LIVRO-Software Livre, Cultura Hacker e o Ecossistema da Colaboração , Manuais, Projetos, Pesquisas de Cultura
daniel-palin-2
daniel-palin-2

LIVRO-Software Livre, Cultura Hacker e o Ecossistema da Colaboração , Manuais, Projetos, Pesquisas de Cultura

272 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
1Número de comentários
Descrição
Software Livre, Cultura Hacker e o Ecossistema da Colaboração
80 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 272
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 272 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 272 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 272 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 272 páginas

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Biblioteca Prof. José Geraldo Vieira

S664

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração / organização Vicente Macedo de Aguiar ; ilustrações

Murilo Machado. -- São Paulo: Momento Editorial, 2009. Vários autores.

ISBN 978-85-62080-03-6

1. Ciência da computação 2. Software livre 3. Cultura hacker 4. Ecossistema da colaboração I. Aguiar, Vicente Macedo de II. Machado, Murilo

CDD 005.1

Software livre, cultura hacker e ecossistema

da colaboração

Anderson Fernandes de Alencar Murilo Bansi Machado

Rafael Evangelista Sergio Amadeu da Silveira

Vicente Macedo de Aguiar (Org)

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Software livre, cultura hacker e ecossistema da colaboração

Revisão Karina Bersan Rocha

Diagramação Murilo Bansi Machado

Capa Aurélio A. Heckert

Anderson Fernandes de Alencar Murilo Bansi Machado

Rafael Evangelista Sergio Amadeu da Silveira

Vicente Macedo de Aguiar (Org)

Momento Editorial 2009

Conteúdo licenciado pela Creative Atribuição-Compartilhamento pela Licença 2.5 Brasil Com- mons. Essa licença permite copiar, distribuir, exibir e criar obras derivadas sobre esta obra. As novas obras devem conter menção aos autores nos créditos, porém as obras derivadas precisam ser licenciadas sob os mesmos termos dessa licença.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

“Se você tem uma maçã e eu tenho uma maçã, e nós trocamos as maçãs, então

você e eu ainda teremos uma maçã. Mas se você tem uma idéia e eu tenho uma

idéia, e nós trocamos essas idéias, então cada um de nós terá duas idéias”

George Bernard Shaw

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Sumário

7 Introdução

Vicente Macedo de Aguiar

15 Distros e comunidades: a dinâmica interna de

Debian, Fedora, Slackware e Ubuntu Murilo Bansi Machado

39 Software Livre e a Perspectiva da Dádiva: uma análise sobre a

produção colaborativa no projeto GNOME Vicente Macedo de Aguiar

79 Política e Linguagem nos debates sobre software livre

Rafael Evangelista

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

151 A tecnologia na obra de Álvaro Vieira Pinto e Paulo Freire

Anderson Fernandes de Alencar

movimento do software livre

189 Mobilização colaborativa, cultura hacker e a

teoria da propriedade imaterial Sergio Amadeu da Silveira

271 Debates e discussões interativas

Introdução

A civilização do século XXI está cada vez mais conectada. As tecnologias da informação, a exemplo da Internet, estão se tornando uma espécie de “tecido digital” do cotidiano da vida humana. Assim, cada vez mais a rede mundial

dinâmica econômica, política e cultural do mundo moderno. Esse contexto atual de

transformações que anunciam até mesmo a superação da era industrial por uma

os estudos que procuram analisar a singularidade de um fenômeno que está diretamente ligado a esse contexto de conectividade e que, ao mesmo tempo,

mudanças ligados ao mundo digital: os denominados softwares livres. Em outras

comunidades e aos projetos que estão voltados para o uso, o desenvolvimento e a

forma, sendo marginalizados e pouco compreendidos.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Introdução

A civilização do século XXI está cada vez mais conectada. As tecnologias da informação, a exemplo da Internet, estão se tornando uma espécie de “tecido digital” do cotidiano da vida humana. Assim, cada vez mais a rede mundial

dinâmica econômica, política e cultural do mundo moderno. Esse contexto atual de

transformações que anunciam até mesmo a superação da era industrial por uma

os estudos que procuram analisar a singularidade de um fenômeno que está diretamente ligado a esse contexto de conectividade e que, ao mesmo tempo,

mudanças ligados ao mundo digital: os denominados softwares livres. Em outras

comunidades e aos projetos que estão voltados para o uso, o desenvolvimento e a

forma, sendo marginalizados e pouco compreendidos.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Assim, em vez de fechar os olhos para essa realidade (social) singular que

é ser contra ou a favor, mas sim reconhecer as mudanças qualitativas na ecologia

humanas, que foram desenvolvidos em diferentes universidades e centros de

do Software livre, Cultura hacker e o ecossistema da colaboração.

Distros e comunidades: a dinâmica interna de Debian, Fedora, Slackware e Ubuntu, é apresentada pelo autor uma análise com­ parativa entre tais comunidades on-line, em que são explorados elementos con­ siderados fun damentais para compreender a dinâmica interna de cada uma delas como, por exemplo, as formas de comunicação, as relações de poder, o período de

nidade on-line Software Livre e a Perspectiva da Dádiva: uma análise sobre o trabalho e a produção colaborativa no Projeto GNOME

nessa comunidade.

Rafael Evangelista apresenta um artigo intitulado Política e Linguagem nos debates

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

sobre o software livre

e desvantagens da adoção de sistemas livres em computadores. A partir de uma concepção que considera que o acontecimento de linguagem é um acontecimento

Na quarta seção deste livro, Anderson Fernandes de Alencar traz, dentro A Tecnologia na obra de Álvaro

Vieira Pinto e Paulo Freire, como resultado de uma dissertação de mestrado, defen­

apresenta um artigo intitulado Mobilização Colaborativa, Cultura Hacker e a Teoria da Propriedade Imaterial

no contexto de uma sociedade informacional e em rede.

apresentado ao longo de todos os artigos.

A gênese do fenômeno dos softwares livres

apresentados, este livro parte do pressuposto de que se faz necessário para o

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

de um sistema operacional capaz de rodar em todos os tipos de computadores

como, por exemplo, o Computer System Research Group, da Universidade Ber­

o que foi considerado o mais avançado sistema operacional da época: o Berkeley Software Distribution (BSD).

permitiu a comunicação entre computadores e programação de computador cumu­

apud

1

um grupo de programadores, lançou­se nesse momento no árduo processo de

com a sigla GNU (um acrônimo recursivo para “GNU is Not Unix”).

Microsoft Corporation

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Free Software Fundation (FSF)

copyright pelo “copyleft”. General Public License), tendo

HURD

criar um sistema operacional capaz de lidar com a complexidade de computadores cada vez mais potentes interagindo por meio da Internet”

Microsoft co­

considerado tecnologicamente inferior. No entanto, pelo fato de ter uma interface

Copyleft

funcionar, o kernel é o mais importante “pacote” desse sistema. Isto porque o kernel realiza todas as operações mais

“sistema nervoso” de um sistema operacional para computadores, dada a sua complexidade e funcionalidade.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

C. Ao terminar sua primeira versão, ele

Newsgroup4 na Internet, em agosto de 1991, pedindo então ajuda e cooperação de outros programadores no desenvolvimento desse

Newsgroup é uma ferramenta de discussões na Internet, onde usuários postam mensagens de texto (denominadas e-mail), que

são transmitidas quase que diretamente do remetente para o destinatário, os artigos postados nos newsgroups são retransmitidos através de uma extensa rede de servidores conectados entre si.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

ANO EVENTO 1950s e

1960s 1969

1978 1979

Berkeley Software Distribution).

que posteriormente evolui para o Sendmail. 1983

cria a Free Software Foundation. 1987

1991

1993

1994 Red Hat

1995

1996 desktop com alguns aplicativos proprietários.

1997 desktop

1999 2000 Novas empresas multinacionais de TI (como a Novel e Real) lançam versões de

2001 o mundo.

2007 apenas um dos SourceForge.net.

Open Source Timeline

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Distros e comunidades a dinâmica interna de Debian, Fedora,

Slackware e Ubuntu

Murilo Bansi Machado

Ao contrário do que alguns apregoam, o universo open source está longe de ser homogêneo. Em torno de um objeto em comum – o software livre –, acham-

embora convirjam em inúmeros pontos, detêm vários atributos que a elas são muito

Entre os aspectos em comum, pode-se citar o fato de todas se valerem de

produção entre pares, elementos-chave da cultura hacker. Os muitos voluntários, motivados por uma busca pelo conhecimento, pela possibilidade de se relacionar

desejos à comunidade e se empenham em tarefas nas quais sejam mais hábeis

forma consistente as limitações do paradigma neoliberal dominante porque seus trabalhadores não têm perspectiva de um retorno que possa ser lucrativo e suas ações não são respaldadas por leis ou contratos, prevalecendo, portanto, um ambiente de troca, e as comunidades de software livre só se tornam projetos possíveis em função disso.

Nesse sentido, também não são poucos os pontos em que as comunidades se distanciam. Observaram-se, de um lado, modos de trabalho um tanto rígidos e

user-friendly possível e, assim,

Os hackers

as pesquisas que compõem este livro, o termo hacker não está associado a in­ divíduos irresponsáveis que visam penetrar em sistemas computacionais de forma ilícita – como é normalmente propagado pela mídia de massa tradicional. Esse tipo

crackers e, em geral, são repudiados pelos

este livro consideram que a práxis dos hackers fundamenta uma cultura que diz respeito ao conjunto de valores e crenças que emergiu das redes de programadores de computador que interagiam on-line que visavam resultados inovadores. Assim, essa cultura desempenha um papel

Personal Computer

de uma análise mais aprofundada, que é essa cultura hacker que dá sustentação

produtos empresariais que difundem as tecnologias da informação no “mundo dos átomos” ­ isto é, na materialidade da sociedade capitalista.

Referências

.

International Journal of Electronic Commerce

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Distros e comunidades a dinâmica interna de Debian, Fedora,

Slackware e Ubuntu

Murilo Bansi Machado

Ao contrário do que alguns apregoam, o universo open source está longe de ser homogêneo. Em torno de um objeto em comum – o software livre –, acham-

embora convirjam em inúmeros pontos, detêm vários atributos que a elas são muito

Entre os aspectos em comum, pode-se citar o fato de todas se valerem de

produção entre pares, elementos-chave da cultura hacker. Os muitos voluntários, motivados por uma busca pelo conhecimento, pela possibilidade de se relacionar

desejos à comunidade e se empenham em tarefas nas quais sejam mais hábeis

forma consistente as limitações do paradigma neoliberal dominante porque seus trabalhadores não têm perspectiva de um retorno que possa ser lucrativo e suas ações não são respaldadas por leis ou contratos, prevalecendo, portanto, um ambiente de troca, e as comunidades de software livre só se tornam projetos possíveis em função disso.

Nesse sentido, também não são poucos os pontos em que as comunidades se distanciam. Observaram-se, de um lado, modos de trabalho um tanto rígidos e

user-friendly possível e, assim,

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

diversidades são, pois, patentes aos olhos. Para fundamentar toda esta nossa discussão, foram analisadas quatro

distribuições de software livre durante o ano de 2008. São elas: Debian, Fedora, Slackware e Ubuntu. Para tal, acompanhamos fóruns, listas de discussões, comuni-

distribuições em meio a uma vastidão delas,1

buscou-se trabalhar com comunidades cuja representatividade no Brasil fosse alta – não apenas em termos de números, mas em participação e envolvimento. Outra

que remete à estrutura de sua fundação, consolidação e funcionamento. Dessa

são mantidas por grandes empresas que dão apoio aos trabalhos prestados pelos colaboradores das respectivas comunidades –, Slackware e Debian são os maiores

intensas atividades de seus voluntários.

grupos, dos projetos e das distribuições, apontando brevemente algumas de

elementos considerados chave para compreender a dinâmica interna de cada

inócua ou no reducionismo caricatural.

Breve Histórico e características gerais das distribuições

Slackware Linux

encontrada em muitos fóruns, listas de discussão, comunidades do Orkut etc., descreve o espírito que está solenemente incutido na mente de grande parte dos colaboradores dessa distribuição.

Slackware

1 Segundo o site Distro Watch de 1000 distribuições em atividade em todo o mundo

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

e uma das primeiras a serem lançadas, sendo que sua criação data de 16 de Julho

slackers), the man) e BDFL (Benevolent Dictator For

Life

projeto, e apenas em um segundo momento aceitou a ajuda de outros desenvol- vedores, que ainda hoje são poucos. Já o nome que escolheu é originário do próprio

Igreja do Sub-gênio2 comumente

Keep it simple, stupid slackers se habituaram a manter um sistema

não conta com a ajuda de barras, menus e ícones intuitivos para trabalhar com

plenamente à disposição de quem opera a máquina, alguém que tem o poder de garantir a segurança e o bom andamento de quaisquer aplicações.

Hoje, nem mesmo o próprio processo de instalação do Slackware é total-

imediato. Os slackers, no entanto, acreditam que o sistema é simples à medida que

angariada durante o processo de pesquisa a que o iniciante se submete nos primeiros momentos.

Além de simples e, portanto, leve, o Slackware tem por característica

que cumprem o papel de servidores de sistema e devidamente aproveitado por

2 Igreja do Sub-gênio

da cultura popular.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

No Brasil, a comunidade Slackware

promover a troca de informações sobre a distribuição e ser uma referência diante

projeto de seus fundadores3 tem sido bem-sucedido. Slackware? Patrick

4

Ubuntu Linux

Se, nos dias atuais, a imagem que se consolidou quanto ao fato de os

hackers ou grandes peritos em informática está em grande parte superada, isso

5

20 milhões de dólares, tornou-se o segundo turista espacial do mundo a bordo da

6

4 O que não ocorre em algumas distribuições, nas quais são estabelecidas certas periodicidades para o lançamento

julgam ser um sistema perfeito. Por isso, a periodicidade pode variar: no ano de 1993, foram lançadas 5 versões. Em

e o da direita, ao mês. Quanto aos codinomes, trata-se de uma prática muito comum associar um apelido a cada versão lançada.

menos recursos, contendo apenas por software livre em todas as aplicações.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

mantenedores do sistema em diversos cantos do mundo até o envio gratuito de

acessível e com analogias fáceis de serem compreendidas. A nacionalidade do usuário, como dito, também não costuma ser uma barreira, já que o sistema é

a cada seis meses, o Ubuntu é geralmente lançado após decorrido, em média, um

vários subtimes que trabalham para aprimorar a distribuição. Entre eles estão:

agrega as informações postadas em blogs de membros da comunidade), Segurança,

nos estados. por meio do Launchpad8 – um conjunto de aplicações na plataforma web usado no desenvolvimento de programas de código aberto, controlando tarefas e facilitando todo o processo de colaboração. Para que um indivíduo comece a participar da comunidade ajudando ativamente, criar uma conta no Launchpad é um ótimo começo.

Distrito Federal. Nada impede, entretanto, que algum usuário reúna um grupo de pessoas e crie um novo grupo regional onde não houver nenhum.

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Debian GNU/Linux

todo o mundo, a comunidade Debian se destaca por ter um grande número de

que juntou as três letras iniciais do nome de sua mulher, Debra, com seu primeiro

e da Free Software Foundation (entre 1994 e 1995), a distribuição começou com um

Para disciplinar todas essas pessoas na elaboração de um sistema de alto

comunicação, conduta etc., bastante comum às outras comunidades – uma

a assumir um compromisso com a comunidade declarando, entre outras coisas,

na comunidade, dividindo-a em grupos cuja composição e poderes são claramente

sobre os trabalhos individuais. Pelo contrário, ela assegura sua independência.

consiste em 9 (incluindo líder, comitê técnico e secretário), trabalhadores ligados à Distribuição gerência de lançamento, documentação etc.), à Publicidade (imprensa, eventos, parceria, marketing) e à Infra-estrutura (suporte a idiomas, acompanhamento dos bugs, mantenedores de chaveiros, equipe de segurança, site na web etc.) e Distribuição Personalizada (

sendo que a comunidade prefere usá-lo apenas como última alternativa.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

hierarquia: 1. Os desenvolvedores,10 por via de resolução geral ou de uma eleição; 2. O líder do Projeto; 3. O comitê técnico e/ou seu presidente; 4. O desenvolvedor individual trabalhando em uma tarefa particular; 5. Delegados apontados pelo líder

recolher os votos entre os desenvolvedores, determinar seu número e identidade

evidencia-se uma estrutura fundamentada, mais do que na meritocracia, na

Além disso, um usuário deve ter grande envolvimento nos trabalhos para

perguntado, no FISL 2008, sobre os requisitos para se tornar um desenvolvedor, um

um pouco mais rígidas do que nas demais comunidades (mas que, de fato, não

estabilidade dos pacotes por parte dos mantenedores.11 No Debian, nada do que

implica abrir mão de uma versão mais atual para dar lugar a algo mais antigo, porém

previamente marcadas para isso acontecer.

de desenvolvedores ou de pessoas que trabalham mais ativamente no software

de desenvolvedores europeus e norte-americanos. No entanto, o número de

por provas de habilidade técnica e compreensão ética e moral com relação ao software livre e à comunidade Debian.

distribuição.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Fedora

O Projeto Fedora teve início em 2002, quando a empresa Red Hat, criada

open source. Dessa forma, dividiu sua distribuição em duas: Red Hat Enterprise

em boa parte pela comunidade. Sustentado pela Red Hat, o Projeto teve investimento inicial em pessoas,

divulgação e eventos e é considerado um laboratório de inovação, pesquisa e

como uma parceria entre comunidade e empresa, o Projeto, que lança uma nova

recente e corre o risco, em nome da inovação, de portar uma aplicação passível de bugs

depois da data de lançamento. Fedora Ambassadors Steering

Committee 12 eleito a cada seis meses por

as comunidades locais. Atualmente, o brasileiro Rodrigo Padula de Oliveira é um de seus membros. Nas eleições de Janeiro de 2008, recebeu o maior número de votos (41 do total de 69), o que corroborou a credibilidade e a representatividade da comunidade brasileira diante do Projeto. Além disso, Padula também assumiu o cargo de Community Manager

– por 5 membros indicados pela Red Hat e 4 membros eleitos pela comunidade.

de 2008, a força da comunidade aumentou substancialmente e o quadro foi revertido:

em geral, ser um intermediário na comunicação entre membros da comunidade e ajudar a recrutar novos membros. Ser

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

One Laptop Per Child).

Uma das grandes bandeiras do Fedora é a facilidade de uso. Para isso, o

Dinâmica interna das distribuições

Barreira de entrada e processo de recrutamento de novos colaboradores

livre costumeiramente creem que, para ajudar determinada distribuição ou comunidade, é necessário

usando a distribuição e testando o sistema, o que é amplamente salientado nos sites de vários projetos:

Debian

13

Fedora usuários -> mais bugs resolvidos -> sistema operacional de melhor qualidade ->

14

13 Disponível em: http://www.debian.org/intro/help sistema operacional e os programas nele disponíveis e reportar quaisquer erros ou bugs ainda não conhecidos usando

14 Disponível em: http://www.projetofedora.org/portal/participe. Acesso em julho/2008.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Slackware

15

disseminação do software livre em todas as esferas da sociedade, não medindo esforços para tal –, há muitos membros nas comunidades estudadas que pensam

do interesse do indivíduo, fornece todo o apoio necessário para tirar suas dúvidas e direcioná-lo à área de seu interesse. Já um dos líderes do Ubuntu-SP, Paulo

distribuição. Segundo ele, isso fará com que esses usuários busquem por respostas

ajuda necessária, empenhando-se na inserção dos novatos. Além disso, nos fóruns e listas de discussão de todas as distribuições, há tópicos destinados a usuários

geral. Quando à barreira de entrada nas comunidades, há um choque maior das

slackers aparentam (o que, como veremos, não corresponde à realidade) usar de uma postura arrogante quando se deparam com usuários principiantes.16 De fato, não é raro observar nos fóruns da

Read the fucking manual

Freenode no slackers

15 Disponível em: http://www.slackware.com/faq/do_faq.php?faq=general

reportar bugs. Isso tornará o Slackware ainda mais estável do que é agora.

sentados ou deitados no chão do grande saguão no qual várias comunidades e empresas instalaram seus estandes. De

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

de respondê-la autonomamente. Depois disso, será respeitado por seus pares, que seguramente o ajudarão a resolver os problemas.

Desfeito esse mito sobre o Slackware, passemos às outras distribuições, nas quais as barreiras de entrada variam muito. Em linhas gerais, membros do

essas distribuições declaradamente se preocupam com a facilidade de uso e com o amplo apoio ao usuário leigo, alguns membros chegam a passar um bom tempo respondendo dúvidas nos e-mails pessoais – o que é contra o consenso geral de que as perguntas devem ser respondidas nos fóruns para que mais pessoas se

usuários não frequentam fóruns, seja por falta de tempo ou de prática, e tudo o que

do acesso.

e detalhada documentação em português abordando vários aspectos do sistema operacional, além dos sites da distribuição e da comunidade, é difícil que alguém se sinta perdido no Debian. Ademais, muitos de seus representantes brasileiros são

ajudar os usuários. Em suma, a resposta mais comum obtida quando se indagou algum membro

todas elas.

O porta-voz das comunidades

Este tópico consiste na tentativa de buscar nas comunidades uma grande

meritocrática e fundamentar suas atividades nas relações sociais em meio ao

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Observou-se que, na maioria dos casos, esses representantes não se valiam

brasileiro que contribui ativamente no desenvolvimento do sistema operacional e um dos mais antigos usuários da distribuição, é o responsável pela Slackware Zine ao Slackware – como o SlackShow, ocorrido em agosto de 2008. Apesar de tudo,

Quanto à comunidade Debian, a maior parte dos usuários da distribuição e

1998 e com o Debian em 2002), mas seu envolvimento com a comunidade e sua habilidade ao falar sobre ela em público facultaram a ele a possibilidade concreta de

responsável pelo estande do Debian e ministrou palestras sobre a distribuição. Ele

livre). No Projeto Fedora, o nome em destaque é o de Rodrigo Padula. Um dos

Community Manager do

os casos em que Rodrigo ajudou pessoalmente na inserção de novos membros

convidando o usuário Otávio para coordenar o projeto. Em outra oportunidade,

Soares, hoje chefe da tradução, não saísse do Projeto Fedora.

aí que Rodrigo Padula e Diego Zacarão me convidaram para entrar no

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

contribuição dentro do projeto eram totalmente favoráveis

entanto, são fortes líderes locais, que ajudam a fomentar o uso e a disseminação

A comunicação interna e externa

Evidentemente, o ciberespaço é o grande ponto de encontro das comunidades

presenciais por meio de eventos comemorativos ou fomente a participação de seus membros em congressos, palestras, fóruns e conferências, a imensa maioria das tarefas dos membros das comunidades se dá por meio de (não necessariamente na ordem de relevância ou quantidade):

- Listas de discussão (mailing lists): trata-se de um mecanismo que roda na

- Fóruns: Ambiente mais propício à solução de dúvidas e troca de informações. Diferentemente das listas de discussão, as mensagens não circulam no ambiente

fóruns; - scripts) de chat. Através do

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

possui canais, isto é, salas em que se pode conversar abertamente ou em particular. As comunidades estudadas mantêm canais ativos na rede Freenode (irc.freenode.

reuniões ou simplesmente conversam sobre assuntos triviais. Durante a pesquisa,

Canal #fedora-br da rede Freenode - Blogs: Os usuários mais representativos comunicam seus feitos ou os rumos tomados pela distribuição em seus blogs pessoais, que, em determinados casos, são hospedados pelos servidores da própria distribuição;

- Planeta todos os blogs que têm alguma ligação com a distribuição, com o software livre ou

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

com questões relacionadas à tecnologia de um modo geral. À medida que o usuário

estarão os posts de outros blogueiros. As comunidades Ubuntu e Debian têm seu próprio Planeta Brasil, ao passo que a comunidade Fedora tem apenas o Planeta do projeto internacional;

- E-mail: Em geral, não é recomendável que se tirem dúvidas ou se troquem informações por meio dos e-mails pessoais. Parece ser um consenso entre os

poucos membros ainda se dispõem a responder dúvidas pelos e-mails, pois

- Zines contendo, na maioria dos casos, artigos técnicos com resolução de problemas ou

referências à comunidade, informações sobre jogos, perguntas e respostas etc.

Esses mecanismos tratam mormente da comunicação interna, isto é,

alguém que não faça parte das atividades de sua distribuição participe ativa ou

Hierarquias e relações de poder

Os preceitos de liberdade apregoados pelos membros das mais variadas

estão envolvidas em relações de poder fundamentadas na cultura meritocrática e a liderança que nelas se estabelece está sujeita a avaliações pessoais por parte

uma atitude que não corresponda aos anseios e vontades da comunidade, os colaboradores podem resolver contribuir com outro projeto ou não mais contribuir.

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

do Fedora Board, quatro dos nove membros pertencem à Red Hat. Já nas comu- nidades das distribuições não-comerciais, os conselhos são compostos, eviden- temente, apenas por colaboradores. No caso do Debian, conforme abordamos

muito precisa. O projeto tem um líder, um comitê técnico (com seu respectivo presi-

próprias eleições internas.

atividades básicas da tradução, documentação, grupos regionais, divulgação etc.

como é o caso de Fedora e Ubuntu) e incentivar novos colaboradores.

ou os que têm atividades mais locais, chegaram a seus atuais postos em função das

desempenhar suas funções da melhor maneira possível (seja por falta de tempo, por

projeto. No que se refere às relações líderes-liderados, também foi possível obser-

maior independência dos colaboradores – que podem desenvolver livremente seus

–, no Projeto Fedora, há um acompanhamento um pouco maior por parte dos

se envolvem. Já no Debian, a questão central não está tão ligada à relação entre líderes e colaboradores quanto ao maior vínculo que estes têm com a distribuição.

comprometimento dos voluntários. Quanto ao Slackware, vê-se que a distribuição foge um pouco às regras

slackers, no desenvolvimento de certo modo fechado. Além de poucas pessoas contribuírem

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

O peso do trabalho brasileiro frente à comunidade internacional

contarem com uma vasta gama de colaboradores espalhados por todo o mundo,

e no próprio mercado (através de empresas que, em muitos casos, dedicam-se apenas aos trabalhos open source) – isso sem mencionar a grande quantidade de

E, malgrado a presença de sistemas operacionais livres não seja tão pronunciada (quando comparada à dos softwares proprietários) entre os assim

têm grande participação também nesse meio. Diante disso, deve-se enaltecer, enérgica e justamente, a atuação de seus protagonistas que, por meio de constantes

lançam à colaboração no Slackware e no Fedora.

se de alto risco. Não convém, evidentemente, tratar apenas do número de membros 18

slackers acreditam que o número

modesta, pode ser considerado um membro, a depender das concepções que disso se faça. Quanto aos usuários, a situação é semelhante. Não é necessário pagar nem tampouco se cadastrar para pode usufruir de qualquer uma das distribuições.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

brasileiro nesse seleto grupo de desenvolvedores Slackware. O segundo, que está relacionado ao primeiro, deu-se nos anos de 2004 e 2005, quando o grande ditador

mensagem à lista de usuários da distribuição:

Acho que todo mundo sabe; mas, para quem não sabe, Patrick

doente. Ele escreveu uma longa carta com a descrição da doença:

t Quem tiver contato com centros de pesquisa ou médicos na área de patologia, poderia passar essa mensagem para eles. Sei que tem vários assinantes da lista que trabalham em

conversar com algum amigo possa quebrar um galhão e ajudar

Falous,

PS/1> Quem não conhecer médicos, centros de pesquisa e

pela melhora do patrick

19

No entanto, a grande prova da relevância da comunidade brasileira está

Brasil) para dar continuidade aos seus trabalhos enquanto se recuperava. Segue a notícia do (PSL-BR) Projeto Software Livre Brasil de 24.11.2004:20

Comunidade GUS-BR passa a auxiliar o Slackware.com

19 Disponível em: l. Acesso em: julho/2008. 20 Disponível em: http://www.softwarelivre.org/news/3353. Acesso em: julho/2008.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

problemas e remendos diretamente na lista slack-users.

do Fedora, sendo que seus esforços para com a comunidade estabelecem uma relação de troca mútua e salutar. À medida que desenvolve seus trabalhos, Rodrigo

reconhecimento da comunidade mundial.

latinas. Há, é claro, outros brasileiros muito ativos, tais como Diego Zarcarão e David

em especial, é uma forma de a nação Fedora, cujos membros estão espalhados por

edição do 1º ano da Fedora Zine, em março de 2008, Rodrigo assinalou:

demonstrou não somente a credibilidade do Projeto Fedora Brasil

esses países, que em grande parte me apoiaram na reeleição... Além, claro, de outros países que acreditam no meu trabalho e em tudo que

mas como mérito de toda a equipe do Projeto Fedora Brasil O Brasil

Latina e um pouco mais madura devido ao tempo de participação,

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Latinoware

Outro fator merecedor de destaque: além de ser numerosa – a maior da

quando não as primeiras.

O tempo dedicado à colaboração

Pensou-se em chegar a algumas posições sobre o tempo que os membros das quatro comunidades dedicam à colaboração, especialmente pelo fato de que

atividade fundamentada basicamente no voluntariado. Os resultados obtidos, em-

penha suas funções durante seu tempo considerado livre, apesar de muitos admi-

ocupados com outros compromissos – como trabalho ou estudo. Em qualquer um dos dois casos, a opção por colaborar, evidentemente, implica relegar a segundo plano qualquer outra atividade, seja ela uma obrigação iminente ou um tempo de

Quando se tentou chegar a uma conclusão sobre a quantidade de tempo

que se tratava de uma tarefa quase impossível. Um desses motivos está no fato de que muitos dos colaboradores estão envolvidos com o mundo do software livre em

estar voltados a uma determinada distribuição: primeiro, aquelas atividades que estão ligadas diretamente ao software, tais como desenvolvimento, programação, tradução, documentação etc.; segundo, todo e qualquer trabalho indireto que faça alusão à distribuição, sendo os mais comuns a divulgação, o incentivo ao uso, a promoção de eventos, palestras e seminários ou a postagem de conteúdos em fóruns e listas de discussões, tirando dúvidas, trocando informações, direcionando os principiantes.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

trabalhos, muitos colaboradores estão envolvidos praticamente durante todo o tempo com suas distribuições. E, de um modo geral, observa-se que a quantidade de tempo despendida é muito variável entre os membros, e isso se dá, entre outras

de comprometimento – e, nesse aspecto, também se notaram muitas diferenças:

em fóruns até militantes que passaram horas respondendo a e-mails pessoais com dúvidas de usuários.

despende para corroborar tais esforços. No entanto, inferiu-se que, em meio à

uma ferramenta que se apresenta com muitos erros.

O conceito de “liberdade” sob a ótica de algumas comunidades

Há vários motivos pelos quais alguém opta por usar um software livre em detrimento de um software proprietário, mas três deles merecem certo destaque – os

algumas pessoas não querem ou não podem pagar pelo alto preço das licenças e, por isso, passam a usar softwares livres, que estão gratuitamente disponíveis na rede.

de software livre, os dois primeiros discursos (a saber, os aspectos técnicos e os

que se deve usar software livre simplesmente porque ele é melhor. Para esses

software proprietário nos casos em que ele funcione melhor ou garanta a facilidade de uso.

Por outro lado, há aqueles que consideram que a liberdade que move aque-

muito, incompleta. Esses usuários estão mais preocupados com as questões

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

sociais implícitas no ato de usar um software livre – ato que, por essência, denotaria independência (seja das licenças proprietárias cobradas pelas grandes corporações,

de inclusão digital em comunidades desfavorecidas e acreditam que a inclusão social está diretamente relacionada à própria inclusão digital – e esta, diga-se,

21 open source

Além dessas divergências, há pequenos embates de ordem técnica que,

ser facilmente ilustrado pelos sistemas Debian e Slackware: no primeiro, quando

mas de todas as suas dependências, facilitando o trabalho do usuário. No caso do Slackware, o aplicativo correspondente é o Slackpkg, que busca apenas o arquivo solicitado, sem suas dependências.22

defendem o uso de seu gerenciador pelo fato de ele proporcionar facilidade de uso. Já grande parte dos slackers, em contrapartida, acreditam que isso fere a liberdade

do Debian, não precisará se preocupar com qualquer ingrediente: o gerenciador buscará pelos grãos, pela água e pelos

terá em suas mãos apenas os grãos, devendo, portanto, buscar todo o resto por conta própria.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

outra coisa tb. Os usuários dessas distros vêem isso como facilidade.

redhat, ele vai querer remover outras coisas junto, mas não foi isso que

Por meio dos breves resultados aqui apresentados, acredita-se, foi possível compreender ao menos uma parte daquilo que se constitui como a dinâmica e o funcionamento de uma comunidade de software livre. Os vários relatos, depoimentos,

universo open source.

sociedade em rede pós-industrial. O novo modo de produção, de avaliação e de

open source possa ajudá-los.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Vicente Macedo de Aguiar

Este capítulo se sedimenta sobre um estudo1

2 de

Projeto GNU Network Object Model Environment, sigla GNOME.

de desktop3 Graphical User Interface – GUI) e um

desktop

livre do projeto GNOME à luz da teoria da Dádiva” f

3 O desktop

desktop.

Software Livre e a Perspectiva da Dádiva uma análise sobre o trabalho e a produção

colaborativa no projeto GNOME

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

segundo objetivo a estruturação de uma plataforma4

colaboradores .

O surgimento do projeto GNOME

Windows e o Mac OS X,

desktop

funcionalidades.

lacuna foi denominado de K – desktop Environment

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Qt toolkit da empresa desktop KDE causou muitas

desktop

. Esse projeto foi denominado de mais

Red Hat e a Eazel.

intuito de fortalecer ainda mais a missão do projeto de desenvolver uma plataforma

comunidade.

O Projeto GNOME e o modelo colaborativo de produção entre pares

ambiente de desktop Graphical User Interface –

hardware). Por

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

1

Linux ou o GNOME, podem ser

livres na Internet.

desktop,

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Catedral.

bugs) poderiam

de qualquer pessoa) de

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

g

interligada apenas pelos liames digitais da rede mundial de computadores. Para

da Plataforma e do desktop

este processo não-contratual de produção em rede.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

GNOME: um “bazar” organizado?

e aplicativos do desktop

nova versão. O fato de o Projeto ser subdividido em diversos aplicativos e bibliotecas

estimula uma forma de divisão da produção em módulos2 de desenvolvimento -

Concurrent Versions System

mantenedor

de patchs. bug) no

patchs,

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Hacking)

Organograma do Projeto GNOME

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

desktop

de seis meses.

pelo Release Manager

3 do desktop Celebrating the release of GNOME 2.12!

Release Manager comunidade.

Planejando o enredo de uma nova versão

para o lançamento de uma outra nova versão do seu desktop

- se reune no seu canal Internet Relay Chat

Release Manager lança um outro e-mail para

desenvolvimento geral da futura versão. Essa proposta passa então a ser discutida

Release Manager.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

RoadMap p).

sibilidade de entrada de novos softwares para serem inseridos na plataforma ou no desktop.

para ser agregado ao sistema GNOME. Da mesma forma como aconteceu na

o

A colaboração dos usuários e a “temporada de caça aos bugs”!

desktop

bugs) da versão Bugzilla

bugs - a

percebidos pelos mantenedores dos pacotes.

aplicativo do desktop passa a ser detectado rapidamente e a sua respectiva solução

bugs desktop

bugs corrigidos) como para a correção de possíveis erros da versão em desenvolvimento.

Catedral Bazar .

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

programadores.

freezes)

Congelamento de Funcionalidadesa) API/ABI Freeze

desktop Feature and Module Freeze). Essa parada acontece com o intuito de GNOME Documentation

Project . Na elaboração

.

Congelamento de Interface de Usuárib) desktop pode

GNOME Usability Project

desktop GNOME.

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Congelamento das mensagens de comando dos softwares c) – Este período visa

GNOME Translation Project)4 começam a

Congelamento de Códigod)

GNOME Marketing Team) lançadas para imprensa e meios de comunicação em geral sobre a nova versão do GNOME.

desktop

desktop livre.

desktop dos seus computadores. Na

desktop

segue ser distribuído livremente para os cinco continentes do planeta.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Perspectiva da Dádiva e o Projeto GNOME

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

ação de dar, receber e retribuir

gift economy) .

dar, receber e retribuir.

A dádiva como fenômeno antropológico

gift.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

da obra Ensaio sobre a Dádiva7

dar, receber e retribuir dádiva

Mauss desenvolveu um estudo sobre a forma e o sentido da circulação e da troca

mais geral e permanente.

Essai sur le don, forme et raison de l’échange dans les sociétés archaïques, in: Sociologie et Anthropologie, collection quadrige

’Année Sociologique

dar, receber e retribuir

in loco

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

A dádiva moderna

cientistas sociais10

11

Revue du MAUSS

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

12.

faire lien

A dádiva entre estranhos

primária13 e a secundária. Em outras

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

novos vínculos.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

O GNOME e a dádiva mediada por computador

Para 14

line de software livre do projeto GNOME à luz da teoria da Dádiva” f

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Grade Analítica Conceito Dimensões Indicadores

Dádiva

Interesse

Reconhecimento

Diversão

Prazer/ Paixão

Poder (Meritocracia)

Desinteresse

Liberdade

Obrigação

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Interesse

interesse em” interesse por”

se tem interesse em interesse por

. Partindo dessa

interesse por, normalmente se manifesta em interesse em)

Desinteresse interesses por

Liberdade

s

interesse por

subordinar o interesse por ao interesse em

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

e saída.

Obrigação

obrigação

considerada um jogo constante entre obrigação e liberdade.

Um trabalho a troco de nada?

17 ainda se apre-

Open letter to hobbyists

sociedade em detrimento do indivíduo.

o utilitarismo e a teoria do homo oeconomicus.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Homo donator versus Homo oeconomicus para um indivíduo moderno conseguir pensar

de software

chats agrupados no Planet20

21

22

M

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

23

O Interesse por trabalhar junto

24

sistema operacional Debian.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

desktop

dessa comunidade

interesse por

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

A gratuidade e a espontaneidade

interesses por ou algum tipo

27

Release Mananger) do Projeto

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

como a maioria das comunidades

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

dentro do projeto.

30

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

tem 31

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

32.

bugs ferramentas mais usadas no desktop do GNOME – o software Evolution33

apud desktop,

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

bugmaster do Projeto.

34

desktop

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

outsiders

computador.

37

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

do livro An introduction to Cyberculture

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

de software

40.

para o desenvolvimento e a distribuição semestral de um ambiente de desktop e

nalidade principal.

Organização social do Trabalho e relações de poder

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

41

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

42

Novos horizontes para a Sociedade em Rede?

e

maussina do homo donator

bits

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Referências

on-line de software livre do projeto GNOME à luz da teoria da dádiva. 2007. 110 f. Dissertação

f>.

Horizontes Antropológicos

An Introduction to Cybercultures

The Yale Law Journal. Nova

The Wealth of Networks

A antropologia do Dom:

A nova ordem social: 2004. p. 17-41.

Polifonia do Dom

A Galáxia da Internet

A sociedade em rede.

A ética dos hackers e o espírito da era da informação

Ensaios sobre o Individualismo

101 Things to Know about GNOME

O paradigma da dádiva e as ciências socias no Brasil.

Organizações & Sociedade

Anais

Open letter to hobbyists

The GNOME project

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Perspectives on Free and Open Source Software.

. Revista Brasileira Ciências Sociais

O Espírito da Dádiva

A Dádiva entre os Modernos

International Journal of Electronic Commerce

A ética dos hackers e o espírito da era da informação

The Story of the GNOME project

Perspectives on Free and Open Source Software.

Ciber-Socialidade

Cibercultura

Advances in Consumer Research

Jornal of Marketing Research.

The Economies of Online Cooperation

Polifonia do Dom

Ensaio sobre a dádiva

GNOME Journal

A Catedral e o Bazar

Como se Tornar um Hacker.

Homesteading the Noosphere

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Obras Sociais Irmã Dulce

A mobilizição colaborativa e a teoria da propriedade do bem intangível.

Free Software, Free Society

A ética dos hackers e o espírito da era da informação

Só por prazer: Linux, os bastidores da criação 2001.

The GNOME Community

Berimbau Livre

GNOME Journal

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Política e Linguagem nos debates sobre

software livre Rafael Evangelista

Introdução

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

A contribuição das ciências da linguagem

News.com,

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Sujeito, ideologia e sentido

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Seção I

Duas licenças, diferentes restrições

software livre

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

End User License Agreement

A relevância das licenças

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

open source software

american way

News.com

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

american way

unamerican o House Committee on Un-American Activities

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

american way american way

american way

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

american way

Patriots CRN.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Nas licenças, as diferenças

human-readable commons deed lawyer-readable GNU GPL

machine-readable digital code

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

a. A EULA

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

b. A GPL

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

free free

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Mais restrições

00 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 0

Conclusão

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

unamerican

unamerican e

american way

unamerican

Revista do Linux

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 0

Seção II

GNU/Linux ou Linux? Software livre ou código aberto?

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Duas correntes. A mesma luta?

open source

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 0

A Catedral e o Bazar

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Free as in Freedom

A Catedral e o Bazar

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 0

free de free software

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

open source e free software

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 0

free software e open software

open source Free

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

GPL defeats GPL threatens GPL our defense

Free Software. Free Society

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Free Software, Free Society

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

open source

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

open source

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

open source

open source

A Catedral e o Bazar

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

basic idea behind open source

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cerveja grátis e liberdade de expressão

free”

free

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

free” free speech freedom

freedom

free as in freedom free software

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

free software e free speech

free

Superinteressante

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Linux.

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

open source

term

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

open source

open source

Shared Source

open source

free software

Conclusão

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

open source

software livre código aberto software proprietário (comercial) liberdade

FSF OSI Microsoft

open source

open source free

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

open source

open source

free e open

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Seção III

Software livre na periferia do sistema

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

O projeto de Pinheiro e os apensados

Linux Today

Linux Today

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

O projeto do Peru

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Dois momentos no Brasil

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Carta Capital

autônoma intercâmbio

passiva domínio

dependência exclusão “tempo real”

Baguete,

Baguete,

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

primeiro mundo sujeitos

consumidores hemisfério norte

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

do Baguete

open source

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

mata saudável e

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Carta Capital

Carta Capital

Carta Capital

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

gigante milionário

Gigantes mundiais

gigante americana

gigante

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

comprar uma guerra

guerra China e Índia como aliados do Brasil

reserva de mercado do software proprietário

Wired

Wired

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Agência Carta Maior

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Conclusão

open source

Software livre Software proprietário

open source

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

JCom

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Seção IV

Conclusões gerais

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

open source

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Epílogo

Compartilhando textos

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Californian Ideology

Por uma análise automática do discurso

Semântica do Acontecimento

Linux.

Microsoft, site institucional.

JCom

As Formas do Silêncio

Interpretação. Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico

Análise de discurso: princípios e procedimentos

A Catedral e o Bazar

A era do acesso

First Monday

Free Software, Free Society

Free as in Freedom

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

A tecnologia na obra de Álvaro Vieira Pinto e

Paulo Freire Anderson Fernandes de Alencar

Este trabalho é resultado de pesquisa em nível de mestrado que teve por

à pergunta do como como

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

O Conceito de Tecnologia, v. 1 e v. 2,

mestre brasileiro meu mestre,

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

1.1 O conceito de técnica e tecnologia

modus faciendi

De Generatione Animalium

arquê

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

analisa que

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

homo technicus

portadores da técnica executor de atos técnicos

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

(a)

(b)

know-how

(c)

(d)

know-how

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Internet

1.2 As diversas atitudes frente à tecnologia

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

status quo

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

os seus profetas

A questão da técnica Gestell 1

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

in genere suo

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

1.3 A dependência/autonomia tecnológica e a tecnologia como patrimônio da humanidade

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

fax

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

boa ou

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

dernos projetores de slides

Sobre Educação (Diálogos)

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

entram

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

sine qua desta

2.1 Por uma práxis tecnológica

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

web

em Labor and Monopoly Capital – The degradation of work in the twentieth century,

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

A máquina está a serviço de quem?

2.2 A tecnologia a serviço de que interesses?

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

e em diversas passagens de seus livros

Professora sim, Tia não

Ação Cultural para a Liberdade

.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Educação e Mudança Sobre Educação: diálogos (SED), v. 2 Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra e Educação como Prática da Liberdade.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Em Educação e Mudança

No livro Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra

Educação como Prática da Liberdade

livro Pedagogia da Esperança

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

r

web

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

À sombra desta mangueira Internet

2.3 Em defesa de uma concepção de infoinclusão

site

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

O ideal

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

grandes shows

O site

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Depois de ver o site

e

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Pedagogia da Autonomia

livre

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

customizado

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Pedagogia:

.

.

.

.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Pedagogia da Autonomia:

O conceito de tecnologia

. O conceito de tecnologia. .

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Mobilização colaborativa, cultura hacker e a teoria da

propriedade imaterial Sergio Amadeu da Silveira

Uma breve introdução à questão da propriedade e da liberdade

Este texto é um recorte da tese de doutorado que defendi em 2005. Ele visa trazer os principais pontos lá abordados sobre o problema da formulação de uma teoria política da propriedade de bens imateriais no contexto de uma sociedade informacional e em rede. O objeto de análise é a mobilização técnico-social para o desenvolvimento e uso de software aberto e não-proprietário, conhecido como mo-

de propriedade de software. A unidade de análise foi a rede de comunidades de

movimento técnico-político, o foco foi colocado na comunidade Debian, que desen- volve e distribui uma versão do sistema operacional GNU/Linux. Essa opção deu-se

de desenvolvimento ou de debates. Para entender bem o modelo colaborativo e

A pesquisa partiu de duas hipóteses que nasceram da teoria liberal de propriedade. Essas hipóteses foram lançadas no terreno das evidências empíricas

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

sobre evidências empiricamente observáveis nos seus contextos históricos.

fé na justiça social, ou na distribuição equitativa da propriedade dos bens, conduziria a sociedade a um sistema totalitário. A primeira hipótese desta tese nasceu do

de bens. Assim, a pesquisa partiu da hipótese de que a contraposição entre liberdade

torno da propriedade material, tornando completamente pálida a força explicativa da divisão política entre esquerda e direita.

A terceira hipótese pode ser considerada uma rota de explicação das

e a natureza das redes informacionais destroçaram os fundamentos da teoria

ciedade em rede foi construído sobre a ideia de que somente o modelo de software

im pacto colossal. Nesse sentido, o desenvolvimento compartilhado de bens intan-

A propriedade das ideias é distinta da propriedade das coisas. A natureza

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

da rede e dos bens não-escassos nos conduz a discutir os objetivos da autoria e da propriedade nesse cenário informacional. É preciso compreender que a teoria

pensar a propriedade das ideias em uma sociedade em rede.

possa ser considerado uma esfera pública, a partir da perspectiva habermasiana.

isso, a comunidade e sua ação são analisadas, permitindo vislumbrar a partir delas

Conclui-se que o movimento de colaboração sócio-técnica do software livre

tipo de politização. A nova política de reivindicar e praticar a liberdade de continuar

distribuição da propriedade em uma questão de liberdade.

O modelo de propriedade de bens tangíveis e o monopólio do software

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

no planeta, cerca de 10% ao ano (TAIT, 2005). Nele, a indústria de software já representa entre 1 e 2% do PIB dos países ricos e, em 2001, movimentou no mundo

Slicing the Knowledge-Based Economy (KBE) in India, China and Brasil: a Tale of Three software Industries,

Somente a empresa norte-americana de software, Microsoft Corporation, 1. No mesmo

1. O lucro representou pouco mais de 22% do faturamento, percentual muito maior do que o obtido pela maioria absoluta dos empreendimentos de outros setores da economia. É importante notar que o lucro líquido da Microsoft foi maior do que o

Alan Story, especialista em propriedade intelectual da Kent Law School, em

proprietário.

pelo qual essa empresa tornou-se a maior expressão do modelo de propriedade

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

baseada em licenças proprietárias de uso, tendo como base a licença da Microsoft. Vamos começar fazendo um breve relato sobre a evolução do hardware

e explicando como determinadas mudanças em sua arquitetura viabilizaram o

Com mais tempo de observação, concluiu que a capacidade dos semicondutores

chamada informática ainda estava muito concentrada na máquina. Os softwares

uma distinção clara entre o equipamento (a máquina em si) e o roteiro

Microsoft, no livro A Estrada do Futuro

E cada vez que o hardware do computador mudava, o que acontecia

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

para resolver os problemas individuais desta ou daquela empresa.

posteriormente.

fechada ou proprietária, ele não pode ser utilizado por máquinas de outros fabricantes, uma vez que estas portam outra arquitetura. Assim, nesse contexto, o elemento essencial desse processo é o hardware. A empresa que o fabrica tem controle total sobre tudo que pode rodar nele. Pode decidir se vai ou não permitir que seu hardware rode softwares de terceiros ou se ela mesma irá desenvolvê-los.

que o fabrica e que detém a patente de sua arquitetura e de seus componentes pode evitar tecnicamente que determinados softwares rodem (funcionem) em sua plataforma. Mas esse modelo foi sendo superado.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

rou o conselho de todos que o cercavam e abandonou o mercado de

empresa, transformando-a na principal fornecedora de máquinas pro-

mo tipo de inspiração que o levou a abandonar as calculadoras poderia tê-lo conduzido ao sucesso na indústria de software para PCs, nos anos

excelentes, todos, porém, proprietários, só funcionando em seus pro- cessadores de texto. Sem chance nenhuma de deslanchar, portanto,

modelo de vinculação exclusiva entre o software e um determinado hardware

mercado. Pode parecer notável e contraditória esta crítica de Gates ao modelo de

exclusiva da empresa fabricante, portanto, secreta a todos os demais usuários.

o computador só reconheceria a impressora que fosse do mesmo fabricante. Para

O avanço dos microprocessadores possibilitou o avanço dos computadores pessoais e estes permitiram que o modelo de arquitetura fechada do hardware fosse superado pelo aberto, ao mesmo tempo em que consolidava o modelo fechado e proprietário do software. O software estava potencialmente livre do aprisionamento

conhecimentos e informação, mas a aplicação desses conhecimentos

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

de processamento/comunicação da informação, em um ciclo de

e seus desenvolvimentos em novos domínios, torna-se muito mais

informação não são simplesmente ferramentas a serem aplicadas, mas

próxima da máquina, seu nível de abstração é reduzido e, portanto, é considerada

desenvolver mais velozmente os softwares e democratizar ainda mais o seu desenvolvimento.

microcomputadores sem se envolver diretamente na fabricação ou venda do hardware. A Microsoft licenciava software a preços

dinheiro apostando no volume das vendas. Adaptávamos nossas

fabricantes de microcomputador. Ainda que o hardware fabricado por duas empresas fosse diferente, o fato de ambos rodarem o Microsoft

O empenho de Gates em reivindicar a arquitetura de hardware aberta não era o mesmo na área de software. A abertura do hardware implicava na possibilidade

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

de outros fabricantes adotarem aquele modelo ou linha de construção. A Apple, de

judicialmente barrada. A interoperabilidade entre hardwares era muito difícil sem

microcomputadores eram uma realidade e, principalmente, que ela estava fora desse mercado.

o esquema tradicional, que consistia em fabricar todo o hardware e software ela mesma. De modo que a IBM decidiu construir seu PC com componentes já prontos, ao alcance de qualquer um. Isso levou a uma

a IBM decidiu comprar da Intel os microprocessadores para seu PC. Para a Microsoft, foi importante a IBM ter decidido não criar seu próprio

Como bem demonstra o relato de Gates, este é o ponto importante de

de software. Exatamente no momento em que se aposta na abertura do hardware, a Microsoft tentava tornar-se um padrão de fato na área de software no crescente mercado mundial de computadores pessoais. Sem dúvida, quando um padrão,

ao seu conteúdo. A cópia ou o clone permite expandir o uso do que tiver qualidade em um ritmo bem mais veloz, além de envolver mais empresas e pessoas no seu processo de inovação incremental. Essa é uma evidência na área de hardware, mas

tendência da economia da informação ser essencialmente uma economia de redes, levaram o modelo de licenciamento de software para o lado proprietário.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

outras empresas poderiam copiar, a IBM tinha realmente chance de criar

operacional. Adquirimos um trabalho anterior, desenvolvido numa

Sistema Operacional de Disco da Microsoft, o MS-DOS. Tim tornou- se, na verdade, o pai do MS-DOS. A IBM, nosso primeiro licenciado,

A Microsoft fez um contrato em que a IBM deveria usar os seus softwares,

a IBM. Em uma arquitetura aberta ou padronizada de hardware, um software pode ser desenvolvido para rodar (funcionar) sobre todo e qualquer computador que a

também passou a ser verdade que qualquer computador poderia rodar um mesmo

seja, a IBM tinha um incentivo para promover o MS-DOS e vendê-lo a

com as vendas da IBM, e sim licenciar o uso do MS-DOS a outros fabricantes de computador que quisessem oferecer máquinas mais ou menos compatíveis com o IBM-PC. A IBM podia usar nosso software

futuros aperfeiçoamentos. Com isso a Microsoft se viu na posição de

Gates deixa claro que o padrão e a arquitetura aberta para o hardware

qualquer empresa podia fabricar um computador pessoal, tal qual o modelo IBM,

de seu software e levar o seu modelo de licenças de uso para todo o crescente mercado de microcomputadores. Gates defendia o valor do compartilhamento nos

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

o software é bastante evidente. Gates reconhece que o conhecimento aberto, portanto acessível a todos, de como construir o hardware PC, foi decisivo para sua consolidação como o padrão de mercado dos computadores pessoais. Por outro

revisionistas, concluir que a IBM cometeu um erro trabalhando com a

patenteado a arquitetura de seu PC e também que a Intel e a Microsoft

não entenderam o principal. A IBM transformou-se no carro-chefe da indústria de PCs justamente porque foi capaz de canalizar uma

utilizá-los para promover sua arquitetura aberta. A IBM estabeleceu os

O modelo aberto foi quem propiciou a criativa e maciça adesão dos

aconteceu também com os protocolos de rede. Um protocolo pode ser entendido

de capacidade limitada e construídos com arquitetura proprietária. As demais empresas de hardware não tinham a concessão dos sistemas operacionais para fabricar equipamentos compatíveis e nenhum dos

00 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Uma sociedade que utiliza intensamente a informação é centralmente uma sociedade da hiper-comunicação. Depende de protocolos e softwares que cumprem

a rede constitua-se ou comporte-se como querem suas normas. A comunicação

reforça o sucesso. Esse conceito, chamado retorno positivo, explica por

produtos e pessoas são vitais.

forma nova e mais virulenta baseada no lado da demanda do mercado,

enorme não se baseia em economias de escala no desenvolvimento de software. Oh, sim, o projeto de software tem economias de escala como qualquer outro produto da informação. Mas há diversos outros sistemas operacionais que oferecem desempenho comparável (ou superior) ao

operacionais rivais é mínimo em comparação com a capitalização de mercado da Microsoft. O mesmo vale para aplicativos básicos da Microsoft. Não, o domínio da Microsoft baseia-se nas economias de escala do lado da demanda. Os clientes da Microsoft valorizam os sistemas operacionais dela porque eles são amplamente utilizados,

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 0

constituem o padrão de fato do setor. Os sistemas operacionais rivais

a única pessoa no mundo a comprá-la. Porém, em se tratando de

parte do valor do produto vem de uma ampla disponibilidade. Podendo

uma fenda por onde só passa um único tamanho de envelope, e uma caixa velha de papelão onde todo o mundo pode deixar correspondência e recados de todo tipo e tamanho, você escolheria a de acesso mais

para poder manipulá-la a favor de sua ampliação ou pelo seu bloqueio.

para nada. O sistema operacional é a base sobre a qual são construídos todos

um computador poderia impedir que certos aplicativos dos concorrentes rodassem sobre ele. Os softwares podem ser divididos em básicos e aplicativos. O principal software básico é o sistema operacional. Uma planilha de cálculo é um aplicativo.

rodar sobre o Windows. Com o modelo proprietário de software e a partir do acordo com o modelo de hardware aberto da IBM, a Microsoft viu-se na posição de licenciar

taforma de seu sistema operacional, que se chamava DOS e posteriormente foi substituída pelo Windows, apesar de terem convivido durante muito tempo.

será feita aqui uma análise jurídica das licenças, nem de sua evolução histórica. A observação se concentrará nos elementos estruturais ou essenciais do licenciamento de um software proprietário, amplamente utilizado, para posteriormente compará-

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

los com o modelo de licenciamento aberto e não-proprietário. Antes é importante

monopólio daquele produto, ou seja, o monopólio do desenvolvimento do mesmo,

mercado de sistemas operacionais, ela licenciou o DOS para fabricantes

do número de máquinas que o fabricante produzia, estivesse ou não o DOS instalado nelas. Isso era chamado de licença-por-processador,

pela licença de uso do DOS com base no número de processadores

se na produção de máquinas, não no número de máquinas nas quais

instalavam um sistema operacional na máquina antes de expedi-la, a

da política de licenciamento. O DOS teve custo incremental zero de

A licença de uso da versão Microsoft Windows XP Professional, o sistema

a tomar contato com os termos de seu uso somente na hora da instalação. Caso

O EULA da versão Microsoft Windows XP Professional, obtida no início de

e executar uma cópia do Produto em um único computador, como

processadores ao mesmo tempo em uma única Estação de Trabalho.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 0

Você poderá permitir um máximo de dez (10) computadores ou outros

somente para serviços de Arquivo e Impressão, Serviços de Informação da Internet e acesso remoto (incluindo o compartilhamento da conexão

Produto para permitir que qualquer Dispositivo use, acesse, exiba ou execute outro software residente na Estação de Trabalho, nem poderá permitir que qualquer Dispositivo use, acesse, exiba ou execute o Produto ou a interface de usuário do Produto, a menos que o Dispositivo

Como é possível notar, o uso deste software é limitado por esse conjunto

denominadas direitos, visam claramente impedir o uso amplo e compartilhado dos recursos do software, mesmo que isso seja tecnicamente possível. No modelo proprietário, o usuário adquiriu a licença de uso do software para uma máquina, ou

propriedade de seu autor até o prazo que a lei de direitos autorais do país determinar

informar que aquela cópia foi instalada. O objetivo inicial da Microsoft era ter a possibilidade de travar o software que não tivesse licença de uso, mas isso se

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

necessárias para ativar a sua cópia licenciada na forma descrita durante a etapa de instalação do Produto. Você pode ativar o Produto por meio

mente na medida em que estas atividades sejam expressamente permitidas pela

um dos elementos mais importantes do software proprietário é a não-transparência

do conhecimento contido naquele software, uma vez que não impede a pirataria.

permitindo que desenvolvedores tenham um acesso mais amplo sobre

o licenciamento de produtos. Este modelo cobre um bom espectro de

Entretanto, a Microsoft permanece irredutivelmente comprometida com

que o setor continue a investir continuamente em pesquisa e desen-

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 0

de propriedade, a pesquisa e desenvolvimento ao modelo que denomina comercial, e a sobrevivência do empreendimento ao modelo de licenciamento proprietário. Para Mundie, para ser comercial o software tem que ser proprietário. As evidências

e treinamento, ou seja, são empreendimentos comerciais. O discurso de Mundie

de licenciamento.

permite a auditabilidade plena do software e a sua avaliação antes e depois de

publicados e públicos [no sentido do direito de uso]. Esse princípio

do que este indica. (...) Não se deve ler nele uma indicação de que

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

benefício na publicação, e ainda mais em se usar sistemas projetados por terceiros já publicados e [positivamente] analisados. Mantê-los

usam um software no qual as pessoas são levadas a concordar com cláusulas de licenciamento que, por si, denunciam a existência de uma série de rotinas embutidas no software que possibilitam a invasão não-autorizada ou não pretendida

indevida de sua propriedade intelectual - incluindo os direitos autorais

concorda que, se você optar por fazer o download da Internet de uma

em conjunto com essa licença, fazer também, em seu computador, o

pessoal, nem nenhuma outra informação, do seu computador através

A essência do modelo proprietário de licenciamento de software está no con- trole do conhecimento. Para obtê-lo é necessário excluir todos, inclusive os usuá-

Esse continuará sempre sendo propriedade de empresa que o desenvolveu.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 0

e popularizou o software da Microsoft, que era vendido com os computadores padrão

em qualquer país. Muitas empresas passaram a usar e a montar computadores

arquitetura aberta do hardware e a cópia não-autorizada do software popularizou em todo o mundo o sistema operacional proprietário.

É o livre acesso ao conhecimento que o modelo proprietário bloqueia. Não

sobre um determinado tipo de aplicação ou solução. A cópia não autorizada é

modelo.

Cenários do confronto entre forças do compartilhamento e do bloqueio do conhecimento tecnológico

dentes na história da nossa civilização, cujas consequências consi- deramos potencialmente imprevisíveis no momento. Estamos nos

vezes milhares de autores que se comunicam através da Internet. Men-

Imre Simon)

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

a economia do futuro será baseada mais em relacionamento do que em posse.

de apropriação de riqueza alicerçadas sobre a propriedade. Exatamente o processo cooperativo e relacional, típico do movimento de software livre, vem levantando

intelectual é a melhor forma de incentivar o desenvolvimento de

O movimento colaborativo de desenvolvimento e uso de software está pre- sente em todos os Continentes e tem contaminado outras áreas da produção sim- bólica e cultural. O Creative Commons é um exemplo dessa irradiação contrária ao

movimento do software livre, avançou para a produção de outros bens culturais, tais como a música, a literatura e as artes. Preocupados com a redução do ritmo

propriedade intelectual, o movimento jurídico-cultural do Creative Commons quer

principalmente músicas, em janeiro de 2005, já estavam licenciadas no modelo Creative Commons.

Nos primeiros cinco anos do século XXI, é plenamente constatável a exis- tência de um amplo movimento mundial que busca superar as barreiras impostas

maiores interessados na defesa do modelo proprietário de licenciamento de

empresas de software proprietário e toda a cadeia de representantes comerciais e

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 0

opinião pública, muitos dos quais fazem a defesa do modelo por remuneração e não

plataforma proprietária. O modelo cooperativo possui uma rede que tem nos desenvolvedores de

do ponto de vista da qualidade dos softwares, protocolos e sistemas. Pequenas e

aberto ou de um modelo híbrido já aparecem no cenário como atuantes na defesa

de software livre nasceu de um pesquisador em um instituto de pesquisa. Mais recentemente, os movimentos sociais, ambientalistas, feministas, de educação

um processo de adesão que pode ter efeitos concretos na elevação do seu uso e também efeitos na formação da opinião pública.

captaram a tendência de crescimento do compartilhamento do conhecimento

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

usando o licenciamento mais próximo ao padrão Mozilla e aos da família BSD. Em

forma de se reposicionar em um mercado que foi perdido, para reduzir custos de

uma única empresa, nos moldes tradicionais, custaria (completo e com

pelo trabalho voluntário de dezenas de milhares de colaboradores.

nenhum centro de custo ou a uma empresa. O modelo livre permite a sobrevivência do produto mesmo quando a escala do mercado não é

As redes de software proprietário e de software livre não possuem centro

proprietário. A Microsoft, pelo seu peso internacional e pela sua extensa presença

extrapolando sua mera defesa comercial através das práticas de publicidade e

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

hardware. A Microsoft assina acordos com empresas de hardware para que todos

pública local e internacional, para manter a ela vinculadas as iniciativas de inclusão

uso do modelo aberto e livre.

de estudos sobre o Custo Total de Propriedade (TCO) de um software livre, em

autor, o funcionário Vinod Valloppillil, não titubeava ao reconhecer as

particularmente no espaço dos servidores. Além disso, o paralelismo intrínseco e a livre troca de ideias do Software Aberto trazem benefícios que não são replicáveis com o nosso modelo atual de licenciamento e,

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software Aberto de arrebanhar e aproveitar o QI coletivo de milhares de indivíduos espalhados pela internet é simplesmente inacreditável. Mais

tamanho da internet muito mais rápido que os nossos próprios esforços

tilavam na mente de potenciais clientes inclinados a considerar a opção de produtos concorrentes. A ideia, óbvia, era a de persuadi-los a se

promessa de que Coisas Boas aconteceriam a quem se mantivesse

A difusão de boatos assustadores sobre o novo produto concorrente para

e parlamentos. A mais conhecida é a pressão realizada pela Microsoft sobre a

discutido amplamente na Internet, foi o projeto de lei apresentado pelo

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

iria sofrer com a adoção do software livre. O embaixador americano em Lima, em carta ao Presidente, expressou sua surpresa que tal lei pudesse ter sido proposta. Bill Gates pessoalmente, visitou o Peru e

do software livre na administração pública. Também não foi votado até hoje. Na

por parte da rede interessada na manutenção do modelo proprietário. Foi criado um movimento internacional denominado The Initiative for Software Choice. Ele

Com expressão mundial, ambas atuam cada vez mais na defesa do modelo

em campanhas contra a pirataria de software. A CompTIA atua na contenção do

implantação de um movimento pela livre escolha do software. A CompTIA possuía, em 2005, 20 mil membros em 102 países. Sua sede

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

missão é

seus membros, a CompTIA desenvolveu iniciativas especializadas

2

São quatro as principais áreas de atuação da CompTIA diante do que denominam

exclusivo ou preferencial. O discurso busca um alvo empiricamente observável,

Procurar software com base nos seus méritos, e não através de

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

variados benefícios e custos. As entidades públicas devem procurar

desenvolvimento de software. Os Governos são mais bem servidos quando podem escolher software de uma vasta panóplia de produtos

devem deixar que os mercados continuem a encorajar a inovação no desenvolvimento de software e devem evitar intervir através de requisitos de preferências ou de aquisição que irão discriminar um

é que o Estado não deve interferir no mercado, pois isso prejudicaria a inovação.

empenhar em projetos ousados e caminhar em terrenos de sucesso ainda pouco evidente.

economicamente e sem possibilidades comerciais. A doutrina da CompTIA defende ainda que

encontram disponíveis para todos aqueles que desenvolvem software -

adopção ou utilidade. Aqueles que desenvolvem software comercial

relativa aos standards sobre software não deve discriminar a favor ou

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

5

Qualquer software pode ser proprietário ou livre. A escolha é uma opção do seu autor ou desenvolvedor. Como observamos até aqui, os modelos possuem diferenças profundas. Boa parte delas deriva da abertura ou do fechamento do

mesmo produto e a interoperabilidade de produtos distintos podem ser melhor encontradas, dado que o modelo de desenvolvimento não se baseia em criar

pois isso tornaria inviável a defesa doutrinária do modelo proprietário de software.

caso a caso.

sobre a racionalidade com uma particular fusão das ideias marxistas. Enquanto

o que se torna extremamente difícil em um cenário de dominação de classes. Na sociedade informacional, baseada em protocolos e softwares como

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

ser vistas como exercícios de controles sociais. Em uma sociedade multiclassista,

sensação de neutralidade, uma vez que

interesses nela dominantes pensam fazer com os homens e com as

da Internet, que a cultura de seus desenvolvedores moldou o meio e foi re-aplicando

militares e anti-democráticos. Ou seja, mesmo quando criadas para determinadas

todo o sentido.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

poderá ser controlado privadamente. Não publicamente. Esse controle privado

prioridades que Marx via na fábrica, pelas quais os mortos (máquinas) dominam os vivos (os operários) e que através do computador se

a exclusão de outras formas de pensamento e desse modo, sem

Na sociedade da informação e no contexto do confronto entre dois modelos

diante dos juízos da sociedade. Esse movimento recupera parte essencial dos

Elementos para uma teoria da propriedade de bens não-escassos

quando esta muda ou reparte o seu domínio com outra, também se

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

de escala que enviam sinais sociais melhores do que aqueles obtidos pelos sis-

de propriedade. André Gorz coloca que todo o conhecimento pode ser abstraído do

propriedade das ideias. No site de um dos parceiros da Microsoft podemos encontrar

de produtos. Embora o software seja, em sua maioria, distribuído

uma commodity. O software é considerado propriedade intelectual. A propriedade de tal bem é controlada por acordos de licenciamento. As

utilização e distribuição deste software, de acordo com as normas do fabricante. As licenças fornecem ao fabricante deste software a receita necessária para continuar produzindo o produto, oferecendo os serviços

da propriedade de outros tipos de produtos, ou seja, dos bens materiais. Talvez

mer cializar licenças e não produtos. As características que fazem a diferença dos

maior precisão o que eles efetivamente são. Bens materiais são aqueles que têm corpo físico e, portanto, estão

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

temática da Comunicação como a probabilidade de ocorrer um evento, dado um

e, independente do seu primeiro suporte de papel, inseridas em um CD em outra

provedor de conteúdos da rede mundial de computadores. Do mesmo modo, um software distribuído em um CD é um conjunto de bits que traduzem para a máquina

Assim, as características básicas e essenciais da informação são as carac-

a informação, como sinal do mercado, é um elemento fundamental para a teoria

das fontes explicativas de crises, instabilidade e desarranjos da economia de mer-

Arrow analisou as características ou propriedades da informação do

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

característica é que a informação é indivisível em seu uso. O uso de parte da mesma não implica em sua efetiva divisão. Ela continuará existindo também de modo

previsto de modo perfeito a partir de seus insumos. A atividade de produção de

a própria informação. Albuquerque alerta que essa característica amplia os possíveis

não há nenhum sentido em aplicar recursos para criar uma mesma informação

conhecimento não se tornam facilmente apropriáveis de modo privado como os

a ser uma mercadoria, a capacidade dos sistemas de preços de

informação como mercadoria especial, Arrow discute o processo de

A informação para ser apropriada, isto é, para tornar-se propriedade privada,

a naturalidade da propriedade material, sobre sua condição de direito inerente ao homem, o bem imaterial sempre terá uma autoria, mas nem sempre terá uma

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

apropriação. Ou seja, a informação como sinal coletado, como ideia ou conhecimento

produto de sua inventividade e capacidade cultural. A propriedade da informação foi uma invenção no interior do Estado. Sua

determinado período de tempo em troca da socialização do conhecimento. O fun-

de exploração privada do invento). Se a ideia de propriedade material pode ser defendida como posse antes do

Estado, as características da informação inviabilizam essa condição, principalmente se considerarmos que uma informação pode ser multiplicada, copiada e retransmitida

viu. Improvável que essa pessoa seja impedida de atualizar, ou seja, desvirtualizar e inserir em uma mídia qualquer a informação sobre aquilo que vira.

como a extensão dos limites para a propriedade material, aqui poderia ser muito mal comparada com a capacidade do Estado de atuar sobre camelos e invadir a residência de jovens que usam cópias de software não-autorizadas. O tempo

informacional. A comparação é fundamental. A extensão da propriedade material é um

que o trabalho fosse a medida do direito para a aquisição e que o desperdício

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

o advento da economia monetária ou intermediada pela moeda, como expressão da riqueza, pois ela permitia superar o desperdício e conservar a riqueza em bens

por subtrair de circulação, inutilmente, bens necessários, mas ainda comete uma tolice. É possível, no entanto, acumular o equivalente a bens de qualquer natureza sem retirá-los do mercado. Esse equivalente, a moeda, é o mesmo instrumento inventado pelos homens para facilitar a troca. Materiais duráveis, como o ouro e a prata, são normalmente

Sendo não só um meio de troca, mas também reserva de valor, a moeda resolve o problema da acumulação, permitindo uma nova forma

divino de ocupar a terra e transformá-la, para dela extrair o máximo

mercado. Qualquer restrição ao acúmulo da riqueza auferida pela propriedade das ideias não pode ter como fundamento a escassez ou o desperdício, uma vez

de ideias não se encontrar na natureza, mas na cultura, que é produção coletiva e criação social. O que levaria ao questionamento sobre a correção moral de tornar exclusivamente privada uma obra cuja maior parte dependeu de um conhecimento realizado e transmitido coletivamente.

resposta, para ser dada, dependerá do objetivo da instituição estatal para com o

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

apenas ao interesse particular. Podem acabar, sim, desperdiçando o tempo social em que uma criação em domínio público pudesse fomentar novas ideias ou novos inventos, já que o maior insumo da informação é a própria informação.

A contenção do acúmulo anti-social da riqueza, auferida com os limites da

uma preocupação menor no início do seculo XXI. O debate tem sido conduzido pelo

das empresas detentoras da propriedade de ideias, o ritmo de criação e inovação

tado para envolver o mundo com seus prazos e limites de proteção, e seus ar-

quinto ano. Isso quer dizer que ela perdeu o sentido até mesmo do ponto de vista

Sem dúvida, os custos de produção da informação são bem maiores do

se auferir lucros impele a produção das ideias para um mercado de concorrência

perspectiva, o monopólio.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

uso por outra pessoa. Uma música pode ser ouvida ou cantada ao mesmo tempo

2000)

bens não-rivais essencialmente não-excluíveis são chamados de bens públicos. Um exemplo tradicional é a iluminação das cidades ou a defesa das fronteiras nacionais.

passando, é um bem cujo vazamento praticamente não permite diferir compradores de não-compradores.

em sua pesquisa e produção. Pessoas que não tiveram nenhum custo para produzir

do suporte da ideia ser um bem não-rival.

consolidariam uma enorme barreira para o processo de criação e inovação, um baixo incentivo para a produção de ideias. Para remunerar o inventor e permitir

Desenvolvimento) é que se defende o direito de monopólio temporário ao inventor.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

que fundamenta economicamente os direitos de propriedade intelectual. Nela, a

a criatividade e a inovação estariam comprometidas e até mesmo deixariam de

questão será tratada no próximo capítulo. Ainda é preciso problematizar a reivin- dicação do monopólio necessário.

de propriedade intelectual. O alto custo do desenvolvimento e o baixo custo da

pela cópia de seu invento feita pela concorrência. Nesse caso, o não-investimento seria premiado e o desenvolvimento da inovação penalizado. Essa imperfeição do mercado desfavoreceria a continuidade do investimento em inovação.

presentariam então uma intervenção estatal corretiva. Uma patente é um mono-

investimentos realizados, impedindo que sejam erodidos pela cópia dos concor- rentes. A ideia de exclusividade temporária é decisiva. O Estado interfere na relação

incentivo indispensável e insubstituível para a criação de novas ideias. Caso o inventor ou criador de ideias não veja possibilidade de auferir lucros,

seria o lado socialmente positivo do monopólio temporário.

ao volume adequado de produção que poderá ser inferior ao socialmente ótimo,

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

podem acabar retardando a inovação com o intuito de extrair o lucro máximo com o último invento. Como não há concorrência, esse comportamento não implicaria em

monopólios tendem a produzir menos ideias do que o ótimo e precisam então de subsídios e de políticas que incentivem a competição, que

Garantir direitos de propriedade sobre as ideias seria a forma de estimular

o mainstream

No processo que o Departamento de Estado norte-americano moveu contra

monopólio sobre a propriedade intelectual, como é possível notar na declaração a

e monopólios enfatiza, é importante focar não apenas aquilo que afeta o consumidor hoje, mas também como a mistura de monopólio,

direção do processo de inovação. Schumpeter acreditava que o receio de perda das rendas do monopólio levava os monopolistas a continuar

se o poder dos monopólios fosse podado. O monopólio diminui o passo

monopolista aumenta o custo de se buscar inovação. E, quando se aumenta o custo de um insumo numa atividade, o nível dessa atividade

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

de competição schumpeteriana e, portanto, os incentivos para inovar

o aumento tanto das barreiras de entrada quanto dos custos dos rivais.

alternativos e a construção de middleware não-interoperável são

monopolista. Quarta, os incentivos de um monopólio para inovar são limitados. Como o monopolista produz menos que o socialmente ótimo, as economias com uma redução no custo de produção são menores do que num mercado competitivo. Também os incentivos para um monopolista patrocinar pesquisas não as levarão ao nível socialmente

necessário para afastar a competição, um ritmo marcadamente menor que o socialmente ótimo. Em resumo, monopolização não ameaça os consumidores apenas pelo aumento dos preços e pela redução da

Todo o esforço teórico-doutrinário para defender o monopólio sobre a

jetos internacionais de software, e atualmente envolve aproximadamente 150 mil

O que cada colaborador dessa rede de desenvolvimento cede ao produto é bem

da doação.

a produção colaborativa entre pares (common-based peer-production), um conjunto de novas formas cooperativas de produção de informação, conhecimento e cultura em oposição aos mecanismos habituais de propriedade, hierarquia e mercados.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

de pesquisa importantes, particularmente o estudo de como as

particular na economia informacional baseada na Internet, forneceriam uma melhor compreensão sobre quão periférico ou central é esse

dos direitos exclusivos sobre a propriedade daquelas ideias. Essa constatação en-

Além disso, Albuquerque relatou um estudo de Narin, Hamilton e Olivastrop,

o conhecimento. Conhecimentos públicos sustentam os inventos patenteados. Por

excessos absurdos que acabem bloqueando a própria inovação e impedindo

aberta e a privatização de conhecimento inovador é imediatamente aparente. O

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

enrijecimento dos mecanismos de propriedade intelectual pode corroer o domínio de informação pública e inviabilizar o acesso a fontes fundamentais de pesquisa com

Uma proteção fraca da propriedade intelectual pode ser indispensável

e inovadores da economia. A principal hipótese que explica a velocidade elevada do desenvolvimento dessa indústria é sua diminuta barreira de entrada. Com uma

software não-proprietárias, além de aumentar a possibilidade de modernização

. Esse cenário de complexidade divide até mesmo os chamados libertarians

(ultra-liberais no contexto político norte-americano) a respeito dos impactos e da

libertarians defensores da propriedade intelectual centra- se na defesa do direito ao produto do trabalho, os contrários veem essa forma de

de ideias são também ideias. Assim, o conhecimento privado tem como base o conhecimento socialmente produzido, portanto, a propriedade sobre ideias deve ser sempre relativizada, pois o trabalho intelectual individual e privado não pode ter

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

de troca e compartilhamento. Quanto mais se compartilha o conhecimento, mais

economia da doação.

vez mais desmaterializar e desprivatizar a propriedade das ideias, permitindo a distribuição dos seus benefícios. A reação a essa tendência só pode ocorrer com

pode ser executado sem o Estado e sua ação jurídico-repressiva. Tal possibilidade

ferindo a liberdade de expressão, de troca e de criação. O texto do movimento GNU

livros. Um leitor comum, que não possuísse uma máquina impressora, podia copiar livros apenas com caneta e tinta, e poucos leitores foram

encaixa bem num sistema como o de direito autoral. Essa é a razão de ser dessas medidas cada vez mais severas e lamentáveis postas em prática para aplicar o direito autoral de software. Consideremos essas quatro práticas da Associação dos Produtores de software (software

LaMacchia, do MIT, não por copiar software (não o acusam de copiar nada), mas simplesmente por deixar recursos de cópia disponíveis

os indivíduos tinham que copiar informação secretamente e passá-la de

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

8

O formato capitalista de apropriação das ideias pode estar ferindo a liber-

chocam-se com a liberdade para poder existir e manter-se.

Comunidades tecnológicas, movimentos sócio-técnicos e esfera pública

que desenvolvem software livre e a rede livre vivenciam a possibilidade concreta dessa saída, e encontram ao mesmo tempo os limites que os

uma luta no interesse de toda a sociedade. Nessa luta, os participantes do movimento do software livre sempre se posicionam com um pé no

um espaço de manifestação e de expressão de pessoas privadas reunidas em um

pública literária, que por sua vez desenvolveu-se no ambiente dos cafés, saloons e

literária e que depois assumiu também uma dimensão política. A esfera pública literária teve papel relevante, mesmo em uma sociedade em que predominava o

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

tentarei demonstrar a hipótese de que um movimento sócio-técnico que domina a

contra o status quo e tornam-se assim um movimento cultural planetário de novo tipo, essencialmente político, por questionar os fundamentos teóricos, culturais e

Tal como nos cafés descritos por Habermas, uma nova esfera pública conforma-se, não literária, mas uma esfera pública tecno-social, uma esfera pública

no ciberespaço, em listas e fóruns próprios que se constituem como uma esfera

ação similar em outras áreas, tais como na música, com o Creative Commons, e

proprietárias.

do movimento sócio-técnico.

cessariamente pelo posicionamento diante da teoria crítica debatida pela Escola

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

dimensão mundial e, na confecção compartilhada de softwares, a redemocratização

devolução ao campo da produção coletiva do conhecimento humano.

1, o movimento de compartilhamento vai se construindo principalmente a partir da licença virótica baseada no copyleft, que contamina os softwares e os impede

em qualquer leitor de DVD -- e tantas outras campanhas. André Gorz considera existir uma

da produção do conhecimento e do bem comum. Entre seus vários ativistas destacam-se, por sua natureza bombástica particularmente

que eles produzem comprova que a maior criatividade possível entre

da disputa com a concorrência, eles podem desenvolver seus saberes

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

correntes, o saber aí não aparece como um saber objetivado, composto

software livre, será preciso avançar nos conceitos de comunidade, movimento e

extrapolou as fronteiras da especialidade técnica, ou seja, do mundo estrito do

softwares.

apoiados e melhorados por uma comunidade. Assim, a comunidade de software

do lançados individualmente, são elementos vitais na formação das comunidades de desenvolvedores e apoiadores de software livre. Comunidade é um termo

consideram-se membros de comunidades. O conceito de comunidade não é consensual em ciências sociais. Muitas são

e a identidade distintas diante dos outros são também frequentemente apontadas

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

substituído por um novo, parcialmente ou totalmente incompatível com o anterior.

que ele se consolide, é necessário que a comunidade majoritariamente o encampe.

Kuhn. A diferença mais importante da noção de comunidade aqui utilizada

voluntário de pessoas que defendem determinada conduta diante da propriedade

inúmeras listas de discussão virtuais, convocou todos a apoiarem a mobilização pelo desenvolvimento de softwares não-proprietários.

tual como o encontro de pessoas no ciberespaço em torno de provedores de acesso

receu-me fria a ideia de uma comunidade apenas acessível através de um ecran

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

A comunidade de software livre é uma comunidade virtual. Ela é composta

nadores da cultura do compartilhamento de software. As principais comunidades de

ainda, a comunidade Gnome, entre outras milhares.

cibercomunidades distribuídas por quase todos os países são comunidades trans-

de propriedade das ideias ou dos bens imateriais. Como comunidades, os laços que

se através de uma articulação diferente do espaço real e da criação de um novo domínio de contestação política e ambiência cultural que não são equivalentes ao

essa noção de comunidade para lidar com, e buscar entender o que vem a ser

que as aldeias primordiais onde havia contato cara a cara (e talvez mesmo estas)

observa ainda que

e profunda. Em última análise, é essa fraternidade que torna possível

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

seus fóruns, sites e em listas de debates comuns é que interessa nesse contexto. Elas formam uma mobilização cultural de caráter transnacional, por tratar de temas

discussão dessas comunidades, os repositórios comuns de software compartilhado, os sites para download e informação sobre os softwares, os sistemas de controle

terreno privado e estritamente mercantil o debate sobre esses intermediários da

espaços da sociedade civil contra a apropriação e o bloqueio do conhecimento

O conceito habermasiano de espaço público, no sentido de uma quase-

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

e na cultura e são utilizados pelos indivíduos na sua vida cotidiana. Por outro lado, o mundo da vida, de acordo com Habermas, contém

sonalidade. Na medida em que os atores se entendem mutuamente e concordam sobre sua condição, eles partilham uma tradição cultural.

do mundo da vida envolve processos comunicativos de transmissão

a reivindicação de novos direitos e de novas formas de comportar-se diante das

soas e empresas que buscam lucros no mercado, mas como movimento (no sentido

desenvolver e usar software no dia-a-dia e choca-se contra o pensamento e as prá-

im pacta o sistema político ao contrapor-se ao monopólio privado do conhecimento. Todavia, o conceito habermasiano de esfera pública precisa ser problema-

competência comunicativa dos membros de uma sociedade, estão sendo afetadas

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

descrita como uma rede adequada para a comunicação de conteúdos, tomada de

ticas apresentadas como necessidades técnicas para o bom funcionamento do

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Os softwares (sem os quais os computadores são inúteis) são um con-

essas mesmas pessoas utilizam-nos como elemento essencial de seu dia-a-dia

computacional. A própria privacidade, a identidade e a autonomia podem ser

fundamental.

cifrou, somente a outra chave do par seria capaz de decifrar.

pode ter sido escrita pelo seu par, ou seja, pela chave privada. Esse é o princípio

autenticar no meu banco pertence de fato a minha pessoa, tenho minha assinatura

Na comunicação mediada por computador, em uma sociedade em rede,

por seu par privado. Assim, uma pessoa que usou sua chave privada para acessar

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

especialista.

defender-se, ela precisa ter consciência de que a sociedade em rede é uma sociedade

precisam ser abertos, transparentes e plenamente auditáveis. Cidadãos comuns

Um exemplo sobre como lidar com elementos extremamente especializados, mas que envolvem e impactam o cotidiano da sociedade ocorreu nos Estados

esfera se assentaria sobre um conjunto de protocolos e softwares limitadores do

especialistas que permanentemente devem defendê-lo como espaço livre e aberto

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

pública. Nesse sentido, um dos principais processos de consolidação da Internet,

está nas comunidades de software livre. Tal como na esfera pública inicialmente literária dos séculos XVII e XVIII, podemos observá-las como uma esfera pública

Habermas escreveu que

contexto particular é sintomático constatar que, nas sociedades européias do século XVII e XVIII, tenha se formado uma esfera pública

esfera pública e privada começou a aparecer na forma de reunião e

Para utilizar o ciberespaço também como esfera pública, as pessoas pri- vadas conectadas precisarão assimilar que, ao contrário da sociedade industrial, a sociedade em rede apresenta problemas complexos de comunicação, que exi-

que intermediam a comunicação humana. A questão da liberdade para conhecer

O questionamento da propriedade intelectual é um questionamento de or-

e clama pela solidariedade e pela capacidade como qualidades de um compor- tamento que substitui a ideia de propriedade privada pela construção coletiva de uma relação que Lévy captou como obra aberta. O movimento do software livre

putador abertos e não-proprietários é um movimento colaborativo que assumiu

continentes e por quase todos os países do planeta. O movimento do software

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

livre tornou-se um dos novos movimentos mundiais mais críticos a um dos pilares

da propriedade intelectual. É um movimento socio-técnico formado por diversas comunidades.

As comunidades de desenvolvedores de software são a base principal

a do GNU/Linux. Por outro lado, vários jovens desenvolvedores lançam projetos

comunidades. Milhares desses projetos não atraem muitos outros apoiadores e acabam permanecendo com dois ou três desenvolvedores. Apesar disso, essas

Castells já havia apontado que

livre e aberta, incrustada em redes virtuais que pretendem reinventar a sociedade, e materializada por empresários movidos a dinheiro nas

trução coletiva, acima das preferências individuais, composta de valores e crenças

meritocrática baseada no conhecimento e na capacidade de realizar e de com-

O comportamento cultural no contexto de uma comunidade meritocrática

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

e serem reconhecidos por isso pelos seus pares. Eles permitem que o fruto do seu trabalho seja usado, desenvolvido e testado por qualquer um, de sorte que todos possam aprender uns com os outros. Embora

A liberdade, como valor superior ao dinheiro, e a colaboração, como meio de ajudar e ao mesmo tempo de ser reconhecido, pode explicar o fundamento que

comunidade. Apoiar e resolver problemas que estão sendo enfrentados pelos outros é essencial para demonstrar competência e capacidade que, por sua vez,

150 mil desenvolvedores espalhados pelo planeta. Seu intenso trabalho de revi- são e de solução de problemas do sistema operacional Linux, sua presença no

momento da conclusão deste texto. Eduardo Maçan não se tornou um dos primeiros (talvez o primeiro, ele

mesmo tem dúvida sobre isso) desenvolvedores brasileiros aceitos na comunidade

saber muito se o indivíduo não tiver o ímpeto de ajudar as pessoas da comunidade

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

ser obtido (baixado) do próprio site e usado nos termos da licença GPL (General Public Licence). O interessante é que esse sistema passou a ser uma ferramenta

as dúvidas em menor tempo. O reconhecimento pela qualidade da resposta e

de software livre.

uma versão do Linux estável e completamente dentro do espírito do copyleft. Pelas

da comunidade Debian pode melhor permitir a compreensão dos motivos pelos

colaboração interativa e no compartilhamento do conhecimento, tornou-se um

em seus diversos níveis, expressa o modelo de desenvolvimento compartilhado

cotidiano permite vislumbrar que uma rede sem centro físico, com seus servidores

mantendo-se democrática e coerente com seus princípios fundadores.

é a necessidade de conhecer e de ser capaz de defender o Contrato Social do Debian e concordar com a Constituição da comunidade. Para ser desenvolvedor

da comunidade e que a vincula com os ideais primeiros do software livre, nascidos do movimento GNU e da Free software Fondation.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

O Debian permanecerá 100% livre. Nós prometemos manter a

apoiar nossos usuários que desenvolvem e executam software não livre sobre o Debian, mas nunca faremos o sistema depender de um item de

livre. Quando escrevermos novos componentes do Sistema Debian, nós o licenciaremos como software livre. Iremos fazer o melhor sistema que pudermos, de modo que software livre seja amplamente distribuído

pedidos de usuários, etc. Nós não esconderemos problemas. Iremos

os outros. Nossas prioridades são nossos usuários e o software livre.

comunidade de software livre, colocando seus interesses em primeiro

usuários para operação em muitos tipos diferentes de ambiente computacional. Não iremos fazer objeção a software proprietário que deva rodar em sistemas Debian, e permitiremos a outros criarem

software comercial, não sendo nenhuma taxa por nós cobrada. Para apoiar estes objetivos forneceremos um sistema operacional de alta

de FTP para estes softwares. Os softwares contidos nestes diretórios

o sistema Debian. Nós encorajamos fornecedores de CDs a ler as licenças de pacotes de software nestes diretórios e determinarem se podem ser distribuídos em seus CDs. Desta forma, embora software não livre não seja parte do Debian, nós apoiamos seus usuários e

deixa isso muito claro. O objetivo é desenvolver software de modo colaborativo, cujo resultado seja de excelente qualidade, mas que não esconda suas falhas e

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

apropriarem do mesmo, tal como fariam com obras disponíveis em domínio público.

a liberdade de conhecimento.

O Líder do projeto é eleito anualmente pelos desenvolvedores. Somente ele pode falar pelo projeto Debian. O Líder também é quem indica o Comitê Técnico que é convocado para enfrentar problemas que não tiveram uma solução consensual

mas não poderá falar em nome do projeto Debian sem ser destacado pelo Líder eleito. Os candidatos a Líder apresentam suas propostas e as debatem nas listas de discussão da comunidade. Sua eleição é realizada pela votação em rede, utilizando

semanas. Votação - O processo de votação está ocorrendo. Fechado - A votação

A transparência e a auditabilidade plena são características relevantes do

Líder do projeto Debian é feita pelo método Condorcet.

o mais próxima possível do que é aceito por todos. O voto de cada membro do

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

até junho de 2005. A democracia participativa, baseada no debate efetuado nas listas

produção e distribuição de software, que só pode ser mantido pela ação jurídico- repressiva do Estado.

desenvolvedor do projeto Debian. Eles descreveram o modelo Debian centrado na

técnicas. Essa esfera pública ocorre através de uma variededade de canais on-line e off-line que proveem, com consistência, um espaço de

esfera pública pode ser rastreada ao início dos anos 80 (nos sistemas

intelectual e mídia contribuiram para marcar certas tendências como

As várias comunidades de software livre conformam uma rede de solidarie-

conhecimento que se torna crescentemente política quanto mais avança o uso pela

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

incompatível com o endurecimento das leis de propriedade intelectual e a ação es-

uma ética em que compartilhar é o modo pelo qual se obtém o reconhecimento co-

é o movimento dessas milhares de comunidades de software livre, também um mo-

de sua razão comunicativa.

Política pós-capitalista dos bens anti-rivais?

vimento do software livre chocou-se contra o sistema de propriedade de bens in-

para

políticas pela liberdade do compartilhamento do saber. Essa mobilização política não se deu nos moldes nem na chave de en-

direita. Nesta pesquisa, foi possível constatar a correção da hipótese de que o movimento de software livre superou essa dicotomia por lidar com a propriedade de

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

da propriedade como uma questão de liberdade e assim reunir na defesa do com-

distributivas. Os motivos eram distintos, mas a causa foi a mesma. Os liberais e os anarco-capitalistas mais radicais defenderam o software livre pela superioridade

laborativo aproveita as possibilidades interativas disponíveis nas redes de alta velocidade e processamento, bem como aposta na redução dos custos de tran-

O compartilhamento do conhecimento maximiza o desenvolvimento de bens por aproximar-se o máximo possível da exploração das potencialidades da rede

capitalista, reunidos em torno da defesa do chamado Open Source, consideraram

baseada na propriedade pela receita baseada nos serviços.

mais destacados líderes do movimento de Open Source escreveu que

ralmente errada (assumindo que você acredita na última, o que não faz tanto o Linus como eu), mas simplesmente porque o mundo do software

orientação social-liberal, anarquistas e socialistas de diversas matizes, acreditam

que a liberdade é a fonte da criação e da melhoria da produção humana. O pres- suposto é que a liberdade de trocar ideias está na base do conhecimento e que este é uma produção coletiva, humana. Não deveria ser apropriado privadamente.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

crescimento do conhecimento, pois nessa acepção, quanto mais se compartilha o conhecimento mais ele cresce.

lidade existe exatamente porque o elemento primordial da sociedade em rede é a informação, em todos os seus formatos, inclusive a informação processada e

informação transformam-na em um bem completamente distinto dos bens físicos.

sua escassez. O imaterial não conhece a escassez. Toda a teoria da propriedade

de escassez. A era da informação e seus bens imateriais desconhecem a escassez

Como o conhecimento é chave da economia da sociedade em rede, o seu

de um software pode ser vista como a exclusão do direito de todos conhecerem

cidade inviabiliza a construção no ciberespaço de uma esfera pública mundial. O movimento FLOSS (Free Libre Open Source Software), a reunião dos defensores

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

que são propriedade de uma corporação privada.

que defende que o conhecimento é uma produção coletiva e social. Além disso,

lo, porque aí não poderei mais comê-lo eu mesmo. A ação dele me

a você diretamente e a mim, apenas indiretamente. Se você dá uma

que me afeta. Eu não devo ter o poder de dizer a você para não fazer

direitos naturais dos autores são uma tradição aceita e inquestionável da nossa sociedade. Historicamente, a verdade é o oposto. A ideia de direitos naturais dos autores foi proposta e decisivamente rejeitada

a Constituição apenas permite um sistema de direitos autorais e não

ser temporário. A Constituição também estabelece que o propósito do

ainda os editores, mas isso foi pensado como uma maneira de mudar 10

A liberdade de compartilhar o conhecimento e a liberdade de acessá-lo não

clusiva por um autor. Esse é outro ponto que permite constatar que, na sociedade informacional, a defesa da liberdade para o conhecimento tem reunido em um

um tema relacionado ao núcleo duro do tradicional pensamento da direita política

talista chocam-se com a liberdade para poderem existir e se manter.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

espectro da chamada livre iniciativa, liberais, libertários e neoliberais. Ocorre que a prática livre do compartilhamento e da colaboração baseada

no conhecimento aberto e transparente viabiliza o caminho da equalização real, da

ao campo político. Sua preocupação com as capacidades humanas pode ser aqui

um desenvolvimento mais equitativo. Sen retoma Adam Smith para defender as

A disparidade de talentos naturais em homens diferentes é, na realidade,

to da divisão do trabalho. A diferença entre os caracteres mais desse-

Quando vêm ao mundo, e durante os primeiros seis ou oito anos de sua vida, eles terão sido, talvez, muito parecidos, e nem seus pais nem

notável. Não é meu propósito aqui examinar se são corretas as ideias de Smith

de melhora de cada um desses elementos. Essa relação é essencial

planeta, o controle e o bloqueio ao conhecimento é hoje importante para evitar o

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

que muitos possam ser não somente consumidores, mas também desenvolvedores

mento constitutivo dos bens imateriais, seria possível pensar que a escassez resi-

escassa, ela poderia viabilizar o modelo de propriedade tradicional sobre a mesma, tal como no cenário de bens materiais. Por outro lado, é exatamente o fato de

socialmente acumulado. Como a recriação e o impulso ao novo necessita do acú- mulo e do estoque de conhecimento, distribuir o próprio conhecimento abre caminho para que se redistribuam as possibilidades de criar e, portanto, também para que se

tradição democrática acabam podendo se aproximar da defesa da liberdade como valor prioritário, pois na era informacional é também da liberdade que podemos

sistemas e softwares. Nesse sentido, temos um novo tipo de situação que necessita de uma nova

sociedade da informação afeta um dos principais elementos da doutrina política das forças da direita e da esquerda, ou seja, o posicionamento sobre a propriedade e sobre a liberdade. A alteração profunda do tipo de propriedade de bens materiais para

esquerda como defensora da distribuição equitativa da propriedade sobre a riqueza socialmente produzida.

Temos um cenário de superação da divisão política tradicional. O contraponto

como melhor maneira de maximizar a produção social parece dissolver-se diante da

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

cuja característica não rival pode ser explorada ao extremo. A sociedade em rede e a comunicação mediada por computador viabilizaram,

por meio da liberdade de sujeitos dispostos a partilhar sua iniciativa, um modelo

redistribuição mais equitativa da riqueza, uma vez que a distribuição dos fontes

distribuída.

maior valor se tiverem uma comunidade de desenvolvedores e mantenedores nu-

possibilidade de atrair o interesse de pessoas para mantê-lo e melhorá-lo. Assim,

é possível falar que o software e os protocolos são anti-rivais (na concepção de

o desenvolvimento em rede e baseado na colaboração crescente. André Gorz escreveu que

sensível de transmissão e acessibilidade do saber. Não se trata de uma mera visão. Trata-se de uma práxis que, no mais alto nível técnico, foi desenvolvida por homens, sem cujo comunismo criativo o capitalismo

colaborativo é incorporado como elemento importante para a própria reprodução do

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

mais velocidade.

unem os adeptos do movimento de software livre e os adeptos do movimento de

de escolher está acima da liberdade como concepção, ou seja, as pessoas devem ser livres para escolher se querem manter livre sua produção, por isso, as licenças

preservação do conhecimento coletivo. Efetivamente, para as correntes do Open

no conhecimento de muitos não é considerado um problema. Todavia, a liberdade

Seja pensando a liberdade do indivíduo acima da liberdade do coletivo em

condição essencial, os defensores do Open Source e do software Livre contribuem

propriedade de ideias no capitalismo da era informacional. Assim, a liberdade do

redistributiva. Os movimentos de colaboração sócio-técnica, na era informacional, cons-

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

de politização. A nova política de reivindicar direitos de continuar desenvolvendo e compartilhando seu desenvolvimento contra os ataques dos representantes do

lançando a unidade entre certos liberais e determinados socialistas. Em síntese, o

contexto liberal e anarquista e avança para o contexto solidário, anti-proprietário, típico dos movimentos comunitaristas e socialistas, mas os supera.

mais as forças políticas de esquerda que conduzem esse processo de transformação,

da histeria criada pela tecnotopia, em prol dos controladores da Inter-

de propriedade intelectual. As possibilidades democráticas da Internet

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

exclusão. Exclusão sobre ideias e conhecimento. Ou seja, querem evitar que o conhecimento continue livre para poderem lucrar com o acesso a ele. Como não é

a ter seus teoremas, modelos teóricos, teorias e descobertas patenteados. O uso acadêmico seria e já está sendo afetado.

colaborativo e a liberdade do conhecimento constituem um caminho para que possam sobreviver e crescer sem serem destroçados pelo ritmo concentrador de riqueza e

representantes políticos dentro das forças tradicionais de esquerda e de direita. Assim, podemos observar que, se uma teoria da classe virtual pode permitir

vação dos seus opositores, se existe uma base estrutural para aqueles, por exem- plo, que se vinculam ao movimento do software livre, ao Creative Commons, aos

outros exemplos.

trabalho não foi constatada nenhuma correlação estrutural de base classista e muito

o elemento articulador dessa luta que une vários ativistas do compartilhamento do

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

letariado, e quase a totalidade das camadas pauperizadas do planeta, a estarem

médias constituem o locus onde se recrutam os desenvolvedores da cultura e da

pelo compartilhamento do conhecimento.

colaborativas, em que se destaca o movimento de software livre) e os indivíduos

A liberdade do conhecimento viabiliza tanto a formação de uma esfera pública no ciberespaço quanto a distribuição mais equitativa da riqueza dela

por computador. A liberdade do conhecimento tende a crescer politicamente, fundamental-

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

possível criar uma comunidade de desenvolvedores que doam um pouco do seu

de desenvolvedores. Assim, pode-se obter muito mais valor e mais qualidade na

sobre bens escassos.

uso do mesmo não pode ser realizado ao mesmo tempo por dois sujeitos, os bens imateriais podem ser reproduzidos sem restrição. São abundantes. Nesse sentido,

redistribuição de valores pelo sistema e, consequentemente, menos melhoria da situação de cada um e de todos.

A liberdade para compartilhar e a colaboração em torno do conhecimento

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

bens essenciais da economia informacional, desenvolvidos de modo colaborativo, têm seu custo de manutenção distribuído pela enorme malha de desenvolvedores e interessados em sua continuidade e melhoria. A comunidade injeta valor crescente a

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Referências

Cultura Global

Informação, conhecimento e apropriação

Artigos l

Comunidades Imaginadas

História do pensamento econômico

Cibercomunismo l

Wired online l

Liberalismo e sociedade moderna

f. Acesso em 18 jan 2005.

The World Wide Web l. Acesso em 28 nov. 2005.

BOBBIO, Norberto. Direito e Estado no pensamento de Emanuel Kant

Locke e o direito natural

BOLAÑO, César. Indústria cultural

The Atlantic Monthly h

Os Clássicos da Economia,

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede

Linguagem e pensamento Reglas y representaciones

Civil society and political theory

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Teorias da Ação em Debate

Free and Open Source Development

Interligação em Rede com TCP/IP.

x .

The power of many: how the living web is transforming politics, business, and everyday life.

Informação e globalização na era do conhecimento.

Um prefácio à democracia econômica

Open Sources

END-USER LICENSE AGREEMENT x .

Obras Escogidas de Marx y Engels,

EPSTEIN, Isaac. Cibernética

Folha On Line l .

p. Acesso em maio 2005.

FINK, Martin.. The business and economics of Linux and open source.

Parcerias Estratégicas

Introdução aos sistemas operacionais

Secure Eletronic Commerce

GANDELMAN, Marisa. Poder e conhecimento na economia global

La pastilla roja

GATES, Bill. A estrada do futuro

GIDDENS, Anthony. Política, sociologia e teoria social

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais

O imaterial

f

Capitalismo e liberdade

O Pensamento Político Clássico

Linux: o fenômeno do software livre Saber Mais - Super Interessante)

Mudança estrutural da Esfera Pública

Técnica e ciência como ideologia

Direito e democracia

Teoría de la acción comunicativa

Consciência moral e agir comunicativo

HACKING, Ian.

Antropologia do Ciborgue

O caminho da servidão

Os Clássicos da Economia

Software Livre r

The hacker ethic

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento

Habermas e a dialética da razão

Acordo TRIPS

Introdução à teoria do crescimento econômico

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Clássicos do Pensamento Político

KUHN, Thomas.

Hipertexto

Teoria del hipertexto.

Informação e globalização na era do conhecimento.

LESSIG, Lawrence. Code and other laws of cyberspace.

Free culture

As tecnologias da inteligência

O que é o virtual

Cibercultura

Dois tratados sobre o governo

. A revolução informacional

The libertarian case against intellectual property rights l

Hegel, Marx e a tradição liberal

- Revista de Ciência da Informação htm. Acesso 15 jan. 2005.

The Firefox Explosion

Teoria política do individualismo possessivo de Hobbes até Locke.

Tecnologia, guerra e fascismo

Por uma outra comunicação

MASKUS, Keith E. Intelectual property rights in the global economy. International Economics, 2000.

História da sociedade da informação

A sociologia política do reconhecimento

A global political economy of intellectual property rights

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Para além do capital

Rebel code 2001.

Revista do Governo Eletrônico da Prefeitura de São Paulo. asp

NASCIMENTO, Ana Lúcia do. Software brasileiro tem competitividade reconhecida pelo MIT.

.

The digital dilemma

O paradoxo do poder americano

The Linux operating system

2001.

Richard Stallman

esquerda.html

Open sources

Press.

Passado e futuro da era da informação

The cathedral and the bazaar

l. Acesso em 25 jan. 2005.

The theory of property

Sapos piramidais nas guerras virtuais

m

Comunidade virtual

de Brasília, 2000 (a).

Cultura e política nos movimentos sociais latino-americano (b).

Hayek e a teoria da informação

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Relatório Setorial Preliminar /

SAMUELSON, Paul. Introdução à análise econômica

Tratado de economia política

Secrecy, security, and obscurity 1. Acesso em 28 mar 2005.

Patentes, transgênicos e clonagem

SEN, Amartya. Sobre ética e economia

Desenvolvimento como liberdade

A economia da informação

Jurgen Habermas

News Generation, Boletim bimestral

n2.txt. Acesso em 18 jan. 2005.

Poder no ciberespaço Internet. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) USP, São Paulo, 2000.

Exclusão digital Abramo, 2001.

Software livre

SIMON, Imre. A propriedade intelectual na era da Internet papir/direitos/index.html

SOFTEX. O impacto do software livre e de código aberto na indústria de software do Brasil.

Em marcha para o socialismo

Free software free society

Incorporations

Commissioned by the Computer & Communications Industry Association f. Acesso

Global Intellectual Property Rights

the south. ICTSD Issue Paper f.

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

TAIT, Márcia. Mercado de software cresce na periferia. Revista Com Ciência l. Acesso em 25 jan. 2005.

Software livre

TÉCNICOS apontam 18 possibilidades de fraude no painel do Senado. Folha On Line l .

A política tensa

Comunidade e sociedade

Só por prazer

An approach to political philosophy

Copyrights and copywrongs

Cultura Global

Project TM. Working Paper

Theories of the information society

O manual dos sistemas abertos

WILLIAMS, Sam. Free as in freedom:

Economia

Sites consultados

0 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração • 

Debate e discussões interativas

Com intuito de permitir um diálogo aberto que proporcione o amadurecimento da temática abordada nesse livro, convidamos você - leitor(a) - para acessar e par- ticipar da construção do site interativo desse livro, por meio endereço eletrônico:

http://softwarelivre.org/livro

Nesse ambiente de interação on-line você pode colaborar na continuação das pesquisas sobre essa temática, acrescentar novas informações e resultados de outras pesquisas, como também participar de debates (assíncronos) com os auto- res sobre o conteúdo apresentado ao longo de todos os capítulos e sessões desse livro. Nos encontramos por lá.

 • Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração

gostei do site muito
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 272 páginas