L.pt2, Manual de Diretrizes para Análise de Textos Literários. Universidade Salvador (UNIFACS)
vpl_advocacia
vpl_advocacia12 de Agosto de 2015

L.pt2, Manual de Diretrizes para Análise de Textos Literários. Universidade Salvador (UNIFACS)

PDF (273 KB)
61 páginas
1000+Número de visitas
Descrição
Apostila Sobre Leitura e Produção de Textos Acadêmicos
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 61
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 61 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 61 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 61 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 61 pages
baixar o documento
Microsoft Word - Caderno matl. Teórico L.P.T I.doc

LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS I

Material teórico organizado pelos professores de LPT para o curso de Saúde da UNINOVE

ALUNO: R.A.

CURSO: UNIDADE:

TURMA: SEMESTRE/ANO:

PROFESSOR(A):

Apresentação visual da redação

· O aluno deve preencher corretamente todos os itens do cabeçalho com letra legível.

· Centralizar o título na primeira linha, sem aspas e sem grifo. · Pular uma linha entre o título e o texto para então iniciar a redação. · Fazer parágrafos distando mais ou menos três centímetros da margem e

mantê-los alinhados. · Não ultrapassar as margens (direita e esquerda) e também não deixar de

atingi-las. · Evitar rasuras e borrões. O erro deverá ser anulado com um traço apenas. · Apresentar letra legível, cursiva ou de forma. · Distinguir bem as maiúsculas das minúsculas, especialmente no uso de

letra de forma. · Evitar exceder o número de linhas pautadas ou pedidas como limites

máximos e mínimos. 1º e 2º ano: mínimo de vinte e máximo de trinta linhas. · Escrever apenas com caneta preta ou azul. O rascunho ou esboço das

idéias podem ser feitos a lápis e rasurados. O texto não será corrigido em caso de utilização de lápis ou caneta vermelha, verde, etc. na redação definitiva.

Lembretes

· Antes de começar a escrever, faça um esquema de seu texto, dividindo em parágrafos as idéias que pretende expor. Isso evita repetição ou esquecimento de alguma idéia.

· Cheque se os pontos de vista que você vai defender não são contraditórios em relação à tese.

· Não tenha preguiça de refazer seu texto várias vezes. É a melhor maneira de se chegar a um bom resultado.

· Enquanto escreve, tenha sempre á mão um dicionário para checar a grafia das palavras e descobrir sinônimos para evitar repetições desnecessárias.

· Escreva o que você pensa sobre o tema dado e não o que você acredita que o corretor do texto gostaria que fosse escrito. Jamais analise os temas propostos movido por emoções exageradas. Nunca se dirija ao leitor.

· Não escreva sobre o que você não conhece, arriscando-se a incorrer em erros e imprecisões de conteúdo.

· Não empregue palavras cujo significado seja desconhecido para você. Evite utilizar noções vagas, como “liberdade”, “democracia”, “injustiça” ─ termos que têm um significado tão amplo que chegam a não significar nada.

· Evite expressões do tipo “belo”, “bom”, “mau”, “incrível”, “péssimo”, “triste”, “pobre”, “rico” ─ são juízos de valor sem carga informativa, imprecisos e subjetivos.

· Evite o lugar-comum: frases feitas e expressões cristalizadas, como “a pureza das crianças” e “a sabedoria dos velhos”. Há crianças e velhos de todos os tipos. Evite também gírias e a palavra “coisa” (procure o

vocabulário adequado a cada idéia). Não use o “etc.”, nem abrevie palavras.

· Procure não embromar, tentando preencher mais algumas linhas. Cada palavra deve ser fundamental e informativa na redação.

· Não repita idéias tentando explicá-las melhor. Se você escrever com clareza, uma vez só basta.

· Cuidado com o uso inadequado de conjunções. Elas podem estabelecer relações que não existem entre as frases e tornar o texto sem nexo.

· Se formular uma pergunta na tese, responda-a ao longo do texto. Evite interrogações na argumentação e jamais as utilize na conclusão. Para aprofundar seus argumentos, suas afirmações, use exemplos, fatos notórios ou históricos, conhecimentos geográficos, cifras aproximadas e informações adquiridas através de leitura, estudo e aquisições culturais.

· Respeite os limites indicados: evite escrever demais, pois você corre o risco de entediar o leitor e cometer erros.

· Evite orações demasiadamente longas e parágrafos de uma só frase. · Dê um título coerente ao assunto abordado em seu texto. · Releia o texto depois de rascunhá-lo, para observar se você não “fugiu” ao

tema proposto. · Passe o texto a limpo, procurando aprimorar o vocabulário.

UNIDADE 1

LÍNGUA E LINGUAGEM

LÍNGUA E LINGUAGEM

A LÍNGUA pode ser definida como um código formado por signos (palavras) e leis combinatórias usados por uma mesma comunidade. Quanto maior o domínio que temos da língua, maior é a possibilidade de um desempenho lingüístico eficiente. “(...) É a parte social da linguagem, exterior ao indivíduo, que, por si só, não pode nem criá-la nem modifica-la; ela não existe senão em virtude duma espécie de contrato estabelecido entre os membros da comunidade.” (Ferdinand Saussure)

A FALA: “(...) É sempre individual e dela o indivíduo é sempre senhor. A língua é necessária para que a fala seja inteligível e produza os seus efeitos; mas esta é necessária para que a língua se estabeleça historicamente, o fato da fala vem sempre antes.” (Saussure)

Uma língua não é estática, imutável; pelo contrário, como afirma o lingüista Saussure: “Todas as partes da língua estão submetidas à mudança; a cada período corresponde uma

evolução mais ou menos considerável”. Com o passar do tempo, vão ocorrendo várias transformações fonéticas, evoluções nas regras gramaticais, mudanças de significação, palavras que desaparecem, outras que são criadas. A crônica a seguir ilustra esse aspecto:

Há um desgaste mais doloroso que o da roupa, e é o da LINGUAGEM, mesmo porque sem recuperação. Certa moça dizia-me de um seu admirador entrado em anos, homem que brilhava no Rio de Janeiro de Machado de Assis e Alcindo Guanabara:

- Ele é tão velho, mas tão velho, que me encontrando à porta de uma perfumaria disse: Boa idéia, vou te oferecer um vidro de cheiro! (Carlos Drummond de Andrade)

Existem basicamente duas modalidades de língua, ou seja, duas línguas funcionais:

1. Língua funcional de modalidade culta ou língua padrão, que compreende a língua literária, tem por base a norma culta, forma lingüística utilizada pelo segmento mais culto e influente de uma sociedade. Constitui, em suma, a língua utilizada pelos veículos de comunicação de massa (emissoras de rádio e televisão, jornais, revistas, painéis, anúncios, etc.), cuja função é a de serem aliados da escola, prestando serviço à sociedade, colaborando na educação, e não justamente o contrário;

2. Língua funcional de modalidade popular ou língua cotidiana, que apresenta gradações as mais diversas, tem o seu limite na gíria e no calão. Sendo mais espontânea e criativa, se afigura mais expressiva e dinâmica. Temos, assim, à guisa de exemplificação:

Estou preocupado. (norma culta)

Tô preocupado. (língua popular)

Tô grilado. (gíria, limite da língua popular)

Língua falada e língua escrita: a princípio, a língua escrita deveria ser apenas a representação gráfica, visual, da língua falada. Entretanto, por vaias razões, não é o que acontece. A língua falada é mais solta, livre, espontânea e emotiva, pois reflete sempre um contato humano direto. Já a língua escrita é mais disciplinada, gramatical, dela resultando um texto mais elaborado.

Por sua vez, a linguagem serve como instrumento de comunicação que faz uso de um código, permitindo, assim, a interação entre as pessoas – é a atividade comunicativa.

As linguagens apresentam características próprias de composição para adequarem-se aos veículos específicos, aos receptores, às épocas e às situações determinadas – são os diversos tipos de linguagem: linguagem de teatro, linguagem de programação, linguagem de cinema, linguagem popular, etc.

Há inúmeros tipos de linguagem: a fala, os gestos, o desenho, a pintura, a música, a dança, o código Morse, o código de trânsito, etc.

UNIDADE 2

VERBOS-COMANDOVerbos- comando

Definição dos verbos (com base no Moderno Dicionário da Língua Portuguesa Michaelis)

Especificação dos procedimentos:

Analise Determinar os componentes ou elementos fundamentais de algumas idéias, teoria, fato, etc; determinar por discernimento a natureza, significado, aspectos ou qualidades do que está sendo examinado.

Exige a elaboração de um texto como resposta.

Justifique Explicar ou demonstrar a veracidade ou não de algum fato ou ocorrência por meio de elementos/argumentos plausíveis.

Exige a elaboração de um texto como resposta.

Transcreva Reproduzir, extrair, copiar algum trecho de algum texto sem qualquer tipo de modificação.

A resposta não pode ser elaborada e sim apenas recortada utilizando-se sinais adequados com as aspas.

Compare Examinar, simultaneamente, as particularidades de duas ou mais idéias, fatos, ocorrências.

Exige a elaboração de um texto como resposta.

Explique Tornar claro, fazer entender de forma coerente, particularidades de fatos, idéias ou ocorrências.

Exige a elaboração de um texto como resposta. Explicar não é o mesmo que exemplificar.

Diferencie Estabelecer características que não sejam semelhantes entre dois ou mais fatos, idéias ou ocorrências.

Exige a elaboração de um texto como resposta. Diferenciar não é o mesmo que definir.

Defina Expor com precisão características ou particularidades de algum fato, idéia ou ocorrência.

Exige a elaboração de um texto como resposta.

Conceitue Formar uma idéia, noção ou entendimento de forma clara sobre algum fato ou ocorrência.

Exige a elaboração de um texto como resposta. Conceituar não é o mesmo que justificar.

Destaque Separar, de dentro de um todo (de um texto, por exemplo), uma ou mais informações, idéias ou conceitos mais relevantes ou não.

Pode ser apenas uma transcrição de um trecho de texto ou a exposição de um trecho seguido de um texto- comentário.

Cite Transcrever ou apontar fatos, idéias,

ocorrências ou características de algum elemento.

Pode ser apenas uma transcrição de um trecho de texto ou a ou a exposição de um trecho seguido de um texto-comentário.

Confronte Observar o comportamento, atitude, opinião de duas ou mais pessoas, teorias ou posicionamentos a fim de se estabelecer alguns juízos e/ou relações como, por exemplo, de igualdades, de diferenças, etc.

Exige a elaboração de um texto como resposta. Confrontar está intimamente ligado ao ato de comparar.

Critique Examinar com muito critério alguma idéia, noção ou entendimento tentando perceber qualidades ou defeitos, pontos negativos e/ou positivos, etc.

Exige a elaboração de um texto como resposta. Importante observar que criticar não é somente levantar aspectos negativos do que se está observando – a crítica pode ser também de caráter positivo.

Sugestões para responder melhor as questões dissertativas:

- Leia, atentamente, se necessário, várias vezes, os enunciados das questões detectando os verbos-comando que estruturam as questões.

- Responda, exatamente, o que está sendo pedido, não tente “complementar” suas respostas com informações desnecessárias achando que elas irão compensar o que você não souber responder.

- Não se esqueça de que uma resposta a uma questão dissertativa, por menor que seja, é sempre um texto, sendo assim, seja claro, coeso, coerente.

- Suas respostas deverão ter, como em qualquer outro texto: um início, um desenvolvimento e, quando necessário, uma conclusão.

- Não responda às questões utilizando frases inteiras de textos (não “copie” partes do texto base ou da pergunta). Leia, atentamente, o material que está sendo analisado e construa a resposta com o seu próprio discurso. Os recortes de frases devem ser feitos apenas quando se tratar de verbos-comando como transcreva, retire etc.

- Respeite o número de linhas especificado para as suas respostas. Não seja muito sucinto nem muito prolixo - responda de maneira que você dê conta do que está sendo pedido.

- Boa resposta, geralmente, se inicia com traços da questão que a originou.

Ex.: Pergunta: De acordo com o texto, qual o nível financeiro daquela população?

Resposta: De acordo com o texto, o nível financeiro daquela população é muito baixo.

- Não use em suas respostas gírias e/ou construções típicas da linguagem coloquial.

UNIDADE 3

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA

FALA E ESCRITA

Registros, variantes ou níveis de língua(gem)

A comunicação não é regida por normas fixas e imutáveis. Ela pode transformar-se, através do tempo, e, se compararmos textos antigos com atuais, perceberemos grandes mudanças no estilo e nas expressões. Por que as pessoas se comunicam de formas diferentes? Temos que considerar múltiplos fatores: época, região geográfica, ambiente e status cultural dos falantes.

Há uma língua-padrão? O modelo de língua-padrão é uma decorrência dos parâmetros utilizados pelo grupo social mais culto. Às vezes, a mesma pessoa, dependendo do meio em que se encontra, da situação sociocultural dos indivíduos com quem se comunica, usará níveis diferentes de língua. Dentro desse critério, podemos reconhecer, num primeiro momento, dois tipos de língua: a falada e a escrita.

A língua falada pode ser culta ou coloquial, vulgar ou inculta, regional, grupal (gíria ou técnica). Quando a gíria é grosseira, recebe o nome de calão.

Quando redigimos um texto, não devemos mudar o registro, a não ser que o estilo permita, ou seja, se estamos dissertando – e, nesse tipo de redação, usa-se, geralmente, a língua-padrão – não podemos passar desse nível para um como a gíria, por exemplo.

Variação lingüística: como falantes da língua portuguesa, percebemos que existem situações em que a língua apresenta-se sob uma forma bastante diferente daquela que nos habituamos a ouvir em casa ou nos meios de comunicação. Essa diferença pode manifestar- se tanto pelo vocabulário utilizado, como pela pronúncia ou organização da frase.

Nas relações sociais, observamos que nem todos falam da mesma forma. Isso ocorre porque as línguas naturais são sistemas dinâmicos e extremamente sensíveis a fatores

como, por exemplo, a região geográfica, o sexo, a idade, a classe social dos falantes e o grau de formalidade do contexto. Essas diferenças constituem as variações lingüísticas.

Observe abaixo as especificidades de algumas variações:

1. Profissional: no exercício de algumas atividades profissionais, o domínio de certas formas de línguas técnicas é essencial. As variações profissionais são abundantes em termos específicos e têm seu uso restrito ao intercâmbio técnico.

2. Situacional: as diferentes situações comunicativas exigem de um mesmo indivíduo diferentes modalidades da língua. Empregam-se, em situações formais, modalidades diferentes das usadas em situações informais, com o objetivo de adequar o nível vocabular e sintático ao ambiente lingüístico em que se está.

3. Geográfica: há variações entre as formas que a língua portuguesa assume nas diferentes regiões em que é falada. Basta prestar atenção na expressão de um gaúcho em contraste com a de um amazonense. Essas variações regionais constituem os falares e os dialetos. Não há motivo lingüístico algum para que se considere qualquer uma dessas formas superior ou inferior às outras.

4. Social: o português empregado pelas pessoas que têm acesso à escola e aos meios de instrução difere do português empregado pelas pessoas privadas de escolaridade. Algumas classes sociais, assim, dominam uma forma de língua que goza prestígio, enquanto outras são vítimas de preconceito por empregarem estilos menos prestigiados. Cria-se, dessa maneira, uma modalidade de língua – a norma culta -, que deve ser adquirida durante a vida escolar e cujo domínio é solicitado como modo de ascensão profissional e social. Também são socialmente condicionadas certas formas de língua que alguns grupos desenvolvem a fim de evitar a compreensão por aqueles que não fazem parte do grupo. O emprego dessas formas de língua proporciona o reconhecimento fácil dos integrantes de uma comunidade restrita. Assim se formam, por exemplo, as gírias, as línguas técnicas. Pode-se citar ainda a variante de acordo com a faixa etária e o sexo.

AS DIFERENÇAS ENTRE FALA E ESCRITA

Enquanto a língua falada é espontânea e natural, a língua escrita precisa seguir algumas regras. Embora sejam expressões de um mesmo idioma, cada uma tem a sua especificidade. A língua falada é a mais natural, aprendemos a falar imitando o que ouvimos. A língua escrita, por seu lado, só é aprendida depois que dominamos a língua falada. E ela não é uma simples transcrição do que falamos; está mais subordinada às normas gramaticais. Portanto requer mais atenção e conhecimento de quem fala. Além disso, a língua escrita é um registro, permanece ao longo do tempo, não tem o caráter efêmero da língua falada.

Língua falada:

· Palavra sonora · Requer a presença dos interlocutores · Ganha em vivacidade · É espontânea e imediata · Uso de frases feitas · É repetitiva e redundante · O contexto extralingüístico é importante · A expressividade permite prescindir de certas regras · A informação é permeada de subjetividade e influenciada pela presença do

interlocutor · Recursos: signos acústicos e extralingüísticos, gestos, entorno físico e psíquico

Língua escrita:

· Palavra gráfica · É possível esquecer o interlocutor · É mais sintética e objetiva · A redundância é apenas um recurso estilístico · Ganha em permanência · Mais correção na elaboração das frases · Evita a improvisação · Pobreza de recursos não-lingüísticos; uso de letras, sinais de pontuação · É mais precisa e elaborada · Ausência de cacoetes lingüísticos e vulgarismos

· O contexto extralingüístico tem menos influência

UNIDADE 4

TEXTO

LINGUAGEM VERBAL E NÃO- VERBAL

A LEITURA

TECER UM TEXTO

INFANTE, Ulisses.

Do texto ao texto. Scipione,

São Paulo: 1991

A palavra texto provém do latim textum, que significa tecido, entrelaçamento. Fica evidente, assim, que já na origem da palavra encontramos a idéia de que o texto resulta de um trabalho de tecer, de entrelaçar várias partes menores a fim de obter um todo inter-relacionado. Daí podermos falar em textura ou tessitura de um texto: é a rede de relações que garantem sua coesão, sua unidade.

Esse trabalho de tecelão que produtor de textos executa pode ser avaliado a partir de quatro elementos centrais: a repetição, a progressão, a não-contradição e a relação. Para estudá-los, devemos ter sempre em mente que um texto se desenvolve de maneira linear, ou seja, as partes que o formam surgem uma após a outra, relacionando-se com o que já foi dito ou com o que se vai dizer.

Ler as letras de uma página é apenas um dos muitos disfarces da leitura. O astrônomo lendo um mapa de estrelas que não existem mais; o arquiteto japonês

lendo a terra sobre a qual será erguida uma casa, de modo a protegê-la das forças malignas; o zoológico lendo os rastros de animais na floresta; o jogador lendo os gestos do parceiro antes de jogar a carta vencedora; a dançarina lendo as notações do coreógrafo e o público lendo os movimentos da dançarina no palco; o tecelão lendo o desenho intrincado de um tapete sendo tecido; o organista lendo várias linhas musicais simultâneas orquestradas na página; os pais lendo no rosto do bebê sinais de alegria, medo ou admiração; o adivinho chinês lendo as marcas antigas na carapaça de uma tartaruga; o amante lendo cegamente o corpo amado à noite, sob os lençóis; o psiquiatra ajudando os pacientes a ler seus sonhos perturbadores; o pescador havaiano lendo as correntes do oceano ao mergulhar a mão na água; o agricultor lendo o tempo no céu – todos eles compartilham com os leitores de livros a arte de decifrar e traduzir signos.

(MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. p. 19.)

O artista lê a natureza, talvez o maior e

mais completo de todos os textos; o

observador das telas lê a obra do artista,

ou seja, a leitura que o artista fez, e essa

leitura também constitui um texto.

A intercomunicação social traz a linguagem sempre como um “estar no mundo como os outros não como um indivíduo particular, mas como parte do todo social, de uma comunidade”. (Bechara, 1999:28)

De maneira ampla, a linguagem se forma por meio de palavras, gestos, expressões fisionômicas, sinais visuais, símbolos.

Estes sinais são de diferentes naturezas e podem ser classificados em:

o verbais ou lingüísticos: são os sons que nós ouvimos de nossos emissores, e estes sons fazem parte da cadeia sonora de nossa Língua, sendo assim, inteligíveis.

o Não-verbais ou extralingüísticos ou visuais: são os quadros, a música orquestrada ou new age, a dança, os grunhidos desde a expressão do maior amor até a de consumidor ódio, os olhares, os gestos, até o silêncio. Estes são alguns exemplos de signos extralingüísticos. Devemos nos esforçar para entendê-lo, do contrário, podemos incorrer em “erros” e compulsivamente sermos afastados da socialização pela própria comunidade.

Pense num jogo de futebol: há dois pressupostos básicos, pelo menos. O número de jogadores (unidades) e as regras do jogo. Na língua, também há esses dois pressupostos básicos: as unidades (palavras) e as regras gramaticais.

Linguagem verbal: realização concreta da língua através da fala humana (sons).

Linguagem verbal x linguagem não-verbal

Pense sobre o símbolo de um cigarro desenhado sobre uma placa, cortado por uma faixa vermelha. Agora, pense na mesma placa, tirando o desenho e colocando- se Não Fume. Qual é a mais eficaz?

Linguagem não-verbal: mais econômica e rápida na veiculação.

Base da linguagem visual: ícone (figura ou imagem), que substitui a linguagem verbal mais economicamente, logo com mais rapidez.

Linguagem verbal: - transmissão completa do que sentimos, pensamos, desejamos;

- única capaz de traduzir as outras linguagens;

- quando o que temos que comunicar é complexo, optamos pela linguagem verbal.

UNIDADE 5

PALAVRA-CHAVE, IDÉIA-CHAVE E

TÓPICO FRASAL

AS PALAVRAS-CHAVE

Ninguém chega à escrita sem antes ter passado pela leitura. Mas leitura aqui não significa somente a capacidade de juntar letras, palavras, frases. Ler é muito mais que isso. É compreender a forma como está tecido o texto. Ultrapassar sua superfície e aferir da leitura seu sentido maior, que muitas vezes passa despercebido a uma grande maioria de leitores. Só uma relação mais estreita do leitor com o texto lhe dará esse sentido. Ler bem exige tanta habilidade quanto escrever bem. Leitura e escrita complementam-se. Lendo textos bem estruturados, podemos apreender os procedimentos lingüísticos necessários a uma boa redação.

Numa primeira leitura, temos sempre uma noção muito vaga do que o autor quis dizer. Uma leitura bem feita é aquela capaz de depreender de um texto ou de um livro a informação essencial. Tudo deve ajustar-se a elas de forma precisa. A tarefa do leitor é detectá-las, a fim de realizar uma leitura capaz de dar conta da totalidade do texto.

Por adquirir tal importância na arquitetura textual, as palavras-chave normalmente aparecem ao longo de todo o texto das mais variadas formas: repetidas, modificadas, retomadas por sinônimos. Elas pavimentam o caminho da leitura, levando-nos a compreender melhor o texto. Além disso, fornecer a pista para uma leitura reconstrutiva porque nos levam à essência da informação.

Após encontrar as palavras-chave de um texto, devemos tentar reescrevê-lo, tomando-as como base. Elas constituem seu esqueleto.

AS IDÉIAS-CHAVE

Muitas vezes temos dificuldades para chegar à síntese de um texto só pelas palavras-chave. Quando isso acontece, a melhor solução é buscar suas idéias-chave. Para tanto é necessário sintetizar a idéia de cada parágrafo.

TÓPICO FRASAL

Um parágrafo padrão inicia-se por uma introdução em que se encontra a idéia principal desenvolvida em mais períodos. Segundo a lição de Othon M. Garcia em sua Comunicação em prosa moderna (p. 192), denomina-se tópico frasal essa introdução. Depois dela, vem o desenvolvimento e pode haver a conclusão. Um texto de parágrafo:

“Em todos os níveis de sua manifestação, a vida requer certas condições dinâmicas, que atestam a dependência mútua dos seres vivos. Necessidades associadas à alimentação, ao crescimento, à reprodução ou a outros processos biológicos criam, com freqüência, relações que fazem do bem-estar, da segurança e da sobrevivência dos indivíduos matérias de interesse coletivo”.

FERNANDES, Florestan. Elementos de sociologia teórica 2. ed. São Paulo: Nacional, 1974, p. 35.

Neste parágrafo, o tópico frasal é o primeiro período (Em .... vivos). Segue-se o desenvolvimento especificando o que é dito na introdução.

Se o tópico frasal é uma generalização, e o desenvolvimento constitui-se de especificações, o parágrafo é, então, a expressão de um raciocínio dedutivo. Vai do geral para o particular: Todos devem colaborar no combate às drogas. Você não pode se omitir.

Se não há tópico frasal no início do parágrafo e a síntese está na conclusão, então o método é indutivo, ou seja, vai do particular para o geral, dos exemplos para a regra: João pesquisou, o grupo discutiu, Lea redigiu. Todos colaborando, o trabalho é bem feito.

UNIDADE 6

PARAGRAFAÇÃO

A PARAGRAFAÇÃO

NO/DO TEXTO DISSERTATIVO

(Partes deste capítulo foram adaptados/tirados de PACHECO, Agnelo C. A dissertação. São Paulo: Atual, 1993 e de SOBRAL, João Jonas Veiga. Redação: Escrevendo com prática. São Paulo: Iglu, 1997)

O texto dissertativo é o tipo de texto que expõe uma tese (idéias gerais sobre um assunto/tema) seguida de um ponto de vista, apoiada em argumentos, dados e fatos que a comprovem.

“A leitura auxilia o desenvolvimento da escrita, pois, lendo, o indivíduo tem contato com modelos de textos bem redigidos que, ao longo do tempo, farão parte de sua bagagem lingüística; e também porque entrará em contato com vários pontos de vista de intelectuais diversos, ampliando, dessa forma, sua própria visão em relação aos assuntos. Como a produção escrita se baseia praticamente na exposição de idéias por meio de palavras,

certamente aquele que lê desenvolverá sua habilidade devido ao enriquecimento lingüístico adquirido através da leitura de bons autores.”

No texto acima temos uma idéia defendida pelo autor:

TESE/TÓPICO FRASAL: “A leitura auxilia o desenvolvimento da escrita.”

Em seguida o autor defende seu ponto de vista com os seguintes argumentos:

ARGUMENTOS:

(1)“...lendo o indivíduo tem contato com modelos de textos bem redigidos que ao longo do tempo farão parte de sua bagagem lingüística e, também,

(2) porque entrará em contato com vários pontos de vista de intelectuais diversos,

(3) ampliando, dessa forma, a sua própria visão em relação aos assuntos.”

E por fim, comprovada a sua tese, veja que a idéia desta é recuperada:

CONCLUSÃO: “Como a produção escrita se baseia praticamente na exposição de idéias por meio de palavras, certamente aquele que lê desenvolverá sua habilidade devido ao enriquecimento lingüístico adquirido através da leitura de bons autores.”

Observe como o texto dissertativo tem por objetivo expressar um determinado ponto de vista em relação a um assunto qualquer e convencer o leitor de que este ponto de vista está correto. Poderíamos afirmar que o texto dissertativo é um exercício de cidadania, pois nele o indivíduo exerce seu papel de cidadão, questionando valores, reivindicando algo, expondo pontos de vista, etc.

Pode-se dizer que:

A paragrafação com tópico frasal seguido pelo desenvolvimento é uma forma de organizar o raciocínio e a exposição das idéias de maneira clara e facilmente compreensível. Quando se tem um plano em que os tópicos principais foram selecionados e dispostos de modo a haver transição harmoniosa de um para outro, é fácil redigir.

O TÓPICO FRASAL DO PARÁGRAFO: geralmente vem no começo do parágrafo, seguida de outros períodos que explicam ou detalham a idéia central e podem ou não concluir a idéia deste parágrafo.

O DESENVOLVIMENTO DO PARÁGRAFO: é a explanação da idéia exposta no tópico frasal. Devemos desenvolver nossas idéias de maneira clara e convincente, utilizando argumentos e/ou idéias sempre tendo em vista a forma como iniciamos o parágrafo.

A CONCLUSÃO DO PARÁGRAFO encerra o desenvolvimento, completa a discussão do assunto (opcional)

FORMAS DISCURSIVAS DO PARÁGRAFO

A) DESCRITIVO: a matéria da descrição é o objeto. Não há personagens em movimento (atemporal). O autor/produtor deve apresentar o objeto, pessoa, paisagem etc, de tal forma que o leitor consiga distinguir o ser descrito.

B) NARRATIVO: a matéria da narração é o fato. Uma maneira eficiente de organizá-lo é respondendo à seis perguntas: O quê? Quem? Quando? Onde? Como? Por quê?

C) DISSERTATIVO: a matéria da dissertação é a análise (discussão).

ELABORAÇÃO/ PLANEJAMENTO DE PARÁGRAFOS

Ter um assunto

Delimitá-lo, traçando um objetivo: o que pretende transmitir?

Elaborar o tópico frasal; desenvolvê-lo e concluí-lo

PARÁGRAFO-CHAVE: FORMAS PARA COMEÇAR UM TEXTO

Ao escrever seu primeiro parágrafo, você pode fazê-lo de forma criativa. Ele deve atrair a atenção do leitor. Por isso, evite os lugares-comuns como: atualmente, hoje em dia, desde épocas remotas, o mundo hoje, a cada dia que passa, no mundo em vivemos, na atualidade.

Listamos aqui dezoito formas de começar um texto. Elas vão das mais simples às mais complexas.

Declaração

É um grande erro a liberação da maconha. Provocará de imediato violenta elevação do consumo. O Estado perderá o controle que ainda exerce sobre as drogas psicotrópicas e nossas instituições de recuperação de viciados não terão estrutura suficiente para atender à demanda.

Alberto Corazza, Isto é, 20 dez. 1995.

A declaração é a forma mais comum de começar um texto. Procure fazer uma declaração forte, capaz de surpreender o leitor.

Definição

O mito, entre os povos primitivos, é uma forma de se situar no mundo, isto é, de encontrar o seu lugar entre os demais seres da natureza. É um modo ingênuo, fantasioso, anterior a toda reflexão e não-crítico de estabelecer algumas verdades que não só explicam parte dos fenômenos naturais ou mesmo a construção cultural, mas que dão também, as formas de ação humana.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda & MARTINS, Maria Helena Pires.

Temas de Filosofia.São Paulo, Moderna, 1992. p.62.

A definição é uma forma simples e muito usada em parágrafo-chave, sobretudo em textos dissertativos. Pode ocupar só a primeira frase ou todo o primeiro parágrafo.

Divisão

Predominam ainda no Brasil convicções errôneas sobre o problema da exclusão social: a de que ela deve ser enfrentada apenas pelo poder público e a de que sua superação envolve muitos recursos e esforços extraordinários. Experiências relatadas nesta Folha mostram que combate à marginalidade social em Nova York vem contando co intensivos esforços do poder público e ampla participação da iniciativa privada.

Folha de S. Paulo, 17 dez.1996.

Ao dizer que há duas convicções errôneas, fica logo clara a direção que o parágrafo vai tomar. O autor terá de explicitá-las na frase seguinte.

Oposição

De um lado, professores mal pagos, desestimulados, esquecidos pelo governo. De outro, gastos excessivos com computadores, antenas parabólicas, aparelhos de videocassete. É este o paradoxo que vive a educação no Brasil.

As duas primeiras frases criam uma oposição (de um lado/ de outro) que estabelecerá o rumo da argumentação.

Também se pode criar uma oposição dentro da frase, como neste exemplo:

“Vários motivos me levaram a este livro. Dois se destacaram pelo grau de envolvimento: raiva e esperança. Explico-me: raiva por ver o quanto à cultura ainda é vista como artigo supérfluo em nossa terra, esperança por observar quantos movimentos culturais têm acontecido em nossa história, e quase sempre como forma de resistência e/ou transformação (...)”

FEIJÓ, Martin César. O que é política cultural. São Paulo, Brasiliense, 1985.p.7.

O autor estabelece a oposição e logo depois explica os termos que a compõem.

Alusão histórica

Após a queda do Muro de Berlim, acabaram-se os antagonismos leste-oeste e o mundo parece ter aberto de vez as portas para a globalização. As fronteiras foram derrubadas e a economia entrou em rota acelerada de competição.

O conhecimento dos principais fatos históricos ajuda a iniciar um texto. O leitor é situado no tempo e pode ter uma melhor dimensão do problema.

Pergunta

Será que é com novos impostos que a saúde melhorará no Brasil? Os contribuintes já estão cansados de tirar do bolso para tapar um buraco que parece não ter fim. A cada ano, somos lesados por novos impostos para alimentar um sistema que só parece piorar.

A pergunta não é respondida de imediato. Ela serve para despertar a atenção do leitor para o tema e será respondida ao longo da argumentação.

Citação

“As pessoas chegam ao ponto de uma criança morrer e os pais não chorarem mais, trazem a criança, jogarem num bolo de mortos, virarem as costas e irem embora.” O comentário, do fotógrafo Sebastião Salgado, falando sobre o que viu em Ruanda, é um acicate no estado de letargia ética que domina algumas nações do Primeiro Mundo.

DI FRANCO, Carlos Alberto. Jornalismo, ética e qualidade. Rio de Janeiro, Vozes, 1995. p. 73.

A citação inicial facilita a continuidade do texto, pois ela é retomada pela palavra comentário da segunda frase.

Comparação

O tema de reforma agrária está a bastante tempo nas discussões sobre os problemas mais graves que afetam o Brasil. Numa comparação entre o movimento pela abolição da escravidão no Brasil, no final do século passado e, atualmente, o movimento pela reforma agrária, podemos perceber algumas semelhanças. Como na época da abolição da escravidão existiam elementos favoráveis e contrários a ela, também hoje há os que são a favor e os que são contra a implantação da reforma agrária no Brasil.

OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução à sociologia. São Paulo, Ática, 1991. p.101.

Para introduzir o tema da reforma araria, o autor comparou a sociedade de hoje com a do final do século XIX, mostrando a semelhança de comportamento entre elas.

Afirmação

A profissionalização de uma equipe começa com a procura e aquisição das pessoas que tenham experiência e as aptidões adequadas para o desempenho da tarefa, especialmente quando esta é imediata. (Desenvolvimento ) As pessoas já virão integrar a equipe sem precisar de treinamento profissionalizante, podendo entrar em ação logo após seu ingresso. Alternativamente, ou quando se dispõe de tempo, pode-se recrutar pessoas inexperientes, mas que demonstrem o potencial para desenvolver as aptidões e o interesse em fazer parte da equipe ou dedicar-se a sua missão. Sempre que possível, uma equipe deve procurar combinar pessoas experientes e aprendizes em sua composição, de modo que os segundos aprendam com os primeiros. (conclusão)A falta de um banco de reservas, muitas vezes, pode ser um obstáculo à própria evolução da equipe.”

(Maximiniano, 1986:50 )

UNIDADE 7

ARTICULAÇÃO ENTRE PARÁGRAFOS

COESÃO E COERÊNCIAArticulação entre os parágrafos A articulação dos/entre parágrafos depende da coesão e coerência. Sem um deles, ainda assim, é possível haver entendimento textual, entretanto, há necessidade de ter domínio da língua e do contexto para escrever um texto de tal forma. Dependendo da tipologia textual, a articulação textual se dá de forma diferente. Na narração, por exemplo, não há necessidade de ter um parágrafo com mais de um período. Um parágrafo narrativo pode ser apenas “Oi”. Já a dissertação necessita ter ao menos um parágrafo com introdução e desenvolvimento (conclusão; opcional). Assim também varia a necessidade de números de parágrafos para cada texto. Para se obter um bom texto, são necessários também: concisão, clareza, correção, adequação de linguagem, expressividade. Coerência e Coesão

Para não ser ludibriado pela articulação do contexto, é necessário que se esteja atento à coesão e à coerência textuais.

Coesão textual é o que permite a ligação entre as diversas partes de um texto. Pode-se dividir em três segmentos:

1. Coesão referencial – é a que se refere a outro(s) elemento(s) do mundo textual.

Exemplos:

a) O presidente George W.Bush ficou indignado com o ataque no World Trade Center. Ele afirmou que “castigará” os culpados. (retomada de uma palavra gramatical – referente “Ele” + “ Presidente George W. Bush”)

b) De você só quero isto: a sua amizade (antecipação de uma palavra gramatical – “isto” = “a sua amizade”

c) O home acordou feliz naquele dia. O felizardo ganhou um bom dinheiro na loteria. ( retomada por palavra lexical – “o felizardo” = “o homem”)

2. Coesão seqüencial – é feita por conectores ou operadores discursivos, isto é palavras ou expressões responsáveis pela criação de relações semânticas

( causa, condição, finalidade, etc.). São exemplos de conectores: mas, dessa forma, portanto, então, etc.( olhar a lista no final desse capítulo ).

Exemplo:

a. Ele é rico, mas não paga suas dívidas.

Observe que o vocábulo “mas” não faz referência a outro vocábulo; apenas conecta (liga) uma idéia a outra, transmitindo a idéia de compensação.

3. Coesão recorrencial – é realizada pela repetição de vocábulos ou de estruturas frasais semelhantes.

Exemplos;

a. Os carros corriam, corriam, corriam. b. O aluno finge que lê, finge que ouve, finge que estuda.

Coerência textual é a relação que se estabelece entre as diversas partes do texto, criando uma unidade de sentido. Está ligada ao entendimento, À possibilidade de interpretação daquilo que se ouve ou lê.

OBS: pode haver texto com a presença de elementos coesivos, e não apresentar coerência.

Exemplo:

O presidente George W.Bush está descontente com o grupo Talibã. Estes eram estudantes da escola fundamentalista. Eles, hoje, governam o afeganistão. Os afegãos apóiam o líder Osama Bin Laden. Este foi aliado dos Estados Unidos quando da invasão da União Soviética ao Afeganistão.

Comentário:

Ninguém pode dizer que falta coesão a este parágrafo. Mas de que se trata mesmo? Do descontentamento do presidente dos Estados Unidos? Do grupo Talibã? Do povo Afegão? Do Osama Bin Laden? Embora o parágrafo tenha coesão, não apresenta coerência, entendimento.

Pode ainda um texto apresentar coerência, e não apresentar elementos coesivos. Veja o texto seguinte:

Como se conjuga um empresário

Mino

“Acordou. Levantou-se. Aprontou-se. Lavou-se. Barbeou-se. Enxugou-se. Perfumou-se. Lanchou. Escovou. Abraçou. Saiu. Entrou. Cumprimentou. Orientou. Controlou. Advertiu. Chegou. Desceu. Subiu. Entrou. Cumprimentou. Assentou-se. Preparou-se. Examinou. Leu. Convocou. Leu. Comentou. Interrompeu. Leu. Despachou. Vendeu. Vendeu. Ganhou. Ganhou. Ganhou. Lucrou. Lucrou. Lucrou. Lesou. Explorou. Escondeu. Burlou. Safou-se. Comprou. Vendeu. Assinou. Sacou. Depositou. Depositou. Associou-se. Vendeu-se. Entregou. Sacou. Depositou. Despachou. Repreendeu. Suspendeu. Demitiu. Negou. Explorou. Desconfiou. Vigiou. Ordenou. Telefonou. Despachou. Esperou. Chegou. Vendeu. Lucrou. Lesou. Demitiu. Convocou. Elogiou. Bolinou. Estimulou. Beijou. Convidou. Saiu. Chegou. Despiu-se. Abraçou. Deitou-se. Mexeu. Gemeu. Fungou. Babou. Antecipou. Frustrou. Virou-se. Relaxou-se. Envergonhou-se. Presenteou. Saiu. Despiu-se. Dirigiu-se. Chegou. Beijou. Negou. Lamentou. Justificou-se. Dormiu. Roncou. Sonhou. Sobressaltou-se. Acordou. Preocupou-se. Temeu. Suou. Ansiou. Tentou. Despertou. Insistiu. Irritou-se. Temeu. Levantou. Apanhou. Rasgou. Engoliu. Bebeu. Dormiu. Dormiu. Dormiu. Dormiu. Acordou. Levantou-se. Aprontou-se...

Comentário:

O texto nos mostra o dia-a-dia de um empresário qualquer. A estrutura textual – somente verbos – não apresenta elementos coesivos; o que se encontra são relações de sentido, isto é, o texto retrata a visão do seu autor, no caso, a de que todo empresário é calculista e desonesto.

Há palavras e expressões que garantem transições bem feitas e que estabelecem relações lógicas entre as diferentes idéias apresentadas no texto.

Vejamos algumas palavras que ajudam a dar coesão e coerência ao texto:

RELAÇÃO LÓGICAPALAVRAS E EXPRESSÕES Adição, seqüência de informações, progressão discursiva

E, não só...mas também, não só...como também, bem como, não só... mas ainda

Alternativas, escolhas Ou, ou...ou, ora...ora, quer...quer, seja...seja Oposição entre significados explícitos ou implícitos de duas partes do texto

Mas, porém, contudo, entretanto, todavia, no entanto

Conclusão Logo,pois, portanto, por conseguinte, por isso, assim, para concluir, finalmente, em resumo, então

Justificativa ou explicação de um fato

Que, porque, pois, porquanto, como, pois que, uma vez que, visto que, já que

Contradição e concessão (admissão de um argumento

Embora, ainda que, mesmo que, se bem que, posto que, por mais que

como válido pra, em seguida, negar seu valor argumentativo) Condição ou hipótese necessária para que se realize o fato

Se, contanto que, salvo se, desde que, a menos que, a não ser que, caso

Explicitar, confirmar ou ilustrar o que se disse anteriormente

Assim, desse modo

Introdução de argumento ou inclusão de um elemento a mais dentro de um conjunto

Ainda, ademais, igualmente importante, adicionalmente, também

Conformidade de um pensamento com outro

Conforme, de acordo com, como, segundo

Introdução de argumento decisivo

Além do mais, além de tudo, além disso

Finalidade ou objetivo do fato Para que, a fim de que, porque, que Tempo

Quando, enquanto, assim que, logo que, todas as vezes que, desde que, mal, sempre que, assim que, antes, após, previamente, subseqüentemente, simultaneamente,

Recentemente, imediatamente, atualmente Comparação Como, assim como, tal como, como se, tão ...como, tanto

...como, tanto quanto, tal, qual, tal qual, que (combinado com menos ou mais)

Conseqüência De sorte que, de modo que, de forma que, sem que, tal ...que, tamanho... que, tanto ...que

Similaridade Igualmente, da mesma forma, assim como Causalidade Em decorrência de, devido a, por causa de Esclarecimentos ou retificações Isto é, quer dizer, ou seja, em outras palavras Verossimilhança Na verdade Proporcionalidades À medida que, à proporção que, ao passo que, quanto

mais...menos, quanto mais ...mais, quanto menos... mais, quanto menos... menos

Preposições: elas também são importantes elementos de coesão.

A, ante, até, após, com, contra, de, desde, em, entre, para, por , perante, sem, sobre, sob, trás

UNIDADE 8

AS DIVERSAS FORMAS DE TEXTOS (Ver apostila de Textos)

UNIDADE 9

RESUMO

“Resumo é a apresentação concisa dos pontos relevantes de um texto em seqüência de frases articuladas. (...) O tema principal vem na primeira frase. Use a terceira pessoa do singular, com verbo na voz ativa, de prefer6encia em frases afirmativas. (...) Num resumo, é necessário decidir o que é fundamental e o que é acessório. É a procura da idéia principal.(...) Como o resumo é uma operação de síntese, pressupõe uma análise que

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 61 pages
baixar o documento