Licenciamento ambiental, Notas de estudo de Engenharia de Transportes
daiane-flor-10
daiane-flor-10

Licenciamento ambiental, Notas de estudo de Engenharia de Transportes

50 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
1Número de comentários
Descrição
Inserir Descrição
80 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 50
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 50 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 50 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 50 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 50 páginas
legisla_ambiental

M icr

o e Pe

qu en

as Em

pr es as

no Es ta do

de Sã

o Pa

ul o e a

Le gi sla

çã oA

m bi en

ta l

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

5

Nestes últimos anos, à frente da Federação e Centro das Indústrias do Estado de S. Paulo, tenho testemunhado o esforço de nossos empresários para trans- formar seus empreendimentos industriais e avançar ainda mais em direção à tão almejada sustentabilidade sócio-ambiental. As nossas entidades têm buscado mobilizar todos os agentes que atuam no uni- verso das questões ambientais, buscando a sua plena compreensão das com- plexidades do setor industrial. Somente uma articulação desse tipo poderá as- segurar às gerações futuras tudo aquilo que, por antecipação, a elas devemos. As transformações geradas pela vertiginosa evolução tecnológica fazem-se rapidamente sentir no cotidiano das pessoas, mas poucos têm a percepção da ativa presença da indústria, nas tarefas mais rotineiras ou nas atividades mais complexas. É difícil – mas certamente possível resolver a aparente dicotomia entre produzir os bens destinados às necessidades humanas e confrontar os males da exploração dos recursos naturais do planeta. Felizmente, já estamos percebendo em São Paulo os resultados positivos desse trabalho solidário e pró-ativo que tem caracterizado a atuação de nossas enti- dades e de todos os seus parceiros – empresários, executivos, especialistas, professores, membros de ONGs, funcionários do governo, promotores, juizes, parlamentares, jornalistas, entre muitos outros. Essa nova edição da Cartilha de Legislação Ambiental, editada pela Fiesp/Ciesp, é mais uma prova concreta da direção ética que nos propusemos nesse campo - cientes de nossos problemas e, ao mesmo tempo, também zelosos de nossas responsabilidades.

Horacio Lafer Piva Presidente da Fiesp/Ciesp

7

A Fiesp/Ciesp, sabedora da dificuldade que o setor industrial enfrenta para

entender e atender ao complexo sistema legislativo ambiental, solicitou ao es-

critório Pinheiro Neto Advogados, há aproximadamente 03 anos, a elaboração

de uma publicação, em linguagem acessível, que permitisse às indústrias, prin-

cipalmente de micro e pequeno porte, se orientar no emaranhado da legislação

vigente e suas implicações.

O sucesso da publicação pudemos perceber pelo rápido esgotamento dos

exemplares impressos e pela quantidade de downloads da publicação,

disponível em nossa homepage, que já superou a marca de 100.000 exem-

plares.

Entendendo que, como representantes do setor industrial, devemos buscar

junto aos legisladores uma adequação e racionalização no volume das leis ger-

adas. Temos, mostrado sempre que a ocasião permite, que é praticamente im-

possível acompanhar, conhecer e atender a todos os dispositivos legais pro-

duzidos nas três esferas de governo, por vezes superveniente e conflitante.

Não obstante, enquanto não temos uma consolidação da legislação ambi-

ental, houvemos por bem solicitar que nossos parceiros elaborassem uma se-

gunda edição da publicação atualizada.

Esperamos que a presente edição torne-se novamente, a base para uma

melhor interação com esse universo de exigências legais.

Angelo Albiero Filho

Diretor Titular do Departamento de Meio Ambiente

e Desenvolvimento Sustentável

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

9

I - LOCAL DO EMPREENDIMENTO Restrições Construtivas: Etapas relativas à edificação do estabelecimento industrial . . . . . . . . . . . . . . . . . .14

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15

Onde se Informar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15

II - LICENCIAMENTO AMBIENTAL O que é licenciamento ambiental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16

A quem compete licenciar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16

Quem deve solicitar a licença ambiental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17

Certificado de Dispensa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18

Tipos de licenças ambientais e como obtê-las . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18

Fontes de baixo potencial poluidor - Licenciamento Expedito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18

(i) Parecer de Viabilidade de Localização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18

O que é . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19

(ii) Licença Prévia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19

O que é . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19

Relatório Ambiental Prévio – RAP; Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental

– EIA/RIMA; medidas mitigadoras e compensatórias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19

Atividades mineradoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .20

Empreendimentos localizados na Região Metropolitana de São Paulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .20

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21

Empreendimentos localizados em área de mananciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21

Empreendimentos com alguma intervenção na flora - DEPRN e Prefeituras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21

DEPRN . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .22

Prefeituras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .22

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23

(iii) Licença de Instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23

O que é . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23

Empreendimentos instalados antes de 1976 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23

(iv) Licença de Operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .24

Licença de Operação a Título Precário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .24

Prazo de validade da Licença de Operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .24

Renovação da Licença de Operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .24

Modificação ou ampliação no empreendimento, ou instalação de novos equipamentos . . . . . . . . . . . . . . .24

(v) Alteração da denominação do empreendimento (razão social) e/ou alteração

do nome ou numeração do local do empreendimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .25

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

11

V - EMISSÕES POLUENTES (i) Emissões Atmosféricas, Odores e Ruídos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .36

(ii) Efluentes Líquidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .37

(iii) Resíduos Sólidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .37

(iv) Sanções administrativas aplicáveis às emissões poluentes fora dos padrões estabelecidos . . . . . . . .38

(v) Sanções criminais aplicáveis às emissões poluentes fora dos padrões estabelecidos

– “Lei de Crimes Ambientais” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .39

(vi) Reparação dos Danos Ambientais Causados ou Indenização Equivalente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .40

VI - CERTIFICADO DE REGISTRO E TAXA DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL - IBAMA (i) Certificado de Registro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .41

Quem deve obtê-lo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .41

Procedimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .41

Prazo de Validade e Renovação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .41

Alteração e Encerramento de Atividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .41

Sanções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .42

(ii) Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental (“TCFA”) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .42

Procedimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .42

Valor da Taxa Ambiental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .42

Relatório de Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .42

Sanções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .43

Fontes de Referência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .44

Anexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .51 a 96

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

10

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .25

(vi) Encerramento e/ou suspensão da atividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .25

(vii) Sanções aplicáveis à falta de licenças ambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .26

(viii) Sanções aplicáveis às intervenções na flora sem a devida autorização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .26

III - USO DE ÁGUA Competência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28

Onde obter a autorização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28

Validade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28

Renovação da Outorga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .29

Dispensa de Outorga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .29

Transferência da outorga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .29

Sanções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .29

Cobrança pelo uso da água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .30

IV - PRODUTOS QUÍMICOS CONTROLADOS (i) Ministério da Justiça – Departamento da Polícia Federal – Divisão de

Repressão a Entorpecentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31

Atividades não eventuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31

Atividades eventuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .32

Importação e exportação de produtos químicos controlados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .32

Validade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .32

Renovação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .32

Sanções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .32

(ii) Ministério do Exército – Comando Militar da 2ª Região . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33

Validade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33

Renovação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33

Sanções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33

(iii) Secretaria de Estado dos Negócios da Segurança Pública – Polícia Civil – Departamento

de Identificação e Registros Diversos - Divisão de Produtos Controlados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .34

Validade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .34

Renovação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .34

Sanções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .34

(iv) Transporte rodoviário de cargas perigosas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .34

Documentação necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .34

Sanções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .35

Transporte no Município de São Paulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .35

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE:

ESTE GUIA COM INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE A LEGISLAÇÃO AMBIEN- TAL NÃO TEM A PRETENSÃO DE ESGOTAR TODO O TIPO DE CONSIDERAÇÕES QUE O TEMA COMPORTA, PRESTANDO-SE ÚNICA E EXCLUSIVAMENTE A EXPOR UM PANORAMA GERAL DAS OBRIGAÇÕES MAIS IMEDIATAS TRAZIDAS PELAS LEIS AMBIENTAIS ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

JUNHO/2004

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

13

A preocupação com a preservação do meio ambiente a partir da década de 70 criou uma série de exigências às atividades potencialmente poluidoras, ou seja, que podem causar danos ao meio ambiente ou à saúde. Quando se fala em atividades potencialmente poluidoras se pensa logo nas indústrias, porque representam o ramo de atividade mais reconhecido como poluente. Isso explica o fato de as exigências de controle ambiental terem atingido as indús- trias em primeiro lugar, e ainda serem as indústrias o alvo principal das novas normas que vêm sendo criadas. E essas normas têm que ser obedecidas por todas as atividades que pos- sam causar algum impacto ambiental ou afetar a saúde da população, independente do tama- nho ou do porte da indústria.

A legislação que estabelece as penalidades para o descumprimento das normas ambien- tais evoluiu muito nos últimos anos, e hoje desobedecer essas normas pode resultar no paga- mento de pesadas multas, na interdição do estabelecimento e até mesmo envolver a empresa e os seus responsáveis em processos de reparação de danos e ações criminais. Com o agra- vante de que no Estado de São Paulo, em especial, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente - SMA (através da CETESB1 e da CPRN2) e os Promotores3 são bastante atuantes no prevenir e punir danos ambientais, e estão razoavelmente aparelhados para essa tarefa.

Portanto, como há leis e normas de controle ambiental, e agentes aparelhados para fis- calizar o seu cumprimento, operar uma indústria desconhecendo essas leis e normas significa um risco alto. E como essas leis e normas aplicam-se a quaisquer atividades potencialmente poluentes, independente do seu tamanho ou porte, é de suma relevância levar aos respon- sáveis pelas micro e pequenas empresas informações básicas acerca das exigências de controle ambiental, para que evitem um risco que pode ser maior do que a própria atividade.

Foi com esse objetivo que a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo – CIESP, com o apoio jurídico do escritório Pinheiro Neto Advogados, tomaram a iniciativa de levar esta Cartilha ao conhecimento de suas associadas micro e pequenas empresas. Trata-se de um guia com informações básicas sobre as licenças, registros, autorizações, requisitos, padrões e penalidades exigíveis das atividades potencialmente poluentes e degradadoras do meio ambiente, estabelecidas no nos- so Estado.

Como as leis e normas de proteção ao meio ambiente e mesmo os Órgãos de Governo estão em contínua evolução, é bom salientar que as informações constantes desta Cartilha es- tão atualizadas até a data de sua edição.

Introdução

01 Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. 02 Coordenadoria de Licenciamento Ambiental e Proteção de Recursos Naturais. 03 Ministério Público do Estado de São Paulo.

PINHEIRO NETO ADVOGADOS

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

15

I - LOCAL DO EMPREENDIMENTO

A localização do empreendimento é o item primeiro no cumprimento das normas de con- trole ambiental. Há locais específicos que não comportam quaisquer atividades industriais, ou que oneram os empreendimentos impondo condições mais restritivas.

Seria tarefa quase impossível listar todos os locais que de alguma forma restringem ativi- dades industriais e relacionar todas as condições ambientais que uma vez presentes podem trazer ônus significativo aos empreendimentos. De qualquer modo, no contexto das infor- mações básicas a que esse informativo se propõe, cabe alertar o empresário para que antes de mais nada verifique se a área que escolheu para o seu empreendimento está onerada com al- gum tipo de proteção ambiental ou restrição construtiva. Parques, reservas, áreas de manan- ciais, margens de rodovias, representam os itens mais óbvios de uma tão extensa quanto vari- ada lista de espaços físicos delimitados e condições ambientais abstratas que inviabilizam ou oneram em demasia qualquer empreendimento industrial.

No âmbito dos municípios, a preocupação primordial é com as suas leis de zoneamento e de posturas construtivas, que restringem e condicionam a localização de indústrias em seus re- spectivos territórios e estabelecem requisitos às edificações.

Restrições Construtivas: Etapas relativas à edificação do estabelecimento industrial

(i) Consultar o Plano Diretor, quando houver, bem como lei de parcelamento, uso e ocu- pação do solo urbano, e ainda eventual Código de Obras do Município, para verificar a existência de eventuais restrições à atividade, ou de diretrizes quanto à sua localização no Mu- nicípio, ou ainda de índices urbanísticos aplicáveis às construções e posturas de segurança a serem observadas;

(ii) Ter certeza de que o arquiteto e o engenheiro responsáveis pelo projeto e pelas obras do estabelecimento estão familiarizados com a lei de parcelamento, uso e ocupação do solo urbano, com o Código de Obras e com as posturas de segurança impostas pelo Município;

(iii) Obter o Alvará de Construção, o certificado de recolhimento dos encargos trabalhis- tas e previdenciários da mão-de-obra empregada na construção (Certidão Negativa de Débitos do Instituto Nacional de Seguridade Social – CND-INSS-Obra), e o Alvará de Conclusão de Obra, em se tratando de novo estabelecimento;

(iv) Obter o Alvará para Reforma da Instalação, a Certidão Negativa de Débitos do Insti- tuto Nacional de Seguridade Social – CND-INSS-Obra e o Alvará de Conclusão de Obra, em se tratando de reforma de estabelecimentos já construídos;

(v) Obter o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros. Para as edificações de pequeno porte e de risco reduzido, de até dois pavimentos e área inferior a 750 m2 de construção, foi criado um procedimento simplificado4 (vide Anexo Bombeiros – I); e

(vi) Obter Alvará de Localização, Uso e Funcionamento –ALUF.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

14

4 O procedimento simplificado não se aplica (i) aos postos de abastecimento de combustíveis e de serviço; (ii) aos locais de reunião pública com lotação superior a 50 pessoas; (iii) às atividades industriais e comerciais relacionadas a produtos químicos, líquidos e gases combustíveis ou inflamáveis (GLP), fogos de artifício e materiais pirofóricos; e (iv) às edificações com estrutura metálica, com área construída superior a 250 m2 (Instrução Técnica CB-03/33/94, alterada pela IT-CB 04/33/95).

Documentação necessária Como a legislação difere de um município para outro, o interessado deverá se informar

na própria localidade em que a atividade será exercida acerca dos documentos que devem acompanhar os pedidos de alvarás e licenças.

Onde se informar (i) Na Capital: Subprefeituras e Secretaria da Habitação e de Urbanismo - SEHAB; (ii Em outros Municípios: Prefeitura Municipal e Secretarias, quando houver.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

17

II - LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Não basta que o empreendimento esteja regularizado perante a Prefeitura. Dependendo do tipo de atividade a ser desenvolvida, o empreendimento deverá também estar regular- mente licenciado perante o Órgão ambiental.

O que é licenciamento ambiental O licenciamento ambiental é o procedimento administrativo por meio do qual o Órgão

competente licencia a localização, a instalação, a ampliação e a operação dos empreendimen- tos e atividades que utilizam recursos ambientais, ou que são efetiva ou potencialmente polu- idores, ou que de alguma forma podem impactar o meio ambiente5.

A quem compete licenciar A Secretaria de Estado de Meio Ambiente – SMA é formalmente dotada da seguinte es-

trutura organizacional: (i) Conselho Estadual do Meio Ambiente – CONSEMA; (ii) Gabinete (o Secretário); (iii) Coordenadoria de Informações Técnicas, Documentação e Pesquisa Ambiental –

CINP, constituída por (a) Instituto Geológico; (b) Instituto Botânico; e (c) Institu- to Florestal;

(iv) Fundação Florestal; (v) Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico e Educação Ambiental –

CPLEA; (vi) Coordenadoria de Licenciamento Ambiental e Proteção de Recursos Naturais –

CPRN, constituída por (a) Departamento Estadual de Proteção dos Recursos Na- turais – DEPRN; (b) Departamento do Uso do Solo Metropolitano – DUSM; (c) Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental – DAIA; e (d) Grupo Técnico de Rodovias – GTR; e

(vii) Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental – CETESB. Muito embora alguns desses Órgãos interajam no licenciamento de atividades no Estado

de São Paulo, de modo geral cabe à Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental - CETESB e aos Departamentos da Coordenadoria de Licenciamento Ambiental e Proteção de Recursos Naturais – CPRN licenciar as atividades potencialmente poluentes ou que im- pliquem alguma intervenção na flora ou que de qualquer forma utilizem recursos naturais.

Tanto a CETESB como o Departamento Estadual de Proteção dos Recursos Naturais - DEPRN possuem várias agências regionais no Estado, de modo que o interessado deve plei- tear as licenças ambientais na agência regional respectiva à sua atividade.

Determinadas atividades6 estarão sujeitas tão-somente ao licenciamento pelo Município em que estão situadas, desde que o Município conte com um Conselho de Meio Ambiente, tenha legislação ambiental específica em vigor e possua em seus quadros ou à sua disposição profissionais habilitados.

Excepcionalmente, quando a atividade, em que pese ser de pequeno porte, vier a im- pactar também um Estado vizinho, o licenciamento em tese competirá ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA, que é o Órgão de licen- ciamento e de fiscalização ambiental de âmbito nacional.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

16

5 Resolução CONAMA 237/97, artigo 1º, inciso I. 6 Anexo 9 do Decreto Estadual nº 8.468, de 8.9.1976, alterado pelo Decreto nº 47.391, de 4.12.2002 que aprova o regulamento da Lei Estadual nº 997, de 31.6.1976 (Vide Anexo CETESB – IX).

7 A Resolução nº 1, de 23.1.1986, editada pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA cita um rol exemplificativo de atividades de significativo potencial de impacto ao meio ambiente sujeitas ao licenciamento pela SMA.

8 Artigo 57 do Decreto Estadual nº 8.648/76, alterado pelo Decreto nº 47.391/02. 9 Anexo 5, do Decreto nº 8.468/76, alterado pelo Decreto nº 47.391/02 (Vide Anexo CETESB – VIII). 10 w.w.w.cetesbsp.gov.br/licenciamento/atividades dispensados.htm

Quem deve solicitar a licença ambiental Estão sujeitos ao licenciamento ambiental, genericamente, os empreendimentos e ativi-

dades que utilizam recursos ambientais, ou que são efetiva ou potencialmente poluidores, ou que de alguma forma podem degradar o meio ambiente. A legislação aplicável lista as ativi- dades que devem obter licenciamento ambiental por parte da SMA7 e da CETESB8, bem como as atividades que estão dispensadas de obter o licenciamento. Essa listagem reproduzida abaixo deve ser havida como exemplificativa, porque o dinamismo da atividade econômica obviamente não permite que se estabeleça um rol definitivo de empreendimentos que devem ou não obter licenciamento.

Devem obter licenciamento junto à CETESB: (i) atividade de extração e tratamento de minerais, excluídas as caixas de empréstimo; (ii) determinadas atividades industriais e de serviços9 ; (iii) operação de jateamento de superfícies metálicas ou não-metálicas, excluídos os

serviços de jateamento de prédios ou similares; (iv) sistemas de saneamento; (v) usinas de concreto e concreto asfáltico, instaladas transitoriamente, para efeito de

construção civil, pavimentação e construção de estradas e de obras de arte; (vi) hotéis e similares que queimem combustível sólido ou líquido; (vii) atividades que utilizem incinerador ou outro dispositivo para a queima de lixo e ma-

teriais, ou resíduos sólidos, líquidos ou gasosos; (viii) serviços de coleta, armazenamento, transporte e disposição final de lodos ou mate-

riais retidos em unidades de tratamento de água, esgotos ou de resíduos industriais; (ix) hospitais, inclusive veterinários, sanatórios, maternidades e instituições de pesquisa

de doenças; (x) todo e qualquer loteamento ou desmembramento de imóveis, condomínios horizon-

tais ou verticais, conjuntos habitacionais, independentemente do fim a que se desti- nam;

(xi) cemitérios horizontais ou verticais; (xii) comércio varejista de combustíveis automotivos, incluindo postos revendedores,

postos de abastecimento, transportadores, revendedores retalhistas e postos flutu- antes;

(xiii) depósito ou comércio atacadista de produtos químicos e inflamáveis; e (xiv) termoelétricas. As atividades dispensadas de obter licenciamento junto à CETESB estão descritas na

homepage daquele Órgão10.

Certificado de Dispensa

Para as atividades sem potencial poluidor basta solicitar à CETESB o Certificado de Dispensa de Licença, exceto se localizadas em área de mananciais, quando então deverão obter alvará do DUSM e parecer técnico da CETESB, mediante a submissão da averbação da área construída a esses Órgãos.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

19

Documentação necessária Para obter o Certificado de Dispensa de Licença11 o interessado deverá encaminhar os

seguintes documentos à CETESB, junto a formulário próprio (“Solicitação de Certificado de Dispensa”, Anexo CETESB – II):

(i) Cópia do C.N.P.J da empresa; e (ii) Cópia do contrato social.

Tipos de licenças ambientais e como obtê-las A Secretaria de Estado de Meio Ambiente - SMA licencia e fiscaliza os estabelecimentos

industriais no Estado de São Paulo. No âmbito da SMA, a CETESB concede Licença Prévia (LP), Licença de Instalação (LI) e Licença de Operação (LO) aos empreendimentos men- cionados no tópico acima “Quem deve solicitar a licença ambiental”.

A SMA, ouvido o Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental – DAIA, concede Licença Prévia (LP) aos empreendimentos sujeitos à análise prévia de seus impactos ambien- tais, e Licença de Instalação (LI) e Licença de Operação (LO) aos empreendimentos com po- tencial significativo de impacto ao meio ambiente12.

Na maioria das vezes, cada uma dessas licenças é expedida em momentos distintos, de acordo com a fase em que se encontra a implantação do empreendimento.

Fontes de baixo potencial poluidor - Licenciamento Expedito Antes mesmo de discorrer acerca dos requisitos de cada uma das licenças ambientais

necessárias aos empreendimentos, serve bem ao propósito deste informativo esclarecer que para as atividades havidas como de baixo potencial poluidor, independente do porte da in- dústria, a CETESB criou um procedimento de licenciamento simplificado que se denomina licenciamento expedito13. Portanto, alguns micro e pequenos empreendimentos, atendidas determinadas exigências, poderão se submeter a esse procedimento expedito, com roteiro mais simples se comparado ao que vem descrito abaixo.

(i) Parecer de Viabilidade de Localização

O que é O Parecer de Viabilidade Técnica é documento não obrigatório, que poderá ser solicita-

do pelo empreendedor antes de ter início o licenciamento ambiental propriamente dito. Por meio desse parecer, a CETESB orienta o empreendedor a respeito da viabilidade da localiza- ção escolhida para a atividade a ser licenciada.

Essa consulta prévia tem por finalidade reduzir os riscos de investimento em áreas ambi- entalmente inadequadas ou que possam ter algum tipo de restrição à instalação de determina- do empreendimento.

Documentação necessária (i) Formulário próprio da CETESB (vide Anexo CETESB – I); (ii) Formulário do Memorial de Caracterização do Empreendimento - MCE14 (2 vias); (iii) Comprovante de pagamento de taxa específica; e (iv) Procuração, quando o pedido não for formulado pelo próprio empreendedor.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

18

11 O Certificado de Dispensa de Licença de Instalação é isento de pagamento de taxa. 12 Resolução CONAMA nº 1/86. 13 “Reunião da Diretoria Plena – RD 015/97/C”. 14 O Formulário do Memorial de Caracterização do Empreendimento (MCE) e o respectivo Manual de Preenchimento estão

disponíveis na homepage da CETESB e nas Agências ambientais.

15 Anexo 10 do Decreto nº 8.468/76, alterado pelo Decreto nº 47.397/02 (www.cetesb.sp.gov.br/licenciamento/anexo_03_licprevia.htm) 16 Os formulários são distribuídos gratuitamente nas agências da CETESB. 17 Empresas de pequeno porte e microempresas pagam taxa reduzida. 18 A Prefeitura Municipal de São Paulo não expede esse tipo de Certidão. 19 O Formulário do Memorial de Caracterização do Empreendimento (MCE) e o respectivo Manual de Preenchimento estão disponíveis

na homepage da CETESB e nas Agências ambientais. 20 Resolução SMA (Secretaria do Meio Ambiente) nº 42, de 29.12.1994.

(ii) Licença Prévia

O que é A Licença Prévia é concedida na fase preliminar de planejamento da atividade, servindo

para aprovar a sua localização e concepção, atestando a viabilidade ambiental do empreendi- mento e estabelecendo os requisitos e as condicionantes básicas que estarão sendo exigidas nas fases subseqüentes do licenciamento.

A Licença Prévia pode ser solicitada à CETESB concomitantemente ou não à solicitação da Licença de Instalação (ver tópico abaixo), dependendo do tipo de atividade a ser desen- volvida. Existe uma lista taxativa dos empreendimentos e atividades cujo licenciamento prévio deve necessariamente anteceder a obtenção da Licença de Instalação15.

Documentação necessária O pedido de licença prévia à CETESB se faz por meio dos seguintes documentos: (i) Formulário próprio da CETESB (vide Anexo CETESB – I)16 ; (ii) Comprovante de pagamento de taxa específica17; (iii) Procuração, quando o pedido não for formulado pelo próprio empreendedor; (iv) Certidão da Prefeitura Municipal local, atestando a adequação da atividade a ser de-

senvolvida às diretrizes de uso do solo e aprovando a instalação da empresa18 (vide item I sobre localização do empreendimento)

(v) Memorial de Caracterização do Empreendimento – MCE19; (vi) Plantas baixas e de corte, quando se tratar de construção nova ou ampliação; planta

aprovada pela Prefeitura Municipal e/ou pela Secretaria da Saúde, ou planta de con- servação, caso a atividade venha a ser instalada em prédio já existente;

(vii) Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) do responsável técnico; (viii) Roteiro de acesso ao empreendimento a ser licenciado; (ix) Contrato social ou Comunicação/ME registrado na JUCESP, ou Declaração Cadas-

tral – DECA, quando se tratar de microempresa ou empresa de pequeno porte; (x) Publicação da solicitação da Licença Prévia em Diário Oficial do Estado de São

Paulo e em um periódico; e (xi) Outras informações consideradas pertinentes pela CETESB. A Licença Prévia concedida pela SMA, por sua vez, é expedida após o pronunciamento do

DAIA para as atividades e obras com significativo potencial de impacto ao meio ambiente, su- jeitas a avaliação de impacto ambiental.

Relatório Ambiental Prévio – RAP; Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental – EIA/RIMA; medidas mitigadoras e compensatórias

Aos empreendimentos que possam causar significativo impacto ambiental, poderá vir a ser exigido um documento chamado Relatório Ambiental Prévio – RAP20 a ser analisado pelo Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental – DAIA, da Secretaria Estadual do Meio Ambiente. O RAP avalia a atividade a ser desenvolvida e os impactos que causará, e deverá ser submetido à SMA com os seguintes documentos:

(i) Anotação de Responsabilidade Técnica (ART); (ii) Certidão da Prefeitura Municipal relativa ao uso do solo;

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

21

(iii) Exame técnico do Órgão ambiental municipal ou declaração do Município de que não dispõe de Órgão técnico; e

(iv) Outros documentos que venham a ser exigidos pela SMA. Após a análise do RAP, o DAIA poderá opinar favoravelmente à expedição da Licença

Prévia, ou exigir uma análise ambiental mais abrangente, através da apresentação de Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental - EIA/RIMA.

Norma federal, do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA21, dispõe ser obrigatória a apresentação de EIA/RIMA para as atividades que discrimina, tais como a aber- tura de canais para irrigação; retificação de cursos d’água; extração de minérios; aterros san- itários; processamento e destino final de resíduos tóxicos ou perigosos; complexos e unidades industriais e agro-industriais petroquímicos, siderúrgicos, cloroquímicos; destilarias de ál- cool; distritos e Zonas Estritamente Industriais – ZEI. No entanto, no Estado de São Paulo mesmo para algumas dessas atividades se exige em um primeiro momento a apresentação do RAP, para só depois, se for o caso, exigir-se a apresentação do EIA/RIMA.

O processo de Avaliação de Impacto Ambiental – AIA através de EIA/RIMA normal- mente demanda um tempo considerável, porque envolve o preparo do Estudo de Impacto Ambiental – EIA e do Relatório de Impacto Ambiental - RIMA, sua discussão com o Órgão licenciador, o atendimento a exigências adicionais, a realização de audiência pública e outros trâmites previstos pelas normas aplicáveis22. A instalação de um empreendimento em um pó- lo industrial licenciado pode simplificar o licenciamento da unidade, na medida em que se en- quadre nos parâmetros estabelecidos para o pólo industrial.

Na análise do EIA/RIMA poderá ser exigida dos empreendedores a adoção de medidas mitigadoras e compensatórias visando minimizar ou de alguma forma criar uma contraparti- da aos impactos ambientais que decorrerão do empreendimento. Enquanto as medidas miti- gadoras estão voltadas a atenuar os impactos do próprio empreendimento (como sistemas de controle de poluentes), as medidas compensatórias nem sempre se vinculam aos impactos do empreendimento em si, não raro tomando a forma de benefícios e facilidades conferidas às comunidades envolvidas (construção de escolas e casas de saúde, instituição de programas de educação ambiental e de áreas de conservação). A idéia é fazer com que o empreendimento resulte em uma equação positiva de custos e benefícios.

Atividades mineradoras Para o licenciamento de atividades mineradoras, especificamente, exige-se o Relatório

de Controle Ambiental – RCA, o Plano de Controle Ambiental – PCA23 e o Plano de Recu- peração de Áreas Degradadas - PRAD24. Os dois primeiros documentos, RCA e PCA, refer- em-se aos controles e sistemas que a atividade manterá durante a exploração minerária de for- ma a minimizar os seus impactos, ao passo que o PRAD discrimina de antemão as obras de recuperação da área minerada a serem implementadas pelo empreendedor após o exaurimen- to do recurso mineral.

Empreendimentos localizados na Região Metropolitana de São Paulo Os empreendimentos a serem instalados na Região Metropolitana de São Paulo estão su-

jeitos ainda a um licenciamento específico25, pelo qual se confere se o local escolhido pelo

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

20

empreendedor e o empreendimento em si estão em conformidade com o zoneamento industri- al estabelecido para a região metropolitana.

Documentação necessária No momento mesmo de solicitação da Licença Prévia à CETESB, o empreendedor apre-

sentará um memorial diferenciado de caracterização do empreendimento, com determinadas informações exigidas pela lei que regula a localização de empreendimentos na região metro- politana de São Paulo (vide Anexo CETESB - III). Deverá também anexar mapa do Sistema Cartográfico com a localização do empreendimento e outros documentos que o Órgão ambi- ental entenda necessários. Dependendo da zona industrial escolhida, serão expedidos: (i) Cer- tificado de Enquadramento; ou (ii) Licença de Localização Metropolitana.

Tratando-se de atividade com significativo impacto ao meio ambiente, o empreendedor deverá submeter-se a esse licenciamento específico após a expedição da Licença Prévia pela SMA.

Empreendimentos localizados em área de mananciais Área de mananciais, de modo geral, é aquela situada próxima aos reservatórios de

abastecimento de água à população. Da mesma forma que em relação a qualquer empreendi- mento industrial, os empreendimentos em áreas de mananciais precisam de Licença Prévia, Li- cença de Instalação e de Licença de Operação. Mas no processo de licenciamento em área de mananciais, além da CETESB e/ou do DAIA, atua também o Departamento Estadual de Pro- teção dos Recursos Naturais – DEPRN, ao qual compete, a grosso modo, zelar pelos recursos naturais no Estado de São Paulo.

Documentação necessária No Estado de São Paulo, exceção feita à Capital, a documentação a ser apresentada ao

DEPRN é a que está discriminada no tópico a seguir referente aos empreendimentos com al- guma intervenção na flora. O DEPRN, tanto quanto a CETESB, possui vários escritórios re- gionais no Estado, de modo que o interessado deve pleitear a autorização própria à intervenção que pretende implementar no escritório da região respectiva à sua atividade.

Em relação aos empreendimentos situados na Região Metropolitana da Grande São Paulo, atua também o Departamento do Uso do Solo Metropolitano – DUSM da Secretaria Es- tadual do Meio Ambiente. Na Capital, os formulários devem ser todos entregues no Balcão Único da CETESB, que cuidará do encaminhamento aos demais Órgãos (DEPRN e DUSM). Os Anexos CETESB – IV, V e VI contêm o roteiro a ser seguido e a documentação exigida.

Empreendimentos com alguma intervenção na flora - DEPRN e Prefeituras

DEPRN Sempre que a implantação de um empreendimento acarretar algum tipo de intervenção na

flora, como o corte de árvores, ou intervenção em área de preservação permanente, como área de mananciais (conforme tópico acima), várzeas e beira de rios, o Departamento Estadual de Proteção dos Recursos Naturais - DEPRN deverá ser ouvido a respeito. Aliás, não apenas na implantação do empreendimento, mas sempre que qualquer empreendimento já implantado pretender fazer qualquer intervenção na flora ou em área de preservação permanente, precisará consultar o DEPRN. 21 Artigo 2º da Resolução CONAMA nº 1/86.22 Resoluções do CONAMA nº 1, de 23.1.198;, nº 9, de 3.12.1987 e nº 237, de 19.12.1997.

23 Artigo 4º da Resolução nº 4, de 22.1.1999, da Secretaria Estadual do Meio Ambiente – SMA. 24 Artigo 1º do Decreto Federal nº 97632, de 10.4.1989, que regulamenta o artigo 2º, VIII da Lei nº 6.938, de 31.8.1981;

Resoluções SMA nº 18, de 23.10.1989 e nº 26, de 30.8.1993. 25 Regido pela Lei Estadual nº 1.817, de 27.10.1978, alterado pela Lei nº 11.243, de 10.10.2002.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

23

Documentação necessária O interessado deve pleitear a autorização própria à intervenção que pretende implemen-

tar no escritório mantido pelo DEPRN na região do empreendimento. Os documentos exigi- dos são os seguintes:

(i) Requerimento, em duas vias (vide Anexo DEPRN - I); (ii) Roteiro de acesso, em uma via (vide Anexo DEPRN - I); (iii) Procuração, quando for o caso, com firma reconhecida ou xerox autenticada; (iv) Certidão ou Matrícula do Cartório de Registro de Imóveis atualizada em até 60

dias: (a) em caso de posse – Certidão do Cartório de Registro de Imóveis, comprovando

que a mesma é mansa e pacífica, ou seja, não há litígio; (b) em caso de contrato de compra e venda, juntar Certidão ou Matrícula do Imóvel e

declaração de anuência do proprietário-vendedor; (v) Declaração da Prefeitura de que a obra está em conformidade com Plano Diretor

e/ou legislação municipal em geral (quando for área urbana ou de expansão ur- bana);

(vi) Planta planialtimétrica, em três vias, com as seguintes especificações: Escala compatível com a área do imóvel; Curvas de nível de 10 em 10m, no máximo; Sistema viário existente; Rede hidrográfica (rios, córregos, lagoas etc) existentes; Memorial descritivo da Vegetação de acordo com o artigo 2º da Lei nº 7803/89 e Re-

solução CONAMA nº 001/94 elaborado por engenheiro agrônomo, ou engenheiro florestal, ou biólogo;

Assinatura do proprietário e do técnico responsável com CREA e ART devidamente recolhida.

(vii) Fotografias atuais, do lote e do entorno (vizinhos imediatos a partir da linha de di- visa), todas com direção indicada na planta ou croqui;

(viii) Declaração do proprietário de que as fotografias apresentadas referem-se ao seu lote, sob as penas da lei; e

(ix) Projeto técnico do empreendimento completo lançado sobre planta, com indicação da área total de vegetação nativa e/ou de preservação permanente que sofrerá in- terferência com o projeto apresentado.

Prefeituras Quando a intervenção na flora resumir-se à poda ou à remoção de árvores isoladas, no

limite máximo de 20 unidades por hectare, de modo geral caberá às Prefeituras conceder as respectivas autorizações26. São considerados exemplares arbóreos isolados aqueles situados fora de maciços florestais, que se destacam na paisagem como indivíduos, totalizando até o máximo de 30 árvores por hectare. Não obstante, em se tratando de corte de árvores em áreas urbanas é sempre recomendável confirmar no escritório regional do DEPRN se é caso mes- mo de solicitar autorização apenas à Prefeitura e não ao DEPRN também.

Na Capital do Estado, a Prefeitura deve ser consultada através das Subprefeituras e, se a intervenção for em área de preservação permanente, a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente será ouvida. Vale lembrar que toda vegetação de porte arbóreo no Município fica subordinada a uma autorização de engenheiro da Prefeitura27.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

22

Documentação necessária Verificar em cada Prefeitura Municipal a documentação exigida para o corte de árvores.

(iii) Licença de Instalação

O que é Pela Licença de Instalação a CETESB analisa a adequação ambiental do projeto do em-

preendimento ao local escolhido pelo empreendedor. Da Licença de Instalação que venha a ser concedida pela CETESB usualmente constam as exigências técnicas a serem cumpridas antes do início da operação do empreendimento.

Documentação necessária O pedido de Licença de Instalação deverá ser acompanhado dos mesmos documentos

submetidos à CETESB por ocasião da solicitação da Licença Prévia (item acima), bem como de publicação em Diário Oficial do Estado de São Paulo e em um periódico, constando o ato de solicitação da Licença de Instalação. Microempresas e empresas de pequeno porte reco- lhem taxa reduzida para solicitar a expedição de Licença de Instalação.

Empreendimentos instalados antes de 1976 Tendo em vista que é de 197628 a lei que instituiu no Estado de São Paulo a obrigato-

riedade do licenciamento ambiental, os estabelecimentos instalados antes dessa data estão dispensados da obtenção da Licença Prévia e da Licença de Instalação.

No entanto, mesmo esses estabelecimentos industriais pré-existentes a 8.9.1976 serão convocados pela SMA e pela CETESB a obter Licença de Operação. E para obter direta- mente a Licença de Operação está claro que esses estabelecimentos devem estar operando em conformidade com os limites normativos estabelecidos para as emissões poluentes.

Documentação necessária Para obter o Certificado de Dispensa de Licença Prévia e de Instalação o interessado de-

verá encaminhar os seguintes documentos à CETESB: (i) Formulário próprio da CETESB (vide anexo CETESB - I); (ii) Documentos comprobatórios da regular implantação do empreendimento antes de

8.9.1976; (iii) Procuração, quando o pedido não for formulado pelo próprio empreendedor; e (iv) Comprovante do pagamento de taxa específica29. A documentação necessária para os empreendimentos instalados antes de 1976 obterem

Licença de Operação está mencionada no item abaixo.

(iv) Licença de Operação Após a obtenção da Licença Prévia e da Licença de Instalação atestando a viabilidade e

autorizando a implantação do empreendimento, para que a atividade industrial possa ter iní- cio, será preciso ainda solicitar à CETESB a Licença de Operação. Somente após a sua expe- dição é que o estabelecimento industrial poderá efetivamente iniciar as suas atividades.

26 Portaria nº 44, de 25.9.1995, expedida pelo DEPRN.

27 Por força da Lei Municipal nº 10.365, de 22.9.1987. 28 Decreto Estadual nº 8.468/76, alterado pelo Decreto nº 47.397/02. 29 Microempresas e empresas de pequeno porte recolhem taxa reduzida.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

25

Documentação necessária

O empreendedor deverá apresentar: (i) Formulário preenchido para fins de operação (vide Anexo CETESB - II); (ii) Comprovante do pagamento da taxa de expedição da licença30; (iii) Publicação no Diário Oficial, e em um periódico, da solicitação da Licença.

Licença de Operação a Título Precário Há hipóteses em que a comprovação do atendimento às exigências técnicas só é possível

mediante inspeção com as máquinas e equipamentos em pleno funcionamento. Nesses casos em que é necessário aferir o desempenho de sistemas de controle de poluição antes de se emi- tir a Licença de Operação, a CETESB pode expedir uma Licença de Operação a Título Precário31.

Prazo de validade da Licença de Operação Há uma lei estadual32 estipulando que os empreendimentos já licenciados por ocasião da

edição dessa lei (1996) estão obrigados a renovar as suas licenças a cada cinco anos. Grande parte das Licenças de Operação que vinham sendo expedidas pela CETESB não especificavam prazo de validade.

A partir do final de 2002, as Licenças de Operação passaram a ser expedidas pela CETESB com prazo de validade variando de 2 a 5 anos, divididos os empreendimentos em categorias distintas segundo um “fator de complexidade” aplicável a cada empreendimento33.

Renovação da Licença de Operação As atividades que já contavam com Licença de Operação em 2002 deverão ser convo-

cadas pela CETESB até o final de 2007 para renovarem suas licenças, que serão expedidas com prazo de validade determinado. Ainda que caiba à CETESB convocar as empresas a ren- ovarem as suas licenças, com ou sem a convocação da CETESB em dezembro de 2007 cadu- carão as Licenças de Funcionamento34 emitidas sem prazo de validade.

A renovação das Licenças de Operação expedidas com prazo de validade deverá ser so- licitada à CETESB com antecedência mínima de 120 dias, contados da data da expiração de sua validade, observado que a Licença de Operação continuará válida até manifestação defini- tiva da CETESB.

Modificação ou ampliação no empreendimento, ou instalação de novos equipamentos

A CETESB deverá ser comunicada a respeito de qualquer alteração implementada na in- dústria, seja reforma ou ampliação, ou ainda a instalação de novos equipamentos. A razão de ser dessa comunicação à CETESB é fazer com que o Órgão fiscalizador seja previamente in- formado de qualquer alteração no empreendimento que possa em tese alterar a eficiência dos sistemas de controle de emissões poluentes. Assim, a instalação de novos equipamentos, com ou sem alterações na edificação ou em sua área construída, demanda uma comunicação prévia à CETESB.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

24

Com isso, a porção alterada ou ampliada do empreendimento, bem assim os novos equipamentos instalados, deverão ser submetidos a novo processo de licenciamento ambien- tal, que da mesma forma incluirá a expedição de Licença Prévia, Licença de Instalação e de Licença de Operação relativas ao que é novo no estabelecimento industrial.

A expedição de Licença de Instalação para ampliações dependerá do equacionamento das pendências ambientais, bem como do saneamento das áreas que tenham sido objeto de deposição, aterramento ou contaminação35. À primeira vista, o pagamento de multas e o equa- cionamento de tudo aquilo que possa ser conceituado como pendência ambiental poderão ser havidos como condição para a concessão da Licença de Instalação.

Em se tratando de reforma do estabelecimento, faz-se necessário obter também da Prefeitura o Alvará para Reforma da Instalação, a Certidão Negativa de Débitos do Instituto Nacional de Seguridade Social – CND-INSS-Obra e o Alvará de Conclusão de Obra.

(v) Alteração da denominação do empreendimento (razão social) e/ou alteração do nome ou numeração do local do empreendimento

Devem ser registrados na Licença de Operação os seguintes atos: (i) alteração da razão social da empresa; e (ii) alteração do nome ou numeração do logradouro..

Documentação necessária Para comunicar esses atos à CETESB, o responsável pelo estabelecimento deverá en-

caminhar formulário específico (solicitação de Alteração e/ou Cancelamento, vide Anexo CETESB – VII), acompanhado dos seguintes documentos:

(i) procuração com firma reconhecida (para despachante); (ii) documento comprobatório da alteração da razão social (contrato social e respecti-

va alteração), registrado na JUCESP – Junta Comercial do Estado de São Paulo (só para alteração da razão social);

(iii) Documento comprobatório da alteração do nome ou numeração do logradouro, expedido pela Prefeitura Municipal (só para alteração de logradouro);

(iv) Licenças originais da CETESB; e (v) Nos casos de compra e venda da empresa em que a sua denominação social for al-

terada, juntar documentos comprobatórios desse ato, ou uma declaração do titular (o propri- etário, em caso de firma individual; ou o sócio ou o quotista majoritário) ou do representante (mandatário) da empresa anterior, autorizando a alteração da licença.

Caso a mesma empresa possua várias unidades industriais em locais distintos, deverá preencher uma solicitação de Alteração para cada uma das unidades.

(vi) Encerramento e/ou suspensão da atividade O empreendedor que pretender encerrar ou suspender atividade previamente licenciada

deverá submeter um Plano de Desativação à apreciação da CETESB, que avaliará a situação ambiental do estabelecimento, bem como as medidas de recuperação das áreas a serem de- sativadas e desocupadas.

30 Microempresas e empresas de pequeno porte pagam taxa reduzida. 31 Artigo 64 do Decreto nº 8.468/76, alterado pelo Decreto nº 47.397/02. 32 Lei Estadual nº 9.477, de 30.12.1996. 33 Artigo 71 do Decreto nº 8.468/76, alterado pelo Decreto nº 47.397/02 e Anexo 5 (Anexo CETESB – VIII), que atribui a cada ativi-

dade um fator de complexidade específico, ou potencial de impacto no meio ambiente. 34 Denominação dada às Licenças de Operação antes do Decreto nº 47.397/02. 35 Artigos 60 e 69-A do Decreto nº 8.468/76, alterado pelo Decreto nº 47.397/02

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

27

O encerramento e/ou suspensão da atividade pela CETESB ocorrerá após a entrega do Relatório Final, atestando o efetivo cumprimento do Plano de Desativação, acompanhado da respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica.

Serão averbadas no Registro de Imóveis competente eventuais restrições ao uso da área recuperada, a fim de evitar sua utilização indevida no futuro e para que terceiros tomem conhecimento da real situação daquele imóvel.

(vii) Sanções aplicáveis à falta de licenças ambientais Construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar estabelecimentos, obras ou

serviços potencialmente poluidores, sem a competente licença da CETESB, sujeita o em- preendimento às penalidades administrativas estabelecidas pela legislação. Essas penalidades são36: (i) advertência; (ii) multa de 10 a 10.000 vezes o valor da Unidade Fiscal do Estado de São Paulo – UFESP; (iii) interdição temporária ou definitiva do estabelecimento; (iv) embar- go de obras; (v) demolição; (vi) suspensão de financiamentos e benefícios fiscais; (vii) apreensão ou recolhimento temporário ou definitivo dos equipamentos utilizados no ato in- frator.

Decreto Federal37 estabeleceu um novo patamar de multas ainda mais elevado (de R$ 500,00 a R$ 10.000.000,00) para as mesmas hipóteses consistentes em construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar estabelecimentos, obras ou serviços potencialmente polu- idores, sem a competente licença ambiental. Mas a CETESB não aplica essas sanções estab- elecidas pelo regulamento federal, persistindo ainda o patamar de multas mencionado no item acima.

Além de penalidades administrativas, a ausência de licenças ambientais também pode gerar a aplicação de uma pena criminal ao empreendedor (detenção de um a seis meses e/ou multa). De fato, em razão da “Lei dos Crimes Ambientais”38, é cada vez mais freqüente a in- stauração de inquéritos policiais, por iniciativa de Promotores ou das próprias autoridades policiais, tendo por ponto de partida a constatação de que determinado estabelecimento está operando sem Licença de Operação.

(viii) Sanções aplicáveis às intervenções na flora sem a devida autorização Qualquer corte de árvores, ou intervenção em área de mananciais, várzeas e beira de

rios, sem a competente autorização do DEPRN (ver tópico acima a respeito), pode resultar em multas em valores que variam de R$ 31,19 a R$ 3.531,9939. As multas por intervenções ir- regulares na flora e em relação aos recursos naturais em geral são aplicadas pela Polícia Am- biental, da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, que se reporta ao DE- PRN e que exerce as atribuições inerentes ao poder de polícia. As outras penalidades admin- istrativas usualmente impostas pela Polícia Ambiental, nas mesmas hipóteses, são o embargo de obras e/ou atividades, a apreensão dos equipamentos e materiais utilizados na prática deli- tuosa e os produtos desta. Na Cidade de São Paulo, as multas impostas variam de R$ 75,00 a R$ 75.000,00.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

26

36 Artigo 81, do Decreto nº 8.468/76 37 Decreto Federal nº 3.179, de 21.9.1999. 38 Lei nº 9.605, de 13.2.1998, artigo 60. 39 Artigo 34 do Decreto Federal nº 99.274, de 6.6.1990; Resoluções da Secretaria do Meio Ambiente nºs 27, de 10.12.1990 e 28,

de 10.12.1990. 40 Decreto Federal nº 3.179, de 21.9.1999. 41 artigo 60, da Lei nº 9.605, de 13.2.1998.

O Decreto Federal40 que regulamenta a nível nacional as sanções administrativas aplicáveis às irregularidades ambientais tem dispositivos específicos em relação à flora. Esse Decreto Federal prevê multas em patamares bem superiores (R$ 1.500,00 a R$ 50.000,00 por hectare ou fração), inclusive para o corte de árvores isoladas (R$ 100,00 a R$ 300,00 por hectare ou fração, ou por unidade, estéreo, quilo, mdc ou metro cúbico). Mas tanto quanto a CETESB, a Polícia Ambiental via de regra não aplica essas sanções estabelecidas pelo regu- lamento federal, persistindo ainda o patamar de multas mencionado no item acima.

Além de penalidades administrativas, as hipóteses analisadas neste tópico podem gerar até mesmo a aplicação de uma sanção criminal ao empreendedor41 (detenção de um a três anos, ou multa, ou ambas cumulativamente). Como as multas são impostas pela Polícia Am- biental, a instauração de inquéritos policiais vem sendo uma decorrência natural das autu- ações, abrindo caminho para possíveis denúncias criminais e eventuais condenações.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

29

Para a outorga de uso de água federal, os prazos são os seguintes47: (i) até dois anos para o início da implantação do empreendimento objeto da outorga; (ii) até seis anos para conclusão da implantação; e (iii) até trinta e cinco anos para a vigência da outorga de uso, dependendo do uso pre-

tendido.

Renovação da Outorga Para a renovação da outorga de uso de água estadual, o interessado deverá apresentar re-

querimento no prazo de até seis meses antes do vencimento da outorga a ser renovada. Tratando- se de curso d’água federal, o pedido de renovação deverá ser submetido à ANA com antecedên- cia mínima de noventa dias do vencimento da outorga.

Dispensa de Outorga O único caso previsto de dispensa de outorga para curso d’água estadual é a cacimba, quan-

do o consumo for de até 5m3/dia. Mesmo assim, o interessado deverá cadastrar-se junto ao DAEE. A canalização de água de chuva está dispensada de cadastro e de outorga junto ao DAEE.

Aguarda aprovação a norma que especifica os casos de dispensa de outorga para utilização de curso d’água federal. Por ora, a dispensa de outorga é concedida pela ANA nos casos em que as captações e lançamentos sejam considerados insignificantes, ou destinados à satisfação de pe- quenos núcleos populacionais no meio rural48.

Transferência da outorga A Portaria de outorga de uso de águas estaduais é intransferível. Por essa razão, caso a em-

presa outorgada altere a razão social ou venda o empreendimento deverá comunicar ao DAEE, a fim de que expeça nova Portaria em nome do novo outorgado. Da mesma forma, qualquer alter- ação de uso do recurso hídrico estadual deverá ser comunicada ao DAEE.

É possível transferir ou ceder a outorga de direito de uso dos recursos hídricos federais me- diante a submissão de formulário específico à ANA, desde que mantidas as condições da outor- ga originalmente concedida. Eventual alteração na utilização do recurso hídrico federal também deverá ser comunicada à ANA.

Sanções São havidas como infrações (a) a derivação ou utilização de recursos hídricos, ou a implan-

tação de empreendimento voltado à derivação ou à utilização dos recursos hídricos, sem a re- spectiva outorga de uso ou em desacordo com as condições estabelecidas na outorga; (b) a expi- ração do prazo de validade das outorgas sem a devida prorrogação ou revalidação; e (c) a declar- ação falsa do volume de água utilizado. As sanções previstas são49:

(i) advertência por escrito, com prazo para a correção das irregularidades; (ii) imposição de multa simples ou diária, proporcional à gravidade da infração, no valor

de 100 a 1.000 UFESPs, quando se tratar de recurso hídrico estadual, e de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 10.000,00 (dez mil reais), caso envolva corpo d’água federal. Em caso de reincidência, a multa será imposta em dobro;

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

28

III - USO DE ÁGUA

Para que o empreendimento possa fazer uso de água subterrânea, ou de rios, córregos, lagos, deverá solicitar a competente outorga do Poder Público. Esta outorga poderá consti- tuir-se de uma autorização, concessão ou licença, dependendo do Órgão competente para ex- pedi-la e do tipo de uso que a empresa fizer (captação de água para o processo industrial, lançamento de efluentes, canalização, execução de poços, etc.).

Competência No Estado de São Paulo, caso o corpo d’água seja estadual, a autorização é concedida

pelo Departamento de Águas e de Energia Elétrica - DAEE42. Tratando-se de corpo d’água federal, a autorização será concedida pela Agência Nacional de Águas - ANA43.

Onde obter a autorização O DAEE possui oito escritórios regionais ou de apoio, divididos em função da localiza-

ção da bacia cujo recurso hídrico será utilizado. No Estado de São Paulo, as Bacias se divi- dem em: BAT (Alto Tietê e Baixada Santista); BBT (Baixo Tietê); BMT (Médio Tietê); BPB (Paraíba e Litoral Norte); BPG (Pardo-Grande); BPP (Peixe-Paranapanema); BRB (Ribeira do Iguape e Litoral Sul); e BTG (Turvo Grande)44.

A ANA está sediada em Brasília e não possui escritórios regionais no Estado.

Documentação necessária A outorga de direito de uso dos recursos hídricos estaduais deve ser requerida através

de formulários próprios para cada tipo de atividade, disponíveis na Diretoria de Bacia do DAEE ou na homepage desse Órgão (www.daee.sp.gov.br). Com esses formulários deverão ser entregues outros documentos específicos, de acordo com a categoria da atividade.

Tratando-se de curso d’água federal, formulários próprios para os diferentes tipos de uso d’água estão disponibilizados na homepage da ANA (www.ana.gov.br). Esses formulários deverão ser entregues à ANA45 acompanhados de documentação específica.

Validade Os prazos de validade da outorga variam caso a caso. Para a outorga de uso de água

estadual, os prazos são os seguintes46: (i) a licença para a execução de obras para a captação de águas subterrâneas terá val-

idade até o término das obras; (ii) terá validade de no máximo cinco anos a autorização para (a) implantação de em-

preendimento que utilize recursos hídricos; (b) derivação de água do seu curso ou depósito, superficial ou subterrâneo; e (c) lançamento de efluentes nos corpos d’água;

(iii) terá validade de no máximo dez anos a concessão para a derivação de água ou para o lançamento de efluentes, que se caracterize como de utilidade pública; e

(iv) terá validade de no máximo trinta anos a licença para obras hidráulicas.

42 Lei nº 7.663, de 30.12.1991, regulada pelo Decreto nº 42.258, de 31.10.1996. 43 Lei nº 9.984, de 17.7.2000. 44 Acesse www.daee.sp.gov.br/institucional/regionais.htm para localização da bacia alusiva ao município em que está situado o

empreendimento. 45 O DAEE recomenda que a documentação lhe seja entregue mesmo quando se trate de curso d’água federal, para que possa

opinar antes do envio à ANA em Brasília. 46 Artigo 2º do Decreto nº 41.258, de 31.10.1996, e artigo 10 da Portaria DAEE nº 717, de 12.12.1996.

47 Artigo 5º, da Lei nº 9.984, de 17.7.2000. 48 Artigo 12, parágrafo 1º, da Lei nº 9.433/97. 49 Artigo 50, da Lei Federal nº 9.433, de 8.1.1997; artigos 19, 24 e 25, da Resolução ANA nº 82, de 24.4.2002; e artigos 12 e 13,

da Lei Estadual nº 7.663/91.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

31

IV - PRODUTOS QUÍMICOS CONTROLADOS Há produtos químicos cuja fabricação, produção, armazenamento, transformação, embalagem,

compra, venda, comercialização, aquisição, posse, doação, empréstimo, permuta, remessa, trans- porte, distribuição, importação, exportação, reexportação, cessão, reaproveitamento, reciclagem, transferência e utilização estão sujeitos à fiscalização do Ministério da Justiça, do Ministério do Exército e da Secretaria da Segurança Pública.

A competência fiscalizadora de cada Órgão depende da categoria de controle de 1 a 7 a que es- tão sujeitos esses produtos químicos (vide Anexo – Produtos Controlados - I). Ao Ministério da Justiça compete fiscalizar os produtos químicos da categoria de controle 7; ao Ministério do Exérci- to os produtos das categorias de controle de 1 a 5; e à Secretaria de Segurança Pública os produtos químicos das categorias de controle de 1 a 7.

(i) Ministério da Justiça – Departamento da Polícia Federal – Divisão de Re- pressão a Entorpecentes

Os produtos químicos de categoria 7 são controlados pelo Ministério da Justiça, porque podem também ser utilizados na fabricação de substâncias entorpecentes ou de armas químicas51. O cont- role exercido pelo Ministério da Justiça sobre essas substâncias dependerá do tipo e da quantidade do produto químico a ser manuseado52.

Atividades não eventuais As empresas que utilizam, armazenam, transformam ou transportam as substâncias de catego-

ria de controle 7 devem estar cadastradas na Divisão de Repressão a Entorpecentes da Polícia Fed- eral, e obter licença de funcionamento53. Para cada estabelecimento comercial é expedida uma li- cença de funcionamento específica.

Documentação necessária Juntamente com os formulários específicos para a emissão do Certificado de Registro Cadas-

tral e do Certificado de Licença de Funcionamento54, devem ser apresentados os seguintes docu- mentos:

(i) cópia autenticada do Contrato Social/Ato Constitutivo e das últimas Alterações; (ii) cópia autenticada do CNPJ da empresa; (iii) cópia autenticada da inscrição estadual; (iv) cópia autenticada da Carteira de Identidade e do CPF/MF dos sócios, diretores e repre-

sentantes legais da sociedade; (v) cópia autenticada do C.P.F., da carteira de identidade e da cédula de identidade profis-

sional do responsável técnico (se houver); (vi) procuração (caso o pedido seja apresentado por terceiros); (vii) comprovante de recolhimento da Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Quími-

cos; e (viii) cópia da licença ou autorização dos demais Órgãos competentes (caso o produto quími-

co dependa de autorização de outros Órgãos).

Atividades eventuais Toda empresa que desenvolva em caráter eventual alguma atividade na qual utilize, armazene,

transforme ou transporte as substâncias inseridas na categoria de controle 7, deverá também provi- denciar o seu cadastramento e requerer autorização especial55 para viabilizar as suas operações.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

30

(iii) intervenção administrativa, por prazo determinado, para a execução de serviços e obras necessárias ao efetivo cumprimento das condições da outorga ou para o cumprimento de normas de uso, controle, conservação e proteção dos recursos hí- dricos;

(iv) embargo definitivo para, se for o caso, repor de imediato os recursos hídricos, leitos e margens à condição em que estavam antes de sua utilização irregular, ou para tamponar os poços de captação de águas subterrâneas; e

(v) revogação da licença.

Cobrança pelo uso da água A cobrança pelo uso da água está prevista na legislação federal e estadual, como instru-

mento de gestão dos recursos hídricos. A ANA já cobra pelo uso dos recursos hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba50 .

Trata-se de projeto-piloto já com vistas à extensão dessa cobrança às demais bacias de curso d’água federal.

Na esfera estadual, a previsão legislativa de cobrança pelo uso da água carece ainda de regulamentação. Nesse contexto é que tramita pela Assembléia Legislativa do Estado, em caráter de urgência, o Projeto de Lei nº 676/2000.

Nos termos do Projeto de Lei Estadual, estão excluídos de cobrança o consumo para prover necessidades domésticas e o consumo igual ou inferior a 10m3/mês. Os valores a serem cobrados, na forma do Projeto, serão estabelecidos pelo Conselho Estadual de Recur- sos Hídricos, mediante proposta dos Comitês de Bacia Hidrográfica, levando em conta a na- tureza do corpo d’água, a disponibilidade hídrica local e outras circunstâncias.

50 Os critérios de cobrança pelo uso dos recursos hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul constam da Deliberação nº 8, de 6.12.2001, do Comitê para Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul – CEIVAP.

51 Consultar o Anexo I, da Portaria nº 1.274, de 26.8.2003, do Ministério da Justiça. 52 Portaria nº 1.274/2003, do Ministério da Justiça. 53 Lei nº 10.357, de 27.12.2001; Decreto nº 4.262, de 10.6.2002 e Portaria nº 1.274, de 26.8.2003, do Ministério da Justiça. 54 Anexo II e III, da Portaria nº 1.274/2003, do Ministério da Justiça. 55 Anexo VII, da Portaria nº 1.274/2003, do Ministério da Justiça.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

33

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

32

Documentação necessária Juntamente com os formulários específicos para a emissão de Autorização Especial56, de-

vem ser apresentados os seguintes documentos: (i) cópia autenticada do Contrato Social/Ato Constitutivo e das últimas alterações da

empresa; (ii) cópia autenticada do CNPJ da empresa; (iii) cópia autenticada da inscrição estadual; (iv) cópia autenticada da Carteira de Identidade e do CPF/MF dos sócios, diretores e

representantes legais da sociedade; (v) cópia autenticada do C.P.F., da carteira de identidade e da cédula de identidade

profissional do responsável técnico (se houver); (vi) procuração (caso o pedido seja apresentado por terceiros); (vii) comprovante de recolhimento da Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos

Químicos; e (vii) autorização, certificado de não objeção ou documento equivalente emitido por out-

ros Órgãos que exercem controle sobre o produto químico objeto da autorização.

Importação e exportação de produtos químicos controlados Para importar produtos químicos controlados, a empresa que já esteja cadastrada e possua

licença deverá apresentar à Divisão de Repressão de Entorpecentes o documento “Requeri- mento - Comércio Exterior”57, de forma a obter “Autorização Prévia”58. O requerimento deverá estar acompanhado dos seguintes documentos:

(i) cópia da Fatura pró-forma; e (ii) autorização, certificado de não objeção ou documento equivalente emitido pelo

Órgão competente do país importador e/ou do país destinatário final. As empresas que exercem atividades não eventuais com produtos químicos controlados

deverão apresentar, mensalmente, mapa contendo determinadas informações relacionadas a esses produtos59. As empresas que geram resíduos contendo substâncias químicas controladas também deverão apresentar mapas mensais, na hipótese de tais resíduos serem reutilizados ou comercializados60.

Validade A licença de funcionamento tem validade de 1 ano. As autorizações especial e prévia têm

validade de 60 dias, prorrogáveis por igual período.

Renovação O pedido de renovação da licença deverá ser formulado em até sessenta dias antes do tér-

mino da validade da licença anterior.

Sanções A falta de licença de funcionamento e de autorizações, bem como de apresentação do ma-

pa mensal, poderá sujeitar o infrator à imposição das seguintes penalidades61: (i) advertência;

56 Anexos V e VIII, da Portaria nº 1.274/2003, do Ministério da Justiça 57 Anexo X, da Portaria nº 1.274/2003, do Ministério da Justiça. 58 Anexo IX, da Portaria nº 1.274/2003, do Ministério da Justiça. 59 Artigo 21 e Anexo XI da Portaria nº 1.274/2003 do Ministério da Justiça. 60 Anexo XI-G, da Portaria nº 1.274/2003, do Ministério da Justiça. 61 Artigo 12 da Lei nº 10.357/2001.

62 Decreto nº 3.665, de 20.11.2000, dispondo sobre o Regulamento para Fiscalização de Produtos Controlados R-105. 63 Título ou Certificado de Registro. 64 Decreto nº 3.665/2000. 65 Lei nº 10.834, de 29.12.2003 66 Artigos 247 e 241 do Decreto nº 3.665/2000. 67 Produtos de Categoria de Controle 1 a 7 – Anexo Produtos Controlados - I 68 Decretos Estaduais nº 6.911, de 11.1.1935 e nº 19.942, de 19.11.1982

(ii) apreensão do produto químico em situação irregular; (iii) suspensão ou cancelamento da licença de funcionamento; (iv) revogação da autorização; e (v) multa de R$ 2.128,20 a R$ 1.064.100,00.

(ii) Ministério do Exército – Comando Militar da 2ª Região Os produtos químicos de categorias de controle de 1 a 5 dependem de registro do

Exército para fins de utilização, comércio, manuseio, armazenamento e outros fins62. No Estado de São Paulo, as empresas que utilizam essas substâncias devem obter reg-

istro63 no Serviço de Fiscalização de Produtos Controlados da 2ª Região Militar.

Documentação necessária A solicitação de registro de produtos químicos controlados deve ser feita através de de-

clarações e compromissos baseados em modelos específicos, disponíveis no próprio Coman- do Militar (modelos listados em anexos do Decreto Federal que regula a matéria64), mediante o pagamento da Taxa de Fiscalização dos Produtos Controlados pelo Exército - TFPC65. Com esses formulários deverão ser entregues outros documentos, de acordo com a categoria da atividade e com o registro que se deseje obter.

As empresas autorizadas à utilização dos produtos químicos controlados deverão apre- sentar mapa trimestral contendo determinadas informações relacionadas esses produtos.

Validade O registro emitido pelo Ministério do Exército poderá ter validade de até três anos, de-

pendendo do produto químico objeto do registro.

Renovação O pedido de renovação do registro deverá ser feito em até noventa dias antes do término

da validade do registro anterior.

Sanções A falta de título ou certificado de registro, ou o uso em desacordo com o que esses doc-

umentos e a lei estabelecem poderá sujeitar o infrator à imposição das seguintes penalidades66

: (i) advertência; (ii) multa simples; (iii) multa pré-interditória; (iv) interdição; (v) cassação de registro; e (vi) apreensão do produto químico.

(iii) Secretaria de Estado dos Negócios da Segurança Pública – Polícia Civil – Depar- tamento de Identificação e Registros Diversos - Divisão de Produtos Controlados

A fabricação, produção, armazenamento, transformação, embalagem, compra, venda, comercialização, aquisição, posse, doação, empréstimo, permuta, remessa, transporte, dis- tribuição, importação, exportação, reexportação, cessão, reaproveitamento, reciclagem, transferência e utilização envolvendo produtos explosivos, inflamáveis, químicos agressivos ou corrosivos, armas e munições67, estão sujeitos ao controle da Secretaria dos Negócios da Segurança Pública do Estado de São Paulo68.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

35

(ii) Documento fiscal do produto transportado; e (iii) Ficha de Emergência e Envelope para o Transporte, emitidos pelo expedidor do

produto. (e Certificado de Aprovação de Destinação de Resíduos Industriais – CADRI73 – caso o

produto perigoso a ser transportado constitua resíduo industrial)

Sanções Na ausência da documentação exigida, bem como na inobservância das normas

aplicáveis, o Ministério dos Transportes, ou a Polícia Rodoviária ou ainda a autoridade com jurisdição sobre a via por onde trafegue o veículo poderá impor ao infrator: (i) multa até o valor máximo de 100 Obrigações do Tesouro Nacional – OTN74; e (ii) cancelamento do Reg- istro Nacional de Transportadores Rodoviários75.

Transporte no Município de São Paulo O transporte de produtos perigosos no Município de São Paulo está sujeito a uma série

de normas específicas, dentre as quais inclui-se a obrigatoriedade de o transportador obter a Licença Especial de Trânsito para Produtos Perigosos, expedida pelo Departamento de Oper- ação do Sistema Viário – DSV, necessária ao transporte de produtos perigosos de alta pericu- losidade intrínseca76 e com alta freqüência de circulação77. O descumprimento dessas normas poderá sujeitar o infrator às seguintes sanções: (i) multa no valor de 50 UFM; (ii) retenção do veículo; (iii) inclusão no cadastro de transportadores irregulares; (iv) suspensão da licença expedida pelo DSV por 15 dias; e (v) cancelamento da licença78.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

34

As empresas que lidam de alguma forma com esses produtos controlados devem obter a devida licença e certificado de vistoria do Departamento de Identificação e Registros Diversos da Delegacia da Polícia Civil mais próxima ao estabelecimento industrial.

Documentação necessária A solicitação de registro de produtos controlados deve ser feita por meio de declarações

baseadas em modelos específicos, disponíveis na Polícia Civil (modelos listados em anexos à Portaria que regula a matéria69). Com esses formulários deverão ser entregues outros documen- tos, de acordo com o registro desejado.

As empresas autorizadas à utilização dos produtos controlados deverão comunicar até o dia 5 de cada mês o Setor de Produtos Controlados acerca do estoque negociado.

Validade O certificado de vistoria expedido pelo setor de Produtos Controlados, Armas e Munições

da Polícia tem validade de três anos, contados de 1º de janeiro do ano de sua concessão. A li- cença, por sua vez, é válida por apenas um ano.

Renovação O pedido de renovação do registro deverá ser feito entre o dia 31 de dezembro do ano an-

terior ao do vencimento do registro e o dia 28 de fevereiro do ano subseqüente. Em 31 de dezembro do ano anterior ao do vencimento do registro é publicado no Diário Oficial do Esta- do o valor da taxa de renovação.

Sanções A falta de certificado de vistoria ou licença, ou o uso em desacordo com o que esses docu-

mentos e a lei estabelecem, poderá sujeitar o infrator à imposição das seguintes penalidades70: (i) multa; (ii) cassação da licença; e (iii) apreensão do produto.

(iv) Transporte rodoviário de cargas perigosas O Ministério dos Transportes listou os produtos considerados perigosos para fins de trans-

porte71. Tais substâncias, dentre outras que representam riscos à saúde humana, à segurança pública ou ao meio ambiente, estão sujeitas a normas técnicas de carregamento, transporte, descarregamento e transbordo.

Documentação necessária Além de observar as normas específicas de segurança, os veículos que estejam trans-

portando produtos perigosos, e os equipamentos utilizados no transporte, deverão portar os seguintes documentos enquanto circulam pelas vias públicas72:

(i) Certificado de Capacitação para Transporte de Produtos Perigosos a Granel do veículo e dos equipamentos, expedido pelo Instituto Nacional de Metrologia, Nor- malização e Qualidade Industrial - INMETRO ou por entidade por ele credenciada;

69 Portaria DPC nº 2/99, publicada na Seção I, p. 109, do Diário Oficial do Estado de 13.8.1999. 70 Artigos 19, 26 e 55 do Decreto Estadual nº 6.911/1935. 71 Aqueles elencados na Portaria nº 204, de 20.5.1997, do Ministério do Transporte, e demais Portarias correlatas. 72 Artigo 22 do Decreto nº 96.044, de 18.5.1988.

73 Ver sub-item do Capítulo V abaixo, que trata de “Resíduos Sólidos”. 74 Índice para atualização sob consulta. 75 Artigos 41 e 43, do Decreto nº 96.044/1988. 76 Vide anexo I do Decreto Municipal nº 37.391, de 8.4.1998. 77 Vide anexo único da Portaria DSV G nº 15, de 18.8.1998. 78 Artigo 15, do Decreto nº 36.957, de 10.7.1997.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

37

Ruídos, vibrações e odores são modalidades diferenciadas de poluição atmosférica, que têm atraído especial atenção por parte da CETESB, alertada por reclamações das comu- nidades vizinhas às fábricas. Há padrões estabelecidos em normas técnicas para a poluição sonora causada pelas indústrias82 e em geral para todas as atividades passíveis de gerar ruí- dos83 (construção, ampliação, reforma de edificações etc.). As vibrações, assim entendidos os ruídos de baixo impacto, ainda que não contem com parâmetros específicos, podem dar ense- jo a autuações pela CETESB em função de incômodo causado à vizinhança do estabeleci- mento fabril. Em relação a odores, há legislação proibindo a sua emissão em quantidades que possam ser perceptíveis fora dos limites da área de propriedade da fonte emissora84.

(ii) Efluentes Líquidos As águas situadas no território do Estado foram divididas em classes, segundo seus usos

preponderantes85. Cada classe de águas corresponde a um grau de pureza de acordo com o nível de tratamento prévio que requer para o abastecimento doméstico. Essa divisão visa es- tabelecer os efluentes cujo despejo é permitido em cada classe de águas. Nesse sentido, por ocasião do licenciamento do empreendimento, de acordo com a classe a que pertence o corpo d’água que recebe os seus efluentes, afere-se a adequação do efluente que será despejado pe- lo empreendimento.

Como regra geral, havendo sistema público de esgoto é nele que os efluentes industriais devem ser lançados, e sempre mediante tratamento adequado segundo parâmetros estabeleci- dos em lei86. Caso o empreendimento não seja servido por rede pública de água e esgoto, a legislação estabelece limites máximos variáveis para o despejo de substâncias potencial- mente prejudiciais à qualidade das águas, segundo a classe a que pertencem as águas em que essas substâncias vão ser despejadas87.

É um item importante no cotidiano da ação fiscalizadora da CETESB a aferição do trata- mento que as indústrias dispensam aos seus efluentes antes de despejá-los quer em corpos d’água (tratamento integral) quer na rede pública de esgotos (pré-tratamento). A CETESB pode delegar a ação fiscalizadora à própria empresa, que a partir de então encaminha peri- odicamente ao Órgão ambiental relatórios de Auto Monitoramento dos Efluentes Líquidos por ela gerados.

(iii) Resíduos Sólidos Os resíduos sólidos também são divididos em classes, segundo o seu potencial

degradador do meio ambiente ou à saúde pública (Classe I – resíduos perigosos; Classe II – resíduos não inertes; e Classe III – resíduos inertes). O risco potencial dos resíduos sólidos é a contaminação de solo e de águas subterrâneas. Exatamente por isso é que há normas técni- cas em profusão regulando a classificação, o armazenamento, o confinamento, o tratamento e a disposição final dos resíduos sólidos88.

Como obrigações mais imediatas em relação aos resíduos sólidos, vale destacar as im- posições no sentido de determinados segmentos industriais manterem inventário dos resídu- os gerados nos seus estabelecimentos89, atualizando-o periodicamente, e de a indústria em

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

36

V - EMISSÕES POLUENTES As licenças e autorizações ambientais obviamente não esgotam o rol das obrigações das

indústrias em relação ao meio ambiente. Na verdade, as licenças e autorizações representam apenas a parte formal do atendimento às leis ambientais. Os aspectos mais sensíveis da questão ambiental para as indústrias dizem respeito às emissões poluentes, aos limites máxi- mos permitidos e critérios fixados para essas emissões e à responsabilidade que geram para a fonte poluente.

Os parâmetros a serem obedecidos pela poluição que os empreendimentos emitem po- dem ser estabelecidos pela CETESB ao licenciar esses empreendimentos. De fato, é muito comum a CETESB estabelecer nas próprias licenças ambientais que expede a cada um dos empreendimentos as condições sob as quais devem funcionar em termos de sistemas de con- trole de poluição, volume e características das emissões poluentes que ficam autorizados a gerar.

Os limites que porventura a CETESB estabeleça ao licenciar cada empreendimento, ou de qualquer modo os limites que os empreendimentos devem obedecer mesmo quando suas licenças ambientais não os prevejam expressamente, devem sempre estar de acordo com a legislação, normas pertinentes e parâmetros estabelecidos a nível federal, estadual e excep- cionalmente municipal.

(i) Emissões Atmosféricas, Odores e Ruídos Para efeitos de controle da poluição atmosférica em nosso Estado, ele é dividido em

Regiões de Controle da Qualidade do Ar – RCQA79. Dividido o Estado nessas regiões e sub- regiões respectivas, a CETESB confere a concentração de poluentes em cada uma delas por meio de Estações Medidoras. Dessa forma, a CETESB pode impor limites mais restritivos no licenciar, e mesmo durante a vigência da licença concedida aos empreendimentos já estab- elecidos, em regiões que considere saturadas em termos de poluição do ar, e de modo geral aquilatar e adequar a contribuição que determinado empreendimento trará para a qualidade do ar da região.

Independente da análise que a CETESB faz das emissões atmosféricas a serem geradas pelo empreendimento por ocasião do seu licenciamento ambiental e durante a sua operação, a legislação e as normas aplicáveis estabelecem um limite máximo de emissão para cada um dos poluentes atmosféricos80. Estâncias balneáreas, hidrominerais e climáticas podem ter lim- ites específicos de qualidade do ar a serem respeitados pelos empreendimentos nelas situa- dos.

A emissão de fumaça preta e de material particulado por veículos movidos a diesel tam- bém é objeto de legislação e normas específicas81. As empresas que possuem frota própria de serviços de carga ou de passageiros estão obrigadas a adotar um “Programa Interno de Auto Fiscalização da Correta Manutenção da Frota quanto à Emissão de Fumaça Preta”. Do mes- mo modo, as empresas que contratam terceiros para esses serviços também poderão ser re- sponsabilizadas pela emissão de poluentes fora dos parâmetros legais.

79 Artigo 20, parágrafo 1º, do Decreto nº 8.468/76, alterado pelo Decreto nº 48.523, de 2.3.2004. 80 Resolução CONAMA nº 5, de 15.6.1989; Resolução CONAMA nº 8, de 6.12.1990 e Decreto nº 8.468/76. 81 Artigo 31, do Decreto nº 8.468/76; Portaria do Ministério do Interior nº 100/1980 e Portaria IBAMA nº 85, de 17.10.1996.

82 NBR nº 10.151, expedida pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. 83 NBR 10.152 da ABNT. 84 Conforme artigo 33, do Decreto nº 8.468/76. 85 Artigo 7º, do Decreto nº 8.468/76 e Resolução CONAMA nº 20, de 18.6.1986. 86 Artigo 19.a, do Decreto nº 8.468/76. 87 Artigo 11 e seguintes do Decreto nº 8.468/76. 88 NBR’s nºs 10.004, 11.174, 12.235 da ABNT; Resoluções nº 5, de 5.8.1993, nº 9, de 31.8.1993, e nº 313, de 29.10.2002. 89 Resolução CONAMA nº 313/2002.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

39

(v) Sanções criminais aplicáveis às emissões poluentes fora dos padrões estabelecidos – “Lei de Crimes Ambientais”

A “Lei de Crimes Ambientais” prevê que a pessoa física ou jurídica que der causa a uma conduta ou atividade lesiva ao meio ambiente estará sujeita à responsabilização na esfera criminal, consistente na aplicação de penas de multa, privativas de liberdade ou restritivas de direito. Com relação às emissões poluentes, as penas criminais previstas pela legislação seguem a mesma sistemática do decreto mencionado no item anterior, ou seja, estabelecem uma graduação para as emissões fora dos padrões, e outra graduação mais elevada para a hipótese de ocorrer dano ambiental efetivo. Para as emissões poluentes fora dos padrões es- tabelecidos, a lei prevê pena de detenção de um a seis meses, ou multa, ou ambas cumulati- vamente99. Para a (i) poluição atmosférica que provoque danos diretos à saúde da população, ou a retirada, ainda que momentânea, de habitantes da área afetada; (ii) poluição hídrica que torne necessária a interrupção do abastecimento público de água; e (iii) lançamento de resí- duos sólidos, líquidos ou gasosos, detritos, óleos ou substâncias oleosas, em desacordo com os padrões estabelecidos, a legislação criminal estabelece a pena de reclusão de um a cinco anos100.

É do Ministério Público (Promotores) a iniciativa no que toca à aplicação das penas criminais. Após a investigação por meio de inquérito policial, o Promotor pode promover a denúncia criminal, não apenas contra as pessoas físicas autoras, co-autoras ou partícipes do ato havido como crime contra o meio ambiente101, (sócios, quotistas, diretores, admin- istradores, membros do conselho, empregados e prepostos em geral, ou mandatários da em- presa), mas também contra a pessoa jurídica beneficiada por esse mesmo ato102. Em relação às pessoas jurídicas, ou seja as empresas, as penas criminais podem ser de (i) multas; (ii) restri- tivas de direito (suspensão parcial ou total de atividades, interdição temporária de estabeleci- mentos, obras ou atividades e proibição de contratar com o Poder Público, de obter subsídios, subvenções ou doações); e (iii) prestação de serviços à comunidade103.

As infrações à legislação ambiental permitem transação com o Ministério Público, des- de que obedecidas determinadas condições. Nos crimes processados na Justiça Estadual cuja pena máxima prevista seja de até um ano104, e nos crimes que tramitam na Justiça Federal cu- ja pena máxima cominada seja de até dois anos105, (crimes havidos como de menor potencial ofensivo106) é possível celebrar uma transação penal, mediante a imediata aplicação de pena restritiva de direitos e/ou multa, evitando assim uma condenação criminal nos moldes tradi- cionais107. Nos crimes cuja pena mínima prevista seja igual ou inferior a um ano, é possível a suspensão do processo criminal por dois a quatros anos e, caso nesse período o dano seja reparado e o agente não venha a cometer outras irregularidades, é extinta a punibilidade108.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

38

geral requerer autorização à CETESB antes de dar destino final aos seus resíduos sólidos. Es- sa autorização se concretiza com a emissão pela CETESB do Certificado de Aprovação de Destinação de Resíduos Industriais – CADRI90, que é obrigatória antes de se destinar resídu- os sólidos para tratamento (reciclagem, incineração, compostagem etc.), ou destinação final em aterro. Para o preenchimento do CADRI, as empresas devem estimar a geração de resí- duos sólidos ao longo do ano.

Caso venha a ocorrer alteração no tipo de resíduo gerado ou em sua quantidade, ou ain- da modificação na destinação final escolhida, novo CADRI deverá ser solicitado junto à CETESB91

Um grande número de resíduos tem tratamento normativo específico (ascarel – PCB’s92; óleos lubrificantes93, agrotóxicos94, etc). E, como decorrência natural da grande geração de resíduos e lamentavelmente da freqüente contaminação que causam, também há normas voltadas à aferição da contaminação de solo e de águas subterrâneas95.

(iv) Sanções administrativas aplicáveis às emissões poluentes fora dos padrões estabelecidos

As penalidades administrativas que podem ser aplicadas aos empreendimentos cujas emissões poluentes ultrapassam os limites estabelecidos nas normas e legislação vigentes são basicamente as mesmas aplicáveis aos empreendimentos que operam sem as licenças perti- nentes. Essas penalidades são: (i) advertência; (ii) multa de 10 a 10.000 vezes o valor da Unidade Fiscal do Estado de São Paulo – UFESP; (iii) interdição temporária ou definitiva do estabelecimento; (iv) embargo de obras; (v) demolição; (vi) suspensão de financiamentos e benefícios fiscais; (vii) apreensão ou recolhimento temporário ou definitivo dos equipamen- tos utilizados no ato infrator96.

O Decreto Federal que regulamenta a nível nacional as sanções administrativas aplicáveis às irregularidades ambientais prevê um patamar mais elevado de multas (de R$ 500,00 a R$ 10.000.000,00) que podem ser aplicadas aos empreendimentos que operam con- trariando as normas legais e regulamentos pertinentes97. Essa graduação de multas é prevista pelo Decreto Federal para as emissões poluentes fora dos padrões estabelecidos, quando não resultam em dano efetivo, porque em havendo dano as multas previstas são ainda mais ele- vadas.

O Decreto Federal prevê multa no valor de R$ 1.000,00 a R$ 50.000.000,00, se a emis- são de poluentes atmosféricos provocar danos diretos à saúde da população, ou a retirada, ainda que momentânea, de habitantes da área afetada98. A poluição hídrica que torne necessária a interrupção do abastecimento público de água também enseja a aplicação de multa no mesmo patamar acima. E, por fim, também está prevista multa nos mesmos valores para o lançamento de resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, detritos, óleos ou substâncias oleosas, em desacordo com os padrões fixados pela legislação vigente. No Estado de São Paulo, conforme já esclarecido, a CETESB segue legislação estadual própria e não aplica es- sas sanções previstas no regulamento federal, persistindo ainda um patamar de multas menos elevado (de 10 a 10.000 UFESP’s).

90 A relação de documentos necessários à obtenção do CADRI consta da homepage da CETESB (www.cetesb.sp.gov.br) e o re- spectivo formulário-modelo pode ser retirado nas Agências da CETESB. 91 O valor de cada CADRI corresponde a 70 UFESPs, conforme artigo 74 do Decreto nº 47.397/02. 92 Portaria Interministerial nº 19, de 29.1.1981. 93 Resolução CONAMA nº 9/93 e nº 6/88. 94 Resolução CONAMA nº 6/88. 95 Portaria nº 518, de 25.3.2004, do Ministério da Saúde. 96 Artigo 81 do Decreto nº 8.468/76. 97 Artigo 44, do Decreto Federal nº 3.179/99. 98 Artigo 41, parágrafo 1º, inciso II, do Decreto Federal nº 3.179/99.

99 Artigo 60, da Lei nº 9.605/98. 100 Artigo 54, § 2º, incisos I a V, da Lei nº 9.605/98. 101 Artigo 3º, parágrafo único, da Lei nº 9.605/98. 102 Artigo 3º, da Lei nº 9.605/98. 103 Artigos 21 e seguintes da Lei nº 9.605/98. 104 Artigo 61, da Lei nº 9.099, de 26.9.1995. 105 Artigo 2º, parágrafo único da Lei nº 10.259, de 12.7.2001.

106 Existem decisões judiciais reconhecendo como de menor potencial ofensivo também os crimes processados na Justiça Estadual cuja pena máxima prevista seja de até dois anos. Esses crimes, portanto, também seriam suscetíveis de transação penal. 107 Artigo 76, da Lei n° 9.099/1995. 108 Artigo 89, da Lei n° 9.099/1995.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

41

VI - CERTIFICADO DE REGISTRO E TAXA DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL - IBAMA

(i) Certificado de Registro

Quem deve obtê-lo Todo aquele que se dedica a atividades potencialmente poluidoras e/ou à extração, pro-

dução, transporte e comercialização de produtos potencialmente perigosos, assim como de produtos e subprodutos da flora e fauna113, deve obter Certificado de Registro - CR no “Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Re- cursos Ambientais”114 mantido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA (vide Anexo IBAMA - I)115.

Procedimento A inscrição no Cadastro Técnico Federal deve ser feita mediante o preenchimento de um

formulário com os dados da empresa, disponível na homepage do IBAMA (www.ibama.gov.br), no link denominado “TCFA” (Taxa de Controle e Fiscalização Ambi- ental)116.

A efetivação da inscrição no Cadastro Técnico Federal ocorre pela própria internet, me- diante a expedição do Certificado de Registro, que depende da apresentação do Relatório An- ual de Atividades117. Em virtude do tipo de atividade desenvolvida, o IBAMA poderá proced- er uma análise técnica do empreendimento e solicitar a apresentação de determinados docu- mentos específicos para efetivar a inscrição do Cadastro Técnico Federal.

Os empreendedores já inscritos no Cadastro Provisório do IBAMA poderão obter o Cer- tificado de Registro definitivo seguindo o procedimento acima.

Prazo de Validade e Renovação O Certificado tem validade até o mês de março de cada ano, quando então deverá ser

renovado sob pena de multa. Para renovar o Certificado de Registro, o empreendedor deverá apresentar ao IBAMA o Relatório Anual de Atividades e estar em dia com o pagamento da Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental - TCFA (vide item (ii) abaixo).

Alteração e Encerramento de Atividade Ao encerrar ou suspender temporariamente suas atividades, a empresa que possuir Cer-

tificado de Registro deverá solicitar o seu cancelamento ou a sua suspensão junto ao IBAMA. Caso contrário, poderá acumular débitos decorrentes do não pagamento da Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental - TCFA. Da mesma forma, a empresa que passar a desenvolver out- ros tipos de atividades deverá procurar o IBAMA para atualizar a sua inscrição no Cadastro Técnico Federal.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

40

(vi) Reparação dos Danos Ambientais Causados ou Indenização Equivalente A CETESB e a Polícia Florestal e de Mananciais têm competência para impor multas

aos empreendimentos e determinar (CETESB e DEPRN) que os empreendimentos tomem medidas visando prevenir e remediar os danos causados ao meio ambiente. No entanto, quan- do os empreendimentos não cumprem, ainda na esfera administrativa, as determinações dos Órgãos fiscalizadores, a lei prevê a possibilidade de vir a ser proposta uma ação judicial es- pecífica visando à proteção ao meio ambiente e à reparação aos danos causados. Essa ação judicial especificamente voltada à tutela do meio ambiente denomina-se ação civil pública109.

Estão legitimados a promover a ação civil pública voltada aos interesses ambientais o Ministério Público, a União, os Estados, Municípios, autarquias, empresas públicas, fun- dações, sociedades de economia mista e entidades ambientalistas (as chamadas Organizações Não Governamentais – ONG’s)110. Na prática, a maioria absoluta dessas ações civis públicas é promovida pelo Ministério Público (Promotores), que no Estado de São Paulo possui desta- cada atuação em defesa do meio ambiente.

A lei faculta ao Ministério Público instaurar inquérito civil de forma a reunir infor- mações acerca de possíveis irregularidades ou danos ambientais. Nesses inquéritos civis é possível firmar compromissos de ajustamento111, prevendo a adoção de medidas tendentes a sanar as irregularidades ambientais e/ou reparar ou ainda indenizar os danos causados ao meio ambiente, evitando assim a propositura da ação civil pública para esse fim.

Com ou sem a instauração prévia de inquérito civil, a ação civil pública pode ter por ob- jetivo (i) a obtenção de liminar paralisando atividades; (ii) a condenação da empresa ou do causador do dano à adoção de medidas tendentes a sanar as irregularidades ambientais e/ou reparar ou ainda indenizar os danos causados ao meio ambiente. A indenização cabe apenas quando não for possível reparar o dano ambiental. Terceiros prejudicados (a vizinhança da fábrica, por exemplo) também podem promover ações, sempre que tenham sofrido prejuízos em razão das emissões poluentes ou dos danos ambientais.

Por fim, é fundamental esclarecer que a responsabilidade civil por danos ambientais é da modalidade que se denomina objetiva. Isso significa que o dever de reparar depende apenas do estabelecimento de um nexo de causa e efeito entre a atividade desenvolvida pelo em- preendimento e o dano causado112. Nesse sentido, não se investiga se o dano foi causado por culpa (por negligência, imprudência ou imperícia), pois basta provar que o dano foi causado pelo empreendedor, para que se veja obrigado a repará-lo ou pagar uma indenização equiva- lente.

109 Lei nº 7.347, de 24.7.1985. 110 Artigo 5º, da Lei nº 7.347/85. 111 Também conhecidos como Termo de Ajustamento de Conduta. 112 Artigo 14, parágrafo 1º, da Lei nº 6.938/81.

113 Instrução Normativa IBAMA nº 10, de 17.8.2001, cujo Anexo II contém relação de atividades sujeitas ao registro. 114 Criado pela Lei nº 7.804, de 18.6.1989 115 As pessoas físicas ou jurídicas que se dedicam à consultoria técnica sobre problemas ecológicos e ambientais e à indústria e comércio de equipamentos, aparelhos e instrumentos destinados ao controle de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras devem obter Certificado de Registro no Cadastro Técnico Federal de Atividade e Instrumentos de Defesa Ambiental (Instrução Normativa IBAMA nº 10/2001, Anexo I) Contudo, para essas atividades, a obtenção do Certificado de Registro não está sujeita à submissão do Relatório Anual de Atividades ao IBAMA nem ao recolhimento da Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental. 116 Artigo 1º, § 1º, da Instrução Normativa IBAMA nº 10/2001. 117 Instrução Normativa IBAMA nº 10/2001, artigo 5º.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

43

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

42

Sanções A falta do Certificado de Registro sujeita o empreendedor à imposição de multa, de R$

500,00 a R$ 20.000,00118. Caso se considere que o Certificado de Registro é uma autêntica li- cença ambiental, em tese a ausência do Certificado pode também sujeitar os responsáveis pe- lo empreendimento à sanção criminal de um a seis meses de detenção e/ou multa119.

(ii) Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental (“TCFA”) Há uma taxa a ser paga ao IBAMA pelo fato de a empresa exercer atividades potencial-

mente poluidoras e/ou utilizar recursos naturais120. A Taxa de Controle e Fiscalização Ambi- ental visa custear a ação fiscalizadora do IBAMA. Todas as atividades listadas na norma es- pecífica121 estão sujeitas ao pagamento do TCFA, exceção feita às micro-empresas com baixo ou médio potencial poluidor e pequeno grau de utilização de recursos naturais (vide Anexos IBAMA - I e II).

A constitucionalidade da TCFA também está sendo discutida judicialmente. Em São Paulo alguns segmentos industriais (indústria química e petroquímica; avicultores; presta- dores de serviços de concretagem; dentre outros) já obtiveram liminar suspendendo a exigi- bilidade da TCFA.

Procedimento Os empreendimentos sujeitos ao recolhimento da Taxa de Controle e Fiscalização Am-

biental deverão acessar o homepage do IBAMA (www.ibama.gov.br) e entrar no link “TC- FA” (Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental). Após o preenchimento do formulário eletrônico, serão expedidos via Internet não apenas o Certificado de Registro mas também o boleto bancário com o valor da taxa a ser recolhida trimestralmente.

Valor da Taxa Ambiental A tabela abaixo indica o valor da taxa a ser pago trimestralmente pelas empresas:

Relatório de Atividades Além do pagamento da taxa, o sujeito passivo da TCFA é obrigado a entregar até o dia

31 de março de cada ano relatório das atividades exercidas no ano anterior.

118 Artigo 53 do Decreto nº 3.179/99. 119 Artigo 60 da Lei nº 9.605, de 12.2.1998. 120 Lei nº 10.165, de 27.12.2000. 121 Anexo II da Instrução Normativa IBAMA 10/01 e Anexo VIII da Lei nº 6.938/81, aprovado pela Lei nº 10.165/2000.

Potencial de Poluição e Grau de Utilização de Recursos Naturais

Pessoa Física

Micro- empresa

Empresa de Pequeno

Porte

Empresa de Médio Porte

Empresa de Grande Porte

Pequeno _____ _____ R$ 112,50 R$ 225,00 R$ 2.450,00

Médio _____ _____ R$ 180,00 R$ 360,00 R$ 2.900,00

Alto _____ R$ 50,00 R$ 225,00 R$ 450,00 R$ 2.250,00

Sanções O não recolhimento da TCFA nos prazos e condições estabelecidos na lei implicará o

pagamento com encargos. A falta de entrega do relatório de atividades, por sua vez, é punida com multa equivalente a 20% do valor da TCFA devida.

Os segmentos industriais já beneficiados com liminares concedidas em Juízo obvia- mente não sofrerão qualquer sanção pela ausência de recolhimento da TCFA. Os demais seg- mentos industriais, em relação aos quais a TCFA não teve ainda a sua exigibilidade suspensa, caso a decisão dos Tribunais venha a reconhecer a legalidade e a constitucionalidade da taxa, estarão sujeitos ao seu pagamento, com juros de mora, multa de 20%, e honorários.

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

45

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

44

DAEE – Departamento de Águas e Energia Elétrica Rua Boa Vista, 170, Bloco 4 Centro – São Paulo , SP CEP: 01014-001 Tel.: (11) 3293- 8200/ 3293- 8201 http://www.daee.sp.gov.br

DAIA - Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental Avenida Prof. Frederico Hermann Júnior, 345 Alto de Pinheiros - São Paulo, SP CEP: 05459-900 Tel.: (11) 3030-6747 http://www.ambiente.sp.gov.br/cprn/daia.htm

DEPRN – Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais Rua Prof. Lucas de Assunção, 139 Vila Gomes – São Paulo, SP CEP: 05591-060 Tel.: (11) 3726- 4002 http://www.ambiente.sp.gov.br/deprn/deprn.htm

DSV – Departamento de Sistema Viário Avenida das Nações Unidas, 7163/7203 Pinheiros – São Paulo, SP CEP: 05425-904 Tel.: (11) 3030-2000 http://www.cetsp.com.br

DUSM - Departamento do Uso do Solo Metropolitano Rua Nicolau Gagliardi, 401 - 3º andar Alto de Pinheiros - São Paulo, SP CEP: 05429-010 Tel.: (11) 3030-6817 http://www.ambiente.sp.gov.br/cprn/dusm.htm

Fundação Florestal Rua do Horto, 931 Horto Florestal – São Paulo, SP CEP: 02377-000 Tel.: (11) 6997-5000 http://www.fflorestal.sp.gov.br

IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Gerência Executiva IBAMA no Estado de São Paulo Alameda Tietê, 637 Cerqueira César – São Paulo, SP CEP: 01417-020 Tel.: (11) 3066-2633 http://www.ibama.gov.br

INMETRO – Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Rua Santa Alexandrina, 416 Rio Comprido – Rio de janeiro, RJ CEP: 20261-232 Tel.: (21) 2563-2922/ 2502-6521 http://www.inmetro.gov.br

FONTES DE REFERÊNCIA DOS ÓRGÃOS PÚBLICOS

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas Avenida Paulista, 726, 10º andar, Edifício 5ª Avenida São Paulo, SP CEP: 01310-910 Tel.: (11) 3767-3600 http://www.abnt.org.br

ANA – Agência Nacional de Águas Setor Policial Sul Área 5, Quadra 3, Bloco M, 1° andar CEP: 70610-200 Tel.: (61) 445-5400 http://www.ana.gov.br

CPLEA – Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico e Educação Ambiental Avenida Prof. Frederico Hermann Júnior, 345 Alto de Pinheiros - São Paulo, SP CEP: 05459-900 Tel.: (11) 3030-6635 http://www.ambiente.sp.gov.br/educ_2004/departamento/departamento.htm

CETESB – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Avenida Prof. Frederico Hermann Júnior, 345 Alto de Pinheiros - São Paulo, SP CEP: 05459-900 Tel.: (11) 3030-6000 http://www.cetesb.sp.gov.br

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente Esplanada dos Ministérios, bloco B, 6º andar, sala 637 Brasília - DF CEP: 70068-900 Tel.: (61) 317-1433/317-1392 http://www.mma.gov.br/port/conama

CONSEMA – Conselho Estadual de Meio Ambiente Avenida Prof. Frederico Hermann Júnior, 345, prédio 6, sala 113 Alto de Pinheiros - São Paulo, SP CEP: 05459-900 Tel.: (11) 3030-6622 http://www.ambiente.sp.gov.br/Consema/128.htm

Corpo de Bombeiros da Policia Militar do Estado de São Paulo Praça Clóvis Bevillacqua, 421 Centro – São Paulo, SP CEP: 01018-001 Tel.: (11) 3242- 0977 http://www.polmil.sp.gov.br/ccb

CPRN – Coordenadoria de Licenciamento Ambiental e Proteção de Recursos Naturais Avenida Prof. Frederico Hermann Júnior, 345 Alto de Pinheiros - São Paulo, SP CEP: 05459-900 Tel.: (11) 3030-6316/3030-6319 http://www.ambiente.sp.gov.br/licenciamento/index1.htm

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

47

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

46

Polícia Ambiental Avenida Prof. Frederico Hermann Júnior, 345, prédio 1 – 4º andar Alto de Pinheiros – São Paulo, SP CEP: 05459-900 Tel.: (11) 3030-6626/3030-6625 http://www.polmil.sp.gov.br/unidades/cpfm/index.html Polícia Militar Rodoviária Estadual – Comando de Policiamento Rodoviário Avenida do Estado, 777 Ponte Pequena – São Paulo, SP CEP: 01107-000 Tel.: (11) 3327-2727 http://www.polmil.sp.gov.br/unidades/cprv

Polícia Rodoviária Federal Rua Engenheiro Ciro Soares de Almeida, 180 Vila Maria – São Paulo, SP CEP: 02167-000 Tel.: (11) 6095-2300 http://www.dprf.gov.br

Promotoria de Justiça do Meio Ambiente da Capital Rua Riachuelo, 115, 1º andar, sala 119 Centro - São Paulo, SP CEP: 01007-904 Tel.: (11) 3119-9800/3119-9102/3119-9103 http://www.mp.sp.gov.br

Secretaria de Estado dos Negócios da Segurança Pública – Polícia Civil Departamento de Identificação e Registros Diversos - Divisão de Produtos Controlados Rua Moncorvo Filho, 410, 3º andar Butantã - São Paulo, SP CEP: 05507-060 Tel.: (11) 3815-8200 http://www.seguranca.sp.gov.br

Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente - SVMA Rua do Paraíso, 387 Paraíso - São Paulo, SP CEP: 04103-000 Tel.: (11) 3372- 2200 http://www.prodam.sp.gov.br/svma

SEHAB – Secretaria da Habitação e Desenvolvimento Urbano do Município de São Paulo Rua São Bento, 405 Centro – São Paulo, SP CEP: 01008-906 Tel.: (11) 3242-1733 http://www6.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/habitacao

SMA – Secretaria de Estado do Meio Ambiente Avenida Prof. Frederico Hermann Júnior, 345 Alto de Pinheiros - São Paulo, SP CEP: 05459-900 Tel.: (11) 3030-6000 http://www.ambiente.sp.gov.br http://www.mp.sp.gov.br

Instituto de Botânica Avenida Miguel Stéfano, 3687 - Água Funda Água Funda - São Paulo, SP CEP: 04301-012 Tel.: (11) 5073-6300 http://www.ibot.sp.gov.br

Instituto Florestal Rua do Horto, 931 Horto Florestal – São Paulo, SP CEP: 02377-000 Tel.: (11) 6231-8555 http://www.iflorestsp.br

Instituto Geológico Avenida Miguel Stéfano, 3900 Água Funda - São Paulo, SP CEP: 04301-903 Tel.: (11) 5058-9994/ 5077-1155 http://www.igeologico.sp.gov.br/

Ministério do Exército – 2º Região Militar – Comando Militar do Sudeste Avenida Sargento Mário Kozel Filho, 222 Ibirapuera - São Paulo, SP CEP:04005-903 Tel.: (11) 3888-5325 http://www.2rm.eb.mil.br

Ministério da Justiça – Departamento da Polícia Federal – Divisão de Repressão a Entorpecentes - Superintendência Regional de São Paulo Rua Hugo D’Antola, 95 Lapa de Baixo – São Paulo, SP CEP: 05038-090 Tel.:(11) 3616-5001 http://www.dpf.gov.br

Ministério Público Federal 1º Ofício da Secretaria da Tutela Coletiva Procuradoria da República do Meio Ambiente, Patrimônio Histórico e Cultural, Indígena e Minorias Rua Peixoto Gomide, 768, 10º andar, sala 1 Bela Vista - São Paulo, SP CEP: 01409-904 Tel.: (011) 3269-5000 http://www.prsp.mpf.gov.br

Ministério Público do Estado de São Paulo Rua Riachuelo, 115 Centro – São Paulo, SP CEP: 01007-904 Tel.: (11) 3119-9000 http://www.mp.sp.gov.br

Ministério dos Transportes Esplanada dos Ministérios, Bloco R Brasília – DF CEP: 70044-900 Tel.: (61) 311-7000 http://www.transportes.gov.br

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

49

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

48

Agência Ambiental de Americana Rua Gonçalves Dias, 77 Vila Pavan - Americana CEP: 13465-400 Tel: (19) 3406-8875 - Fax: (19) 3406-5250 e-mail: americana@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Aparecida Avenida Padroeira do Brasil, 1120 Aroeira - Aparecida CEP: 12570-000 Tel: (12) 3105-3163 - Fax:(12) 3105-3163 e-mail: aparecida@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Araçatuba Rua Afonso Pena, 972 V. Mendonça - Araçatuba CEP: 16015-040 Tel: (18) 3623-6838 – Fax: (18) 3625-1195 e-mail:araçatuba@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental do Araraquara Avenida Castro Alves, 1271 Carmo - Araraquara CEP: 14800-140 Tel:(16) 232-2211 - Fax :(16) 232-2211 e-mail: araraquara@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Barretos Avenida Trinta e Nove, 422 Primavera - Barretos CEP: 14780-400 Tel: (17) 3322-2655 - Fax: (17) 3322-2952 e-mail: barretos@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Bauru Avenida Cruzeiro do Sul, 13/15 V. Coralina - Bauru CEP: 17030-280 Tel: (14) 230-2058 - Fax :(14) 230-2344 e-mail: bauru@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Campinas I Rua São Carlos, 277 V. Industrial - Campinas CEP: 13035-420 Tel: (19) 3272-4366 - Fax :(19) 3272-4366 e-mail: campinasI@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Campinas II Rua São Carlos, 277 Vila Industrial - Campinas CEP: 13035-420 Tel.:(19) 3272-4366 - Fax :(19) 3272-4366 e-mail: campinasII@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Cubatão Rua Salgado Filho, 353 Jd. C. e Silva - Cubatão CEP: 11500-270 Tel: (13) 3361-6663 - Fax :(13) 3361-6743 e-mail: cubatao@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Franca Avenida Dr. Flávio Rocha, 4551 Pq. Dos Pinhais - Franca CEP: 14405-600 Tel: (16) 3724-5922 - Fax:(16) 3724-5922 e-mail: franca@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Guarulhos Rua Ipê, 73 Centro - Guarulhos CEP: 07090-130 Tel:(11) 6440-6688 - Fax :(11) 6440-6688 e-mail:guarulhos@cetesb.sp.gov.Br

Agência Ambiental de Itapetininga Rua General Carneiro, 196 Centro - Itapetininga CEP: 18200-000 Tel: (15) 3272-2888 - Fax :(15) 3272-2888 e-mail: itapetininga@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Jacareí Praça dos Três Poderes 122 Centro - Jacareí CEP: 12300-000 Tel: (12) 3953-3466 - Fax: (12) 3953-3466 e-mail: jacarei@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Jundiaí Rua Rangel Pestana, 1007 Centro - Jundiaí CEP: 13201-000 Tel: (11) 4586-0985 - Fax :(11) 4586-2464 e-mail: jundiai@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Limeira Rua Treze de Maio, 10 Centro - Limeira CEP: 13480-170 Tel:(19) 3451-6203 - Fax :(19) 3451-6203 e-mail: limeira@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Marília Avenida Sampaio Vidal, 106 Centro - Marília CEP: 17501-040 Tel: (14) 422-4666 - Fax :(14) 422-4446 e-mail: marilia@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Mogi das Cruzes Rua Barão de Jaceguai, 1620 Pq. Monte Líbano - Mogi das Cruzes CEP: 08780-100 Tel:(11) 4799-1711 - Fax :(11) 4799-1711 e-mail: mogi@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Osasco Rua ltabuna, 176 Jd. Agu - Osasco CEP: 06010-120 Tel:(11) 3683-8977 - Fax :(11) 3683-2709 e-mail: osasco@cetesb.sp.gov.br Agência Ambiental de Paulínia Rua Pio XII, 276 Centro - Paulínia CEP: 13140-000 Tel:(19) 3874-1699 - Fax :(19) 3874-1699 e-mail: paulinia@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Pinheiros Avenida Professor Frederico Hermann Jr., 345 Alto de Pinheiros - São Paulo CEP: 05459-900 Tel:(11) 3032-3799 - Fax :(11) 3815-2219 e-mail: pinheiros@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Piracicaba Rua do Rosário, 566 Centro - Piracicaba CEP: 13400-183 Tel.:(19) 3434-2522 - Fax :(19) 3434-2732 e-mail: piracicaba@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Pirassununga Rua Joaquim Procópio de Araújo, 2042 Centro - Pirassununga CEP: 13631-020 Tel:(19) 3561-3355 - Fax :(19) 3561-3355 e-mail: pirassununga@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Presidente Prudente Rua Eufrásio Toledo, 38 Marupiara - Presidente Prudente CEP: 19060-100 Tel.: (18) 222-1002 - Fax :(18) 222-1044 e-mail: prudente@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Ribeirão Preto Avenida Presidente Kennedy, 1760 Lagoinha - Ribeirão Preto CEP: 14096-350 Tel.: (16) 617-4700 - Fax :(16) 617-4472 e-mail: ribeirao@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Santana Avenida Leôncio de Magalhães, 1468 Jardim São Paulo - São Paulo CEP: 02042-001 Tel:(11) 6959-4320 - Fax :(11) 6959-6716 e-mail: santana@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Santo Amaro Rua Barão do Triunfo, 464 Brooklin - São Paulo CEP: 04602-001 Tel:(11) 5041-7688 – Fax: (11) 5543-4988 e-mail: santoamaro@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Santo André Avenida Higienópolis, 177 V. Gilda - Santo André CEP: 09190-360 Tel: (11) 4994-8700 - Fax: (11) 4990-5803 e-mail: santoandre@cetesb.sp.gov.br Agência Ambiental de Santos Rua Itapura de Miranda, 158 Boqueirão - Santos CEP: 11055-090 Tel:(13) 3232-9550 - Fax :(13) 3232-9550 e-mail: santos@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de São José do Rio Preto Avenida Mário Andreazza, s/n° Jd. São Marcos - São José Rio Preto CEP: 15081-490 Tel: (17) 3218-4300 - Fax :(17) 3218-4328 e-mail: riopreto@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Sorocaba Avenida Américo de Carvalho, 820 Jd. Europa - Sorocaba CEP: 18045-000 Tel: (15) 222-2065 - Fax: (15) 222-2181 e-mail: sorocaba@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Taubaté Avenida Itambé, 38 Centro - Taubaté CEP: 12091-200 Tel:(12) 233-4900 - Fax: (12) 233-4900 e-mail: taubate@cetesb.sp.gov.br

Agência Ambiental de Ubatuba Rua Cunhambebe, 521 Centro - Ubatuba CEP: 11680-000 Tel:(12) 3832-3816 - Fax: (12) 383-23916 e-mail: ubatuba@cetesb.sp.gov.br

AGÊNCIAS DA CETESB NO ESTADO DE SÃO PAULO

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

51

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

50

Agência Ambiental do Ipiranga Rua Paula Nei, 163 Aclimação - São Paulo CEP: 04107-000 Tel.:(11) 5574-0646 – Fax: (11) 5574-0646 e-mail: ipiranga@cetesb.sp.gov.br

Diretoria da Bacia do Alto Tietê e Baixada Santista Rua Boa Vista, 170 - Bloco 5 – 10º andar São Paulo - Capital CEP: 01014-000 Tel: (11) 3293-8535/3293-8534 e-mail: bat@daee.sp.gov.br

Diretoria da Bacia do Médio Tietê Avenida Estados Unidos, 98 Piracicaba – SP CEP: 13416-500 Tel: (19) 3434-5111 e-mail: bmt@daee.sp.gov.br

Diretoria da Bacia do Baixo Tietê Rua Silvares, 100 Birigüi - SP CEP: 16200-028 Tel: (18) 642-3655 e-mail: bbt@daee.sp.gov.br

Diretoria da Bacia do Paraíba e Litoral Norte Largo Santa Luzia, 25 Taubaté- SP CEP: 12010-510 Tel: (12) 233-2099 e-mail: bpb@daee.sp.gov.br

Diretoria da Bacia do Pardo Grande Rua Olinda, 150 Ribeirão Preto - SP CEP: 14025-150 Tel: (16) 623-3940 e-mail: bpg@daee.sp.gov.br

Diretoria da Bacia do Turvo Grande Av. Otávio Pinto César, 1400 São José do Rio Preto - SP CEP: 15085-360 Tel: (17) 227-2108 e-mail: btg@daee.sp.gov.br

Diretoria da Bacia do Ribeira e Litoral Sul Rua Félix Aby Azar, 442 Registro - SP CEP: 11900-000 Tel: (13) 3821-3244 e-mail: brb@daee.sp.gov.br

Diretoria da Bacia do Peixe Paranapanema Rua Benedito Mendes Faria, 40-A Marília - SP CEP: 17520-520 Tel: (14) 427-1017 e-mail: bpp@daee.sp.gov.br

Agência Ambiental do Tatuapé Avenida Doutor Miguel Vieira Ferreira, 313 Tatuapé - São Paulo CEP: 03071-080 Tel.:(11) 296-6711 - Fax: (11) 294-6566 e-mail: tatuape@cetesb.sp.gov.br

DIRETORIAS DO DAEE NO ESTADO DE SÃO PAULO

A

N

E

X

O

-

B

O

M

B

E

I

R

O

I

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

53

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

52

A

N

E

X

O

-

C

E

T

E

S

B

I

I

A

N

E

X

O

-

C

E

T

E

S

B

I

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

55

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

54

A

N

E

X

O

-

C

E

S

T

E

B

I

I

I

A

N

E

X

O

-

C

E

S

T

E

B

I

V

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

57

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

56

A

N

E

X

O

-

C

E

S

T

E

B

V

A

N

E

X

O

-

C

E

S

T

E

B

V

I

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

58

A

N

E

X

O

-

C

E

S

T

E

B

V

I

I

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

61

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

60

Fonte de Poluição ........................................................valor de W Extração e/ou beneficiamento de carvão mineral, petróleo e gás natural Extração e/ou beneficiamento de carvão mineral .................3,0 Extração de petróleo e gás natural .........................................3,0 Extração e/ou beneficiamento de xisto ..................................3,0 Extração e/ou beneficiamento de areias betuminosas .........3,0 Extração e/ou beneficiamento de minerais metálicos Extração de minério de ferro...................................................3,0 Pelotização, sinterização e outros beneficiamentos de minério de ferro...................................................................3,0 Extração e/ou beneficiamento de minério de alumínio ........3,0 Extração e/ou beneficiamento de minério de estanho..........3,0 Extração e/ou beneficiamento de minério de manganês .....3,0 Extração de minérios de metais preciosos ............................3,0 Extração de minerais radioativos............................................3,0 Extração de nióbio e titânio.....................................................3,0 Extração de tungstênio ............................................................3,0 Extração de níquel....................................................................3,0 Extração e/ou beneficiamento de cobre, chumbo, zinco e de outros minerais não-ferrosos ................................3,0 Extração e/ou beneficiamento de minerais não-metálicos ...........................................................................3,0 Extração e/ou beneficiamento de ardósia ..............................3,0 Extração e/ou beneficiamento de granito ..............................3,0 Extração e/ou beneficiamento de mármore...........................3,0 Extração e/ou beneficiamento de calcário/dolomita .............3,0 Extração e/ou beneficiamento de gesso e caulim .................3,0 Extração e/ou beneficiamento de areia, cascalho ou pedregulho................................................................................3,0 Extração e/ou beneficiamento de argila .................................3,0 Extração e/ou beneficiamento de saibro ................................3,0 Extração e/ou beneficiamento de basalto ..............................3,0 Extração e/ou britamento de pedras e de outros materiais para construção não especificados........................3,0 Extração de minerais para fabricação de adubos, fertilizantes e produtos químicos............................................3,0 Extração de sal marinho ..........................................................3,0 Extração de sal-gema...............................................................3,0 Refino e outros tratamentos do sal.........................................3,0 Extração de gemas ...................................................................3,0 Extração de grafita ...................................................................3,0 Extração de quartzo e cristal de rocha....................................3,0 Extração de amianto ................................................................3,0

Extração de outros minerais não-metálicos não especificados .....................................................................3,0 Fabricação de produtos alimentícios de origem animal................................................................................ Abate de bovinos e preparação de produtos de carne .........3,5 Abate de suínos e preparação de produtos de carne............3,5 Abate de eqüinos e preparação de produtos de carne .........3,5 Abate de ovinos e caprinos e preparação de produtos de carne ....................................................................3,5 Abate de bubalinos e preparação de produtos de carne ......3,5 Abate de aves e preparação de produtos de carne ...............3,5 Abate de pequenos animais e preparação de produtos de carne ....................................................................3,5 Preparação de carne, banha e produtos de salsicharia não associadas ao abate .......................................3,0 Preparação de subprodutos não associado ao abate ...........3,0 Preparação e conservação do pescado e fabricação de conservas de peixes, curstáceos e molucos.....................3,0 Fabricação de farinhas de carnes, sangue, osso, peixes, penas e vísceras e produção de sebo........................5,0 Processamento, preservação e produção de conservas de frutas, legumes e outros vegetais Processamento, preservação e produção de conservas de frutas ..................................................................2,0 Processamento, preservação e produção de conservas de legumes e outros vegetais .................................................2,0 Produção de sucos de frutas e legumes.................................2,5 Produção de óleos e gorduras vegetais e animais Produção de óleos vegetais em bruto ....................................4,0 Refino de óleos vegetais..........................................................3,0 Preparção de margarina e outras gorduras vegetais e de óleos de origem animal não comestíveis ......................3,0 Produção de laticínios Preparaçãodo leite....................................................................2,0 Fabricação de produtos do laticínio........................................3,0 Fabricação de sorvetes ............................................................3,0 Moagem, fabricação de produtos amilaceos e de rações balanceadas para animais Beneficiamento e fabricação de produtos de arroz...............2,5 Moagem de trigo e fabricação de derivados .........................2,5 Produção de farinha de mandioca e derivados .....................3,0 Fabricação de fubá, farinha e outros derivados de milho – exclusive óleo ........................................................2,5 Fabricação de amidos e féculas de vegetais e fabricação de óleos de milho ..................................................3,5

Fabricação de rações balanceadas para animais ..................2,5 Beneficiamento, moagem e preparação de outros produtos de origem vegetal ....................................................3,0 Fabricação e refino de açúcar Usinas de açúcar ......................................................................3,0 Refino e moagem de açúcar de cana......................................3,5 Fabricação de açúcar de cereais (dextrose) e de beterraba...........................................................................3,5 Fabricação de açúcar de Stévia...............................................3,5 Torrefação e moagem de café Torrefação e moagem de café .................................................2,5 Fabricação e café solúvel.........................................................2,5 Fabricação de outros produtos alimentícios Fabricação de biscoitos e bolachas.........................................3,0 Produção de derivados do cacau e elaboração de chocolates ............................................................................3,0 Produção de balas e semelhantes e de frutas cristalizadas...............................................................................3,0 Fabricação de massas alimentícias.........................................3,0 Preparação de especiarias, molhos, temperos e condimentos ..........................................................................3,0 Preparação de produtos dietéticos, alimentos para crianças e outros alimentos conservados ..............................3,0 Fabricação de outros produtos alimentícios..........................3,0 Fabricação de bebidas Fabricação, retificação, homogeneização e mistura de aguardentes e outras bebidas destiladas..........................4,0 Fabricação de vinho .................................................................3,5 Fabricação de malte, cervejas e chopes .................................3,5 Engarrafamento e gaseificação de águas minerais...............2,0 Fabricação de refrigerantes, refrescos, xaropes e pós para refrescos .................................................................3,0 Fabricação de produtos têxteis .................................................... Beneficiamento de algodão.....................................................3,0 Beneficiamento de outras fibras têxteis naturais ..................3,0 Fiação de algodão ....................................................................3,0 Fiação de outras fibras têxteis naturais..................................3,0 Fiação de algodão ....................................................................3,0 Fiação de outras fibras têxteis naturais..................................3,0 Fiação de fibras artificiais ou sintéticas..................................2,5 Fabricação de linhas e fios para coser e bordar ....................2,5 Tecelagem de algodão .............................................................3,0 Tecelagem de fios de fibras têxteis naturais ..........................3,0 Tecelagem de fios e filamentos contínuos artificiais ou sintéticos .............................................................2,5 Fabricação de produtos do fumo ................................................. Fabricação de produtos do fumo ............................................3,5 Fabricação de artefatos têxteis, incluindo tecelagem ................ Fabricação de artigos de tecido de uso doméstico, incluindo tecelagem.................................................................3,0

Fabricação de artefatos têxteis, incluindo tecelagem ...........3,0 Acabamento em fios, tecidos e artigos têxteis ........................... Estamparia e texturização em fios, tecidos e artigos têxteis, não desenvolvidas em confecções ............................3,5 Alvejamento, tingimento e torção em fios, tecidos e artigos têxteis, não desenvolvidas em confecções ...............3,5 Outros serviços de acabamento em fios, tecidos e artigos têxteis, não desenvolvidas em confecções ...............3,5 Fabricação de artefatos têxteis a partir de tecidos – exclusive vestuário – e de outros artigos têxteis........................ Fabricação de artefatos têxteis a partir de tecidos, exclusive vestuário...................................................................1,5 Fabricação de artefatos de tapeçaria ......................................1,5 Fabricação de artefatos de cordoaria......................................1,5 Fabricação de equipamentos de transmissão para fins industriais – inclusive rolamentos e peças .....................2,5 Fabricação de máquinas e equipamentos de uso geral Fabricação de fornos industriais, aparelhos e equipamentos não-elétricos para instalações térmicas, inclusive peças.........................................................2,5 Fabricação de estufas elétricas para fins industriais – inclusive peças .........................................................................2,5 Fabricação de máquinas, equipamentos para transporte e elevação de cargas e pessoas – inclusive peças.................2,5 Fabricação de máquinas e aparelhos de refrigeração e ventilação de uso industrial – inclusive peças....................2,5 Fabricação de outras máquinas e equipamentos de uso geral – inclusive peças......................................................2,5 Fabricação de máquinas e equipamentos de uso específico Fabricação de máquinas e equipamentos para agricultura, avicultura e obtenção de produtos animais – inclusive peças ........................................................2,5 Fabricação de tratores agrícolas – inclusive peças................2,5 Fabricação de máquinas-ferramenta – inclusive peças ........2,5 Fabricação de máquinas e equipamentos para a indústria de prospecção e extração de petróleo – inclusive peças .........................................................................2,5 Fabricação de outras máquinas e equipamentos para a extração de minérios e indústria da construção – inclusive peças .........................................................................2,5 Fabricação de tratores de esteira e tratores de uso na construção e mineração – inclusive peças.............................2,5 Fabricação de máquinas e equipamentos de terraplanagem e pavimentação ..............................................2,5 Fabricação de máquinas para a indústria metalúrgica – inclusive peças – exclusive máquinas-ferramenta ................2,5 Fabricação de máquinas e equipamentos para as indústrias alimentar, de bebidas e fumo – inclusive peças .........................................................................2,5

ANEXO CETESB – VIII

Anexo 5 do Decreto 8.468/76, alterado pelo Decreto nº 47.397/02

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

63

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

62

Fabricação de máquinas e equipamentos para a indústria têxtil – inclusive peças .............................................2,5 Fabricação de máquinas e equipamentos para as indústrias do vestuário, couro e calçados – inclusive peças .........................................................................2,5 Fabricação de máquinas e aparelhos para a indústria de celulose, papel e papelão – inclusive peças .....................2,5 Fabricação de outras máquinas e equipamentos de uso específico – inclusive peças ........................................2,5 Fabricação de armas de fogo, munições e equipamentos militares Fabricação de armas de fogo e munições..............................2,5 Fabricação de equipamento bélico pesado............................2,5 Fabricação de eletrodomésticos .................................................. Fabricação de fogões, refrigeradores e máquinas de lavar e secar para uso doméstico – inclusive peças..............2,5 Fabricação de outros aparelhos eletrodomésticos – inclusive peças .........................................................................2,5 Fabricação de máquinas para escritório Fabricação de máquinas de escrever e calcular, copiadoras e outros equipamentos não-eletrônicos para escritório – inclusive peças .............................................2,5 Fabricação de máquinas de escrever e calcular, copiadoras e outros equipamentos eletrônicos destinados à automação gerencial e comercial – inclusive peças .........................................................................2,5 Fabricação de máquinas e equipamentos eletrônicos para processamento de dados Fabricação de computadores ..................................................1,5 Fabricação de equipamentos periféricos para máquinas eletrônicas para tratamento de informações .........................1,5 Fabricação de geradores, transformadores e motores elétricos Fabricação de geradores de corrente contínua ou alternada – inclusive peças ................................................2,5 Fabricação de transformadores, indutores, conversores, sincronizadores e semelhantes – inclusive peças .........................................................................2,5 Fabricação de motores elétricos – inclusive peças................2,5 Fabricação de equipamentos para distribuição e controle de energia elétrica Fabricação de subestações, quadros de comando, reguladores de voltagem e outros aparelhos e equipamentos para distribuição e controle de energia – inclusive peças.........................................................2,5 Fabricação de material elétrico para instalações em circuito de consumo ..........................................................2,5 Fabricação de fios, cabos e condutores elétricos isolados Fabricação de fios, cabos e condutores elétricos isolados......................................................................2,5 Fabricação de pilhas, baterias e acumuladores elétricos Fabricação de pilhas, baterias e acumuladores elétricos – exclusive para veículos..........................................4,0

Fabricação de baterias e acumuladores para veículos .........4,0 Fabricação de lâmpadas e equipamentos de iluminação Fabricação de lâmpadas ..........................................................2,0 Fabricação de luminárias e equipamentos de iluminação – exclusive para veículos .....................................2,0 Fabricação de material elétrico para veículos – exclusive baterias Fabricação de material elétrico para veículos – exclusive baterias.....................................................................2,0 Fabricação de artigos para uso elétrico, aparelhos e equipamentos para sinalização e alarme e outros aparelhos e equipamentos não especificados Fabricação de eletrodos, contatos e outros artigos de carvão e grafita para uso elétrico, eletroímãs e isoladores...............................................................................2,5 Fabricação de aparelhos e equipamentos para sinalização e alarme.................................................................2,5 Fabricação de outros aparelhos ou equipamentos elétricos .....................................................................................2,5 Fabricação de material eletrônico básico Fabricação de material eletrônico básico...............................3,0 Fabricação de aparelhos e equipamentos de telefonia e radiotelefonia e de transmissores de televisão e rádio Fabricação de equipamentos transmissores de rádio e televisão e de equipamentos para estações telefônicas, para radiotelefonia e radiotelegrafia, de microondas e repetidoras – inclusive peças ...............................................2,0 Fabricação de aparelhos telefônicos, sistemas de intercomunicação e semelhantes – inclusive peças..............2,0 Fabricação de aparelhos receptores de rádio e televisão e de reprodução, gravação ou amplificação de som e vídeo Fabricação de aparelhos receptores de rádio e televisão e de reprodução, gravação ou amplificação de som e vídeo .........................................................................2,0 Fabricação de aparelhos, equipamentos e instrumentos para usos médico-hospitalares, odontológicos e laboratórios Fabricação de aparelhos, equipamentos e mobiliários para instalações hospitalares, em consultórios médicos e odontológicos e para laboratórios.......................................3,0 Fabricação de instrumentos e utensílios para usos médicos, cirúrgicos, odontológicos e de laboratórios ..........3,0 Fabricação de aparelhos e utensílios para correção de defeitos físicos e aparelhos ortopédicos em geral ................3,0 Fabricação de aparelhos e instrumentos de medida, teste e controle – exclusive equipamentos para controle de processos industriais Fabricação de aparelhos e instrumentos de medida, teste e controle – exclusive equipamentos para controle de processos industriais ..........................................................2,0

Fabricação de máquinas, aparelhos e equipamentos de sistemas eletrônicos dedicados a automação industrial e controle do processo produtivo Fabricação de máquinas, aparelhos e equipamentos de sistemas eletrônicos dedicados a automação industrial e controle do processo produtivo ...........................................1,5 Fabricação de aparelhos, instrumentos e materiais óticos, fotográficos e cinematográficos Fabricação de aparelhos fotográficos e cinematográficos, peças e acessórios....................................................................2,0 Fabricação de instrumentos ópticos, peças e acessórios .....2,0 Fabricação de material óptico .................................................2,0 Fabricação de cronômetros e relógios Fabricação de cronômetros e relógios ...................................2,0 Fabricação de automóveis, camionetas e utilitários – inclusive peças e acessórios Fabricação de automóveis, camionetas e utilitários .............4,5 Fabricação de chassis com motor para automóveis, camionetas e utilitários............................................................4,5 Fabricação de motores para automóveis, camionetas e utilitários ................................................................................4,5 Fabricação de caminhões e ônibus.........................................4,5 Fabricação de motores para caminhões e ônibus.................4,5 Fabricação de cabines, carrocerias e reboques para caminhão..........................................................................4,5 Fabricação de carrocerias para ônibus...................................4,5 Fabricação de cabines, carrocerias e reboques para outros veículos.................................................................4,5 Fabricação de peças e acessórios para o sistema motor...........................................................................2,0 Fabricação de peças e acessórios para os sistemas de marcha e transmissão.........................................................2,0 Fabricação de peças e acessórios para o sistema de freios.....................................................................................2,0 Fabricação de peças e acessórios para o sistema de direção e suspensão ...........................................................2,0 Fabricação de peças e acessórios de metal para veículos automotores não classificados em outra classe....................2,0 Fabricação de tecidos especiais - inclusive artefatos............3,5 Fabricação de outros artigos têxteis - exclusive vestuários.................................................................2,0 Fabricação de tecidos e artigos de malha Fabricação de tecidos de malha..............................................2,5 Fabricação de meias.................................................................2,5 Fabricação de outros artigos do vestuário produzidos em malharias (tricotagem) ......................................................2,5 Fabricação de acessórios do vestuário e de segurança profissional Fabricação de acessórios do vestuário...................................1,5 Fabricação de acessórios para segurança industrial e pessoal ..................................................................3,5

Curtimento e outras preparações de couro Curtimento e outras preparações de couro ...........................5,0 Fabricação de artigos para viagem e artefatos diversos de couro Fabricação de malas, bolsas, valises e outros artefatos para viagem, de qualquer material .........................2,0 Fabricação de outros artefatos de couro................................2,0 Fabricação de calçados Fabricação de calçados de couro ............................................2,5 Fabricação de tênis de qualquer material ..............................2,5 Fabricação de calçados de plástico.........................................2,5 Fabricação de calçados de outros materiais ..........................2,5 Fabricação de produtos de madeira, cortiça e material trançado - exclusive móveis Desdobramento de madeira....................................................2,5 Fabricação de madeira laminada e de chapas de madeira compensada, prensada ou aglomerada .................................3,5 Produção de casas de madeira pré-fabricadas ......................2,5 Fabricação de esquadrias de madeira, venezianas e de peças de madeira para instalações industriais e comerciais ..............................................................................2,5 Fabricação de outros artigos de carpintaria...........................2,5 Fabricação de artefatos de tanoaria e embalagens de madeira ................................................................................2,5 Fabricação de artefatos diversos de madeira, palha, cortiça e material trançado - exclusive móveis......................2,5 Fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação de papel Fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação de papel ..................................................................5,0 Fabricação de papel, papelão liso, cartolina e cartão Fabricação de papel .................................................................4,0 Fabricação de papelão liso, cartolina e cartão .......................4,0 Fabricação de embalagens de papel ou papelão Fabricação de embalagens de papel ......................................3,0 Fabricação de embalagens de papelão - inclusive a fabricação de papelão corrugado.........................................3,0 Fabricação de artefatos diversos de papel, papelão, cartolina e cartão Fabricação de artefatos de papel, papelão, cartolina e cartão para escritório ............................................................2,0 Fabricação de fitas e formulários contínuos - impressos ou não .....................................................................2,0 Fabricação de outros artefatos de pastas, papel, papelão, cartolina e cartão.......................................................2,0 Edição; edição e impressão Edição; edição e impressão de jornais ...................................3,0 Edição; edição e impressão de revistas..................................3,0 Edição; edição e impressão de livros .....................................3,0 Edição; de discos, fitas e outros materiais gravados ............3,0

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

65

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

64

Edição; edição e impressão de produtos gráficos.................3,0 Impressão e serviços conexos para terceiros impressão de jornais, revistas e livros ...................................3,0 impressão de material para uso escolar e de material para usos industrial, comercial e publicitário ........................3,0 Execução de outros serviços gráficos ....................................3,0 Coqueiras Coqueiras ..................................................................................5,0 Refino de petróleo Refino de petróleo ....................................................................5,0 Elaboração de combustíveis nucleares Elaboração de combustíveis nucleares ..................................5,0 Fabricação de álcool Fabricação de álcool.................................................................5,0 Fabricação de produtos químicos inorgânicos Fabricação de cloro e álcalis....................................................5,0 Fabricação de intermediários para fertilizantes .....................5,0 Fabricação de fertilizantes fosfatados, nitrogenados e potássico ................................................................................5,0 Fabricação de gases industriais ..............................................5,0 Fabricação de outros produtos inorgânicos ..........................5,0 Fabricação de produtos petroquímicos básicos Fabricação de produtos petroquímicos básicos ....................5,0 Fabricação de intermediários para resinas e fibras...............5,0 Fabricação de outros produtos químicos orgânicos .............5,0 Fabricação de resinas e elastômeros......................................5,0 Fabricação de resinas e termoplásticas..................................5,0 Fabricação de resinas termofixas ...........................................5,0 Fabricação de elastômeros......................................................5,0 Fabricação de fibras, fios, cabos e filamentos contínuos .....5,0 Fabricação de fibras, fios, cabos e filamentos contínuos artificiais ..................................................................5,0 Fabricação de fibras, fios, cabos e filamentos contínuos sintéticos .................................................................5,0 Fabricação de produtos farmacêuticos ..................................5,0 Fabricação de produtos farmoquimicos.................................5,0 Fabricação de medicamentos para uso humano...................5,0 Fabricação de medicamentos para uso veterinário ..............5,0 Fabricação de defensivos agrícolas ........................................5,0 Fabricação de inseticidas.........................................................5,0 Fabricação de fungicidas .........................................................5,0 Fabricação de herbicidas .........................................................5,0 Fabricação de outros defensivos agrícolas ............................5,0 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza e artigos de perfumaria .............................................5,0 Fabricação de sabões, sabonetes e detergentes sintéticos ...................................................................................5,0 Fabricação de produtos de limpeza e polimento...................5,0 Fabricação de artigos de perfumaria e cosméticos ...............5,0 Fabricação de tintas, vernizes, esmaltes, lacas, solventes e produtos afins.......................................................5,0

Fabricação de tintas, vernizes, esmaltes e lacas....................5,0 Fabricação de tintas de impressão .........................................5,0 Fabricação de impermeabilizantes, solventes e produtos afins........................................................................5,0 Fabricação de produtos e preparados químicos diversos.....................................................................................5,0 Fabricação de adesivos e selantes..........................................5,0 Fabricação de pólvoras, explosivos e detonantes.................5,0 Fabricação de artigos pirotécnicos .........................................5,0 Fabricação de catalisadores ....................................................5,0 Fabricação de aditivos de uso industrial ................................5,0 Fabricação de chapas, filmes, papeis e outros materiais e pro- dutos químicos para fotografia ...............................................5,0 Fabricação de discos e fitas virgens .......................................5,0 Fabricação de outros produtos químicos não especificados ou não classificados .........................................5,0 Fabricação de artigos de borracha ..........................................5,0 Fabricação de pneumáticos e de câmaras-de-ar ...................3,0 Recondicionadores de pneumáticos.......................................3,0 Fabricação de artefatos diversos de borracha .......................3,0 Fabricação de produtos de plástico ........................................2,5 Fabricação de laminados planos e tubulares de plásticos ...............................................................................2,5 Fabricação de embalagens de plástico...................................2,5 Fabricação de vidro e produtos de vidro Fabricação de vidro plano e de segurança.............................3,5 Fabricação de embalagens de vidro .......................................3,5 Fabricação de artigos de vidro ................................................3,5 Fabricação de cimento Fabricação de cimento .............................................................3,0 Fabricação de artefatos de concreto, cimento, fibrocimento, gesso e estuque ..................................................... Fabricação de artefatos de concreto, cimento, fibrocimento, gesso e estuque ................................................2,5 Fabricação de massa de concreto e argamassa para construção ........................................................................2,5 Fabricação de produtos cerâmicos Fabricação de artefatos de cerâmica ou barro cozido para uso na construção civil - exclusive azulejos e pisos.........................................................................2,0 Fabricação de azulejos e pisos ................................................2,0 Fabricação de produtos cerâmicos refratários ......................2,0 Fabricação de outros produtos cerâmicos não-refratários para usos diversos ...................................................................2,0 Aparelhamento de pedras e fabricação de cal e de outros produtos de minerais não metálicos Britamento, aparelhamento e outros trabalhos em pedras (não associados à extração) ....................................................3,0 Fabricação de cal virgem, cal hidratada e gesso ...................3,0 Fabricação de outros produtos de minerais não-metálicos ...........................................................................2,5

Fabricação de produtos siderúrgicos Produção de laminados planos de aço...................................5,0 Produção de laminados não-planos de aço ...........................5,0 Produção de tubos e canos sem costura................................5,0 Produção outros laminados não-planos de aço ....................5,0 Produção de gusa.....................................................................5,0 Produção de ferro, aço e ferro ligas em forma primárias e semi-acabados......................................................5,0 Produção de arames de aço ....................................................5,0 Produção de relaminados, trefilados e retrefilados de aço, e de perfis estampados - exclusive em siderúrgicas integradas............................................................3,0 Produção de tubos de aço com costura - exclusive em siderúrgicas integradas............................................................3,0 Produção de outros tubos de ferro e aço - exclusive em siderúrgicas integradas ....................................3,0 Metalurgia de metais não-ferrosos Metalurgia de alumínio e suas ligas .......................................5,0 Metalurgia de metais preciosos ..............................................4,0 Metalurgia de outros metais não ferrosos e suas ligas ........4,0 Fundição Produção de peças fundidas de ferro e aço ...........................4,0 Produção de peças fundidas de metais não-ferrosos e suas ligas................................................................................4,0 Fabricação de estruturas metálicas e obras de caldeiraria pesada Fabricação de estruturas metálicas para edifícios, pontes, torres de transmissão, andaimes e outros fins ........2,0 Fabricação de esquadrias de metal, associada ao tratamento superficial de metais .......................................3,0 Fabricação de esquadrias de metal, não associada ao tratamento superficial de metais .......................................2,0 Fabricação de obras de caldeiraria pesada ............................2,0 Fabricação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras Fabricação de tranques, reservatórios metálicos e caldeiras para aquecimento central........................................2,0 Fabricação de caldeiras geradoras de vapor - exclusive para aquecimento central e para veículos ............2,0 Forjaria, estamparia, metalurgia do pó e sérvios de tratamento de metais Produção de forjados de aço...................................................2,5 Produção de forjados de metais não ferrosos e suas ligas................................................................................2,5 Produção de artefatos estampados de metal.........................2,0 Metalurgia do pó ......................................................................3,0 Tempera, cementação e tratamento térmico do aço, serviços de usinagem, galvanotécnica e solda......................3,0

Fabricação de artigos de cutelaria, de serralheria e ferramentas manuais Fabricação de artigos de cutelaria ..........................................2,0 Fabricação de artigos de serralheria, exclusive esquadrias.................................................................................2,5 Fabricação de ferramentas manuais.......................................2,5 Fabricação de produtos diversos de metal Fabricação de embalagens metálicas.....................................2,5 Fabricação de artefatos de trefilados de ferro, aço e de metais não-ferrosos .........................................................2,5 Fabricação de artigos de funilaria e de artigos de metal para usos domésticos e pessoal .............................................2,5 Fabricação de outros produtos elaborados de metal............2,5 Fabricação de motores bombas, compressores e equipamentos de transmissão Fabricação de motores estacionários de combustão interna, turbinas e outras máquinas motrizes não elétricas, inclusive peças - exclusive pra aviões e veículos rodoviários ..............................................................2,5 Fabricação de bombas e carneiros hidráulicos, inclusive peças .........................................................................2,5 Fabricação de válvulas, torneiras e registros, inclusive peças .........................................................................2,5 Fabricação de compressores, inclusive peças .......................2,5 Construção e reparação de embarcações Construção e reparação de embarcações de grande porte ........................................................................2,5 Construção e reparação de embarcações para uso comercial e para usos especiais, exclusive de grande porte ........................................................................2,5 Construção de embarcações para esporte e lazer .................2,5 Construção, montagem e reparação de veículos ferroviários Construção e montagem de locomotivas, vagões e outros materiais rodantes.....................................................4,5 Fabricação de peças e acessórios para veículos ferroviários................................................................................2,5 Reparação de veículos ferroviários.........................................1,5 Construção, montagem e reparação de aeronaves Construção e montagem de aeronaves..................................3,5 Reparação de aeronaves..........................................................1,5 Fabricação de outros equipamentos de transporte Fabricação de motociclegas – inclusive peças.......................3,0 Fabricação de bicicletas e triciclos não-motorizados – inclusive peças .........................................................................3,0 Fabricação de outros equipamentos de transporte...............3,0 Fabricação de artigos de mobiliário Fabricação de móveis com predominância de madeira .......2,5 Fabricação de móveis com predominância de metal............2,5 Fabricação de móveis de outros materiais ............................2,5

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

67

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

66

Fabricação de colchões ............................................................3,5 Fabricação de produtos diversos Lapidação de pedras preciosas e semi-preciosas .................1,0 Fabricação de artefatos de joalheria e ourivesaria................1,0 Cunhagem de moedas e medalhas ........................................2,0 Fabricação de instrumentos musicais, peças e acessórios ..............................................................................3,0 Fabricação de artefatos para caça, pesca e esporte ..............2,0 Fabricação de brinquedos e de outros jogos recreativos ......................................................................3,0 Fabricação de canetas, lápis, fitas impressoras para máquinas e outros artigos para escritório.....................3,0 Fabricação de aviamentos para costura.................................3,0 Fabricação de escovas, pincéis e vassouras ..........................2,5 Fabricação de fósforos de segurança .....................................3,0 Fabricação de produtos diversos............................................3,0 Reciclagem de sucatas Reciclagem de sucatas metálicas............................................3,0 Reciclagem de sucatas não-metálicas ....................................3,0 Comércio varejista de combustíveis para veículos automotores – incluindo postos revendedores, postos de abastecimento, transportadores revendedores retalhistas (TRR) e postos flutuantes Comercio varejista de combustíveis para veículos automotores, incluindo postos revendedores, postos de abastecimento, transportadores revendedores retalhistas (TRR) e postos flutuantes ......................................1,5 Depósito e comércio atacadista de produtos químicos ........2,5 Depósito e comércio atacadista de produtos inflamáveis................................................................................2,5 Armazenamento de embalagens vazias de agrotóxicos Armazenamento de embalagens vazias de agrotóxicos.......2,5 Operação de jateamento de superfícies metálicas ou não metálicas, excluídos os serviços de jateamento de prédios ou similares Operação de jateamento de superfícies metálicas ou não metálicas, excluídos os serviços de jateamento de prédios ou similares............................................................3,0 Usinas de concreto pré-misturado Usinas de produção de concreto pré-misturado ...................2,5 Usinas de produção de concreto asfáltico Usinas de produção de concreto asfáltico .............................3,5 Lavanderias, tinturarias, hotéis e similares que queimem combustível sólido ou líquido Lavanderias, tinturarias, hotéis e similares que queimem combustível sólido ou líquido .................................................2,5

Atividades que utilizem incinerador ou outro dispositivo para queima de lixo e materiais, ou resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, inclusive os crematórios Atividades que utilizem incinerador ou outro dispositivo para queima de lixo e materiais, ou resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, inclusive os crematórios ......................5,0 Hospitais, sanatórios, maternidades e institutos de pesquisas de doenças Hospitais, sanatórios, maternidades e institutos de pesquisas de doenças.........................................................2,5

A

N

E

X

O

-

D

E

P

R

N

I

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

69

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

68

A

N

E

X

O

-

C

E

S

T

E

B

I

X

A

N

E

X

O

-

C

E

S

T

E

B

I

X

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

71

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

70

A

N

E

X

O

-

C

E

S

T

E

B

I

X

A

N

E

X

O

-

D

E

P

R

N

I

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

73

ATIVIDADES SUJEITAS AO REGISTRO OBRIGATÓRIO NO IBAMA

CERTIFICADO DE REGISTRO

01. FLORA

01.00 - Desenvolvimento Florestal 01.01 - Administradora 01.02 - Especialista 01.03 - Cooperativa Florestal 01.04 - Associação Florestal 01.05 - Consultoria Florestal - Pessoa Jurídica 01.06 - Consultoria Florestal - Pessoa Física 01.07 - Jardim Botânico Público - Categoria A 01.08 - Jardim Botânico Público - Categoria B 01.09 - Jardim Botânico Público - Categoria C 01.10 - Jardim Botânico Privado - Categoria A 01.11 - Jardim Botânico Privado - Categoria B 01.12 - Jardim Botânico Privado - Categoria C 01.13 - Federação de Colecionadores de Plantas Nativas

02.00 - Extrator de: 02.01 - Toros/Toretes/Estacas e Similares de Origem Nativa 02.02 - Lenha de Origem Nativa 02.03 - Palmitos e Similares 02.04 - Óleos Essenciais 02.05 - Plantas Ornamentais/Partes 02.06 - Vime/Bambu/Cipó e Similares 02.07 - Xaxim 02.08 - Fibras 02.09 - Resina/Goma/Cera 02.10 - Planta Medicinais/Aromáticas/Partes

03.00 - Fábrica de: 03.01 - Móveis 03.02 - Artefatos de Madeira/Cipó/Vime/Bambu e Similares

03.03 - Artefatos de Xaxim 03.04 - Cavacos/Palha/Briquetes/Paletes de Madeiras e Similares 03.05 - Briquetes/Paletes de Carvão Vegetal e Similares

04.00 - Produtor de: 04.01 - Carvão Vegetal 04.02 - Dormentes/Postes/Estacas/Mourões e Similares 04.03 - Erva-Mate cancheada não padronizada 04.04 - Plantas Ornamentais Nativas 04.05 - Plantas Ornamentais Exóticas listadas nos anexos I e II da CITES 04.06 - Plantas Medicinais/Aromáticas Nativas 04.07 - Plantas Medicinais/Aromáticas Exóticas listadas nos anexos I e 11 da CITES

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

72

A

N

E

X

O

-

D

E

P

R

N

I

A

N

E

X

O

-

I

B

A

M

A

I

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

75

10.07 - Comerciante de Produtos Inflamáveis 10.08 - Comerciante de Produtos Tóxicos e/ou Corrosivos 10.09 - Curtume 10.10 - Empresa de Construção Civil 10.11 - Empresa Engarrafadora de Água Mineral 10.12 - Empresa Usuária de Produtos Inflamáveis e/ou Tóxicos e/ou Corrosivos 10.13 - Extrator de Minerais - Pessoa Física 10.14 - Extrator de Minerais - Pessoa Jurídica 10.15 - Importador de Produto Metálico 10.16 - Indústria Alimentícia 10.17 - Indústria Automotiva

10.19 - Indústria de Artefatos de Borracha 10.20 - Indústria de Artefatos de Cimento 10.21 - Indústria de Autopeças 10.22 - Indústria de Bebidas 10.23 - Indústria de Cerâmica 10.24 - Indústria de Cosméticos 10.25 - indústria de Fumo 10.26 - Indústria de Máquinas e/ou Equipamentos 10.27 - Indústria de Pilhas. Baterias e Acumuladores 10.28 - Indústria de Pólvora, Explosivos e Detonantes 10.29 - Indústria de Produtos e Artefatos Petroquímicos 10.30 - Indústria de Produtos Têxteis 10.31 - Indústria de Produtos Tóxicos e/ou Corrosivos 10.32 - Indústria de Tintas. Vernizes, Esmalte e Lacas 10.33 - Indústria de Transformação de Minerais não metálicos 10.34 - Indústria Farmacêutica 10.35 - Indústria Metalúrgica 10.36 - Indústria Petrolífera 10.37 - Indústria Química 10.38 - Indústria Siderúrgica 10.39 - Produtor de Mercúrio Metálico 10.40 - Proprietário de Motosserra 10.41 - Transportador de Pólvora, Explosivos e Detonantes 10.42 - Transportador de Produtos Inflamáveis/Tóxicos e/ou Corrosivos 10.43 - Transportador de Produtos Minerais 10.44 - Usina Benefïciadora de Látex 10.45 - Usina de Açúcar e Álcool 10.46 - Usina de Concreto

20. PESCA

20.01 - Indústria Pesqueira 20.02 - Embarcação Pesqueira 20.03 - Pescador Profissional 20.04 - Aqüicultor 20.05 - Pesque-Pague 20.06 - Armador de Pesca - Pessoa Física 20.07 - Armador de Pesca - Pessoa Jurídica

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

74

04.08 - Mudas Florestais 04.09 - Sementes Florestais 04.10 - Palmitos e Similares

05.00 - Comerciante de: 05.01 - Matéria-Prima/Produtos e Subprodutos de Origem da Flora 05.02 - Plantas Medicinais/Aromáticas Nativas/Partes

06.00 - Consumidor de: 06.01 - Carvão Vegetal/Moinha/Briquetes/Peletes de Carvão Vegetal e Similares 06.02 - Lenha/Briquetes/Serragem de Madeira/Casca de Coco e Similares

07.00 - Industria de: 07.01 - Pasta Mecânica 07.02 - Celulose 07.03 - Papel/Papelão 07.04 - Beneficiamento de óleos Essenciais/Resinas/Tanantes 07.05 - Conservas/Beneficiamento de Palmito e Similares 07.06 - Beneficiamento de Erva-Mate 07.07 - Beneficiamento de Plantas Ornamentais/Medicinais e Aromáticas 07.08 - Beneficiamento de Madeira 07.09 - Fóforo/Palitos e Similares 07.10 - Prensados e Similares 07.11 - Produtos Destilados de Madeira

07.12 - Madeira Serrada 07.13 - Madeira Laminada/Desfolhada/Faqueada 07.14 - Madeira Compensada/Contraplacada 07.15 - Embarcação de Madeira

08.00 - Tratamento de Madeira 08.01 - Indústria de Preservativos de Madeira 08.02 - Usina de Preservação de Madeira 08.03 - Comerciante de Preservativos de Madeira 08.04 - Usuário de Preservativos de Madeira 08.05 - Importador de Preservativos de Madeira

09.00 - Exportador/Importador de: 09.01 - Exportador de Plantas Vivas/Produtos Subprodutos da Flora 09.02 - Importador de Plantas Vivas/Produtos Subprodutos da Flora

l 0. CONTROLE AMBIENTAL

10.01 - Armazém de Produtos Inflamáveis/Tóxicos e/ou Corrosivos 10.02 - Comerciante de Materiais de Construção 10.03 - Comerciante de Mercúrio Metálico 10.04 - Comerciante de Minerais 10.05 - Comerciante de Motosserra 10.06 - Comerciante de Pólvora, Explosivos e Detonantes

A

N

E

X

O

-

I

B

A

M

A

I

A

N

E

X

O

-

I

B

A

M

A

I

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

77

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

76

20.08 - Empresa que Comercia Animais Aquáticos Vivos 20.09 - Clubes ou Associações de Amadores de Pesca

30. FAUNA

30.00 - Criadouro de: 30.01 - Espécime de Fauna Silvestre Brasileira para fins Científicos 30.02 - Espécime de Fauna Silvestre Brasileira e Exótica para fins Comerciais -

Pessoa Jurídica 30.03 - Espécime de Fauna Silvestre Brasileira e Exótica para fins Comerciais -

Pessoa Física 30.04 - Espécime de Fauna Silvestre Brasileira para fins Conservacionais

31.00 - Entidade/Sociedade: 31.01 - Federação Ornitófila 31.02 - Clube Amadorista de Caça e Tiro ao Vôo

32.00 - Comerciante de: 32.01 - Espécime de Fauna Silvestre Brasileira e Exótica/Partes/Produtos

e Subprodutos

33.00 - Indústria/Beneficiamento de: 33.01 - Animais abatidos/Partes/Produtos e Subprodutos da Fauna

Silvestre Brasileira Exótica

34.00 - Zoológico 34.01 - Zoológico Público - Categoria A 34.02 - Zoológico Público - Categoria B 34.03 - Zoológico Público - Categoria C 34.04 - Zoológico Privado - Categoria A 34.05 - Zoológico Privado - Categoria B 34.06 - Zoológico Privado - Categoria C

35.00 – Mantenedouro

35.01 - Mantenedouro de Espécimes da Fauna Silvestre Exótica

36.00 - Exportador/Importador 36.01 - Exportador de Animais Vivos/Abatidos/Partes/Produtos

e Subprodutos da Fauna Silvestre Brasileira e Exótica 36.02 - Importador de Animais Vivos/Abatidos/Partes/Produtos

e Subprodutos da Fauna Silvestre Brasileira e Exótica

37.00 - Empreendimento Circense 37.01 - Circo

A

N

E

X

O

-

I

B

A

M

A

I

A

N

E

X

O

-

M

I

N

I

S

T

É

R

I

O

D

A

J

U

S

T

I

Ç

A

I

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

79

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

78

A

N

E

X

O

-

M

I

N

I

S

T

É

R

I

O

D

A

J

U

S

T

I

Ç

A

I

I

A

N

E

X

O

-

M

I

N

I

S

T

É

R

I

O

D

A

J

U

S

T

I

Ç

A

I

I

I

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

81

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

80

A

N

E

X

O

-

P

R

O

D

U

T

O

S

C

O

N

T

R

O

L

A

D

O

S

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

83

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

82

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

85

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

84

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

87

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

86

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

89

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

88

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

91

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

90

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

93

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

92

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

95

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

94

Micro e Pequenas Empresas no Estado de São Paulo e a Legislação Ambiental

96

Autoria

Pinheiro Neto Advogados Antonio José L.C.Monteiro Maria Christina M. Gueorguiev

Assistentes

Eduardo de Campos Ferreira Juliana Giuberti Cibien Laura D.C. de Lima Mayla Tannus A. Carneiro

Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo – Fiesp/Ciesp

Presidente Fiesp/Ciesp

Horacio Lafer Piva

Departamento de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - DMA

Angelo Albiero Filho – Diretor Titular Romildo Campelo – Diretor Titular Adjunto

Diretor-Executivo

Jose Eduardo Bandeira de Mello

Área Técnica de Meio Ambiente e Design

Nilton Fornasari Filho (gerente) Anícia Aparecida B. Pio Luciano R. Coelho Marco Antonio S. de Almeida Maria Cristina O. L. Murgel Maria Marta T. Vasconcelos Ricardo L. Garcia Andreza Moleiro Araújo (estagiária)

Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - Fiesp/Ciesp Departamento de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - DMA Av. Paulista, 1313 - CEP 01311-923 - São Paulo - SP Tel.: (11) 3549-4499 - Fax: (11) 3549-4570 e-mail: atendimento@fiesp.org.br / home page: www.fiesp.com.br

PINHEIRONETOADVOGADOS

OLA AMIGO COMERCIO DE CHAPA DE AÇO E OBRIGATORIO TER CETESB..POIS E COMPRA E VENDA MAO ATINGE O MEIO AMBIENTE PODERIA ME DA UMA ORIENTAÇAO ..OBRIGADA
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 50 páginas