Manual NR-10, Manuais, Projetos, Pesquisas de Engenharia Elétrica
daniel-fontana-4
daniel-fontana-4

Manual NR-10, Manuais, Projetos, Pesquisas de Engenharia Elétrica

277 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
Descrição
manual NR10
80 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 277
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 277 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 277 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 277 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 277 páginas

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SP

Norma regulamentadora Nº 10

Segurança em instalações e serviços em eletricidade

Curso básico de

SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Manual de treinamento - CPNSP

Fundação Comitê de Gestão Empresarial – Fundação COGE

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO - CPN

Manual de treinamento curso básico segurança em instalações e serviços com eletricidade - NR 10

COORDENAÇÃO CPN - GESTÃO 2004/ 2005 - Luiz Carlos de Miranda Junior – CPFL Energia

COORDENAÇÃO DO PROJETO - Dhébora de Abreu Alves Poloto – AES Eletropaulo

ELABORAÇÃO E REVISÃO TÉCNICA/ PEDAGÓGICA

Cláudio Sergio Denipotti – ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Daniel Calesco – AES Tietê Dhébora de Abreu Alves Poloto – AES Eletropaulo Edson Muniz de Carvalho – AES Eletropaulo Fabio Lellis Polezzi – CTEEP Companhia de Transmissão Energia Elétrica Paulista Frederico Prestupa Neto – CPFL Energia Jorge Santos Reis - Fundacentro Luiz Roberto Xisto – Bandeirante Energia Maria Cândida de Sousa – CTEEP Companhia de Transmissão Energia Elétrica Paulista

COLABORAÇÃO

Carlos Alberto Ruzzon – AES Tietê Helenice Ticianelli – AES Tietê Ivan Gomes Cortez – AES Eletropaulo José Carlos Porto Zitto – CPFL Energia Marcelo Serra Lacerda da Silva - SABESP Nicola Francelli – CPFL Energia Paulo Roberto Coelho - SABESP Robert Werner Dallmann - SABESP Valdir Lopes da Silva – AES Eletropaulo

Comitê de segurança e saúde do trabalho – Fundação COGE

CRIAÇÃO GRÁFICA E DIAGRAMAÇÃO

Michel Lucas de Oliveira – AES Eletropaulo Rodolfo Dala Justino – AES Eletropaulo Daniel Di Prinzio – AES Eletropaulo ISBN 85-9960-01-2

Editora Fundação COGE Av. Marechal Floriano, 19 – sala 1102 - Centro CEP 20080-003 – Rio de Janeiro – RJ Tel.: (21) 2283-1884 – Fax.: (21) 2516-1476 e-mail: funcoge@uncoge.org.br / home page: www.funcoge.org.br

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 3

APRESENTAÇÃO

A constante atualização da legislação brasileira referente à prevenção de aci- dentes do trabalho é uma das principais ferramentas à disposição de trabalha- dores e empregadores para garantir ambientes de trabalho seguros e saudáveis.

A Convenção Coletiva de Segurança e Saúde no Trabalho do Setor Elétrico do Estado de São Paulo, aprovada após amplo debate e negociação entre repre- sentantes do Governo, Empresas e Trabalhadores, estabeleceu diretrizes para melhoria e modernização das atividades de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, visando prioritariamente valorizar a proteção do trabalhador diretamente em contato com instalações e serviços elétricos.

O novo texto da Norma Regulamentadora Nº 10, instituída originalmente pela Portaria 3214/1978 do Ministério do Trabalho, atual Ministério do Trabalho e Emprego, em vigor desde dezembro de 2004, reflete em grande parte as pro- postas emanadas do Grupo responsável pela implantação da citada Convenção.

A principal novidade estabelecida na Convenção Coletiva foi a criação de trei- namento específico em aspectos de Engenharia de Segurança e Saúde no Tra- balho, definindo tópicos e duração mínima, cujo teor foi reforçado no texto da NR 10.

Para dar seqüência aos trabalhos previstos na Convenção, um grupo de profis- sionais das entidades partícipes desenvolveu o presente material didático de apoio para atender à demanda da população eletricitária, que deverá ser atuali- zado e ampliado permanentemente.

A equipe responsável pelo trabalho efetuou um acurado levantamento de do- cumentação técnica existente nas empresas, em entidades de pesquisa e ainda em livros e publicações editados e disponibilizados à sociedade, consolidando textos para atender aos objetivos específicos da legislação, elaborando outros para preencher as lacunas existentes, sempre preservando as fontes de consulta na Bibliografia.

A equipe, ainda, recomenda enfaticamente que antes da utilização do presente manual para o treinamento básico da NR-10, as empresas o adaptem às suas particularidades não descritas ou previstas neste documento.

Que o presente trabalho possa auxiliar os esforços de trabalhadores, emprega- dores e governo na melhoria das condições de trabalho e na preservação da vi- da humana é o desejo do Grupo Tripartite de profissionais que o elaborou.

4 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

INTRODUÇÃO

A eletricidade é a forma de energia mais utilizada na sociedade atual; a facili- dade em ser transportada dos locais de geração para os pontos de consumo e sua transformação normalmente simples em outros tipos de energia, como me- cânica, luminosa, térmica, muito contribui para o desenvolvimento industrial.

Com características adequadas à moderna economia, facilmente disponibilizada aos consumidores, a eletricidade sob certas circunstâncias, pode comprometer a segurança e a saúde das pessoas.

A eletricidade não é vista, é um fenômeno que escapa aos nossos sentidos, só se percebem suas manifestações exteriores, como a iluminação, sistemas de calefação, entre outros.

Em conseqüência dessa “invisibilidade”, a pessoa é, muitas vezes, exposta a si- tuações de risco ignoradas ou mesmo subestimadas.

Não se trata simplesmente de atividades de treinamento, mas desenvolvimento de capacidades especiais que o habilitem a analisar o contexto da função e a- plicar a melhor técnica de execução em função das características de local, de ambiente e do próprio processo de trabalho.

O objetivo básico deste material é permitir ao treinando o conhecimento básico dos riscos a que se expõe uma pessoa que trabalha com instalações ou equi- pamentos elétricos, incentivar o desenvolvimento de um espírito crítico que lhe permita valorar tais riscos e apresentar de forma abrangente sistemas de prote- ção coletiva e individual que deverão ser utilizados na execução de suas ativi- dades.

Desta forma, portanto, o treinamento dirigido à prevenção de acidentes em ne- nhuma hipótese vai substituir treinamentos voltados à execução de tarefas es- pecíficas dos eletricistas, permitindo, isto sim, ampliar a visão do trabalhador para garantir sua segurança e saúde.

Neste material serão apresentados de forma sucinta, entre outros, os conceitos básicos da eletricidade, o comportamento do corpo humano quando exposto a uma corrente elétrica, as diversas formas de interação e possíveis lesões nos pontos de contato e no interior do organismo, bem como informações sobre primeiros socorros e atendimento em emergências.

A passagem de corrente elétrica, em função do efeito “Joule”, é fonte de calor que, nas proximidades de material combustível na presença do ar, pode gerar um princípio de incêndio, e informações gerais sobre o assunto devem ser a- bordadas, sempre visando melhor preparar o trabalhador para analisar os pos- síveis riscos da sua atividade.

Os trabalhos nas áreas de geração, transmissão e distribuição de energia elétri- ca apresentam riscos diferenciados em relação ao consumidor final, e um co- nhecimento geral das diversas metodologias de análise de riscos é fundamental para permitir a esperada avaliação crítica das condições de trabalho, sem a qual é praticamente impossível garantir a aplicação dos meios de controle colo- cados à disposição dos trabalhadores.

Pode-se afirmar que a evolução das tecnologias colocadas à disposição da soci- edade não garante de imediato a aplicações de sistemas de controle dos riscos a que poderão estar sujeitos os trabalhadores que irão interagir com esses no-

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 5

vos equipamentos e processos, cabendo a cada pessoa que atua no Setor ob- servar os procedimentos relativos à prevenção de acidentes, pois, como se diz normalmente no ambiente laboral, “A Segurança é DEVER de Todos”.

Destaca-se que o ferramental, EPI’s, EPC’s, componentes para sinalização e ou- tros citados neste trabalho são apenas alguns dos necessários para a execução das atividades, bem como, os exemplos de passo a passo ou procedimentos de trabalho, análise preliminar de risco e seus controles exemplificados são orien- tativos e não representam a única forma para a realização das atividades com eletricidade, devendo cada empresa ou entidade educacional validá-los e adap- tá-los de acordo com suas particularidades.

Nota: Enfatizamos que as informações contidas neste manual têm caráter orientativo e não de sobreposição a acordos firmados e validados externamente nas empresas ou ainda à legislação vigente.

Enfatizamos ainda que as figuras apresentadas são de caráter ilustrativo.

Segurança com eletricidade

1 2

3 4

5 6

INTRODUÇÃO À SEGURANÇA COM ELETRICIDADE »

RISCOS EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE »

MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO »

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS NBR DA ABNT »

ROTINAS DE TRABALHO PROCEDIMENTOS »

DOCUMENTAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS »

p.09

p.17

p.25

p.45

p.51

p.67

Segurança com eletricidade1 2 Segurança no trabalho 3 Primeiros socorros

1 Segurança com eletricidade

INTRODUÇÃO À SEGURANÇA COM ELETRICIDADE

ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO » p.11

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 11

ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução A energia elétrica que alimenta as indús- trias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem da água por turbinas geradoras transformam a energia mecâ- nica, originada pela queda d’agua, em energia elétrica.

No Brasil a GERAÇÃO de energia elétrica é 80% produzida a partir de hidrelétri- cas, 11% por termoelétricas e o restante

por outros processos. A partir da usina a energia é transformada, em subesta- ções elétricas, e elevada a níveis de tensão (69/88/138/240/440 kV) e trans- portada em corrente alternada (60 Hertz) através de cabos elétricos, até as subestações rebaixadoras, delimitando a fase de Transmissão.

Já na fase de Distribuição (11,9 / 13,8 / 23 kV), nas proximidades dos centros de consumo, a energia elétrica é tratada nas subestações, com seu nível de tensão rebaixado e sua qualidade controlada, sendo transportada por redes elé- tricas aéreas ou subterrâneas, constituídas por estruturas (postes, torres, dutos subterrâneos e seus acessórios), cabos elétricos e transformadores para novos rebaixamentos (110 / 127 / 220 / 380 V), e finalmente entregue aos clientes industriais, comerciais, de serviços e residenciais em níveis de tensão variáveis, de acordo com a capacidade de consumo instalada de cada cliente.

Quando falamos em setor elétrico, referimo-nos normalmente ao Sistema Elétri- co de Potência (SEP), definido como o conjunto de todas as instalações e equi- pamentos destinados à geração, transmissão e distribuição de energia elétrica até a medição inclusive.

Com o objetivo de uniformizar o entendimento é importante informar que o SEP trabalha com vários níveis de tensão, classificadas em alta e baixa tensão e normalmente com corrente elétrica alternada (60 Hz).

Conforme definição dada pela ABNT através das NBR (Normas Brasileiras Re- gulamentadoras), considera-se “baixa tensão”, a tensão superior a 50 volts em corrente alternada ou 120 volts em corrente contínua e igual ou inferior a 1000 volts em corrente alternada ou 1500 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra. Da mesma forma considera-se “alta tensão”, a tensão superi- or a 1000 volts em corrente alternada ou 1500 volts em corrente contínua, en- tre fases ou entre fase e terra.

12 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Geração de Energia Elétrica

Manutenção São atividades de intervenção realizadas nas unidades geradoras, para restabe- lecer ou manter suas condições adequadas de funcionamento.

Essas atividades são realizadas nas salas de máquinas, salas de comando, jun- to a painéis elétricos energizados ou não, junto a barramentos elétricos, instala- ções de serviço auxiliar, tais como: transformadores de potencial, de corrente, de aterramento, banco de baterias, retificadores, geradores de emergência, etc.

Os riscos na fase de geração (turbinas/geradores) de energia elétrica são simila- res e comuns a todos os sistemas de produção de energia e estão presentes em diversas atividades, destacando:

• Instalação e manutenção de equipamentos e maquinários (turbinas, ge- rado-res, transformadores, disjuntores, capacitores, chaves, sistemas de medição,etc.);

• Manutenção das instalações industriais após a geração; • Operação de painéis de controle elétrico; • Acompanhamento e supervisão dos processos; • Transformação e elevação da energia elétrica; • Processos de medição da energia elétrica.

As atividades características da geração se encerram nos sistemas de medição da energia usualmente em tensões de 138 a 500 kV, interface com a transmis- são de energia elétrica.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 13

Transmissão de Energia Elétrica Basicamente está constituída por linhas de condutores destinados a transportar a energia elétrica desde a fase de geração até a fase de distribuição, abrangen- do processos de elevação e rebaixamento de tensão elétrica, realizados em sub- estações próximas aos centros de consumo. Essa energia é transmitida em corrente alternada (60 Hz) em elevadas tensões (138 a 500 kV). Os elevados potenciais de transmissão se justificam para evitar as perdas por aquecimento e redução no custo de condutores e métodos de transmissão da energia, com o emprego de cabos com menor bitola ao longo das imensas extensões a serem transpostas, que ligam os geradores aos centros consumidores.

Atividades características do setor de transmissão:

Inspeção de Linhas de Transmissão Neste processo são verificados: o estado da estrutura e seus elementos, a altura dos cabos elétricos, condições da faixa de servidão e a área ao longo da exten- são da linha de domínio. As inspeções são realizadas periodicamente por terra ou por helicóptero.

Manutenção de Linhas de Transmissão • Substituição e manutenção de isoladores (dispositivo constituído de uma

série de “discos”, cujo objetivo é isolar a energia elétrica da estrutura); • Limpeza de isoladores; • Substituição de elementos pára-raios; • Substituição e manutenção de elementos das torres e estruturas; • Manutenção dos elementos sinalizadores dos cabos; • Desmatamento e limpeza de faixa de servidão, etc.

Construção de Linhas de Transmissão • Desenvolvimento em campo de estudos de viabilidade, relatórios de im-

pacto do meio ambiente e projetos; • Desmatamentos e desflorestamentos; • Escavações e fundações civis; • Montagem das estruturas metálicas; • Distribuição e posicionamento de bobinas em campo; • Lançamento de cabos (condutores elétricos); • Instalação de acessórios (isoladores, pára-raios); • Tensionamento e fixação de cabos; • Ensaios e testes elétricos.

Salientamos que essas atividades de construção são sempre realizadas com os circuitos desenergizados, via de regra, destinadas à ampliação ou em substitui- ção a linhas já existentes, que normalmente estão energizadas. Dessa forma é muito importante a adoção de procedimentos e medidas adequadas de segu- rança, tais como: seccionamento, aterramento elétrico, equipotencialização de todos os equipamentos e cabos, dentre outros que assegurem a execução do serviço com a linha desenergizada (energizada).

Comercialização de energia Grandes clientes abastecidos por tensão de 67 kV a 88 kV.

14 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Distribuição de Energia Elétrica É o segmento do setor elétrico que compreende os potenciais após a transmis- são, indo das subestações de distribuição entregando energia elétrica aos clien- tes. A distribuição de energia elétrica aos clientes é realizada nos potenciais:

• Médios clientes abastecidos por tensão de 11,9 kV / 13,8 kV / 23 kV; • Clientes residenciais, comerciais e industriais até a potência de 75 kVA (o

abastecimento de energia é realizado no potencial de 110, 127, 220 e 380 Volts);

• Distribuição subterrânea no potencial de 24 kV.

A distribuição de energia elétrica possui diversas etapas de trabalho, conforme descrição abaixo:

• Recebimento e medição de energia elétrica nas subestações; • Rebaixamento ao potencial de distribuição da energia elétrica; • Construção de redes de distribuição; • Construção de estruturas e obras civis; • Montagens de subestações de distribuição; • Montagens de transformadores e acessórios em estruturas nas redes de

distribuição; • Manutenção das redes de distribuição aérea; • Manutenção das redes de distribuição subterrânea; • Poda de árvores; • Montagem de cabinas primárias de transformação; • Limpeza e desmatamento das faixas de servidão; • Medição do consumo de energia elétrica; • Operação dos centros de controle e supervisão da distribuição.

Na história do setor elétrico o entendimento dos trabalhos executados em linha viva estão associados às atividades realizadas na rede de alta tenção energizada pelos métodos: ao contato, ao potencial e à distância e deverão ser executados por profissionais capacitados especificamente em curso de linha viva.

Manutenção com a linha desenergizada “linha morta” Todas as atividades envolvendo manutenção no setor elétrico devem priorizar os trabalhos com circuitos desenergizados. Apesar de desenergizadas devem obedecer a procedimentos e medidas de segurança adequado.

Somente serão consideradas desenergizadas as instalações elétricas liberadas para serviços mediante os procedimentos apropriados: seccionamento, impedi- mento de reenergização, constatação da ausência de tensão, instalação de ater- ramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos, proteção dos elementos energizados existentes, instalação da sinalização de impedimento de energização.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 15

Manutenção com a linha energizada “linha viva” Esta atividade deve ser realizada mediante a adoção de procedimentos e meto- dologias que garantam a segurança dos trabalhadores. Nesta condição de tra- balho as atividades devem ser realizadas mediante os métodos abaixo descritos:

Método ao contato O trabalhador tem contato com a rede energizada, mas não fica no mesmo po- tencial da rede elétrica, pois está devidamente isolado desta, utilizando equi- pamentos de proteção individual e equipamentos de proteção coletiva adequados a tensão da rede.

Método ao potencial É o método onde o trabalhador fica em contato direto com a tensão da rede, no mesmo potencial. Nesse método é necessário o emprego de medidas de segu- rança que garantam o mesmo potencial elétrico no corpo inteiro do trabalhador, devendo ser utilizado conjunto de vestimenta condutiva (roupas, capuzes, luvas e botas), ligadas através de cabo condutor elétrico e cinto à rede objeto da ati- vidade.

Método à distância É o método onde o trabalhador interage com a parte energizada a uma distân- cia segura, através do emprego de procedimentos, estruturas, equipamentos, ferramentas e dispositivos isolantes apropriados.

2 Segurança com eletricidade

RISCOS EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

CHOQUE ELÉTRICO »

QUEIMADURAS »

CAMPOS ELETROMAGNÉTICOS »

p.19

p.23

p.24

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 19

CHOQUE ELÉTRICO

O choque elétrico é um estímulo rápido no corpo humano, ocasionado pela pas- sagem da corrente elétrica. Essa corrente circulará pelo corpo onde ele tornar-se parte do circuito elétrico, onde há uma diferença de potencial suficiente para ven- cer a resistência elétrica oferecida pelo corpo.

Embora tenhamos dito, no parágrafo acima, que o circuito elétrico deva apre- sentar uma diferença de potencial capaz de vencer a resistência elétrica ofere- cida pelo corpo humano, o que determina a gravidade do choque elétrico é a intensidade da corrente circulante pelo corpo.

O caminho percorrido pela corrente elétrica no corpo humano é outro fator que determina a gravidade do choque, sendo os choques elétricos de maior gravi- dade aqueles em que a corrente elétrica passa pelo coração.

Efeitos O choque elétrico pode ocasionar contrações violentas dos músculos, a fibrila- ção ventricular do coração, lesões térmicas e não térmicas, podendo levar a óbi- to como efeito indireto as quedas e batidas, etc.

A morte por asfixia ocorrerá, se a intensidade da corrente elétrica for de valor elevado, normalmente acima de 30 mA e circular por um período de tempo re- lativamente pequeno, normalmente por alguns minutos. Daí a necessidade de uma ação rápida, no sentido de interromper a passagem da corrente elétrica pelo corpo. A morte por asfixia advém do fato do diafragma da respiração se contrair tetanicamente, cessando assim, a respiração. Se não for aplicada a respiração artificial dentro de um intervalo de tempo inferior a três minutos, o- correrá sérias lesões cerebrais e possível morte.

A fibrilação ventricular do coração ocorrerá se houver intensidades de corrente da ordem de 15mA que circulem por períodos de tempo superiores a um quarto de segundo. A fibrilação ventricular é a contração disritimada do coração que, não possibilitando desta forma a circulação do sangue pelo corpo, resulta na falta de oxigênio nos tecidos do corpo e no cérebro. O coração raramente se re- cupera por si só da fibrilação ventricular. No entanto, se aplicarmos um desfri- bilador, a fibrilação pode ser interrompida e o ritmo normal do coração pode ser restabelecido. Não possuindo tal aparelho, a aplicação da massagem cardíaca permitirá que o sangue circule pelo corpo, dando tempo para que se providen- cie o desfribilador, na ausência do desfribilador deve ser aplicada a técnica de massagem cardíaca até que a vítima receba socorro especializado.

Além da ocorrência destes efeitos, podemos ter queimaduras tanto superficiais, na pele, como profundas, inclusive nos órgãos internos.

Por último, o choque elétrico poderá causar simples contrações musculares que, muito embora não acarretem de uma forma direta lesões, fatais ou não, como vimos nos parágrafos anteriores, poderão originá-las, contudo, de uma maneira indireta: a contração do músculo poderá levar a pessoa a, involuntari- amente, chocar-se com alguma superfície, sofrendo, assim, contusões, ou mesmo, uma queda, quando a vitima estiver em local elevado. Uma grande parcela dos acidentes por choque elétrico conduz a lesões provenientes de bati- das e quedas.

20 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Fatores determinantes da gravidade Analisaremos, a seguir, os seguintes fatores que determinam a gravidade do choque elétrico:

• percurso da corrente elétrica; • características da corrente elétrica; • resistência elétrica do corpo humano.

Percurso da corrente elétrica Tem grande influência na gravidade do choque elétrico o percurso seguido pela corrente no corpo. A figura abaixo demonstra os caminhos que podem ser per- corridos pela corrente no corpo humano.

Características da corrente elétrica Outros fatores que determinam a gravidade do choque elétrico são as caracte- rísticas da corrente elétrica. Nos parágrafos anteriores vimos que a intensidade da corrente era um fator determinante na gravidade da lesão por choque elétri- co; no entanto, observa-se que, para a Corrente Contínua (CC), as intensidades da corrente deverão ser mais elevadas para ocasionar as sensações do choque elétrico, a fibrilação ventricular e a morte. No caso da fibrilação ventricular, esta só ocorrerá se a corrente continua for aplicada durante um instante curto e es- pecifico do ciclo cardíaco.

As correntes alternadas de freqüência entre 20 e 100 Hertz são as que ofere- cem maior risco. Especificamente as de 60 Hertz, usadas nos sistemas de for- necimento de energia elétrica, são especialmente perigosas, uma vez que elas se situam próximas à freqüência na qual a possibilidade de ocorrência da fibri- lação ventricular é maior.

Ocorrem também diferenças nos valores da intensidade da corrente para uma determinada sensação do choque elétrico, se a vítima for do sexo feminino ou masculino. A tabela abaixo ilustra o que acabamos de dizer.

Efeitos Corrente elétrica (mA)- 60Hz

Homens Mulheres

Limiar de percepção. 1,1 0,7

Choque não doloroso, sem perda do controle muscular. 1,8 1,2

Choque doloroso, limiar de largar. 16,0 10,5

Choque doloroso e grave contrações musculares, dificul- dade de respiração.

23,0 15,0

Diferenças de sensações para pessoas do sexo feminino e masculino.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 21

Resistência elétrica do corpo humano A intensidade da corrente que circulará pelo corpo da vítima dependerá, em muito, da resistência elétrica que esta oferecer à passagem da corrente, e também de qualquer outra resistência adicional entre a vítima e a terra. A resistência que o corpo humano oferece à passagem da corrente é quase que exclusivamente devida à camada externa da pele, a qual é constituída de células mortas. Esta resistência está situada entre 100.000 e 600.000 ohms, quando a pele encontra-se seca e não apresenta cortes, e a variação apresentada é função da sua espessura.

Quando a pele encontra-se úmida, condição mais facilmente encontrada na prática, a resistência elétrica do corpo diminui. Cortes também oferecem uma baixa resistên- cia. Pelo mesmo motivo, ambientes que contenham muita umidade fazem com que a pele não ofereça uma elevada resistência elétrica à passagem da corrente.

A pele seca, relativamente difícil de ser encontrado durante a execução do trabalho, oferece maior resistência a passagem da corrente elétrica. A resistência oferecida pela parte interna do corpo, constituída, pelo sangue músculos e demais tecidos, comparativamente à da pele é bem baixa, medindo normalmente 300 ohms em média e apresentando um valor máximo de 500 ohms.

As diferenças da resistência elétrica apresentadas pela pele à passagem da corren- te, ao estar seca ou molhada, podem ser grande, considerando que o contato foi feito em um ponto do circuito elétrico que apresente uma diferença de potencial de 120 volts, teremos:

mAVMolhadaQuando

mAVSecaQuando

8 000.15

120;

.3,0 000.400

120;

= Ω

= Ω

Causas determinantes Veremos a seguir os meios através dos quais são criadas condições para que uma pessoa venha a sofrer um choque elétrico.

Contato com um condutor nú energizado Uma das causas mais comuns desses acidentes é o contato com condutores aé- reos energizados. Normalmente o que ocorre é que equipamentos tais como guin- dastes, caminhões basculantes tocam nos condutores, tornando-se parte do circuito elétrico; ao serem tocados por uma pessoa localizada fora dos mesmos, ou mesmo pelo motorista, se este, ao sair do veículo, mantiver contato simultâneo com a terra e o mesmo, causam um acidente fatal.

Com freqüência, pessoas sofrem choque elétrico em circuitos com banca de capa- citores, os quais, embora desligados do circuito que os alimenta, conservam por determinado intervalo de tempo sua carga elétrica. Daí a importância de se seguir as normativas referentes a estes dispositivos.

Grande cuidado deve ser observado, ao desligar-se o primário de transformadores, nos quais se pretende executar algum serviço. O risco que se corre é que do lado do secundário pode ter sido ligado algum aparelho, o que poderá induzir no primá- rio uma tensão elevadíssima. Daí a importância de, ao se desligarem os condutores do primário de um transformador, estes serem aterrados.

22 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Falha na isolação elétrica Os condutores quer sejam empregados isoladamente, como nas instalações elé- tricas, quer como partes de equipamentos, são usualmente recobertos por uma película isolante. No entanto, a deterioração por agentes agressivos, o envelhe- cimento natural ou forçado ou mesmo o uso inadequado do equipamento po- dem comprometer a eficácia da película, como isolante elétrico.

Veremos, a seguir, os vários meios pelos quais o isolamento elétrico pode ficar comprometido:

Calor e Temperaturas Elevadas A circulação da corrente em um condutor sempre gera calor e, por conseguinte, aumento da temperatura do mesmo. Este aumento pode causar a ruptura de alguns polímeros, de que são feitos alguns materiais isolantes, dos condutores elétricos.

Umidade Alguns materiais isolantes que revestem condutores absolvem umidade, como é o caso do nylon. Isto faz com que a resistência isolante do material diminua.

Oxidação Esta pode ser atribuída à presença de oxigênio, ozônio ou outros oxidantes na atmosfera. O ozônio torna-se um problema especial em ambientes fechados, nos quais operem motores, geradores. Estes produzem em seu funcionamento arcos elétricos, que por sua vez geram o ozônio. O ozônio é o oxigênio em sua forma mais instável e reativa. Embora esteja presente na atmosfera em um grau muito menor do que o oxigênio, por suas características, ele cria muito maior dano ao isolamento do que aquele.

Radiação As radiações ultravioleta têm a capacidade de degradar as propriedades do iso- lamento, especialmente de polímeros. Os processos fotoquímicos iniciados pela radiação solar provocam a ruptura de polímeros, tais como, o cloreto de vinila, a borracha sintética e natural, a partir dos quais o cloreto de hidrogênio é pro- duzido. Esta substância causa, então, reações e rupturas adicionais, compro- metendo, desta forma, as propriedades físicas e elétricas do isolamento.

Produtos Químicos Os materiais normalmente utilizados como isolantes elétricos degradam-se na presença de substâncias como ácidos, lubrificantes e sais.

Desgaste Mecânico As grandes causas de danos mecânicos ao isolamento elétrico são a abrasão, o corte, a flexão e torção do recobrimento dos condutores. O corte do isolamento dá-se quando o condutor é puxado através de uma superfície cortante. A abra- são tanto pode ser devida à puxada de condutores por sobre superfícies abrasi- vas, por orifícios por demais pequenos, quanto à sua colocação em superfícies que vibrem, as quais consomem o isolamento do condutor. As linhas de pipas com cerol (material cortante) também agridem o isolamento dos condutores.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 23

Fatores Biológicos Roedores e insetos podem comer os materiais orgânicos de que são constituí- dos os isolamentos elétricos, comprometendo a isolação dos condutores. Outra forma de degradação das características do isolamento elétrico é a presença de fungos, que se desenvolvem na presença da umidade.

Altas Tensões Altas tensões podem dar origem à arcos elétricos ou efeitos corona, os quais criam buracos na isolação ou degradação química, reduzindo, assim, a resis- tência elétrica do isolamento.

Pressão O vácuo pode causar o desprendimento de materiais voláteis dos isolantes orgâ- nicos, causando vazios internos e conseqüente variação nas suas dimensões, perda de peso e conseqüentemente, redução de sua resistividade.

QUEIMADURAS

A corrente elétrica atinge o organismo através do revestimento cutâneo. Por es- se motivo, as vitimas de acidente com eletricidade apresentam, na maioria dos casos queimaduras.

Devido à alta resistência da pele, a passagem de corrente elétrica produz altera- ções estruturais conhecidas como “marcas de corrente”.

As características, portanto, das queimaduras provocadas pela eletricidade dife- rem daquelas causadas por efeitos químicos, térmicos e biológicos.

Em relação às queimaduras por efeito térmico, aquelas causadas pela eletrici- dade são geralmente menos dolorosas, pois a passagem da corrente poderá destruir as terminações nervosas. Não significa, porém que sejam menos peri- gosas, pois elas tendem a progredir em profundidade, mesmo depois de desfei- to o contato elétrico ou a descarga.

A passagem de corrente elétrica através de um condutor cria o chamado efeito joule, ou seja, uma certa quantidade de energia elétrica é transformada em ca- lor.

Essa energia (Watts) varia de acordo com a resistência que o corpo oferece à passagem da corrente elétrica, com a intensidade da corrente elétrica e com o tempo de exposição, podendo ser calculada pela expressão:

constante)ΙcomdtR.Ι(WtxΙxRW 2 t

t

2 2

1

→∫==

onde: W-energia dissipada R -resistência I -intensidade da corrente t -tempo

É importante destacar que não há necessidade de contato direto da pessoa com partes energizadas. A passagem da corrente poderá ser devida a uma descarga elé- trica em caso de proximidade do individuo com partes eletricamente carregadas.

24 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

A eletricidade pode produzir queimaduras por diversas formas, o que resulta na seguinte classificação;

• queimaduras por contato; • queimaduras por arco voltaico; • queimaduras por radiação (em arcos produzidos por curtos-circuitos); • queimaduras por vapor metálico.

Queimaduras por contato “Quando se toca uma superfície condutora energizada, as queimaduras podem ser locais e profundas atingindo até a parte óssea, ou por outro lado muito pe- quenas, deixando apenas uma pequena “mancha branca na pela”. Em caso de sobrevir à morte, esse último caso é bastante importante, e deve ser verificado no exame necrológico, para possibilitar a reconstrução, mais exata possível, do caminho percorrido pela corrente.

Queimaduras por arco voltaico O arco elétrico caracteriza-se pelo fluxo de corrente elétrica através do ar, e ge- ralmente é produzido quando da conexão e desconexão de dispositivos elétricos e também em caso de curto-circuito, provocando queimaduras de segundo ou terceiro grau. O arco elétrico possui energia suficiente para queimar as roupas e provocar incêndios, emitindo vapores de material ionizado e raios ultravioletas.

Queimaduras por vapor metálico Na fusão de um elo fusível ou condutor, há a emissão de vapores e derrama- mento de metais derretidos (em alguns casos prata ou estanho) podendo atingir as pessoas localizadas nas proximidades.

CAMPOS ELETROMAGNÉTICOS

É gerado quando da passagem da corrente elétrica nos meios condutores. O campo eletromagnético está presente em inúmeras atividades humanas, tais como trabalhos com circuitos ou linhas energizadas, solda elétrica, utilização de telefonia celular e fornos de microondas.

Os trabalhadores que interagem com Sistema Elétrico Potência estão expostos ao campo eletromagnético, quando da execução de serviços em linhas de transmissão aérea e subestações de distribuição de energia elétrica, nas quais empregam-se elevados níveis de tensão e corrente.

Os efeitos possíveis no organismo humano decorrente da exposição ao campo eletromagnético são de natureza elétrica e magnética. Onde o empregado fica exposto ao campo onde seu corpo sofre uma indução, estabelecendo um dife- rencial de potencial entre o empregado e outros objetos inerentes às atividades.

A unidade de medida do campo magnético é o Ampére por Volt, Gaus ou Tesla cujo símbolo é representado pela letra T.

Cuidados especiais devem ser tomados por trabalhadores ou pessoas que pos- suem em seu corpo aparelhos eletrônicos, tais como marca passo, aparelhos auditivos, dentre outros, pois seu funcionamento pode ser comprometido na presença de campos magnéticos intenso.

3 Segurança com eletricidade

MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO

DESENERGIZAÇÃO »

ATERRAMENTO FUNCIONAL (TN/TT/IT), DE PROTEÇÃO E TEMPORÁRIO »

EQUIPOTENCIALIZAÇÃO »

SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO »

DISPOSITIVOS A CORRENTE DE FUGA »

EXTRA BAIXA TENSÃO: SELV E PELV »

BARREIRAS E INVÓLUCROS »

BLOQUEIOS E IMPEDIMENTOS »

OBSTÁCULOS E ANTEPAROS »

ISOLAMENTO DAS PARTES VIVAS »

ISOLAÇÃO DUPLA OU REFORÇADA »

COLOCAÇÃO FORA DE ALCANCE »

SEPARAÇÃO ELÉTRICA »

p.27

p.29

p.34

p.35

p.36

p.39

p.39

p.40

p.40

p.41

p.42

p.43

p.44

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 27

DESENERGIZAÇÃO

A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, seqüenciadas e contro- ladas, destinadas a garantir a efetiva ausência de tensão no circuito, trecho ou ponto de trabalho, durante todo o tempo de intervenção e sob controle dos tra- balhadores envolvidos.

Somente serão consideradas desenergizadas as instalações elétricas liberadas para trabalho, mediante os procedimentos apropriados e obedecida a seqüência a seguir:

Seccionamento É o ato de promover a descontinuidade elétrica total, com afastamento adequa- do entre um circuito ou dispositivo e outro, obtida mediante o acionamento de dispositivo apropriado (chave seccionadora, interruptor, disjuntor), acionado por meios manuais ou automáticos, ou ainda através de ferramental apropriado e segundo procedimentos específicos.

Impedimento de reenergização É o estabelecimento de condições que impedem, de modo reconhecidamente garantido, a reenergização do circuito ou equipamento desenergizado, assegu- rando ao trabalhador o controle do seccionamento. Na prática trata-se da apli- cação de travamentos mecânicos, por meio de fechaduras, cadeados e dispositivos auxiliares de travamento ou com sistemas informatizados equiva- lentes.

Deve-se utilizar um sistema de travamento do dispositivo de seccionamento, para o quadro, painel ou caixa de energia elétrica e garantir o efetivo impedi- mento de reenergização involuntária ou acidental do circuito ou equipamento durante a execução da atividade que originou o seccionamento. Deve-se tam- bém fixar placas de sinalização alertando sobre a proibição da ligação da chave e indicando que o circuito está em manutenção.

O risco de energizar inadvertidamente o circuito é grande em atividades que en- volvam equipes diferentes, onde mais de um empregado estiver trabalhando. Nesse caso a eliminação do risco é obtida pelo emprego de tantos bloqueios quantos forem necessários para execução da atividade.

Dessa forma, o circuito será novamente energizado quando o último empregado concluir seu serviço e destravar os bloqueios. Após a conclusão dos serviços deverão ser adotados os procedimentos de liberação específicos.

A desenergização de circuito ou mesmo de todos os circuitos numa instalação deve ser sempre programada e amplamente divulgada para que a interrupção da energia elétrica reduza os transtornos e a possibilidade de acidentes. A ree- nergização deverá ser autorizada mediante a divulgação a todos os envolvidos.

Constatação da ausência de tensão É a verificação da efetiva ausência de tensão nos condutores do circuito elétri- co. Deve ser feita com detectores testados antes e após a verificação da ausên- cia de tensão, sendo realizada por contato ou por aproximação e de acordo com procedimentos específicos.

28 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos Constatada a inexistência de tensão, um condutor do conjunto de aterramento temporário deverá ser ligado a uma haste conectada à terra. Na seqüência, de- verão ser conectadas as garras de aterramento aos condutores fase, previamen- te desligados.

OBS.: Trabalhar entre dois pontos devidamente aterrados.

Proteção dos elementos energizados existentes na zona controlada Define-se zona controlada como, área em torno da parte condutora energizada, segregada, acessível, de dimensões estabelecidas de acordo com nível de ten- são, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados, como disposto no anexo II da Norma Regulamentadora Nº10. Podendo ser feito com antepa- ros, dupla isolação invólucros, etc.

Instalação da sinalização de impedimento de reenergização Deverá ser adotada sinalização adequada de segurança, destinada à advertên- cia e à identificação da razão de desenergização e informações do responsável.

Os cartões, avisos, placas ou etiquetas de sinalização do travamento ou blo- queio devem ser claros e adequadamente fixados. No caso de método alternati- vo, procedimentos específicos deverão assegurar a comunicação da condição impeditiva de energização a todos os possíveis usuários do sistema.

Somente após a conclusão dos serviços e verificação de ausência de anormali- dades, o trabalhador providenciará a retirada de ferramentas, equipamentos e utensílios e por fim o dispositivo individual de travamento e etiqueta correspon- dente.

Os responsáveis pelos serviços, após inspeção geral e certificação da retirada de todos os travamentos, cartões e bloqueios, providenciará a remoção dos conjun- tos de aterramento, e adotará os procedimentos de liberação do sistema elétrico para operação.

A retirada dos conjuntos de aterramento temporário deverá ocorrer em ordem inversa à de sua instalação.

Os serviços a serem executados em instalações elétricas desenergizadas, mas com possibilidade de energização, por qualquer meio ou razão, devem atender ao que estabelece o disposto no item 10.6. da NR 10, que diz respeito a segu- rança em instalações elétricas desenergizadas.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 29

ATERRAMENTO FUNCIONAL (TN / TT / IT); DE PROTEÇÃO, TEMPORÁRIO.

Aterramento

Definição Ligação intencional à terra através da qual correntes elétricas podem fluir.

O aterramento pode ser:

• Funcional: ligação através de um dos condutores do sistema neutro. • Proteção: ligação à terra das massas e dos elementos condutores estra-

nhos à instalação. • Temporário: ligação elétrica efetiva com baixa impedância intencional à

terra, destinada a garantir a equipotencialidade e mantida continuamente durante a intervenção na instalação elétrica.

Esquema de aterramento Conforme a NBR-5410/2004 são considerados os esquemas de aterramento TN / TT / IT, cabendo as seguintes observações sobre as ilustrações e símbolos utilizados:

A. As figuras na seqüência, que ilustram os esquemas de aterramento, devem ser interpretadas de forma genérica. Elas utilizam como exemplo sistemas trifásicos. As massas indicadas não simbolizam um único, mas sim qualquer número de equipamentos elétricos. Além disso, as figuras não devem ser vistas com conotação espacial restrita. Deve-se notar, neste particular, que como uma mesma instalação pode eventualmente abranger mais de uma edificação, as massas devem necessariamente compartilhar o mesmo eletro- do de aterramento, se pertencentes a uma mesma edificação, mas podem, em princípio, estar ligadas a eletrodos de aterramento distintos, se situadas em diferentes edificações, com cada grupo de massas associado ao eletrodo de aterramento da edificação respectiva. Nas figuras são utilizados os se- guintes símbolos:

B. Na classificação dos esquemas de aterramento é utilizada a seguinte simbologia:

primeira letra — Situação da alimentação em relação à terra:

• T = um ponto diretamente aterrado; • I = isolação de todas as partes vivas em relação à terra ou aterramento

de um ponto através de impedância;

30 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

segunda letra — Situação das massas da instalação elétrica em relação à terra:

• T = massas diretamente aterradas, independentemente do aterramento eventual de um ponto da alimentação;

• N = massas ligadas ao ponto da alimentação aterrado (em corrente al- ternada, o ponto aterrado é normalmente o ponto neutro);

outras letras (eventuais) — Disposição do condutor neutro e do condutor de proteção:

• S = funções de neutro e de proteção asseguradas por condutores distin- tos;

• C = funções de neutro e de proteção combinadas em um único condutor (condutor PEN).

Esquema TN O esquema TN possui um ponto da alimentação diretamente aterrado, sendo as massas ligadas a esse ponto através de condutores de proteção. São considera- das três variantes de esquema TN, de acordo com a disposição do condutor neutro e do condutor de proteção, a saber:

A. Esquema TN-S, no qual o condutor neutro e o condutor de proteção são dis- tintos, figura abaixo;

ESQUENA TN-S

B. Esquema TN-C, no qual as funções de neutro e de proteção são combi- nadas em um único condutor, na totalidade do esquema, figura abaixo;

ESQUEMA TN-C

NOTA: As funções de neutro e de condutor de proteção são combinadas num único condutor, na totalidade do esquema.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 31

C. Esquema TN-C-S, em parte do qual as funções de neutro e de proteção são combinadas em um único condutor,figura abaixo;

ESQUEMA TN-C-S

NOTA: As funções de neutro e de condutor de proteção são combinadas num único condutor em parte dos esquemas.

Esquema TT O esquema TT possui um ponto da alimentação diretamente aterrado, estando as massas da instalação ligadas a eletrodo(s) de aterramento eletricamente dis- tinto(s) do eletrodo de aterramento da alimentação, figura abaixo.

ESQUEMA TT

32 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Esquema IT No esquema IT todas as partes vivas são isoladas da terra ou um ponto da ali- mentação é aterrado através de impedância, figura abaixo. As massas da insta- lação são aterradas, verificando-se as seguintes possibilidades:

• massas aterradas no mesmo eletrodo de aterramento da alimentação, se existente;

• massas aterradas em eletrodo(s) de aterramento próprio(s), seja porque não há eletrodo de aterramento da alimentação, seja porque o eletrodo de aterramento das massas é independente do eletrodo de aterramento da alimentação

(A)

(B)

(B1)

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 33

1. O neutro pode ser ou não distribuído;

A = sem aterramento da alimentação; B = alimentação aterrada através de impedância; B.1 = massas aterradas em eletrodos separados e independentes do eletrodo

de aterramento da alimentação; B.2 = massas coletivamente aterradas em eletrodo independente do eletrodo

de aterramento da alimentação; B.3 = massas coletivamente aterradas no mesmo eletrodo da alimentação.

ESQUEMA IT

Aterramento temporário O aterramento elétrico de uma instalação tem por função evitar acidentes gera- dos pela energização acidental da rede, propiciando rápida atuação do sistema automático de seccionamento ou proteção. Também tem o objetivo de promo- ver proteção aos trabalhadores contra descargas atmosféricas que possam inte- ragir ao longo do circuito em intervenção.

Esse procedimento deverá ser adotado a montante (antes) e a jusante (depois) do ponto de intervenção do circuito e derivações se houver, salvo quando a in- tervenção ocorrer no final do trecho. Deve ser retirado ao final dos serviços.

A energização acidental pode ser causada por:

• Erros na manobra; • Fechamento de chave seccionadora;

(B2)

(B3)

34 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

• Contato acidental com outros circuitos energizados, situados ao longo do circuito;

• Tensões induzidas por linhas adjacentes ou que cruzam a rede; • Fontes de alimentação de terceiros (geradores); • Linhas de distribuição para operações de manutenção e instalação e co-

locação de transformador; • Torres e cabos de transmissão nas operações de construção de linhas de

transmissão; • Linhas de transmissão nas operações de substituição de torres ou manu-

tenção de componentes da linha; • Descargas atmosféricas.

Para cada classe de tensão existe um tipo de aterramento temporário. O mais usado em trabalhos de manutenção ou instalação nas linhas de distribuição é um conjunto ou ‘Kit’ padrão composto pelos seguintes elementos:

• vara ou bastão de manobra em material isolante, com cabeçotes de ma- nobra;

• grampos condutores – para conexão do conjunto de aterramento com os condutores e a terra;

• trapézio de suspensão - para elevação do conjunto de grampos à linha e conexão dos cabos de interligação das fases, de material leve e bom con- dutor, permitindo perfeita conexão elétrica e mecânica dos cabos de inter- ligação das fases e descida para terra;

• grampos – para conexão aos condutores e ao ponto de terra; • cabos de aterramento de cobre, extraflexível e isolado; • trado ou haste de aterramento – para ligação do conjunto de aterramento

com o solo, deve ser dimensionado para propiciar baixa resistência de terra e boa área de contato com o solo.

Nas subestações, por ocasião da manutenção dos componentes, se conecta os componentes do aterramento temporário à malha de aterramento fixa, já exis- tente.

EQUIPOTENCIALIZAÇÃO

É o procedimento que consiste na interligação de elementos especificados, vi- sando obter a equipotencialidade necessária para os fins desejados.

Todas as massas de uma instalação devem estar ligadas a condutores de prote- ção.

Em cada edificação deve ser realizada uma equipotencialização principal, em condições especificadas, e tantas eqüipotencializações suplementares quantas forem necessárias.

Todas as massas da instalação situadas em uma mesma edificação devem es- tar vinculadas à equipotencialização principal da edificação e, dessa forma, a um mesmo e único eletrodo de aterramento. Isso sem prejuízo de eqüipotencia- lizações adicionais que se façam necessárias, para fins de proteção contra cho- ques e/ou de compatibilidade eletromagnética.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 35

Massas simultaneamente acessíveis devem estar vinculadas a um mesmo eletrodo de aterramento, sem prejuízo de eqüipotencializações adicionais que se façam ne- cessárias, para fins de proteção contra choques e/ou de compatibilidade eletro- magnética.

Massas protegidas contra choques elétricos por um mesmo dispositivo, dentro das regras da proteção por seccionamento automático da alimentação, devem estar vinculadas a um mesmo eletrodo de aterramento, sem prejuízo de eqüipotenciali- zações adicionais que se façam necessárias, para fins de proteção contra choques e/ou de compatibilidade eletromagnética.

Todo circuito deve dispor de condutor de proteção, em toda sua extensão.

NOTA Um condutor de proteção pode ser comum a mais de um circuito, observado o disposto no item 6.4.3.1.5. da NBR 5410/2004, um condutor de proteção pode ser comum a dois ou mais circuitos, desde que esteja instalado no mesmo conduto que os respectivos conduto- res de fase e sua seção seja dimensionada para a mais severa corrente de falta presumida e o mais longo tempo de atuação do dispositivo de seccionamento automático verificados nesses circuitos; ou em função da maior seção do condutor da fase desses circuitos con- forme tabela abaixo.

Admite-se que os seguintes elementos sejam excluídos das eqüipotencializações:

A. suportes metálicos de isoladores de linhas aéreas fixados à edificação que esti- verem fora da zona de alcance normal;

B. postes de concreto armado em que a armadura não é acessível; C. massas que, por suas reduzidas dimensões (até aproximadamente 50 mm x 50

mm) ou por sua disposição, não possam ser agarradas ou estabelecer contato significativo com parte do corpo humano, desde que a ligação a um condutor de proteção seja difícil ou pouco confiável.

SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO

O princípio do seccionamento automático da alimentação, sua relação com os dife- rentes esquemas de aterramento e aspectos gerais referentes à sua aplicação e as condições em que se torna necessária proteção adicional.

O seccionamento automático possui um dispositivo de proteção que deverá seccio- nar automaticamente a alimentação do circuito ou equipamento por ele protegido sempre que uma falta (contato entre parte viva e massa, entre parte viva e condu- tor de proteção e ainda entre partes vivas) no circuito ou equipamento der origem a uma corrente superior ao valor ajustado no dispositivo de proteção, levando-se em conta o tempo de exposição à tensão de contato. Cabe salientar que estas medidas de proteção requer a coordenação entre o esquema de aterramento adotado e as características dos condutores e dispositivos de proteção.

O seccionamento automático é de suma importância em relação a:

• proteção de contatos diretos e indiretos de pessoas e animais; • proteção do sistema com altas temperaturas e arcos elétricos; • quando as correntes ultrapassarem os valores estabelecidos para o circuito; • proteção contra correntes de curto-circuito; • proteção contra sobre tensões.

36 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

DISPOSITIVOS A CORRENTE DE FUGA

Dispositivo de proteção operado por corrente Esse dispositivo tem por finalidade desligar da rede de fornecimento de energia elétrica, o equipamento ou instalação que ele protege, na ocorrência de uma corrente de fuga que exceda determinado valor, sua atuação deve ser rápida, menor do que 0,2 segundos (Ex.: DDR), e deve desligar da rede de fornecimen- to de energia o equipamento ou instalação elétrica que protege.

É necessário que tanto o dispositivo quanto o equipamento ou instalação elétri- ca estejam ligados a um sistema de terra. O dispositivo é constituído por um transformador de corrente, um disparador e o mecanismo liga-desliga. Todos os condutores necessários para levar a corrente ao equipamento, inclusive o con- dutor terra, passam pelo transformador de corrente. Este transformador de cor- rente é que detecta o aparecimento da corrente de fuga. Numa instalação sem defeitos, a somatória das correntes no primário do transformador de corrente é nula, conforme mostra a figura abaixo.

Esquema de ligações do dispositivo de proteção- DDR

Em caso de uma fuga de corrente à terra, como é mostrado na figura abaixo a somatória das correntes no primário do transformador de corrente passa a ser diferente de zero, induzindo, desta forma, uma tensão no secundário que está alimentando o disparador e que, num tempo inferior a 0,2 segundos, acionará o interruptor.

Não balanceamento devido à corrente de fuga-DDR

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 37

Os dispositivos fabricados normalmente têm capacidade de interromper o forne- cimento de energia elétrica a equipamentos ou a circuitos elétricos que operem com correntes até 160A. A sensibilidade exigida do dispositivo, para detectar correntes de fuga, dependerá das características do circuito em será instalado (relés de sobre corrente de fase e neutro, relés de alta impedância,etc).

A tabela abaixo apresenta a sensibilidade de vários dispositivos de proteção pa- ra diversas capacidades de interrupção de corrente.

Valores das correntes de fuga detectados pêlos vários tipos de dispositivo de proteção.

Corrente Nominal (A) Corrente Nominal de fuga (m A)

40 30

63 30

40 500

100 500

160 500

O valor requerido da resistência de terra nos sistemas de aterramento elétrico, a fim de que tais dispositivos operem, é bem pequeno. Admitindo que a máxima tensão de contato permitida seja de 50 volts, temos, para as várias sensibilida- des de corrente de fuga dada na tabela acima, os seguintes valores requeridos de resistência de terra:

A figura a seguir apresenta a curva característica de disparo do dispositivo DDR com sensibilidade para 30 mA. As curvas "a" e "b", no gráfico, limitam as faixas de correntes perigosas para o ser humano. Temos, então, a formação de três regiões:

Região l - Os valores de corrente de fuga versus tempo de circulação pelo corpo não têm influência no ritmo cardíaco e no sistema nervoso;

Região II - A intensidade de corrente é insuportável, inconveniente, passando de 50 m A aproximadamente;

Região III – Além de causar inconveniência, causam a fibrilação ventricular, podendo levar a morte. Observamos, portanto, que a curva característica do dispositivo fica situada totalmente fora da Região III, que é a região perigosa, e que a atuação é extremamente rápida, menor do que 30 mS.

38 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

A faixa hachurada existente entre 15 e 30 mA, identifica a faixa de corrente em que o dispositivo deverá operar.

Curva característica de disparo do dispositivo de corrente fuga DDR = 30mA

Como observamos, o dispositivo para detecção da corrente de fuga de 30 mA, não somente desliga com a ocorrência de contato com as partes condutoras do apare- lho, não pertencentes aos seus circuitos elétricos, ligados à terra, como também o- ferece uma proteção a pessoas em caso de contato involuntário com partes condutoras pertencentes aos circuitos elétricos dos aparelhos, ou mesmo, em caso de alguma pessoa tocar um aparelho com falha de isolamento.

Os dispositivos também apresentam em sua construção um elemento que permite que os mesmos sejam testados de tal modo que podem certificar-nos de que se encontram dentro das especificações de operação.

A limitação no emprego de tais dispositivos reside no fato de que não podem ser empregados para proteger instalações ou equipamentos elétricos, que apresentem, sob condições normais de operação, correntes de fuga de valor superior aquele de operação do dispositivo, como ocorre com equipamentos, tais como, aquecedores elétricos de água (chuveiros, torneiras de água quente, etc.).

Para aplicação de dois ou mais destes dispositivos numa dada instalação elétrica, é necessário que cada um disponha de um barramento neutro independente, do contrário, um interferirá no funcionamento do outro.

Esquema de ligações quando se empregam dois dispositivos DDR

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 39

É oportuno ressaltar que o dispositivo não protegerá contra os riscos de choque elé- trico uma pessoa que tocar simultanemente dois condutores, pois neste caso as correntes permanecem equilibradas no primário do transformador, e nenhuma ten- são será induzida no seu secundário.

O dispositivo oferece não somente uma proteção contra os riscos do choque elétri- co, mas também contra os riscos de incêndios causados por falhas de isolação dos condutores.

EXTRA BAIXA TENSÃO: SELV E PELV

Defini-se como:

A. SELV (do inglês “separated extra-low voltage”): Sistema de extra baixa tensão que é eletricamente separada da terra de outros sistemas e de tal modo que a ocorrência de uma única falta não resulta em risco de choque elétrico.

B. PELV (do inglês “protected extra-low voltage”): Sistema de extra baixa tensão que não é eletricamente separado da terra mas que preenche, de modo e- quivalente, todos os requisitos de um SELV.

Os circuitos SELV não têm qualquer ponto aterrado nem massas aterradas. Os circuitos PELV podem ser aterrados ou ter massas aterradas.

Dependendo da tensão nominal do sistema SELV ou PELV e das condições de uso, a proteção básica é proporcionada por:

• Limitação da tensão; ou • Isolação básica ou uso de barreiras ou invólucros; • Condições ambientais e construtivas em o equipamento esta inserido.

Assim, as partes vivas de um sistema SELV ou PELV não precisam necessaria- mente ser inacessíveis, podendo dispensar isolação básica, barreira ou invólu- cro, no entanto para atendimento a este item deve atender as exigências mínimas da norma NBR 5410/2004.

BARREIRAS E INVÓLUCROS

São dispositivos que impedem qualquer contato com partes energizadas das insta- lações elétricas. São componentes que visam impedir que pessoas ou animais to- quem acidentalmente as partes energizadas, garantindo assim que as pessoas sejam advertidas de que as partes acessíveis através das aberturas estão energiza- das e não devem ser tocadas.

As barreiras terão que ser robustas, fixadas de forma segura e tenham durabilidade, tendo como fator de referência o ambiente em que está inserido. Só poderão ser re- tirados com chaves ou ferramentas apropriadas e também como predisposição uma segunda barreira ou isolação que não possa ser retirada sem ajuda de chaves ou ferramentas apropriadas.

Ex.: Telas de proteção com parafusos de fixação e tampas de painéis, etc.

O uso de barreiras ou invólucros, como meio de proteção básica, destina-se a im- pedir qualquer contato com partes vivas.

40 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

As partes vivas devem ser confinadas no interior de invólucros ou atrás de barreiras que garantam grau de proteção.

Quando o invólucro ou barreira compreender superfícies superiores, horizontais, que sejam diretamente acessíveis, elas devem garantir grau de proteção mínimo.

BLOQUEIOS E IMPEDIMENTOS

Bloqueio é a ação destinada a manter, por meios mecânicos um dispositivo de manobra fixo numa determinada posição, de forma a impedir uma ação não autorizada, em geral utilizam cadeados.

Dispositivos de bloqueio são aqueles que impedem o acionamento ou religa- mento de dispositivos de manobra. (chaves, interruptores), É importante que tais dispositivos possibilitem mais de um bloqueio, ou seja, a inserção de mais de um cadeado, por exemplo, para trabalhos simultâneos de mais de uma e- quipe de manutenção.

Toda ação de bloqueio deve estar acompanhada de etiqueta de sinalização, com o nome do profissional responsável, data, setor de trabalho e forma de comunicação.

As empresas devem possuir procedimentos padronizados do sistema de blo- queio, documentado e de conhecimento de todos os trabalhadores, além de e- tiquetas, formulários e ordens documentais próprias.

Cuidado especial deve ser dado ao termo “Bloqueio”, que no SEP (Sistema Elé- trico de Potência) também consiste na ação de impedimento de religamento au- tomático do equipamento de proteção do circuito, sistema ou equipamento elétrico. Isto é, quando há algum problema na rede, devido a acidentes ou des- funções, existem equipamentos destinados ao religamento automático dos cir- cuitos, que religam automaticamente tantas vezes quanto estiver programado e, conseqüentemente, podem colocar em perigo os trabalhadores.

Quando se trabalha em linha viva, é obrigatório o bloqueio deste equipamento, pois se eventualmente houver algum acidente ou um contato ou uma descarga indesejada o circuito se desliga através da abertura do equipamento de prote- ção, desenergizando-o e não religando automaticamente.

Essa ação é também denominada “bloqueio” do sistema de religamento auto- mático e possui um procedimento especial para sua execução.

OBSTÁCULOS E ANTEPAROS

Os obstáculos são destinados a impedir o contato involuntário com partes vivas, mas não o contato que pode resultar de uma ação deliberada e voluntária de ignorar ou contornar o obstáculo.

Os obstáculos devem impedir:

A. Uma aproximação física não intencional das partes energizadas; B. Contatos não intencionais com partes energizadas durante atuações sobre o

equipamento, estando o equipamento em serviço normal.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 41

Os obstáculos podem ser removíveis sem auxílio de ferramenta ou chave, mas devem ser fixados de forma a impedir qualquer remoção involuntária.

As distâncias mínimas a serem observadas nas passagens destinadas à operação e/ou manutenção são aquelas indicadas na tabela abaixo e ilustradas na figura.

Em circunstancias particulares, pode ser desejável a adoção de valores maiores, visando a segurança.

Distâncias mínimas a serem obedecidas nas passagens destinadas à operação e/ou manutenção quando for assegurada proteção parcial por meio de obstáculos

Situação Distância

1. Distância entre obstáculos, entre manípulos de dispositivos elétricos (punhos, volantes, alavancas etc.), entre obstáculos e parede ou en- tre manípulos e parede

700 mm

2. Altura da passagem sob tela ou painel 2.000 mm

NOTA: As distâncias indicadas são válidas considerando-se todas as partes dos painéis devi- damente montadas e fechadas

Passagens com proteção parcial por meio de obstáculos.

ISOLAMENTO DAS PARTES VIVAS

São elementos construídos com materiais dielétricos (não condutores de eletri- cidade) que têm por objetivo isolar condutores ou outras partes da estrutura que esta energizadas, para que os serviços possam ser executados com efetivo con- trole dos riscos pelo trabalhador.

O isolamento deve ser compatíveis com os níveis de tensão do serviço.

Esses dispositivos devem ser bem acondicionados para evitar acumulo de sujei- ra e umidade, que comprometam a isolação e possam torná-los condutivos. Também devem ser inspecionados a cada uso e serem submetidos a testes elé- tricos anualmente.

42 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Exemplos: • Coberturas circular isolante (em geral são de polietileno, polipropileno e

polidracon); • Mantas ou lençol de isolante; • Tapetes isolantes; • Coberturas isolantes para dispositivos específicos (Ex. postes).

ISOLAÇÃO DUPLA OU REFORÇADA

Este tipo de proteção é normalmente aplicado a equipamentos portáteis, tais como furadeiras elétricas manuais, os quais por serem empregados nos mais variados locais e condições de trabalho, e mesmo por suas próprias característi- cas, requerem outro sistema de proteção, que permita uma confiabilidade maior do que aquela oferecida exclusivamente pelo aterramento elétrico.

A proteção por isolação dupla ou reforçada é realizada, quando utilizamos uma segunda isolação, para suplementar aquela normalmente utilizada, e para sepa- rar as partes vivas do aparelho de suas partes metálicas.

Para a proteção da isolação geralmente são prescritos requisitos mais severos do que aqueles estabelecidos para a isolação funcional.

Entre a isolação funcional e a de proteção, pode ser usada uma camada de me- tal, que as separe, totalmente ou em parte. Ambas as isolações, porém, podem ser diretamente sobrepostas uma à outra. Neste caso as isolações devem apre- sentar características tais, que a falha em uma delas não comprometa a prote- ção e não estenda à outra.

Como a grande maioria das causas de acidentes são devidas aos defeitos nos cabos de alimentação e suas ligações ao aparelho, um cuidado especial deve ser tomado com relação a este ponto no caso da isolação dupla ou reforçada. Deve ser realizada de tal forma que a probabilidade de transferência de tensões perigosas a partes metálicas susceptíveis de serem tocadas, seja a menor pos- sível.

O símbolo utilizado para identificar o tipo de proteção por isolação dupla ou re- forçada em equipamentos é o mostrado na figura ao lado, normalmente im- presso de forma visível na superfície externa do equipamento.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 43

COLOCAÇÃO FORA DE ALCANCE

Neste item estaremos tratando das distâncias mínimas a serem obedecidas nas passagens destinadas a operação e/ou manutenção, quando for assegurada a proteção parcial por meio de obstáculos.

Partes simultaneamente acessíveis que apresentem potenciais diferentes devem se situar fora da zona de alcance normal.

1. Considera-se que duas partes são simultaneamente acessíveis quando o afastamento entre elas não ultrapassa 2,50 m.

2. Define-se como “zona de alcance normal o volume indicado na figura abai- xo”.

Onde: S = superfície sobre a qual se postam ou circulam pessoas.

Zona de alcance normal

Se, em espaços nos quais for prevista normalmente a presença ou circulação de pessoas houver obstáculo (por exemplo, tela), limitando a mobilidade no plano horizontal, a demarcação da zona de alcance normal deve ser feita a par- tir deste obstáculo.

No plano vertical, a delimitação da zona de alcance normal deve observar os 2,50 m da superfície S, tal como indicado na figura acima, independentemente da existência de qualquer obstáculo com grau de proteção das partes vivas.

Em locais onde objetos condutivos compridos ou volumosos forem manipulados habitualmente, os afastamentos exigidos como acima descritos devem ser au- mentados levando-se em conta as dimensões de tais objetos.

44 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

SEPARAÇÃO ELÉTRICA

Uma das medidas de proteção contra choques elétricos previstas na NBR 5410/2004, é a chamada "separação elétrica." Ao contrário da proteção por seccionamento automático da alimentação, ela não se presta a uso generaliza- do. Pela própria natureza, é uma medida de aplicação mais pontual. Isso não impediu que ela despertasse, uma certa confusão entre os profissionais de ins- talações. Alegam-se conflitos entre as disposições da medida e a prática de ins- talações.

O questionamento começa com a lembrança de que a medida "proteção por separação elétrica", tal como apresentada pela NBR 5410/2004, se traduz pelo uso de um transformador de separação cujo circuito secundário é isolado (ne- nhum condutor vivo aterrado, inclusive neutro).

Lembra ainda que pelas disposições da norma a(s) massa(s) do(s) equipamen- to(s) alimentado(s) não deve(m) ser aterrada(s) e nem ligada(s) a massas de outros circuitos e/ou a elementos condutivos estranhos à instalação - embora o documento exija que as massas do circuito separado (portanto, quando a fonte de separação alimenta mais de um equipamento) sejam interligadas por um condutor PE próprio, de equipotencialização.

Exemplo de instalações que possuem separação elétrica são salas cirúrgicas de hospitais, em que o sistema também é isolado, usando-se igualmente um transformador de separação, mas todos os equipamentos por ele alimentados têm suas massas aterradas.

A separação elétrica, como mencionado, é uma medida de aplicação limitada. A proteção contra choques (contra contatos indiretos) que ela proporciona re- pousa:

• numa separação, entre o circuito separado e outros circuitos, incluindo o circuito primário que o alimenta, equivalente na prática à dupla isolação;

• na isolação entre o circuito separado e a terra; e, ainda, • na ausência de contato entre a(s) massa(s) do circuito separado, de um

lado, e a terra, outras massas (de outros circuitos) e/ou elementos condu- tivos, de outro.

O circuito separado constitui um sistema elétrico "ilhado". A segurança contra choques que ele oferece baseia-se na preservação dessas condições.

Os transformadores de separação utilizados na alimentação de salas cirúrgicas também se destinam a criar um sistema isolado. Mas não é por ser o transfor- mador de separação que seu emprego significa necessariamente proteção por separação elétrica.

4 Segurança com eletricidade

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS NBR DA ABNT

NBR 5410 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO »

NBR 14039 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE MÉDIA TENSÃO DE 1,0kV A 36,2kV »

p.47

p.48

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 47

NBR 5410 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

Objetivo Esta Norma estabelece as condições que as instalações elétricas de baixa ten- são devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens.

Esta Norma aplica-se principalmente às instalações elétricas de edificação, re- sidencial, comercial, público, industrial, de serviços, agropecuário, hortigranjei- ro, etc.

Esta Norma aplica-se às instalações elétricas: A. em áreas descobertas das propriedades, externas às edificações; B. reboques de acampamento (trailers), locais de acampamento (campings),

marinas e instalações análogas; C. canteiros de obra, feiras, exposições e outras instalações temporárias.

D. aos circuitos elétricos alimentados sob tensão nominal igual ou inferior a 1 000 V em corrente alternada, com freqüências inferiores a 400 Hz, ou a 1 500 V em corrente continua;

E. aos circuitos elétricos, que não os internos aos equipamentos, funcionando sob uma tensão superior a 1 000 V e alimentados através de uma instalação de tensão igual ou inferior a 1 000 V em corrente alternada (por exemplo, circuitos de lâmpadas a descarga, precípitadores eletrostáticos etc.);

F. a toda fiação e a toda linha elétrica que não sejam cobertas pelas normas re- lativas aos equipamentos de utilização;

G. às linhas elétricas fixas de sinal (com exceção dos circuitos internos dos e- quipamentos).

NOTA: A aplicação às linhas de sinal concentra-se na prevenção dos riscos decorren- tes das influências mútuas entre essas linhas e as demais linhas elétricas da instala- ção, sobretudo sob os pontos de vista da segurança contra choques elétricos, da segurança contra incêndios e efeitos térmicos prejudiciais e da compatibilidade ele- tromagnética.

Esta Norma aplica-se às instalações novas e a reformas em instalações existentes.

NOTA: Modificações destinadas a, por exemplo, acomodar novos equipamentos elétri- cos, inclusive de sinal, ou substituir equipamentos existentes, não caracterizam neces- sariamente uma reforma geral da instalação.

Esta Norma não se aplica a: A. instalações de tração elétrica; B. instalações elétricas de veículos automotores; C. instalações elétricas de embarcações e aeronaves; D. equipamentos para supressão de perturbações radioelétricas, na medida em

que não comprometam a segurança das instalações; E. instalações de iluminação pública;

48 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

F. redes públicas de distribuição de energia elétrica; G. instalações de proteção contra quedas diretas de raios. No entanto, esta

Norma considera as conseqüências dos fenômenos atmosféricos sobre as instalações (por exemplo, seleção dos dispositivos de proteção contra sobre- tensões);

H. instalações em minas; I. instalações de cercas eletrificadas. Os componentes da instalação são considerados apenas no que concerne à sua seleção e condições de instalação. Isto é igualmente válido para conjuntos em conformidade com as normas a eles aplicáveis.

A aplicação desta Norma não dispensa o atendimento a outras normas com- plementares, aplicáveis as instalações e locais específicos.

NOTA: São exemplos de normas complementares a esta Norma as ABNT NBR 13534, ABNT NBR 13570 e ABNT NBR 5418.

A aplicação desta Norma não dispensa o respeito aos regulamentos de órgãos públicos aos quais a instalação deva satisfazer.

As instalações elétricas cobertas por esta Norma estão sujeitas também, naquilo que for pertinente, às normas para fornecimento de energia estabelecida pelas autoridades reguladoras e pelas empresas distribuidoras de eletricidade.

NBR 14039 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE MÉDIA TENSÃO DE 1,0KV A 36,2KV

Objetivo Esta Norma estabelece um sistema para o projeto e execução de instalações e- létricas de média tensão, com tensão nominal de 1,0kV a 36,2 kV, à freqüên- cia industrial, de modo a garantir segurança e continuidade de serviço.

Esta Norma aplica-se a partir de instalações alimentadas pelo concessionário, o que corresponde ao ponto de entrega definido através da legislação vigente ema- nada da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Esta Norma também se aplica as instalações alimentadas por fonte própria de energia em média tensão.

Esta Norma abrange as instalações de geração, distribuição e utilização de e- nergia elétrica, sem prejuízo das disposições particulares relativas aos locais e condições especiais de utilização constantes nas respectivas normas. As insta- lações especiais tais como marítimas, de tração elétrica, de usinas, pedreiras, luminosas com gases (neônio e semelhantes), devem obedecer, além desta Norma, às normas especificas aplicáveis em cada caso.

As prescrições desta Norma constituem as exigências mínimas a que devem obedecer as instalações elétricas às quais se refere, para que não venham, por suas deficiências, prejudicar e perturbar as instalações vizinhas ou causar da- nos a pessoas e animais e à conservação dos bens e do meio ambiente.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 49

Esta Norma aplica-se às instalações novas, às reformas em instalações existen- tes e às instalações de caráter permanente ou temporário.

NOTA: Modificações destinadas a, por exemplo, acomodar novos equipamentos ou subs- tituir os existentes não implicam necessariamente reforma total da instalação.

Os componentes da instalação são considerados apenas no que concerne à sua seleção e às suas condições de instalação. Isto é igualmente válido para con- juntos pré-fabricados de componentes que tenham sido submetidos aos ensaios de tipo aplicáveis.

A aplicação desta Norma não dispensa o respeito aos regulamentos de órgãos públicos aos quais a instalação deva satisfazer. Em particular, no trecho entre o ponto de entrega e a origem da instalação, pode ser necessário, além das pres- crições desta Norma, o atendimento das normas e/ou padrões do concessioná- rio quanto à conformidade dos valores de graduação (sobrecorrentes temporizadas e instantâneas de fase/neutro) e capacidade de interrupção da po- tência de curto-circuito.

NOTA: A Resolução 456:2000 da ANEEL define que ponto de entrega é ponto de co- nexão do sistema elétrico da concessionária com as instalações elétricas da unidade consumidora, caracterizando-se como o limite de responsabilidade do fornecimento.

Esta norma aplica-se: Na construção e manutenção das instalações elétricas de média tensão de 1,0 a 36,2 kV a partir do ponto de entrega definido pela legislação vigente incluindo as instalações de geração, distribuição de energia elétrica. Devem considerar a relação com as instalações vizinhas a fim de evitar danos às pessoas, animais e meio ambiente.

Esta norma não se aplica: • Às instalações elétricas de concessionários dos serviços de geração,

transmissão e distribuição de energia elétrica, no exercício de suas fun- ções em serviço de utilidade pública;

• Às instalações de cercas eletrificadas; • Trabalhos com circuitos energizados.

5 Segurança com eletricidade

PROCEDIMENTOS ROTINAS DE TRABALHO

INSTALAÇÕES DESENERGIZADAS »

LIBERAÇÃO PARA SERVIÇOS »

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA »

INSPEÇÕES DE ÁREAS, SERVIÇOS, FERRAMENTAL E EQUIPAMENTO »

p.53

p.57

p.59

p.63

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 53

INSTALAÇÕES DESENERGIZADAS

Objetivo Definir procedimentos básicos para execução de atividades/trabalhos em siste- ma e instalações elétricas desenergizadas.

Âmbito de aplicação Aplica-se às áreas envolvidas direta ou indiretamente no planejamento, pro- gramação, coordenação e execução das atividades, no sistema ou instalações elétricas desenergizadas.

Conceitos básicos

Impedimento de equipamento Isolamentos elétricos do equipamento ou instalação, eliminando a possibilidade de energização indesejada, indisponibilizando à operação enquanto permanecer a condição de impedimento.

Responsável pelo serviço Empregado da empresa ou de terceirizada que assume a coordenação e super- visão efetiva dos trabalhos.

É responsável pela viabilidade da execução da atividade e por todas as medidas necessárias à segurança dos envolvidos na execução das atividades, de tercei- ros, e das instalações, bem como por todos os contatos em tempo real com a área funcional responsável pelo sistema ou instalação.

PES – Pedido para Execução de Serviço Documento emitido para solicitar a área funcional responsável pelo sistema ou instalação, o impedimento de equipamento, sistema ou instalação, visando a realização de serviços.

Deve conter as informações necessárias à realização dos serviços, tais como: descrição do serviço, número do projeto, local, trecho/equipamento isolado, da- ta, horário, condições de isolamento, responsável, observações, emitente, entre outros.

AES – Autorização para Execução de Serviço É a autorização fornecida pela área funcional, ao responsável pelo serviço, libe- rando e autorizando a execução dos serviços. A AES é parte integrante do docu- mento PES.

Desligamento Programado Toda interrupção programada do fornecimento de energia elétrica, deve ser co- municada aos clientes afetados formalmente com antecedência contendo data, horário e duração pré-determinados do desligamento.

54 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Desligamento de Emergência Interrupção do fornecimento de energia elétrica sem aviso prévio aos clientes afe- tados, se justifica por motivo de força maior, caso fortuito ou pela existência de risco iminente à integridade física de pessoas, instalações ou equipamentos.

Interrupção Momentânea Toda interrupção provocada pela atuação de equipamentos de proteção com re- ligamento automático.

Procedimentos gerais de segurança Todo serviço deve ser planejado antecipadamente e executado por equipes de- vidamente treinadas e autorizadas de acordo com a NR-10 da portaria 3214/MTB/78 e com a utilização de equipamentos aprovados pela empresa e em boas condições de uso.

O responsável pelo serviço, deverá estar devidamente equipado com um siste- ma que garanta a comunicação confiável e imediata área funcional responsável pelo sistema ou instalação durante todo o período de execução da atividade.

Procedimentos gerais para serviços programados O empregado que coordenar a execução das atividades/trabalhos em sistema e instalações elétricas desenergizadas, terá como responsabilidades:

• Apresentar os projetos a serem analisados, com os respectivos estudos de viabilidade, tempo necessário para execução das atividades/trabalhos;

• Definir os recursos materiais e humanos para cumprimento do planejado; • Entregar os projetos que envolverem alteração de configuração do sistema

e instalações elétricas à área funcional responsável.

Avaliação dos Desligamentos A área funcional responsável pelo sistema ou instalação terá como atribuição ava- liar as manobras, de forma a minimizar os desligamentos necessários com a má- xima segurança, analisando o impacto (produção, indicadores, segurança dos trabalhadores, custos, etc.) do desligamento.

Execução dos Serviços A equipe responsável pela execução dos serviços deverá providenciar:

• Os levantamentos de campo necessários à execução do serviço; • Os estudos de viabilidade de execução dos projetos; • Todos os materiais, recursos humanos e equipamentos necessários para

execução dos serviços nos prazos estabelecidos; • Documentação para Solicitação de Impedimento de Equipamento;

• Todo impedimento de equipamento deve ser oficializado junto à área fun- cional responsável, através do documento PES, ou similar.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 55

NOTAS Serviços que não se enquadrarem dentro dos prazos de programação e que não sejam de emergência, devem ser solicitados à área funcional responsável pelo sistema ou instalação, com justificativa por escrito e se aprovados são de responsabilidade da área executante, o aviso da interrupção a todos os envolvidos. Qualquer impacto do não cumprimento dos prazos e do não aviso aos envolvidos é de responsabilidade da área executante.

Quando da liberação do sistema ou instalação com a necessidade de manobras, deve- se observar os prazos mínimos exigidos.

A intervenção no sistema ou instalação elétrica que envolver outras áreas ou empresas (concessionárias) deve ter sua programação efetuada em conformidade com os crité- rios e normas estabelecidos no Acordo Operativo existente, envolvendo no planejamen- to todas as equipes responsáveis pela execução dos serviços.

Emissão de PES. O PES deverá ser emitido para cada serviço, quando de impedimentos distintos.

Quando houver dois ou mais serviços que envolvam o mesmo impedimento, sob a coordenação do mesmo responsável, será emitido apenas um PES.

Nos casos em que, para um mesmo impedimento, houver dois ou mais respon- sáveis, obrigatoriamente será emitido um PES para cada responsável, mesmo que pertençam a mesma área.

Quando na programação de impedimento existir alteração de configuração do sistema ou instalação, deverá ser encaminhado à área funcional responsável pela atividade, o projeto atualizado. Caso não exista a possibilidade de envio do projeto atualizado, é de responsabilidade do órgão executante elaborar um “cro- qui” contendo todos os detalhes necessários que garantam a correta visualiza- ção dos pontos de serviço e das alterações de rede a serem executadas.

Etapas da programação

Elaboração da Manobra Programada Informações que deverão constar na Programação da Manobra:

• Data, horário previsto para inicio e fim do serviço; • Descrição sucinta da atividade; • Nome do responsável pelo serviço; • Dados dos clientes interrompidos, área ou linha de produção; • Trecho elétrico a ser desligado, identificado por pontos significativos; • Seqüência das manobras necessárias para garantir a ausência de tensão

no trecho do serviço e a segurança nas operações; • Seqüência de manobras para retorno à situação inicial; • Divulgação do desligamento programado, aos envolvidos; • As áreas/clientes afetados pelo desligamento programado devem ser in-

formadas com antecedência da data do desligamento.

56 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Aprovação do PES Depois de efetuada a programação e o planejamento da execução da atividade, a área funcional responsável, deixará o documento PES, disponível no sistema para consulta e utilização dos órgãos envolvidos.

Ficará a cargo do gestor da área executante, a entrega da via impressa do PES aprovado, ao responsável pelo serviço, que deverá estar de posse do documen- to no local de trabalho.

Procedimentos Gerais Caso o responsável pelo serviço não esteja de posse do PES/AES, a área fun- cional responsável não autorizará a execução do desligamento.

O impedimento do equipamento/instalação depende da solicitação direta do responsável pelo serviço à área funcional responsável, devendo este já se en- contrar no local onde serão executados os serviços.

Havendo necessidade de substituição do responsável pelo serviço, a área exe- cutante deverá informar à área funcional responsável o nome do novo respon- sável pelo serviço, com maior antecedência, justificando formalmente a alteração.

Para todo PES deverá ser gerada uma Ordem de Serviço - OS ou Pedido de Turma de Emergência - PTE (ou documento similar).

A área funcional responsável autorizará o início da execução da atividade após confirmar com o responsável pelo serviço, os dados constantes no documento em campo, certificando-se de sua igualdade.

Após a conclusão das atividades e liberação do responsável pelo serviço, a área funcional responsável, coordenará o retorno à configuração normal de opera- ção, retirando toda a documentação vinculada à execução do serviço.

Para garantir a segurança de todos envolvidos na execução das atividades caso haja mais de uma equipe trabalhando em um mesmo trecho, a normalização somente poderá ser autorizada pela área funcional responsável após a liberação do trecho por todos os responsáveis.

Nos casos em que os serviços não forem executados ou executados parcialmen- te conforme a programação, o responsável pelo serviço deverá comunicar à á- rea funcional responsável, para adequação da base de dados e reprogramação dos serviços.

Procedimentos para serviços de emergência A determinação do regime de emergência para a realização de serviços correti- vos é de responsabilidade do órgão executante.

Todo impedimento de emergência deverá ser solicitado diretamente à área fun- cional responsável, informando:

• O motivo do impedimento; • O nome do solicitante e do responsável pelo serviço; • Descrição sucinta e localização das atividades a serem executadas; • Tempo necessário para a execução das atividades; • Elemento a ser impedido.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 57

A área funcional responsável deverá gerar uma Ordem de Serviço - OS ou Pedido de Turma de Emergência - PTE (ou similar) e comunicar, sempre que possível, os clientes afetados.

Após a conclusão dos serviços e conseqüente liberação do sistema ou instala- ções elétricas por parte do responsável pelo serviço, à área funcional responsá- vel coordenará o retorno à configuração normal de operação, retirando toda a documentação vinculada à execução do serviço.

LIBERAÇÃO PARA SERVIÇOS

Objetivo Definir procedimentos básicos para liberação da execução de ativida- des/trabalhos em circuitos e instalações elétricas desenergizadas.

Âmbito de aplicação Aplica-se às áreas envolvidas direta ou indiretamente no planejamento, pro- gramação, liberação, coordenação e execução de serviços no sistema ou insta- lações elétricas.

Conceitos básicos

Falha irregularidade total ou parcial em um equipamento, componente da rede ou ins- talação, com ou sem atuação de dispositivos de proteção, supervisão ou sinali- zação, impedindo que o mesmo cumpra sua finalidade prevista em caráter permanente ou temporário.

Defeito Irregularidade em um equipamento ou componente do circuito elétrico, que im- pede o seu correto funcionamento, podendo acarretar sua indisponibilidade.

Interrupção Programada interrupção no fornecimento de energia elétrica por determinado espaço de tempo, programado e com prévio aviso aos clientes envolvidos.

Interrupção Não Programada Interrupção no fornecimento de energia elétrica sem prévio aviso aos clientes.

Procedimentos gerais Constatada a necessidade da liberação de determinado equipamento ou circui- to, deverá ser obtido o maior número possível de informações para subsidiar o planejamento.

No planejamento será estimado o tempo de execução dos serviços, adequação dos materiais, previsão de ferramentas específicas e diversas, número de em- pregados, levando-se em consideração o tempo disponibilizado na liberação.

58 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

As equipes serão dimensionadas e alocadas, garantindo a agilidade necessária à obtenção do restabelecimento dos circuitos com a máxima segurança no me- nor tempo possível.

Na definição das equipes e dos recursos alocados serão considerados todos os aspectos, tais como: comprimento do circuito, dificuldade de acesso, período de chuvas, existência de cargas e clientes especiais.

Na definição e liberação dos serviços, serão considerados os pontos estratégicos dos circuitos, tipo de defeito, tempo de restabelecimento, importância do circui- to, comprimento do trecho a ser liberado, cruzamento com outros circuitos, se- qüência das manobras necessárias para liberação dos circuitos envolvidos.

Na liberação dos serviços, para minimizar a área a ser atingida pela falta de e- nergia elétrica durante a execução dos serviços, a área funcional responsável deverá manter os cadastros atualizados de todos os circuitos.

Antes de iniciar qualquer atividade o responsável pelo serviço deve reunir os envolvidos na liberação e execução da atividade e:

A. Certificar-se de que os empregados envolvidos na liberação e execução dos serviços estão munidos de todos os EPI’s necessários;

B. Explicar aos envolvidos as etapas da liberação dos serviços a serem executa- dos e os objetivos a serem alcançados;

C. Transmitir claramente as normas de segurança aplicáveis, dedicando espe- cial atenção à execução das atividades fora de rotina;

D. Certificar de que os envolvidos estão conscientes do que fazer, onde fazer, como fazer, quando fazer e porque fazer.

Procedimentos básicos para liberação O programa de manobra deve ser conferido por um empregado diferente daque- le que o elaborou.

Os procedimentos para localização de falhas, depende especificamente da filo- sofia e padrões definidos por cada empresa, e devem ser seguidos na íntegra conforme procedimentos homologados, impedindo as improvisações do restabe- lecimento.

Em caso de qualquer dúvida quanto a execução da manobra para liberação ou trabalho o executante deverá consultar o responsável pela tarefa ou a área fun- cional responsável sobre quais os procedimentos que devem ser adotados para garantir a segurança de todos.

A liberação para execução de serviços (manutenção, ampliação, inspeção ou treinamento) não poderá ser executada sem que o empregado responsável este- ja de posse do documento específico, emitido pela área funcional responsável, que autorize a liberação do serviço.

Havendo a necessidade de impedir a operação ou condicionar as ações de co- mando de determinados equipamentos, deve-se colocar sinalização especifica para esta finalidade, de modo a propiciar um alerta claramente visível ao em- pregado autorizado a comandar ou acionar os equipamentos.

As providências para retorno à operação de equipamentos ou circuitos liberados para manutenção não devem ser tomadas sem que o responsável pelo serviço tenha devolvido todos os documentos que autorizavam sua liberação.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 59

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

A sinalização de segurança consiste num procedimento padronizado destinado a orientar, alertar, avisar e advertir as pessoas quanto aos riscos ou condições de perigo existentes, proibições de ingresso ou acesso e cuidados e identifica- ção dos circuitos ou parte dele.

É de fundamental importância a existência de procedimentos de sinalização padronizados, documentados e que sejam conhecidos por todos os trabalhado- res (próprios e prestadores de serviços).

Os materiais de sinalização constituem-se de cone, bandeirola, fita, grade, sina- lizador, placa, etc.

Exemplos de Placas:

PLACA: perigo de morte – alta tensão

Finalidade Destinada advertir as pessoas quanto ao perigo de ultrapassar áreas delimitadas onde haja a possibilidade de choque elétrico, devendo ser instalada em caráter permanente.

PLACA: não operar “trabalhos”

Finalidade Destinada a advertir para o fato do equipamento em refe- rência estar incluído na condição de segurança, devendo a placa ser colocada no comando local dos equipamen- tos.

PLACA: equipamento energizado

Finalidade Destinada a advertir para o fato do equipamento em refe- rência, mesmo estando no interior da área delimitada pa- ra trabalhos, encontrar-se energizado.

PLACA: equipamento com partida automática

Finalidade Destinada a alertar quanto a possibilidade de exposição a ruído excessivo e partes volantes, quando de partida automática de grupos auxiliares de emergência.

60 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

PLACA: perigo – não fume - não acenda fogo – desligue o celular

Finalidade Destinada a advertir quanto ao perigo de explosão, quan- do do contato de fontes de calor com os gases presentes em salas de baterias e depósitos de inflamáveis, devendo a mesma ser afixada no lado externo.

PLACA: uso obrigatório

Finalidade Destinada a alertar quanto à obrigatoriedade do uso de determi- nado equipamento de proteção individual.

PLACA: atenção – gases

Finalidade Destinada a alertar quanto a necessidade do aciona- mento do sistema de exaustão das salas de baterias an- tes de se adentrar, para retirada de possíveis gases no local.

PLACA: atenção para banco de capacitores e cabos a óleo

Finalidade Destinada a alertar a Operação, Manutenção e Construção quanto a necessidade de espera de um tempo mínimo para fa- zer o Aterramento Móvel Temporário de forma segura e iniciar os serviços.

Ao confeccionar esta placa, o tempo de espera deverá ser ade- quado de acordo com a especificidade do local onde a placa será instalada.

PLACA: perigo – não entre – alta tensão

Finalidade Advertir terceiros quanto aos perigos de choque elétrico nas instalações dentro da área delimitada. Instalada nos muros e cercas externas das subestações.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 61

PLACA: perigo – não suba

Finalidade Advertir terceiros para não subir, devido ao perigo da alta tensão. Instaladas em torres, pórticos e postes de sustenta- ção de condutores energizados.

Situações de sinalização de segurança A sinalização de segurança deve atender entre outras as situações a seguir:

Identificação de circuitos elétricos

Travamentos e bloqueios de dispositivos e sistemas de manobra e comandos

62 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Restrições e impedimentos de acesso

Delimitações de áreas;

Sinalização de áreas de circulação, de vias públicas, de veí- culos e de movimentação de cargas;

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 63

Sinalização de impedimento de energização

Identificação de equipamento ou circuito impedido.

INSPEÇÕES DE ÁREAS, SERVIÇOS, FERRAMENTAL E EQUIPAMENTO

As inspeções regulares nas áreas de trabalho, nos serviços a serem executados, no ferramental e nos equipamentos utilizados, consistem em um dos mecanis- mos mais importantes de acompanhamento dos padrões desejados, cujo objeti- vo é a vigilância e controle das condições de segurança do meio ambiente laboral, visando à identificação de situações “perigosas” e que ofereçam “riscos” à integridade física dos empregados, contratados, visitantes e terceiros que a- dentrem a área de risco, evitando assim que situações previsíveis possam levar a ocorrência de acidentes.

Essas inspeções devem ser realizadas, para que as providências possam ser tomadas com vistas às correções. Em caso de risco grave e iminente (exemplo: empregado trabalhando em altura sem cinturão de segurança, sem luvas de proteção de borracha, sem óculos de segurança, etc.), a atividade deve ser pa-

64 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

ralisada e imediatamente contatado o responsável pelo serviço, para que as medidas cabíveis sejam tomadas.

Os focos das inspeções devem estar centralizados nos postos de trabalho, nas con- dições ambientais, nas proteções contra incêndios, nos métodos de trabalho de- senvolvidos, nas ações dos trabalhadores, nas ferramentas e nos equipamentos.

As inspeções internas, por sua vez, podem ser divididas em:

• Gerais; • Parciais; • Periódicas; • Através de denúncias; • Cíclicas; • Rotineiras; • Oficiais e especiais.

Inspeções gerais Devem ser realizadas anualmente, com o apoio dos profissionais do SESMT e Supervisores das áreas envolvidas. Estas inspeções atingem a empresa como um todo. Algumas empresas já mantêm essa inspeção sob o título de "audito- ria", uma vez que é sistemática, documentada e objetiva.

Inspeções parciais São realizadas nos setores seguindo um cronograma anual com escolha pré- determinada ou aleatória. Quando se usam critérios de escolhas, estes estão re- lacionados com o grau de risco envolvido e com as características do trabalho desenvolvido na área. São as inspeções mais comuns, atendem à legislação e podem ser feitas por cipeiros no seu próprio local de trabalho.

Inspeções periódicas São realizadas com o objetivo de manter a regularidade para uma rastreabilida- de ou estudo complementar de possíveis incidentes. Estão ligadas ao acompa- nhamento das medidas de controle sugeridas para os riscos da área. São utilizadas nos setores de produção e manutenção.

Inspeções por denúncia Através de denúncia anônima ou não, pode-se solicitar uma inspeção em local onde há riscos de acidentes ou agentes agressivos a saúde e meio ambiente.

Sendo cabível, além de realizar a inspeção no local deve-se ainda efetuar levan- tamento detalhado sobre o que de fato está acontecendo, buscando informa- ções adicionais junto à: fabricantes, fornecedores, SESMT e supervisor da área onde a situação ocorreu. Detectado o problema, cabe aos responsáveis imple- mentar medida de controle e acompanhar sua efetiva implantação.

Inspeções cíclicas São aquelas realizadas com intervalos de tempo pré-definidos, uma vez que e- xista um parâmetro que norteie esses intervalos.

Podemos citar, por exemplo, as inspeções realizadas no verão, onde aumenta as atividades nos segmentos operacionais.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 65

Inspeções de rotina São realizadas em setores onde há a possibilidade de ocorrer inciden- tes/acidentes. Nesses casos, o SESMT deve estar alerta aos riscos, bem como conscientizar os empregados do setor para que observem as condições de traba- lho, de tal modo que o índice de incidentes/acidentes diminua.

Esta inspeção não pode ser duradoura, ou seja, à medida que os problemas fo- rem regularizados, o intervalo entre as inspeções será maior até que se torne periódico. O importante é que o empregado "não se acostume" com a presença da “supervisão de segurança”, para que não caracterize que a ocorrência de a- cidentes/ incidentes só é vencida com a sua presença física.

Cuidados antes da inspeção Antes do inicio da inspeção deve-se preparar um check-list por setor, com as principais condições de risco existentes em cada local e deverá ter um campo em branco para anotar as condições de riscos não presentes no check-list.

Trata-se de um roteiro que facilitará a observação. É importante que o empre- gado tenha uma "visão crítica", para observar novas situações (atitudes de em- pregados e locais) não previstas na análise de risco inicial.

Não basta reunir o grupo e fazer a inspeção. É necessário que haja um padrão, onde todos estejam conscientes dos resultados que se deseja alcançar. Nesse sentido, é importante que se faça uma inspeção piloto para que todos os envol- vidos vivenciem a dinâmica e tirem suas dúvidas.

As inspeções devem perturbar o mínimo possível às atividades do setor inspe- cionado. Além disso, todo encarregado/supervisor deve ser previamente comu- nicado de que seu setor passará por uma inspeção de segurança. Chegar de surpresa pode causar constrangimentos e criar um clima desfavorável.

Sugestão de passos para uma inspeção 1º passo - Setorizar a empresa e visitar todos os locais, fazendo uma análise dos riscos existentes. Pode-se usar a última Análise Preliminar de Risco (APR) ou a metodologia do mapa de risco como ajuda; 2º passo - Preparar uma folha por setor de todos os itens a serem observados;

3º passo - Realizar a inspeção, anotando na folha de dados se o requisito está ou não atendido. Toda informação adicional sobre aspectos que possam levar a acidentes deve ser registrada;

4º passo - Levar os dados para serem discutidos em reunião diretiva, propor medidas de controle para os itens de não-conformidade, levando-se em conta o que é prioritário;

5º passo – Encaminhar relatório referente a inspeção citando o(s) setor (s), a(s) falha(s) detectada(s) e a sugestão(ões) para que seja(m) regularizada(s);

6ºpasso – Solicitar regularização(ões) e fazer o acompanhamento das medidas de controle implantadas. Alterar a folha de inspeção, inserindo esse item para as novas inspeções;

7º passo - Manter a periodicidade das inspeções, a partir do 3º passo.

6 Segurança com eletricidade

DOCUMENTAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

DOCUMENTAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS » p.69

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 69

DOCUMENTAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

Medidas de controle Em todas as intervenções nas instalações elétricas, subestações, salas de co- mando das usinas, centro de operações entre outras instalações, devem ser a- dotadas medidas preventivas de controle do risco elétrico e de outros riscos adicionais, mediante técnicas de análise de risco, de forma a garantir a segu- rança, saúde no trabalho, bem como a operacionalidade, prevendo eventos não intencionais, focando na gestão e controles operacionais do sistema elétrico de potência (SEP).

As medidas de controle adotadas devem integrar-se às demais iniciativas da empresa, tais como políticas corporativas e normas no âmbito da preservação da segurança, da saúde e do meio ambiente do trabalho.

Pelo novo texto da Norma Regulamentadora NR 10, as empresas estão obrigadas a manter prontuário com documentos necessários para a prevenção dos riscos, durante a construção, operação e manutenção do sistema elétrico, tais como: es- quemas unifilares atualizados das instalações elétricas dos seus estabelecimen- tos, especificações do sistema de aterramento dos equipamentos e dispositivos de proteção, entre outros que iremos listar a seguir.

Os estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kW devem constituir e manter o Prontuário de Instalações Elétricas, contendo, além do disposto nos subitens 10.2.3 e 10.2.4 NR 10, no mínimo:

• Conjunto de procedimentos, instruções técnicas e administrativas de se- gurança e saúde, implantadas e relacionadas a esta NR e descrição das medidas de controle existentes para as mais diversas situações (Mano- bras, manutenção programada, manutenção preventiva, manutenção emergencial,etc,.);

• Documentação das inspeções e medições do sistema de proteção contra descargas atmosféricas e aterramentos elétricos;

• Especificação dos equipamentos de proteção coletiva, proteção individual e do ferramental, aplicáveis conforme determina esta NR;

• Documentação comprobatória da qualificação, habilitação, capacitação, autorização dos trabalhadores, os treinamentos realizados e descrição de cargos/funções dos empregados que são autorizados para trabalhos nes- tas instalações;

• Resultados dos testes de isolação elétrica realizada em equipamentos de proteção individual e coletiva que ficam a disposição nas instalações;

• Certificações dos equipamentos e materiais elétricos em áreas classifica- das; e

• Relatório técnico das inspeções atualizadas com recomendações, crono- gramas de adequações, contemplando as alíneas de "a" a "f".

As empresas que operam em instalações ou equipamentos integrantes do sis- tema elétrico de potência devem constituir prontuário com o conteúdo do item 10.2.4 NR 10 e acrescentar ao prontuário os documentos a seguir listados:

• Descrição dos procedimentos para emergências e; • Certificações dos equipamentos de proteção coletiva e individual;

70 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Exemplos

10.2.4 A – Exemplo de diagrama unifilar

A1 - Exemplo de instrução técnica

Planejamento da tarefa - base e no campo

Objetivo

Definir os procedimentos de trabalho e segurança, que as equipes devem aten- der visando a realização de atividades voltadas à segurança.

Qual tarefa a ser realizada:

• Método de execução • Recursos humanos • Recursos materiais, ferramentas e equipamentos. • EPI’s e EPC’s necessários

Principais características técnicas

Exemplo de nomenclaturas:

• PIE – Pedido de Impedimento de Equipamento • ISR – Informação de Serviço • OIE – Ordem de Impedimento de Equipamento • PIE – Pedido de Impedimento de Equipamento • ISR – Informação de Serviço • COS – Centro de Operação do Sistema • ND – Norma Técnica da Distribuição • CBBS – Conjunto blindado barra simples • CBBD – Conjunto blindado barra dupla • EPI – Equipamento de Proteção Individual • EPC – Equipamento de Proteção Coletiva

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 71

Pré-requisitos para execução da tarefa

Para a execução de qualquer atividade/tarefa todos os integrantes da equipe devem ser capacitados ou habilitados e autorizados.

Planejamento da tarefa na base.

• O responsável pela equipe deverá receber e programar a tarefa, considerando as características construtivas do local de execução da tarefa e a diversidade de equipamentos instalados.

• Portar toda documentação da programação da tarefa.

OBS - Nenhuma tarefa pode ser executada sem que a equipe possa estar de posse destes documentos.

• Tomar pleno conhecimento da tarefa, analisando e avaliando todos os pontos críticos de execução. Considerar o histórico dos eventos anterio- res, principalmente as alterações efetuadas.

NOTA 1: Todos os membros da equipe deverão estar presentes neste momento.

• Dimensionar a equipe, com pessoas capacitadas ou habilitadas e autori- zadas para realizar a tarefa de acordo com o volume de serviço a ser exe- cutado.

• Agrupar as informações técnicas dos circuitos e dispositivos, envolvidos com a tarefa. Verificar toda documentação, principalmente aquelas relati- vas às modificações realizadas.

• Realizar estudos para pleno entendimento sobre as funcionalidades ope- rativas dos equipamentos, dispositivos e circuitos.

• Planejar a metodologia para a realização da tarefa, contemplando todas as medidas de precaução contra eventos indesejados.

NOTA 2: Deverá haver pleno entendimento da tarefa a ser executada.

NOTA 3: A equipe tem que estar segura para a execução da tarefa.

• Selecionar os formulários de registros e ensaios inerentes a tarefa plane- jada.

• Agrupar todos os recursos de materiais e equipamentos necessários, e certificar suas funcionalidades

NOTA 4: Os participantes do planejamento tem que tomar conhecimento e entendi- mento dos recursos necessários.

• Agrupar todos EPI’s e EPC’s necessários, e certificar do seu estado de conservação e periodicidade de ensaios.

OBS – Nenhum EPI poderá ser utilizado se estiver com a data de ensaios vencida.

• Planejar a distribuição do tempo relativo à atividade, visando atender as solicitações de programação.

72 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Planejamento da tarefa no campo

De posse de toda documentação a equipe deve se dirigir até o local de realiza- ção da tarefa, onde após estacionar o veiculo deverá dar inicio a execução da mesma.

É importante que antes de iniciar a tarefa cada componente da equipe verifique se estão de posse dos EPIS previstos para realizar a tarefa.

OBS – Adentrar a área restrita sem estar usando os EPI’s constitui falha grave.

• Verificar as condições físicas e operacionais da área e dos equipamentos envolvidos, inspecionando se não existem riscos á execução da tarefa, a- nimais peçonhentos e manobras anteriores não informadas.

• Comparar se as condições operativas encontradas em campo são corres- pondentes às previsões do planejamento havido na base operacional.

NOTA 5: Caso tenha ocorrido modificações acionar o COS.

• Distribuir sub-tarefas aos componentes da equipe, visando a realização total da tarefa. Alocar esquemas, manuais, diagramas e folhas de regis- tros e ensaios de modo adequado e organizado.

• Listar os materiais, ferramentas e equipamentos necessários para a exe- cução de cada sub-tarefa.

• Listar os EPI’s e EPC’s necessários para a execução de cada sub-tarefa • Alocar os EPC’s correta e adequadamente de forma organizada; • Verificar a posse da documentação referente à tarefa ; • Agrupar a equipe.

Pessoal necessário

Equipe executante - de acordo com o tipo e característica do serviço a ser exe- cutado, (deverá eleger o responsável pela tarefa).

Ferramentas e materiais

Adequados para a tarefa.

EPI’s

• Uniforme completo, padrão; • Capacete de segurança; • Óculos de segurança; • Botina de segurança; • Outros correlacionados com os riscos.

EPC’s

• Adequados para execução das tarefas.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 73

Riscos envolvidos e formas de controle e prevenção

RISCOS FORMAS DE CONTROLE E PREVENÇÃO

Ergonômico Postura ergonômica correta

Dimensionamento errado do pessoal Ver procedimentos homologados

Arco Voltaico Manter a distância de segurança

Choque Elétrico Utilizar o EPI adequado

Explosão Utilizar o EPI adequado

Impacto Utilizar o EPI adequado

Projeção Utilizar o EPI adequado

A2 – Exemplo de APT - Análise prevencionista da tarefa

Referências técnicas

• Normas de Segurança; • Critérios de Manutenção de Sistemas de Proteção de Subestações; • Catálogos de equipamentos de proteção; • Diagrama unifilar das Subestações; • Esquemas de controle e proteção de equipamentos (Padrão da Empresa); • Dossiê específico de equipamentos (Transformador, Religador, etc.); • Banco de dados dos equipamentos de proteção; • Formulários de registros e ensaios (Padrão da Empresa).

74 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

APT – Modelo

Unidade: O/S:

Tarefa:

Local: CO: SIM NÃO

Qualificações: Pessoal escalado:

EPI e EPC:

Riscos:

Comentários sobre a tarefa:

Comentários sobre o local:

Montagem do canteiro:

Material e ferramentas:

Local:

Data:

Responsável:

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 75

A3 - Exemplo de execução de aterramento temporário em subestações

Objetivo

Esta instrução estabelece os procedimentos para aterramento temporário em subestações do sistema de potência, para que os trabalhos possam ser execu- tados com segurança.

Exemplos de nomenclaturas encontradas:

• PIE – Pedido de Impedimento de Equipamento; • ISR – Informação de Serviço; • OIE – Ordem de Impedimento de Equipamento; • TLE – Termo de Liberação de Equipamento; • COS – Centro de Operação do Sistema; • NST – Norma de Segurança no Trabalho; • SE – Estação Transformadora de Distribuição; • ESD – Estação do Sistema de Distribuição; • EBC – Estação Banco de Capacitores; • ECH – Estação de Chaves; • PMF – Posto de Medição de Fronteira; • EOC – Estação de Operação de Chaves; • BA4 – Trabalhador orientado e advertido; • BA5 – Trabalhador autorizado.

Pré-requisitos para execução da atividade.

Para a execução de qualquer atividade/tarefa todos os integrantes da equipe deverão ser capacitados ou habilitados e autorizados.

Procedimentos

• Liberar os equipamentos relacionados ao trabalho a ser realizado. Con- forme Manual de Procedimento de Trabalho -(Segmento Operação);

• Conferir a manobra referente ao equipamento entregue; • Proceder à sinalização do equipamento referido; • Testar os condutores, ou equipamento no qual se irá trabalhar, com dis-

positivo adequado, para certificar a ausência de tensão; • Identificar, sob os pontos de vista de segurança operacional e técnico, os

melhores locais para a conexão dos grampos dos cabos de aterramento; • O aterramento temporário do equipamento ou condutor deve ser executa-

do, atentando-se para: • Não usar improvisações; utilizar o conjunto de aterramento temporário

dimensionado para a classe de tensão; • Na ação de levantamento do conjunto de aterramento proceder de for-

ma a não forçar o bastão. • Todos os dispositivos para o aterramento temporário de um condutor ou

equipamento deverão ser inspecionados antes de utilizados (conexões, fi- xação dos grampos, integridade da isolação e do condutor, etc,);

• Ligar o grampo de terra do conjunto de aterramento temporário com fir- meza à malha terra e em seguida, a outra extremidade ao condutor do circuito, utilizando o bastão apropriado, repetir esta operação para os demais condutores do circuito;

76 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

• Quando duas ou mais equipes estiverem trabalhando numa mesma sub- estação, cada responsável pelo serviço deve providenciar a instalação dos equipamentos de aterramento temporário necessários ao seu serviço, in- dependente dos aterramentos temporários instalados pelas outras equi- pes. Cada equipe deve acatar as ordens apenas de seu respectivo responsável pelo serviço e atender as normas respectivas de aterramento;

• Durante os testes para detecção de tensão e aterramento temporário do circuito e equipamentos, o pessoal não envolvido deve manter-se afasta- do do local do serviço.

• Nos ensaios que exijam equipamentos não aterrados, os mesmos devem ser descarregados eletricamente à terra, seguindo para isso os procedi- mentos estabelecidos e específicos para cada equipamento.

• Em toda remoção de ligações à terra, as seguintes regras devem ser obedecidas: • O responsável pelo serviço deve verificar se o aterramento se relaciona

com os serviços executados pela sua equipe; • Certificar-se da retirada das ferramentas utensílios e equipamentos en-

volvidos no trabalho; • Certificar se a instalação está apta a ser reenergizada; • Certificar da remoção da zona controlada, de todos empregados envol-

vidos na tarefa. • É EXPRESSAMENTE PROIBIDO RETIRAR O ATERRAMENTO TEMPORÁ-

RIO QUE NÃO SEJA DE SUA RESPONSABILIDADE • Com o bastão apropriado, desconectar em primeiro lugar a extremidade

ligada ao condutor do circuito ou equipamento e, em seguida, a extremi- dade ligada à malha terra.

Ferramentas e materiais

Materiais: Conjunto de aterramento temporário, detector de tensão.

Ferramentas: Escadas extensíveis de madeira ou fibra, conforme norma vigente.

Pessoas

Pessoal necessário (engenheiros, técnicos, eletricistas e operadores) autorizado a executarem as atividades.

EPI’s: Capacete de segurança, óculos de segurança “incolor ou escuro”, Uni- forme antichama, luva isolante de borracha e luva de proteção, cinturão de se- gurança com talabarte e botina de segurança.

EPC’s: Fitas ou cordas refletivas, bandeiras refletivas, bandeiras imantadas refletivas,cones e grades não metálicas.

Riscos envolvidos e formas de controle e prevenção

RISCOS ENVOLVIDOS FORMAS DE CONTROLE E PREVENÇÃO

Ergonômico Postura ergonômica correta

Choque elétrico Utilizar EPI adequado

Queda Utilizar EPI adequado

Explosão Utilizar EPI adequado

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 77

Planejamento da tarefa

Elaborar o planejamento para a execução da tarefa, conforme APT. (Análise Prevencionista da Tarefa)

APT – Análise Prevencionista da Tarefa

Unidade: O/S:

Tarefa: Aterramento Temporário em Subestação

Local: COS: SIM 7.NÃO

Qualificações: Pessoal escalado:

EPI e EPC:

Riscos:

Ergonômico

Choque elétrico

Queda

Explosão

Comentários sobre a tarefa: comentar sobre os procedimentos para a execução da tarefa de acordo com o previsto no respectivo Manual de Procedimento de Trabalho. Chamar a atenção para os passos previstos nos Cartões de Trabalho a serem empregados.

Comentários sobre o local: comentar sobre os diversos aspectos referentes ao local onde será realizada a tarefa, chamando a atenção para pontos importantes como o trânsito no local, pro- ximidades de favela.

Montagem do canteiro: comentar sobre as peculiaridades relativas à montagem do canteiro.

Material e ferramentas: listar as ferramentas necessárias.

Local:

Data:

Responsável:

78 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

A4 - Exemplo de sinalização de canteiro de trabalho em subestações.

Objetivo

Este manual estabelece os procedimentos para sinalização de canteiro de traba- lho em subestações do sistema de potência delimitando a área de trabalho e/ou canteiro de obras, para diferenciar os equipamentos energizados dos não ener- gizados.

Pré-requisitos para execução da atividade.

Para a execução de qualquer atividade/tarefa todos os integrantes da equipe deverão ser treinados e autorizados.

Procedimentos

• Liberar os equipamentos relacionados ao trabalho a ser realizado, con- forme Manual de Procedimentos Técnicos.

• Conferir a manobra referente ao circuito ou equipamento entregue. • Proceder à sinalização do circuito ou equipamento envolvido.

Sinalizar todos os equipamentos da área de trabalho a ser delimitada por fita ou corda refletiva, fixada nas estruturas e/ou apoiada em cones, deixando-se um corredor de acesso.

Sinalizar com bandeira ou fitas todos os demais equipamentos energizados, que deverão permanecer fechados com chave e cadeado;

Antes de iniciar os serviços nos locais em que pode ocorrer tensão de retorno, como barramentos, deve-se efetuar o teste de presença de tensão.

Sinalizar Painéis

Afixar bandeira imantada ou similar em função do equipamento impedido de operação.

Sinalizar dispositivos de seccionamento

As sinalizações acima do nível do solo deverão ser feitas após o aterramento temporário a ser executado.

Delimitar a área de trabalho, ao nível do solo, com fita refletiva, apoiada em cones, cavaletes ou estruturas adjacentes, deixando-se um corredor de acesso;

Os demais dispositivos de seccionamento que foram envolvidos nas manobras para impedimento, deverão ser sinalizadas com bandeiras no mecanismo e comando de acionamento, além de bloqueadas elétrica e mecanicamente;

Os disjuntores envolvidos que foram desligados durante as manobras de impe- dimento deverão ser sinalizados no seu comando de acionamento, no painel de manobra, além de ter bloqueada a sua alimentação em corrente contí- nua(comando elétrico).

Sinalizar Estrutura Aérea

Delimitar a área de trabalho na estrutura.

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 79

Sinalização de Manoplas

Todos os varões dos dispositivos de seccionamento e os disjuntores do barra- mento deverão ser sinalizados com bandeiras de cor laranja,além de bloquea- dos elétrica e mecanicamente durante o impedimento.

Sinalizar das áreas com Obras Civis. (Trabalhadores BA4)

A área de trabalho deve ser sinalizada com fita refletiva, apoiada em cones, ca- valetes ou estrutura adjacente, deixando-se um corredor de acesso.

Nos locais que impliquem em abertura de tampões de caixas subterrâneas, o local deve ser sinalizado com cones ou grades não metálicas.

Sinalizar Subestações Transformadoras Portáteis/Transformador Móveis.

A área ao redor da Subestação Transformadora Portátil/Transformador Móvel deve ser delimitada por fita refletiva, fixada nas estruturas e/ou apoiada em co- nes, quando em operação, garantindo as distâncias de segurança.

Ferramentas e materiais

Materiais: Fitas refletivas, bandeiras refletivas, bandeiras imantadas refletivas, cones, cavaletes e grades não metálicas.

Ferramentas: Escadas fixas e extensíveis de fibra.

Pessoal necessário

Pessoal necessário (eletricistas, técnicos, operadores e/ou engenheiros) autori- zado a executarem as atividades.

EPI:

• Uniforme antichama; • Capacete de segurança; • Óculos de segurança

“incolor ou escuro”; • Luva isolante de borracha; • Luva de vaqueta; • Cinturão de segurança; • Botina de segurança; • Entre outros.

EPC:

• Fitas refletivas; • Bandeiras refletivas; • Bandeiras imantadas refletivas; • Cones e grades não metálicas.

Riscos envolvidos e formas de controle e prevenção

RISCOS ENVOLVIDOS FORMAS DE CONTROLE E PREVENÇÃO

Ergonômico Postura ergonômica correta

Choque elétrico Utilizar EPI adequado

Queda Utilizar EPI adequado e sinalização de solo

Explosão Utilizar EPI adequado

80 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

Q U

A D

R O

D EM

O N

ST R

A TI

V O

D A

S ET

A P

A S

D E

SE G

U R

A N

Ç A

:

O bj

et iv

o:

P ad

ro ni

za r

os p

ro ce

di m

en to

s de

s eg

ur an

ça I

ns pe

çã o

G er

al e

m T

P’ s

e TC

’s E

xt er

no s

de A

lta T

en sã

o.

C am

po d

e ap

lic aç

ão :

To do

s os

p ro

fis si

on ai

s ha

bi lit

ad os

e c

ap ac

ita do

s qu

e at

ua m

n a

m an

ut en

çã o

de e

st aç

õe s

de a

lta t

en -

sã o

da s

ub tr

an sm

is sã

o.

Te rm

in ol

og ia

(S ig

ni fic

ad o)

:

T P

: Tr

an sf

or m

ad or

d e

Po te

nc ia

l T

C :

Tr an

sf or

m ad

or d

e Co

rr en

te

D

em ai

s de

fin iç

õe s

de a

co rd

o co

m a

s no

r- m

as .

P as

so a

P as

so

Ta re

fa : I

n sp

eç ão

g er

al e

m T

P ’s

e T

C ’s

E xt

er n

os d

e A

lt a

Te n

sã o

1 º

P as

so

R is

co s

Fo rm

as d

e co

n tr

ol e

e pr

e- ve

n çã

o EP

I’ s

EP C’

s/ Fe

rr am

en ta

s Te

m po

(h

.m in

.s eg

.)

Pl an

ej ar

a t

ar ef

a e

pr ep

ar ar

o s

re cu

rs os

n ec

es sá

rio s

Im pr

ov is

aç õe

s na

s de

m ai

s e-

ta pa

s da

t ar

ef a

Pr ev

er , s

ep ar

ar e

in sp

ec io

na r

os e

qu ip

am en

to s,

f er

ra m

en -

ta s,

a pa

re lh

os , d

is po

si tiv

os ,

m at

er ia

is , E

PI ’s

e E

PC ’s

n e-

ce ss

ár io

s pa

ra t

od a

a ta

re fa

as

se gu

ra nd

o as

b oa

s co

nd i-

çõ es

d os

m es

m os

Co nf

er ir

do cu

m en

ta çã

o ne

ce s-

sá ria

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

nt ic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

in co

lo r

ou e

sc ur

o

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

00

.1 5.

00

2 º

P as

so

R is

co s

Fo rm

as d

e co

n tr

ol e

e pr

e- ve

n çã

o

EP I’

s EP

C’ s/

Fe rr

am en

ta s

Te m

po

Pl an

ej ar

a T

ar ef

a em

c am

po

An al

is ar

a m

an ob

ra a

s er

r ea

- liz

ad a

D is

tr ib

ui r

as t

ar ef

as p

ar a

os

in te

gr an

te s

da e

qu ip

e

Pr ee

nc hi

m en

to d

o ch

ec k-

lis t

Fa lh

a de

p la

ne ja

m en

to

D is

pe rs

ão d

a eq

ui pe

Bo a

co m

un ic

aç ão

e nt

re a

e -

qu ip

e em

p la

ne ja

r e

di st

rib ui

r a

ta re

fa

N o

m om

en to

d o

pr ee

nc hi

m en

- to

d o

ch ec

k- lis

t to

da a

e qu

ip e

de ve

e st

ar r

eu ni

da e

a te

nt a

às

m ed

id as

d e

co nt

ro le

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

nt ic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

in co

lo r

ou e

sc ur

o

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

00

.1 0.

00

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 81

P as

so a

P as

so (

co n

ti n

u aç

ão )

M ét

od o:

P as

so a

p as

so

Ta re

fa :

In sp

eç ão

G er

al e

m T

P ’s

e T

C ’s

E xt

er n

os d

e A

lt a

Te n

sã o

3 º

pa ss

o R

is co

s Fo

rm as

d e

co n

tr ol

e e

pr ev

en çã

o EP

I’ s

EP C’

s/

Fe rr

am en

ta s

Te m

po

(h .m

in .s

eg .)

M an

ob ra

r os

e qu

ip am

en to

s en

er gi

za do

s Ex

pl os

ão d

o eq

ui pa

m en

to

Pr oj

eç ão

d os

f ra

gm en

to s

Ch oq

ue e

lé tr

ic o

Le sã

o po

r im

pa ct

o

Po st

ur a

er go

nô m

ic a

co rr

et a

Bo a

co m

un ic

aç ão

c om

o C

O

Pl an

ej ar

a s

eq üê

nc ia

d a

m an

ob ra

Ce rt

ifi ca

r qu

e as

s ec

ci on

ad or

as a

s er

em a

be r-

ta s/

fe ch

ad as

e st

ej am

d es

en er

gi za

da s

ou a

pe na

s em

t en

sã o

Ce rt

ifi ca

r qu

e os

d is

ju nt

or es

a s

er em

a fa

st a-

do s/

in se

rid os

e st

ej am

d es

lig ad

os

M an

te r

di st

ân ci

a de

s eg

ur an

ça n

o m

om en

to d

a op

er aç

ão

At en

çã o

ao d

es ní

ve l d

o so

lo

Ap ós

a m

an ob

ra e

sp er

ar p

or 3

0 m

in ut

os a

nt es

de

in ic

ia r

as a

tiv id

ad es

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

nt ic

ha -

m a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

in co

lo r

ou

es cu

ro

Lu va

d e

pr ot

eç ão

e m

v aq

ue ta

Lu va

is ol

an te

d e

bo rr

ac ha

c la

ss e

2

Lu va

d e

co be

rt ur

a pa

ra p

ro te

çã o

da lu

va is

ol an

te d

e bo

rr ac

ha

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

00

.0 9.

00

82 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

P as

so a

P as

so (

co n

ti n

u aç

ão )

M ét

od o:

P as

so a

p as

so

Ta re

fa :

In sp

eç ão

G er

al e

m T

P ’s

e T

C ’s

E xt

er n

os d

e A

lt a

Te n

sã o

4 º

pa ss

o R

is co

s Fo

rm as

d e

co n

tr ol

e e

pr ev

en çã

o EP

I’ s

EP C’

s/ Fe

rr am

en ta

s Te

m po

Co nf

er ir

a m

an ob

ra

Ch oq

ue e

lé tr

ic o

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

Co nf

irm ar

a e

m is

sã o

da O

IE

pa ra

o s

eq ui

pa m

en to

s im

- pe

di do

s

M an

te r

di st

ân ci

a de

s eg

u- ra

nç a

At en

çã o

ao d

es ní

ve l d

o so

lo

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

n- tic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

in co

lo r

ou e

sc ur

o

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

00

.0 7.

00

5 º

pa ss

o R

is co

s Fo

rm as

d e

co n

tr ol

e e

pr ev

en çã

o EP

I’ s

EP C’

s/ Fe

rr am

en ta

s Te

m po

Si na

liz ar

o c

an te

iro d

e tr

ab al

ho e

p re

pa ra

çã o

do s

m at

er ia

is e

e qu

ip am

en to

s ne

ce ss

ár io

s pa

ra e

xe cu

çã o

da t

ar ef

a

Ch oq

ue e

lé tr

ic o

Co nt

at o

co m

e qu

ip am

en to

en

er gi

za do

n as

d em

ai s

et a-

pa s

da t

ar ef

a de

vi do

s in

al i-

za çã

o in

co rr

et a

ou

in co

m pl

et a

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

Ce rt

ifi ca

r qu

e a

si na

liz aç

ão

es tá

a pl

ic ad

a ao

s eq

ui pa

- m

en to

s co

rr et

os

At en

çã o

ao d

es ní

ve l d

o so

lo

M an

us ei

o em

e qu

ip e

do s

eq ui

pa m

en to

s pe

sa do

s

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

n- tic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

in co

lo r

ou e

sc ur

o

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

Fi ta

d e

si na

liz aç

ão

00 .0

5. 00

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 83

P as

so a

P as

so (

co n

ti n

u aç

ão )

M ét

od o:

P as

so a

p as

so

Ta re

fa :

In sp

eç ão

G er

al e

m T

P ’s

e T

C ’s

E xt

er n

os d

e A

lt a

Te n

sã o

6 º

pa ss

o R

is co

s Fo

rm as

d e

co n

tr ol

e e

pr ev

en çã

o EP

I’ s

EP C’

s/ Fe

rr am

en ta

s Te

m po

Ef et

ua r

te st

e de

r uí

do e

te

ns ão

, p ro

ce de

r o

at er

- ra

m en

to t

em po

rá rio

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

Q ue

da d

e eq

ui pa

m en

to s

Ch oq

ue e

lé tr

ic o

Ef et

ua r

te st

e de

t en

sã o

an te

s de

a te

rr ar

O bs

er va

r se

qü ên

ci a

co rr

et a

de in

st al

a- çã

o do

s co

nj un

to s

de a

te rr

am en

to t

em -

po rá

rio

M an

us ei

o fir

m e

do e

qu ip

am en

to

At en

çã o

ao d

es ní

ve l d

o so

lo

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

nt ic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

in co

lo r

ou e

sc u-

ro

Lu va

s is

ol an

te s

de b

or ra

ch a

cl as

se 2

Lu va

s de

c ob

er tu

ra p

ar a

lu va

s is

ol an

- te

s

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

Co nj

un to

d e

at er

ra m

en to

te

m po

rá rio

Va ra

d e

m an

ob ra

00 .1

5. 00

7 º

pa ss

o R

is co

s Fo

rm as

d e

co n

tr ol

e e

pr ev

en çã

o EP

I’ s

EP C’

s/ Fe

rr am

en ta

s Te

m po

(h

.m in

.s eg

.)

Po si

ci on

ar e

a m

ar ra

r es

- ca

da s

Es co

ria çã

o

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

Po st

ur a

er go

nô m

ic a

co rr

et a

M an

us ei

o fir

m e

da s

es ca

da s

Po si

ci on

ar e

a m

ar ra

r a

es ca

da d

e fo

rm a

se gu

ra

Am ar

ra -s

e na

e sc

ad a

de f

or m

a co

rr et

a

El et

ric is

ta d

e so

lo d

ev e

pe rm

an ec

er f

or a

do r

ai o

da o

pe ra

çã o

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

nt ic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

in co

lo r

ou e

sc ur

o

Lu va

s de

v aq

ue ta

Ci nt

ur ão

d e

se gu

ra nç

a tip

o pa

ra qu

e- di

st a

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

( C4

)

00

.1 0.

00

84 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

P as

so a

P as

so (

co n

ti n

u aç

ão )

M ét

od o:

P as

so a

p as

so

Ta re

fa :

In sp

eç ão

G er

al e

m T

P ’s

e T

C ’s

E xt

er n

os d

e A

lt a

Te n

sã o

8 º

pa ss

o R

is co

s Fo

rm as

d e

co n

tr ol

e e

pr ev

en çã

o EP

I’ s

EP C’

s/

Fe rr

am en

ta s

Te m

po

Ef et

ua r

lim pe

za d

a po

rc el

an a

e ve

rif ic

ar

es ta

do d

e co

ns er

va -

çã o

ge ra

l

Es co

ria çõ

es

Co rt

es n

as m

ão s

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

Pr oj

eç ão

d e

pa rt

íc ul

as

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

An te

s de

in ic

ia r

a lim

pe za

, i ns

pe ci

on ar

v i-

su al

m en

te o

e st

ad o

ge ra

l d o

TC /T

P ob

se r-

va nd

o a

ex is

tê nc

ia d

e sa

ia s

qu eb

ra da

s na

po

rc el

an a

e fo

co s

de c

or ro

sã o

na c

ar ca

ça

e es

tr ut

ur a

do e

qu ip

am en

to

U til

iz ar

s ac

ol a

de f

er ra

m en

ta s

pa ra

e xe

cu -

çã o

da o

pe ra

çã o

El et

ric is

ta d

e so

lo m

an te

r di

st ân

ci a

de s

e- gu

ra nç

a fo

ra d

e pr

oj eç

ão d

e pa

rt íc

ul as

Am ar

ra r-

se d

e fo

rm a

se gu

ra ju

nt o

à es

ca -

da o

u a

es tr

ut ur

a

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

nt ic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

( in

co lo

r ou

c in

za , d

e ac

or do

co

m a

n ec

es si

da de

)

Lu va

s de

v aq

ue ta

Ci nt

ur ão

d e

se gu

ra nç

a tip

o pa

ra qu

ed is

ta

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

Sa co

la d

e lo

- na

00

.4 5.

00

9 º

pa ss

o R

is co

s Fo

rm as

d e

co n

tr ol

e e

pr ev

en çã

o EP

I’ s

EP C’

s/

Fe rr

am en

ta s

Te m

po

R em

ov er

e li

m pa

r as

co

ne xõ

es p

rim ár

ia s

e se

cu nd

ár ia

s do

s TC

’s

e TP

’s

Es co

ria çõ

es

Q ue

da d

e fe

rr am

en ta

s

Le sã

o no

s m

em br

os s

up er

io -

re s

e in

fe rio

re s

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

Pr oj

eç ão

d e

pa rt

íc ul

as

An ot

ar e

sq ue

m a

de li

ga çõ

es d

os T

C’ s

e TP

’s a

nt es

d e

re m

ov er

a s

co ne

xõ es

p ar

a en

sa io

s

At en

çã o

es pe

ci al

a o

re m

ov er

a f

ia çã

o se

- cu

nd ár

ia d

os T

C’ s,

a ss

eg ur

an do

-s e

de q

ue

nã o

há r

et or

no d

e ou

tr os

T C’

s lig

ad os

e m

pa

ra le

lo

M an

te r

di st

ân ci

a de

s eg

ur an

ça d

o m

om en

- to

d e

de sc

on ec

ta r

o ca

bo

M an

us ei

o fir

m e

de f

er ra

m en

ta s

Am ar

ra r-

se c

or re

ta m

en te

ju nt

o à

es ca

da

ou à

e st

ru tu

ra

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

nt ic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

( in

co lo

r ou

c in

za , d

e ac

or do

co

m a

n ec

es si

da de

)

Lu va

s de

v aq

ue ta

Ci nt

ur ão

d e

se gu

ra nç

a tip

o pa

ra qu

ed is

ta

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

In

de te

rm i-

na do

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 85

P as

so a

P as

so (

co n

ti n

u aç

ão )

M ét

od o:

P as

so a

p as

so

Ta re

fa :

In sp

eç ão

G er

al e

m T

P ’s

e T

C ’s

E xt

er n

os d

e A

lt a

Te n

sã o

1 0

º pa

ss o

R is

co s

Fo rm

as d

e co

n tr

ol e

e pr

ev en

çã o

EP I’

s EP

C’ s/

Fe

rr am

en -

ta s

Te m

po

(h .m

in .s

eg .)

Ve rif

ic ar

e st

ad o

de c

on se

rv a-

çã o

ge ra

l e n

ív el

d e

ól eo

Es

co ria

çõ es

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

Co nt

at o

co m

ó le

o

At en

çã o

es pe

ci al

n o

m an

us ei

o de

ól

eo is

ol an

te

M ov

im en

ta r-

se c

om a

te nç

ão e

c ui

- da

do n

a es

tr ut

ur a

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

nt ic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

( in

co lo

r ou

c in

za , d

e ac

or do

co

m a

n ec

es si

da de

)

Lu va

d e

pr ot

eç ão

e m

v aq

ue ta

Ci nt

ur ão

d e

se gu

ra nç

a tip

o pa

ra qu

ed is

ta

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

Cr em

e pr

ot et

or p

ar a

pe le

( ól

eo )

ou lu

va n

itr íli

ca

00

.1 2.

00

1 1

º pa

ss o

R is

co s

Fo rm

as d

e co

n tr

ol e

e pr

ev en

çã o

EP I’

s EP

C’ s/

Fe

rr am

en -

ta s

Te m

po

Ef et

ua r

en sa

io s

el ét

ric os

Es

co ria

çõ es

Q ue

da d

e eq

ui pa

m en

to s

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

Ch oq

ue e

lé tr

ic o

Eq ui

pe m

an te

r co

m un

ic aç

ão c

on s-

ta nt

e

M an

te r

di st

ân ci

a de

s eg

ur an

ça n

o m

om en

to d

o te

st e

el ét

ric o

Ce rt

ifi ca

r qu

e o

m eg

om êt

ro e

st ej

a de

sl ig

ad o

no m

om en

to d

e re

tir ar

a s

pr es

ilh as

d o

TC

( pa

rt e

pr im

ár ia

e

se cu

nd ár

ia )

An te

s da

o pe

ra çã

o de

t es

te in

sp e-

ci on

ar s

e o

at er

ra m

en to

e c

ab os

d e

in te

rli ga

çã o

nã o

es tã

o pr

óx im

os a

os

te rm

in ai

s do

T C

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

nt ic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

( in

co lo

r ou

c in

za , d

e ac

or do

co

m a

n ec

es si

da de

)

Lu va

d e

pr ot

eç ão

e m

v aq

ue ta

Ci nt

ur ão

d e

se gu

ra nç

a tip

o pa

ra qu

ed is

ta

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

00

.3 9.

47

86 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

P as

so a

P as

so (

co n

ti n

u aç

ão )

M ét

od o:

P as

so a

p as

so

Ta re

fa :

In sp

eç ão

G er

al e

m T

P ’s

e T

C ’s

E xt

er n

os d

e A

lt a

Te n

sã o

1 2

º pa

ss o

R is

co s

Fo rm

as d

e co

n tr

ol e

e pr

e- ve

n çã

o EP

I’ s

EP C’

s/ Fe

rr am

en ta

s Te

m po

(h

.m in

.s eg

.)

Re fa

ze r

as c

on ex

õe s

pr im

ár ia

s e

se cu

nd ár

ia s

do s

TC ’s

e T

P’ s

Es co

ria çõ

es

Q ue

da d

e fe

rr am

en ta

s

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

Co ns

ul ta

r o

es qu

em a

de li

ga -

çõ es

f ei

to p

re vi

am en

te , c

on fe

- rin

do -o

a o

fin al

M an

us ei

o fir

m e

de f

er ra

m en

- ta

s

Am ar

ra -s

e co

rr et

am en

te n

a es

ca da

o u

na e

st ru

tu ra

d o

TC /T

P

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão a

nt ic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

( in

co lo

r ou

ci

nz a,

d e

ac or

do c

om a

n ec

es si

da -

de )

Lu va

d e

pr ot

eç ão

e m

v aq

ue ta

Ci nt

ur ão

d e

se gu

ra nç

a tip

o pa

ra -

qu ed

is ta

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

00

.4 0.

00

1 3

º pa

ss o

R is

co s

Fo rm

as d

e co

n tr

ol e

e pr

e- ve

n çã

o EP

I’ s

EP C’

s/ Fe

rr am

en ta

s Te

m po

R em

ov er

e sc

ad as

Es

co ria

çã o

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

Q ue

da d

e eq

ui pa

m en

to s

Am ar

ra r-

se c

or re

ta m

en te

n a

es ca

da

Ao d

es am

ar ra

r a

es ca

da d

ev e

te r

o au

xí lio

d o

el et

ric is

ta d

e so

lo s

eg ur

an do

-a

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão

an tic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

in co

lo r

ou

es cu

ro

Lu va

s de

v aq

ue ta

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

00

.1 2.

00

COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 87

P as

so a

P as

so (

co n

ti n

u aç

ão )

M ét

od o:

P as

so a

p as

so

Ta re

fa :

In sp

eç ão

G er

al e

m T

P ’s

e T

C ’s

E xt

er n

os d

e A

lt a

Te n

sã o

1 4

º pa

ss o

R is

co s

Fo rm

as d

e co

n tr

ol e

e pr

e- ve

n çã

o EP

I’ s

EP C’

s/ Fe

rr am

en ta

s Te

m -

po (h

.m in

.s eg

.)

R em

ov er

o a

te rr

am en

to t

em po

- rá

rio

Q ue

da d

o el

et ric

is ta

Q ue

da d

e eq

ui pa

m en

to s

O bs

er va

r se

qü ên

ci a

co rr

et a

de

re m

oç ão

d os

c on

ju nt

os d

e at

er -

ra m

en to

t em

po rá

rio

M an

us ei

o fir

m e

do e

qu ip

am en

to

At en

çã o

ao d

es ní

ve l d

o so

lo

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão

an tic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

in co

lo r

Ci nt

o de

s eg

ur an

ça

Lu va

s is

ol an

te s

de b

or ra

ch a

cl as

se 2

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

00

.0 8.

00

1 5

º pa

ss o

R is

co s

Fo rm

as d

e co

n tr

ol e

e pr

e- ve

n çã

o EP

I’ s

EP C’

s/ Fe

rr am

en ta

s Te

m po

D es

fa ze

r si

na liz

aç ão

e r

ec ol

he r

m at

er ia

is e

e qu

ip am

en to

s Q

ue da

d o

el et

ric is

ta

Q ue

da d

e eq

ui pa

m en

to s

At en

çã o

ao d

es ní

ve l d

o so

lo

M an

us ei

o em

e qu

ip e

do s

eq ui

- pa

m en

to s

pe sa

do s

Ve st

im en

ta d

e pr

ot eç

ão

an tic

ha m

a

Ca pa

ce te

d e

se gu

ra nç

a

Ó cu

lo s

de s

eg ur

an ça

in co

lo r

Ca lç

ad o

de s

eg ur

an ça

00

.0 8.

00

88 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP

P as

so a

P as

so (

co n

ti n

u aç

ão )

M ét

od o:

P as

so a

p as

so

Ta re

fa :

In sp

eç ão

G er

al e

m T

P ’s

e T

C ’s

E xt

er n

os d

e A

lt a

Te n

sã o

1 6

º pa

ss o

R is

co s

Fo rm

as d

e co

n tr

ol e

e pr

ev en

çã o

EP I’

s EP

C’ s/

Fe