Mapas Mentais Auditoria, Esquemas de Engenharia Química

Mapas Mentais Auditoria, Esquemas de Engenharia Química

25 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Mapas Mentais Auditoria
90 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 25
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 25 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 25 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 25 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 25 páginas
(Guru) Estrutura Organizacional | Filosofia Administrativa | Apetite a Riscos | Abrange a CULTURA, consciência de risco) AFilosofia de Gerenciamento de Riscos | Apetite a riscos Código de Conduta Formal Penalidades Conselho de Administração AMBIENTE INTERNO Elementos Integridade e valores éticos) N 1 Compromisso com a Competência | | “(Compromisso com competência e habilidades ) ; E | IN Autoridade e Responsabilidade | Estrutura organizacional / | Políticas de RAN! “(Normas de recursos humanos BASE para os outros Elementos / Fontes Internas Fatores Influenciadores K Fontes Externas / Inventário de eventos | Fluxo de processo Análises | Entrevistas | ' / (Técnicas) Indicadores Queda nas vendas Aumento das não-conformidades) Não atingimento de objetivos Interdependência de Eventos Ji Visão de Portfólio Horizontalmente - Categorias de Eventos )-(Agregar) verticalmente |-—( Orgãos ÁPositivo) Oportunidade f (si) (8) nico) (6 “(Eventos com baixa probabilidade e alto impacto na realização do objetivo (Indicadores preventivos fé não devem ser ignorados) fmpacto) Estratégicos) Alinhados com a Visão e Missão Nao há padrão f Sem objetivos, normas, não há auditoria Nao hã referencial Pré-Requisito dos demais (Variação Aceitável)—d Tolerância a Riscos -| Objetivos Correlatos Objetivos Selecionados)-—(Conformidade com o Apetite a Risco) (Conselho de Administração) —< Apetite a Riscos [Técnicas | (Base nos Riscos RESIDUAIS das Unidades) PR SE Resposta em a Riscos (Ereiização)/ | Apetite a Riscos—(Equilibrio coma TOLERÂNCIA) Probabilidade Custos x Benefícios Avaliação das Possíveis Respostas p—| Efeitos k Não justifica dispêndios A Conciliações (Processamento Sistemático da Informação) [ “,Processamento Eletrônico de Dados segurança | | A Controles Físicos f “e (acessos) N f “[MNormas Internas k— Segregação de Funções mn ps (alçadas | Autorizações )-—(imites prévios estabelecidos) — (ex: dispensa de licitação) “[ Administração Funcional (ircações) conciliação Geralmente Usadas [Controles dos Sistemas de Informação jd e Procedimentos (coningência) - As próprias niinEEa Re a Integração com as Respostas a Riscos são Respostas a Riscos | segregação de funções mc SEGURANÇA FÍSICA SISTEMAS INFORMATIZADO S | Formais Informação 4 Multidirecional Informais Horizontal Atividades Contínuas )—(Decurso NORMAL das Atividades) Auto-avaliações Avaliações Segregadas é “| Avaliações Independentes Variação Frequência MONITORAMENTO Superiores (AMENAS) CONAD (GRAVES) (Relatadas) (Comunicação de Deficiências) Julgamento humano sujeito a falhas Componentes não são sequenciais) Custo-beneficio de resposta a risco e controles Hã uma interligação entre eles) Limitações impedem absoluta garantia de objetivos (Planos e Programas de longo prazo Coso 2 Conceitos Estratégicos (Zelar pela boa aplicação dos recursos públicos )-— (Missão da cou)-—Missão, Visão de Futuro E a Tai Rs] (Utilização eficaz e eficiente dos recursos) [Operações Event Identification (Confiabilidade de relatórios financeiros) —| Comunicação Risk Response | | | | Control ARA | Information & Communication Ni? (Cumprimento de leis e regulamentos) [Conformidade Monitoring VOLTAR PARA CONCEITOS!) AUDITORIA INTERNA Estrutura utilizada no controle Ambiente de controle “Avaliação de Risco. (FRede de Controle COSO 1 - componentes Procedimentos conformes à lei. é - É dos controles internos Documentar adequadamente Informação e Comunicação Exames e acompanhamentos | Monitoração T— 9 C0S02 — coso Gestão de Risco f Ambiente Interno [A Fixação de Objetivos | SE STETS - oportunidades | Identificação de Eventos É e - riscos Componentes. FARMACCIA Avaliação de Riscos. | Resposta a Riscos IN Atividades de Controle N Informação e Comunicação “Monitoramento / Eficácia e eficiência das operações ' Controles Internos “— Confiabilidade dos relatórios “Cumprimento de leis: para as EFS Objetivo Principal: INDEPENDÊNCIA das Ers | (DEMEIMEGna dude a 4 PREMISSAS O controle não é um fim em si mesmo Finalidade do Controls 4 CONTROLE 4 OPERACIONAL 4 FORMAL ou CONFORMIDADE 4 Quanto ao ENTE deve prever TRAÇOS PRINCIPAIS N a 4 deve apontar cada país definirá de acordo com sua realidade autoridades/entidades devem sercontroladas » Limites do direito internacional * controle deve ser amplo, contemplando inclusive declarações individuais N deve contemplar a regularidade e a rentabilidade da arrecadação, orçamento de receitas e indicando eventuais medidas para correção | primordialmente auditorias de conformidade, mas pode operacionais * Es volume elevado de recursos: maior atenção», adequada utilização dos equipamentos - eficiência instalações | pessoal técnico | | resultado dos serviços - eficácia ! se gastos com quotas, EFS controla » q compatibilizar controles - sá devem ser auditadas por envolver expansão da atividade econômica do Estado e investimentos elevados | é conveniente CONTROLE POSTERIOR - dir atenção ao SIGILO na divulgação de informes * P controle AMPLO N, 4 SE DESVOS EN se necessário, contemplar todas as atividades, If espacialmente se elevados investimentos controle MINUCIOSO | se não licitada, verificar as razões » observar normasiregulamentos específicos - coemas observar regularidade dos pagamentos e rentabilidade das obras 4 acesso as internados A h decisão sobre quando usar & receber informações exame na própria sede e em controladas ção 4 prazos estabelecidos as controladas devem responder nos prazos estipulados & informar as medidas adotadas +, Se NÃO amparadas por — Neificações | 4 RESOLUÇÃO JUDICIAL colabora com PARECERES ou DITAMES +, inclusive em PROJETOS DE LEIS NO Podem seraceitas ou não + Não deve afetar a possibilidade de Controle ps hã Independência absoluta » Deve ter a independência necessária para cumprir sua função "a CF deve garantir | “deve ser protegida por Tribunal Supremo a da EFS L ES k a CF deve garantir a indep. dos membros inclusive na substituição frios ( faculdade de solicitar orçamento “ gerir orçamento a CF garante a independência cada país define a forma de relacionamento todas as atividades serão controladas NÃO há SUBORDINAÇÃO “Não pode se recusar ao controle Declaração de Lima. ciência e tecnologia — Regras, orientações seminários, encontros, trabalhos de grupo deve-se estimular terminologia uniforme EFS se fortalece na INTOSAI publicação especializada relação mais típica com o controle a posteriori - qualificação |p integridade moral formação, capacidade & experiência ACIMA DA MÉDIA K aperfeiçoamento b garante independência 'se pessoal NÃO tecnicamente habilitado f EFsS tem o direito e obrigação de apresentar anualmente pode ser contratado especialista [ estimula discussões na sociedade e valoriza as verificações : atenção ao SIGILO b oferecer contra-argumentação dos auditados “redação clara, concisa, coerente, objetiva, precisa Aplicação E Definição | (GAO) Características É a mais usada pelas EFS com tradição em auditoria de desempenho (NAO, GAO, ANÃO) Método para conhecer situação complexa, baseado em compreensão abrangente a partir de ampla descrição e e análise mais adequado para questões normativas e descritivas uso preferencial abordagem qualitativa O padrão ou indicador usado para determinar se o programa atinge, excede ou está aquém do desempenho esperado tania pit tt Critério pata de Avaliação de programas / Ê Não-utilização de amostragem probabilistica Análise concomitante à coleta de dados A natureza ou magnitude do impacto esperado com a implementação do programa A situação existente, identificada e documentada durante os trabalhos > lustrativo acrescenta exemplos reais e detalhados Auditoria de desempenho operacional | | EHGADARAa Exploratório geração de hipóteses para investigação posterior A situação verificada após a implementação do programa e a Auditoria de Aval á feendição) Cada questão de auditoria deve Caso critico situação especialmente relevante, teste crítico : a f E : E uditoria de Avaliação de programas | i E : E NE E 5 situação que provavelmente seria verificada sem essa implementação > ç Prog na ane en Metodologias k Implementação de programa diferentes experiências; forma normativa As razões do bom ou mau desempenho observado Auditoria de desempenho operacional (CRICOCAE) i igacá j imi Y Causa a investigação deve ser planejada de forma a eliminar ou controlar , Auditoria de:Aveliação:de:progremas | relações de causalidade Efeitos do programa usa mêtodos qualitativos fatores exógenos que podem estar influenciando os resultados Cumulativo reúne vários estudos de caso Ruim para avaliação e causa-efeito Limitaçõesk custo elevado e tempo de implementação Normalmente, não permite generalização permite uma análise detalhada do programa em exame; As consequencias da diferença constatada aii a Auditoria de desempenho operacional entre critério e condição » ERR eito da diferença entre a situação observada após a implementação do . . . . . Auditoria de Avaliação de programas programa e a situação que provavelmente seriaobservada sem essa implementação > o (Matriz de Pianejamentol=) Matriz de Planejamento Vantagens k. permite formular hipóteses para serem testadas em estudos de maior amplitude; Disponíveis = == Estratégias Metodológicas , , , O, comparáveis MRE de controle não-randômicos ANOP evidencia os aspectos fortes e fracos da operacionalização do programa em exame. E “(avaliação de programa) (MESES) uarora de desempenho operadora) | Qualitativa nálisesk [ + Quantitativa informações descritivas de população ampla f == | conhecer opinião dos beneficiários/executores de programas | Objetivos - , | estabelecer relações causais Verificar comparabilidade Limitação: pressupõe conhecimento de todas as variáveis do programa = Grupos não-equivalentes com pré e pós-testes Mesmas características do delineamento experimental, exceto N que os grupos não são equivalentes Delineamentos Quase-experimentais Perspectivas de longo prazo axa cnc - Séries temporais com grupos de controle Limitação: enorme volume de mensuração e dados | Mensuração em intervalores regulares de tempo Ds a aa o. Séries temporais sem grupos de controle ) Limitação: não há controle das variáveis externas esouas exploratório no levantamento de auditoria “longa duração. (Limitações) (Limitações) necessidade de conhecimentos estatísticos | Em relação ao | corte temporal levantamento em único ponto no tempo momento |. painel | levantamento em dois ou mais pontos no tempo não há controle de explicações alternativas (Fragilidade) | (causa e efeito) Fragilidade Avalia impactos de programas e ações deve ser adotado em conjunto com outra estratégia. AErsalidade) ( B Es É ) (mais adequada para responder a questões de impacto) Caro e demorado Delineamento| ——— equipes de auditoria não escolhem participantes ; Limitações É : É Experimental Escolha randômica do programa isso é função do gestor bo população-alvo do programa Cr QN = s antes-es depois, duas medições: antes e depois da implementação a “apenas uma medição após programa [ | Es * somente depois com grupo de comparação / comparado grupo similar externo ao programa . Delineamentos |Não-experimentais Não se confunde com amostragem aleatória b Focal, experimental ou de tratamento exposto ao programa rupos E De controle não exposto Eventual renovação após 5 anos submetida à assembléia-geral] mas para Cias Abertas é o limite máximo podendo voltar após Ética - Integridade Principios Fundamentais ETA Accountability Fesponsabilização Aderência Normativa Operações Relatórios Cultura Auditoria Interna e Externa: órgãos de avaliação de governança Administração dos Riscos IBCG: toda sociedade deve ter uma auditoria independente Janos. (5-3-5) Auditores devem comunicar ao Comitê de Auditoria ou de Administração caso em que auditor for recrutado para supervisionar relatórios financeiros Primeira função de uma auditoria em um sistema de riscos é verificar se as diretrizes e limites fixados pela governança estão sendo respeitados (APETITE A RISCOS) (EIACER) | (Cópia do Código de Ética deve ser encaminhada à Cv) Eno | ) Não se restringir ao desempenho econômico-financeiro mas também a! TRANSPARÊNCIA intangíveis, não só OBRIGAÇÃO de informar mas DESEJO de informar (DISCLOSURE) PRESTAÇÃO DE CONTAS (ASCOUNTABILITY) CONFORMIDADE NORMATIVA || (COMPLIANCE) | I (Tratamento igualitário aos minoritários, stakeholders, colaboradores, fornecedores) EAN | | RESPONSABILIDADE CORPORATIVA) Dimensões (CREP) Papel da Auditoria |- IBGC Princípios | Fundamentais IBGC Governança * Sarbanes Oxley) lla gestores (AGENTES) Governança no Setor Público IBGC - Instituto Brasileiro de Governança Corporativa Assimetria de informações entre proprietários das empresas (PRINCIPAL) e Stakeholders Controles Internos e administrativos [| Transparência de informações para o mercado | Comitê Interno de Auditoria = [A Conselho de Administração Controles de Auditoria k | Auditoria Independente “(Conselho Fiscal Objetivo do Código de A: : IMelhores Práticas) | senigo público (SLOMSKY) | ! A VALOR sob vigilância dos cidadãos (+ DESEMPENHO com externalidades e internalidades positivas) | [SLOMSKY defende que os princípios de governança são aplicáveis às organizações públicas , as e (Slomsky finalidade da ança no terceiro setor, [um Conselho Municipal de Administração, com mandato Acesso a Capital a custos mais baixos (Gontribuir para perenidade e qualidade [Transparência:LRF - mas pode ser melhorada com a publicação da Demonstração [de Resultado Econômico o contracheque econômico e o balanço social (Equidade entre 05 habitantes para o Rins (social Prestação de contas - agentes públicos devem (responder portodos os seus atos | Responsabilidade Corporativa de contas - ampliar informatização, formar auditores Conselho Fiscal: Poder Legislativo e Tribunais por área de atuação e auditorias independentes Conselho de Administração: além dos atuais, (distinto dos Prefeitos e Vereadores (aumentar o valor da sociedade em termos de reconhecimento) f “(racilitar acesso ao capital via via doações, subvenções) 1 , (contribuir para perenidade e manutenção das gerações futura) Avaliações Internas |, | | 4 anos - Aud. Indep. | | | | (3 anos - Aud. Interna) (NBCT 1 1)-(Avaliações externas (Pelos pares)) ] | E | ) Anualmente - Programa de qualidade | | | 3 ANO: (1x) (5 anos - Aud Indep)) REGIMENTO) APROVADO PELO CONSELHO FORMALMENTE DEFINIDOS | Sá usar a expressão "REALIZADO EM CONFORMIDADE COM AS NORMAS" quando a avaliação de desenvolvimento | de qualidade demonstrar que realmente está. (aperfeiçoar cho E (RAZOAVELMENTE Prudente e Competente) À Orientação e Assistência Necessária extensão do trabalho), HA Normas de (o diretor de auditoria deve estar subordinado a um nível DENTRO DA ALTA ADMINISTRAÇÃO) Atributos (1000) Í Definição do Escopo Execução dos Trabalhos (Complexidade, Materialidade e importância) Adequação e eficácia dos processos (Probabilidade de erros, irregularidades, desconformidades) NÃO INTERFERÊNCIAS), 4 Comunicação dos Resultados Só para AVALIAÇÕES Avaliações de funções do Diretor de Auditoria devem ser supenisionadas] por algúem externo à atividade de auditoria CONTROLE)- ] tam internos devem abster-se de AVALIAR operações pelas quais | GOVERNANÇA o tenham sido responsáveis anteriormente (CONSULTORIA pode) || POTENCIAIS | | CLIENTE deve ser informado PREJUIZOS ANTES da ACEITAÇÃO AÇÕES INTERNA (Necessidades e Expectativas dos Clientes) + (Não se espera que ele tenha especialidade e capacidade de profissional de TI (Mas espera-se que ele possa identificar indícios de fraude ou entende de TI assurance) Atividades “(Critérios de Qualidade Baseado na avaliação de risco Realizado pelo menos 1 vez ao ano Prioridades da auditoria interna, (Nível de risco residual avaliado pelo auditor Quando DEx considerar que risco residual assumido não deveria ser aceito, deve revisar o assunto. consistentes com as metas da organização Gerenciamento de Riscos Controle (Limitações sobre uso das informações) Governança Corporativa | (Piano de Trabalhos 1 VEZ AO ANO | Objetivas )| Normas de Objetivos da Atividade Desempenho (2000) | | 4 Riscos Significativos f Considerar): Suficiência e efetividade do | | gerenciamento de riscos Oportunidade para fazer melhorias significativas (Caso decisão não seja consenso, o DEx junto com a AAdm apresenta ao Conselho processo de acompanhamento para monitorar e assegurar que as ações gerenciais tenham sido efetivamente implementadas ou que a alta gerência tenham aceitado o risco de não haver implementado Concisas H Oportunas// À | I Concretas (Divulgação de não-conformidade com as normas) Disseminação de Resultados I | (Diretor Executivo de Auditoria comunica resultados a todos) Qualidade das iarmações POCCO COCO | l É Objetivos do trabalho de auditoria Escopo do trabalho Alocação de recursos e E Programas de trabalho Identificar, analisar, avaliar e registrar informações SUFICIENTES) Coleta de informações Análise e Avaliação Registro das Informações "Aplicam-se a todos os profissionais de Auditoria Interna, independentemente de serem ou não filiados ao IIA." Representam a PRÁTICA da Auditoria Interna) Para a execução das atividades de auditoria interna) Propósitos da auditoria interna) dos PROCESSOS e OPERAÇÕES) s (EGEÇÕES) Confidencialidade) || CE SSSo cs GAR (SIGILO) (Objetividade ) | (Específicas para cada DE E de Conduta) | Categorias de orientação Rol de Responsáveis -— Titulares e substitutos que desempenharam funções | Relatório de Gestão —— Emitido pelos responsáveis | Demonstrativos Contábeis —— necessários à gestão orçamentária, financeira e patrimonial Declaração da Unid. Pessoal! responsáveis apresentaram declaração de bens Relatórios e Pareceres de RA Se previsto em lei ou atos constitutivos -—— Pode ou não ter Outros Orgãos Peças e Conteúdos Rr ec E do Processo de Contas IN 57 Emitido pelo Orgão de controle interno, “--— Relatório de Auditoria de Gestão VII - Certificado de Auditoria |-— Emitido pelo Orgão de controle interno. VIII - Parecer conclusivo do dirigente CI Não podia delegar agora pode ou autoridade de nível equivalente Não pode delegar IX - Pronunciamento Expresso do ME supervisor, Relevância pelo Walor, natureza ou pelo contexto Questão é relevante se tiver influência para os usuários das demonstrações ou nos relatórios de A) EFS devem observar as normas da | auditoria de desempenho. INTOSAI em questões relevantes. | EFS realizam atividades que não se qualificam como auditorias mas contribuem para melhoria da administração Nem todas as normas de auditoria são aplicáveis a todos os aspectos da atividade de uma EFS (ex: TCU) E | B) EFS devem usar sua própria capacidade de julgamento em sua função fiscalizadora. Normas legais da EFS acima de acordos e normas da própria INTOSAI. Legalidade macete CE) A maior conscientização da sociedade torna mais evidente a necessidade de prestar contas Financeiro | D) Relatórios corretos e suficientes tanto na forma quanta no conteúdo (SCI). Fiscalizado tem que sistema de informação, controle, avaliação para facilitar a tarefa de prestar contas. Probidade / || E) Autoridades: normas de contabilidade aceitáveis Entidades fiscalizadas: objetivos e metas mensuráveis De gestão | F) Aplicação das normas contábeis deve resultar na apresentação fidedigna da situação financeira e resultados G) A existência de um sistema de controle interno adequado reduz ao mínimo o risco de erros e irregularidades a cargo do fiscalizado H) Disposições legais facilitam a cooperação das entidades auditadas Conformidade ) Independente da norma, função essencial da EFS é fomentar accountability , | Desempenho Planejamento das atividades para que sejam |J) EFS devem aperfeiçoar as técnicas para auditar a validade dos procedimentos de mensuração de desempenho econômica, eficaz, eficiente e oportuna Recrutar pessoal com adequada qualificação Supervisão do pessoal da auditoria, com revisão | | da documentação por funcionário superior Aperfeiçoar a treinar pessoal para ajam com eficácia e definir critérios para promoção Preparar manuais, guias & instruções para execução das auditorias Auditor deve estudar e avaliar confiabilidade | do controle interno ao definir extensão e âmbito RE Aproveitar a formação técnica e experiência profissional dos auditores, identificar da auditoria setores carentes e dividir adequadamente as tarefas segundo a especialidade. auditorias de regularidade . . i Revisar eficiência e eficácia de suas normas e procedimentos internos (financeira e legal) observar leis e regulamentos ER sy | Aplicável ao legislativo, executivo e auditados Auditorias de otimização de recursos - observar | | leis e regulamentos sempre que necessário | Normas de | “não submeter a influências políticas, nem dar impressão de fazê-lo Auditoria F. o o Planejar auditoria para garantir detecção de INTOSAI | liberdade para programar atividades e estabelecer prioridades atos ilegais | [ t, “Diante de pedidos do PL, manter liberdade para conduzir trabalhos | | Legislativo - | | Deve obter informações probatórias adequadas pertinentes e adequadas 1 | Recursos suficientes Evitar participarde atividade de alçada do Executivo E oii | | Analisar demonstrações financeiras para obter f nao | Possibilidade de recusar propostas l , | gi - - ênci recursos necessários Materialidade (valor) | Independência Executivo DO A) Relevância | auditor e EFS |. Não assumir compromissos Contexto seas |) | | Livre acesso às informações Evidências são + importantes Bj Normas são consensos | | | Mandatos para titulares das EFS Normas são cogentes | Ausência de vínculo Gu Fara quem Patarento| | [ Não tomar parte na administração Por quem? E. Estatais | [Nao na dane na durunis tação, | À Entidade Fiscalizada | Não se pode fazer auditoria se relação de parentesto/amizade etc Dyscl&deresponsabilidadedo | >>> , Administrador | â h Não instruir funcionários da entidade sobre seus deveres | E) Cooperação na área contábil | Dos dci oo oso | Cooperação com entidades acadêmicas não deve interferir na independência Recomendar metas | EFS devem evitar confiito de interesses entre auditor e entidade auditada F) Aplicação das normas não é prova definitiva de fidedignidade das demonstrações | ' Competência e Zelo Profissionais | EFS deve aplicar técnicas da mais alta qualidade G) SCI de responsabilidade do Administrador | A É + p à | ; ; ] Ls 5 a E i É | Devido zelo ao especificar, reunir e avaliar informações probatórias e ao relatar constatações, conclusões e recomendações EFS e auditor devem possuir competência necessária H) Parecer ou relatório de fácil compreensão e isento de incertezas ou ambigilidades; deve ser independente objetivo, imparcial e construtivo. 1) Regularidade/Conformidade - auditorias de conform e informações OperacionaliGestão - auditorias operacionais Cabe às EFS definir providências diante de fraudes ou irregularidades graves sem ressalvas com ressalvas Tipos de parecer sobre as contas | n, adverso com abstensão de opinião Aderência aos padrões f Controle de qualidade E Redução do tempo de tramitação visaa -“ Diminuição do retrabalho N Aumento da efetividade das propostas de encaminhamento Portaria 90 Padrões serseleniado po +— Formulário de Controle de qualidade de auditoria - Serur -— Formulário de Controle de qualidade de auditoria - Adfis -— por amostragem Formulário de Verificação da equipe de auditoria Preenchidos concomitantemente à elaboração do relatório Formulário de Controle de Qualidade de auditoria » membros da equipe / — superiores 4 Só podem ser acessados |/ Caráter Sigiloso >— por unidades do sistema de controle de qualidade — conclusões] “| Não são discutidos “| propostas de encamihamento) N (ESSE dispensada se houver | Apresentação de achados | RISCO para a equipe Bem como reiterações do ofício de requisição devem alertar sobre penalidades [Entrega do Ofício de apresentação] Informados critérios de auditoria! (Escopo de objetivos do trabalho] Portaria 90 Padrões de Execução (Entrega do primeiro Ofício de Requisição) NE documentos e informações, [Ofício de requisição constitui-se em papel de trabalho] Disponibilização de ambiente reservado e seguro | Senha para acesso aos sistemas | N Designação de pessoa de contato | Antecipadamente, via fax ou pessoalmente Original, se não entregue, na reunião de apresentação Conclusões e achados com firmeza) Supérfluo Floreio) Fórmulas Apresentar EVIDÊNCIAS para sustentar ACHADOS não deixando margem a contra-argumentos Concisão |-fEliminar À Exatidão » Relevância )-(não discorrer s/ ocorrências que não resultem em conclusões) Tempestividade [Cumprir PRAZOS sem comprometer QUALIDADE | Objetividade (Ir direto ao assunto] Folha de rosto Lista de figura se tabelas Introdução Situação Critério Portaria 90 Padrões de Elaboração de Relatório Evidências Achados de auditoria |--(Efeitos) Cometários do gestor Conclusão da equipe Proposta de encaminhamento provável benefício da proposta) Outros fatos relevantes Conclusão |-(Resposta às questões da MATRIZ DE PLANEJAMENTO) (Proposta de encaminhamento (ae incluir propostas a Unidades do reu) SEM PRÉVIA NEGOCIAÇÃO Portaria de Fiscalização Rol de Responsáveis Sistema PROCESSUS Evidências dos achados Documentos juntados |; Classificados Registros do trabalho executado Permanentes | Papéis de Trabalho | Comprovar ou definir questões & procedimentos) Utilizados para + Controlar, auxiliar, documentar a execução) Evidenciar achados de auditoria Transitórios = Todos os demais ————————————— | Conferência de cálculos» Revisão de memória de cálculos ou cotejamento de elementos numéricos relacionados. conjunto de verificações assess e averiguações Identificação da atividade [MANDAMENTO OPERACIONAL | e . . « a Observação de sua execução (Observação das atividades e condições), Verificação que exige testes FLAGRANTES para detecção de erros, deficiências que de outra forma seriam de dificil verificação. Seus elementos são: "COMANDO" Comparação comportamento com padrão Avaliação e conclusão H Ei de E E 7 E E 4 OU O ; ad k E Fm : : À E A nave sEanRNga Nata Indagação Escrita ou Oral» Uso de ENTREVISTAS e questionários junto ao pessoal da unidade auditada, para obter dados e informações. o controle interno CLA e É (OBSERVÂNCIA h Ambos JC ar Confirmar junto a fontes externas a fidedignidade de dados internos, inclui CIRCULARIZAÇÃO. de "ADERÊNCIA" PRO ) | Tecnicas Auditoria suficientes Cotejamento de informações obtidas de fontes independentes autônomas e distintas. e Fiscalização IN01 Busca consistência mútua entre diferentes amostras de evidência. relevantes (busca EVIDÊNCIAS) Testar efetividade dos controles, notadamente relativos a segurança quantidades físicas ou qualidade de bens tangiveis. Evidência coletada sobre itens tangíveis. adequadas SUBSTANTIVOS TRANSAÇÕES e SALDOS Ens Aro paneno, Verificação de registros de controles regulamentares, relatórios sistematizados, mapas, demonstrativos, em forma manual ou eletrônica. Pressupõe a verificação de registros em qualquer forma. (REVISÃO ANALÍTICA investigação MINUCIOSA, exame de documentos, setores, unidades, órgãos e | procedimentos visa dar segurança à opinião do responsável. Aplicados em itens materiais para buscar evidências quanto à integridade, exatidão, qualidade e validade. Normalmente atribuída a terceiros. f f (ora dE ORSTRE SER cut-Of) Apurar dinâmica, virificar contabilização de todas operações, conte s à interruptivo de operações ou transações, momento-chave atos ilegais - engano, dissimulação IE ou violação da verdade NA Preparação fraudulenta de demonstrações Fraudes Apropriação indébita de ativos” Exemplos Movitação Oportuniade = Atributos da Fraude Racionalização E | | | Não é objetivo principal Avaliar ambiente de controle (demonstrações contábeis) Papel da auditoria Prolongamento de procedimentos havendo indicação de incoformidades (INTOSAI) Avaliar riscos e propor aprimoramento mecanismos de controle Segurança de sistemas, Consultoria gerencial, Planejamento financeiro e tributário - Setor Privado , Análise de demonstrações fusões, joint ventures "| Prevenção a fraudes (KPMG) Auxiliar administração a cumprir objetivos — Auditoria Interna , Consultoria atividade de aconselhamento e serviços , Adicionar valor e melhorar operações | q“ de gestão fiscal Compliance Audit | Obediência a normas, regulamentos Salvaguardar ativos «Legalidade «No setor Público - Auditoria de legalidade - Legitimidade Quanto ao aspecto — COFOP | Demonstrações financeiras “REGULARITY AUDIT (INTOSAI) i- Avaliar contas prestadas A Cumprimento de leis e regulamentos Planejamento | a Execução Relatório / Operacional | '+ Desempenho (EUA) If / Performance audit:— administrativa h h - |" Abrangente (CANADÁ) | I “ Pelo valor do dinheiro (Value for money - INGLATERRA) No Setor Privado à | | | | | “ Posicionamento de mercado / Foco em resultados dos programas | | Também examina conformidade (avaliação de programas) | | ) | Assessoramento +, lema / | | + Economicidade | “HA / Aconselhamento N Exemplos / | Desempenho Operacional — Eficiência Hr [ À Facilitação / | | “ Eficácia f | E : L 1 I Desenho de processos e treinamento | o, | Efetividade de programas ” = | | | [ Compilação de dados | | |" economicidade A i z “ TE E | “ Avaliação de Programas |: atividades jurídicas ] ESC | E º | Eficiência H , | prestação de informações ao Congresso “ | Eficácia atividades administrativas e processamento de dados “ | | Seleção I Independência e objetividade | |/ Planejamento ' Pressupostos | - Abster-se de praticar atos de gestão | Execução | h Procedimentos para preparar, registrar e comunicar qurasa] “Fases É Ea informação confiável a respeito das operações financeiras | | Ny Apreciação e Divulgação ” É É | I Programação financeira | | 4 Follow-up : ; * Monitoramento « Registro de receitas | * Normalmente, 1 ano após auditoria E - ú | Prevenção de riscos y | eu =“ 5 ' Bom e regular cumprimento das normas | Teu 'Boas práticas de gestão - Boa Governança ] À Transferências, subvenções e auxílios Operações de crédito Disponibilidades de caixa Sistema de programação financeira: Sistema de execução orçamentário-financeiro — ESPÉCIES Sistema de registro e comunicação das operações financeiras ; Segurança razoável demonstrações representam posição patrimonial + Informações contábeis de acordo com critérios f Finalidades : =“ Verificar a Adequação a exigências específicas “Controles Internos adequados | Pouco utilizada em virtude do . - SIAFI — Mais comum em estatais Rol de Responsáveis irigente Máximo da Entidade| Relatório de Gestão). Membro de Diretoria) Declaração Unidade de Pessoal (Membro de Órgão Colegiado responsável por ato de gestão) Relatórios e Pareceres de outros órgãos Peças no PC ordinário IN47 e INST Relatório de Auditoria de Gestão Contas Ordinárias)-(180 dias ano subs.ao das contas) Certificado de auditoria) IN 47)-(Contas Justiça Eleitoral)-(120 dias ano subs. ao das contas) FAO Contas Extraordinárias)-(120 dias da efetiva LiDlane DESINFETa) PETROBRÁS Pronunciamento Expresso do Ministro Contas Ordinárias)-(30/JUN ano subsequente ao das contas)-(EXCETO)-(FUNDOS DA CF/88) S1/JUL ano subs. Contas Justiça Eleitoral)-(30/NOV ano subsequente ao das contas) Liquidação INSTH Dissolução DESestatização E 120 dias contados da | = Contas Extraordinárias - E E-[ Incorporação (Contas Extraordinárias) | eseiva LiDlane DESINFETa)| Fusão Extinção Transformação no)
Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 25 páginas