Lipidios - Apostilas - Biologia, Notas de estudo de Biologia. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS)
Paulo89
Paulo891 de Março de 2013

Lipidios - Apostilas - Biologia, Notas de estudo de Biologia. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS)

PDF (246 KB)
8 páginas
1Números de download
900Número de visitas
Descrição
Apostilas sobre os lipidios, definição, tipos, ácidos graxos, teste da solubilidade, resultados e discussões.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 8
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 8 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 8 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 8 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 8 pages
baixar o documento

Lipedes

1. INTRODUÇÃO

Os lipídios junto com as proteínas, ácidos nucléicos e carboidratos, compõem as estruturas biológicas e fazem parte de um grupo conhecido como biomoléculas. Estes lipídios encontram- se distribuídos em todos os tecidos, principalmente nas membranas celulares e nas células do tecido adiposo. Diferente das demais biomoléculas, os lipídios não são polímeros. Esses podem apresentar uma estrutura química relativamente simples, porém as funções dos lipídios são complexas e diversificadas, que atuam em muitas etapas importantes do metabolismo e na definição das estruturas celulares. Essas biomoléculas são também altamente solúveis em solventes orgânicos, porém não solúveis em água. Algumas dessas biomoléculas formam filmes sobre a superfície da água e até mesmo agregados organizados na solução (1).

A cadeia lateral tem um importante papel na solubilidade dos lipídios, se essa for pequena, geralmente é solúvel em solventes polares como a água, porém se essa cadeia for grande haverá insolubilidade dos lipídios na presença de solventes polares.

A reação que tem como resultado a liberação do glicerol e formação de sais de ácidos graxos, originados pela incorporação do sódio à molécula de ácido graxo é denominada de saponificação, que é o processo no qual ocorre à formação de sabão. Os sabões constituídos por sais de sódio (Na+) e de potássio (K+), que são solúveis em água. Diferentemente, os sais de cálcio (Ca2+) e magnésio (Mg2+) formados a partir da reação do lipídeo com Ca (OH)2 e Mg(OH)2, geralmente são insolúveis em água, além de precipitar (2).

Quando há adição de iodo em uma solução contendo lipídios (ácidos graxos), acontece uma reação de halogenação, em que o iodo reage com as duplas ligações dos ácidos graxos insaturados. Se houver dupla ligação nesses, o iodo será consumido e a coloração característica da solução de iodo diminuirá sua intensidade de coloração (3).

. INTRODUÇÃO

1.1. Lipídios

Os lipídios, são um conjunto de substâncias químicas que, diferentemente de outras classes de compostos orgânicos, não são caracterizadas por algum grupo funcional comum, e sim pela sua alta solubilidade em solventes orgânicos e baixa solubilidade em água. Juntamente com as proteínas, ácidos nucléicos e carboidratos, os lipídios são componentes essenciais das estruturas biológicas, e fazem parte de um grupo conhecido como biomoléculas. Os lipídios se encontram distribuídos em todos os tecidos, principalmente nas membranas celulares e nas células de gordura.

docsity.com

Existem diversos tipos de moléculas diferentes que pertencem à classe dos lipídios. Embora não apresentem nenhuma característica estrutural comum todas elas possuem muito mais ligações carbono-hidrogênio do que as outras biomoléculas, e a grande maioria possui poucos heteroátomos. Isto faz com que estas moléculas sejam pobres em dipolos localizados (carbono e hidrogênio possuem eletronegatividade semelhante). Uma das leis clássicas da química diz que "o semelhante dissolve o semelhante": daí a razão para estas moléculas serem fracamente solúveis em água ou etanol (solventes polares) e altamente solúveis em solventes orgânicos (geralmente apolares).

Ao contrário das demais biomoléculas, os lipídios não são polímeros, isto é, não são repetições de uma unidade básica. Embora possam apresentar uma estrutura química relativamente simples, as funções dos lipídios são complexas e diversas, atuando em muitas etapas cruciais do metabolismo e na definição das estruturas celulares.

Os químicos podem separar os lipídios de uma amostra biológica através de uma técnica conhecida como extração; um solvente orgânico é adicionado a uma solução aquosa da amostra e, com um auxílio de um funil de separação, obtém-se a fase orgânica rica em lipídios. Com a evaporação do solvente orgânico obtém-se o lipídio. É desta maneira que, em escala industrial, se obtém o óleo vegetal.

Alguns lipídios têm a habilidade de formar filmes sobre a superfície da água, ou mesmo de formar agregados organizados na solução; estes lipídios possuem uma região, na molécula, polar ou iônica, que é facilmente hidratada. Este comportamento é característico dos lipídios que compõe a membrana celular. Os lipossomos são "microenvelopes" capazes de envolverem moléculas orgânicas e entregarem-nas ao "endereço biológico" correto.

Presidente Prudente, 28 de abril de 2010 2

1.2. Ácidos Graxos

A hidrólise ácida dos triacilglicerídios leva aos correspondentes ácidos carboxílicos - conhecidos como ácidos graxos. Este é o grupo mais abundante de lipídios nos seres vivos, e são compostos derivados dos ácidos carboxílicos. Este grupo é geralmente chamado de lipídios saponificáveis, porque a reação destes com uma solução quente de hidróxido de sódio produz o correspondente sal sódico do ácido carboxílico, isto é, o sabão.

Os ácidos graxos possuem um pKa da ordem de 4,8. Isto significa que, em uma solução onde o pH é 4,8, metade da concentração o ácido está ionizada; a um pH maior (7, por exemplo) praticamente todo o ácido encontra-se ionizado, formando um sal com o seu contra-íon; num pH menor (3, e.g.) todo o ácido encontra-se protonado.

docsity.com

A natureza do cátion (contra-íon) determina as propriedades do sal carboxílico formado. Em geral, sais com cátions divalentes (Ca2+ ou Mg2+) não são bem solúveis em água, ao contrário do formado com metais alcalinos (Na+, K+, etc.), que são bastante solúveis em água e em óleo - são conhecidos como sabão. É por este motivo que, em regiões onde a água é rica em metais alcalinos terrosos, é necessário se utilizar formulações especiais de sabão na hora de lavar a roupa. Na água, em altas concentrações destes sais, ocorre a formação de micelas - glóbulos microscópicos formados pela agregação destas moléculas. Nas micelas, as regiões polares das moléculas de sabão encontram-se em contato com as moléculas de água, enquanto que as regiões hidrofóbicas ficam no interior do glóbulo, em uma pseudofase orgânica, sem contato com a água.

A adição de HCl a uma solução aquosa de sabão provoca a precipitação do ácido graxo, que é pouco solúvel em água e, em solução aquosa, tende a formar dímeros através de fortes ligações hidrogênio.

Os ácidos graxos também podem ser classificados como saturados ou insaturados, dependendo da ausência ou presença de ligações duplas carbono-carbono. Os insaturados (que contém tais ligações) são facilmente convertidos em saturados através da hidrogenação catalítica (este processo é chamado de redução). A presença de insaturação nas cadeias de ácido carboxílico dificulta a interação intermolecular, fazendo com que, em geral, estes se apresentem, à temperatura ambiente, no estado líquido; já os saturados, com uma maior facilidade de empacotamento intermolecular, são sólidos. A margarina, por exemplo, é obtida através da hidrogenação de um líquido - o óleo de soja ou de milho, que é rico em ácidos graxos insaturados.

2. OBJETIVO

Testar a solubilidade dos lípides, conhecer a reação de saponificação e pesquisar a presença de insaturações.

3. MATERIAIS E METODOS

3.1.Materiais

5 Tubos de Ensaio

Caneta Hidrográfica

docsity.com

Óleo (amostra)

Água

Álcool Etílico

Éter Etílico

Lugol

Margarina

Solução de Amido 1%

Solução Alcoólica de Hidróxido de Potássio a 10%

2 Pipeta de Pasteur

3 Pipetas de 2 mL

2 Pipetas de 5mL

Banho-Maria (Placa Aquecedora + Béquer com água)

Erlenmeyer

3.2.Métodos

3.2.1.Teste da Solubilidade

Os tubos de ensaio foram numerados como 1, 2 e 3, com a caneta hidrográfica. Ao Tubo 1 foi adicionado 5 gotas de óleo (amostra) mais 2 mL de água. No Tubo 2 foi colocado 5 gotas de óleo (amostra) mais 2mL de álcool etílico. Para a reação do Tubo 3 colocado 5 gotas de óleo (amostra) mais 2 mL de éter etílico, o qual estava armazenado na capela.

Todas as preparações descritas anteriormente foram realizadas com o auxílio de Pipeta de Pasteur (para medição das gotas de óleo) e pipeta de 2 mL (para medir a quantidade de água, álcool e éter).

Agitou-se os Tubos cuidadosamente para analisar a solubilidade da amostra (óleo) nos respectivos solventes e anotou-se os resultados obtidos para posterior análise.

3.2.3.Saponificação

docsity.com

Em um Erlenmeyer colocou-se 2 mL de óleo (amostra) e adicionou-se 5 mL da solução alcoólica de Hidróxido de Potássio (KOH) a 10%. Deixou-se o Erlenmeyer sobre a Placa Aquecedora e manteve-se em ebulição até evaporar o líquido. Após resfriamento à temperatura ambiente, acrescentou-se 10 mL de água e agitou-se. Observou-se o resultado, o qual foi anotado para posterior análise.

3.2.4.Pesquisar a Presença de Insaturações

Numerou-se 2 Tubos de ensaio. No Tubo 1 colocou-se 5mL de óleo de soja e mais 10 gotas de Lugol. Já no Tubo 2 colocou-se 5mL de margarina derretida com mais 10 gotas de Lugol.

Para as preparações descritas anteriormente utilizou-se Pipeta de Pasteur (para medição das gotas de Lugol) e Bureta de 5 mL (para medir a quantidade de óleo e margarina).

Ferveu-se os Tubos de ensaio em banho-maria até que desaparecesse a coloração vermelho- alaranjada provocada pelo Lugol.

Após resfriamento à temperatura ambiente, adicionou-se 3 gotas da solução de amido 1% em cada Tubo. Observou-se os resultados, os quais foram anotados para posterior análise.

Adicionou-se mais 4 gotas de Lugol em cada Tubo, como contraprova; observou-se os resultados e anotou-se para posterior análise.

4. RESULTADOS E DISCUSSÕES

4.1.Teste da Solubilidade

Observou-se que no Tubo 1 (água + óleo) houve separação entre os líquidos, sendo que a água ficou na porção superior e o óleo na inferior, na forma de gotículas de gordura. O mesmo ocorreu para o Tubo 2 (álcool + óleo), mas a separação entre os líquidos apresentou-se de forma distinta, sendo que o álcool ficou na porção inferior e o óleo na superior. Porém no Tubo 3 (éter + óleo) não houve separação entre os líquidos (Tabela 1).

Tabela 1: Teste da Solubilidade

Tubo de Ensaio Resultado

docsity.com

1 Bifásico

2 Bifásico

3 Uma Fase

Desta forma pode-se dizer que no teste de solubilidade dos lipídeos tanto a solução mistura do Tubo 1 quanto a do Tubo 2 demonstra a incapacidade da água em dissolver o óleo

Isso é explicado pelo fato de que o óleo apresenta uma longa cadeia lateral, pois apenas ácidos graxos em que predomina a parte apolar da molécula, são solúveis em água. Em contrapartida, o Tubo 3 apresentou apenas uma fase, o que sugere que o óleo é solúvel em éter.

4.2.Saponificação

Após a adição de água e agitação da matéria sólida que resultou no fundo do Erlenmeyer observou-se formação de espuma.

4.3.Pesquisar a Presença de Insaturações

Antes de Aquecer: cor vermelho-alaranjado

Depois de Aquecer:

Com amido?

Com mais 4 gotas de Lugol?

Fazer Discussão!

5. CONCLUSÃO

5.1.Teste da Solubilidade

docsity.com

5.2.Saponificação

5.3.Pesquisar a Presença de Insaturações

4.CONCLUSÃO

Os óleos vegetais constituem-se em lipídios, podendo ser identificados pela análise de suas

propriedades químicas e físicas como a estrutura molecular, força iônica, solubilidade, entre outras.

O fato dos óleos vegetais serem compostos por três moléculas de ácidos graxos esterificadas a uma molécula de glicerol permite a sua caracterização nas reações de saponificação, que formam sabão e álcool . Nesse caso, além dos óleos vegetais, utiliza-se também gordura animal na fabricação de sabões, daí que quanto maior o número de insaturações presentes na molécula, menor seu ponto de fusão e mais facilmente se obtém o produto desejado(sabão). Além disso, como foi visto no experimento 4, com a adição de solução clorofórmica de iodo 1%, o ácido graxo mais insaturado apresentou maior descoloração, isto devido ao caráter instável desse composto, o iodo consegue ligar-se com maior facilidade. É importante destacar também que óleos de qualidade superior,benéficos à saúde humana, apresentam grande quantidade de insaturações.

As características quanto à polaridade dos óleos foi analisada nas reações de solubilidade, em que estes apresentam-se solúveis em compostos orgânicos (éter, clorofórmio) e insolúveis na presença de substâncias polares como a água.

Por fim, apesar de alguns erros grosseiros quanto à manipulação dos aparelhos, todos os resultados

atingiram as características pré-estabelecidas pelos conceitos teóricos.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

(1) MINATTI. Lipídios as biomoléculas hidrofóbicas. Disponível em: . Acesso em : 21 de Abril de 2010, ás 21:25 horas.

(2) SOUZA, Karina. AP. de Freitas Dias; NEVES, Valdir Augusto. Saponificação.

Disponível em: . Acesso em: 21 de Abril, ás 21:46 horas.

docsity.com

(3) UFP - Universidade Federal da Paraíba. Lipídios. Disponível em: . Acesso em : 21 de Abril, ás 22:02 horas.

(4) Bioquímica, Lipídeos. Disponível em: . Acesso em 19 de abril de 2010,

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

LEHNINGER, ALBERT LESTER. Princípios de bioquímica. 4ª edição. São Paulo: SARVIER,

2006.

MARZZOCO, ANITA & TORRES, BAYARDO B. Bioquímica Básica. 3ª edição. Rio de Janeiro:

GUANABARA KOOGAN, 2007.

MINATTI. Lipídios, as biomoléculas hidrofóbicas. Revista eletrônica do departamento de química, UFSC. Florianópolis.

http://agronomiaagronomia.blogspot.com/2010/09/relatorio-de-aula-pratica-de-lipideos.html

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 8 pages
baixar o documento