conhecer e o de ignorar. Para isso, é necessária uma leitura clínica na qual, por meio da escuta psicopedagógica, se possa decifrar os processos que dão sentido ao observado e

norteiam a intervenção: “Além do sintoma que deve ser reeducado, primeiramente existe uma mensagem que deve ser ouvida” (Mannoni, 1976, p. 205).

Perceber esse interjogo, ouvir essa mensagem, enfim, assumir essa atitude6 clí-

nica requer um conjunto de conhecimentos estruturados de forma a se constituir uma matriz teórica interpretativa. De acordo com Alicia Fernández (1991), necessita- mos incorporar conhecimentos sobre o organismo, o corpo, a inteligência e o desejo,

estando estes quatro níveis basicamente implicados no aprender. Considerando-se o problema de aprendizagem na interseção desses níveis, as teorias que se ocupam da inteligência, do inconsciente, do organismo e do corpo, em separado, não conse-

guem resolvê-lo. Faz-se necessário construir, pois, uma teoria psicopedagógica fundamentada

em conhecimentos de outros corpos teóricos, que, ressignificados, embasem essa

prática. Vejamos quais são essas teorias.

AS TEORIAS QUE EMBASAM O TRABALHO PSICOPEDAGÓGICO

Conhecer os fundamentos da psicopedagogia implica refletir sobre as suas ori-

gens teóricas, ou seja, revisar velhos impasses conceituais subjazentes à ação e à atuação da pedagogia e da psicologia no apreender do fenômeno educativo.

Do seu parentesco com a pedagogia, a psicopedegogia traz as indefinições e

contradições de uma ciência cujos limites são os da própria vida humana. Envolve simultaneamente, a meu juízo, o social e o individual em processos tanto transforma- dores quanto reprodutores. Da psicologia, a psicopedagogia herda o velho proble-

ma do paralelismo psicofísico, um dualismo que ora privilegia o físico (observável),

ora o psíquico (a consciência). Essas duas áreas não são suficientes para apreender o objeto de estudo da psico-

pedagogia – o processo de aprendizagem e suas variáveis – e nortear a sua prática.

Dessa forma, recorre-se a outras áreas, como a filosofia, a neurologia, a sociologia,

a lingüística e a psicanálise, no sentido de alcançar compreensão desse processo.

Para Sara Paín (1987, p. 15):

nesse lugar do processo de aprendizagem coincidem um momento histórico, um orga- nismo, uma etapa genética da inteligência e um sujeito associado a tantas outras es- truturas teóricas, de cuja engrenagem se ocupa e preocupa a epistemologia; referimo- nos principalmente ao materialismo histórico, à teoria piagetiana da inteligência e à teoria psicanalítica de Freud, enquanto instauram a ideologia, a operatividade e o inconsciente.

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0027

28 Nadia A. Bossa

Os autores brasileiros Neves, Kiguel, Scoz, Golbert, Rubinstein, Weiss, Barone e outros, assim como os argentinos Fernández, Paín, Visca, Müller, são unânimes quanto à necessidade de conhecimentos de diversas áreas que, articulados, devem fundamentar

a constituição de uma teoria psicopedagógica. Diz Fernández (1985, p. 12): “A epistemologia genética e a psicanálise são necessárias para a teoria psicopedagógica, mas não se confundem com ela, cujo fim é dar conta da articulação inteligência-

desejo”. Jorge Visca (1987, p. 7) considera que a psicopedagogia foi se perfilando como um conhecimento independente e complementar, por assimilação recíproca das contribuições das escolas psicanalítica, piagetiana e da psicologia social de Enrique

Pichon-Rivière. Desta forma, entende esse autor ser possível compreender a participação dos aspectos afetivos, cognoscitivos e do meio que confluem no aprender do ser humano.

Para Sara Paín (1986, p. 5), vale relembrar, os que se defrontam com os

problemas de aprendizagem devem fundamentar a sua prática na articulação da Psicanálise, da teoria piagetiana e do materialismo histórico. Por sua vez, Marina Müller (1986) aponta como suportes teóricos na psicopedagogia clínica – campo

do qual essa argentina se ocupa – a psicanálise e a psicologia genética, bem como a psicologia social e a linguística. Os profissionais brasileiros também crêem nessa articulação como fundamento para a teoria e a prática psicopedagógicas,

conforme veremos a seguir. Sonia Moojen Kiguel (em Scoz et al., 1990, p. 25), fonoaudióloga e psicope-

dagoga, ao fazer considerações sobre a abordagem psicopedagógica, afirma:

A psicopedagogia terapêutica é um campo de conhecimento relativamente novo que surgiu na fronteira entre a pedagogia e a psicologia. Encontra-se ainda em fase de organização de um corpo teórico específico, visando a integração das ciências peda- gógica, psicológica, fonoaudiológica, neuropsicológica e psicolinguística, para uma compreensão mais integradora do fenômeno da aprendizagem humana.

Vemos nas palavras de Barone (1991, p. 113) um pensamento convergente para esse sentido:

A prática psicopedagógica vem colocando questões ainda pouco discutidas, de mane- jo difícil e geradoras de conflito. Isto porque seu “paciente”, o sujeito com dificulda- de de aprendizagem, apresenta, quase sempre, um quadro de comprometimentos que extrapola o campo de ação específico de diferentes profissionais, envolvendo dificul- dades cognitivas, instrumentais e afetivas.

Vimos que, devido à complexidade do seu objeto de estudo, são importantes

à psicopedagogia conhecimentos específicos de diversas outras teorias, as quais incidem sobre os seus objetos de estudos, por exemplo:

w a psicanálise encarrega-se do mundo inconsciente, das representações pro-

fundas, operantes por meio da dinâmica psíquica que se expressa por sinto-

mas e símbolos, permitindo-nos levar em conta a face desejante do homem;

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0028

A psicopedagogia no Brasil 29

w a psicologia social encarrega-se da constituição dos sujeitos, que responde às relações familiares, grupais e institucionais, em condições socioculturais e econômicas específicas e que contextuam toda aprendizagem;

w a epistemologia e a psicologia genética encarregam-se de analisar e des- crever o processo construtivo do conhecimento pelo sujeito em interação com os outros e com os objetos;

w a lingüística traz a compreensão da linguagem como um dos meios que caracterizam o tipicamente humano e cultural: a língua enquanto código disponível a todos os membros de uma sociedade, e a fala como fenômeno

subjetivo, evolutivo e historiado de acesso à estrutura simbólica; w a pedagogia contribui com as diversas abordagens do processo ensino-apren-

dizagem, analisando-o do ponto de vista de quem ensina;

w os fundamentos na neuropsicologia possibilitam a compreensão dos meca- nismos cerebrais que subjazem ao aprimoramento das atividades mentais, indicando-nos a que correspondem, do ponto de vista orgânico, todas as

evoluções ocorridas no plano psíquico.

Ora, nenhuma dessas áreas surgiu especificamente para responder à proble-

mática da aprendizagem humana. Elas, no entanto, nos fornecem meios para re- fletir cientificamente e operar no campo psicopedagógico, o nosso campo.

Vejamos um exemplo: uma criança nos é encaminhada por não aprender a ler e a escrever – situação, por sinal, bastante comum no dia-a-dia, seja no consultório,

seja na instituição escolar. Recorremos, então, a um corpo teórico para que alguns elementos nos ajudem a iluminar o epicentro do problema. Começamos por analisar algumas questões que surgem no nosso trabalho de auxiliar esse sujeito a restabele-

cer o seu processo de aprendizagem ou, por outra, a entrar no curso da aprendiza- gem. Pois bem, será que a metodologia utilizada no processo de alfabetização é adequada? Essa questão envolve aspectos do processo ensino-aprendizagem que

devem ser vistos à luz de teorias pedagógicas. Além disso, a construção desse novo objeto de conhecimento – o processo de leitura-escrita – implica processos cognitivos que podem ser compreendidos por meio da psicologia genética, por exemplo. Ou

será que o processo se acha inviabilizado na relação professor-aluno? Estaria o alu-

no estabelecendo uma relação transferencial com o professor, a qual não lhe permite o aprender, ou vice-versa? Ou, ainda, o acesso à leitura-escrita poderia se tornar

algo persecutório por estar relacionado com o crescimento? Essa análise, enfim, conforme vimos sublinhando, envolve o respaldo de outras disciplinas, seja no caso

uma cultura psicanalítica que permita identificar mecanismos psíquicos, de repre-

sentação, que atuam no sentido da não-aprendizagem para esse sujeito. Podemos, por outro lado, estar diante de um caso em que o sujeito tenha

sofrido uma anóxia de parto que lhe ocasionou uma lesão cerebral, atingindo a

área cortical da linguagem. Como nos assegurarmos dessas informações, que, uma vez confirmadas, dão um direcionamento muito diferenciado das situações anterio-

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0029

30 Nadia A. Bossa

res? Evidencia-se, neste caso, que alguns princípios da neurologia são de funda- mental importância ao profissional da psicopedagogia, desde o encaminhamento a outros profissionais até a definição da forma de tratamento.

Podemos ainda nos deparar com uma ocorrência em que a dificuldade advenha de diferenças culturais e de linguagem. A estranheza dos significantes do profes- sor para o aluno, e vice-versa, gera problemas na própria comunicação, compro-

metendo deste modo a leitura e a escrita, já que essas se configuram em um ato de comunicação. A lingüística, nesta situação exemplar, pode oferecer um aparato conceitual que venha a operar no sentido de explicitar ao psicopedagogo a causa

da problemática e, quem sabe, permitir-lhe uma eficiente intervenção. De sua parte, a psicologia social ilumina a natureza do grupo a que pertence o

sujeito da aprendizagem e as interferências socioculturais desse grupo nesse sujeito.

Enfim, esse e os demais exemplos aqui apresentados atestam situações em que, requerendo elementos conceituais de outros corpos teóricos, a psicopedagogia pen- sa o seu objeto de estudo, exemplos em que se registra essa cooperação, esse operar

com outros sobre um problema, uma anomalia. Os profissionais da psicopedagogia, como quaisquer outros profissionais, sus-

tentam a sua prática em pressupostos teóricos muitas vezes distintos, conforme já

referido antes. Isso implica diversificados enquadres, conseqüências da identifi- cação do profissional com determinada corrente teórica. O psicopedagogo pode, por exemplo, dentro das teorias da personalidade, escolher a psicanálise com o

objetivo de comprender o sentido inconsciente das dificuldades de aprendizagem. Tal escolha estaria alicerçada na condição pessoal de psicopedagogo, a qual é oriunda da sua experiência de análise e das condições da sua formação.

Essa opção implica determinado procedimento prático, no qual o trabalho psicopedagógico consistiria em propor à criança a realização de determinadas tare- fas e acompanhá-la na sua execução. O foco de atenção do psicopedagogo, porém,

é a reação da criança diante da tarefa, considerando resistências, bloqueios, lapsos, hesitações, repetições, sentimentos e angústias frente a certas situações. Além de outros procedimentos, o psicopedagogo faz as intervenções, que visam permitir à

criança entrar em contato com o sentido inconsciente das suas dificuldades.

Menos como uma digressão do que como um breve lembrete, poderíamos subli-

nhar que Freud já previu a possibilidade de se recorrer à psicanálise na compreensão

dos diversos sintomas (remetamo-nos ao uso psicanalítico do termo sintoma). O pro- blema de aprendizagem enquanto sintoma pode ser comparado, na sua dinâmica, com o sintoma conversivo. Frente a enfermidades que apareciam no corpo e que não

podiam ser explicadas pela medicina, Freud chega à noção de inconsciente e entende que o que ocorria era uma conversão simbólica do inconsciente para o corpo. A partir daí começa a pensar nas formações do inconsciente, entre elas o sintoma. Segundo o

criador da psicanálise, o inconsciente não se manifesta de forma direta, nem se pode circunscrevê-lo ou delimitá-lo, mas aparece através das fraturas: o chiste, o lapso, o ato falho, o sonho e o sintoma. “O futuro provavelmente atribuirá muito maior impor-

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0030

A psicopedagogia no Brasil 31

tância à psicanálise como a ciência do inconsciente do que como um procedimento terapêutico” (Freud, 1976, v. XX, p. 303). Como ciência do inconsciente, portanto, a psicanálise permite a compreensão do sintoma enquanto problema de aprendizagem,

percebendo-o como uma manifestação humana carregada de significado. Entretanto, não só à psicanálise recorre o psicopedagogo. Como vimos, ele

busca conhecimentos também na psicologia genética, na psicologia social, na

psicolingüística, etc. Sabemos igualmente que nenhuma dessas áreas surge para responder aos problemas de aprendizagem: as diversas combinações entre elas re- sultam, entretanto, em posturas teórico-práticas diversificadas, porém com diversos

pontos de convergência. Assim, a partir de pressupostos teóricos iniciais da medici- na, da psicologia e da pedagogia, foram-se constituindo concepções acerca dos pro- blemas de aprendizagem, as quais se transformaram e, conseqüentemente, transfor-

maram a prática psicopedagógica, até esta chegar à configuração atual. De qualquer modo, a psicopedagogia se encontra em fase embrionária, e seu corpo teórico acha- se em construção, amalgamando-se ou estruturando o seu arcabouço lógico-princi-

pal ou ideal. A cada dia surgem novas idéias, novas situações e mais transformação: o psicopedagogo então transforma a teoria, e, por seu turno, a teoria o transforma.

Podemos caracterizar a psicopedagogia como uma área de confluência do

psicológico (a subjetividade do ser humano enquanto tal) e do educacional (ativida- de especificamente humana, social e cultural). Tratando do mundo psíquico indivi- dual e grupal em relação à aprendizagem e aos sistemas e processos educativos, o

psicopedagogo ensina como aprender e, para isso, necessita apreender o aprender e a aprendizagem. Para o psicopedagogo, aprender é um processo que implica pôr em ação diferentes sistemas que intervêm em todo sujeito: a rede de relações e

códigos culturais e de linguagem que, desde antes do nascimento, têm lugar em cada ser humano à medida que ele se incorpora à sociedade.

A aprendizagem, afinal, é responsável pela inserção da pessoa no mundo da

cultura. Mediante a aprendizagem, o indivíduo se incorpora ao mundo cultural, com uma participação ativa, ao se apropriar de conhecimentos e técnicas, construin- do em sua interioridade um universo de representações simbólicas.

Pois bem, nesse trabalho de ensinar a aprender, o psicopedagogo recorre a

critérios diagnósticos no sentido de compreender a falha na aprendizagem – daí o

caráter clínico da psicopedagogia, ainda que o seu objetivo seja a prevenção dos

problemas de aprendizagem. É clínico porque envolve sempre um processo diagnós- tico ou de investigação que precede o plano de trabalho. Esse diagnóstico consiste na busca de um saber para saber-fazer. Por meio das informações obtidas nesse

processo de investigação, o psicopedagogo inicia a construção do seu plano de trabalho. “O diagnóstico não completa o olhar interpretativo nem diagnóstico: todo o processo terapêutico é também diagnóstico” (Fernández, 1990, p. 44), ocor-

rendo também no trabalho institucional, no qual, após o momento inicial de inves- tigação, se inicia um processo de intervenção, com a implantação de recursos capazes de solucionar o problema tão logo este se anuncie. Durante esse processo

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0031

32 Nadia A. Bossa

de intervenção, o profissional não abandona o olhar interpretativo que caracteriza a prática psicopedagógica.

A investigação diagnóstica envolve a leitura de um processo complexo, no qual

todas as ambigüidades de atribuição de sentido a uma série de manifestações cons- cientes e inconscientes se fazem presentes. Interjogam aí o pessoal, o familiar atual e passado, o sociocultural, o educacional, a aprendizagem sistemática. O decifrar do

sentido da dificuldade de aprendizagem repercute sobre o problema que interpreta- mos: a nossa linguagem sobre a linguagem da enfermidade nos leva a um compro- misso, ou seja, ao diagnóstico, promotor de decisões acerca do tratamento.

As observações de Ajuriaguerra (1970, p. 1) nos falam das dificuldades ine- rentes ao processo diagnóstico no trabalho psicopedagógico com a criança e com o adolescente,

ainda mais do que com o adulto, é com a criança que encontramos dúvidas nosográficas. Sujeito em evolução, a criança é móvel em suas estruturas e maleável em suas mani- festações; o mesmo acontece em patologia.

A leitura do diagnóstico pode variar segundo cada profissional, em função da sua formação, dos marcos referenciais que sustentam a sua prática e a abordagem teórica

com a qual ele se identifica. Essa questão é ainda mais controvertida quando se fala na atuação psicopedagógica no Brasil, devido às suas condições de formação.

Atualmente, a psicopedagogia refere-se a um saber e a um saber-fazer, às con-

dições subjetivas e relacionais – em especial familiares e escolares –, a inibições, atrasos e desvios do sujeito ou grupo a ser diagnosticado. O conhecimento psicope- dagógico não se cristaliza em uma delimitação fixa, nem nos déficits e alterações

subjetivas do aprender, mas avalia a possibilidade do sujeito, a disponibilidade afetiva de saber e de fazer, reconhecendo que o saber é próprio do sujeito.

O CAMPO DE ATUAÇAO DA PSICOPEDAGOGIA

O campo de atuação do psicopedagogo refere-se não só ao espaço físico onde se

dá esse trabalho, mas também e em especial ao espaço epistemológico que lhe cabe,

ou seja, ao lugar deste campo de atividade e ao modo de abordar o seu objeto de

estudo. A forma de abordar o objeto de estudo pode assumir características específi-

cas, a depender da modalidade: clínica, preventiva e teórica, umas articulando-se

às outras. O trabalho clínico não deixa de ser preventivo, uma vez que, ao tratar alguns transtornos de aprendizagem, pode evitar o aparecimento de outros. O trabalho preventivo, numa abordagem psicopedagógica, é sempre clínico, levan-

do em conta a singularidade de cada processo. Essas duas formas de atuação, por sua vez, não deixam de resultar em um trabalho teórico. Tanto na prática preven- tiva quanto na clínica, o profissional, como já vimos anteriormente, procede sem-

pre embasado no referencial teórico adotado.

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0032

A psicopedagogia no Brasil 33

Ao delimitar o campo de atuação do trabalho psicopedagógico, deve-se, no entanto, diferenciar essas modalidades de atuação, especificando as suas tarefas. Dessa forma, o trabalho psicopedagógico na área preventiva é de orientação no

processo ensino-aprendizagem, visando favorecer a apropriação do conhecimen- to pelo ser humano, ao longo da sua evolução. Esse trabalho pode se dar na forma individual ou na grupal, na área da saúde mental e da educação.

Na sua função preventiva, cabe ao psicopedagogo:

w detectar possíveis perturbações no processo de aprendizagem;

w participar da dinâmica das relações da comunidade educativa, a fim de favorecer processos de integração e troca;

w promover orientações metodológicas de acordo com as características dos

indivíduos e grupos; w realizar processos de orientação educacional, vocacional e ocupacional,

tanto na forma individual quanto em grupo.

O trabalho psicopedagógico pode, certamente, ter um caráter assistencial. Isso acontece quando, por exemplo, o psicopedagogo participa de equipes responsá- veis pela elaboração, direção e evolução de planos, programas e projetos no setor

de educação e saúde, integrando diferentes campos de conhecimento. A psicope- dagogia ocupa-se, assim, de todo o contexto da aprendizagem, seja na área clíni- ca, preventiva, assistencial, envolvendo elaboração teórica no sentido de relacio-

nar os fatores envolvidos nesse ponto de convergência em que opera. A elaboração teórica visa criar um corpo teórico da psicopedagogia, com

processos de investigação e diagnóstico que lhe sejam específicos, por meio de

estudos das questões educacionais e da saúde no que concerne ao processo de aprendizagem. Implica, desta maneira, uma reflexão constante sobre a pertinência da aplicação das diversas teorias ao campo da psicopedagogia, por meio de avalia-

ção da prática resultante desses pressupostos. Esse trabalho consiste em uma lei-

tura e releitura do processo de aprendizagem e do processo da não-aprendizagem,

bem como da aplicabilidade e dos conceitos teóricos, resultando em novos con-

tornos e significados, proporcionando práticas mais consistentes. Já na área da saúde, o trabalho é feito em consultórios privados e/ou em

instituições de saúde (como hospitais), no sentido de reconhecer e atender às alte-

rações da aprendizagem sistemática e/ou assistemática, de natureza patológica. Existe também uma proposta de atuação nas empresas, onde o objetivo seria favo- recer a aprendizagem do sujeito para uma nova função, auxiliando-o para um

desenvolvimento mais efetivo de suas atividades.

Historicamente, a psicopedagogia nasceu para atender a patologia da apren- dizagem, mas ela se tem voltado cada vez mais para uma ação preventiva, acredi-

tando que muitas dificuldades de aprendizagem se devem à inadequada pedago-

gia institucional e familiar. A proposta da psicopedagogia, em uma ação preventi-

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0033

34 Nadia A. Bossa

va, é adotar uma postura crítica frente ao fracasso escolar, em uma concepção mais totalizante, visando propor novas alternativas de ação voltadas para a melhoria da prática pedagógica nas escolas.

Segundo Lino de Macedo (1990), o psicopedagogo, no Brasil, ocupa-se das seguintes atividades:

1. Orientação de estudos – Consiste em organizar a vida escolar da criança quando esta não sabe fazê-lo espontaneamente. Procura-se promover o melhor uso do tempo, a elaboração de uma agenda e tudo aquilo que é

necessário ao “como estudar” (como ler um texto, como escrever, como estudar para a prova, etc.).

2. Apropriação dos conteúdos escolares – O psicopedagogo visa propiciar

o domínio de disciplinas escolares em que a criança não vem tendo um bom aproveitamento. Ele se diferencia do professor particular, pois o conteúdo escolar é usado apenas como uma estratégia para ajudar e for-

necer ao aluno o domínio de si próprio e as condições necessárias ao desenvolvimento cognitivo.

3. Desenvolvimento do raciocínio – Trabalho feito com os processos de

pensamento necessários ao ato de aprender. Os jogos são muito utilizados, pois são férteis no sentido de criarem um contexto de observação e diá- logo sobre processos de pensar e de construir o conhecimento. Este pro- cedimento pode promover um desenvolvimento cognitivo maior do que

aquele que as escolas costumam alcançar. 4. Atendimento de crianças – A psicopedagogia se presta a atender deficien-

tes mentais, autistas ou crianças com comprometimentos orgânicos mais

graves, podendo até substituir o trabalho da escola. Para Lino de Macedo, estas quatro atividades não são excludentes entre si nem em relação a outras. O atendimento psicopedagógico poderá, em determinados ca-

sos, recorrer a propostas corporais, artísticas, etc. De qualquer forma, está sempre relacionado com o trabalho escolar, ainda que com ele não esteja diretamente comprometido.

Para Janine Mery (1985), o psicopedagogo é um professor de tipo particular7

que realiza a sua tarefa de pedagogo sem perder de vista os propósitos terapêuticos

da sua ação. Qualquer que tenha sido a sua formação (psicólogo, pedagogo, fonoaudiólogo, professor), ele assumirá sempre a dupla polaridade do seu papel,

o que determinará o modo de ser perante a criança e seus familiares, bem como

diante da equipe a que pertence. O trabalho do psicopedagogo, de acordo com Mery, possui as seguintes especificidades:

w o “transtorno de aprendizagem” é encarado como manifestação de uma

perturbação que envolve a totalidade da personalidade;

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0034

A psicopedagogia no Brasil 35

w o desenvolvimento infantil é considerado a partir de uma perspectiva dinâ- mica, e é dentro dessa evolução dinâmica que o sintoma “transtorno de aprendizagem” é estudado. Assim, se for oferecida uma forma de relação

melhor e diferente à criança, ela deverá retomar a sua evolução normal; w a neutralidade do papel de psicopedagogo é negada, e este conhece a im-

portância da relação transferencial entre o profissional e o sujeito da apren-

dizagem; w objetivo do psicopedagogo é levar o sujeito a reintegrar-se à vida escolar

normal, respeitando as suas possibilidades e interesses.

O psicopedagogo, ainda segundo Janine Mery (1985), respeita a escola tal como é, apesar de suas imperfeições, porque é através da escola que o aluno se situará em

relação aos seus semelhantes, optará por uma profissão, participará da construção coletiva da sociedade à qual pertence. Isso não impedirá que o psicopedagogo cola- bore para a melhoria das condições de trabalho numa determinada escola ou na con-

quista de seus objetivos. Em seu trabalho, ele deverá fazer com que a criança enfrente a escola de hoje, e não a de amanhã. Esse enfrentamento, no entanto, não significaria impor à criança normas arbitrárias ou sufocar-lhe a individualidade. Busca-se sempre

desenvolver e expandir a personalidade do indivíduo, favorecendo as suas iniciativas pessoais, suscitando os seus interesses, respeitando os seus gostos, propondo e não impondo atividades, procurando sugerir pelo menos duas vias para a escolha do rumo a ser tomado, permitindo a opção. Assim, tanto no seu exercício na área educativa

como na da saúde, pode-se considerar que o psicopedagogo tem uma atitude clínica frente ao seu objeto de estudo. Isso não implica que o lugar de trabalho seja a clínica, mas se refere às atitudes do profissional ao longo da sua atuação.

A seguir, procuramos mostrar como a prática e a teoria psicopedagógicas vêm ocorrendo – dentro desse território epistemologicamente problemático, visto ser a psicopedagogia uma espécie de saber híbrido, se assim podemos dizer, en-

quanto derivado de outras vertentes ou afluentes, a psicologia e a pedagogia – nas experiências específicas e inter-relacionadas do Brasil e da Argentina. Apesar dessa hibridez, notaremos que se trata de um saber já algo configurado em certa autono-

mia, certa autenticidade: faz-se sua identidade enquanto uma jovem episteme.

NOTAS

1. Barthes (1988, p. 99), em O rumor da língua, apresenta uma definição que merece ser citada, pois traduz perfeitamente o significado da psicopedagogia:

O interdisciplinar, de que tanto se fala, não está em confrontar disciplinas já constituídas das quais, na realidade, nenhuma consente em abandonar-se. Para se fazer interdisciplinaridade, não basta tomar um “assunto” (um tema) e con- vocar em torno duas ou três ciências. A interdisciplinaridade consiste em criar um objeto novo que não pertença a ninguém.

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0035

36 Nadia A. Bossa

2. O termo prevenção, no presente ensaio, assim como no vocabulário cor- rente em psicopedagogia, refere-se à atitude do profissional no sentido de adequar as condições de aprendizagem de forma a evitar comprometi-

mentos nesse processo. A partir da análise cuidadosa tanto dos fatores que podem promover quanto dos que podem comprometer o processo de apren- dizagem (motivo de exaustivos estudos na área), o psicopedagogo elege a

metodologia e/ou a forma de intervenção com o objetivo de facilitar e/ou desobstruir tal processo – função primeira da psicopedagogia.

3. O trabalho preventivo, da forma como é concebido neste estudo, refere-se

à idéia de prevenção, comentada em nota de rodapé na página anterior. 4. O conceito de clínica provém da Medicina, derivando de um termo grego

que significa leito (klinê): klinikos é aquele “que visita os doentes no lei-

to” (Larousse Étymologique – Nouveau Dictionnaire Étymologique et Historique, 1971). Na prática médica, significa aplicação dos conheci- mentos médicos ao enfermo. Para tanto, o profissional deve observar o

sujeito, ver o que se passa e o que o transtorna – daí as expressões “olho clínico”, “escuta”.

5. Desejo de conhecer, ou seja, a epistemofilia, é um conceito kleineano, como

adjetivo, alusivo ao impulso de conhecer associado, desde a mais tenra in- fância, ao interesse sexual; deriva de Freud e sua visão “pansexualista” (cf. Klein, 1981).

6. Segundo Armando Bauleo (apud Fernández, 1990a, p. 10):

Atitude é um complexo de ação e teoria (...) é um se mover práxico no desen- volvimento do terapeuta, e as dificuldades do enunciar recortando-o estão liga- das a sua própria constituição, produto e conjugação nesse desenvolvimento de teoria, prática e experiência vivida socialmente.

7. Vale ressaltar que a concepção de “um professor de um tipo particular”, como se refere Mery, é diferente do “professor particular” na nossa so- ciedade, uma vez que este não assume – nem deve assumir – a postura

de terapeuta.

A Psicopedagogia no Brasil.p65 10/5/2007, 20:0036

comentários (2)
Vou analisar
show demais
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 18 pages
baixar o documento