Material didatico para elaboração de projetos 17, Manuais, Projetos, Pesquisas de Engenharia Elétrica
bruh-del-santos-9
bruh-del-santos-9

Material didatico para elaboração de projetos 17, Manuais, Projetos, Pesquisas de Engenharia Elétrica

100 páginas
50
Números de download
1000+
Número de visitas
100%de 0 votos
Número de votos
2
Número de comentários
Descrição
MATERIAL DIDATICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 17
Adicionar aos favoritos
100 pontos
Pontos de download necessários para baixareste documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 100
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 100 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 100 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 100 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 100 páginas
Instalações Elétricas de Baixa Tensão _Paula, Victor e Mauro_

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Instalações Elétricas – GEE025

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

ELABORADO POR: Paula Campos Fadul de Freitas

REVISÃO 1:

Victor de Paula e Silva

REVISÃO 2: Mauro Guimarães

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

ii

Sumário Sumário Lista de Figuras Lista de Tabelas Lista de Quadros Lista de Códigos Simbologia 1. Planejamento da instalação 1 1.1. O projeto e suas etapas 1 1.1.1. Análise inicial 1 1.1.2. Fornecimento de energia normal 1 1.1.3. Quantificação das instalações 2 1.1.4. Esquema básico da instalação 2 1.1.5. Escolha e dimensionamento dos componentes 3 1.1.6. Especificação e contagem dos componentes 3 1.2. Simbologia gráfica 3 2. Esquemas de aterramento 7 2.1. Esquema TT 7 2.2. Esquema TN 8 2.2.1. Esquema TN-S 8 2.2.2. Esquema TN-C 8 2.2.3. Esquema TN-C-S 9 2.3. Esquema IT 9 3. Pontos de utilização 9 3.1. Previsão de carga para iluminação 9 3.2. Marcação dos pontos de utilização 10 3.3. Potências típicas 11 3.4. Condicionadores de ar 12 3.5. Bombas 13 3.5.1. Potência do motor 13 3.5.2. Vazão 14 3.5.3. Altura total 14 3.5.4. Tubulação 15 3.5.5. Acréscimos de potência do motor 17 3.6. Elevadores 17 3.6.1. Capacidade de tráfego 17 3.6.2. População de um edifício 18 3.6.3. Intervalo de tráfego 19 3.6.4. População a ser transportada em 5 minutos 19

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

iii

3.6.5. Percurso 20 3.6.6. Paradas prováveis 20 3.6.7. Tempo total de viagem 20 3.6.8. Capacidade de transporte 21 3.6.9. Capacidade nominal de tráfego 21 3.6.10. Intervalo de tráfego real 21 4. Divisão dos circuitos da instalação 22 5. Linhas elétricas 23 5.1. Definição e aspectos básicos 23 5.2. Tipos de linhas recomendadas pela NBR 5410 23 5.3. Condutores elétricos 24 6. Quadro de distribuição 25 7. Dispositivos de proteção 27 7.1. Disjuntores de baixa tensão 27 7.2. Dispositivos à corrente diferencial-residual 29 8. Dimensionamento dos condutores 29 8.1. Dimensionamento do condutor fase 29 8.1.1. Seção mínima 30 8.1.2. Capacidade de condução de corrente 30 8.1.3. Queda de tensão 33 8.1.4. Sobrecarga 35 8.1.5. Curto-circuito 36 8.1.6. Choques elétricos por contatos indiretos 37 8.2. Dimensionamento do condutor neutro 39 8.3. Dimensionamento do condutor de proteção 41 9. Dimensionamento de eletrodutos 42 Anexos 44 Anexo A: Fornecimento de energia elétrica – Edificações individuais e

edificações coletivas 45

A.1. Definições 48 A.2. Tensões de fornecimento 51 A.3. Limites de fornecimento 51 A.4. Tipo de fornecimento para unidades consumidoras individuais 52 A.4.1. Classificação das unidades consumidoras individuais 52 A.5. Tipo de fornecimento às unidades consumidoras coletivas 56 A.5.1. Classificação das unidades consumidoras coletivas 56 A.6. Determinação da carga instalada 59 A.7. Cálculo da demanda de Edificações individuais 60 A.8. Entrada de Serviço de Edificações individuais 64 A.9. Cálculo da demanda de Edificações coletivas 64 A.10. Entrada de Serviço de Edificações coletivas 68

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

iv

Anexo B: Comunicado técnico nº 2 – Alterações nas tabelas para dimensionamento dos padrões de entrada de baixa tensão de uso individual

69

Anexo C: Comunicado técnico nº 3 – Alterações nas tabelas para

dimensionamento dos padrões de entrada de baixa tensão de uso coletivo

80

Referências bibliográficas 92

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

v

Lista de Figuras 1.1 Simbologia – Quadro de distribuição

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

vi

Lista de Tabelas 1.1 Simbologia – Quadro de distribuição

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

vii

Lista de Quadros 1.1 Simbologia – Quadro de distribuição

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

viii

Símbolos e Siglas

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

1

1 Planejamento da Instalação 1.1 O projeto e suas etapas

Projetar uma instalação elétrica, para qualquer tipo de prédio ou local consiste essencialmente em selecionar, dimensionar e localizar, de maneira racional, os equipamentos e outros componentes necessários a fim de proporcionar, de modo seguro e efetivo, a transferência de energia da fonte até os pontos de utilização.

Convém lembrar que o projeto de instalações elétricas é apenas um dos vários projetos necessários à construção de um prédio e, assim, sua elaboração deve ser conduzida em perfeita harmonia com os demais projetos (arquitetura, estruturas, tubulações, etc.).

Passamos agora a enumerar as etapas que devem ser seguidas num projeto de instalações elétricas prediais, válidas em princípio, para qualquer tipo de prédio (industrial, residencial, comercial, etc.). A ordem indicada é a geralmente seguida pelos projetistas de empresas de engenharia. No entanto, é bom frisar que, em muitos casos, não só a ordem pode ser alterada, como também etapas podem ser suprimidas ou ainda duas ou mais etapas podem vir a ser uma única. 1.1.1 Análise inicial

É a etapa preliminar do projeto de instalações elétricas de qualquer prédio. Nela são colhidos os dados básicos que orientarão a execução do trabalho. Consiste, em princípio, nos passos descritos a seguir:

• Determinação do uso previsto para todas as áreas do prédio; • Determinação do layout dos equipamentos de utilização previstos; • Levantamento das características elétricas dos equipamentos; • Classificação das áreas quanto às influências externas; • Definição do tipo de linha elétrica a utilizar; • Determinar equipamentos que necessitam de energia de substituição; • Determinar setores que necessitam de iluminação de segurança; • Determinar equipamentos que necessitam de energia de segurança; • Determinar a resistividade do solo; • Realizar uma estimativa inicial da potência instalada e de alimentação globais; • Definir a localização preferencial da entrada de energia.

1.1.2 Fornecimento de energia normal

Nesta etapa deverão ser determinadas as condições em que o prédio será alimentado em condições normais. Assim, nesta fase é imprescindível conhecer os regulamentos locais de fornecimento de energia e, quase sempre, estabelecer contato com o concessionário, a fim de determinar:

• Tipo de sistema de distribuição e de entrada; • Localização da entrada de energia; • Tensão de fornecimento; • Padrão de entrada e medição a ser utilizado (cabina primária, cabina de

barramentos, caixas de entrada, um ou mais centros de medição, etc.), em função da potência instalada, das condições de fornecimento e do tipo de prédio;

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

2

• Nível de curto-circuito no ponto de entrega. 1.1.3 Quantificação das instalações

Nesta etapa devem ser determinadas as potências instaladas e as potências de alimentação da instalação como um todo e de todos os setores e subsetores a serem considerados. A rigor, isso poderá ser feito quando todos os pontos de utilização são conhecidos. Lembrando-se que muitos deles já foram determinados na análise inicial. Portanto, agora deverão ser determinados, ou seja, localizados, caracterizados e marcados em planta:

• Os pontos de luz (aparelhos de iluminação), geralmente a partir de projetos de luminotécnica;

• As tomadas de corrente (uso geral e especifico); • Outros equipamentos de utilização que possivelmente não tenham sido

determinados. A quantificação da instalação é feita, no caso mais geral, em vários níveis: em

subsetores, setores e globalmente. Em cada um, os pontos de utilização devem ser agrupados, de acordo com seu tipo e características de funcionamento, ou seja, em “conjuntos homogêneos”. Por exemplo, em um prédio de escritórios, considerado globalmente, pode-se ter iluminação, tomadas de uso geral, chuveiros elétricos, elevadores e bombas.

Para cada conjunto de pontos de utilização, a potência instalada será a soma das potências nominais dos diversos pontos e a potência de alimentação (demanda) será obtida da aplicação dos fatores de projetos convenientes à potência instalada.

Denomina-se centro de carga o ponto teórico em que, para efeito de distribuição elétrica, pode-se considerar concentrada toda a potência (carga) de uma determinada área. É o ponto em que deveria se localizar o quadro de distribuição da área considerada, de modo a reduzir ao mínimo os custos de instalação e funcionamento.

Também nessa fase deverão ser fixados os diversos níveis e valores de tensão a serem utilizados no prédio.

A escolha dos valores das tensões, nos diferentes níveis, é função de uma serie de fatores, entre os quais destacam-se:

• Tensões de fornecimento da concessionária; • Tensões nominais dos equipamentos de utilização previstos; • Existência, na instalação, de equipamentos especiais, como por exemplo, grandes

motores, fornos a arco, máquinas de soldas e equipamentos com ciclos especiais de funcionamento;

• Distancias entre o ponto de entrega da concessionária e os centros de carga principais e entre eles e os centros de carga secundários.

1.1.4 Esquema básico da instalação

Nesta etapa deverá resultar um esquema unifilar inicial, no qual estarão indicados os componentes principais da instalação e suas interligações elétricas fundamentais.

O esquema básico pode ser concebido, a princípio, como um esquema simples no qual são indicados, como blocos, os quadros de distribuição interligados por linhas, representando os respectivos circuitos de distribuição. Nesta etapa deve ser feita também uma escolha preliminar dos dispositivos de proteção.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

3

A seqüência do projeto consiste na implementação do esquema básico, transformando-o, por meio do dimensionamento de todos os componentes, no esquema unifilar final da instalação. 1.1.5 Escolha e dimensionamento dos componentes

É a etapa fundamental de um projeto de instalações elétricas, que consiste basicamente nos seguintes passos:

• Em função de dados obtidos em etapas anteriores, escolha os componentes de todas as partes da instalação e proceda a todos os dimensionamentos necessários. Considerando em princípio: • Entrada (cabina primária, cabina de barramentos ou simplesmente, caixa de

entrada), incluindo respectivas linhas elétricas; • Linhas elétricas relativas aos diversos circuitos de distribuição e terminais

com as respectivas proteções; • Quadros de distribuição; • Aterramentos; • Sistema de proteção contra descargas atmosféricas.

• Complementação dos diversos desenhos que vinham sendo elaborados nas etapas anteriores; • Cálculos de curto circuito, obtendo valores de correntes de curto-circuito presumidas em todos os pontos necessários, o que poderá, eventualmente, alterar a escolha de certos dispositivos de comando e de proteção e esmo de certos condutores que haviam sido escolhidos e dimensionados previamente; • Verificação da coordenação dos diversos dispositivos de proteção, o que também poderá conduzir a alterações nos dispositivos previamente escolhidos; • Revisão final dos diversos desenhos, verificando e corrigindo possíveis interferências com outros sistemas do prédio.

1.1.6 Especificações e contagem dos componentes Esta última etapa consiste em:

• Especificações de todos os componentes da instalação, constando, para cada um, de descrição sucinta, citação das normas a que deve atender e, sempre que possível, indicação de pelo menos um tipo e uma marca de referência;

• Contagem de todos os componentes da instalação. 1.2 Simbologia gráfica

Infelizmente, não existe ainda no Brasil um consenso a respeito da simbologia a ser utilizada nos desenhos de projetos de instalações elétricas. A atual norma brasileira, NBR 5444 (Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais: Simbologia), não foi plenamente adotada pelos projetistas.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

4

Quadro 1: Simbologia dos quadros de distribuição

Quadro 2: Simbologia dos interruptores

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

5

Quadro 3: Simbologia das tomadas e dos pontos de utilização

Quadro 4: Simbologia das luminárias

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

6

Quadro 5: Simbologia dos dutos e da distribuição

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

7

2 Esquemas de Aterramento

De acordo com a NBR 5410, as instalações elétricas de baixa tensão devem obedecer, quanto aos aterramentos funcional e de proteção, a três esquemas de aterramento básicos (TT, TN e IT), designados pela seguinte simbologia: 1ª letra – indica a alimentação em relação à terra: T – um ponto diretamente aterrado; I – nenhum ponto aterrado ou aterramento através de impedância razoável. 2ª letra – situação das massas em relação à terra: T – diretamente aterradas (qualquer ponto) N – ligadas ao ponto de alimentação aterrado (sem aterramento próprio) I – massas isoladas, não aterradas Outras letras – especificam a forma de aterramento da massa, utilizando o aterramento

da fonte de alimentação: S – neutro e proteção (PE) por condutores distintos (separados); C – neutro e proteção em um único condutor (PEN). 2.1 Esquema TT

Figura 1 – Esquema de aterramento TT

Um ponto da alimentação (em geral, o neutro do secundário do transformador), é

diretamente aterrado com eletrodos independentes das massas. Todas as massas protegidas contra contatos indiretos devem ser ligadas a um ponto único, para evitar malhas e surgimento de tensões de passo.

A proteção deve ser garantida por dispositivos DR, pois representa o único meio adequado para proteção contra choques elétricos (instalado na origem da instalação).

É recomendado para sistemas onde a fonte de alimentação e a carga estiverem distantes uma da outra.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

8

2.2 Esquema TN

Um ponto da instalação, em geral o neutro, é diretamente aterrado e as massas dos equipamentos são ligadas a esse ponto por um condutor. Este esquema pode ser classificado como: TN-S – condutores neutro (N) e proteção (PE) distintos (separados); • TN-C – funções de neutro e proteção exercidas pelo mesmo condutor (PEN);

TN-C-S – Esquemas TN-S e TN-C utilizados na mesma instalação.

2.2.1 Esquema TN-S

Figura 2 – Esquema de aterramento TN-S

• Neste esquema os condutores, neutro (N) e proteção (PE), são separados e, este

último, está sempre com tensão zero; • Também é caracterizado por possuir baixa impedância para correntes de falta (altas

correntes); • É utilizado quando a distância entre a carga e a fonte não é muito grande; • A proteção deve ser garantida por dispositivo DR (diferencial-residual), que

detectam a corrente que escoa pela terra. 2.2.2 Esquema TN-C

Figura 3 – Esquema de aterramento TN-C

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

9

• O condutor neutro é também utilizado como condutor de proteção (PEN); • Este esquema não é permitido para condutores de seção inferior a 10 mm2 (cobre)

e para equipamentos portáteis, além de não se admitir o uso de dispositivos DR; • A tensão do condutor neutro junto à carga não é zero; • É perigoso no caso de ruptura do condutor neutro.

2.2.3 Esquema TN-C-S

Figura 4 – Esquema de aterramento TN-C-S

• O esquema TN-C nunca deve ser utilizado a jusante do sistema TN-S; • A proteção deve ser garantida por dispositivo DR, pois representa o único meio

adequado para proteção contra choques elétricos. 2.3 Esquema IT

Figura 2.5 – Esquema IT

• Muito usado no passado (EUA) e abandonado por problemas de tensões transitórias que ocorriam em grandes instalações. • Exige manutenção especializada (com inspeções e medições periódicas da resistência de isolação). • Usar onde a continuidade do serviço é indispensável (hospitais, indústrias, etc.). • O DR é o dispositivo mais indicado para a proteção contra contatos indiretos.

3. Pontos de utilização 3.1. Previsão de carga para iluminação

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

10

Como regra geral, a NBR 5410 estabelece que as cargas de iluminação devem ser

determinadas como resultado da aplicação da NBR 5413: Iluminância de interiores – Procedimento. Como alternativa ao uso da NBR 5413, a NBR 5410 apresenta o seguinte critério de previsão de carga de iluminação para cada cômodo ou dependência:

• Em cada cômodo ou dependência de unidades residenciais e nas acomodações de hotéis, motéis e similares deve ser previsto pelo menos um ponto de luz fixo no teto, com potência mínima de 100VA, comandado por interruptor de parede;

• Em unidades residenciais, como alternativa, para a determinação das cargas de iluminação, pode ser adotado o seguinte critério: • Em cômodos ou dependências com área igual ou inferior a 6m2 deve ser

prevista uma carga mínima de 100VA; • Em cômodos ou dependências com área superior a 6m2, deve ser prevista uma

carga mínima de 100VA para os primeiros 6m2, acrescida de 60VA para cada aumento de 4m2 inteiros.

Para os aparelhos fixos de iluminação a descarga, a potência nominal a ser considerada deverá incluir a potência das lâmpadas, as perdas e o fator de potência dos equipamentos auxiliares.

A norma adverte que os valores indicados são para efeito de dimensionamento dos circuitos, não havendo qualquer vínculo, com potência nominal de lâmpadas. 3.2. Marcação dos pontos de utilização

Inicialmente, iremos definir como: • Tomadas de uso geral (TUGs): Aparelhos portáteis, como abajures, enceradeiras, aspiradores de pó, liquidificadores, batedeiras, etc. • Tomadas de uso específico (TUEs): Aparelhos fixos ou estacionários, que, embora possam ser removidos, trabalham sempre em um determinado local. É o caso dos chuveiros e torneiras elétricas, máquina de lavar roupas/louças e aparelho de ar-condicionado. As tomadas de uso específico devem ser instaladas no máximo a 1,5 m do local previsto para o equipamento a ser alimentado.

A NBR 5410: 2004 (6.5.3.1) especifica que TODASas tomadas de corrente devem ser do tipo com contato de aterramento (PE).

Cabe ao projetista escolher criteriosamente os locais onde devem ser previstas as TUEs e prever o número de TUGs que assegure conforto ao usuário.

As recomendações para unidades residenciais, motéis, hotéis e similares são: • Tomadas de Uso Geral (TUG’s):

• Banheiros: pelo menos uma tomada junto ao lavatório (600VA até três tomadas e 100VA para cada tomada excedente). Instalado a uma distância mínima de 60cm do limite do boxe. • Cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais análogos: no mínimo uma tomada para cada 3,5m, ou fração de perímetro. Acima da bancada da pia devem ser previstas no mínimo duas tomadas de corrente, no mesmo ponto ou em pontos distintos. • Halls, corredores, subsolos, garagens, sótãos e varandas: pelo menos uma tomada (no mínimo 100VA por tomada). • Salas e dormitórios: no mínimo 1 ponto de tomada para cada 5m, ou fração, de perímetro. Devendo, estes pontos, ser espaçados de forma uniforme.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

11

• Demais cômodos e dependências: se a área for igual ou inferior a 6m2, pelo menos uma tomada, se a área for superior a 6m2, pelo menos uma tomada para cada 5 m, ou fração de perímetro, espaçadas tão uniformemente quanto possível (no mínimo 100VA por tomada). • Halls de escadarias, salas de manutenção e salas de localização de equipamentos, tais como, casas de máquinas, salas de bombas, barriletes e locais análogos: deve ser prevista pelo menos uma tomada com potência mínima de 1000VA.

A potência a ser atribuída a cada ponto de tomada é função dos equipamentos que ele poderá vir a alimentar, e não deve ser inferior aos seguintes valores mínimos:

• TUGs em Banheiros, cozinhas, copas, áreas de serviço, lavanderias e locais análogos: no mínimo 600VA por ponto de tomada, até três pontos, e 100VA por ponto excedente, considerando cada um desses ambientes separadamente. Quando o total de tomadas for superior a 6 pontos, admite-se a utilização de 600VA para dois pontos e 100VA para os demais. • TUGs para demais cômodos e dependências de habitação: no mínimo 100VA por ponto de tomada.

• Tomadas de Uso Específico (TUE’s):

• Deve ser atribuída uma potência igual à potência nominal do equipamento a ser alimentado. Devem ser instaladas, no máximo, a 1,5 m do local previsto para o equipamento a ser alimentado.

3.3 Potências típicas

Tabela 3.1 – Potências médias de aparelhos eletrodomésticos e de aquecimento Tipo Pot. (W) Tipo Pot. (W)

Até 80 L 1.500 Freezer horizontal 500

De 100 a 150L 2.500 Freezer vertical 300

Aquecedores de água por acumulação (boiler) De 200 a 400L 4.000 Geladeira 150 a 500

Aquecedores de água por passagem 4.000 a 8.000 Liquidificador 270

Aquecedor de ambiente 1.000 Máquina de costura 100

Aspirador de pó 500 a 1.000 Máquina de lavar louças 1.200 a 2.800

Batedeira 100 a 300 Máquina de lavar roupas 1.000

Doméstica 600 Máquina de secar roupas 2.500 a 6.000 Cafeteira

Comercial 1.200 Secador de cabelos 500 a 1.500

127V 4.400 a 6.000 TV a cores 300 Chuveiro

220V 4.400 a 8.000 Torneira 2.800 a 5.200

Conjunto de som 100 Torradeira 500 a 1.200

Exaustor 300 a 500 Ventilador 100

Espremedor de frutas 200 Microcomputador 300

Ferro de passar roupa automático 800 a 1.650 Impressora 45

Fogão 1.500/Boca Grill 1.200

Forno (de embutir) 4.500 Forno de microondas 750

(*) Conforme ND-5.1:1998, Capítulo 7, pg. 8

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

12

3.4. Condicionadores de ar

Para calcular a potência de aparelhos de ar condicionado deve-se proceder da seguinte forma: Sabendo-se que CT = a + b + c + d + e,

Onde: CT = carga térmica (Kcal/h)

As parcelas são relacionadas a: a = volume do recinto (Kcal/hm3) b = área das janelas (Kcal/hm2) c = nº de pessoas (Kcal/hpessoa) d = área das portas (Kcal/hm2) e = aparelhos eletrodomésticos (Kcal/hwatt)

Calculamos: a) Determinação do volume do local e multiplicação deste valor pela quantidade de

Kcal/h para cada m3 indicado na tabela a seguir: Tabela 3.2 - Recinto Recinto (Kcal/hm3)

Entre andares Sob telhados 16,0 22,33

b) Determinação da área das janelas pela soma da área de todas as janelas

situadas na mesma parede. Deve-se verificar existência de cortinas e qual o período de incidência do sol (manhã ou tarde). Este valor deve ser multiplicado pela quantidade de kcal/h por m2 de janela nas condições observadas, que encontra-se na tabela seguinte:

Tabela 3.3 - Janelas Janelas (Kcal/hm2)

Com cortina Sem cortina Sol da manha Sol da tarde Sol da manha Sol da tarde

Vidros na sombra

160 212 222 410 37

Obs: Se houver janelas em mais de uma parede, considerar aquela da parede que recebe mais calor para o cálculo acima. As janelas das outras paredes devem ser consideradas na sombra.

c) Verificação do número de pessoas que habitualmente permaneçam no local e multiplicação desse número pelo fator de 125Kcal/(h.pessoa).

d) Some as áreas das portas, arcos ou vão que permaneçam constantemente abertos para espaços não condicionados e multiplique este valor pelo fator 125Kcal/(h.m2)

e) Quando houver aparelhos elétricos em uso no ambiente que desprendam calor, tais como: esterilizador, estufa, cafeteira, lâmpada, etc, considerar um fator de 0,9kcal/(h.watt) multiplicando a potência total do aparelho.

Consultando a tabela seguinte, procura-se o aparelho mais conveniente de acordo com a carga térmica total do local a ser condicionado:

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

13

Tabela 3.4 – Potências nominais de condicionadores de ar tipo janela

BTU/h kcal/h W VA 8.500 2.125 1.300 1.500 10.000 2.500 1.400 1.650 12.000 3.000 1.600 1.900 14.000 3.500 1.900 2.100 18.000 4.500 2.600 2.860 21.000 5.250 2.800 3.080 30.000 7.500 3.600 4.000

(*) Conforme ND-5.1:1998, Capítulo 7, pg. 8 Notas:

4. Valores válidos para aparelhos até 12.000 BTU/h, ligados em 127 V ou 220 V e para aparelhos acima de 14.000 BTU/h ligados em 220 V.

3.5. Bombas

3.5.1. Potência do motor O conjunto elevatório (motor-bomba) deverá vencer a diferença de nível entre dois

pontos mais as perdas de carga em todo o percurso (perda por atrito ao longo da canalização e perdas localizadas devido às peças especiais).

Figura 3.1 – Diagrama esquemático

A potência do motor a ser utilizado pode ser calculada com as seguintes equações:

η γ .270000

..HQ P =

η.270 .HQ

P =

Onde: P – potência fornecida pelo motor à bomba em cv; Q – vazão em m³/hora; H – altura total (inclusive perda de carga) em metros; γ – peso específico do líquido a ser bombeado em kg/m³; (1000 kg/m³ para a

água); η – rendimento da bomba.

Tabela 3.5 – Vazão x Potência do motor

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

14

N=1700rpm Hmax=15m

n=3400rpm Hmax=25m

n=3400rpm Hmax=60m

Vazão l/min. N% Vazão l/min. N% Vazão l/min. N%

10 30 20 30 20 30 20 40 40 40 40 40 30 50 60 50 60 50 40 53 80 53 80 53

3.5.2. Vazão

A vazão da bomba de abastecimento do reservatório superior de um edifício de

apartamentos pode ser estimada da seguinte forma: Para um edifício comum: DAPADQ ...07,0= Para um edifício de alto padrão: DAPADQ ...09,0= Onde: Q – vazão em m³/hora; AD – número de andares habitados do edifício; AP – número de apartamentos por andar habitado; D – número de dormitórios por apartamento.

3.5.3. Altura total

Figura 3.2. – Diagrama esquemático (altura total)

Para o cálculo da altura temos:

DS HHH +=

SSS hZH +=

DDD hZH += Onde:

H – Altura manométrica total HS – Altura manométrica total de sucção HD – Altura manométrica total de descarga hS – Perda de carga de sucção hD – Perda de carga na descarga ZS – Altura de sucção: distância vertical da bomba até o nível do reservatório inferior

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

15

ZD – Altura de descarga

3.5.4. Tubulação Para a escolha da tubulação recomenda-se que a velocidade de escoamento não

ultrapasse a 1,8 m/s na tubulação de sucção e 3 m/s na de descarga. A tabela abaixo indica as vazões aproximadas correspondentes a estas velocidades para vários diâmetros de tubulação de PVC.

Tabela 3.6 – Vazões aproximadas

Tubo colável (mm) 25 32 40 50 60 75 85 110 140 160 200 250 300

Tubo roscável (bitola) 3/4" 1" 1 1/4" 1 1/2" 2" 2 1/2" 3" 4" 5" 6" - - -

Vazão na sucção (m³/hora) 2,2 3,7 6,2 9 15 21 32 50 80 105 160 260 360

Vazão na descarga (m²/hora) 3,6 6,2 10 15 25 35 53 83 135 175 265 430 600

As perdas na sucção e descarga são resultado da soma das perdas localizadas

(válvulas, curvas, etc) com as perdas na tubulação. TS

L SS PPh +=

TD L

DD PPh += Onde: LSP - perdas localizadas na sucção;

LDP - perdas localizadas na descarga;

TSP - perdas localizadas na tubulação da sucção;

TDP - perdas localizadas na tubulação da descarga. A tabela abaixo mostra a perda de carga localizada, com comprimento equivalente

em metros, para tubulação de PVC.

Tabela 3.7 – Perda localizada com comprimento equivalente em metros, PVC

Tubo colável (mm) 25,0 32,0 40,0 50,0 60,0 75,0 85,0 110,0 140,0 160,0 200,0 250,0 300,0

Joelho 90° 1,2 1,5 2,0 3,2 3,4 3,7 3,9 4,3 4,9 5,4 7,1 8,7 10,0

Joelho 45° 0,5 0,7 1,0 1,0 1,3 1,7 1,8 1,9 2,4 2,6 3,4 4,2 5,0

Curva 90° 0,5 0,6 0,7 1,2 1,3 1,4 1,5 1,6 1,9 2,1 2,8 3,4 4,0

Curva 45° 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0 1,1 1,2 1,6 1,9 2,3

Reg. Gaveta aberta 0,2 0,3 0,4 0,7 0,8 0,9 0,9 1,0 1,1 1,2 1,6 2,0 2,4

Válv. Globo aberta 11 15 22 36 38 38 40 42 51 57 72 89 106

Saída de canalização 0,9 1,3 1,4 3,2 3,3 3,5 3,7 3,9 4,9 5,5 6,9 8,6 10

Válv. Pé e crivo 9,5 13 16 18 24 25 27 29 37 43 53 66 78

Tabela 3.8 – Perda de carga em metros/100m de tubulação

Tubo colável (φ mm) 25 32 40 50 60 75 85 110 140 160 200 250 300

Tubo roscável (bitola) 3/4" 1" 1.1/4" 1.1/2" 2" 2.1/2" 3" 4" 5" 6" - - -

Diâm. Interno (mm) 21,4 27,8 35,2 44,0 53,0 66,6 75,6 97,8 124,4 142,2 177,8 222,2 266,6

Vazão (m³/hora)

Vazão (m³/hora)

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

16

1,0 4,4 1,3 0,4 0,1 1,0

1,2 6,0 1,7 0,6 0,2 1,2

1,4 7,9 2,3 0,7 0,3 0,1 1,4

1,6 10 2,9 0,9 0,3 0,1 1,6

1,8 12 3,5 1,1 0,4 0,2 1,8

2,0 15 4,2 1,4 0,5 0,2 2,0

2,5 22 6,3 2,0 0,7 0,3 0,1 2,5

3,0 30 8,6 2,8 1,0 0,4 0,1 3,0

3,5 39 11 3,7 1,3 0,5 0,2 0,1 3,5

4,0 50 14 4,7 1,6 0,7 0,2 0,1 4,0

4,5 18 5,7 2,0 0,8 0,3 0,2 4,5

5,0 21 6,9 2,4 1,0 0,3 0,2 5,0

6,0 29 9,5 3,3 1,4 0,5 0,3 6,0

7,0 38 12 4,3 1,8 0,6 0,3 0,1 7,0

8,0 48 16 5,4 2,2 0,8 0,4 0,1 8,0

9,0 19 6,7 2,8 0,9 0,5 0,1 9,0

10 23 8,0 3,3 1,1 0,6 0,2 10

12 32 11 4,6 1,5 0,8 0,2 12

14 42 14 6,0 2,0 1,1 0,3 0,1 14

16 18 7,5 2,5 1,4 0,4 0,1 16

18 22 9,3 3,1 1,7 0,5 0,2 18

20 27 11 3,8 2,1 0,6 0,2 0,1 20

25 16 5,6 3,0 0,9 0,3 0,2 25

30 23 7,6 4,2 1,2 0,4 0,2 30

35 30 10 5,5 1,3 0,5 0,3 35

40 13 6,9 2,0 0,6 0,3 0,1 40

45 16 8,5 2,5 0,8 0,4 0,1 45

50 19 10 3,0 1,0 0,5 0,2 50

60 14 4,1 1,3 0,7 0,2 60

70 18 5,4 1,7 0,9 0,3 0,1 70

80 6,9 2,2 1,2 0,4 0,1 80

90 8,4 2,7 1,4 0,5 0,2 90

100 10 3,2 1,7 0,6 0,2 100

120 4,4 2,4 0,8 0,3 0,1 120

140 5,8 3,1 1,1 0,4 0,2 140

160 7,4 3,9 1,3 0,5 0,2 160

180 4,8 1,7 0,6 0,2 180

200 5,8 2,0 0,7 0,3 200

250 8,5 2,9 1,0 0,4 250

300 4,1 1,4 0,6 300

260 5,3 1,8 0,8 260

400 2,3 1,0 400

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

17

450 2,9 1,2 450

500 3,4 1,4 500

600 4,7 2,0 600

700 2,6 700

800 3,3 800

3.5.5. Acréscimos de potência do motor

Deve-se admitir, na prática, uma certa reserva de potência para os motores

elétricos. Os seguintes acréscimos são recomendáveis:

Tabela 3.9 – Acréscimos de potência para motores

Potência (cv) Acréscimo (%)

Até 2 50

De 2 a 5 30

De 5 a 10 20

De 10 a 20 15

Acima de 20 10

3.6. Elevadores

O cálculo de elevadores é regulamentado pela ABNT através da NBR 5665, tendo como objetivo:

• Estabelecer as condições mínimas exigíveis para o cálculo de tráfego das instalações de elevadores destinados ao transporte de passageiros em edifícios novos no Brasil, assegurando condições satisfatórias de uso;

• Determinar a quantidade de elevadores e as características necessárias ao atendimento do tráfego de pessoas em um determinado edifício.

3.6.1. Capacidade de tráfego

Faz-se uma comparação entre capacidade de tráfego e qualidade de transporte,

onde um é diretamente influenciado pelo outro. A capacidade de tráfego é, portanto, a capacidade mínima do elevador em transportar certo percentual da população de um edifício em um intervalo de 5 minutos.

Para cada tipo de edifício adota-se um percentual mínimo da população:

Tabela 3.10 – Percentual mínimo da população

Tipo de edifício Percentual mínimo da população

Escritórios de uma única entidade

15%

Escritórios em geral e

consultórios 12%

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

18

Apartamentos 10%

Hotéis 10%

Restaurantes 6%

Hospitais 12%

Escolas 20%

Edifícios garagens com rampa, sem manobrista

10%

Lojas e shopping centers 10%

3.6.2. População de um edifício Para cada tipo de edifício adota-se uma relação:

Tabela 3.11 – População de um edifício

Tipo de edifício População

Escritórios de uma única entidade

1 pessoa por 7m² de sala

Escritórios em geral e

consultórios 1 pessoa por 7m² de sala

2 pessoas - 1 dormitório social

4 pessoas - 2 dormitórios

5 pessoas - 3 dormitórios

6 pessoas - 4 dormitórios ou mais

Apartamentos

1 pessoa - dormitório de serviço

Hotéis 2 pessoas por dormitório

Restaurantes 1 pessoa por 1,5m² de salão de refeição

Hospitais 2,5 pessoas por leito

1 pessoa por 2m² de sala de aula Escolas

1 pessoa por 7m² de sala de administração

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

19

Edifícios garagens com rampa, sem manobrista

1,4 pessoa por vaga

Lojas e shopping centers 1 pessoa por 4m² de loja

3.6.3. Intervalo de tráfego

Dependendo do tipo de edifício e da quantidade de elevadores em grupo, adota-se um tempo máximo de espera no andar principal que um passageiro deve aguardar entre a partida de um elevador e a chegada de outro:

Tabela 3.12 – Intervalo de tráfego máximo

Tipo Intervalo de tráfego (s)

Todos*, com 1 elevador 80

Todos*, com 2 elevadores 60

Todos*, com 3 elevadores 50

Escritórios, com 4 ou mais elevadores 40

Hotéis, restaurantes, hospitais, escolas garagens, lojas e

shopping centers, com 4 ou mais elevadores

45

*Apartamentos: não há restrições

3.6.4. População a ser transportada em 5 minutos

População de um edifício X Capacidade de tráfego

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

20

3.6.5 Percurso

Distância entre os pisos do pavimento mais inferior e o do mais superior de um edifício.

3.6.6. Paradas prováveis

É a quantidade provável de paradas que o elevador irá realizar entre o primeiro e último pavimento servidos.

( ) C

P

P PPN 

 

− −−−=

1

2 1

Onde: N – número de paradas prováveis; P – número de paradas do elevador; C – lotação da cabina (pessoas) sem ascensorista.

3.6.7. Tempo total de viagem

( )431,121 TTTTT +++= Onde: T1 – tempo total de ida e volta, entre os extremos, sem parar = 2 x Percurso/

Velocidade do elevador; T2 – tempo de aceleração e retardamento = 0,5 x Paradas prováveis x

Tempos de aceleração e retardamento em função da velocidade (ver tabela 3.13); T3 – tempo de abertura e fechamento de portas = Paradas prováveis x

Tempos de abertura e fechamento de portas, função do tipo de porta (ver tabela 3.14); T4 – tempo de entrada e saída de passageiros = Capacidade da cabina x

Tempos de entrada e saída de cada passageiro em função da largura de porta (ver tabela 3.15).

Tabela 3.13 – Tempo de aceleração e retardamento

Velocidade (m/s) Tempo (s)

0,75 2,50

1,00 3,00

1,25 3,00

1,50 3,50

1,75 4,00

2,00 4,50

2,50 5,50

Acima de 2,50 6,00

Tabela 3.14 – Tempo de abertura e fechamento das portas

Tipo de porta Tempo (s)

Abertura central (AC) 3,90

Abertura lateral (AL) 5,50

Eixo vertical (EV) 6,00

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

21

Tabela 3.15 – Tempo de entrada e saída de passageiros

Abertura da Porta (m) Tempo (s)

Menor que 1,1 2,40

Maior ou igual a 1,1 2,00

3.6.8. Capacidade de transporte

É a capacidade de transporte de um elevador, em 5 minutos:

T

L Ct

300. =

Onde: L – capacidade da cabina (pessoas); T – tempo total de viagem.

3.6.9. Capacidade nominal de tráfego

É a somatória das capacidades de transporte de cada elevador.

tnttT CCCC +++= ...21

3.6.10. Intervalo de tráfego real

ne

T I =

Onde: T – tempo total de viagem ne – número de elevadores do grupo Para apartamentos, este cálculo não é exigido.

Tabela 3.16 – Velocidades recomendadas para edifícios não-residenciais

Percurso (m) Velocidade (m/s)

Até 18 De 0,5 a 1,0

De 18 a 30 De 1,0 a 1,75

De 30 a 45 De 1,75 a 2,5

De 45 a 60 De 2,5 a 3,5

De 60 a 75 De 3,5 a 4,0

De 75 a 90 De 4,0 a 5,0

De 90 a 150 De 5,0 a 6,0

Acima de 150 De 6,0 a 7,0

Tabela 3.17 – Velocidades recomendadas para edifícios residenciais

Percurso (m) Velocidade (m/s)

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

22

Até 30 De 0,75 a 1,0

De 30 a 45 De 1,0 a 1,50

De 45 a 60 De 1,25 a 2,0

De 60 a 75 De 1,75 a 2,5

De 75 a 90 De 2,5 a 3,5

Tabela 3.18 – Exemplos de elevadores Otis

Modelo Capacidade Velocidade (m/s) Porta (m) Potência (kW)

MRL 4 1 0,7 - Lateral 4

MRL 6 1 0,8 - Lateral 4

Gen2 8 1 0,9 - Lateral 4,3

4. Divisão dos Circuitos da Instalação

Após a fixação das cargas nos pontos de consumo, a instalação deve ser dividida em tantos circuitos quantos necessários, devendo cada circuito ser concebido de forma a ser seccionado sem risco de realimentação inadvertida através de outro circuito. Adicionalmente, a divisão em circuitos dever ser realizada de modo a atender exigências de segurança, funcionais, de produção, de manutenção e de conservação da energia.

Seguindo se as recomendações da NBR 5410, os circuitos terminais devem ser individualizados pela função dos equipamentos de utilização que alimentam. Em particular, devem ser previstos circuitos terminais distintos para iluminação e tomadas de corrente.

Em unidades residenciais e acomodações de hotéis, motéis e similares devem ser previstos circuitos independentes para cada equipamento com corrente nominal superior a 10 A.

Aparelhos de ar condicionado devem ter circuitos individuais. Cada circuito deve ter seu próprio condutor neutro. Os pontos de tomada de cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço,

lavanderias e locais análogos devem ser atendidos por circuitos exclusivamente destinados à alimentação de tomadas desses locais.

Sempre que possível, deve-se projetar circuitos independentes para os quartos, salas (dependências sociais), cozinhas e dependências de serviço.

As cargas devem ser distribuídas entre as fases, de modo a obter-se o maior equilíbrio possível.

Devem ser consideradas necessidades futuras, conforme a tabela abaixo:

Tabela 4.1 – Circuitos de reserva Quantidade de circuitos efetivamente disponível

Número de circuitos destinados a reserva

Até 6 2 7 a 12 3

13 a 30 4 N>30 0,15 N

A capacidade de reserva deve ser considerada no cálculo do alimentador do

respectivo quadro de distribuição.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

23

Recomenda-se limitar a corrente a 10 A nos circuitos de iluminação e tomadas de uso geral.

É usual fixar-se a carga máxima de 1200VA nos circuitos em 127 V e de 2200VA nos circuitos em 220V, objetivando-se o uso de condutor de 1,5mm2 para iluminação e 2,5mm² para circuitos de força.

5. Linhas Elétricas 5.1. Definições e aspectos básicos

O conceito de linha elétrica engloba os condutores e os eventuais elementos de fixação, suporte e proteção mecânica a eles associados. São vários os tipos de linha a saber:

• linha aberta: linha em que os condutores são circundados por ar ambiente não confinado;

• linha aérea: linha (aberta) em que os condutores ficam elevados em relação ao solo e afastados de outras superfícies que não os respectivos suportes;

• linha aparente: linha em que os condutos ou condutores não estão embutidos; • linha em parede ou no teto: linha aparente em que os condutores ficam na

superfície de uma parede ou de um teto, ou em sua proximidade imediata, dentro ou fora de um conduto;

• linha embutida: linha em que os condutos ou os condutores estão localizados nas paredes ou na estrutura do prédio, acessível apenas em pontos determinados;

• linha subterrânea: linha construída com cabos isolados, enterrados diretamente no solo ou instalados em condutos subterrâneos;

• linha pré-fabricada: linha constituída por peças em tamanhos padronizados, contendo condutores de secção maciça com proteção mecânica, que se encaixam entre si no local da instalação. Chama-se de conduto elétrico a uma canalização destinada a conter condutores

elétricos. Nas instalações elétricas são utilizados vários tipos de condutos: eletrodutos, calhas, molduras, blocos alveolados, canaletas, bandejas, escadas para cabos, poços e galerias. 5.2. Tipos de linhas recomendadas pela NBR 5410

A tabela seguinte mostra os tipos de linhas elétricas (maneira de instalar) mais comuns em que instalações de um circuito ou linha elétrica devam se enquadrar de acordo com a NBR 5410:

Tabela 5.1 – Tipos de linhas aéreas Método de instalação

número

Esquema ilustrativo Descrição

Método de Referência

1

Condutores isolados ou cabos unipolares em eletroduto de seção circular embutido em parede termicamente isolante

A1

2

Cabo multipolar em eletroduto de seção circular embutido em parede termicamente isolante

A2

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

24

3

Condutores isolados ou cabos unipolares em eletroduto aparente de seção circular sobre parede ou espaçado desta menos de 0,3 vez o diâmetro do eletroduto

B1

4

Cabo multipolar em eletroduto aparente de seção circular sobre parede ou espaçado desta menos de 0,3 vez o diâmetro do eletroduto

B2

5

Condutores isolados ou cabos unipolares em eletroduto aparente de seção não-circular sobre parede

B1

6

Cabo multipolar em eletroduto aparente de seção não-circular sobre parede B2

7

Condutores isolados ou cabos unipolares em eletroduto de seção circular embutido em alvenaria

B1

8

Cabo multipolar em eletroduto de seção circular embutido em alvenaria B2

11

Cabos unipolares ou cabo multipolar sobre parede ou espaçado desta menos de 0,3 vez o diâmetro do cabo

C

11A

Cabos unipolares ou cabo multipolar fixado diretamente no teto C

11B

Cabos unipolares ou cabo multipolar afastado do teto mais de 0,3 vez o diâmetro do cabo C

12

Cabos unipolares ou cabo multipolar em bandeja não-perfurada, perfilado ou prateleira C

13

Cabos unipolares ou cabo multipolar em bandeja perfurada, horizontal ou vertical

E (multipolar) F (unipolares)

14

Cabos unipolares ou cabo multipolar sobre suportes horizontais, eletrocalha aramada ou tela

E (multipolar) F (unipolares)

15

Cabos unipolares ou cabo multipolar afastado(s) da parede mais de 0,3 vez o diâmetro do cabo

E (multipolar) F (unipolares)

(*) Conforme NBR 5410:2004 – pg. 90

Observação: Para maior aprofundamento nos métodos de instalação, consultar a norma NBR 5410:2004 pg. 90. 5.3. Condutores Elétricos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

25

Todos os condutores devem ser providos, no mínimo, de isolação, a não ser quando o uso de condutores nus ou providos apenas de cobertura for expressamente permitido.

Nas instalações de baixa tensão, a NBR 5410 prescreve, nas linhas elétricas, o uso de condutores isolados, cabo uni e multipolares e condutores nus, de cobre e de alumínio.

• Condutor Isolado: Possui somente o condutor e a isolação; • Cabo Unipolar: Condutor, isolação e uma camada de revestimento, chamada

cobertura, para proteção mecânica; • Cabo Multipolar: Possui sob a mesma cobertura, dois ou mais condutores isolados,

denominados veias. Quanto ao material do condutor, podemos destacar três mais comuns, presentes

na tabela a seguir:

Tabela 5.2 – Tipos de isolação Material Pontos Fracos Pontos Fortes

PVC (CLORETO DE POLIVINILA)

Baixo índice de estabilidade térmica

Boas propriedades mecânicas e elétricas Não propagante de chama

XLPE (POLIETILENO RETICULADO)

Baixa flexibilidade Baixa resistência à chama

Excelentes propriedades elétricas Boa resistência térmica

EPR (BORRACHA ETILENO PROPILENO)

Baixa resistência mecânica Baixa resistência a chamas

Excelentes propriedades elétricas Boa resistência térmica

6. Quadro de Distribuição

Quadro de distribuição (QD) é o equipamento elétrico destinado a receber energia

elétrica através de uma ou mais alimentações, e distribuí-la a um ou mais circuitos, podendo também desempenhar funções de proteção, seccionamento, controle e/ou medição.

Sua localização deve ser em lugar de fácil acesso e, de preferência, próximo ao centro de carga.

Depois de feita a previsão de carga da instalação, conforme prescrito no item 3 desta apostila, o calculo do centro de carga poderá ser feito para facilitar encontrar o local ideal para a localização do QD.

Assim temos: Centro de carga na direção do eixo x (CCx)

SnSS

xnSnxSxS CCx

+++

+++ =

...21

....2.21.1

Onde S1, S2 ... e Sn são as potências aparentes (em VA) de cada carga ou grupo de cargas e x1, x2 ... e xn as suas respectivas coordenadas em relação ao eixo x.

Analogamente, temos: Centro de carga na direção do eixo y (CCy):

SnSS

ynSnySyS CCy

+++

+++ =

...21

....2.21.1

Onde S1, S2 ... e Sn são as potências aparentes (em VA) de cada carga ou grupo de cargas e y1, y2 ... e yn as suas respectivas coordenadas em relação ao eixo y.

Os resultados da equação revelam que a posição ideal do quadro estará na coordenada (CCx,CCy)m.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

26

Uma vez localizado tecnicamente o ponto ideal de instalação do quadro, e reconhecendo que essa instalação no ponto exato, pode ser impraticável, ele deve ser então instalado o mais próximo possível desse ponto. onde S1, S2 ... e Sn são as potências aparentes (em VA) de cada carga ou grupo de cargas e x1, x2 ... e xn as suas respectivas coordenadas em relação ao eixo x.

Figura 6.1 – Quadro no ponto ideal

É importante também considerar aspectos estéticos e proximidade com o medidor

ou prumadas.

Figura 6.2 – Foto de quadro de material termoplástico da Siemens

Após a locação do quadro de distribuição, deve-se prover a ligação dos pontos de

consumo (pontos de luz e tomada) ao mesmo. Esta conexão é realizada por eletrodutos partindo do quadro, traçando seu caminho de forma a encurtar as distâncias entre os pontos de ligação.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

27

7. Dispositivos de Proteção 7.1. Disjuntores de baixa tensão

Em instalações de baixa tensão, entende-se por disjuntor de BT, ao dispositivo capaz de interromper um circuito, ao comando do operador ou automaticamente, quando percorrido por níveis de corrente superiores à sua corrente nominal, sem que dessa interrupção lhe advenha dano.

Os disjuntores de baixa tensão contem 2 sistemas de proteção: • o primeiro, que opera para correntes de sobrecarga, é fundamentado na ação

mecânica de lâminas bimetálicas, que dispostas em série com o circuito, se curvam quando a corrente que as atravessa supera a corrente nominal, fazendo com que o disjuntor desarme;

• o segundo opera apenas quando elevadas correntes de curto-circuito atravessam o dispositivo produzindo atração magnética, resultante do campo produzido por essa corrente passante, sobre placas ferromagnéticas dispostas em posições adequadas, fazendo com que o disjuntor desarme. Assim, o dispositivo de ação térmica destina-se a interromper sobrecargas

relativamente de pequena intensidade e longa duração, pois devido a inércia térmica das lâminas bimetálicas é dispendido um certo tempo para aquecer e atuar, enquanto que o dispositivo magnético atua tão logo circule intensidade de corrente suficiente para atrair as placas ferromagnéticas. Note que o rearme do disjuntor depois da operação da proteção térmica só pode ser realizado depois do esfriamento das lâminas bimetálicas, que impedem o engate enquanto estiverem deformadas pela ação do aquecimento que motivou o desligamento.

Figura 7.1 – Característica tempo-corrente típica de disjuntor termomagnético

A curva tempo-corrente de um disjuntor de baixa tensão apresenta após o trecho de característica inversa (quanto maior a corrente menor o tempo de atuação) uma forte inflexão para baixo indicando a operação do sistema de proteção magnético, conforme mostra a figura 8.1Para aumentar a capacidade disruptiva do disjuntor há, em seu interior, uma câmara de extinção de arco que se presta a confinar, dividir e extinguir o arco elétrico formado entre os contatos do disjuntor imediatamente à abertura mecânica dos contatos.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

28

Características nominais:

• Tesões nominais – Os disjuntores são caracterizados pela tensão nominal de operação, ou tensão nominal de serviço (Ue) e pela tensão nominal de isolamento (Ui)

• Correntes nominais – A corrente nominal (In) de um disjuntor é a corrente ininterrupta nominal (Iu) e tem o mesmo valor da corrente térmica convencional ao ar livre.

A norma IEC 60898 considera 30ºC como temperatura ambiente de referencia indica os seguintes valores preferenciais de In: 6, 10, 13, 16, 20, 25, 32, 40, 50, 63, 80, 100 e 125A. • Corrente convencional de atuação – É o valor especificado de corrente que

provoca a atuação do dispositivo dentro do tempo convencional. O tempo convencional: 1 hora ≤ 63A 2 horas > 63ª

Tabela 7.1 – Tempos de atuação de disjuntores

Intensidade Tempo de Atuação

1,13 In t≥ 1h (In≤63A) t≥ 2h (In > 63A)

1,45 In t < 1h (In≤ 63A) t < 1h (In > 63A)

Na prática a corrente I2 é considerada igual à corrente convencional de atuação dos disjuntores.

• Corrente convencional de não atuação – 1,13; • Corrente convencional de atuação – 1,45.

• Disparo instantâneo – A IEC 60898 define, para o disparo instantâneo, em geral magnético, as faixas e atuação B, C e D ilustradas na figura 8.2:

Figura 7.2 – Características tempo-corrente de minidisjuntores

• Curva B: tem como característica principal o disparo instantâneo para corrente entre 3 a 5 vezes a corrente nominal. Sendo assim, são aplicados principalmente na proteção de circuitos com características resistivas ou grandes distancias de cabos envolvidas. Exemplos: lâmpadas incandescentes, chuveiros, aquecedores elétricos, etc.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

29

• Curva C: tem como característica o disparo instantâneo para correntes entre 5 a 10 vezes a corrente nominal. Sendo assim, são aplicados para proteção de circuitos com cargas indutivas. Exemplos: lâmpadas fluorescentes, geladeiras, máquinas de lavar, etc. • Curva D: disparo instantâneo para correntes entre 10 a 20 vezes a corrente nominal. 7.2. Dispositivos a corrente diferencial-residual

Os dispositivos a corrente diferencial-residual, abreviadamente dispositivos DR, constituem-se no meio mais eficaz de proteção das pessoas (e dos animais domésticos) contra choques elétricos, sendo largamente utilizados hoje em quase todos os países do mundo. São o único meio “ativo” de proteção contra contatos diretos e , na grande maioria dos casos, o meio mais adequado para proteção contra contatos indiretos. Por outro lado, podem exercer proteção contra incêndios e também constituir-se em “vigilantes” da qualidade da instalação.

O dispositivo DR detecta a soma fasorial das correntes que percorrem os condutores vivos de um circuito em um determinado ponto do circuito, isto é, a corrente diferencial-residual (IDR) no ponto considerado, provoca a interrupção do circuito quando IDR ultrapassa um valor preestabelecido, chamado de corrente diferencial-residual nominal de atuação (I∆ n).

Os seguintes circuitos devem ser objeto de proteção adicional por dispositivos DR de alta sensibilidade (corrente diferencial-residual ≤ 30 mA):

• Circuitos que sirvam pontos de utilização situados em locais contendo banheira ou chuveiro;

• Circuitos que alimentam tomadas de corrente situadas em áreas internas que possam vir a alimentar equipamentos no exterior;

• Circuitos residenciais que sirvam pontos de utilização situados em cozinhas, copas- cozinhas, lavanderias, áreas de serviço, garagens e demais dependências internas molhadas em uso normal ou sujeitas a lavagens;

• Circuitos em edificações não-residenciais que sirvam pontos de tomada situados em cozinhas, copas-cozinhas, lavanderias, áreas de serviço, garagens e, no geral, em áreas internas molhadas em uso normal ou sujeitas a lavagens;

8. Dimensionamento dos Condutores

Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito a aplicação das diversas prescrições da NBR 5410 relativas à escolha da seção de um condutor e do seu respectivo dispositivo de proteção. Para que se considere um circuito completa e corretamente dimensionado, são necessários seis cálculos. Em principio cada um deles pode resultar numa seção diferente. E a seção a ser finalmente adotada é a maior dentre todas as seções obtidas.

Os seis critérios técnicos de dimensionamento são: • seção mínima; • capacidade de condução de corrente; • queda de tensão; • proteção contra sobrecargas; • proteção contra curto-circuito; • proteção contra contatos indiretos.

8.1. Dimensionamento do condutor fase

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

30

8.1.1. Seção mínima

As seções mínimas admitidas em qualquer instalação de baixa tensão estão definidas na tabela seguinte:

Tabela 8.1 - Secção mínima do condutor fase

Instalação Utilização Seção mínima p/ condutores se cobre (mm2) Circuitos de iluminação 1,5 Circuitos de força 2,5

Fixas em geral

Circuitos de sinalização e controle 0,5

Para um equipamento especifico Como especificado na norma do equipamento Para qualquer outra aplicação 0,75

Ligações flexíveis

Circuitos a extrabaixa tensão para aplicações especiais

0,75

(*) De acordo com a NBR 5410:2004 - Tabela 47 pg. 113 As seções mínimas são ditadas por razões mecânicas.

8.1.2. Capacidade de condução de corrente

A capacidade de condução de corrente é um critério importantíssimo, pois leva em

consideração os efeitos térmicos provocados nos componentes do circuito pela passagem da corrente elétrica em condições normais (corrente de projeto). Para a determinação da seção do condutor por este critério, deve-se seguir os seguintes passos principais: 1) Calcular a corrente de projeto do circuito; 2) Determinar o método de instalação (conforme item 5.2 desta apostila); 3) Aplicar os fatores de correção apropriados.

a) Cálculo da corrente de projeto

Monofásicos / Bifásicos

Trifásicos

FPV

P I B . =

FPV

P I B

..3 =

Onde: IB : corrente de projeto; P : potência ativa total do circuito; V : tensão do circuito; FP : fator de potência total do circuito.

A NBR 5410 fornece, em forma de tabelas, a capacidade de condução de corrente para cada tipo de condutor, de acordo com o método de instalação adotado. Estas tabelas foram determinadas considerando a temperatura ambiente de 30ºC e a temperatura do solo de 20ºC. Além do conhecimento do método de instalação é necessária a determinação do número de condutores carregados do circuito sob análise, conforme tabela abaixo.

Tabela 8.2 – Número de condutores carregados

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

31

Esquema de condutores vivos do circuito

Número de condutores carregados a ser adotado

Monofásico a dois condutores 2 Monofásico a três condutores 2 Duas fases sem neutro 2 Duas fases com neutro 3 Trifásico sem neutro 3 Trifásico com neutro 3 ou 4

(*) De acordo com a NBR 5410:2004 - Tabela 46 pg. 112 Para 4 condutores carregados aplicar o fator de 0,86 às capacidades de condução válidas para 3 condutores carregados. Considerar o trifásico com neutro com 4 condutores carregados quando a taxa de harmônicos triplos na corrente de fase for superior a 15%.

b) Fatores de correção

b.1) Fatores de Correção para Temperatura – k1 Utilizado para temperaturas ambientes diferentes de 30ºC para linhas não

subterrâneas e de 20ºC (temperatura do solo) para linhas subterrâneas.

Tabela 8.3 – Fatores de correção para temperatura ISOLAÇÃO

PVC EPR ou XLPE PVC EPR ou XLPE Temperatura

(ºC ) Ambiente Do solo

10 1,22 1,15 1,10 1,07 15 1,17 1,12 1,05 1,04 20 1,12 1,08 1 1 25 1,06 1,04 0,95 0,96 30 1 1 0,89 0,93 35 0,94 0,96 0,84 0,89 40 0,87 0,91 0,77 0,85 45 0,79 0,87 0,71 0,80 50 0,71 0,82 0,63 0,76 55 0,61 0,76 0,55 0,71 60 0,50 0,71 0,45 0,65

(*) De acordo com a NBR 5410:2004 - Tabela 40 pg. 106.

b.2) Fatores de correção para resistividade térmica do solo – k2 Utilizado em linhas subterrâneas, onde a resistividade térmica do solo seja

diferente de 2,5K.m/W, caso típico de solos secos, deve ser feita uma correção adequada nos valores da capacidade de condução de corrente. Solos úmidos possuem valores menores de resistividade térmica, enquanto solos muito secos apresentam valores maiores.

Tabela 8.4 – Fatores de correção para resistividade térmica do solo Resistividade Térmica

(Km/W/) 1 1,5 2 3

Fator de correção 1,18 1,10 1,05 0,96 (*) De acordo com a NBR 5410:2004 - Tabela 41 pg. 107

b.3) Fatores de Correção para Agrupamento de Circuitos – k3 Para linhas elétricas contendo um total de condutores superior às quantidades

indicadas nas tabelas de capacidade de condução de corrente, fatores de correção devem ser aplicados.

Tabela 8.5 – Fatores de correção para agrupamento de circuitos

Número de circuitos ou de cabos multipolares Item Disposição dos cabos justapostos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 12 16 20

Tabela dos métodos de referência

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

32

1

Feixe de cabos ao ar livre ou sobre superfície:

cabos em condutos fechados

1,00 0,80 0,70 0,65 0,60 0,57 0,54 0,52 0,50 0,45 0,41 0,38 36 a 39

(métodos A à F)

2

Camada única sobre parede, piso ou em

bandeja não perfurada ou prateleira

1,00 0,85 0,79 0,75 0,73 0,72 0,72 0,71 0,70

3 Camada única no teto 0,95 0,81 0,72 0,68 0,66 0,64 0,63 0,62 0,61

36 e 37 (método C)

4 Camada única em bandeja perfurada,

horizontal ou vertical 1,00 0,88 0,82 0,77 0,75 0,73 0,73 0,72 0,72

5 Camada única em leito, suporte

1,00 0,87 0,82 0,80 0,80 0,79 0,79 0,78 0,78

38 e 39 (métodos E

e F)

(*) De acordo com a NBR 5410:2004 - Tabela 42 pg. 108

Se um agrupamento consiste em N condutores isolados ou cabos unipolares, pode- se considerar tanto N/2 circuitos com 2 condutores carregados como N/3 circuitos com 3 condutores carregados.

Os fatores das tabelas 42 a 45 são válidos para grupos de condutores semelhantes, igualmente carregados. São considerados semelhantes aqueles que se baseiam na mesma temperatura máxima para serviço contínuo e cujas seções nominais estão contidas no intervalo de 3 seções normalizadas sucessivas. Quando os condutores de um grupo não preencherem essa condição, os fatores de agrupamento aplicáveis devem ser obtidos recorrendo-se a qualquer das duas alternativas seguintes: 1) Cálculo caso a caso, utilizando, por exemplo, a ABNT 11301; 2) Caso não seja viável um cálculo específico,adoção do fator F da expressão:

n F

1 =

Onde: F : fator de correção n : número de circuitos ou de cabos multipolares

c) Cálculo da Corrente de Projeto Corrigida

4321 ... '

kkkk

I I BB =

O valor da corrente de projeto corrigida é utilizado na determinação da seção do condutor através da tabela:

Tabela 8.6 – Capacidade de condução de corrente

Capacidades de condução de corrente, para os métodos de referência A1, A2, B1, B2, C e D . Condutores isolados, cabos unipolares e multipolares – cobre, isolação PVC

A1 A2 B1 B2 C D Nº condutores carregados Nº condutores carregados Nº condutores carregados

Seções Nominais

mm²

2 3 2 3 2 3 2 3 2 3 2 3 1 11 10 11 10 14 12 13 12 15 14 18 15

1,5 14,5 13,5 14 13 17,5 15,5 16,5 15 19,5 17,5 22 18 2,5 19,5 18 18,5 17,5 24 21 23 20 27 24 29 24 4 26 24 25 23 32 28 30 27 36 32 38 31 6 34 31 32 29 41 36 38 34 46 41 47 39 10 46 42 43 39 57 50 52 46 63 57 63 52 16 61 56 57 52 76 68 69 62 85 76 81 67 25 80 73 75 68 101 89 90 80 112 96 104 86 35 99 89 92 83 125 110 111 99 138 119 125 103 50 119 108 110 99 151 134 133 118 168 144 148 122 70 151 136 139 125 192 171 168 149 213 184 183 151 95 182 164 167 150 232 207 201 179 258 223 216 179

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

33

120 210 188 192 172 269 239 232 206 299 259 246 203 150 240 216 219 196 309 275 265 236 344 299 278 230 185 273 245 248 223 353 314 300 268 392 341 312 258 240 321 286 291 261 415 370 351 313 461 403 361 297

(*) Conforme NBR 5410:2004 - Tabela 36 pg. 101

8.1.3. Queda de tensão

A queda de tensão entre a origem da instalação e qualquer ponto de utilização não deve ser superior aos valores indicados na tabela a seguir, dados em relação ao valor da tensão nominal da instalação.

Tabela 8.7 – Limites de queda de tensão a partir do ponto de entrega

Instalações Circuitos de Distribuição Circuitos Terminais

A Fornecimento em tensão secundária distribuição. Ponto de entrega no poste.

5% 4%

B Transformador de propriedade da concessionária. Ponto de entrega no secundário do transformador.

7% 4%

C Transformador de propriedade da unidade consumidora. Ponto de entrega primário do transformador 7% 4%

D Geração própria. 7% 4%

(*) Conforme NBR 5410:2004, item 6.2.7 – pg. 115 .

a) Método de cálculo 1

Com base nesse valor da queda de tensão máxima admissível, podemos calcular a seção do condutor diretamente através das fórmulas:

Monofásico / Bifásico

Trifásico

)(%

200

fffn

B C ouVVV

Il S

⋅∆ ⋅⋅⋅

= ∑ρ fn

B C VV

Il S

⋅∆ ⋅⋅⋅

= ∑ %

2,173 ρ

Onde:

Sc : seção em mm 2;

%V∆ : queda de tensão máxima, em %; V : tensão do circuito fase-neutro ou fase-fase, em V; l : comprimento do circuito, em m; IB : corrente de projeto, em A; ρ : resistividade do material condutor = cobre = 1/56 ⋅Ω mm2/m.

b) Método de cálculo 2

Outra maneira de determinar a queda de tensão é a partir de tabelas fornecidas pelos fabricantes de condutores elétricos, tal como mostrado na tabela a seguir:

Tabela 8.8 – Queda de tensão em V/A.km Eletroduto e eletrocalha

(material magnético) Eletroduto e eletrocalha (material não-magnético)

Circuito Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico

Seção (mm2)

FP = 0,8 FP = 0,95 FP = 0,8 FP = 0,95 FP = 0,8 FP = 0,95 1,5 23 27,4 23,3 27,6 20,2 23,9

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

34

2,5 14 16,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6,14 10 3,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3,67 16 2,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2,33 25 1,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1,49 35 1,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1,09 50 0,86 0,95 0,85 0,94 0,76 0,82 70 0,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0,59 95 0,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0,44 120 0,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36

Dimensionamento de Condutores em Baixa Tensão – Tabela 19 – Pirelli pg 61

O procedimento é descrito a seguir: Conhecem-se:

• Material do eletroduto (se é magnético ou não); • Corrente de projeto (IB), em A; • Fator de potência (FP); • Queda de tensão admissível para o caso ( %V∆ ), em %; • Comprimento do circuito (l), em m; • Tensão entre fases (V), em V.

Calcula-se:

Monofásico

Bifásico / Trifásico

B

fn

Il

VV U

⋅ ∆⋅⋅

=∆ %10

B

ff

Il

VV U

⋅ ∆⋅⋅

=∆ %10

Onde: U∆ : queda de tensão, em V/A.km;

Entrando na tabela acima, obtém-se a seção nominal do condutor.

c) Método de cálculo 3

Pode-se também determinar a queda de tensão a partir das expressões:

Carga Distribuída

Carga Concentrada

( )∑ =

+=∆ n

i iBi IlsenxrtU

1

...cos.. ϕϕ ( )ϕϕ senxrIltU B .cos.... +=∆

Onde: U∆ : queda de tensão, em V; l : comprimento do circuito, em km

IB : corrente de projeto, em A; r : resistência do condutor, em Ω /km; x : reatância indutiva do condutor, em Ω /km; t : coeficiente que depende do tipo de circuito; cosϕ , senϕ : fator de potência e fator reativo da carga. Obs: O somatório é calculado considerando a corrente e o comprimento de cada trecho.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

35

Tabela 8.9 – Valores para o coeficiente t

Tipo de Circuito t

Monofásico a dois condutores (fase-fase ou fase-neutro) 2

Queda de tensão de fase 1 Monofásico a 3 condutores (2 fases-neutro) equilibrado

Queda de tensão de linha 2

Queda de tensão de fase 1 Circuito trifásico equilibrado

Queda de tensão de linha 3

Tabela 8.10 – Parâmetros elétricos de condutores

Condutos não-magnéticos FN/FF/3F Seção (mm2) Rcc

Rca XL 1,5 12,1 14,48 0,16 2,5 7,41 8,87 0,15 4 4,61 5,52 0,14 6 3,08 3,69 0,13

10 1,83 2,19 0,13 16 1,15 1,38 0,12 25 0,73 0,87 0,12 35 0,52 0,63 0,11 50 0,39 0,47 0,11 70 0,27 0,32 0,10 95 0,19 0,23 0,10 120 0,15 0,19 0,10

Resistências elétricas e reatâncias indutivas de fios e cabos isolados em PVC, EPR e XLPE em condutos fechados (valores em

Ω /km) – Tabela 22 – Pirelli pg 64

8.1.4. Sobrecarga

A “sobrecarga” não é exatamente um critério de dimensionamento dos condutores, entretanto, intervêm na determinação da sua seção.

A NBR 5410 prescreve que devem ser previstos dispositivos de proteção para interromper toda cor-rente de sobrecarga nos condutores dos circuitos antes que esta possa provocar um aquecimento prejudicial à isolação, às ligações, aos terminais ou às vizinhanças das linhas.

A característica de funcionamento de um dispositivo protegendo um circuito contra sobrecargas deve satisfazer às duas seguintes condições:

4321 kkkkIII ZnB ⋅⋅⋅⋅≤≤ e 43212 45,1 kkkkII Z ⋅⋅⋅⋅⋅≤ Onde: Ib : corrente de projeto do circuito, em A; Iz : capacidade de condução de corrente dos condutores;

In : corrente nominal do dispositivo de proteção (ou corrente de a ajuste para dispositivos ajustáveis);

I2 : corrente convencional de atuação, para disjuntores, ou corrente convencional de fusão, para fusíveis.

A condição, ZII ⋅≤ 45,12 , é aplicável quando for possível assumir que a temperatura limite de sobrecarga dos condutores não venha a ser mantida por um tempo

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

36

superior a 100 h durante 12 meses consecutivos, ou por 500 h ao longo da vida útil do condutor. Quando isso ocorrer, a condição deve ser substituída por:

ZII ≤2 Todos os disjuntores especificados de acordo com as normas NBR IEC 60898,

60947-2 e NBR 5361 atendem a condição de I2. 8.1.5. Curto-circuito

A suportabilidade a correntes de curto-circuito dos condutores, determina o tipo de dispositivo de proteção dos mesmos, podendo modificar sua seção.

Os condutores devem ser protegidos por dispositivos de proteção com as seguintes características:

rK II ≤ Onde: Ik : corrente de curto-circuito presumida; Ir : corrente máxima de interrupção (ruptura) do dispositivo de proteção.

Valores aproximados da corrente de curto-circuito no secundário de transformadores podem ser encontrados na tabela seguinte:

Tabela 8.11 – Níveis de curto-circuito estimados

IK0(KA) Pn (KVA) 220/127V 380/220V

15 0,8 0,4 16 0,8 0,5 25 1,2 0,7 30 1,6 0,8 45 2,4 1,2 50 2,5 1,5 63 3,1 1,8 75 3,8 2,2 80 4 2,3

100 5 3 112,5 5,6 3,2 150 7,6 4,4 160 8 4,7 200 10 6 225 11 6,5 250 12 7 300 15 9 315 16 9 400 20 12 500 25 14 630 31 18 750 37 22 800 40 23 1000 50 28

GUIA EM da NBR 5410 – Cap. 5 – pg. 165

De posse do valor da corrente de curto-circuito no secundário do transformados de alimentação, a corrente de curto-circuito trifásica presumida na extremidade de um circuito pode ser obtida através da tabela 8.12.

Tabela 8.12 – Correntes de curto-circuito presumidas

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

37

Cu Al 1,5 1 1,2 1,5 2 2,5 3 3,5 5 7 15 2,5 1 1,2 1,5 2 2,5 3 4 5 6 8 12 25

4 1 1,2 1,5 2 2,5 3 4 5 6,5 7,5 10 13 20 40 6 10 1 1,5 2 2,5 3 3,5 5 6 7,5 10 12 15 20 30 60

10 16 1 1,5 2 2,5 3 3,5 5 6 8 10 12 16 20 24 32 50 100 16 25 1 1,5 2 3 4 5 6 7,5 9,5 13 15 19 25 30 37 50 75 150 25 35 1 1,5 2 3 4 5,5 7 8,5 11 14 18 22 28 37 45 55 75 110 220 35 50 1 1,5 2 3 4 6 8 10 12 16 20 27 32 40 55 65 80 110 160 320 50 70 1 2 3 4 5,5 8 11 14 18 22 28 38 45 55 75 90 110 150 220 70 120 1 2 3 4,5 6 8,5 13 17 21 26 35 42 55 70 85 110 140 170 220 330 95 150 1 1,5 2,5 3,5 5,5 8 11 16 22 27 35 45 55 75 90 110 150 180 220 290

120 185 1 1,5 3 4,5 6,5 10 14 20 27 33 40 55 65 90 110 130 180 210 270 350 150 240 1 1,5 2 3,5 5,5 8,5 12 17 25 35 42 50 70 85 110 130 170 220 270 330

48 47 45 43 40 35 30 26 22 17 14 12 10 8,5 7 5,5 4,5 3,5 2,8 2,4 1,9 1,5 1 0,5 39 38 37 36 33 30 26 23 20 16 13 11 10 8 6,5 5 4,5 3,5 2,8 2,3 1,9 1,4 1 0,5 34 33 32 31 30 27 24 21 18 15 13 11 9,5 8 6,5 5 4,5 3,5 2,8 2,3 1,9 1,4 1 0,5 29 29 28 27 26 24 22 19 17 14 12 10 9 7,5 6,5 5 4,5 3,5 2,7 2,3 1,9 1,4 1 0,5 24 24 24 23 22 21 19 17 15 13 11 10 8,5 7 6 5 4 3,5 2,7 2,3 1,8 1,4 1 0,5 20 19 19 19 18 17 16 15 13 12 10 9 8 6,5 5,5 4,5 4 3,5 2,6 2,2 1,8 1,4 1 0,5 15 15 14 14 14 13 12 12 11 9,5 8,5 7,5 7 6 5 1,5 3,5 3 2,5 2,1 1,8 1,4 0,9 0,5 10 10 10 10 10 9 9 8,5 8 7,5 6,5 6 5,5 5 4,5 3,5 3,5 2,8 2,3 2 1,7 1,3 0,9 0,5

7 7 7 7 6,5 6,5 6,5 6 6 5,5 5 5 4,5 4 3,5 3 2,9 2,5 2,1 1,8 1,5 1,2 0,9 0,5 5 5 5 5 5 5 4,5 4,5 4,5 4 4 4 3,5 3,5 3 2,7 2,5 2,2 1,9 1,7 1,4 1,1 0,8 0,5 4 4 4 4 4 4 4 3,5 3,5 3,5 3,5 3 3 2,8 2,7 2,4 2,2 2 1,7 1,5 1,3 1,1 0,8 0,4 3 3 3 3 3 2,9 2,9 2,8 2,8 2,7 2,6 2,5 2,4 2,3 2,2 2 1,9 1,7 1,5 1,4 1,2 1 0,7 0,4 2 2 2 2 2 2 2 1,9 1,9 1,9 1,8 1,8 1,7 1,7 1,6 1,5 1,4 1,3 1,2 1,1 1 0,8 0,6 0,4 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 0,9 0,9 0,9 0,9 0,9 0,9 0,8 0,8 0,7 0,7 0,6 0,5 0,5 0,3

Ik (kA)

127/220V (A)

Seção do condutor fase (mm²) Comprimento do Circuito

Cor. de curto- circuito a montante

(kA) Corrente de curto-circuito no nível considerado

50 40 35 30 25 20 15 10

2 1

7 5 4 3

GUIA EM da NBR 5410 – Cap. 5 – pg 167

Adicionalmente à capacidade de interrupção de curto-circuitos, a integral de Joule

(energia) que o dispositivo de proteção deixa passar, deve ser inferior ou igual à energia necessária para aquecer o condutor desde a temperatura máxima para serviço contínuo até a temperatura limite de curto-circuito:

222 SKtI ⋅≤⋅

Onde: I : corrente de curto-circuito presumida simétrica, valor eficaz; t : é a duração do curto-circuito, calculado para o disjuntor (curvas do

fabricante), em segundos; K : constante definida pelo tipo de isolação do condutor; S : seção do condutor em mm2.

Valores de K para condutores de isolação de PVC, EPR ou XLPE são dados na tabela:

Tabela 8.13 – Valores para a constante K Isolação

PVC 300 mm2 > 300 mm2

EPR / XLPE

Temperatura Inicial Final Inicial Final Inicial Final

Material

70ºC 160ºC 70ºC 140ºC 90ºC 250ºC Cobre 115 103 143

Alumínio 76 68 94 NBR 5410:2004 - Tabela 30 pg. 68

8.1.6. Choques elétricos por contatos indiretos

Requisitos Básicos para a proteção contra choques elétricos:

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

38

• Equipotencialização da proteção; • Seccionamento automático.

- Dispositivos de proteção a sobrecorrente; Esquemas TN-C, TN-S e IT (quando as massas forem aterradas de forma

coletiva).

- Dispositivos de proteção a corrente diferencial-residual (DR). Esquemas TN-SE, TT e IT (quando as massas forem aterradas individualmente).

Independentemente do esquema de aterramento, TN, TT ou IT, o uso de proteção DR, mais particularmente de alta sensibilidade, isto é, com corrente diferencial-residual nominal I∆N igual ou inferior a 30mA, tornou-se obrigatória, segundo o artigo 5.1.2.5 da NBR 5410, nos casos citados no item 8.2 desta apostila.

a) Equipotencialização da proteção

Ao tratar da chamada ligação equipotencial principal, a NBR 5410 especifica que tubulações como as de água, gás e esgoto, quando metálicas, sejam nela incluídas. A conexão dessas tubulações à ligação equipotencial principal deve ser efetuada o mais próximo possível do ponto em que penetram na edificação. A interligação destes e outros elementos metálicos provenientes do exterior, entre si, e a elementos condutivos de da própria edificação, visa evitar, através da equipotencialização, que faltas de origem externa dêem margem ao aparecimento de diferenças de potencial perigosas entre os elementos condutivos do interior da edificação.

Figura 8.1 – Esquema de ligação equipotencial principal

b) Seccionamento Automático por Sobrecorrente

O dispositivo de proteção contra sobrecorrente assegura proteção contra contatos indiretos quando o comprimento máximo do circuito não ultrapassar os limites da tabela abaixo.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

39

Tabela 9.14 – Comprimento máximo de circuitos Corrente nominal do disjuntor (A) S

(mm2) 6 10 13 16 20 25 32 40 50 63 80 100 125 1,5 195 117 90 73 58 2,5 325 195 150 122 97 78 4 521 312 240 195 156 125 97 78 6 782 469 361 296 234 187 146 117 93 10 782 601 488 391 312 244 195 156 124 16 962 782 625 500 391 312 250 198 156 125 25 977 782 611 488 391 310 244 195 156 35 1095 855 684 547 434 342 273 219 50 977 782 620 488 391 312

GUIA EM da NBR 5410 – Cap. 3 – pg. 55

Esses valores são válidos para condutor de cobre; tensão fase-neutro = 220 V; relação entre a seção do condutor de fase e a seção do condutor de proteção = 1; esquema de aterramento TN; disjuntor tipo B.

Fatores de correção da Tabela anterior: 1f = 0,62 para condutores de alumínio;

1'

2 2 + =

m f m’ = relação entre a seção do condutor de fase e o condutor de

proteção;

2203

fnVf = para tensão fase-neutro ≠ 220V;

4f = 1 para esquema de aterramento TN;

5f = 0,5 para disjuntor tipo C;

5f = 0,25 para disjuntor tipo D.

Novo Valor = Valor ⋅⋅ 1f ⋅2f 3f ⋅⋅ 4f 5f

c) Seccionamento Automático por Dispositivo DR

Não há razões para preocupação, quanto ao atendimento da regra de seccionamento automático, quando se utilizam dispositivos DR, a não ser que a proteção diferencial-residual seja de baixíssima sensibilidade. Na seção 8.2 desta apostila encontram-se os tipos de circuito que exigem proteção por DR.

8.2. Dimensionamento do condutor neutro

O condutor neutro deve possuir a mesma seção que os condutores fase nos seguintes casos: • Circuitos monofásicos; • Circuitos bifásicos com neutro (2 fases + neutro), quando a taxa de 3ª harmônica e seus múltiplos não for superior a 33%; • Circuitos trifásicos com neutro, quando a taxa de 3ª harmônica e seus múltiplos não for superior a 33%. • Quando em um circuito bifásico ou trifásico com neutro possuir uma taxa de 3ª harmônica e seus múltiplos superiores a 33%, pode ser necessário um condutor neutro com seção superior à dos condutores fase.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

40

Conforme NBR 5410:2004, item 6.2.6.2.6, apenas nos circuitos trifásicos é admitida a redução do condutor neutro. Tal procedimento deve atender, simultaneamente, as três condições seguintes: • O circuito for presumivelmente equilibrado, em serviço normal; • A corrente das fases não contiver uma taxa de 3ª harmônica e seus múltiplos superiores a 15%; • O condutor neutro for protegido contra sobrecorrentes. • Nestes casos, os seguintes valores mínimos podem ser adotados para a seção do condutor neutro.

Tabela 9.15 – Seção mínima do condutor neutro

Seção dos condutores fase (mm2) Seção mínima do condutor neutro (mm2)

S ≤ 25 S 35 25 50 25 70 35 95 50

120 70 150 70 185 95 240 120 300 150 400 185

(*) De acordo com a NBR 5410:2004 - Tabela 48 pg. 115

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

41

Fatores de Correção para Harmônicos

Harmônicos podem provocar uma série de efeitos problemáticos como: • Operação indevida de equipamentos (eletrônicos, de controle, proteção, etc); • Erros de leitura em equipamentos de medição; • Sobretensões (comprometimento da isolação e vida útil dos equipamentos); • Sobrecorrentes; (efeitos térmicos nocivos aos equipamentos); • Interferências em sistemas de comunicação (principalmente sinais de rádio); • Perdas excessivas em cabos e transformadores; • Ruídos audíveis; • Ressonâncias Série e Paralela, entre outros.

Tabela 8.16 - Fator fh para a determinação da corrente de neutrofh Taxa de

Harmônicos Triplos

Circuito trifásico

com neutro

Circuito com duas

fases e neutro 33% a 35% 1,15 1,15 36% a 40% 1,19 1,19 41% a 45% 1,24 1,23 46% a 50% 1,35 1,27 51% a 55% 1,45 1,30 56% a 60% 1,55 1,34 61% a 65% 1,64 1,38 ≥ 66% 1,73 1,41

(*) Conforme NBR 5410:2004 - Tabela F.1 pg. 196

Quando, num circuito trifásico com neutro ou num circuito com duas fases e neutro, a taxa de terceira harmônica e seus múltiplos for superior a 33%, a corrente que circula pelo neutro é superior à corrente das fases. A seção do condutor neutro pode ser determinada calculando-se a corrente no neutro sob a forma:

BhN IfI '= ∑+= n

nB III 2

22 1'

Onde: I’B : corrente de projeto corrigida; I1,In : corrente fundamental e harmônicas; fh : fator de correção em função da taxa de harmônicos triplos. 8.3. Dimensionamento do condutor de proteção

A NBR 5410:2004 recomenda o uso de Condutores de Proteção (designados por PE), que, preferencialmente, deverão ser condutores isolados, cabos unipolares ou veias de cabos multipolares.

A Tabela seguinte indica a seção mínima do condutor de proteção em função da seção dos condutores fase do circuito. Em alguns casos, admite-se o uso de um condutor com a função dupla de neutro e condutor de proteção. É o condutor PEN (PE + N), cuja seção mínima é de 10mm², se for condutor isolado ou cabo unipolar, ou de 4mm², se for uma veia de um cabo multipolar.

Tabela 8.17 – Seção mínima do condutor de proteção

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

42

Seção do condutor fase (mm²)Seção do condutor de proteção (mm²)

S ≤ 16 S 16 < S ≤ 35 16

S > 35 S/2 (*) De acordo com a NBR 5410:2004 - Tabela 58 pg. 150

A seção de qualquer condutor de proteção que não faça parte do mesmo cabo ou

não esteja contido no mesmo conduto fechado que os condutores de fase não deve ser inferior a: • 2,5 mm2 em cobre/16 mm2 em alumínio, se for provida proteção contra danos mecânicos; • 4 mm2 em cobre/16 mm2 em alumínio, se não for provida proteção contra danos mecânicos.

9. Dimensionamento de Eletrodutos

Na utilização de condutos fechados (eletrodutos) deve observar as seguintes exigências: • Os circuitos devem pertencer à mesma instalação (mesmo Quadro); • Os condutores devem ser semelhantes (intervalo de 3 seções normalizadas); • Todos os condutores devem possuir a mesma temperatura máxima; • Todos os condutores devem ser isolados para a maior tensão nominal; • É vedada a utilização de eletrodutos que não sejam expressamente apresentados e comercializados como tal; • A NBR 5410 somente permite a utilização de eletrodutos não-propagantes de chama e, quando embutidos, suportem os esforços de deformação característicos da técnica construtiva utilizada. • Nos eletrodutos só devem ser instalados condutores isolados, cabos unipolares e multipolares. • Normalmente, em instalações elétricas de baixa tensão, utiliza-se eletrodutos de PVC rígido, quando a instalação for embutida, ou eletrodutos metálicos, quando aparente. • Os condutores ou cabos não devem ocupar uma percentagem da área útil do eletroduto maior do que está indicado na tabela abaixo:

Tabela 9.1 – Ocupação de eletrodutos Taxa máxima de ocupação dos eletrodutos

Quantidade de condutores ou cabos

Máxima ocupação em relação à área útil do eletroduto

1 53%

2 31%

3 ou mais 40%

• Tradicionalmente, no Brasil, os eletrodutos eram designados por seu diâmetro interno em polegadas. Com o advento das novas normas, a designação passou a ser feita pelo tamanho nominal, um simples número sem dimensão.

Tabela 9.2 – Correspondência entre tamanho nominal e polegadas Eletroduto rígido de PVC

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

43

Tamanho nominal

Diâmetro interno (polegadas)

(designação da rosca) 16 2

1

20 4 3

25 1 32 4

11

40 2 11

50 2 60 2

12

75 3 85 2

13

Instalações Elétricas, Cotrim, A – pg. 265

Eletroduto Rígido de PVC Tipo Roscável (NBR 6150) Espessura da parede Área interna disponível (mm2)* Tamanho

Nominal Externo

(mm) Classe A Classe B Classe A Classe B 16 16,7 ± 0,3 2,0 1,8 120,77 128,67 20 21,1 ± 0,3 2,5 1,8 196,07 232,35 25 26,2 ± 0,3 2,6 2,3 336,52 356,32 32 33,2 ± 0,3 3,2 2,7 551,55 593,95 40 42,2 ± 0,3 3,6 2,7 945,70 1.023,55 50 47,8 ± 0,4 4,0 3,0 1.219,22 1.346,15 60 59,4 ± 0,4 4,6 3,1 1.947,82 2.189,57 75 75,1 ± 0,4 5,5 3,8 3.186,90 3.536,17 85 88,0 ± 0,4 6,2 4,0 4,441,45 4.976,40

* Valores calculados por A=π /4*(diâmetro externo – tolerância – 2*espessura parede)² Eletroduto Rígido de PVC Tipo Soldável (NBR 6150)

Espessura da parede Área interna disponível (mm2)* Tamanho Nominal

Externo (mm) Classe A Classe B Classe A Classe B

16 16,0 ± 0,3 1,5 1,0 126,67 147,40 20 20,0 ± 0,3 1,5 1,0 219,05 246,05 25 25,0 ± 0,3 1,7 1,0 256,32 404,70 32 32,0 ± 0,4 2,1 1,0 593,95 692,80 40 40,0 ± 0,4 2,4 1,0 951,15 1.103,70 50 50,0 ± 0,4 3,0 1,1 1.493,00 1.764,60 60 60,0 ± 0,4 3,3 1,3 2.206,17 2.551,75 75 75,0 ± 0,4 4,2 1,5 3.441,95 4.026,40 85 85,0 ± 0,4 4,7 1,8 4.441,45 5.153,00

* Valores calculados por A=π /4*(diâmetro externo – tolerância – 2*espessura parede)² Condutores Prysmian 750 V BWF Antiflam*

Fio Superastic Cabo Superastic Cabo Superastic Flex Seção nominal (mm2)

Diâmetro Externo nominal

(mm)

Área Total (mm2)

Diâmetro Externo nominal

(mm)

Área Total (mm2)

Diâmetro Externo nominal

(mm)

Área Total (mm2)

1,5 2,8 6,15 - - 3,0 7,07 2,5 3,4 9,08 - - 3,6 10,17 4 3,9 11,94 - - 4,2 13,85 6 4,4 15,20 - - 4,7 17,35 10 5,6 24,63 5,9 27,34 6,0 28,27 16 - - 6,9 37,39 7,6 45,36 25 - - 8,5 56,74 9,4 69,40 35 - - 9,5 70,88 10,8 91,60 50 - - 11,0 95,03 12,8 128,68 70 - - 13,0 132,73 14,6 167,41 90 - - 15,0 176,71 16,8 221,67

120 - - 16,5 213,82 18,7 274,07 150 - - 18,0 254,47 20,9 343,07

• Área Total calculada por A=π /4*(diâmetro externo nominal)²

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

44

Anexos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

45

ANEXO A

Fornecimento de Energia Elétrica Edificações Individuais e Edificações Coletivas

CEMIG – Manual de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Individuais

1. ND-5.1 (Novembro de 1998) 2. Comunicado Técnico no 02 (Fevereiro de 2006) 3. Comunicado Técnico no 04 (Agosto de 2006)

CEMIG – Manual de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas

1. ND-5.2 (Dezembro de 1999) 2. Comunicado Técnico no 03 (Fevereiro de 2006) 3. Comunicado Técnico no 05 (Agosto de 2006)

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

46

Figura A.1. – Alturas mínimas do ramal de ligação ao solo

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

47

Figura A.2. – Definição do ponto de entrega

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

48

A.1. Definições Obs.: Para melhor entendimento das definições abaixo, ver figuras A.1 e A.2 deste anexo. 1) Consumidor

É a pessoa física ou jurídica que solicita à concessionária o fornecimento de energia elétrica e assume a responsabilidade pelo pagamento das contas e pelas demais obrigações regulamentares e contratuais. 2) Unidade consumidora

São as instalações de um único consumidor, caracterizadas pela entrega de energia elétrica em um só ponto, com medição individualizada. 3) Edificação Individual

É toda e qualquer construção, reconhecida pelos poderes públicos, contendo uma única unidade consumidora. 4) Edificação de Uso Coletivo

É toda e qualquer construção, reconhecida pelos poderes públicos, constituída por duas ou mais unidades consumidoras, cujas áreas comuns, com consumo de energia sejam juridicamente de responsabilidade do condomínio.

5) Edificações Agrupadas ou Agrupamentos

Conjunto de edificações, reconhecidas pelos poderes públicos, constituídos por duas ou mais unidades consumidoras, construídas no mesmo terreno ou em terrenos distintos sem separação física entre eles e juridicamente demarcado pela prefeitura e com área de circulação comum às unidades, sem caracterizar condomínio. 6) Limite de Propriedade

São as demarcações e delimitações evidentes que separam a propriedade do consumidor da via pública e dos terrenos adjacentes de propriedade de terceiros, no alinhamento designado pelos poderes públicos. 7) Ponto de Entrega

É o ponto até o qual a concessionária se obriga a fornecer energia elétrica, com participação nos investimentos necessários, bem como, responsabilizando-se pela execução dos serviços de operação e de manutenção do sistema, não sendo necessariamente o ponto de medição.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

49

8) Ramal de Ligação

É o conjunto de condutores e acessórios instalados pela CEMIG entre o ponto de derivação da rede secundária e o ponto de entrega. 9) Ramal de Entrada

É o conjunto de condutores e acessórios instalados pelo consumidor entre o ponto de entrega e a proteção geral ou o quadro de distribuição geral (QDG) ou a medição. 10) Entrada de Serviço

É o conjunto constituído pelos condutores, equipamentos e acessórios instalados entre o ponto de derivação da rede secundária da CEMIG e a medição, inclusive. A entrada de serviço abrange, portanto, o ramal de ligação e o padrão de entrada da unidade consumidora. 11) Padrão de Entrada

É a instalação compreendendo o ramal de entrada, poste ou pontalete particular, caixas, dispositivo de proteção, aterramento e ferragens, de responsabilidade do consumidor, preparada de forma a permitir a ligação da unidade consumidora à rede da CEMIG. 12) Alimentador Principal ou Prumada

É a continuação ou desmembramento do ramal da entrada, constituído pelos condutores, eletrodutos e acessórios, instalados a partir da proteção geral ou do quadro de distribuição geral (QDG) até as caixas de medição ou de derivação. 13) Alimentador Secundário

É a ramificação do alimentador principal, constituído pelos condutores, eletrodutos e acessórios, instalados a partir das caixas de derivação até as caixas de medição. 14) Ramal Interno

É o conjunto de condutores e acessórios instalados internamente nas unidade consumidora, a partir da medição ou proteção do padrão de entrada. 15) Caixa para Medição Direta

São caixas destinadas à instalação do medidor de energia e do dispositivo de proteção (caixas monofásicas (CM-1) e polifásicas (CM-2)).

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

50

16) Caixa para Medição Indireta (CM-3)

É a caixa destinada à instalação do medidor de energia, do dispositivo de proteção e dos transformadores de corrente (TC). 17) Caixa com Leitura pela Via Pública (monofásica: CM-13; polifásica: CM-14)

É a caixa para medição direta que permite a leitura do medidor diretamente do passeio público, sendo o dispositivo de proteção acessível somente pelo interior da propriedade. 18) Medição Direta

É a medição de energia, efetuada através de medidores conectados diretamente aos condutores do ramal de entrada. 19) Medição Indireta

É a medição de energia, efetuada com auxílio de transformadores de corrente. 20) Quadro de Distribuição Geral (QDG)

É o quadro, painel ou caixa modular, dotado de barramentos, destinados a instalação da proteção geral e dos demais dispositivos de proteção dos circuitos projetados (alimentadores). 21) Chave de Aferição

É um dispositivo que possibilita a retirada do medidor do circuito sem interromper o fornecimento, que ao mesmo tempo que coloca em curto circuito o secundário dos transformadores de corrente, abre o secundário dos transformadores de potencial. 22) Caixa de Inspeção

É o compartimento enterrado, com dimensões insuficientes para pessoas trabalharem em seu interior, intercalada em uma ou mais linhas de dutos convergentes. 23) Carga Instalada (kW)

É o somatório das potências nominais dos equipamentos elétricos de uma unidade consumidora que, após a conclusão dos trabalhos de instalação, estarão em condições de entrar em funcionamento.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

51

24) Demanda (kVA)

É a média das potências elétricas instantâneas solicitadas por uma unidade consumidora, durante um período especificado.

25) Câmara

É a parte do padrão de entrada, constituída por um compartimento que pode ser total ou parcialmente enterrado, para instalação de equipamentos subterrâneos da CEMIG. 26) Câmara Transformadora

É a câmara onde já estão instalados, os transformadores e equipamentos de proteção da Rede de distribuição CEMIG, que lhes são diretamente associados. 27) Interligação ou Ligação Clandestina

É a extensão das instalações elétricas de uma unidade consumidora a outra ou da rede, à revelia da CEMIG.

A.2. Tensões de fornecimento

O fornecimento de energia é efetuado em uma das seguintes tensões secundárias de baixa tensão: • 127/220V, sistema trifásico, estrela com neutro multi-aterrado, freqüência 60 Hz; • 127/254V, sistema monofásico com neutro multi-aterrado, freqüência 60 Hz, em

substituição gradativa a 120/240V, de acordo com a padronização de tensões secundárias estabelecidas pelo DNAEE.

A.3. Limites de fornecimento

Às unidades consumidoras individuais que apresentarem carga instalada igual ou inferior a 75 kW, o fornecimento de energia deve ser sempre efetuado em tensão secundária de distribuição conforme a Norma ND-5.1 e seus Comunicados Técnicos, que visam sua constante atualização. • Edificações individuais, com carga instalada igual ou inferior a 75 kW,

classificadas como tipo A, B, C, D, E, F, G, H, I e J em função da localização e/ou carga instalada;

• Estações de bombeamento de concessionárias de serviços de água, com demanda ≤ a 150 kVA;

• Campos de futebol, ginásios, clubes, com demanda ≤ a 150 kVA, desde que 2/3 sejam para iluminação;

• Bancas de jornais e semelhantes, com carga instalada ≤ 75 kW; • Consumidores rurais com demanda inferior a 75 kVA; • Exposições, feiras, parques, shows com demanda ≤ 150 kVA, enquadrada

como ligação provisória.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

52

As unidades com carga instalada superior ao limite estabelecido por estas normas terão o fornecimento em tensão primária de distribuição, de acordo com as prescrições contidas na ND-5.3 (13,8 kV) ou ND-5.4 (23,1 kV). A.4. Tipo de fornecimento para unidades consumidoras individuais

O fornecimento de energia elétrica em tensão secundária, a edificações individuais, a partir das redes de distribuição aéreas, bem como o estabelecimento de requisitos mínimos para as entradas de serviço destas edificações é de responsabilidade da concessionária de serviços de eletricidade do estado onde se encontra a edificação. Em Minas Gerais esta tarefa esta a cargo da CEMIG, cabendo à ND5.1 a normalização deste tipo de consumidor.

Os tipos de fornecimento são definidos em função da carga instalada, da demanda, do tipo de rede e local onde estiver situada a unidade consumidora. A.4.1. Classificação das Unidades Consumidoras Individuais Tipo A: Fornecimento de energia a 2 fios (Fase -Neutro)

Abrange as unidades consumidoras urbanas ou rurais atendidas por redes secundárias trifásicas (127V/220V), com carga instalada até 13kW e da qual não constem:

a) motores monofásicos com potência nominal superior a 2 cv; b) máquina de solda a transformador com potência nominal superior a 2 kVA. • Tipo B: Fornecimento de energia a 3 fios (2 Condutores Fases -Neutro)

Abrange as unidades consumidoras situadas em áreas urbanas ou rurais

atendidas por redes secundárias trifásicas (127/220V) que não se enquadram no fornecimento tipo A, com carga instalada entre 13,1kW e 20kW e da qual não constem:

a) os aparelhos vetados ao fornecimento tipo A, se alimentados em 127V; b) motores monofásicos, com potência nominal superior a 5 cv, alimentados em 220V

ou 254V; c) máquina de solda a transformador, com potência nominal superior a 9kVA,

alimentada em 220V ou 254V. • Tipo C: Fornecimento de energia a 4 fios (3 Condutores Fases -Neutro)

Abrange as unidades consumidoras urbanas ou rurais a serem atendidas por redes secundárias trifásicas (127/220V), com carga instalada entre 20,1 kW e 75,0kW, que não se enquadram nos fornecimentos tipo A e B e da qual não constem:

a) os aparelhos vetados aos fornecimentos tipo A, se alimentados em 127V; b) motores monofásicos com potência nominal superior a 5cv, alimentados em 220V; c) motores de indução trifásicos com potência nominal superior a 15cv.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

53

OBS: Na ligação de motores de indução trifásicos com potência nominal superior a 5cv, devem ser utilizados dispositivos auxiliares de partida, conforme indicado na Tabela 11. As características destes dispositivos estão descritas na Tabela 12.

d) máquina de solda tipo motor-gerador, com potência nominal superior a 30kVA; e) máquina de solda a transformador, com potência nominal superior a 15kVA,

alimentada em 220V - 2 fases ou 220V - 3 fases em ligação V-v invertida. f) máquina de solda a transformador, com potência nominal superior a 30kVA e com

retificação em ponte trifásica, alimentada em 220V-3 fases. NOTA: A ligação de cargas, com características elétricas além dos limites estabelecidos para este tipo de fornecimento, somente poderá ser efetuada após liberação prévia da CEMIG, que analisará suas possíveis perturbações na rede de distribuição e unidades consumidoras vizinhas. Tipo D : Fornecimento de Energia a 3 Fios (2 condutores Fases - Neutro)

Abrange as unidades consumidoras urbanas ou rurais a serem atendidas por redes secundárias trifásicas (127/220V) ou redes secundárias monofásicas (120/240V) que não se enquadram no fornecimento tipo B ou tipo I, mas que terão o seu fornecimento de energia elétrica a 3 fios (2 condutores fases – neutro), a pedido do consumidor com carga instalada até 13kW e da qual não constem:

a) carga monofásica superior a 2,54kW para o fornecimento tipo D1; b) carga monofásica superior a 5,08kW para o fornecimento tipo D2; c) carga monofásica superior a 7,62kW para o fornecimento tipo D3; d) os aparelhos vetados ao fornecimento tipo B. • Tipo E: Fornecimento de Energia a 4 Fios (3 condutores Fases - Neutro)

Abrange as unidades consumidoras situadas em áreas urbanas ou rurais a serem atendidas por redes secundárias trifásicas (127/220V) que não se enquadram no fornecimento tipo C, mas que terão o seu fornecimento de energia elétrica a 4 fios (3 condutores fases – neutro) a pedido do consumidor , com carga instalada até 20kW e da qual não constem:

a) carga monofásica superior a 1,90kW para o fornecimento tipo E1; b) carga monofásica superior a 3,81kW para o fornecimento tipo E2; c) carga monofásica superior a 4,45kW para o fornecimento tipo E3; d) carga monofásica superior a 5,08kW para o fornecimento tipo E4; e) carga monofásica superior a 6,35kW para o fornecimento tipo E5; f) os aparelhos vetados ao fornecimento tipo C. • Tipo F: Fornecimento de Energia a 3 fios (2 Condutores Fases-Neutro)

Abrange as unidades consumidoras situadas em áreas rurais, obrigatoriamente

atendidas por redes de distribuição monofásicas rurais de média tensão, com

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

54

transformadores exclusivos secundário (120/240V), com carga instalada até 37,5kW e da qual não constem:

a) os aparelhos vetados aos fornecimentos tipo A, se alimentados em 120V; b) motores monofásicos com potência nominal superior a 10cv, alimentados em 240V

(exceto para a faixa 1).

OBS: Motores monofásicos com potências nominais de 12,5cv e 15cv poderão ser ligados neste tipo de fornecimento, desde que utilizados os dispositivos auxiliares de partida indicados na Tabela 8 da norma ND-5.1 e suas características descritas na Tabela 9 desta mesma norma.

Tipo G: Fornecimento de Energia a 4 Fios (3 Fases-Neutro)

Abrange as unidades consumidoras situadas em áreas rurais, obrigatoriamente

atendidas por redes de distribuição trifásicas rurais de média tensão e com transformadores trifásicos exclusivos (127/220V), com carga instalada até 75kW e da qual não constem:

a) motores de indução trifásicos com potência nominal superior a 50cv. b) motores monofásicos com potência nominal superior a 10cv, alimentados em 220V.

OBS: Motores trifásicos com potências nominais de 60cv e 75cv bem como motores monofásicos com potências nominais de 12,5 cv e 15cv poderão ser ligados neste tipo de fornecimento, desde que utilizados os dispositivos auxiliares de partida indicados na Tabela 8 da norma ND-5.1 e suas características descritas na Tabela 9 desta mesma norma.

c) máquinas de solda vetadas ao fornecimento Tipo C. • Tipo H: Fornecimento de Energia a 4 Fios (3 condutores Fases - Neutro)

Abrange as unidades consumidoras situadas em áreas urbanas ou rurais a

serem atendidas por redes secundárias trifásicas (127/220V) a pedido do consumidor, com demanda entre 75,1 a 327kVA. O pedido do consumidor deverá ser por escrito e deverá ser apresentado projeto elétrico.

Tipo I: Fornecimento de energia a 2 fios (Fase-Neutro)

Abrange as unidades consumidoras urbanas ou rurais atendidas por redes secundárias monofásicas (1 FASE – 3 FIOS – 120/240V), com carga instalada até 13kW e da qual não constem:

a) motores monofásicos com potência nominal superior a 2 cv; b) máquina de solda a transformador com potência nominal superior a 2 kVA.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

55

Tipo J: Fornecimento de Energia a 3 Fios (2 Condutores Fases-Neutro)

Abrange as unidades consumidoras situadas em áreas urbanas ou rurais atendidas por redes secundárias monofásicas (1 FASE – 3 FIOS – 120/240V) com carga instalada entre 13,1kW e 37,5kW e da qual não constem:

a) os aparelhos vetados aos fornecimentos tipo C, se alimentados em 120V; b) motores monofásicos com potência nominal superior a 5cv, alimentados em 240V.

NOTA: 1) A ligação de motores monofásicos de 7,5cv e 10cv neste tipo de fornecimento somente poderá ser efetuada após liberação prévia da CEMIG, que analisará suas possíveis perturbações na rede de distribuição e nas unidades consumidoras vizinhas.

Tabela A.1 – Classificação das unidades consumidoras individuais

Tipo Consumidor Fornecimento Limite CI Restrições

A Urbano ou rural

2 fios (Fase-Neutro) ≤ 13kW

• Motores monofásicos > 2cv; • Solda a transformador > 2kVA.

B Urbano ou rural

3 fios (2 Fases- Neutro)

> 13,1kW e

≤ 20kW

• Mesmos aparelhos do tipo A se alimentados em 127V; • Motores monofásicos > 5 cv (220V/254V); • Solda a transformador > 9 Kva (220V/254V).

C Urbano ou rural

4 fios (3 Fases- Neutro)

> 21,1kW e

≤ 75kW

• Mesmos aparelhos do tipo A se alimentados em 127V; • Motores monofásicos > 5 cv (220V); • Motores de indução trifásicos >15cv. • Solda tipo motor-gerador > 30 kVA • Solda a transformador > 15 kVA (2 fases) • Solda a transformador com retificação em ponte > 30 kVA (3 fases).

D Urbano ou

rural (à pedido)

3 fios (2 Fases- Neutro)

Até 13kW (não

enquadra dos no

tipo B ou I)

• Carga monofásica >2,54kW (tipo D1); • Carga monofásica >5,08kW (tipo D2); • Carga monofásica >7,62kW (tipo D3); • Aparelhos vetados no tipo B.

E Urbano ou

rural (à pedido)

4 fios (3 Fases- Neutro)

≤ 20kW (não

enquadra dos no tipo C)

• Carga monofásica >1,9kW (tipo E1); • Carga monofásica >3,81kW (tipo E2); • Carga monofásica >4,45kW (tipo E3); • Carga monofásica >5,08kW (tipo E4); • Carga monofásica >6,35kW (tipo E5); • Aparelhos vetados no tipo C.

F Rural 3 fios

(2 Fases- Neutro)

≤ 37,5kW • Aparelhos vetados no tipo A, se em 120V; • Motores monofásicos >10cv (240V), exceto para a faixa 1.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

56

G Rural 4 fios

(3 Fases- Neutro)

≤ 75kW

• Motores de indução trifásicos >50cv; • Motores monofásicos >10cv (220V); • Máquinas de solda vetadas no tipo C.

H Urbano ou

rural (à pedido)

4 fios (3 Fases- Neutro)

Demanda entre 75,1 e 327kVA

• Pedido deve ser por escrito; • Projeto elétrico.

I Urbano ou rural

3 fios (Fase-Neutro) ≤ 13kW

• Motores monofásicos >2cv; • Máquina de solda à transformador >2kVA.

J Urbano ou rural

3 fios (2 fases - neutro

≥13,1kW e

≤37,5kW

• Aparelhos vetados no tipo C (120V); • Motores monofásicos >5cv (240V).

(*) Conforme Comunicado Técnico Nº2 da ND-5.1:2006

1 – Atendido por redes de distribuição monofásicas rurais de média tensão, com transformadores monofásicos exclusivos 2 – Atendido por redes de distribuição trifásicas rurais de média tensão, com transformadores trifásicos exclusivos. 3 – Atendido por redes secundárias trifásicas 4 – Atendido por redes secundárias trifásicas, Estações de bombeamento, campos de futebol, ginásios, clubes e ligações provisórias para exposições, feiras, parques, etc.

A.5. Tipos de fornecimento às unidades consumidoras coletivas

Os tipos de fornecimento a cada unidade consumidora existente nas edificações agrupadas ou de uso coletivo, são definidos em função de sua carga instalada (para ligações a 2 e 3 fios com carga instalada até 20kW) ou em função de sua demanda provável (para ligações a 4 fios com carga instalada superior a 20kW) para unidades consumidoras atendidas por redes secundárias trifásicas (127/220V) atendidas por redes secundárias trifásicas.

Para as unidades consumidoras atendidas por redes secundárias monofásicas (120/240V), o fornecimento será a 2 ou 3 fios para carga instalada até 37,5kW. A.5.1. Classificação das Unidades Consumidoras Coletivas Tipo A: Fornecimento de energia a 2 fios (Fase -Neutro)

Abrange as unidades consumidoras urbanas ou rurais atendidas por redes secundárias trifásicas (127V/220V), com carga instalada até 13kW e da qual não constem: a) motores monofásicos com potência nominal superior a 2 cv; b) máquina de solda a transformador com potência nominal superior a 2 kVA. • Tipo B: Fornecimento de energia a 3 fios (2 Condutores Fases -Neutro)

Abrange as unidades consumidoras situadas em áreas urbanas ou rurais

atendidas por redes secundárias trifásicas (127/220V) que não se enquadram no fornecimento tipo A, com carga instalada entre 13,1kW e 20kW e da qual não constem: a) os aparelhos vetados ao fornecimento tipo A, se alimentados em 127V;

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

57

b) motores monofásicos, com potência nominal superior a 5 cv, alimentados em 220V ou 254V; c) máquina de solda a transformador, com potência nominal superior a 9kVA, alimentada em 220V ou 254V. • Tipo C: Fornecimento de energia a 4 fios (3 Condutores Fases -Neutro)

Abrange as unidades consumidoras urbanas ou rurais a serem atendidas por

redes secundárias trifásicas (127/220V), com carga instalada entre 20,1kW e 75kW, que não se enquadram nos fornecimentos tipo A e B e da qual não constem: a) os aparelhos vetados aos fornecimentos tipo A, se alimentados em 127V; b) motores monofásicos com potência nominal superior a 5cv, alimentados em 220V; c) motores de indução trifásicos com potência nominal superior a 15cv.

OBS: Na ligação de motores de indução trifásicos com potência nominal superior a 5cv, devem ser utilizados dispositivos auxiliares de partida, indicados na Tabela 8 da norma ND-5.1 e suas características descritas na Tabela 9 desta mesma norma.

d) máquina de solda tipo motor-gerador, com potência nominal superior a 30kVA; e) máquina de solda a transformador, com potência nominal superior a 15kVA, alimentada em 220V - 2 fases ou 220V - 3 fases em ligação V-v invertida. f) máquina de solda a transformador, com potência nominal superior a 30kVA e com retificação em ponte trifásica, alimentada em 220V-3 fases.

NOTA: A ligação de cargas, com características elétricas além dos limites estabelecidos para este tipo de fornecimento, somente poderá ser efetuada após liberação prévia da Cemig, que analisará suas possíveis perturbações na rede de distribuição e unidades consumidoras vizinhas.

Tipo D: Fornecimento de Energia a 3 Fios (2 condutores Fases - Neutro)

Abrange as unidades consumidoras urbanas ou rurais a serem atendidas por

redes secundárias trifásicas (127/220V) ou redes secundárias monofásicas (120/240V) que não se enquadram no fornecimento tipo B ou tipo I, mas que terão o seu fornecimento de energia elétrica a 3 fios (2 condutores fases – neutro), a pedido do consumidor com carga instalada até 13kW e da qual não constem: a) carga monofásica superior a 2,54kW para o fornecimento tipo D1; b) carga monofásica superior a 5,08kW para o fornecimento tipo D2; c) carga monofásica superior a 7,62kW para o fornecimento tipo D3; d) os aparelhos vetados ao fornecimento tipo B. Tipo E: Fornecimento de Energia a 4 Fios (3 condutores Fases - Neutro)

Abrange as unidades consumidoras situadas em áreas urbanas ou rurais a

serem atendidas por redes secundárias trifásicas (127/220V) que não se enquadram no fornecimento tipo C, mas que terão o seu fornecimento de energia elétrica a 4 fios (3 condutores fases – neutro) a pedido do consumidor , com carga instalada até 20kW e da qual não constem: a) carga monofásica superior a 1,90kW para o fornecimento tipo E1;

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

58

b) carga monofásica superior a 3,81kW para o fornecimento tipo E2; c) carga monofásica superior a 4,45kW para o fornecimento tipo E3; d) carga monofásica superior a 5,08kW para o fornecimento tipo E4; e) carga monofásica superior a 6,35kW para o fornecimento tipo E5; f) os aparelhos vetados ao fornecimento tipo C. • Tipo I: Fornecimento de energia a 2 fios (Fase-Neutro)

Abrange as unidades consumidoras urbanas ou rurais atendidas por redes

secundárias monofásicas (1 FASE – 3 FIOS – 120/240V), com carga instalada até 13kW e da qual não constem: a) motores monofásicos com potência nominal superior a 2 cv; b) máquina de solda a transformador com potência nominal superior a 2 kVA. • Tipo J: Fornecimento de Energia a 3 Fios (2 Condutores Fases-Neutro)

Abrange as unidades consumidoras situadas em áreas urbanas ou rurais

atendidas por redes secundárias monofásicas (1 FASE – 3 FIOS – 120/240V) com carga instalada entre 13,1kW e 37,5kW e da qual não constem: a) os aparelhos vetados aos fornecimentos tipo C, se alimentados em 120V; b) motores monofásicos com potência nominal superior a 5cv, alimentados em 240V.

NOTA: 1) A ligação de motores monofásicos de 7,5cv e 10cv neste tipo de fornecimento somente poderá ser efetuada após liberação prévia da CEMIG, que analisará suas possíveis perturbações na rede de distribuição e nas unidades consumidoras vizinhas.

Tipo K: Fornecimento de Energia a 4 Fios (3 condutores Fases - Neutro)

Abrange as unidades consumidoras com carga instalada superior a 75kW. Os

tipos de aparelhos vetados a este fornecimento correspondem aos mesmos relacionados para o fornecimento tipo C.

Tabela A.2 – Classificação das unidades consumidoras coletivas Tipo Consumidor Fornecimento Limite CI Restrições

A Urbano ou rural

2 fios (Fase-Neutro) ≤ 13kW

• Motores monofásicos > 2cv; • Solda a transformador > 2kVA.

B Urbano ou rural

3 fios (2 Fases- Neutro)

> 13,1kW e

≤ 20kW

• Mesmos aparelhos do tipo A se alimentados em 127V; • Motores monofásicos > 5 cv (220V/254V); • Solda a transformador > 9 Kva (220V/254V).

C Urbano ou rural

4 fios (3 Fases- Neutro)

> 20,1kW e

≤ 75kW

• Mesmos aparelhos do tipo A se alimentados em 127V; • Motores monofásicos > 5 cv (220V); • Motores de indução trifásicos >15cv. • Solda tipo motor-gerador > 30 kVA • Solda a transformador > 15 kVA (2 fases) • Solda a transformador com

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

59

retificação em ponte > 30 kVA (3 fases).

D Urbano ou

rural (à pedido)

3 fios (2 Fases- Neutro)

Até 13kW (não

enquadra dos no

tipo B ou I)

• Carga monofásica >2,54kW (tipo D1); • Carga monofásica >5,08kW (tipo D2); • Carga monofásica >7,62kW (tipo D3); • Aparelhos vetados no tipo B.

E Urbano ou

rural (à pedido)

4 fios (3 Fases- Neutro)

≤ 20kW (não

enquadra dos no tipo C)

• Carga monofásica >1,9kW (tipo E1); • Carga monofásica >3,81kW (tipo E2); • Carga monofásica >4,45kW (tipo E3); • Carga monofásica >5,08kW (tipo E4); • Carga monofásica >6,35kW (tipo E5); • Aparelhos vetados no tipo C.

I Urbano ou rural

3 fios (Fase-Neutro) ≤ 13kW

• Motores monofásicos >2cv; • Máquina de solda à transformador

>2kVA.

J Urbano ou rural

3 fios (2 fases - neutro

≥13,1kW e

≤37,5kW

• Aparelhos vetados no tipo C (120V); • Motores monofásicos >5cv (240V).

K Urbano ou rural

4 fios (3 fases – neutro) > 75kW • As mesmas restrições do Tipo C.

(*) Conforme Comunicado Técnico Nº3 da ND-5.2:2006 A.6. Determinação da carga instalada

Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada somando-se a potência em kW dos aparelhos de iluminação, aquecimento, eletrodomésticos, refrigeração, motores e maquinas de solda que possam ser ligados em sua unidade consumidora.

Os aparelhos com previsão de serem adquiridos e instalados futuramente podem, também, ser computados no cálculo, a critério do consumidor, visando dimensionar a entrada de serviço já considerado o aumento de carga da unidade consumidora.

Não é necessário considerar a potência dos aparelhos de reserva. Quando o consumidor não dispuser das potências de seus aparelhos, podem

ser considerados os valores médios indicados na Tabela 3.1, presentes no item 3.3 desta apostila.

A concessionária definirá o tipo de fornecimento às unidades consumidoras rurais, considerando a carga declarada pelos consumidores.

No caso das unidades consumidoras urbanas, cuja carga instalada seja superior a 20 kW, o fornecimento deve ser a 4 fios, sendo a entrada de serviço dimensionada pela demanda, calculada conforme item A.7 desta apostila.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

60

A.7. Cálculo da Demanda de Edificações Individuais

O dimensionamento da entrada de serviço das unidades consumidoras urbanas com carga instalada superior a 20 kW deve ser feito pela demanda provável da edificação, cujo valor pode ser igual ou inferior a sua carga instalada.

O consumidor pode determinar a demanda de sua edificação, considerando o regime de funcionamento de suas cargas, ou alternativamente, solicitar à CEMIG o cálculo da demanda de acordo com a ND-5.1. De acordo com esta norma a demanda (D) é determinada pela expressão:

D = a + b + c + d + e + f (kVA)

Onde:

a = demanda referente à iluminação e tomadas (Tabelas 12 e 13 da ND-5.1); b = demanda relativa aos aparelhos eletrodomésticos e de aquecimento. Os fatores de demanda dados pelas Tabelas 14 e 15 da ND-5.1, devem ser aplicados, separadamente, à carga instalada dos seguintes grupos de aparelhos:

b1: chuveiros, torneiras e cafeteiras elétricas; b2: aquecedores de água por acumulação e por passagem; b3: fornos, fogões e aparelhos tipo "Grill"; b4: máquinas de lavar e secar roupas, máquinas de lavar louças e ferro elétrico; b5: demais aparelhos (TV, conjunto de som, ventilador, geladeira, freezer,

torradeira, liquidificador, batedeira, exaustor, ebulidor, etc.). c = demanda dos aparelhos condicionadores de ar, determinada por: - 100%, para os primeiros 5 aparelhos; - 86 %, para os demais. No caso de condicionador central de ar, utilizar fator de demanda igual a 100%. d = demanda de motores elétricos (tabelas 16 e 17 da ND-5.1); e = demanda de máquinas de solda e transformador, determinada por: - 100% da potência do maior aparelho; - 70% da potência do segundo maior aparelho; - 40% da potência do terceiro maior aparelho; - 30% da potência dos demais aparelhos. No caso de máquina de solda a transformador com ligação V-v invertida,

a potência deve ser considerada em dobro. f = demanda dos aparelhos de Raios-X, determinada por: - 100% da potência do maior aparelho; - 10% da potência dos demais aparelhos.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

61

Tabela 12 – Fatores de demanda para iluminação e tomadas unidades consumidoras residenciais

Carga Instalada CI (kVA) Fator de Demanda

CI ≤ 1 0,86 1 < CI ≤ 2 0,81 2 < CI ≤ 3 0,76 3 < CI ≤ 4 0,72 4 < CI ≤ 5 0,68 5 < CI ≤ 6 0,64 6 < CI ≤ 7 0,60 7 < CI ≤ 8 0,57 8 < CI ≤ 9 0,54 9 < CI ≤ 10 0,52

CI > 10 0,45 (*) Conforme ND-5.1:1998, Capítulo 7, pg. 9

Notas: 1. É recomendável que a previsão de cargas de iluminação e o número de tomadas, feita pelo

consumidor, atenda as prescrições da NBR 5410. 2. Para lâmpadas incandescentes, considerar : kVA = kW ( fator de potência unitário). 3. Para lâmpadas fluorescentes, considerar : kVA = kW / 0.85.

Tabela 13 – Fatores de demanda para iluminação e tomadas

unidades consumidoras não residenciais Descrição Fator de demanda (%)

Auditórios, Salões para exposições, Cinemas e Semelhantes 100 Bancos, Lojas e Semelhantes 100 Barbearias, Salões de Beleza e Semelhantes 100 100 Clubes e Semelhantes 100

Escolas e Semelhantes 100 para os primeiros 12 KVA 50 para o que exceder 12 KVA

Escritórios e Salas Comercias 100 para os primeiros 20 KVA 70 para o que exceder 20 KVA

Garagens Comerciais e Semelhantes 100 Restaurantes, Bares, Padarias e Semelhantes 100

Clínicas, Hospitais e Semelhantes 40 para os primeiros 50 KVA 20 para o que exceder 50 KVA

Igrejas, Templos e Semelhantes 100

Hotéis e Semelhantes 50 para os primeiros 20 KVA 40 para o que exceder 20 KVA

Oficinas, Indústrias e Semelhantes 100 para os primeiros 20 KVA 80 para o que exceder 20 KVA

Áreas comuns e Condomíneos 100 para os primeiros 10 KVA 25 para o que exceder 10 KVA

(*) Conforme ND-5.1:1998, Capítulo 7, pg. 9 Notas:

1. É recomendável que a previsão de cargas de iluminação e tomadas feita pelo consumidor, atenda as prescrições da NBR 5410.

2. Para lâmpadas incandescentes, considerar: kVA = kW (fator de potência unitário). 3. Para lâmpadas de descarga (vapor de mercúrio, sódio e fluorescente) considerar: kVA = kW

/0.85.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

62

Tabela 14 – Fatores de demanda de fornos e fogões elétricos Fator de Demanda % Número de

Aparelhos Potência até 3,5 kW Potência superior a 3,5 kW 1 80 80 2 75 65 3 70 55 4 66 50 5 62 45 6 59 43 7 56 40 8 53 36 9 51 35 10 49 34

(*) Conforme ND-5.1:1998, Capítulo 7, pg. 10 Notas:

1. Considerar para a potência destas cargas kW = kVA (fator de potência unitário).

Tabela 15 – Fatores de demanda de aparelhos eletro domésticos, de aquecimento e de refrigeração

Número de aparelhosFator de Demanda %Número de aparelhosFator de Demanda % 1 100 16 43 2 92 17 42 3 84 18 41 4 76 19 40 5 70 20 40 6 65 21 39 7 60 22 39 8 57 26 39 9 54 24 38 10 52 25 38 11 49 26 a 30 37 12 48 31 a 40 36 13 46 41 a 50 35 14 45 51 a 60 34 15 44 61 ou mais 33

(*) Conforme ND-5.1:1998, Capítulo 7, pg. 10 Notas:

1. Aplicar os fatores de demanda à carga instalada determinada por grupo de aparelhos, separadamente.

2. Considerar kW = kVA ( fator de potência unitário ) para os aparelhos de aquecimento; para os demais, considerar kVA = kW / 0.85.

3. No caso de hotéis, o consumidor deve verificar a conveniência de aplicação desta tabela ou de fator de demanda igual 100%.

Tabela 16 – Demanda individual - motores monofásicos

Valores Nominais do Motor Demanda Individual Absorvida da Rede - kVA Potência

Eixo CV

Absorvida Rede (kW)

cosϕη Corrente (220 V)

A

1 Motor (I)

2 Motores (II)

3 a 5 Motores

(III)

mais de 5 Motores

(IV)

1/4 0,39 0,63 0,47 2,8 0,62 0,50 0,43 0,37 1/3 0,52 0,71 0,47 3,3 0,73 0,58 0,51 0,44 1/2 0,66 0,72 0,56 4,2 0,92 0,74 0,64 0,55 3/4 0,89 0,72 0,62 5,6 1,24 0,99 0,87 0,74 1,0 1,10 0,74 0,67 6,8 1,49 1,19 1,04 0,89 1,5 1,58 0,82 0,70 8,8 1,93 1,54 1,35 1,16 2,0 2,07 0,85 0,71 11 2,44 1,95 1,71 1,46 3,0 3,07 0,96 0,72 15 3,20 2,56 2,24 1,92 4,0 3,98 0,94 0,74 19 4,15 3,32 2,91 2,49 5,0 4,91 0,94 0,75 24 5,22 4,18 3,65 3,13 7,5 7,46 0,94 0,74 36 7,94 6,35 5,56 4,76

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

63

10,0 9,44 0,94 0,78 46 10,04 8,03 7,03 6,02 12,5 12,10 0,93 0,76 59 13,01 10,41 9,11 7,81

(*) Conforme ND-5.1:1998, Capítulo 7, pg. 11 Notas:

1. O fator de potência e rendimento são valores médios, referidos a 3600 rpm. 2. Para obter a corrente nominal em 110 V, multiplicar os valores indicados por 2. 3. Exemplo de aplicação da Tabela:

CV 2,0 demotor 1 -

CV 1,0 de motores 4 -

1/2CV de motores 2 -

  

motores) 5 de (mais

IV Coluna



 

= = = =

kVA12,6 Total

1,46 1,46 x 1

3,56 0,89 x 4

1,10 0,55 x 2

4. No caso de existirem motores monofásicos e trifásicos na relação de carga do consumidor, a demanda individual deve ser computada considerando a quantidade total de motores.

Tabela 17 – Demanda individual - motores trifásicos

Valores Nominais do Motor Demanda Individual Absorvida da Rede - kVA Potência

Eixo CV

Absorvida Rede (kW)

cosϕη Corrente (220 V)

A

1 Motor (I)

2 Motores (II)

3 a 5 Motores

(III)

mais de 5 Motores

(IV) 1/6 0,25 0,67 0,49 0,9 0,37 0,30 0,26 0,22 1/4 0,33 0,69 0,55 1,2 0,48 0,38 0,34 0,29 1/3 0,41 0,74 0,60 1,5 0,56 0,45 0,39 0,34 1/2 0,57 0,79 0,65 1,9 0,72 0,58 0,50 0,43 3/4 0,82 0,76 0,67 2,8 1,08 0,86 0,76 0,65 1,0 1,13 0,82 0,65 3,7 1,38 1,10 0,97 0,83 1,5 1,58 0,78 0,70 5,3 2,03 1,62 1,42 1,22 2,0 1,94 0,81 0,76 6,3 2,40 1,92 1,68 1,44 3,0 2,91 0,80 0,76 9,5 3,64 2,91 2,55 2,18 4,0 3,82 0,77 0,77 13 4,96 3,97 3,47 2,98 5,0 4,78 0,85 0,77 15 5,62 4,50 3,93 3,37 6,0 5,45 0,84 0,81 17 6,49 5,19 4,54 3,89 7,5 6,90 0,85 0,80 21 8,12 6,50 5,68 4,87 10,0 9,68 0,90 0,76 26 10,76 8,61 7,53 6,46 12,5 11,79 0,89 0,78 35 13,25 10,60 9,28 7,95 15,0 13,63 0,91 0,81 39 14,98 11,98 10,49 8,99 20,0 18,40 0,89 0,80 54 20,67 16,54 14,47 12,40 25,0 22,44 0,91 0,82 65 24,66 19,73 17,26 14,80 30,0 26,93 0,91 0,82 78 29,59 23,67 20,71 17,76 50,0 44,34 0,90 0,83 125 49,27 - - - 60,0 51,35 0,89 0,86 145 57,70 - - - 75,0 62,73 0,89 0,88 180 70,48 - - -

(*) Conforme ND-5.1:1998, Capítulo 7, pg. 12 Notas:

1. O fator de potência e rendimento são valores médios, referidos a 3600 rpm. 2. Exemplo de aplicação da Tabela:

CV 5,0 motores 3 -

CV 2,0motor 1 -

 

motores) 5 a (3

III Coluna

  

= = =

kVA47,13 Total

11,79 3,93 x 3

1,68 1,68 x 1

3. No caso de existirem motores monofásicos e trifásicos na relação de carga do consumidor, a demanda individual deve ser computada considerando a quantidade total de motores.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

64

A.8. Entrada de Serviço de Edificações Individuais

Seu dimensionamento deve atender as Tabelas 1 a 10 do Anexo B.

A.9. Cálculo da Demanda de Edificações Coletivas

O dimensionamento dos componentes da entrada de serviço (ramais de ligação e de entrada, alimentadores) das edificações de uso coletivo e dos agrupamentos (não previstos nas tabelas 2A, 2B e 8 do Anexo C), deve ser feito pela demanda da edificação.

Na determinação desta demanda, o engenheiro responsável pelo projeto elétrico, pode adotar o critério que julgar conveniente, desde que o mesmo não apresente valores de demanda inferiores aos calculados pelo critério estabelecido na norma ND-5.2. De acordo com esta norma a demanda (D) é determinada pelo método desenvolvido de acordo com o RTD-27 do CODI, mais especificamente:

D = D1 + D2 (kVA)

Sendo D1 = af4,1 demanda dos apartamentos residenciais D2 = demanda do condomíneo, lojas e outros Onde: a = demanda por apartamento em função de sua área útil (Tabela 7 da ND-5.2); f = fator de multiplicação de demanda (Tabela 6 da ND-5.2); D2 – demanda calculada de acordo com os critérios estabelecidos para edificações

individuais (ND-5.1) que considera os grupos de carga e os respectivos fatores de demanda, função do total da carga ou da quantidade de equipamentos de cada grupo. No caso particular de condicionadores de ar para determinar os fatores de demanda deve-se utilizar a Tabela 9 da ND-5.2.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

65

Tabela 7 – Demanda por área para apartamentos residenciais (a)

(*) Conforme ND-5.2:1999, Capítulo 6, pg. 9

Notas: 1. Quando se tratar de unidade central de condicionamento de ar, deve-se tomar o fator de

demanda igual a 100%..

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

66

Tabela 6 – Fatores de multiplicação de Demanda em função do

número de apartamentos residenciais da edificação (f)

(*) Conforme ND-5.2:1999, Capítulo 6, pg. 6

Notas: 1. Fonte: RTD – 027 / CODI; 2. Válido somente para quantidade de apartamentos superior a 3; 3. Estes fatores só devem ser utilizados em conjunto com as demandas da Tabela 7.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

67

Tabela 7 – Demanda por área para apartamentos residenciais (a)

(*) Conforme ND-5.2:1999, Capítulo 6, pg. 7

Notas: 1. Quando se tratar de unidade central de condicionamento de ar, deve-se tomar o fator de

demanda igual a 100%..

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

68

Tabela 9 – Fatores de Demanda para Condicionadores de Ar

em Unidades Consumidoras não residenciais

(*) Conforme ND-5.2:1999, Capítulo 6, pg. 9

Notas: 1. Quando se tratar de unidade central de condicionamento de ar, deve-se tomar o fator de

demanda igual a 100%.. A.10. Entrada de Serviço de Edificações Coletivas

Seu dimensionamento deve atender as Tabelas 1A a 8 do Anexo C.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

69

ANEXO B

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO

INDIVIDUAL

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

70

TABELA 1 – DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS DE LIGAÇÃO E DA MEDIÇÃO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS OU RURAIS ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V)

PVC Aço CORRENTE

NOMINAL/MÁXI MA

NÚMERO DE ELEMENTOS e≤15 15<e≤25 25<e≤30

A - I1/I2 mm² A1 A2 A3 D-16 B1 B2 C1 C2 C3 C4 C5 C6 C7 D1 T-10 D2 D3 E1 E2 E3 E4 E5

A 15/100 -

MEDIDOR TRANSF.

CORRENTE (FT=2)TIPO FAIXA

B

C

D

E

15/120 2,5/10 (Nota

2)

1

2

3

2

3

-

-

Nota 1

-

Extensão ("e" em metros)

mm²

D-10 D-16 D-25

T-10 T-10 T-16

Q-16

Condutor alumínio

XLPE-90º Diâmetro nominal

Q-16

MEDIÇÃO Ramal de ligação aéreo multiplex

Q-35

Q-70

T-10 T-16

T-16

16

mm

25

16 50 40

50 40

FORNECIMENTO

60 50

75 65

50

70

120

Ramal de ligação subterrâneo Eletroduto

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

71

TABELA 2 - DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS DE LIGAÇÃO E DA MEDIÇÃO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS SITUADAS EM ÁREAS RURAIS ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS MONOFÁSICAS (120/240V) PARA AS UNIDADES TIPO “F” E ATENDIDAS

POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V) PARA AS UNIDADES TIPO “G” COM TRANSFORMADOR EXCLUSIVO

PVC Aço CORRENTE

NOMINAL/MÁXI MA

NÚMERO DE ELEMENTOS e≤15 15<e≤25 25<e≤30

A - I1/I2 mm² F1 T-10 16 F2 50 F3 F4 F5 Nota 1 120 75 65 G1 25 G2 50 G3 70 60 50 G4 Nota 1 120 75 65

FORNECIMENTO MEDIÇÃO Ramal de ligação aéreo multiplex Ramal de ligação subterrâneo

Condutor alumínio

XLPE-90º

Eletroduto

TIPO FAIXA

MEDIDOR TRANSF.

CORRENTE (FT=2)

Extensão ("e" em metros)

Diâmetro nominal

mm² mm

40

50

40 G

15/120 2,5/10 (Nota

2)

2

3

-

-

50

60

50

T-10

T-16 T-16

T-16

Q-16

Q-35

Q-70

70 F

Notas: 1 – As faixas C5, C6, C7, F5 e G4 correspondem à medição indireta e deverão ser utilizados TC’s de 200/5; 2 – Medidor exclusivo para as faixas C5, C6, C7, F5 e G4; 3 – As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são os valores mínimos admissíveis; 4 – Para condutores com seções superiores a 10mm² (inclusive) é obrigatório o uso de cabo; 5 – O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 6 – A faixa C1 corresponde a uma demanda provável inferior a 20kVA e, obrigatoriamente, a carga instalada na unidade consumidora deve ser superior a 20kW.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

72

TABELA 3 - DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS / RURAIS ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V) - LIGAÇÕES A 2 E 3 FIOS

Proteção Pontalete (5)

PVC Aço de até Aço Concreto Aço Concreto

A mm² Quantidade Tipo A1 - 5,0 40 6 25 20 6 6 A2 5,1 10,0 70 16 A3 10,1 13,0 100 25 B1 13,1 15,0 60 16 B2 15,1 20,0 90 25 40 32

Tipo Faixa

Fornecimento Número de

Disjuntor Termo-

magnético

kW

Carga Instalada

fios fases

Aterramento

Condutor Cobre NU

(mm²)

Condutor Cobre PVC -

70°C (3) Eletrodo

Ramal de Entrada

Eletroduto

Diâmetro Nominal mm

Condutor de proteção

(mm²)

Poste (5)

Tipo

Mesmo Lado da Rede Lado Oposto da Rede Aço

2

3

1

2

32 25 10

1 16

PT1 A

B

PA1 PC1 PA4 PC2

Notas : 1) - As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos. O eletroduto do ramal de entrada (energia não medida) deverá ser instalado aparente; 2) - Para condutores com seções superiores a 10mm² (inclusive) é obrigatório o uso de cabo; 3) - O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 4) - Todas as faixas correspondem a ligações com medição direta ( Ver Tabela 1); 5) - As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas no capítulo 12. O engastamento dos postes é simples; 6) - Para ramal de entrada subterrâneo, ver capítulo 4 - item 2.2.2.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

73

TABELA 4 - DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS / RURAIS ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS(127/220V) - LIGAÇÕES A 4 FIOS

Notas : 1) - As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos. O eletroduto do ramal de entrada (energia não medida) deverá ser instalado aparente; 2) - Para condutores com seções superiores a 10mm² (inclusive) é obrigatório o uso de cabo; 3) - O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 4) - As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas no capítulo 12. O engastamento dos postes deve ser em base concretada. 5) - Para ramal de entrada subterrâneo, ver capítulo 4 - item 2.2.2. 6) - As faixas C5, C6 e C7 correspondem a ligações com medição indireta ( Ver Tabela 1 ). As demais correspondem a medição direta.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

74

TABELA 5 - DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS OU RURAIS ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V) PARA OS TIPOS “D” E “E” E/OU UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS OU RURAIS ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS MONOFÁSICAS (120/240V) PARA O TIPO “D” - ATENDIMENTOS ESPECIAIS - LIGAÇÕES A 3 e 4 FIOS (Nota 8)

Proteção Pontalete (3)

PVC Aço de até Aço Concreto Aço Concreto

A mm² Quantidade Tipo D1 - 5,0 20 4 25 20 4 D2 5,1 10,0 40 10 32 25 10 D3 10,1 13,0 60 16 16 E1 - 5,0 15 2,5 25 20 2,5 E2 5,1 10,0 30 E3 10,1 13,0 35 E4 13,1 15,0 40 10 10 E5 15,1 20,0 60 16 16

Lado Oposto da Rede Carga Instalada

Número de Ramal de Entrada Aterramento

Eletroduto Condutor Cobre NU

(mm²)

Eletrodo Mesmo Lado da Rede

fios fases

Disjuntor Termo-

magnético

Condutor Cobre PVC -

70°C (2) Aço

Tipo Faixa Diâmetro Nominal

kW mm Tipo

Fornecimento Condutor de

proteção (mm²)

Poste (3)

D

E

3

4

2

3 6 32

32

25

25

10

1

2

PC2 PT1 6

PA1 PC1 PA4

Notas : 1) As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos. O eletroduto do ramal de entrada (energia não medida) deverá ser instalado aparente; 2) O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 3) As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas no capítulo 12. O engastamento dos postes é simples; 4) Para ramal de entrada ver capítulo 4, item 2; 5) Os disjuntores constantes dessa tabela têm que ser de um dos fabricantes relacionados no Manual do Consumidor n° 11; 6) Essa tabela, onde aplicável, é válida também para unidades consumidoras pertencentes a edificações de uso coletivo ou agrupamentos com proteção geral; 7) Essa tabela foi elaborada para atendimentos especiais (obras, estabelecimentos comerciais ou mesmo residenciais onde se necessita de alimentação bi ou trifásica sendo a carga instalada inferior a 13 ou 20kW). Solicita-se especial atenção para essas unidades tipo D ou E, pois as mesmas têm o seguinte limite para cargas monofásicas: D1=2540W, D2=5080W, D3=7620W, E1=1905W, E2=3810W , E3=4445W, E4=5080W e E5=6350W; 8) Para a ligação destas unidades deverá ser cobrada a taxa correspondente a diferença de preço de ramal duplex para triplex ou quadruplex, de ramal triplex para quadruplex e do medidor monofásico para o polifásico.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

75

TABELA 6 - DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS RURAIS ATENDIDAS POR REDES PRIMÁRIAS MONOFÁSICAS COM TRANSFORMADOR EXCLUSIVO COM SECUNDÁRIO BIFÁSICO 120/240V

TABELA 7 - DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS RURAIS LIGAÇÕES A 4 FIOS COM TRANSFORMADOR EXCLUSIVO

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

76

Notas ( Tabelas 6 e 7 ) : 1 – Esse condutor foi dimensionado como sendo de seção de 16mm² em função de ser o transformador exclusivo e da CEMIG ter padronizado o conector bimetálico de 16mm² como o menor conector a ser utilizado para a ligação do ramal de entrada na bucha secundária do transformador; 2) - A seção do neutro de carga é a mesma dos condutores fase; a seção do neutro para medição é de 2,5 mm2; 3) - O valor máximo de carga instalada, indicado em kW para cada faixa, corresponde ao valor da potência nominal do transformador em kVA a ser utilizado; 4) - É obrigatório o uso de cabo em todos os condutores; 5) - As faixas F5 e G4 correspondem a ligações com medição indireta ( Ver Tabela 2 ). As demais correspondem a medição direta; 6) - O transformador monofásico de 25kVA e os trifásicos de 15 e 30kVA foram despadronizados. Esses transformadores foram mantidos nas tabelas 5 e 6 visando atender estoque existente e as reformas e manutenções.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

77

TABELA 8 - DIMENSIONAMENTO DA ENTRADA DE EDIFICAÇÕES E UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS OU RURAIS

ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V) PARA ATENDER AOS FORNECIMENTOS COM DEMANDA ENTRE 75,1 A 150Kva

PROTEÇÃO In(A)

Aço PVC

Amianto Aço PVC Amianto

Relação (2)

1 H1 75,1 86,0 150 80 85 225 150 80 85 75 2 H2 86,1 95,0 185 100 110 250 185 100 110 90 3 H3 95,1 114,0 240 100 110 300 240 100 110 120 4 H4 114,1 145,0 2x225 2x120 2x65 2x75 120 5 H5 145,1 150,0 2x250 2x150 2x80 2x85 150

Dn (mm)

F A S E S

Condutor por fase

(AL) S(mm²)

ATÉ

F I O S

DEMANDA EM kVA

DE

FORNECIMENTO

I T E M

T I P O

F A I X A

Disjuntor Termo- magnético

Condutor por fase (Cu) S(mm²)

Eletroduto

Dn (mm)

T R A N S F O R M A D O R

D E C O R R E N T E

ATERRAMENTO

200/5

400/5

16/16 3/3

MEDIDOR

In/ Imax (A)

N ° e l e m e n t o s

3(1)

RAMAL DE ENTRADA OU DE DERIVAÇÃO

H 4 3

2x240 2x100 2x110

NUMERO DE

Eletroduto

RAMAL DE LIGAÇÃO SUBTERRÂNEO BT OU AÉREO MULTIPLEX AL/XLPE (NOTA 3)

ZC

C O N D U T O R D E

P R O T E Ç Ã O D A S

C A I X A S S

(

m m ²

)

C A I X A D E I N S P E Ç Ã O

EDIF. INDIVIDUAL/ EDIF. COLETIVA

C O N D U T O R

C O B R E

S

(

m m ²

)

N° de hastes

Notas: 1 – 2,5/10 ou 2,5/20; 2 – TC 200/5 e 400/5 com FT = 2,0; 3 - Para os itens 1 e 2, o ramal de ligação é aéreo multiplexado Al/XLPE, Q-120 e os postes a serem utilizados são: PA6 ou PC3, mesmo lado ou lado oposto da rede. As características dos postes estão na Tabela da página 12-14. Para os itens 3, 4 e 5 o ramal de ligação é subterrâneo conforme especificado na tabela acima; 4 - Para o dimensionamento do fornecimento entre 150,0 e 327,0 kVA, ver a ND-5.5.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

78

TABELA 9 - DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS OU RURAIS ATENDIDAS POR REDES

SECUNDÁRIAS MONOFÁSICAS (1 FASE – 3 FIOS – 120/240V) - LIGAÇÕES A 2 E 3 FIOS

PVC - 70°C (3) (6)

A mm² mm² mm² Tipo I1 - 5,0 40 6 25 20 6 6 I2 5,1 10,0 70 16 I3 10,1 13,0 100 25 J1 13,1 15,0 60 16 J2 15,1 20,0 90 25 J3 20,1 24,0 120 35 J4 24,1 29,0 150 50 25 J5 29,1 37,5 175 70 60 50 35

PT1

32

PC1 PA4 PC2

40

25

32 10

1

J

I 2 1

3 2

Pontalete PVC Aço

Poste Fornecimento

de até

Disjuntor termo-

magnético

Proteção Número de

Fios Fases

Carga instalada em kW para consumidor Demanda provável

em Kva para

Condutor cobre

Aterramento Condutor

de proteção

Cobre NU

Condutor Eletrodo

Quantidade

Ramal de entrada Eletroduto

Diâmetro nominal

16 PA1

Lado oposto da rede

Aço

Mesmo lado da rede

Tipo Faixa mm Tipo

Concreto Aço Concreto

Notas : 1) - As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos. O eletroduto do ramal de entrada (energia não medida) deverá ser instalado aparente; 2) - Para condutores com seções superiores a 10mm² (inclusive) é obrigatório o uso de cabo; 3) - O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 4) - As faixas J5 e J6 correspondem à medição indireta e deverão ser utilizados TC’s de 200/5; 5) - Quando do atendimento trifásico, o dimensionamento do padrão de entrada deverá ser conforme a Tabela 3; 6) - As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas no capítulo 12. O engastamento dos postes é simples;

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

79

TABELA 10 - DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS DE LIGAÇÃO E DA MEDIÇÃO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS OU

RURAIS ATENDIDAS POR SECUNDÁRIAS MONOFÁSICAS (1 FASE – 3 FIOS – 120/240V) - LIGAÇÕES A 2 E 3 FIOS

Corrente nominal/ máxima

Número de elementos

PVC Aço

e≤15 15<e≤25 25<e≤30 mm²

I1 I2 I3 D-16 J1 T-10 T-10 T-16 J2 T-25 T-35 T-35 J3 T-50 T-50 T-70 25 J4 50 J5 70 60 50

Tipo Faixa A -

25

16

mm² mm

50 40

D-16 D-25

T-70

I

J

15/100

1

3

Nota 1

D-10

Ramal de ligação aéreo multiplex

I1/I2

Ramal de ligação subterrâneo

Condutor alumínio XLPE-90º

Eletroduto

Extensão ("e" em metros)

Diâmetro nominal

Medidor Transf.

Corrente (FT=2)

Medição

Fornecimento

Nota: 1 – As faixas J4 e J5 correspondem à medição indireta e deverão ser utilizados TC’s de 200/5;

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

80

ANEXO C

COMUNICADO TÉCNICO Nº 3

ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO

COLETIVO

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

81

TABELA 1A - DIMENSIONAMENTO DA ENTRADA DE SERVIÇO DE EDIFICAÇÕES DE USO COLETIVO ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V) - RAMAL DE LIGAÇÃO AÉREO E PROTEÇÃO COM DISJUNTOR

PONTALETE

de até PVC AÇO Cu - PVC PVC AÇO AÇO CONCRETO AÇO CONCRETO mm² mm² A mm² mm² TIPO

1 - 20,0 Q-16 50 60 50 60 16 32 25 2 20,1 27,0 Q-16 50 60 50 70 25 40 32 3 27,1 38,0 Q-35 50 60 50 100 35 40 32 4 38,1 47,0 Q-35 70 60 50 120 50 50 40 25 5 47,1 57,0 Q-70 70 60 50 150 70 60 60 35 6 57,1 66,0 Q-70 120 120 65 175 95 7 66,1 75,0 Q-70 120 120 65 200 120 8 75,1 86,0 Q-120 150 150 80 225 150 85 80 70 9 86,1 95,0 Q-120 180 185 100 250 185 110 100 90

ITEM

kVA

DEMANDA AÉREO

MULTIPLEX AL/XLPE

RAMAL DE LIGAÇÃO

CONDUTOR POR FASE AL/XLPE

ELETRODUTO

DN (mm)

SUBTERRÂNEO

PROTEÇÃO

DISJUNTOR TERMO-

MAGNÉTICO

DN (mm)

ELETRODUTO CONDUTOR POR FASE

EMBUTIDO/SUBTERRÂNEO

RAMAL DE ENTRADA CONDUTOR

DE PROTEÇÃO DAS CAIXAS

TIPO

POSTE

MESMO LADO DA REDE

LADO OPOSTO DA REDE AÇO

75 65

16

50

PA1

PA2

PA3

PC2

PC3

PT1

PT2

PA6

PC1

PC3

PA4

PA5

PA6

Notas: 1 - As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos; 2 - Para condutores com seções superiores a 10mm² (inclusive) é obrigatório o uso de cabo; 3 – O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 4 – Esta tabela aplica-se também ao dimensionamento dos alimentadores principais e de unidades consumidoras tipo K; 5 – As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas no Capítulo 12; O engastamento dos postes e pontaletes deve ser em base concretada. 6 – No caso de exigência do projetista para instalação de ramal subterrâneo, ver item 3.1.1, Capítulo 2, página 2-2; 7 – Características do sistema de aterramento do neutro, ver item 5, Capítulo 4, página 4-6; 8 – Nos fornecimentos atendidos por ramal de entrada subterrâneo (até 38kVA) em baixa tensão por exigência do projetista/consumidor, a caixa de inspeção a ser utilizada deverá ser do tipo ZA. Nos fornecimentos entre 38,1kVA (inclusive) e 95kVA (inclusive) a caixa de inspeção deverá ser do tipo ZB.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

82

TABELA 1B - DIMENSIONAMENTO DA ENTRADA DE SERVIÇO DE EDIFICAÇÕES DE USO COLETIVO ATENDIDAS POR REDES

SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V) - RAMAL DE LIGAÇÃO SUBTERRÂNEO E PROTEÇÃO COM DISJUNTOR

de até PVC AÇO Cu - PVC PVC AÇO mm² A mm² mm²

10 95,1 114,0 240 100 110 300 240 110 100 35 11 114,1 145,0 2 x 200 2 x 120 2 x 75 2 x 65 50 12 145,1 163,0 2 x 225 2 x 150 2 x 85 2 x 80 13 163,1 181,0 2 x 250 2 x 185 14 181,1 217,0 2 x 300 2 x 240 15 217,1 245,0 3 x 225 3 x 150 3 x 85 3 x 80 16 245,1 272,0 3 x 250 3 x 185 17 272,1 327,0 3 x 300 3 x 240 120 18 327,1 436,0 - - - 4 x 300 4 x 240 4 x 110 4 x 100 150 19 436,1 545,0 - - - 5 x 300 5 x 240 5 x 110 5 x 100 180 20 545,1 653,0 - - - 6 x 300 6 x 240 240 21 653,1 750,0 - - - 6 x 350 6 x 300 300

ELETRODUTO CONDUTOR POR FASE

ELETRODUTO ITEM

DEMANDA

PROTEÇÃO

kVA DN (mm)

CAIXAS DE INSPEÇÃO

OU CÂMARA

CONDUTOR DE

PROTEÇÃO DAS CAIXAS

RAMAL DE LIGAÇÃO

2 x 100

DN (mm)

RAMAL DE ENTRADA

SUBTERRÂNEO DISJUNTOR TERMO-

MAGNÉTICO (5)

EMBUTIDO/SUBTERRÂNEO CONDUTOR POR FASE AL/XLPE

6 x 110

2 x 240

3 x 240

2 x 100

3 x 100

2 x 110

3 x 110

2 x 110

3 x 110

6 x 100

70 ZC

CÂMARA INTERNA (4)

95 3 x 100

Notas: 1 – As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos; 2 - O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 3 – Esta tabela aplica-se também ao dimensionamento dos alimentadores principais e de unidades consumidoras tipo K; 4 – A caixa de inspeção ZC pode ser utilizada junto ao poste de derivação da Cemig; 5 – Alternativamente pode ser utilizado um único disjuntor com capacidade nominal, no mínimo, igual ao total da proteção especificada para cada faixa; 6 – O número de condutores especificados para ramais de ligação e de entrada corresponde a uma fase;

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

83

7 – Características do sistema de aterramento do neutro, ver item 5, Capítulo 4, página 4-6. TABELA 2A - DIMENSIONAMENTO PARA AGRUPAMENTOS ATENDIDOS POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V) – SEM

PROTEÇÃO GERAL E SEM PROJETO ELÉTRICO

mm² 1 2 5,0 - - - - - - - - T 10 2 x 6 (10) 6 32 25 2 2 10,0 - - - - - - - - 2 x 16 (25) 3 - - 2 15,0 - - - - - - 2 x 25 (25)

1 5,0 1 10,0

5 1 5,0 1 15,0 - - - - - - 3 x 16 (16) 6 1 5,0 - - 1 20,0 - - - - 3 x 25 (25) 7 1 10,0 1 15,0 - - - - - - 3 x 16 (25) 8 1 10,0 - - 1 20,0 - - - - 3 x 25 (25) 9 - - 1 15,0 1 20,0 - - - - 3 x 25 (25)

10 3 5,0 - - - - - - - - 3 x 6 (10) 10 32 25 11 3 10,0 - - - - - - - - 3 x 16 (25) 12 - - 3 15,0 - - - - - - 3 x 25 (25)

1 5,0 - 2 10,0 -

14 1 5,0 2 15,0 - - - - - - 3 x 25 (25) 15 1 10,0 2 15,0 - - - - - - 3 x 25 (25)

2 5,0 1 10,0

QUANT. CARGA

kW QUANT.

CARGA kW

CARGA kW

2 x 16 (25)

mm² QUANT.

CARGA kW

QUANT. CARGA

kW

- - -

TIPOS DE UNIDADES CONSUMIDORAS RAMAL DE LIGAÇÃO

A B C D E MULTIPLEXITEM

QUANT.

AÇO FASE

(NEUTRO) PROT.

PVC 70ºC mm

RAMAL DE ENTRADA ATERRAMENTO

Nº ELETR.

COND.

- mm²

CONDUTOR ELETRODUTO

PVC

4

13

16

T 16

Q16

-

-

-

-

-

-

- -

-

--

-

- - - -

- - - -

3 x 16 (25)

2 x 16 (25)

16

16

2

3

16

40

40

32

32

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

84

TABELA 2B - DIMENSIONAMENTO PARA AGRUPAMENTOS ATENDIDOS POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V) – SEM PROTEÇÃO GERAL E SEM PROJETO ELÉTRICO

FASE (NEUTRO

) PROT.

mm² 17 2 5,0 1 15,0 - - - - - - 3X25(25) 18 2 5,0 - - 1 20,0 - - - - 3X25(25) 19 2 10,0 1 15,0 - - - - - - 3X25(25) 20 2 10,0 - - 1 20,0 - - - - 3X25(25) 21 - - 2 15,0 1 20,0 - - - - Q35 3X25(35)

1 5,0 1 10,0 1 5,0 1 10,0

24 1 5,0 1 15,0 1 20,0 - - - - 25 3 13,0 - - - - - - - - 26 1 10,0 1 15,0 1 20,0 - - - - 3X50(50) 25 27 1 10,0 2 20,0 - - - - - - 3X50(50) 25 28 1 5,0 2 20,0 - - - - - - 29 - - 2 20,0 - - 1 5,0 - - 30 - - 2 20,0 - - - - 1 5,0 31 - - 2 20,0 - - 1 10,0 - - 32 - - 2 20,0 - - - - 1 10,0 33 - - 1 20,0 1 20,0 - - - - 34 - - 1 20,0 1 20,0 - - - - 35 2 13,0 - - 1 20,0 - - - -

40

3

3 16

16

32

40

32

40

16

16

40

50

40

50

50

Q35

3X25(25)

3X25(25)

3X25(35)

3X35(35)

-

-

Q16

Q16 -

-

-

-

-

20,0

-

-

15,0

-

-

1

22

23

1

-

RAMAL DE ENTRADA ATERRAMENTO

Nº ELETR.

-

COND.

mm² mm²

PVC 70ºC

CONDUTOR ELETRODUTO

PVC AÇO

mm CARGA

KW QUANT.

CARGA KW

A B

QUANT. CARGA

KW QUANT.

CARGA KW

RAMAL DE LIGAÇÃO

MULTIPLEX

QUANT. DEMANDA

KVA QUANT.

TIPOS DE UNIDADES CONSUMIDORAS

C D E ITEM

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

85

Notas (Tabelas 2A e 2B): 1 – Agrupamentos que contenham uma unidade consumidora com carga instalada acima de 20kW, mais de uma unidade consumidora do tipo C ou mais de 3 unidades consumidoras deverão ser dimensionadas pela demanda calculada de acordo com o Capítulo 5; 2 – As seções dos condutores e diâmetros dos eletrodutos são as mínimas; 3 – O condutor de proteção liga a massa das caixas no potencial de terra; 4 – Para ramais de ligação triplex e quadruplex até Q-16mm², utilizar poste tipo PA1 e PA4 (aço) ou PC1 e PC2 (concreto). Para quadruplex Q-35mm² utilizar PA2 e PA5 (aço) ou PC1 e PC2 (concreto); 5 – Alternativamente ao poste de aço ou concreto poderão ser utilizados os pontaletes PT1 ou PT2 para os ramais de ligação previstos neta norma.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

86

TABELA 3 - DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS / RURAIS ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V) - LIGAÇÕES A 2 E 3 FIOS

Proteção Pontalete (5)

PVC Aço de até Aço Concreto Aço Concreto

A1 - 5,0 40 5 6 6 A2 5,1 10,0 70 16 A3 10,1 13,0 100 25 B1 13,1 15,0 60 16 B2 15,1 20,0 90 25 40 32

PC1 PA4 PC2 PT1 10

1 16

PA1

Aço

Tipo

A

B

2

3 2

1 32 25

Condutor de

proteção (mm²)

Tipo

Mesmo Lado da Rede Lado Oposto da Rede

Poste (5)Ramal de Entrada Embutido Aterramento

Condutor Cobre NU

(mm²) Quantidade

Eletrodo

Condutor Cobre PVC -

70ºC (3)

mm² DN (mm)

Diâmetro Nominal

Eletroduto

Número de

Fios Fases

Disjuntor Termo -

Magnético

A

Fornecimento

Tipo Faixa

Carga Instalada

kW

Notas : 1) - As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos. 2) - Para condutores com seções superiores a 10mm² (inclusive) é obrigatório o uso de cabo; 3) - O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 4) - Todas as faixas correspondem a ligações com medição direta ( Ver Tabela 1); 5) - As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas no capítulo 12. O engastamento dos postes é simples; 6) - Para ramal de entrada subterrâneo, ver capítulo 4 - item 2.2.2.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

87

TABELA 4 - DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS / RURAIS ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V) LIGAÇÕES A 4 FIOS

Proteção Pontalete

(4)

PVC Aço de até Aço Concreto Aço Concreto

C1 - 20,0 60 16 C2 20,1 27,0 70 25 C3 27,1 38,0 100 35 40 32 C4 38,1 47,0 120 50 50 40 25 C5 47,1 57,0 150 70 60 50 35 C6 57,1 66,0 175 C7 66,1 75,0 200

PT2

PT1

PA6

PA5

PA4 PC2

PC3PA3

PA2

PA1 PC1

PC3

10

3

2 16

50

DN (mm)

Fases

C 4 3

95

32

75

25

65

Aterramento

Condutor de

proteção (mm²)

Poste (4)

Aço

Quantidad e

Tipo Tipo

Condutor Cobre NU

(mm²)

Eletrodo Mesmo Lado da

Rede Lado Oposto da

Rede

Diâmetro Nominal

Disjuntor Termo -

Magnético

Condutor Cobre PVC -

70ºC (3)

Eletroduto

Fornecimento

Demanda

Número de Ramal de Entrada Embutido

Tipo Faixa Fios

kVA A mm²

Notas : 1) - As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos. 2) - Para condutores com seções superiores a 10mm² (inclusive) é obrigatório o uso de cabo; 3) - O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 4) - As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas no capítulo 12. O engastamento dos postes deve ser em base concretada. 5) - Para ramal de entrada subterrâneo, ver capítulo 4 - item 2.2.2. 6) - As faixas C5, C6 e C7 correspondem a ligações com medição indireta ( Ver Tabela 1 ). As demais correspondem a medição direta.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

88

TABELA 5 - DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS OU RURAIS ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS TRIFÁSICAS (127/220V) PARA OS TIPOS “D” E “E” E/OU UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS OU RURAIS

ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS MONOFÁSICAS (120/240V) PARA O TIPO “D” - ATENDIMENTOS ESPECIAIS - LIGAÇÕES A 3 e 4 FIOS (Nota 8)

Proteção Pontalete

(3)

PVC Aço de até Aço Concreto Aço Concreto

D1 - 5,0 20 4 4 D2 5,1 10,0 40 10 10 D3 10,1 13,0 60 16 16 E1 - 5,0 15 2,5 2,5 E2 5,1 10,0 30 E3 10,1 13,0 35 E4 13,1 15,0 40 10 10 E5 15,1 20,0 60 16 16

PC2 PT1 6

PA1 PC1 PA425 10

1

2

DN (mm)

Fases

D

E

3

4 3

2

6 32

Aterramento

Condutor de

proteção (mm²)

Poste (3)

Aço

Quantidade Tipo Tipo

Condutor Cobre NU

(mm²)

Eletrodo Mesmo Lado da

Rede Lado Oposto da

Rede

Diâmetro Nominal

Disjuntor Termo -

Magnético

Condutor Cobre PVC -

70ºC (2)

Eletroduto

Fornecimento

Carga Instalada

Número de Ramal de Entrada Embutido

Tipo Faixa Fios

kW A mm²

Notas : 1) As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos. 2) O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 3) As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas no capítulo 12. O engastamento dos postes é simples; 4) Para ramal de entrada ver capítulo 4, item 2; 5) Os disjuntores constantes dessa tabela têm que ser de um dos fabricantes relacionados no Manual do Consumidor n° 11; 6) Essa tabela, onde aplicável, é válida também para unidades consumidoras pertencentes a edificações de uso coletivo ou agrupamentos com proteção geral; 7) Essa tabela foi elaborada para atendimentos especiais (obras, estabelecimentos comerciais ou mesmo residenciais onde se necessita de alimentação bi ou trifásica sendo a carga instalada inferior a 13 ou 20kW). Solicita-se especial atenção para essas unidades tipo D ou E, pois as mesmas têm o seguinte limite para cargas monofásicas: D1=2540W, D2=5080W, D3=7620W, E1=1905W, E2=3810W , E3=4445W, E4=5080W e E5=6350W; 8) Para a ligação destas unidades deverá ser cobrada a taxa correspondente a diferença de preço de ramal duplex para triplex ou quadruplex e do medidor monofásico para o polifásico.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

89

TABELA 6 - DIMENSIONAMENTO PARA UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS OU RURAIS ATENDIDAS POR REDES

SECUNDÁRIAS MONOFÁSICAS (1 FASE – 3 FIOS – 120/240V) - LIGAÇÕES A 2 E 3 FIOS

Proteção

PVC Aço Aço Concreto Aço Concreto

de até I1 - 5,0 40 6 6 6 I2 5,1 10,0 70 16 I3 10,1 13,0 100 25 J1 13,1 15,0 60 16 J2 15,1 20,0 90 25 J3 20,1 24,0 120 35 J4 24,1 29,0 150 50 25 J5 29,1 37,5 175 70 60 50 35

Fornecimento

Tipo Faixa Fios Fases

Número de

Quantidade Tipo Tipo

Lado Oposto da Rede

Ramal de Entrada Embutido Poste (6)

Disjuntor Termo -

Magnético

Condutor Cobre PVC -

70ºC (3)

Eletroduto

Carga instalada em kW para consumidor

tipo I Condutor Cobre NU

(mm²)

Eletrodo Mesmo Lado da

Rede

Aterramento

Condutor de

proteção (mm²)

Diâmetro Nominal

A mm² DN (mm)

Demanda provável em kVA para

consumidor tipo J

Pontalete (6)

I

J

2

3

1

2

32

40

25

32 10

1 PC2 PT1 16

PA1 PC1 PA4

Notas : 1) - As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos. 2) - Para condutores com seções superiores a 10mm² (inclusive) é obrigatório o uso de cabo; 3) - O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 4) - As faixas J4 e J5 correspondem à medição indireta e deverão ser utilizados TC’s de 200/5; 5) - Quando do atendimento trifásico, o dimensionamento do padrão de entrada deverá ser conforme a Tabela 3; 6) - As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas no capítulo 12. O engastamento dos postes é simples;

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

90

TABELA 7 - DIMENSIONAMENTO DA ENTRADA DE SERVIÇO DE EDIFICAÇÕES DE USO COLETIVO ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS MONOFÁSICAS (1 FASE – 3 FIOS – 120/240V) - RAMAL DE LIGAÇÃO AÉREO E PROTEÇÃO COM DISJUNTOR

PONTALETE

de até PVC AÇO Cu - PVC PVC AÇO AÇO CONCRE AÇO CONCRE mm² mm² A mm² mm² TIPO

1 13,1 15,0 T-16 50 60 16 32 25 2 15,1 20,0 T-35 50 90 25 40 32 3 20,1 24,0 T-35 70 120 35 40 32 4 24,1 29,0 T-70 70 150 50 50 40 25 5 29,1 37,5 T-70 70 175 70 60 50 35 PA3 PC3 PA6 PC3 PT2

ITEM DEMANDA

RAMAL DE LIGAÇÃO PROTEÇÃO

kVA DN (mm)

CONDUTOR DE

PROTEÇÃO DAS CAIXAS

POSTE

MESMO LADO DA REDE

LADO OPOSTO DA REDE AÇO

AÉREO MULTIPLEX

AL/XLPE

SUBTERRÂNEO DISJUNTOR

TERMO- MAGNÉTICO

EMBUTIDO/SUBTERRÂNEO CONDUTOR POR FASE AL/XLPE

ELETRODUTO CONDUT OR POR

ELETRODUTO

RAMAL DE ENTRADA

50 50 16

PA1

PA2 PC2 PT1

DN (mm) TIPO

PC1 PA4

PA5

Notas: 1 - As seções dos condutores e os diâmetros dos eletrodutos são mínimos; 2 - Para condutores com seções superiores a 10mm² (inclusive) é obrigatório o uso de cabo; 3 – O condutor neutro do ramal de entrada deve ter seção igual a dos condutores fase; 4 – As características técnicas dos postes e pontaletes estão indicadas no Capítulo 12; O engastamento dos postes e pontaletes deve ser em base concretada. 5 – No caso de exigência do projetista para instalação de ramal subterrâneo, ver item 3.1.1, Capítulo 2, página 2-2; 6 – Características do sistema de aterramento do neutro, ver item 5, Capítulo 4, página 4-6; 7 – Nos fornecimentos atendidos por ramal de entrada subterrâneo em baixa tensão por exigência do projetista/consumidor, a caixa de inspeção a ser utilizada deverá ser do tipo ZA.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

91

TABELA 8 - DIMENSIONAMENTO PARA AGRUPAMENTOS DE UNIDADES CONSUMIDORAS URBANAS ATENDIDAS POR REDES SECUNDÁRIAS

MONOFÁSICAS (1 FASE – 3 FIOS – 120/240V) - LIGAÇÕES A 2 E 3 FIOS – SEM PROTEÇÃO GERAL E SEM PROJETO ELÉTRICO

mm² 1 2 5,0 - - T 10 2x6(10) 6 32 25 2 2 10,0 - - 2x16(25) 3 - - 2 15,0 2x25(25)

1 5,0 1 10,0

5 1 5,0 1 15,0 2x16(16) 6 1 10,0 1 15,0 2x16(25) 7 1 10,0 1 20,0 2x25(25) 8 3 5,0 - - 2x10(10) 10 32 25 9 3 10,0 - - 2x16(25) 10 - - 3 15,0 2x25(25)

1 5,0 2 10,0

12 1 5,0 2 15,0 2x25(25) 13 1 10,0 2 15,0 2x25(25)

2 5,0 1 10,0

15 2 5,0 1 15,0 2x25(25) 16 2 5,0 1 20,0 17 2 10,0 1 15,0 18 - - 2 20,0 2x50(50) 25 50 40 2

1 5,0 1 10,0 1 5,0 1 10,0

21 2 13,0 - - 2x35(35) 2 15,0 20,0 T25

TIPOS DE UNIDADES CONSUMIDORAS RAMAL DE LIGAÇÃO

RAMAL DE ENTRADA ATERRAMENTO

ITEM I J

CONDUTOR ELETRODUTO Nº

ELETR. COND.

AÇO

mm²

MULTIPLEX FASE

(NEUTRO) PROT.

PVC PVC 70ºC

- mm²

QUANT. CARGA

kW QUANT.

CARGA kW mm

4

11

14

-

-

-

2x16(25)

2x16(25)

2x16(25)

19

22

20

-

-

-

-

1

1 20,0 T35

- - 2x25(25)

15,0

T35

T16

T16

T25

25

16

16

16

16

2x35(35)

2x25(25)

2x50(50)

40

40

50

40

40

32

32

32

16

2

3

3

3

Notas : 1 – Agrupamentos que contenham uma unidade consumidora com carga instalada acima de 20kW ou mais de 3 unidades consumidoras deverão ser dimensionadas pela demanda calculada de acordo com o Capítulo 5; 2 – As seções dos condutores e diâmetros dos eletrodutos são as mínimas; 3 – O condutor de proteção liga a massa das caixas no potencial de terra; 4 – Para ramais de ligação triplex até T-16mm², utilizar poste tipo PA1 e PA4 (aço) ou PC1 e PC2 (concreto). Para triplex T-35mm² utilizar PA2 e PA5 (aço) ou PC1 e PC2 (concreto); 5 – Alternativamente ao poste de aço ou concreto poderão ser utilizados os pontaletes PT1 ou PT2 para os ramais de ligação previstos nesta norma.

Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Elétrica

GEE025 – Instalações Elétricas

92

Referências Bibliográficas 1. NBR 5410 – Instalações Elétricas de baixa Tensão (Norma Técnica ABNT). 2. COTRIM, Ademaro A. M. B., Instalações Elétricas, 4ª edição, Pearson

Prentice Hall. 3. Web Site da PIRELLI CABOS S.A., www.pirelli.com.br 4. Guia EM da NBR 5410 – revista Eletricidade Moderna. 5. CEMIG ND 5.1, Manual de Distribuição: Fornecimento de Energia Elétrica

em tensão Secundária - Rede de Distribuição Aérea Edificações Individuais.

6. CEMIG ND 5.2, Manual de Distribuição: Fornecimento de Energia Elétrica Em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea – Edificações Coletivas.

7. CARVALHO, Moisés Roberto Lanner, Instalações Elétricas de Baixa Tensão – ABACUS Informática e Engenharia.

8. Instalações Elétricas Prediais, PEA - Laboratório de Instalações Elétricas, Escola Politécnica da USP – Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas.

9. NEGRISALI, Manoel E. M., Instalações Elétricas

Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 100 páginas