Manual Recup Ambiental Assent, Manuais, Projetos, Pesquisas de Engenharia Agronômica
michele-guimaraes-10
michele-guimaraes-10

Manual Recup Ambiental Assent, Manuais, Projetos, Pesquisas de Engenharia Agronômica

50 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Manual de Recuperação Ambiental
50 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 50
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 50 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 50 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 50 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 50 páginas
MINUTA DO ROTEIRO DO MANUAL DE ELABORAO E IMPLANTAO DE PROJETOS DE RECUPERAO E CONSERVAO DE RECURSOS NATURAIS

Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária

Diretoria de Obtenção de Terras e Implantação de Projetos de Assentamento

Coordenação Geral de Meio Ambiente e Recursos Naturais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS DE

RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS EM ASSENTAMENTOS

DA REFORMA AGRÁRIA

Brasília/DF

Junho/2006

Ministério do

Desenvolvimento Agrário

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva

Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministro: Guilherme Cassel

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Presidente: Rolf Hackbart

Diretoria de Gestão Administrativa Diretor: Eva Sardinha

Diretoria de Gestão Estratégica Diretor: Raimundo João Amorim Pereira

Diretoria de Obtenção de Terras e Implantação de Projetos de Assentamento Diretor: César José de Oliveira

Coordenação Geral de Meio Ambiente e Recursos Naturais Coordenador Geral: Marco Aurélio Pavarino Equipe Técnica da Coordenação Geral de Meio Ambiente e Recursos Naturais Eliani Maciel Lima; Fabiana Nepomuceno Perdigão; Juliana Sarkis Costa; Leonarda Cristina Melo Rufino de Sousa; Raquel Resende; Regina Lúcia Alcântara Góes; Stela Maris Alves Ascenço; Vivyanne Graça de Melo; Joseth Filomena de Jesus Souza

Equipe Administrativa da Coordenação Geral de Meio Ambiente e Recursos Naturais Edio Costa de Freitas; Francisca Aparecida Vasconcelos Chaves; Núbia Maria Rodrigues Castro; Paulo de Oliveira Junior; Rezone da Silva Resende

Elaboração: Fabiana Nepomuceno Perdigão e Juliana Sarkis Costa

Colaboração: Edinar Ferreira Araújo (Coordenador Geral de Contabilidade); Marília de Oliveira Morais (Coordenadora Geral de Assuntos Jurídicos Administrativos); Revalino de Souza Maia (Procurador Federal) e técnicos das Superintendências Regionais do Paraná, do Distrito Federal e Entorno, de Minas Gerais

2

SUMÁRIO

1- APRESENTAÇÃO 5

2- DIRETRIZES BÁSICAS 6

2.1. BENEFICIÁRIOS E PRIORIDADES NO ATENDIMENTO 62.2. ASSENTAMENTOS COM PDA E/OU PRA ELABORADOS 72.3. ASSENTAMENTOS COM PDA E/OU PRA EM ELABORAÇÃO 82.4. APLICABILIDADE DOS RECURSOS 82.5. RESPONSABILIDADES 8

3- OBJETIVO DO RECURSO 9

4- LINHAS TEMÁTICAS APOIADAS 9

5- RESULTADOS ESPERADOS 11

7. QUEM PODE APRESENTAR PROJETOS – PROPONENTE 14

8. QUEM PODE EXECUTAR OS PROJETOS – EXECUTORA 17

9. REQUISITOS LEGAIS DA EXECUTORA 17

10. RESPONSABILIDADES DA PROPONENTE 18

11. RESPONSABILIDADES DA EXECUTORA 19

12. RESPONSABILIDADES DO INCRA 19

13. REQUISITOS PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 20

14. ITENS FINANCIÁVEIS 22

3

15. ITENS NÃO FINANCIÁVEIS 23

16. CONTRAPARTIDA 24

17. ENCAMINHAMENTO DOS PROJETOS 25

18. ANÁLISE E JULGAMENTO DOS PROJETOS 26

19. CRITÉRIOS PARA ANÁLISE TÉCNICA DOS PROJETOS 27

20. OTIMIZAÇÃO DOS RECURSOS 32

21. ACOMPANHAMENTO E FISCALIZAÇÃO 33

22. CONSIDERAÇÕES FINAIS 34

ANEXO 01 73

ANEXO 02 83

ANEXO 03 14

ANEXO 04 24

ANEXO 05 05

4

1- APRESENTAÇÃO A implantação de “Projetos de Recuperação e Conservação de Recursos Naturais”

surgiu da premente necessidade da conservação e/ou recuperação das áreas de preservação

permanente e de reserva legal, em grande parte dos Projetos de Assentamento do território

nacional, bem como da necessidade de recuperar as áreas degradadas e cumprir as

exigências que são estabelecidas pelos Órgãos Estaduais de Meio Ambiente durante o

processo de licenciamento ambiental.

Algo mais que reverter o passivo ambiental em áreas de Assentamentos Rurais, os

“Projetos de Recuperação e Conservação de Recursos Naturais” buscam também a inclusão

de práticas conservacionistas que visem a sustentabilidade social, econômica e ambiental

dos agricultores familiares assentados pelo Programa Nacional de Reforma Agrária.

Na intenção de transformar essa ação ambiental em uma política pública, os

recursos financeiros necessários à implementação dos referidos Projetos foram

contemplados no orçamento do INCRA, a partir de 2006.

Este Manual foi elaborado para facilitar o entendimento das Normas que

disciplinam a matéria e, ao mesmo tempo, estabelecer os critérios técnicos e os

procedimentos administrativos necessários para o acesso aos recursos orçamentários e

financeiros.

Esperamos que esses recursos, somados a outras ações em curso no Ministério do

Meio Ambiente, IBAMA e outras instituições governamentais e não governamentais,

possam aprimorar os mecanismos de compatibilização das Políticas de Reforma Agrária e

de Meio Ambiente com a crescente necessidade de utilização dos recursos naturais.

CÉSAR JOSÉ DE OLIVEIRA

Diretor de Obtenção de Terras e Implantação de Projetos de Assentamento

MARCO AURÉLIO PAVARINO Coordenador-Geral de Meio Ambiente e Recursos Naturais

5

2- DIRETRIZES BÁSICAS

2.1. Beneficiários e prioridades no atendimento

A aplicação dos recursos financeiros será destinada exclusivamente aos Projetos de

Assentamento criados pelo Governo Federal, mediante a implantação de projetos

específicos de Recuperação e Conservação dos Recursos Naturais.

Serão apoiados projetos apresentados por demanda espontânea1 ou por meio de

demanda induzida2 via edital.

Os Projetos de Assentamento prioritários para a implantação dos “Projetos de

Recuperação e Conservação dos Recursos Naturais” deverão ser eleitos por cada

Superintendência Regional, com base nos seguintes critérios:

- áreas reconhecidamente com maiores problemas

ambientais, principalmente em termos de danos nas áreas

de preservação permanente e reserva legal, bem como, a

existência de solos expostos e degradados; Os critérios de eleição não

precisam ocorrer concomitantemente

ATENÇÃO

- áreas licenciadas com condicionantes ou em fase de

licenciamento. Nesse caso, quando o órgão ambiental

competente identificar a necessidade de recuperação de

áreas de Reserva Legal e/ou Preservação Permanente,

assim como, a recuperação de solos, automaticamente

essas serão eleitas como prioritárias;

- assentamentos que contam com assessoria técnica, social

1 Considera-se demanda espontânea a modalidade de apoio financeiro na qual os interessados podem

apresentar projetos em qualquer época do ano. Esses projetos deverão obedecer às recomendações disponíveis

neste Manual. 2 A demanda induzida é um tipo de apoio financeiro na qual o interessado elabora projetos em resposta a

editais específicos. Todas as orientações relativas à ação que precisa ser desenvolvida, à quantidade de

recursos, ao tempo de execução, aos procedimentos para apresentação e encaminhamento, entre outros,

estarão contidos no próprio Edital.

6

e ambiental, no caso do projeto de recuperação necessitar

de assistência técnica para manutenção das atividades.

O Órgão de Meio Ambiente competente e o Ministério Público Estadual, sempre

que possível, deverão estar envolvidos na elaboração e na implantação dos “Projetos de

Recuperação e Conservação dos Recursos Naturais”, com o intuito de promover o

licenciamento ambiental ou a manutenção das licenças já obtidas, conforme o caso.

LEMBRETE!! As diretrizes para o Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamento de Reforma Agrária são estabelecidas pela Resolução CONAMA nº 289, de

25 de outubro de 2001 e por legislações estaduais pertinentes. É de extrema importância o envolvimento do Órgão Ambiental competente e do Ministério Público Estadual em todo o processo de recuperação ambiental

nos assentamentos.

2.2. Assentamentos com PDA e/ou PRA elaborados

Para aqueles Projetos de Assentamento cujos Planos de Desenvolvimento do

Assentamento – PDA´s e/ou Planos de Recuperação de Assentamentos – PRA´s já foram

elaborados e contenham os elementos necessários ao atendimento das demandas para a

recuperação e conservação dos recursos naturais não será necessária a apresentação de um

projeto específico.

Os convênios de ATES devem, sempre que possível, contemplar a elaboração e a execução de projetos de recuperação e conservação dos

recursos naturais.

IMPORTANTE!! Fica a cargo da Superintendência Regional a análise da adequação ou não

dos PDA’s e/ou PRA’s.

7

2.3. Assentamentos com PDA e/ou PRA em elaboração

Para os Projetos de Assentamento cujos Planos de Desenvolvimento do

Assentamento – PDA´s serão ainda elaborados, os elementos necessários ao atendimento

das demandas para a recuperação e conservação dos recursos naturais deverão estar neles

incorporados. O mesmo deverá ocorrer com os Planos de Recuperação dos Assentamentos

– PRA´s para os Projetos de Assentamento que serão objeto de ações de recuperação e que

deverão trazer esses elementos, não sendo necessária, nesses casos, a elaboração de

projetos específicos.

2.4. Aplicabilidade dos recursos

Tendo em vista o alcance abrangente dos resultados oriundos das práticas voltadas à

recuperação do passivo ambiental em Projetos de Assentamento, os recursos deverão ser

aplicados, obrigatoriamente, na forma de projeto coletivo, ainda que as ações sejam

executadas de forma individual, conforme as justificativas do projeto.

Exemplo 1: o projeto poderá contemplar a produção de mudas em viveiros

construídos em parcelas individuais e estas mudas serão utilizadas para a recuperação da

reserva legal coletiva.

Exemplo 2: o projeto poderá contemplar a recuperação das margens de um córrego

localizado na parcela de apenas parte dos assentados.

2.5. Responsabilidades

A Constituição Brasileira de 1988 definiu o meio ambiente como um bem de uso

comum do povo, sendo ao mesmo tempo direito e responsabilidade de todos. Dessa

maneira, é dever do Poder Público e dos assentados defender e preservar o meio ambiente.

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as

presentes e futuras gerações.

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

8

3- OBJETIVO DO RECURSO O recurso financiará projetos com propostas claras de recuperação e conservação de

áreas de preservação permanente e reserva legal e práticas tecnológicas que visem à

recuperação dos solos.

Os projetos devem propor atividades que promovam a recuperação e conservação

dos recursos naturais, bem como a mobilização da comunidade em torno dessas questões,

por meio de programas de educação ambiental voltados aos assentados.

4- LINHAS TEMÁTICAS APOIADAS

Os “Projetos de Recuperação e Conservação de Recursos Naturais” serão destinados

às seguintes práticas financiáveis:

4.1- Linha Temática 1: Atividades Técnicas de Recuperação e Conservação das Áreas de Preservação Permanente e de Reserva Legal, tais como:

- cercamento de áreas de Reserva Legal e áreas de preservação permanente, visando a

regeneração e/ou a proteção das áreas;

- construção de viveiros para produção de mudas que serão utilizadas no processo de

recuperação de áreas degradadas;

- demarcação topográfica da Reserva Legal;

- reflorestamento com espécies nativas ao longo das margens dos rios, ao redor das

nascentes ou olhos d´água, nos igarapés, ao redor de lagos e lagoas, em veredas, em topos

de morro, em encostas com declividade superior a 45 graus e nas demais áreas definidas no

Código Florestal e nas Resoluções/CONAMA 302 e 303/2002 como de preservação

permanente;

- reflorestamento em áreas de Reserva Legal, com espécies nativas, que possibilitem o

manejo florestal sustentável, madeireiro ou não madeireiro, baseado em princípios e em

critérios técnicos e científicos definidos e devidamente aprovados pelo órgão ambiental

competente;

- plantio de árvores frutíferas, ornamentais ou industriais, composto por espécies exóticas,

9

em sistema intercalar ou em consórcio com espécies nativas para compensação ou

manutenção da área de reserva legal, a critério do órgão ambiental competente;

- atividades alternativas de produção (criação de abelhas, artesanato, entre outras),

associadas à recuperação ambiental e como instrumento de valorização das áreas a serem

conservadas ou recuperadas e de combate às práticas indevidas de uso do fogo;

- elaboração do plano de manejo florestal sustentável, somente para a região da Amazônia

Legal, em assentamentos que contam com 80% de reserva legal.

LEMBRETE!!

Nos assentamentos que são acompanhados por ATES, somente

será financiada a elaboração do plano de manejo florestal sustentável

se ficar comprovada a falta de capacidade técnica dos técnicos que

prestam esses serviços.

Esses marcos legais dispõem sobre parâmetros, definições e limites de Reserva Legal e Áreas de Preservação Permanente.

IMPORTANTE!!

Observar o Código Florestal (Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 2005), a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001 e as Resoluções

CONAMA nº 302 e 303/2002, de 20 de março de 2002.

4.2- Linha Temática 2: Práticas tecnológicas que visem a recuperação dos solos, tais como:

- fechamento e estabilização de voçorocas;

- descompactação dos solos;

- terraceamento, construção de curvas de nível e bacias de contenção;

- implantação de cordões vegetados ou de pedras em nível;

- práticas de recuperação da fertilidade do solo (calcareamento e rochagem – uso do pó de

rocha) em áreas degradadas;

10

- técnicas que visem à recuperação do teor de matéria orgânica no solo (compostagem e

adubação verde) em áreas degradadas.

LEMBRETE!! A linha temática 2 não visa fomentar atividades produtivas e sim atender às

condicionantes do licenciamento ambiental.

As atividades alternativas de produção e de educação ambiental NÃO podem ser o foco principal do projeto.

Os assentados devem participar na elaboração e na implantação do Projeto.

Os projetos devem contemplar uma forma participativa de fiscalização e manutenção do projeto pelos assentados.

IMPORTANTE!! Os projetos devem incluir ações de educação ambiental relacionadas aos temas abordados pelas Linhas Temáticas 1 e 2, que garantam a sustentabilidade

do assentamento e promovam uma visão integrada da propriedade rural.As ações de educação ambiental são exclusivas aos assentados e devem

envolver também crianças, jovens e mulheres.

5- RESULTADOS ESPERADOS

• As Áreas de Preservação Permanente e de Reserva Legal recuperadas e

conservadas;

• Os solos recuperados e conservados;

• As exigências estabelecidas pelos órgãos ambientais competentes, no âmbito do

licenciamento ambiental, no que se refere à Recuperação e Conservação das Áreas

de Preservação Permanente e de Reserva Legal e Recuperação dos solos;

• Assentados sensibilizados quanto à importância da conservação e recuperação das

Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal, bem como da utilização de

práticas conservacionistas de uso do solo;

11

• Áreas de Reserva Legal efetivamente materializadas;

• Forma participativa de fiscalização e manutenção do projeto pelos assentados

estabelecida;

• A participação dos assentados com o envolvimento de jovens, mulheres e crianças em todas as etapas do projeto assegurada.

6. RECURSO FINANCEIRO

Os recursos destinados à implantação dos “Projetos de Recuperação e Conservação de Recursos Naturais” estão previstos no PPA (Plano Plurianual) por meio da Ação

“Manejo de Recursos Naturais” (Tabela 1).

TABELA 1 – Classificação

Código Descrição Esfera 10 Fiscal Órgão 49000 Ministério do Desenvolvimento Agrário Unidade 49201 Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Função 21 Organização Agrária Subfunção 631 Reforma Agrária Programa 0137 Desenvolvimento Sustentável na Reforma Agrária Ação 2B06 Manejo de Recursos Naturais Localiz. do Gasto 001 Nacional

Os recursos serão descentralizados para as Superintendências Regionais através da

Programação Operacional e poderão ser utilizados por meio de convênios, contratos ou

ainda por execução direta pelo INCRA. Os convênios ou contratos deverão ser assinados

entre a Superintendência Regional do INCRA e a convenente ou contratada,

respectivamente.

Para o correto uso desses recursos, deverão ser observadas as classificações

orçamentárias estabelecidas pela Secretaria de Orçamento Federal (SOF) do Ministério do

Planejamento, Orçamento e Gestão (MP).

Dessa forma, no que se refere à classificação da despesa quanto a sua natureza

12

devem ser identificadas a “categoria econômica”, o “grupo de despesa” a que pertence, a

forma de sua realização ou a “modalidade de aplicação” dos recursos e, finalmente, o seu

“elemento de despesa”.

Para essa classificação deverão ser utilizadas as tabelas do ANEXO 01 em que a

cada desdobramento da despesa é associado um número. A agregação destes números, num

total de 6 dígitos, na seqüência a seguir indicada, constituirá o código referente à

classificação da despesa quanto à natureza:

1º dígito – indica a categoria econômica da despesa;

2º dígito – indica o grupo de despesa;

3º/4º dígitos – indicam a modalidade de aplicação;

5º/6º dígitos – indicam o elemento de despesa (objeto de gasto).

O ANEXO 02 traz os conceitos e as especificações das categorias econômicas, dos grupos de natureza, das modalidades de aplicação e dos elementos de despesa.

Abaixo estão relacionados alguns exemplos de como classificar algumas despesas

decorrentes dos projetos de recuperação ambiental:

1. Cerca: O arame e as estacas de madeira são enquadrados na categoria econômica

despesas de capital (4), no grupo de despesa investimentos (4), na modalidade de

execução a ser escolhida pela Superintendência Regional (convênio ou contrato) e

no elemento de despesa equipamentos e material permanente (52). Dessa forma, a

natureza da despesa será classificada em:

4 4 XX 52

Para Convênios este dígito poderá ser 30, 40 ou 50 (Anexo

1 e Anexo 2) Para Contrato este dígito deverá ser o 90 (Anexo 1 e Anexo 2)

despesas de capital

investimentos equipamentos e material permanente

13

2. Mudas de plantas: As mudas são enquadradas na categoria econômica despesas

correntes (3), no grupo de despesa outras despesas correntes (3), na modalidade de

execução a ser escolhida pela Superintendência Regional (convênio ou contrato) e

no elemento de despesa material de consumo (30). Dessa forma, a natureza da

despesa será classificada em:

3 3 XX 30

Para Convênios este dígito poderá ser 30, 40 ou 50 (Anexo

1 e Anexo 2) Para Contrato este dígito deverá ser o 90 (Anexo 1 e Anexo 2)

despesas correntes

outras despesas correntes

material de consumo

ATENÇÃO!! Para convênios deverão ser obedecidas a IN STN nº 01 de 15 de janeiro de

1997 e suas atualizações, bem como a Lei nº 8.666 de 21 de junho de 1993 Para contratos e para a execução direta deverá ser obedecida a Lei nº

8.666 de 21 de junho de 1993Para detalhamento acerca da classificação da natureza da despesa

consultar a Portaria Interministerial nº 163, de 4 de maio de 2001

7. QUEM PODE APRESENTAR PROJETOS – PROPONENTE

A organização que apresenta o projeto é designada Proponente. São três as situações

em que os projetos poderão ser apresentados:

7.1- Situação 01 - A proponente apresenta um projeto com a intenção de

executá-lo:

14

Esta situação trata-se de uma demanda espontânea em que a proponente, além de

apresentar o projeto, pretende executá-lo. Neste caso, não existe a possibilidade de pagar

pela elaboração do projeto e a transferência de recursos para a execução das atividades do

projeto deverá ser realizada por meio de convênio com a própria proponente. Assim, desde

que obedeçam às recomendações contidas neste Manual, poderão ser proponentes as

seguintes entidades brasileiras:

• órgãos da administração pública direta autárquica ou fundacional de

qualquer esfera do governo (federal, estadual e municipal);

• empresa pública ou sociedade de economia mista de qualquer esfera do

governo;

• organização particular sem fins lucrativos.

7.2- Situação 02 - A proponente apresenta um projeto sem a intenção de

executá-lo:

Esta situação trata-se de uma demanda espontânea em que a proponente ou um

técnico do INCRA apresenta um projeto, mas não tem a intenção de executá-lo ou não

dispõe dos meios para executá-lo. Neste caso, não existe a possibilidade de pagar pela

elaboração do projeto e a transferência de recursos para a execução das atividades do

projeto poderá ser realizada por meio de contrato ou convênio firmado com uma entidade

que possui capacidade técnica para execução do objeto do projeto. É possível, ainda, a

execução direta pela Superintendência Regional.

Nesta situação poderá apresentar projetos qualquer pessoa física ou jurídica de

direito público ou privado, desde que obedeça às recomendações contidas neste Manual.

7.3- Situação 03 - O INCRA tem a intenção de que seja elaborado um projeto

para um assentamento específico:

Esta situação trata-se de uma demanda induzida em que o INCRA lança um edital

contendo todas as orientações relativas à ação que precisa ser desenvolvida, à quantidade de

recursos, ao tempo de execução, aos procedimentos para apresentação e encaminhamento

dos projetos, entre outras.

Assim, poderá apresentar projetos qualquer pessoa física ou jurídica de direito

15

público ou privado, desde que se enquadre nas especificações do edital. Lembrando que,

nesta situação, o INCRA deverá pagar pelo projeto, conforme valor estabelecido no edital.

A transferência de recursos para a execução das atividades do projeto poderá ser

realizada por meio de contrato ou convênio firmado com uma entidade que possui

capacidade técnica para execução do objeto do projeto vencedor. É possível, ainda, a

execução direta pela Superintendência Regional.

Esse ponto tem grande relevância porque, sendo hipótese de celebração de contrato, impõe-se a realização de prévio processo licitatório.

Já nos casos de convênio, não se realiza licitação prévia, sendo feita a escolha da entidade convenente, pelo administrador, de acordo com as características do

projeto e a capacidade técnica da proponente, segundo critérios de conveniência e oportunidade, observando-se o item 19- Critérios para análise técnica dos projetos.

O convênio trata-se de acordo, não há vínculo contratual, não há partes, mas partícipes que possuem as mesmas pretensões, ou seja, interesses comuns e

coincidentes, não há preço, remuneração ou lucro, mas apenas mútua cooperação. No contrato, os interesses das partes são divergentes e opostos, um pretende o objeto

do ajuste e o outro a contraprestação correspondente, a remuneração ou lucro.

IMPORTANTE!! Diante de cada caso, é necessária a análise criteriosa a fim de definir se o

instrumento cabível será contrato ou convênio.

b) sejam atividades que constituam atribuições inerentes aos cargos que integram o quadro de pessoal do INCRA.

a) sejam atividades inerentes às funções do INCRA, que devam ser prestadas diretamente pela autarquia nos termos da lei; ou

A fim de atender ao Decreto n. 2271/1997 que dispõe sobre a contratação de serviços pela administração pública federal direta, autárquica e fundacional e evitar terceirização indevida de serviços, é necessário alertar que os contratos e convênios celebrados não poderão ter por objeto atividades que:

LEMBRETE!!

16

8. QUEM PODE EXECUTAR OS PROJETOS – EXECUTORA

A execução do projeto poderá ser realizada por qualquer uma das entidades listadas

no item 7.1 e, ainda, por empresas privadas com fins lucrativos, no caso de contrato

oriundo de processo licitatório.

É importante que a Executora tenha em seu quadro de funcionários, ou comprove

que irá contratar, no mínimo, um profissional legalmente habilitado na execução de

projetos de recuperação e conservação dos recursos naturais.

As entidades executoras (contratadas ou convenentes) deverão dispor de condições

técnicas e financeiras para consecução do projeto e deverão ter, em seus estatutos ou em

seus regimentos, atribuições relacionadas ao objeto do projeto, devendo comprovar esses

requisitos.

IMPORTANTE

De acordo com a Lei 8.666/93, caso a Superintendência Regional decida por executar o projeto na modalidade contrato, o autor do projeto básico ou executivo, pessoa física ou jurídica, NÃO poderá participar, direta ou indiretamente, da licitação ou da execução de obra ou serviço e do fornecimento de bens a eles necessários.

É permitida a participação do autor do projeto na licitação de obra ou serviço, ou na execução, como consultor ou técnico, nas funções de fiscalização, supervisão ou gerenciamento, exclusivamente a serviço da Administração interessada.

9. REQUISITOS LEGAIS DA EXECUTORA

A Executora deverá apresentar documentos que comprovem que ela está legalmente

habilitada. Assim, será necessária a apresentação dos documentos listados a seguir, por

meio de cópias simples, em uma via:

• Ata de eleição e posse da atual administração;

• Estatuto em vigor;

17

• Apresentação de declaração de funcionamento regular da entidade nos

últimos 3 (três) anos, emitida por 3 (três) autoridades locais e comprovante

de regularidade do mandato da diretoria;

• Inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) do Ministério

da Fazenda;

• Declaração de Inexistência de Fato Superveniente, conforme modelo do

ANEXO 03 deste Manual (no caso de contrato);

• Certidão negativa de tributos e contribuições federais;

• Certidão quanto à dívida ativa da União;

• Apresentação de comprovantes de inexistência de débito junto ao INSS

através da certidão negativa de débitos ou certidão positiva com efeito de

negativa, atualizadas e expedidas por autoridade competente;

• Apresentação de Certificado de Regularidade do Fundo de Garantia do

Tempo de Serviço (FGTS), fornecido pela Caixa Econômica Federal;

• Comprovação de regularidade perante o PIS/PASEP;

• Comprovação de não estar inscrito como inadimplente no Sistema Integrado

de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI);

• Comprovação de não estar inscrito há mais de 30 (trinta) dias no Cadastro

Informativo de Créditos Não Quitados (CADIN).

Os documentos listados acima servem apenas como parâmetro, isto porque, outros

requisitos deverão ser observados dependendo do caso concreto. Assim temos: - na hipótese de contrato, serão exigidos, também, os demais requisitos postos na lei

n. 8666/1993 e demais legislações pertinentes à matéria, bem como as exigências contidas no edital;

- na hipótese de convênio serão exigidos os demais requisitos previstos na IN STN 01/1997, na Lei de Diretrizes Orçamentárias e demais legislações pertinentes à matéria.

10. RESPONSABILIDADES DA PROPONENTE

• Incluir no projeto os requisitos exigidos para a sua aprovação, prevendo as ações a

18

serem executadas, considerando as atividades e práticas financiáveis (conforme item

4);

• Definir, de forma coletiva, os objetivos do Projeto que devem expressar as decisões, escolhas e necessidades da comunidade. A participação e o comprometimento dos

assentados é fundamental para que o projeto seja aprovado e possa ser bem

executado;• Responder pela adequação técnica do projeto apresentado.

11. RESPONSABILIDADES DA EXECUTORA

• Elaborar, em conjunto com o INCRA, o Plano de trabalho (só no caso de convênio)

de acordo com o ANEXO 04;

• Assinar convênios e contratos, quando for o caso, com a Superintendência Regional

do INCRA;

• Realizar as ações e as atividades previstas no Projeto de modo que os objetivos

sejam alcançados;

• Orientar e acompanhar tecnicamente as ações, atividades e/ou práticas a serem

executadas diretamente pelas famílias assentadas, conforme o Projeto;

• Prestar contas dos recursos recebidos de acordo com as normas legais;

• Elaborar os relatórios técnicos e a prestação de contas da execução do Projeto;

• Apresentar documentos comprobatórios da contrapartida, no caso de convênio;

• Responder pela execução técnica de todas as ações do Projeto frente à

Superintendência Regional do INCRA a qual estará subordinado.

12. RESPONSABILIDADES DO INCRA • Elaborar, em conjunto com a Executora, o Plano de trabalho (só no caso de

convênio) de acordo com o ANEXO 04;

• Acompanhar e/ou monitorar a execução das atividades e a correta aplicação dos

recursos, que deve ser de acordo com o previsto no planejamento e orçamento do

Projeto;

• Fiscalizar o adequado cumprimento do projeto de acordo com as especificações

19

técnicas.

13. REQUISITOS PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS Os Projetos deverão atender os itens a seguir:

a) Atendimento às condições estabelecidas nas Normas que disciplinam a matéria e

neste Manual.

b) Atendimento, na totalidade ou em parte, às condicionantes e/ou ações mitigadoras

estabelecidas pelo órgão ambiental competente no licenciamento ambiental do

projeto de assentamento.

c) O Projeto de Recuperação e Conservação de Recursos Naturais do Assentamento

deverá ser encaminhado em meio digital e impresso à Superintendência Regional de

jurisdição do projeto de assentamento e deverá ser anexada à proposta a seguinte

documentação:

Termo de Compromisso e Concordância dos Agricultores familiares

assentados segundo ANEXO 05 deste Manual;

• Carta do representante legal formalizando a proposta;

• Documento de Responsabilidade Técnica do profissional que elaborou o

projeto e/ou que está responsável pela sua execução.

d) Elaborar o projeto conforme o valor descrito nas Normas que disciplinam a matéria;

e) Contemplar a educação ambiental dos assentados, relacionada aos temas abordados

pelas Linhas Temáticas 1 e 2, que promova a sustentabilidade do assentamento e a

visão integrada da propriedade rural;

f) Garantir a participação dos assentados na elaboração e na implantação do Projeto;

g) Demonstrar uma forma participativa de fiscalização e manutenção do projeto pelos

assentados;

h) Quando for necessária a inclusão de obras civis em edificações (construção, reforma

ou ampliação), para o completo alcance dos objetivos propostos,os seguintes

documentos deverão ser anexados à proposta:

• projeto ou croqui detalhado, indicando áreas e dependências previstas na

obra;

20

• informações sobre o tipo da obra a ser realizada (construção, reforma ou

ampliação), justificando sua necessidade premente para o alcance dos

objetivos de recuperação e conservação dos recursos naturais;

• custos e prazo de execução da obra;

• localização (com endereço completo) da obra;

• registro no CREA, quando couber.

13.1- Termo de Compromisso e Concordância dos Assentados:

O número de famílias que deverá assinar o Termo de Compromisso para que o

projeto seja aceito pela Superintendência Regional é variável em função de diferentes

situações.

No caso do objeto do projeto ser a recuperação e/ou conservação de área

coletiva protegida por lei (APP e Reserva Legal), em que a totalidade do projeto de

assentamento será beneficiada, a maioria das famílias assentadas (50% +1) deverá assinar o

termo para que o projeto seja apresentado para análise da SR.

No caso do objeto do projeto ser a recuperação e/ou conservação de áreas não

protegidas por lei (voçorocas, solos degradados, etc.), o número de famílias que deverá

assinar o Termo de Compromisso será estabelecido em função do custo estimado para a

recuperação da área.

LEMBRETE

Além das reservas coletivas, as áreas de preservação permanente também deverão ser consideradas como tal.

As situações acima descritas poderão ser desconsideradas, tendo em vista as

condicionantes ou ações mitigadoras estabelecidas nas licenças ambientais e a critério da

Divisão da Superintendência Regional que irá analisar o projeto.

Os casos omissos e as dúvidas suscitadas serão dirimidos pela Diretoria de

21

Obtenção de Terras e Implantação de Projetos de Assentamento do INCRA.

14. ITENS FINANCIÁVEIS

Somente poderão ser apoiadas as despesas identificadas abaixo:

material de consumo;

elaboração de projeto no caso de demanda induzida (situação do item 7.3);

mão-de-obra para realizar atividades contempladas no projeto;

assessoria com o pagamento de pessoal técnico (desde que não pertençam à

empresa que já presta serviços de ATES), dentro dos seguintes parâmetros: a

remuneração dos profissionais + encargos não seja superior a 10% (dez por

cento) do valor total do projeto e levando em consideração o piso salarial da

categoria;

outros serviços de terceiros (pessoa física ou jurídica);

equipamento e material permanente;

obras e instalações. A proponente deve relacionar o tipo de obra e

instalações necessárias à implantação do projeto (viveiro, estufa, tubulação

para irrigação, ou outro tipo de construção ou reforma necessárias para o

objetivo do projeto). Deve-se especificar o tipo de obra, indicando a unidade

de medida (m, m²), a quantidade, o custo unitário e o custo total. Também

deve anexar projeto ou croqui detalhado da obra e prazo de execução;

supervisão técnica do autor do projeto (desde que não pertença à empresa de

ATES), até o limite de 2 a 5% do valor total do projeto;

e outros especificados no ANEXO 02.

No item financiável mão-de-obra, é importante conciliar a aplicação da legislação

pertinente à licitação, aos contratos e aos convênios com os objetivos do projeto, em

especial no que se refere à participação dos assentados. Assim, tanto a empresa contratada

como a entidade convenente deve priorizar a contratação de mão-de-obra dos assentados

para a realização de atividades contempladas no projeto. É necessário destacar que as

entidades convenentes, mesmo que revestidas de natureza privada, são obrigadas a aplicar a

22

lei 8666/1993 para efetuar as despesas que sejam custeadas com recursos públicos.

Dessa forma, caso se pretenda contratar, por exemplo, pessoas físicas para plantio

de determinado número de mudas, diante dos objetivos específicos do projeto, é possível

fixar-se no edital, que somente os assentados daquele projeto de assentamento possam

participar da licitação. Afinal, nesse caso, não há uma restrição injustificada da

competitividade. Assim, essa restrição deverá vir justificada tecnicamente, apontando-se

que há a necessidade de participação dos assentados.

15. ITENS NÃO FINANCIÁVEIS

Não serão financiados:.

taxa de administração ou similar;

elaboração do projeto apresentado, no caso de demanda espontânea;

assessoria e supervisão técnica ou qualquer outro tipo de prestação de

serviço fornecido por prestadoras de ATES que já são remuneradas por meio

de convênio firmado com o INCRA;

material de consumo, equipamentos e material permanente, obras e

instalações ou qualquer outro elemento de despesa que a convenente já

esteja sendo remunerada por meio de outro convênio firmado com o

INCRA. Poderão ocorrer exceções, desde que fique comprovada, pela

convenente, a necessidade premente do pagamento destas despesas,

constituindo-se em gastos extras imprescindíveis para a execução do objeto

do convênio, e desde que sejam aprovadas tecnicamente pela respectiva

Superintendência Regional.

gratificação, consultoria, assistência técnica ou qualquer espécie de

remuneração de pessoal com vínculo empregatício com instituições da

administração pública federal, estadual ou municipal, direta ou indireta;

pagamento de taxas (exceto taxa de manutenção de conta corrente), multas,

juros ou correção monetária, inclusive decorrentes de pagamentos ou

recolhimentos fora do prazo;

pagamento de dividendos ou recuperação de capital investido;

compra de ações, debêntures ou outros valores mobiliários;

23

financiamento de dívida;

aquisição de bens imóveis;

publicidade, salvo as de caráter educativo, informativo ou de orientação

social, que não contenham nomes, símbolos ou imagens que caracterizem

promoção pessoal de autoridades ou pessoas, servidores ou não, das

instituições proponentes ou executoras;

capital de giro;

quaisquer impostos (IPTU, IPVA, etc), taxas, emolumentos públicos e

multas de qualquer natureza.

16. CONTRAPARTIDA

No caso de convênio, os Projetos deverão apresentar recursos de contrapartida. A

contrapartida é a parcela de custos assumida pela entidade proponente/executora e deve

sempre estar incluída no custo total do projeto e ser comprovada por meio de documentos.

Para os entes da federação, os valores da contrapartida obedecerão aos percentuais

estabelecidos na Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO, para o respectivo exercício.

Quando a convenente for organização particular sem fins lucrativos, será estabelecida como

contrapartida o valor mínimo de 10%.

O que pode ser considerado como contrapartida:

Recursos humanos: valor correspondente às horas de serviço prestadas por

membros da equipe ou de técnicos envolvidos na execução do projeto

proposto, financiados por outras fontes. O valor do trabalho voluntário

poderá ser estimado, tomando-se por base os valores de mercado;

Recursos financeiros: são recursos provenientes da própria entidade

proponente ou de outras fontes e que serão alocados a componentes ou

atividades-fim do projeto proposto. Não será admitido duplo financiamento,

ou seja, custos cobertos por outras fontes não podem ser financiados pelos

recursos das Normas que disciplinam a matéria;

Contribuição/doação dos assentados e da sociedade, devidamente

24

formalizada: essa contribuição poderá ser na forma de trabalho, em espécie

ou na forma de bens (doação de materiais, equipamentos, mutirões,

alimentação doada para reuniões, etc.);

Equipamentos e material permanente: máquinas, veículos, construções e

equipamentos podem ser considerados como contrapartida. Deverá ser

considerado o valor equivalente ao aluguel de determinado bem, no período

e nas atividades do projeto, e não o valor de venda do bem.

A contrapartida poderá ser composta por recursos financeiros e/ou bens economicamente mensuráveis, não havendo limite máximo.

Parece evidente, mas a fim de evitar qualquer dúvida é importante esclarecer que não será admitida como contrapartida “contribuição/doação dos assentados e da sociedade, devidamente formalizada (....) na forma de trabalho” quando a

mão-de-obra de assentados for remunerada.

IMPORTANTE!!

17. ENCAMINHAMENTO DOS PROJETOS

As propostas deverão ser elaboradas conforme o Roteiro Básico descrito na Norma

que disciplina a matéria.

No caso de demanda espontânea, os “Projetos de Recuperação e Conservação de

Recursos Naturais” do Assentamento poderão ser enviados pelo correio ou entregues, na

Superintendência Regional de jurisdição do assentamento. A remessa pelos Correios deverá

ser feita mediante registro, devendo o Formulário de Recebimento ser preenchido com o

nome e endereço do proponente.

O encaminhamento da proposta deverá ser feito por meio de carta assinada pelo

representante legal da instituição proponente.

No envelope deverá constar claramente a seguinte referência:

PROJETO DE RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS

25

NOME DO ASSENTAMENTO

AOS CUIDADOS DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL XXX

Será requerida a apresentação do projeto em duas vias:

- uma via impressa, cujas páginas deverão ser numeradas e ordenadas seqüencialmente,

com rubrica obrigatória do representante legal da proponente em cada uma delas, e

- uma via em meio digital (disquete ou CD).

Com o projeto, deverá ser apresentado, também, cópia dos documentos de

habilitação da instituição proponente.

Após o recebimento da proposta, a Superintendência deverá formalizar um processo

para acompanhar todos os andamentos do projeto até a sua execução final.

No caso de demanda induzida, o encaminhamento dos projetos deverá respeitar o

que estiver estabelecido no respectivo Edital.

18. ANÁLISE E JULGAMENTO DOS PROJETOS Será realizada uma análise inicial para verificação do atendimento das exigências quanto ao enquadramento das propostas e habilitação da proponente. As propostas que não

se enquadrarem nas linhas temáticas serão automaticamente devolvidas à proponente.

Os projetos serão analisados pela Superintendência Regional. Os procedimentos e

critérios descritos no item 19 (Critérios para análise técnica de projetos) servem como

referência para a realização da análise e julgamento dos projetos.

Em caso de aprovação, a Superintendência Regional deverá encaminhar extrato do

projeto ao INCRA/Sede, aos cuidados da Diretoria de Obtenção de Terras e Implantação de

Projetos de Assentamento. O extrato deverá conter as seguintes informações:

I- Título do Projeto;

II- Dados do Projeto de Assentamento: código do SIPRA, nome do assentamento,

município, estado, área e número de famílias;

III- Técnico(s) responsável(is) e instituição com a qual mantém vínculo;

IV- Resumo do Projeto contendo justificativa, objetivo, orçamento e cronograma de

execução.

26

19. CRITÉRIOS PARA ANÁLISE TÉCNICA DOS PROJETOS Para auxiliar na avaliação dos projetos oriundos de demanda espontânea,

recomenda-se a utilização da planilha abaixo:

PLANILHA DE AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA ITENS DE AVALIAÇÃO Pontos

(0 a 5) Peso Pontuação

final 1- Potencial para contribuir no licenciamento ambiental do Projeto de Assentamento

3

2- Potencial para contribuir na recuperação da Reserva Legal e das Áreas de Preservação Permanente e de recuperação dos solos nos Projetos de Assentamento

3

3- Contexto e justificativa do projeto 2 4- Coerência entre objetivo, metas e atividades propostas no projeto

3

5- Caráter educativo do projeto 3 6- Impacto e sustentabilidade ambiental 3 7- Participação dos assentados e sustentabilidade social do projeto

3

8- Metodologia a ser utilizada na execução do projeto

3

9- Adequação dos custos às atividades propostas

2

10- Programação de execução financeira 2

ATENÇÃO!! No caso de demanda espontânea, os projetos poderão ser reformulados quantas

vezes forem necessárias para atender aos critérios técnicos apontados pela Equipe Técnica e pelo estabelecido neste Manual.

27

Total

Avaliação Quantitativa Final Total pontuação final x 2 = [ ]

27

[ ] Recomendado [ ] Não recomendado

OBS: os itens de avaliação descritos na planilha acima, com as devidas

adequações, podem servir de referência para a elaboração do edital, no caso de

demanda induzida.

Para preencher a planilha, cada item deve ser pontuado no valor de 0 a 5 em função

da qualidade das informações disponíveis. A pontuação deve ser multiplicada pelo peso

correspondente, obtendo-se o valor da pontuação por item. Sobre a somatória dos valores

de pontuação, será aplicada a fórmula de avaliação quantitativa final, que corresponde à

média ponderada dos valores de avaliação.

Discriminação da pontuação de 0 a 5:

0 = informações inexistentes

1 = informações apresentadas, porém não adequadas ao item solicitado

2 = informações insuficientes para o entendimento do item solicitado

3 = informações suficientes para o entendimento do item solicitado, entretanto

apresentadas de forma pouco clara e inadequada, ou atividades propostas não factíveis

4 = informações suficientes para o entendimento do item solicitado, porém com

questionamentos técnicos relacionados às atividades propostas

5 = informações suficientes, claras para o entendimento do item proposto, atividades

propostas factíveis.

Após a análise do projeto, a Equipe Técnica deve emitir uma análise global da

proposta composta por uma avaliação quantitativa final, que é a defesa técnica do resultado

da Avaliação Quantitativa, que classifica o projeto entre as seguintes alternativas:

- Recomendado – quando a proposta atende ao conjunto de critérios de seleção

28

atingindo na Avaliação Quantitativa Final igual ou superior a 7 (sete);

- Não Recomendado – quando a proposta não atende aos critérios de seleção para

enquadramento nas normas que disciplinam a matéria e não apresenta condições mínimas

de reformulação, atingindo pontuação inferior a 7 (sete) na Avaliação Quantitativa

Final.

19.1 Avaliação dos Itens 19.1.1- Potencial para contribuir no licenciamento ambiental do Projeto de

Assentamento

O primeiro ponto a ser avaliado é o potencial da proposta de contribuir para o

licenciamento ambiental do Projeto de Assentamento, assim, os técnicos deverão analisar

se a proposta apresenta ações que cumpram as condicionantes e/ou ações mitigadoras que

são elencadas nas licenças ambientais.

Caso o Assentamento não esteja em processo de licenciamento ambiental os

técnicos deverão observar se o Projeto apresenta ações que irão auxiliar na aquisição das

licenças.

E no caso do Assentamento já ter sido licenciado, os técnicos deverão analisar se a

proposta apresenta ações que irão promover a manutenção da licença concedida.

19.1.2 - Potencial para contribuir na recuperação da Reserva Legal e das Áreas de

Preservação Permanente e de recuperação dos solos nos Projetos de Assentamento

O foco principal deste item é recuperar as Áreas de Preservação Permanente e a

Reserva Legal, promovendo a melhoria da qualidade dos recursos hídricos, o aumento da

biodiversidade local, o controle dos processos erosivos, além de cumprir a legislação

federal adequando os Projetos de Assentamento ao Código Florestal.

Os técnicos deverão analisar se o Projeto visa recuperar e proteger as Áreas de

Preservação Permanente e estimular a incorporação da Reserva Legal como um elemento

com potencial de promover a geração de renda sustentável, além de sensibilizar a

comunidade com relação aos serviços ambientais que a Reserva Legal oferece.

A proposta deverá buscar e incorporar o valor da floresta, estimular a manutenção

das reservas legais e promover uma mudança cultural baseada na sustentabilidade da

29

propriedade.

19.1.3- Contexto e justificativa do projeto

Os técnicos deverão avaliar a argumentação do proponente observando a

consistência das informações e a pertinência da implementação da proposta tendo em vista

seus objetivos e linhas temáticas.

O Projeto deverá contextualizar o trabalho a ser desenvolvido, apresentando a sua

importância para o desenvolvimento sustentável do assentamento e para a melhoria da

qualidade do meio ambiente.

19.1.4- Coerência entre objetivo, metas e atividades propostas no projeto

O objetivo do projeto deverá expressar claramente o que se deseja alcançar ao final

da execução, de forma coerente, considerando-se os recursos, a duração e o contexto do

projeto e, ainda, se enquadrar nos objetivos das normas que disciplinam a matéria.

A meta é um detalhamento do objetivo, devendo descrever quanto se quer alcançar e

em quanto tempo, para chegar àquela finalidade descrita no objetivo. As metas devem ser

concretas e podem estar em diferentes áreas: capacitação, recuperação ambiental, etc.

As atividades englobam as ações que o projeto pretende executar para alcançar as

metas e os objetivos estabelecidos. As atividades devem estar relacionadas com as metas.

Assim, espera-se que a Equipe Técnica avalie, com base na estratégia apresentada e

nos dados e informações disponíveis, a relação e coerência entre o objetivo, metas e

atividades propostas no projeto.

19.1.5- Caráter educativo do projeto

Para que o Projeto tenha êxito e promova a efetiva recuperação das Áreas de

Preservação Permanente, Reserva Legal e recuperação dos solos é essencial o envolvimento

e a conscientização dos assentados.

Dessa forma, é importante que a proposta de Projeto demonstre potencial para

promover a educação ambiental no Assentamento. Os técnicos deverão analisar se o Projeto

contempla atividades de capacitação e educação ambiental, como mecanismo importante

para a sustentação das atividades planejadas, como um meio de alcançar os seus objetivos e

30

como instrumento de envolvimento da comunidade.

19.1.6- Impacto e sustentabilidade ambiental

A Equipe Técnica deverá analisar se o Projeto propõe metas e atividades

compatíveis com as linhas temáticas propostas neste Manual e se as ações definidas geram

impactos ambientais positivos e contribuem para a sustentabilidade ambiental na região de

implementação do projeto.

19.1.7- Participação dos assentados e sustentabilidade social do projeto

Uma das idéias centrais das normas que disciplinam a matéria é estimular que o

Assentamento crie métodos alternativos de gerenciamento e conservação dos recursos

naturais e que estes sejam socialmente justos, culturalmente adequados, economicamente

rentáveis e ambientalmente sustentáveis.

A participação é importante para melhorar a eficiência e a eficácia do Projeto e

fortalecer a auto-estima dos assentados.

Na avaliação do nível de participação dos assentados no Projeto, além de observar a

presença do termo de compromisso e concordância assinado pelos assentados, é importante

verificar: quem e como são definidas as posições e as funções desempenhadas pelos

assentados no gerenciamento do projeto e na implementação das atividades, quem participa

da tomada de decisões, qual o impacto das atividades do Projeto sobre os assentados, quem

se beneficia com os recursos advindos do projeto, quem contribui com trabalho

(pago/voluntário), quem se responsabiliza pela continuação das atividades do projeto após a

sua conclusão formal.

Os assentados deverão estar aptos e dispostos a manter a infra-estrutura, o sistema

ou os benefícios introduzidos pela intervenção. Além da vontade e do propósito do Projeto,

é importante que a Equipe Técnica avalie em que medida os participantes são realmente

capazes de atender às exigências requeridas (técnicas, gerenciais e de liderança) para a

manutenção do projeto e como estão socialmente organizados para a execução da proposta.

A sustentabilidade social refere-se tanto aos aspectos sociais necessários para que o

projeto alcance seus objetivos quanto às condições para que a comunidade assentada

continue se desenvolvendo após o término do Projeto.

31

19.1.8- Metodologia a ser utilizada na execução do Projeto

Entende-se por metodologia a sistemática de trabalho adotada na implementação do

Projeto, as formas e as técnicas utilizadas na realização das atividades e sua seqüência

lógica.

Um Projeto deve ser considerado bem elaborado quando tem sua metodologia bem

definida e clara. É a metodologia que fornecerá à Equipe Técnica a segurança necessária de

que os objetivos do Projeto podem realmente ser alcançados. Esse item deve merecer

especial atenção por parte dos membros da Equipe Técnica.

19.1.9- Adequação dos custos às atividades propostas

Os Técnicos deverão analisar se os valores propostos nos itens e sua soma estão

corretos, se os custos são compatíveis com o mercado, com os objetivos e as atividades

previstas, se há possíveis sub e superestimativas e se o orçamento apresentado é

efetivamente consistente.

19.1.10- Programação de execução financeira

Neste item, a Equipe Técnica deve avaliar se há coerência e compatibilidade entre

as atividades propostas e a programação de execução financeira.

20. OTIMIZAÇÃO DOS RECURSOS

Com o intuito de promover a otimização dos recursos, fazendo com que maior número de atividades possam ser contempladas na proposta, sempre que possível, deve-se

buscar parcerias com os Órgãos Estaduais de Meio Ambiente, Ministério Público Estadual,

Ministério do Meio Ambiente, IBAMA, Agência Nacional de Águas - ANA, Comitês de

Bacia Hidrográficas, ONG´s, Prefeituras, Instituições de pesquisa e/ou extensão rural e

outros.

As parcerias devem ser comprovadas por meio de apresentação de um documento

formal (carta ou ofício) da instituição parceira, dando ciência do conteúdo do projeto e

32

descrevendo, de forma sucinta, a natureza da participação de cada instituição no projeto

proposto.

SUGESTÕES Construção de viveiros comunitários para o atendimento de vários

Assentamentos. Organizar mutirões de trabalho com os assentados.

Aproveitar viveiros já existentes na região para a produção de mudas.

21. ACOMPANHAMENTO E FISCALIZAÇÃO

A Superintendência Regional deverá designar um ou mais servidores responsáveis

pela fiscalização e acompanhamento do projeto. O objetivo é garantir a correta aplicação

dos recursos previstos nas normas que disciplinam a matéria. Os responsáveis pela

fiscalização e acompanhamento dos projetos deverão informar à sua chefia imediata e ao

Superintendente Regional o andamento das ações previstas nos projetos aprovados e em

implantação.

A Diretoria de Obtenção de Terras e Implantação de Projetos de Assentamento fará,

no âmbito de cada região e bioma, por amostragem, a avaliação dos resultados obtidos.

É importante ressaltar, que os assentados deverão se organizar para, periodicamente,

realizarem reuniões de discussão sobre o andamento do projeto, para identificar os

progressos alcançados e os entraves que porventura venham a ocorrer e o que pode ser feito

para solucionar os problemas diagnosticados. A proponente/executora deverá assessorar a

comunidade nessas reuniões de reflexão sobre o andamento do projeto.

É importante que as ações do projeto sejam registradas – escritas e fotografadas.

Nas reuniões para discutir os problemas e encaminhar soluções, deve ser feita uma lista de

presença das pessoas que participam e deve ser registrado, em uma ata, as decisões

tomadas, os encaminhamentos decididos e os responsáveis por eles. Esses registros

guardam a história do projeto e são úteis para que a comunidade e os responsáveis pela

fiscalização possam analisar a aplicação dos recursos.

33

22. CONSIDERAÇÕES FINAIS

É possível que no caso de demanda espontânea sejam apresentadas mais de uma

proposta para um mesmo Assentamento com objetos idênticos ou semelhantes, implicando

em duplicidade de esforços. Nesta situação, somente a melhor proposta classificada

segundo os critérios definidos neste Manual será passível de apoio.

É possível que um mesmo Projeto de Assentamento possa ser contemplado com

mais de uma proposta, desde que os objetos de cada proposta sejam distintos e que o

recurso total de todas as propostas não ultrapasse o valor descrito nas normas que

disciplinam a matéria.

A qualquer tempo este Manual e as Normas poderão ser modificadas, revogadas ou

anuladas, no todo ou em parte, por motivo de interesse público, sem que isso implique

direito a indenização de qualquer natureza.

Informações e esclarecimentos complementares pertinentes a este Manual poderão

ser obtidos diretamente na Coordenação Geral de Meio Ambiente e Recursos Naturais da

Diretoria de Obtenção de Terras e Implantação de Projetos de Assentamento, no seguinte

endereço:

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária

Diretoria de Obtenção de Terras e Implantação de Projetos de Assentamento

Coordenação Geral Meio Ambiente e Recursos Naturais

SBN Q 01 Bloco D – Palácio do Desenvolvimento, sala 1605

CEP: 70057-900 – Brasília – DF

Telefones: 61-34117129/61-34117671

Fax: 61-33263204

34

23. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BRASIL. Lei n. 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o novo Código Florestal. Diário Oficial da União, Brasília, 06 de setembro de 1965 e 28 de setembro de 1965. BRASIL. Instrução Normativa STN n. 01, de 15 de janeiro de 1997. Disciplina a celebração de convênios de natureza financeira que tenham por objeto a execução de projetos ou realização de eventos e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 31 de janeiro de 1997. BRASIL. Lei n. 8.666, de 21 de junho de 1997. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de julho de 1993 e 06 de julho de 1994. BRASIL. Decreto n. 2271, de 07 de julho de 1997. Dispõe sobre a contratação de serviços pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 08 de julho de 1997. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA. Resolução n. 237, de 27 de dezembro de 1997. Regulamenta os aspectos de licenciamento ambiental estabelecidos na Política Nacional do Meio Ambiente. Diário Oficial da União, Brasília, 22 de dezembro de 1997. BRASIL. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 09 de julho de 2000. BRASIL. Portaria Interministerial STN/SOF n. 163, de 04 de maio de 2001. Dispõe sobre normas gerais de consolidação das Contas Públicas no âmbito da União, estados, Distrito Federal e municípios, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 7 de maio de 2001 e 5 de junho de 2001.

BRASIL. Medida Provisória n. 2.166-67, de 24 de agosto de 2001. Altera os arts. 1o, 4o, 14, 16 e 44, e acresce dispositivos à Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965, que institui o Código Florestal, bem como altera o art. 10 da Lei no 9.393, de 19 de dezembro de 1996, que dispõe sobre o Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural - ITR, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 25 de agosto de 2001.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA. Resolução n. 289, de 25 de outubro de 2001. Estabelece diretrizes para o Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária. Diário Oficial da União, Brasília, 21 de dezembro de 2001. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. CONSELHO NACIONAL DO MEIO

35

AMBIENTE - CONAMA. Resolução n. 302, de 20 de março de 2002. Dispõe sobre os parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente de reservatórios artificiais e o regime de uso do entorno. Diário Oficial da União, Brasília, 13 de maio de 2002. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA. Resolução n. 303, de 20 de março de 2002. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Diário Oficial da União, Brasília, 13 de maio de 2002. RIBEIRO, R. J. B. AFO – Administração Financeira e Orçamentária. Brasília: Vestcon, 2003. p. 76-86. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME/SESAN. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE/SDS/CARTEIRA INDÍGENA. Diretrizes gerais de funcionamento e acesso aos recursos para projetos. Brasília, outubro de 2004. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE/SCA/SDS/PPG7/PDA. Chamadas 03, 04 e 05 para apresentação de propostas de projetos para o componente Projeto Alternativas ao Desmatamento e às Queimadas (PADEQ). Brasília, maio de 2005. segunda versão. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE/SCA/SDS/PPG7/PDA. Componente Projeto Alternativas ao Desmatamento e às Queimadas (PADEQ): Manual de operações e formulários de apresentação de propostas de projetos. Brasília, maio de 2005. segunda versão. INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Norma de Execução n. 43, de 28 de junho de 2005. Estabelece critérios e procedimentos referentes à implantação de Projetos de Recuperação e Conservação de Recursos Naturais em áreas de assentamentos da Reforma Agrária. Boletim de Serviços do INCRA, Brasília, n. 27, de 04 de julho de 2005. INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Norma de Execução n. 44, de 28 de junho de 2005. Estabelece valor unitário por família referente à implantação de Projetos de Recuperação e Conservação de Recursos Naturais em áreas de assentamentos da Reforma Agrária. Boletim de Serviços do INCRA, Brasília, n. 27, de 04 de julho de 2005. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE/SCA/SDS/PPG7/PDA. Manual da câmara técnica do PDA/PADEQ: Orientações para a análise de projetos. Brasília, agosto de 2005. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Manual de convênios: informações e orientações aos gestores e aos convenentes. Disponível em: http://www.mda.gov.br Acesso em: 22 de fevereiro 2006.

36

ANEXO 01

TABELAS PARA CLASSIFICAÇÃO DAS DESPESAS QUANTO À SUA NATUREZA

CATEGORIA ECONÔMICA

GRUPO DE DESPESA

MODALIDADE DE APLICAÇÃO

ELEMENTO DE DESPESA

3.Despesas Correntes 3.Outras Despesas Correntes

30. Transferências a Estados e ao

Distrito Federal 40. Transferências

a Municípios 50. Transferências

a Instituições Privadas sem Fins

Lucrativos 90. Aplicações

Diretas

14. Diárias – Civil 30. Material de

Consumo 32. Material de

Distribuição Gratuita 33. Passagens e Despesas com Locomoção

35. Serviços de Consultoria

36. Outros Serviços de Terceiros – Pessoa

Física 39. Outros Serviços de

Terceiros - Pessoa Jurídica

CATEGORIA ECONÔMICA

GRUPO DE DESPESA

MODALIDADE DE APLICAÇÃO

ELEMENTO DE DESPESA

4. Despesas de Capital 4. Investimentos

30. Transferências a Estados e ao Distrito

Federal 40. Transferências a

Municípios 50. Transferências a Instituições Privadas sem Fins Lucrativos

90. Aplicações Diretas

51. Obras e Instalações

52. Equipamentos e Material Permanente

37

ANEXO 02

DOS CONCEITOS E ESPECIFICAÇÕES A - CATEGORIAS ECONÔMICAS 3 - Despesas Correntes Classificam-se nesta categoria todas as despesas que não contribuem, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem de capital. 4 - Despesas de Capital Classificam-se nesta categoria aquelas despesas que contribuem, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem de capital. B - GRUPOS DE DESPESA 3 - Outras Despesas Correntes Despesas com aquisição de material de consumo, pagamento de diárias, contribuições, subvenções, auxílio-alimentação, auxílio-transporte, além de outras despesas da categoria econômica "Despesas Correntes" não classificáveis nos demais grupos de natureza de despesa. 4 - Investimentos Despesas com o planejamento e a execução de obras, inclusive com a aquisição de imóveis considerados necessários à realização destas últimas, e com a aquisição de instalações, equipamentos e material permanente. C - MODALIDADES DE APLICAÇÃO 30 - Transferências a Estados e ao Distrito Federal (para convênios) Despesas realizadas mediante transferência de recursos financeiros da União ou dos Municípios aos Estados e ao Distrito Federal, inclusive para suas entidades da administração indireta. 40 - Transferências a Municípios (para convênios) Despesas realizadas mediante transferência de recursos financeiros da União ou dos Estados aos Municípios, inclusive para suas entidades da administração indireta. 50 - Transferências a Instituições Privadas sem Fins Lucrativos (para convênios) Despesas realizadas mediante transferência de recursos financeiros a entidades sem fins lucrativos que não tenham vínculo com a administração pública. 90 - Aplicações Diretas (para contratos e/ou execução direta) Aplicação direta, pela unidade orçamentária, dos créditos a ela alocados ou oriundos de descentralização de outras entidades integrantes ou não dos Orçamentos Fiscal ou da Seguridade Social, no âmbito da mesma esfera de governo.

38

D - ELEMENTOS DE DESPESA 14 - Diárias - Civil Cobertura de despesas de alimentação, pousada e locomoção urbana, com o servidor público estatutário ou celetista que se deslocar de sua sede em objeto de serviço, em caráter eventual ou transitório, entendido como sede o Município onde a repartição estiver instalada e onde o servidor tiver exercício em caráter permanente. 30 - Material de Consumo São materiais que serão consumidos durante os trabalhos do projeto. Tais como: sementes e mudas de plantas; adubos; ferramentas; embalagens para mudas; papel, lápis, caneta; despesas com álcool automotivo; gasolina automotiva; diesel automotivo; lubrificantes automotivos; combustível e lubrificantes de aviação; gás engarrafado; outros combustíveis e lubrificantes; material biológico, farmacológico e laboratorial; animais para estudo, corte ou abate; alimentos para animais; material de coudelaria ou de uso zootécnico; gêneros de alimentação; material de construção para reparos em imóveis; material de manobra e patrulhamento; material de proteção, segurança, socorro e sobrevivência; material de expediente; material de cama e mesa, copa e cozinha, e produtos de higienização; material gráfico e de processamento de dados; aquisição de disquete; material para esportes e diversões; material para fotografia e filmagem; material para instalação elétrica e eletrônica; material para manutenção, reposição e aplicação; material odontológico, hospitalar e ambulatorial; material químico; material para telecomunicações; vestuário, fardamento, tecidos e aviamentos; material de acondicionamento e embalagem; suprimento de proteção ao vôo; suprimento de aviação; sobressalentes de máquinas e motores de navios e esquadra; explosivos e munições e outros materiais de uso não-duradouro. Na apresentação deste item, deve ser feita a especificação do material, da unidade de medida (metros, quilogramas, dúzia, unidade, etc.), da quantidade, do custo unitário e do custo total. 32 - Material de Distribuição Gratuita Despesas com aquisição de materiais para distribuição gratuita, tais como: prêmios e condecorações; medalhas, troféus; livros didáticos; medicamentos e outros materiais que possam ser distribuídos gratuitamente. 33 - Passagens e Despesas com Locomoção Despesas com aquisição de passagens (aéreas, terrestres, fluviais ou marítimas), taxas de embarque, seguros, fretamento, locação ou uso de veículos para transporte de pessoas e suas respectivas bagagens e mudanças em objeto de serviço. 35 - Serviços de Consultoria Despesas decorrentes de contratos com pessoas físicas ou jurídicas, prestadoras de serviços nas áreas de consultorias técnicas ou auditorias financeiras ou jurídicas, ou assemelhadas. 36 - Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física Despesas decorrentes de serviços prestados por pessoa física pagos diretamente a esta e não enquadrados nos elementos de despesa específicos, tais como: remuneração de serviços de

39

natureza eventual, prestado por pessoa física sem vínculo empregatício; estagiários, monitores diretamente contratados; diárias a colaboradores eventuais; locação de imóveis; salário de internos nas penitenciárias; e outras despesas pagas diretamente à pessoa física. 39 - Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica Despesas com prestação de serviços por pessoas jurídicas para órgãos públicos, tais como: assinaturas de jornais e periódicos; tarifas de energia elétrica, gás, água e esgoto; serviços de comunicação (telefone, telex, correios, etc.); fretes e carretos; pedágio; locação de imóveis (inclusive despesas de condomínio e tributos à conta do locatário, quando previstos no contrato de locação); locação de equipamentos e materiais permanentes; conservação e adaptação de bens imóveis; seguros em geral (exceto os decorrentes de obrigação patronal); serviços de asseio e higiene; serviços de divulgação, impressão, encadernação e emolduramento; serviços funerários; despesas com congressos, simpósios, conferências ou exposições; despesas miúdas de pronto pagamento; vale-transporte; vale-refeição; auxílio- creche (exclusive a indenização a servidor); software; habilitação de telefonia fixa e móvel celular; e outros congêneres. 51 - Obras e Instalações Despesas com estudos e projetos; início, prosseguimento e conclusão de obras; pagamento de pessoal temporário não pertencente ao quadro da entidade e necessário à realização das mesmas; pagamento de obras contratadas; instalações que sejam incorporáveis ou inerentes ao imóvel, tais como: elevadores, aparelhagem para ar condicionado central, etc. 52 - Equipamentos e Material Permanente São bens que duram muito tempo depois do projeto acabar, por isso são chamados de permanentes. Exemplo: Despesas com aquisição de aeronaves; aparelhos de medição; aparelhos e equipamentos de comunicação; aparelhos, equipamentos e utensílios médico, odontológico, laboratorial e hospitalar; aparelhos e equipamentos para esporte e diversões; aparelhos e utensílios domésticos; armamentos; bandeiras, flâmulas e insígnias; coleções e materiais bibliográficos; embarcações, equipamentos de manobra e patrulhamento; equipamentos de proteção, segurança, socorro e sobrevivência; instrumentos musicais e artísticos; máquinas, aparelhos e equipamentos de uso industrial; máquinas, aparelhos e equipamentos gráficos e equipamentos diversos; máquinas, aparelhos e utensílios de escritório; máquinas, ferramentas e utensílios de oficina; máquinas, tratores e equipamentos agrícolas, rodoviários e de movimentação de carga; mobiliário em geral; obras de arte e peças para museu; semoventes; veículos diversos; veículos ferroviários; veículos rodoviários; outros materiais permanentes.

40

ANEXO 03

MODELO DE DECLARAÇÃO

DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE FATO SUPERVENIENTE ________________________________________, CNPJ _________________________

sediada à _______________________________________________ Brasília- DF, por

intermédio do seu representante legal o Sr (a). ___________________________________

portador(a) da carteira de identidade n. _________________________________ e do CPF

_________________________________ DECLARA, sob as penas da lei, que até a

presente data inexistem fatos impeditivos para sua habilitação no presente processo

licitatório estando ciente da obrigatoriedade de declarar ocorrências posteriores.

Brasília- DF, ____ de _________________ de ________

______________________________________________

41

ANEXO 04

PLANO DE TRABALHO

1 - DADOS CADASTRAIS (ARTIGO 2o, INCISO I DA IN STN 03/93 e 01/97) ENTIDADE PROPONENTE

C.G.C.

ENDEREÇO CIDADE

U.F. C.E.P. DDD/TELEFONE EA

Conta Corrente Banco

Agência Praça de pagamento

Nome do responsável

CPF

C.I/Órgão Expedidor

Cargo/Função Matrícula

Endereço

CEP

Instruções para preenchimento:

ENTIDADE PROPONENTE: Indicar o nome da entidade proponente

C.G.C: Indicar o número de inscrição da prefeitura ou secretaria no Cadastro Geral

de Contribuintes do Ministério da Fazenda (14 dígitos).

42

ENDEREÇO: Indicar o endereço completo (Distrito, Bairro, Rua, número, etc).

CIDADE: Escrever o nome do município onde se localiza a sede da entidade

proponente.

UF: Escrever a sigla do estado.

CEP: Escrever o código do endereço postal do bairro/ logradouro/cidade onde a

entidade se localiza (08 dígitos).

DDD/TELEFONE: indicar o número do telefone da entidade, inclusive com o DDD

EA: indicar a esfera administrativa (estadual ou municipal), caso a proponente seja

pertencente à administração pública.

Conta corrente: citar o número da conta bancária aberta especificamente para

receber os recursos do convênio.

Obs: Lembrar que, conforme Decisão do TCU n. 706/94 – Plenário – Ata 54/94,

cada convênio deve ter a sua própria conta bancária, o que é importante para

facilitar a administração e o controle dos recursos, inclusive quanto à prestação de

contas.

Banco: citar o código do banco em que foi aberta a conta bancária específica

Agência: citar o código da agência bancária onde foi aberta a conta bancária

específica.

Praça de pagamento: citar o nome da cidade onde se localiza a agência bancária em

que foi aberta a conta.

Nome do responsável: registrar o nome do representante legal da proponente

CPF: indicar o número de inscrição do responsável no Cadastro de Pessoas Físicas

(11 dígitos)

C.I/Órgão Expedidor: citar o número da carteira de identidade do responsável, as

siglas do órgão expedidor e do estado em que o documento foi emitido.

Cargo/Função: indicar o cargo ou a função ocupada pelo representante legal da

proponente.

Matrícula: só preencher se o responsável for funcionário da administração pública.

Endereço: indicar o endereço residencial completo de responsável

CEP: preencher com o código de endereçamento postal (8 dígitos) referente ao

endereço do responsável

43

2- OUTROS PARTÍCIPES:

Nome

CGC/CPF EA

Endereço

CEP

Instruções para preenchimento:

Registrar o nome de outro órgão ou entidade que participe do convênio com interveniente

ou executor.

Interveniente: é o órgão ou entidade que participa do convênio dando sua anuência ou

assumindo obrigações diferentes daquelas assumidas pelo convenente e pelo executor.

Executor: é o ente que executa, diretamente, o objeto do convênio, caso essa tarefa não

caiba ao convenente.

Nome: indicar o nome do órgão ou entidade interveniente ou executor

CGC/CPF: indicar o número de inscrição no Cadastro Geral de Contribuintes ou no

Cadastro de Pessoas Físicas do Ministério da Fazenda, conforme o caso.

EA: indicar a esfera administrativa a que pertence o interveniente ou executor

(federal, estadual ou municipal), caso o partícipe pertença à administração pública.

Endereço preencher o endereço completo do interveniente ou executor, incluindo

bairro, rua, etc.

CEP: indicar o número do código do endereçamento postal (8 dígitos).

44

3- DESCRIÇÃO DO PROJETO

Título do Programa/Ação

Período de Execução

Início:

Término:

Identificação do objeto

Justificativa da proposição

Instruções para o preenchimento:

Título do programa/ação: identificar o nome do Programa - Desenvolvimento

Sustentável na Reforma Agrária - Ação - Manejo de Recursos Naturais.

Período de execução: Indicar as datas de início e fim da execução.

Identificação do objeto: descrever o produto final do projeto de forma completa e

sucinta.

Justificativa da proposição: descrever sucintamente as razões que levam a

proponente a propor a celebração do convênio com o INCRA, evidenciando os

benefícios ambientais e sociais a serem alcançados pela comunidade e pelo projeto

de assentamento e os resultados a serem atingidos com a realização do projeto

proposto.

45

4- CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO

Indicador Físico Duração Meta Etapa

ou

fase

Especificação

Unid Quant Início Térm

Instruções para preenchimento:

O cronograma de execução descreve a implementação do projeto em termos de

metas, etapas ou fases, bem como prazos.

Meta: é o desdobramento do objetivo do convênio em realizações físicas, de acordo

com unidades de medida preestabelecidas. Nesse campo deverá ser indicado o

conjunto de elementos que compõem o objeto.

Etapa/fase: indicar cada nesse campo cada uma das ações em que se divide um meta

Especificação: relacionar os elementos característicos da meta, etapa ou fase.

Indicador físico: qualificação e quantificação física do produto de cada meta, etapa

ou fase.

Unidade: indicar a unidade de medida que melhor caracteriza o produto de cada

meta, etapa ou fase. Exemplos: metro (m), quilômetro (km), quilograma (kg),

unidade (un), etc.

Quantidade: indicar a quantidade prevista para cada unidade de medida.

Duração: é o prazo previsto para a implementação de cada meta, etapa ou fase.

Início: início da execução da meta, etapa ou fase.

Término: término da execução da meta, etapa ou fase.

46

5- PLANO DE APLICAÇÃO

Natureza da despesa

Código Especificação

Total Concedente Proponente

Total geral

Instruções para preenchimento do plano de aplicação:

O Plano de Aplicação refere-se ao desdobramento da dotação (verba) nos elementos

previstos. Tais gastos devem ser desdobrados conforme os elementos de despesas previstos,

nas normas de contabilidade pública.

Natureza da despesa: refere-se à classificação econômica da despesa.

Código: código do elemento de despesa

Especificação: é o nome do elemento de despesa

Total: registrar o valor, em unidades monetárias, para cada elemento de despesa

Concedente: registrar o valor a ser transferido pelo órgão/entidade federal

Proponente: indicar o valor a ser aplicado pelo beneficiário a título de contrapartida

Total geral: indicar o somatório dos valores atribuídos a cada elemento de despesa.

47

6- CRONOGRAMA DE DESEMBOLSO

CONCEDENTE

Meta jan fev mar abr maio jun

PROPONENTE (CONTRAPARTIDA)

Meta jan fev mar abr maio jun

Instruções de preenchimento:

Meta: indicar o número de ordem da meta (1,2,3, etc...)

Concedente: indicar o valor mensal a ser transferido pelo INCRA.

Proponente: indicar o valor mensal a ser desembolsado mensalmente pelo

beneficiário a título de contrapartida.

48

7- DECLARAÇÃO

Na qualidade de representante legal do proponente, declaro para fins de prova junto ao

Instituto Nacional de Colonização de Reforma Agrária, para efeitos e sob as penas da lei,

que inexiste qualquer débito em mora ou situação de inadimplência com o Tesouro

Nacional ou qualquer órgão ou entidade da Administração Pública Federal, que impeça a

transferência de recursos oriundos de dotações consignadas nos orçamentos da União, na

forma deste Plano de Trabalho.

Pede deferimento

__________________________ _______________________

Local e data Proponente

8- APROVAÇÃO PELO CONCEDENTE

APROVADO

____________________________ ________________________

Local e Data Concedente

49

ANEXO 05

TERMO DE COMPROMISSO E CONCORDÂNCIA

Projeto de Recuperação e Conservação de Recursos Naturais

Os agricultores familiares, abaixo assinados, assentados no Projeto de

Assentamento_______________________________________________________________,

localizado no Município de____________________________________________do Estado

de____________________________, por meio desse instrumento vêm manifestar o

compromisso e a concordância com a implantação e execução do Projeto

intitulado___________________________________________________________,conforme

preconiza a Norma de Execução Nº de de de ........., publicada no

........................................ de de de ...............

Outrossim, manifestam sua compreensão quanto à importância do referido

Projeto, na melhoria da qualidade ambiental e seus reflexos positivos nos aspectos social e

econômico do Projeto de Assentamento e, comprometem-se em acompanhar e auxiliar para

que o mesmo seja implantado dentro dos parâmetros técnicos especificados, bem como em

sua manutenção para as gerações futuras.

________________em______de_______de 200___

Nome Legível e RG Assinatura

50

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 50 páginas