Memorial Cientifico sobre a Rede Ciência para Educação, Outro de Ciências da Educação. Universidade do Sul de Minas
valmir-m-silva-fo
valmir-m-silva-fo8 de setembro de 2017

Memorial Cientifico sobre a Rede Ciência para Educação, Outro de Ciências da Educação. Universidade do Sul de Minas

DOC (2 MB)
64 páginas
11Número de visitas
Descrição
Trabalho de Conclusão da Pós Graduação em Ensino Superior
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 64

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 64 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 64 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 64 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 64 pages

baixar o documento
Modelo de projeto de TCC

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO SUL DE MINAS – UNIS MG

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA PARA O ENSINO SUPERIOR

VALMIR MACHADO DA SILVA FILHO

Rede Nacional de Ciência para Educação – CpE:

Uma Organização Inovador

Varginha 2017

VALMIR MACHADO DA SILVA FILHO

Rede Nacional de Ciência para Educação – CpE:

Uma Organização Inovador

Monografia apresentada ao curso de pós-graduação em Docência para o Ensino Superior do Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS MG como pré- requisito para obtenção do título de especialista em Docência para o Ensino Superior.

Varginha 2017

VALMIR MACHADO DA SILVA FILHO

Rede Nacional de Ciência para Educação – CpE:

Uma Organização Inovador

Monografia apresentada ao curso de pós-graduação em Docência para o Ensino Superior do Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS MG como pré- requisito para obtenção do título de especialista em Docência para o Ensino Superior pela Banca Examinadora composta pelos membros:

Aprovada em ___/___/___.

_________________________________________________________

Prof. (título ex.: Dr./Me./Esp.) Nome do professor

______________________________________________________

Prof. (título ex.: Dr./Me./Esp.) Nome do professor

_________________________________________________________

Prof. (título ex.: Dr./Me./Esp.) Nome do professor

OBS.:

Dedico esse trabalho a minha querida Mãe Matildes Pereira da Silva, que tanto dedicou sua vida, no esforço constate da minha educação. Eternas saudades do filho que sempre te ama.

AGRADECIMENTOS

Agradeço ao Portal Educação pela oportunidade de realização dessa pós- graduação da forma EAD, facilitando a minha disponibilidade para o curso Docência para o Ensino Superior, que tanto almejava realizar, juntamente com a Universidade do Sul Minas, com excelente conteúdo didático fornecido em todas as disciplinas.

“Se os governantes não construírem escolas, em 20 anos faltará dinheiro para construir presídios”.

Darcy Ribeiro

RESUMO

A Ciência e a Educação, parecem andar juntas, pois o educar é transmitir conhecimentos adquiridos principalmente pelos processos da pesquisa científica. Entretanto, usar a ciência para melhorar o processo de aprendizagem em sua prática, é algo ainda pouco aplicado, sendo um desafio o como usar mais efetivamente os dados das ciências para substanciar as práticas e políticas educacionais. A Rede Nacional da Ciência para Educação – Rede CpE, lança a proposta de unir os extremos da teoria e prática, com a aproximação de pesquisadores e cientistas que possuem algum trabalho relevante para a educação, apropinquando o laboratório para sala de aula. O trabalho de conclusão de curso de Pós-Graduação em Docência para o Ensino Superior, presta-se a expor a Organização Rede CpE, seus objetivos e proposta de trabalho, para a comunidade acadêmica, sendo ferramenta de esclarecimento e divulgação da Rede Nacional de Ciência para Educação. Buscando relacionar as concepções educacionais, junto à organização Rede CpE, e reforçando os conceitos trabalhados durante a pós-graduação, fez necessário o maior entendimento da fundamentação da Pesquisa Translacional, que é caracterizado no Quadrante Pasteur, formulado pelo cientista americano Donald E. Stokes, sugerindo que os cientistas devem buscar aplicações práticas para a pesquisa, e não apenas contribuir para o avanço do conhecimento. Dessa forma, o trabalho da Rede CpE, promove resultados de excelência nas transformações do processo educacional do país, relacionando pesquisadores teóricos e práticos, de áreas diversas. Desde sua fundação, a Rede CpE se torna agente divulgador da proposta da Pesquisa Translacional, e faz uso do mesmo, para abordar seus trabalhos, com o intuito de aproximar sempre mais a Ciência da Educação. Fato globalmente “Inovador” e inédito no Brasil, que pretende gera frutos de caráter concreto para o progresso da educação nacional. Um importante trabalho realizado foi o Censo da Rede CpE, que nos fornece um perfil nítido da relação Ciência e Educação no país. Com os resultados do Censo, a organização propõe ações concretas e específicas atividades, para atingir a sua hipótese de melhores resultados do Brasil nos índices de avaliação do ensino, feito pelo Programa Internacional de Avaliação de Estudantes – Pisa. Sobre toda o trabalho de conclusão do curso, está galgada a relação profunda dos desafios da atual educação, salientados no decorrer das disciplinas da pós-graduação para Docência do Ensino Superior.

Palavras-chave: Ciência – Educação – Quadrante Pasteur – Pesquisa Translacional - Rede

CpE.

ABSTRACT

Science and Education seem to be going together, because educating is transmitting

knowledge acquired mainly by the processes of scientific research. However, using science to

improve the learning process in its practice is still little applied, with a challenge being how

to more effectively use science data to substantiate educational practices and policies. The

National Network of Science for Education – CpE Network, launches the proposal of uniting

the extremes of theory and practice, with the approach of researchers and scientists who have

some relevant work for education, bringing the laboratory closer to the classroom. The work

of completing a postgraduate course in Teaching for Higher Education, proposes to expose

the CpE Network Organization, its objectives and work proposal, to the academic community,

being a tool for clarification and dissemination of the National Network of Science for

Education. Seeking to relate the educational conceptions, together with the organization CpE

Network, reinforcing the concepts worked during the postgraduate, made necessary a better

understanding of the concept of Translational Research, which is characterized in the

Quadrant Pasteur, formulated by the American scientist Donald E. Stokes, suggesting that

scientists should seek practical applications for research, not just contribute to the

advancement of knowledge. In this way, the work of the CpE Network promotes excellent

results in the transformations of the country's educational process, linking theoretical and

practical researchers from diverse areas. Since its foundation, the CpE Network has become

an agent for disseminating the Translational Research proposal, and makes use of it to

approach its work, with the aim of bringing science education closer. Globally "Innovative"

and unprecedented fact in Brazil, which aims to generate fruits of concrete character for the

progress of National Education. An important work was the CpE Network Census, which

provides us with a clear profile of the Science and Education relationship in the country. With

the results of the Census, the organization proposes concrete actions and specific activities, to

achieve its hypothesis of better results in Brazil in the indices of assessment of education,

made by the Program International Student Assessment - Pisa. Above all the work of

completing the course is the deep relation of the challenges of the current education,

important in the course of the post-graduation courses for Teaching Higher Education.

Keywords: Science - Education – Quadrant Pasteur - Translational Research - CpE Network.

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO......................................................................................................................9

2. REFERENCIAL TEÓRICO.................................................................................................11

2.1. Concepção Educacional e a Rede CpE..............................................................................11

2.2. O que é a Rede Nacional de Ciências para Educação – Rede CpE...................................13

2.3. Objetivos Rede CpE...........................................................................................................14

2.4. O Quadrante Pasteur..........................................................................................................15

2.5. Pesquisa Translacional e a “Grande Sacada”.....................................................................19

2.6. A Organização da Rede CpE..............................................................................................21

2.6.1. Parceiros da Rede CpE....................................................................................................23

2.6.2. Ferramenta de divulgação da Rede CpE.........................................................................23

3. MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA.........................................................................24

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO...........................................................................................25

4.1. Atividades Realizadas pela Rede CpE...............................................................................25

4.1.1. Eventos e Palestras..........................................................................................................27

4.1.2. Conclusão do Primeiro Projeto: CENSO........................................................................30

4.1.2. Disponibilidade da Plataforma CpE................................................................................37

4.1.3. Agregando valor de Excelência para a Educação Brasileira – Documento Temático.. . .37

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS................................................................................................39

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS......................................................................................42

ANEXO 1 – Estatuto da Rede Nacional para Educação...........................................................44

ANEXO 2 – Correspondência Rede CpE.................................................................................60

9

1. INTRODUÇÃO

Em novembro de 2014, um grupo inicial de 30 cientistas de universidades brasileiras,

institui a Rede Nacional de Ciência para Educação, para reunir pesquisadores que atuam em

diferentes áreas do conhecimento e que podem contribuir com o seu trabalho, para o melhor

desenvolvimento da Educação, com políticas, metodologias e atividades que proporcionem as

melhores práticas do ensino.

De forma desafiadora, a Rede Nacional de Ciências para Educação – Rede CpE

viabiliza a melhor forma de levar a pesquisa realizada em laboratório para a sala de aula,

ampliando a visibilidade e aplicabilidade do trabalho científico que podem ser destinados a

Educação.

A realização desse trabalho de conclusão do curso de pós-graduação em Docência para

o Ensino Superior, tem como premissa trazer os elementos que fundamentam o trabalho da

Rede CpE, dentro do âmbito filosófico, teórico e prático educacional, e a aspiração da

organização para a aplicação da Pesquisa Translacional.

Os novos desafios exigidos pela educação nacional, com o maior ritmo dos processos

de desenvolvimento científico, da tecnológico e das mídias de comunicação, veem impor uma

postura decisiva, junto as instituições educacionais, de promover, cada vez mais, a integração

ciência e educação, com a projeção de estudos e experiências científicas, para a obtenção de

resultados de excelência e de valores agregados para os processos educacionais.

Através dos conceitos dos diferentes níveis de concepções educacionais abordados

durante o curso de pós-graduação em Docência para o Ensino Superior, o trabalho se propõe a

apresentar os desafios da Educação atual, diante da velocidade das atividades de pesquisa

científica, destacando as abordagens que identificam a proposta de trabalho da Rede Nacional

de Ciência para Educação, para propiciar o melhor desenvolvimento do ensino e

aprendizagem, nas instituições educacionais do país.

10

Para o entendimento da proposta da Rede CpE, é necessário a fundamentação e

compreensão do “Quadrante Pasteur”, cuja concepção foi estruturada pelo cientista americano

Donald Stokes, e a qual conceitua diretamente a argumentação da Pesquisa Transacional.

O Site da Rede CpE na internet, plataformas de redes sociais, mídia digitais,

forneceram conteúdo para a pesquisa e análise das atividades realizadas pela organização da

Rede Nacional de Ciência para Educação. E de posse desse material confiável, foram

descritos o que é a organização Rede CpE, os seus objetivos, os principais parceiros, suas

atividades e os resultados obtidos com os seus trabalhos.

O contato com a Rede CpE tornou-se imprescindível, para o desenvolvimento da

pesquisa, com orientações e fornecimento de materiais informativos pela organização da Rede

Nacional de Ciência para Educação, que abordavam questões do âmbito organizacional e

funcional, firmando o caráter conciso das informações fornecidas por esse trabalho.

Oportunizando, esse trabalho, também se aprecia como ferramenta para divulgação

dessa inovadora organização de desenvolvimento da integração da Ciência para Educação.

11

2. REFERENCIAL TEÓRICO

2.1. Concepção Educacional e a Rede CpE

Como citado na disciplina do curso de pós-graduação, as concepções educacionais

envolvem três níveis:

- O nível filosófico, onde explicita as finalidades, valores das visões do homem, do

mundo e da sociedade, orientando a compreensão do fenômeno da educação;

- O nível teórico, que sistematiza os métodos, processos e procedimentos garantindo a

eficácia;

- O nível prático, que é o modo de como a organização realiza o ato de educar.

(FEREIRA e GIOVANNA, 2016, p.13)

Nas diferentes perspectivas desses níveis de concepções, foram realizadas diferentes

abordagens pedagógicas ao longo da história, na intenção de promover pensamentos, métodos

e praticidade na educação do homem, seguindo interesses socioeconômicos, que refletiam as

caraterísticas históricas vivenciadas pelo indivíduo.

Sobre a sociedade contemporânea, Bandechi ressalta a realidade do volume de

informação e destaca o papel do docente:

Na sociedade contemporânea, o número de informações é imenso e o acúmulo destas, associadas a condições e contextos adequados, pode promover o conhecimento. No entanto, o mesmo pode ser utilizado como poder de dominação, pois o acesso a esse conhecimento não se dá de forma democrática para todos os indivíduos. [...] É preciso dar destaque a personagens que desenvolvam com compromisso social e político o processo de mediação entre a sociedade da informação e do conhecimento e os educandos, construindo o processo educativo através de um diálogo compartilhado (BANDECHI, 2008, p. 23-24).

12

No destaque supracitado, do personagem docente, que possui compromisso sócio-

político, pode-se identificar as características da pedagogia histórico-crítica, na qual se

entende a educação como mediação no seio da prática social global, onde professores e alunos

se encontram inseridos, ocupando, porém, posições distintas, para que se trave uma relação

fecunda na compreensão e encaminhamento das soluções dos problemas postos pela prática

social (SAVIANI, 2005, p. 26).

Condicente com esse aspecto, ver-se a necessidade da maior integração das atividades

da pesquisa científica, junto a educação, para a promoção da eficácia dos resultados da

atividade pedagógica inserida na sociedade. Esse fato, configurou-se como um forte fator

impulsionador para a formação da Rede Nacional de Ciências para Educação, como abordado

na Carta de Fundação da organização:

Assim, um forte impulsionador da inovação na educação é a pesquisa científica focada em como os seres humanos ensinam e aprendem. O desafio é: como usar mais efetivamente os dados das ciências para substanciar as práticas e políticas educacionais, e, por outro lado, como usar o conhecimento e a experiência adquiridos na prática educacional para levantar questões que testem e refinem a pesquisa conduzida sobre a educação (CARTA DE FUNDAÇÃO CpE, 2014).

Dessa forma, a Rede CpE configura-se numa organização inovadora, de caráter ativo

para mudança do sistema educacional nacional, utilizando-se da pesquisa científica para

adequar as melhores práticas pedagógicas do processo educacional.

13

2.2. O que é a Rede Nacional de Ciências para Educação – Rede CpE

A Rede Nacional de Ciências para Educação é uma organização sem fins lucrativos,

dotada de pessoa jurídica de direito privado, tendo como sede o Estado do Rio de Janeiro,

possuindo atuação no âmbito nacional, para atividades de pesquisa, ciências, educação,

consultoria, com foco na integração da ciência e educação.

O trabalho realizado pela Rede CpE, é fundamentado por inúmeras referências

bibliográficas, mas para o desenvolvimento desse trabalho, foi focado as principais

referências utilizadas no decorrer do curso de pós-graduação, e nas referências proposta pela

Rede CpE.

A Rede Nacional de Ciência para Educação, fundada em novembro de 2014,

subscritos inicialmente por 30 cientistas de universidades do Brasil, tem como objetivo

principal integrar laboratórios e pesquisadores, que atuam em diferentes especialidades, mas

cujos trabalhos podem ser aplicados para a Educação, como também profissionais inovadores

com seus trabalhos que possuem aplicações no âmbito educacional. A Rede CpE vem

resguardar o grupo de cientistas envolvidos na organização, do possível equívoco de não

serem agentes de mudanças no processo educacional, como citado por Candotti:

[...] à necessidade de atualizar os conteúdos dos textos de ensino e à contribuição que os cientistas podem dar nesse sentido. [...] Novamente, se há caminhos cruzados nos bosques da educação, os cientistas devem o quanto antes participar desse debate. É uma responsabilidade que lhes será cobrada pelos jovens, quando – tarde – descobrirem o equívoco. (CANDOTTI, 2002, p.23).

Dois grandes problemas da educação nacional, foram contemplados pela Rede CpE:

(1) A falta de enfoques integrativos e interdisciplinares que abordam as várias

complexidades acerca do ensino e aprendizagem; e

(2) A falda de evidências quanto a forma de ensinar e educar, que venha a conduzir

políticas educacionais mais eficientes e realistas com a sociedade.

14

2.3. Objetivos Rede CpE

Vivenciando esses desafios, a Rede Nacional de Ciência para Educação propôs

perseguir os seguintes objetivos, como citados em sua Carta de Fundação (2014):

(1) Estimular e realizar novas pesquisas científicas a partir de evidências empíricas

trazidas por educadores, de modo a encontrar suas bases factuais;

(2) Fomentar experimentos em sala de aula que busquem testar hipóteses pedagógicas

rigorosamente, via desenhos experimentais semelhantes a ensaios clínicos, com o

objetivo de otimizar o aprendizado escolar;

(3) Promover a aproximação entre os pesquisadores e laboratórios, membros da rede,

de forma a fomentar projetos em comum, de preferência interdisciplinares;

(4) Promover encontros periódicos – nacionais e internacionais - para realizar debates

de alto nível entre pesquisadores, gestores, elaboradores de políticas educacionais

e educadores, sobre pesquisas recentes em aprendizagem e suas implicações

práticas;

(5) Sensibilizar os ministérios, agências de fomento, e organizações do terceiro setor

para a importância de dirigirem sua atenção e recursos de modo a estimular a

pesquisa translacional para a educação;

(6) Elaborar um levantamento censitário dos grupos de pesquisa existentes no país,

cuja temática e produção científica têm potencialidade para serem aplicados na

educação, para dispor de uma base de dados sobre a massa crítica brasileira e sua

produção nas diversas disciplinas;

(7) Elaborar documentos em diversas mídias sobre os dados científicos debatidos e

suas possíveis aplicações, e torná-los disponíveis para amplo acesso;

15

(8) Fomentar a abertura de disciplinas científicas que contribuam para o processo

ensino-aprendizagem, nas licenciaturas e demais cursos de formação de

professores (graduação e pós-graduação);

(9) Divulgar suas atividades por meio de sítio na internet, das redes sociais e outras

mídias de comunicação digital ou impressa;

É importante destacar que tanto as aspirações, como também os objetivos que

norteiam a Rede CpE, veem da Pesquisa Translacional.

2.4. O Quadrante Pasteur

Antes de conceituar sobre a Pesquisa Translacional, faz-se necessário entender o

conceito do Quadrante Pasteur, criado pelo cientista americano Donald Stokes.

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, o mundo pós-guerra encontrava-se numa

nova realidade quanto a pesquisa científica, que primordialmente servia a interesses voltados

ao armamento ibérico, sobre as primícias militares e aos efervescentes setores de produção, e

muito pouco voltado ao progresso social.

Um ano antes do término da Segunda Guerra, com a preocupação de quais rumos

seriam dados a pesquisa científica, o presidente norte-americano Franklin Roosevelt,

encomendou ao Vannevar Bush, que era o diretor do Escritório de Pesquisa e

Desenvolvimento, quais seriam as diretrizes impulsionadoras para a pesquisa científica em

tempos de paz. Surge então a avalição “Science, The Endless Frontier”, conhecida como “O

Relatório de Bush”, estabelecendo uma visão de como os Estados Unidos poderiam manter

seu desenvolvimento em pesquisa científica quando a guerra tivesse acabado, cuja visão da

ciência básica e de sua relação com a inovação tecnológica tornou-se o alicerce da política

científica estadunidense para as décadas seguintes (BOTELHO, 2009).

16

Estabeleceu-se dessa forma o paradigma da relação entre pesquisa científica e

desenvolvimento tecnológico estadunidense, onde a produção da pesquisa científica básica,

termo cunhado por Bush, em grande número e qualidade, levaria ao desenvolvimento

tecnológico da nação. O uso do conhecimento adquirido na pesquisa básica, sobre um

processo linear, criaria produtos e serviços, que seriam os fatores impulsionadores do

crescimento tecnológico. Portanto, em papeis distintos, pelo que ficou defino de

“transferência de conhecimento”, a pesquisa básica para a aplicada, apresentariam seus

resultados sobre a tecnologia, mas permaneceriam separadas, não podendo a atividade

científica estar próxima de um dos polos, sem está distante do outro.

Figura 01- Processo linear da pesquisa cientifica

Fonte: (STOKES, 2005)

Este é o primeiro cânone, grande máxima, estabelecido por Bush, onde a pesquisa

básica é realizada sem se pensar em fins práticos, exprimindo a crença de que, a criatividade

da ciência básica seria perdida, se fosse constrangida por um pensamento prematuro sobre sua

utilidade prática.

No segundo cânone de Bush, a dinâmica para o processo de ascensão tecnológica,

permanece a conservação da distinção das atividades da pesquisa, onde a pesquisa básica é

precursora do progresso tecnológico, para a obtenção de Produtos e Serviços, assumindo a

cresça de que, estando a pesquisa básica livre de considerações prematuras sobre a utilidade,

ela provará ser uma remota, porém, poderosa geradora de progresso tecnológico, à medida

que a pesquisa aplicada e o desenvolvimento forem convertendo as descobertas da ciência

básica, em inovações tecnológicas capazes de satisfazer toda a gama de necessidades da

sociedade: econômicas, de defesa, de saúde e outras (BOTELHO, 2016).

Figura 02- Percurso do progresso tecnológico.

Fonte: (STOKES, 2005)

17

Questionando o paradigma pós-guerra estabelecido no “Relatório de Bush”, o cientista

político americano Donald E. Stokes1, apresenta argumentos para desfazer o pensamento

generalizado de que a pesquisa básica deve permanecer desconectada da aplicabilidade como

relata por, Antônio José Botelho, sobre a visão de Stokes:

Assim Stokes entende que a tensão inerente entre os objetivos de entendimento em geral e de utilização aplicada faz uma determinada atividade de pesquisa pertencer a uma ou outra dessas categorias, mas não a ambas. Um conflito inerente entre os objetivos da pesquisa básica e os da aplicada mantém, segundo se acredita, uma fronteira empírica entre os dois tipos de investigação. (BOTELHO, 2009)

Donald E. Stokes, constata em seu livro “O Quadrante Pasteur: a ciência básica e a

inovação tecnológica”, que a separação da pesquisa básica e aplicada, provem do paradigma

estabelecido pelo pós-guerra da visão política da ciência e tecnologia, e que examinando

processos atuais sobre pesquisas, ainda permeiam a crença de que são categorias distintas.

Com o intuito de desconstrução do paradigma, objetivo principal deste seu livro,

Stokes apresenta que, mesmo existindo distinção de pesquisas que se voltam a fundamentação

de fenômenos e esclarecimentos teóricos, e outras a aplicabilidade do conhecimento, existem

também situações onde ambos eventos coexistem, na produção de grande valor agregado.

Dessa observação, constrói graficamente quadrantes que caracterizam a concomitância

da presença da pesquisa básica e aplicada, sem distintas fronteiras, nomeando os quadrantes

com nomes de cientistas que se destacaram na história, por produzirem conteúdos mais

teóricos ou práticos ou ambos. Os quadrantes são coordenados na abscissa pela “consideração

do uso”, enquanto a ordenada pela “busca do entendimento fundamental”.

1 Cientista político, falecido em 1997, foi decano da Woodrow Wilson School of Public and International Affairs da Universidade de Princeton. Coordenou cursos de pós-graduação na Universidade de Michigan e assessor da Nacional Science Foundation, e estagiou no Research Institute of International Trade and Industry de Tókio e no Science Policy Research Unit da Universidade de Sussex - Inglaterra.

18

Figura 03- Quadrantes de Stokes .

Fonte: (STOKES, 2005)

Portanto, Stokes caracteriza o quadrante esquerdo superior do gráfico como pesquisa

básica, conduzida apenas pelo entendimento, chamando-o de “Quadrante Bohr”, cientistas

que estruturou o modelo do átomo, com o proposito principal de teorizar suas observações,

sendo uma pura viagem de descoberta, sem definir qual seria a extensão das mudanças para o

mundo decorrente da sua pesquisa.

No quadrante direito inferior, está a pesquisa destinada ao uso, para a aplicação,

nomeando como “Quadrante Edson”, nome do cientista descobridor da lâmpada, Thomas

Edson, que se caracterizou por descobertas revolucionarias para o mundo, sem profundas

explicações científicas dos fenômenos ocorridos em seus eventos.

No quadrante superior direito, está a pesquisa que busca entender as fronteiras do

conhecimento e possui uma expectativa de aplicabilidade prévia, chamando de “Quadrante

Pasteur”, cientista que desenvolveu trabalhos no ramo da química e medicina, como o

processo de pasteurização, onde combinaram os objetivos de conhecimento teórico e o seu

uso prático.

O quadrante inferior esquerdo, não está vazio, nele destina-se pesquisas que não

possuem pretensões de teorização ou de aplicabilidade, mas apresenta características

sistemáticas de observação do investigador sobre um interesse particular, podendo ser um

percussor da pesquisa básica.

19

2.5. Pesquisa Translacional e a “Grande Sacada”

Sobre os parâmetros de desconstrução do paradigma pós-guerra da pesquisa científica,

feita por Donald E. Stokes, pode-se posicionar a Pesquisa Translacional no Quadrante Pasteur,

o qual coexistem pesquisa básica e de uso, durante o seu desenvolvimento.

A Pesquisa Translacional, provem de pesquisas interdisciplinares na área da medicina,

sendo esta, a área do Coordenador da Comissão Executiva e fundador da Rede CpE, Doutor

Roberto Lent2. Segundo Guimarães, a “Pesquisa Translacional”, “medicina translacional” ou

“ciência translacional” busca:

[...] promover pesquisa interdisciplinar e acelerar a troca bidirecional entre ciência básica e clínica para mover os achados de pesquisa básica do laboratório para ambientes aplicados envolvendo pacientes e populações. Desde então a noção de Pesquisa Translacional foi incorporando mais e mais “etapas” na cadeia de conhecimento, transbordando de aspectos inerentes à pesquisa e desenvolvimento, chegando a englobar processos produtivos e mesmo a incorporação de novos produtos e processos nas práticas de cuidado à saúde (GUIMARÃES, 2013, p.1732).

Como definido pelo próprio fundador da Rede CpE, Doutor Roberto Lent, em

entrevista dada ao Portal dos Fármacos, no ano de 2009, a pesquisa translacional é um termo

que se dá para a pesquisa que vai desde a bancada e experimentos com animais, até a beira do

leito e experiências clínicas. É um tipo de pesquisa que se desenvolve horizontalmente, desde

o ratinho até o experimento de aplicação com doentes.

Há, portanto, uma consolidação dos conceitos de Donald E. Stokes, sobre pesquisa

fundamental e inspirada no uso, posição no Quadrante Pasteur, onde se prefigura a própria

pesquisa translacional nas áreas da saúde, como também nas áreas das engenharias, seguindo-

se da agregação de valor para o mercado e sociedade.

2 Roberto Lent: Graduado em Medicina pela UFRJ, com Mestrado e o Doutorado no Instituto de Biofísica (UFRJ), e pós-doutoramento no Massachusetts Institute of Technology. É Professor Titular da UFRJ, Membro Titular da Academia Brasileira de Ciências, Pesquisador 1A do CNPq, e Cientista do Nosso Estado da FAPERJ. Na UFRJ, chefia o Laboratório de Neuroplasticidade do Instituto de Ciências Biomédicas. Possui numerosos trabalhos científicos sobre desenvolvimento, plasticidade e evolução do cérebro, bem como livros de divulgação da neurociência para adultos e crianças.

20

Esse conceito, entendido como um arco que se estende da pesquisa básica ou fundamental, até a inovação e o desenvolvimento de tecnologias com inserção no mercado, estimula os agentes financiadores da pesquisa científica (públicos e privados), bem como os cientistas também, a orientar seus esforços a linhas de trabalho balizadas por potenciais aplicações de interesse social. (LENT, 2016, p.1)

Dessa forma, a Pesquisa Translacional liga o pesquisador e as instituições de pesquisa,

ao local de aplicação e uso da pesquisa, como hospitais, clinas, indústrias, sendo

intermediados por empresários, startups ou sistemas governamentais formuladores de

políticas públicas.

O documento da Rede CpE, “CpE, O que é?”, de autoria de Roberto Lent,

coordenador da Rede CpE, reconhece que essa estruturação, da Pesquisa Translacional para a

saúde, se capitalizou, e que nas últimas décadas, a saúde avançou, mesmo diante das

desigualdades internacionais e dificuldades internas no país. Mas, o mesmo não pode ser

observado para a área da Educação.

Existe uma grande desconexão do conhecimento adquirido pela pesquisa básica e a

sua aplicação. Por exemplo, os estudos de como é processado o pensamento, como são as

formas de articulação da aprendizagem e os possíveis mecanismos para a sua aceleração, não

possuem uma avaliação dos seus impactos na economia e no desenvolvimento social, ou das

aplicações da tecnologia que tornariam mais fáceis o ensino e a adequação do discente a uma

sociedade cada vez mais automatizada e informatizada. Como relatado pela Rede CpE:

Os atores que se criaram para a Saúde e as Engenharias não apareceram ainda para a Educação, e as incipientes tentativas de conectar a ciência das universidades e instituições de pesquisa com a sala-de-aula não lograram sucesso na multiplicação de iniciativas do setor produtivo, como foi o caso da Saúde. Talvez por conta dessa omissão, pelo menos parcialmente, o progresso dos indicadores educacionais brasileiros tem sido tão modesto, embora positivo, mantendo-se o gap em relação aos países mais arrojados nesse particular, como a Finlândia, Coreia do Sul, Cingapura, Polônia e outros. (LENT, 2016, p.2)

Apresentando dados mais atualizados sobre a performance do Brasil na Educação,

pelo último resultado da avaliação feitos em 2015, e apresentado em dezembro de 2016,

fornecido pelo Programa Internacional de Avaliação de Estudantes – Pisa, o Brasil apresentou

queda nas três categorias de avaliação (ciências, leitura e matemática), sendo a segunda queda

consecutiva, depois de um período, de 2000 a 2010, com resultados estagnados, sem

mudanças, e de baixas médias

21

Segue os indicadores da Pisa para o Brasil, em comparação com a média da

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico - OCDE.

Figura 04- O indicador principal para as três áreas temáticas: (1) ciência, (2) matemática e (2) leitura. O desempenho médio refere-se a todos os estudantes de 15 anos de idade de um país/economia, independentemente do tipo de escola e grau frequentado. Pequenas diferenças entre países e ao longo do tempo podem ser estatisticamente insignificantes.

Fonte: PISA Site, 2015.

Na observação da necessidade de melhor performance nos resultados da avaliação

Pisa, e da falta da aplicabilidade de grande quantidade de pesquisa científica, com potencial

atuação na Educação, a “Grande Sacada” da Rede Nacional de Ciência para Educação, é

pautar-se sobre a Pesquisa Transacional, desenvolvendo trabalhos para atingir objetivos que

fazem o desenvolvimento da pesquisa cientifica básica, atingir as salas de aula, na promoção

de resultados positivos no ensino educacional do país, seja por atuação direta na metodologia

de ensino, com palestra, eventos e treinamentos profissionais, como também influenciando o

governo sobre políticas públicas mais eficientes para a educação.

2.6. A Organização da Rede CpE

A Organização da Rede Nacional de Ciência para Educação, tem sua sede e foro na

Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, à Avenida Carlos Chagas 373, Bloco F,

CEP 21941-902, mas em seu Estatuto, no artigo 2º., estabelecem que podem abrir, transferir

ou extinguir diferentes domicílios, filiais e escritórios, bem como nomear representantes em

qualquer ponto do Território Nacional ou no Exterior. Em “Parágrafo único”, a principal

unidade de Pesquisa e Ensino será o Centro Nacional de Ciência para Educação (CENTRO

CpE), a ser constituído mediante convênio específico com o Instituto de Ciências Biomédicas

da Universidade Federal do Rio de Janeiro, com atribuições necessariamente incluídas dentro

dos objetivos da REDE CpE.

22

É garantida a posição alheia a manifestação político-partidária e a religião, sendo

proibido a manifestação em sua sede social e outras dependências que, eventualmente,

venham a estar sob sua responsabilidade e/ou domínio, segundo o artigo 6º. do Estatuto da

organização.

No capítulo III, artigo 11 do Estatuto da organização, é definido a categoria de

associados e filiados a Rede Nacional de Ciência para Educação. Os Associados podem ser:

(a) Associados Fundadores, membros que participaram da Assembleia de fundação, e

assinaram a ata correspondente, (b) Associados Parceiros, pessoas físicas ou jurídicas que

tenham prestado serviços de grande relevância à REDE CpE, com ou sem auxílio financeiro,

aprovados pela Coordenação e confirmados pelo Conselho de Administração, e (c)

Associados Pesquisadores, as pessoas físicas que lideram grupos de pesquisa em qualquer

disciplina científica, com projetos translacionais à Educação, em estreita relação com a REDE

CpE.

No artigo 17º., complementarmente aos associados, a REDE CpE poderá agregar

afiliados, dentre pessoas físicas que não lideram grupos de pesquisa, preferencialmente

educadores, professores ou gestores educacionais, que de algum modo se interessam pelos

objetivos e pelas atividades da REDE CpE.

Em seu site na internet, existe a possibilidade de professores não pesquisadores,

gestores ou interessados em educação e ciência, serem “Amigos da Rede CpE” e se cadastrar

para receber informações sobre suas atividades.

Seguindo-se sobre o Estatuto, em Anexo 1, pode ser observado toda a preocupação e

seriedade da organização, em demonstra suas responsabilidades como pessoa jurídica diante

da sociedade, firmando uma postura ética e profissional sobre a organização.

23

2.6.1. Parceiros da Rede CpE

Atualmente os principais parceiros da organização são:

(1) Instituto Airton Sena: < http://www.institutoayrtonsenna.org.br/> ;

(2) Instituto de Ciências Biomédicas UFRJ – ICB: < http://www.icb.ufrj.br/>;

(3) Instituto Dor de Pesquisa e Ensino: < http://www.idor.org/>;

(4) Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial – EMBRAPII:

<http://embrapii.org.br/>.

2.6.2. Ferramenta de divulgação da Rede CpE

A Rede Nacional de Ciência para a Educação, mantem um site na internet para

divulgação de sua proposta de trabalho, descrição da organização e seus objetivos, sendo

também meio de divulgação dos seus eventos, trabalhos realizados, disponibilizando

plataforma específica de pesquisa e apresentação de resultados obtidos.

O endereço eletrônico para acesso é < http://cienciaparaeducacao.org/>.

É também mantido uma conta na rede social do Facebook,

<https://www.facebook.com/RedeCpE/>, para manter maior proximidade do público das

redes sociais, divulgando seu trabalhos e eventos. Também existem o contado por e-mails

juntos a Associados, Filiados e Amigos, para comunicações específicas e divulgações de

trabalho.

24

3. MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA

A elaboração do trabalho de conclusão da pós-graduação em Docência para o Ensino

Superior, pauta-se numa abordagem metodológica qualitativa, pois, como afirma Moisés

(1994), este tipo de investigação nos permite um enlace constante e permanente entre teoria e

prática durante o desenrolar do trabalho, sendo verificado os princípios que nortearam a

implantação e as atividades realizadas pela Rede Nacional de Ciências para Educação, e nesse

processo, identificando os conceitos voltados para o melhor desenvolvimento educacional.

Portanto, a pesquisa documental – bibliográfica, serve de base para a elaboração do

trabalho, seguindo a distinção definida por Fonseca (2002), onde a pesquisa bibliográfica é

feita a partir do levantamento de referências teóricas já analisadas, e publicadas por meios

escritos e eletrônicos, como livros, artigos científicos, páginas de web sites. Enquanto a

pesquisa documental refere-se:

A pesquisa documental recorre a fontes mais diversificadas e dispersas, sem tratamento analítico, tais como: tabelas estatísticas, jornais, revistas, relatórios, documentos oficiais, cartas, filmes, fotografias, pinturas, tapeçarias, relatórios de empresas, vídeos de programas de televisão, etc. (FONSECA, 2002, p. 32).

Também seguiu o desenvolvimento desse trabalho a aplicação de contato com a

organização da Rede Nacional de Ciência para Educação, que se deu por meios eletrônicos, e-

mail e rede social Facebook, como intuito de maiores esclarecimentos sobre a organização,

além de obter informações quanto a resultados de trabalhos e perspectivas futuras de atuação

da rede.

Sobre essa base metodológica realizou-se o desenvolvimento do trabalho, garantindo a

integridade e confiabilidade dos dados e conceitos expostos, respeitando as autorias citadas e

a autenticidade da elaboração pelo autor.

comentários (0)

Até o momento nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar!

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 64 pages

baixar o documento