insetos na agricultura , Slides de Agroflorestal. Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
Apoliano
Apoliano

insetos na agricultura , Slides de Agroflorestal. Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

37 páginas
45Número de visitas
Descrição
insetos predadores na agricultura cultura soja
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 37
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 37 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 37 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 37 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 37 páginas
Baixar o documento

Oleaginosas Predadores e Parasitoides na cultura da

soja

PREDADORES

 Os predadores são artrópodes de vida livre que se alimentam de várias presas para completarem o desenvolvimento e têm, normalmente, tamanho maior ou igual aos das presas que consomem

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

2

Coleópteros

 As espécies de coleópteros predadores mais importantes na cultura da soja pertencem à família Carabidae. Os carabídeos são conhecidos mundialmente como besouros de solo, com mais de 40.000 espécies descritas no mundo (LÖVEI; SUNDERLAND, 1996), sendo as neotropicais reunidas em mais de 330 gêneros (REICHARDT, 1977).

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

3

Callida spp. (Coleoptera: Carabidae)

 Obs:Sua população foi estimada em cerca de 5.400 e 9.600 indivíduos por hectare em culturas de soja

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

4

Fonte: Google imagens

Morfologia  Os insetos adultos

desse gênero apresentam coloração variável, sendo comum a coloração branca após a emergência, assumindo posteriormente coloração castanha

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

5

Ciclo de vida

Ovo: A fase de ovo transcorre aproximadamente de quatro a oito dias, dependendo da temperatura,

Larva: As larvas de C. decora apresentam coloração preta, com a cápsula cefálica vermelho-amarelada. Medem, aproximadamente, 1,5 mm ao eclodir e crescem até 10 mm, próximo ao momento da pupação.

A pupa é branca, de aproximadamente 5 mm de comprimento, sendo a célula pupal usualmente construída entre 7 mm e 15 mm de profundidade no solo

 o tempo de desenvolvimento de ovos, larvas e pupas foi de 4 a 6, de 12 a 18 e de 4 a 6 dias, respectivamente

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

6

Hábitos alimentares  O potencial de predação dos insetos do gênero Callida na cultura da soja

é evidenciado pela sua grande capacidade de predar durante a fase larval

 autores constataram que os adultos tiveram uma longevidade média de 49 dias e consumiram, em média, 48 lagartas pequenas por dia. Além de pragas importantes da soja no Brasil,

Callida spp. têm hábito alimentar generalista, alimentando-se de pulgões, dípteros, coleópteros e lepidópteros, entre outros insetos (KROMP, 1999). Adultos de C. decora confinados em gaiolas com plantas de soja consumiram uma média de 6,4 lagartas (de primeiro a terceiro ínstar) de C. includens em 24 horas

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

7

 no Brasil, há carência de informações sobre o gênero nesse agroecossistema. Mesmo as informações básicas, como a identificação das principais espécies de Callida encontradas no Brasil, ainda são incipientes, visto que a maioria dos levantamentos da entomofauna de soja se limita a identificar os indivíduos amostrados até gênero. O catálogo mais recente sobre esse gênero lista mais de 170 espécies neotropicais (LORENZ, 2005) que podem eventualmente estar ocorrendo nas culturas brasileiras e cuja identificação na soja ainda não foi realizada.

 

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

8

Lebia concinna

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

9

Lebia concinna (Brullé, 1838) (Coleoptera: Carabidae)

Taxonomia: Reino: Animalia Divisão: Arthropoda Classe: Insecta Ordem: Coleoptera Família: Carabidae Ordefamilia: Lebinae Gênero: Lebia Espécies: Lebia concinna

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

10

Morfologia

 tamanho em torno de 5 mm de comprimento e 2 mm de largura, apresentando a cabeça de cor preta e élitros de coloração marrom-escura a preta com duas manchas claras em cada élitro. A mancha anterior é maior e estendida até a margem lateral externa da asa; a segunda, normalmente circular, está centralizada na extremidade posterior de cada élitro

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

11

Hábitos alimentares;

 São insetos polífagos, sendo predadores tanto na fase de larva como na fase adulta, alimentando-se, normalmente, de insetos pequenos, como lagartas nos primeiros ínstares, ovos, ninfas e tripes

 Em laboratório, avaliando o potencial de consumo de diferentes predadores,Corrêa-Ferreira e Moscardi (1985) constataram que adultos de L. concinna consumiram, em média, 4,8 lagartas de terceiro instar de A. gemmatalis por dia

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

12

 Embora seja um predador presente em diferentes culturas, a maioria dos trabalhos refere-se apenas à ocorrência de L. concinna em levantamentos entomofaunísticos associados à soja, sendo um dos predadores mais abundantes desde os estados do Acre (THOMAZINI; THOMAZINI, 2001) e do Tocantins (DINODET et al., 2003) até as regiões Sudeste e Sul do Brasil

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

13

Calosoma granulatum

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

14

Calosoma granulatum (Perty, 1839) (Coleoptera: Carabidae)  Taxonomia:  Reino: Animalia  Divisão: Artropoda  Ordem: Insecta  Família: Coleoptera  Subfamília: Carabidae  Gênero: Carabinae  Espécies: Calosoma granulatum Predadores e Parasitoides na cultura da soja

15

Morfologia

 Os adultos apresentam, em média, 30 mm de comprimento e 10 mm de largura

 A coloração do adulto, logo após a emergência, é branca, posteriormente assumindo a cor marrom- escuro-metálica. A cabeça, o pronoto e a margem costal dos élitros são esverdeados

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

16

Ciclo de vida

 Período de pré-oviposição: 12,4 dias;  Cada femea coloca de 220 a 377 ovos;  Longevidade: vaia de 57 a 148 dias  Em condições de campo, as posturas são realizadas

no solo, agregadas, localizando-se entre 8 cm e 12 cm de profundidade.

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

17

Ciclo de vida

 Ovo:Os ovos têm 3,3 mm de comprimento por 1,3 mm de largura e são inicialmente brancos, mas, próximo da eclosão, escurecem. O período de incubação dura de 3 a 4 dias, sendo muito sensível à dessecação.

 A fase larval passa por três estádios, que duram, em média, 3,8 (primeiro), 2,9 (segundo) e 5,3 dias (terceiro)

 A pupa, de 30 mm de comprimento e coloração marfim com olhos marrons, é exarata e caracterizada por apresentar os apêndices, como antenas e pernas, visivelmente afastadas do corpo. Essa fase dura de 5 a 7 dias (PASINI, 1995; PEGORARO; FOERSTER, 1985).

 O ciclo de vida do inseto, de ovo até adulto é de, aproximadamente, 22 dias, em temperatura controlada de 25 ± 1 °C (PASINI, 1995).

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

18

Hábitos alimentares

 As larvas de primeiro ínstar de C. granulatum podem consumir lagartas pequenas, pré-pupas e pupas recém-formadas. Além de presas pequenas, as larvas de segundo e terceiro instar predam também lagartas grandes das principais espécies-praga que atacam a cultura da soja (PASINI, 1995). O consumo médio diário de um inseto adulto dessa espécie é de 22,3 lagartas de terceiro a sexto ínstar de A. gemmatalis (PEGORARO; FOERSTER, 1985), podendo chegar a 91,04 lagartas de terceiro ínstar

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

19

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

20

Parasitoides

 As espécies de parasitóides mais comuns pertencem às ordens Diptera e Hymenoptera. Como regra geral, a fêmea adulta efetua a oviposição diretamente nos ovos, ou sobre formas jovens (lagartas ou ninfas), ou sobre os adultos das pragas de soja. Após a eclosão, as larvas dos parasitóides passam a alimentar-se dos tecidos internos do hospedeiro, não causando a morte imediata do mesmo, de forma que possam completar o seu ciclo biológico. A fase de pupa pode ser passada no interior do hospedeiro ou, então, a larva desenvolvida sai do corpo do hospedeiro para transformar-se em pupa no exterior. O hospedeiro parasitado morre no decorrer desse processo ou logo após a emergência do adulto, o qual reinicia o ciclo de parasitismo.

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

21

Copidosoma floridanum

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

22

Copidosoma floridanum (Ashmead, 1900) (Hymenoptera: Encyrtidae)

 Taxonomia:  Reino: Animalia  Divisão: Artrhopoda  Classe: Insecta  Ordem: Hymenoptera  Família: Encyrtidae  Gênero: Copidosoma  Espécie: Copidosoma floridanum

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

23

Copidosoma floridanum já foi referenciada como Litomastix truncatellus (Dalman, 1820), Copidosoma truncatellum (Dalman,1820), além de C. floridanum (CORRÊA-FERREIRA, 1979; MARUYA et al., 2001; MORAES et al., 1991). Entretanto, a identidade correta para as referências da região neotropical, de acordo comNoyes (1988), é C. floridanum

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

24

Copidosoma floridanum  

 . De ocorrência muito comum nas Américas, fêmeasde C. floridanum depositam um ou dois ovos dentro do ovo do lepidóptero-praga, originando, por processo de poliembrionia, maisde 2.000 vespas por hospedeiro parasitado

 Copidosoma floridanum é uma espécie de vespa na família Encyrtidae e é principalmente um parasitóide de mariposas na subfamília Plusiinae. Ele tem a maior ninhada registrado de qualquer inseto parasitoidal, em 3.055 indivíduos

(Falsa medideira). Chrysodeixis includens , Pseudoplusia includens

Predadores e Parasitoides na cultura da soja

25

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 37 páginas
Baixar o documento