Mensuração e gerenciamento de floresta, Notas de estudo de Engenharia Florestal
lino-vieira-4
lino-vieira-4

Mensuração e gerenciamento de floresta, Notas de estudo de Engenharia Florestal

36 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
Descrição
A determinação da idade ótima de corte de uma árvore ou floresta exige a explicitação do que se considera como idade ótima. Sabemos que a escolha de uma determinada idade de corte pode maximizar a produção anual média de uma floresta, mas não necessariamente o resultado econômico.
60 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 36
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 36 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 36 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 36 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 36 páginas
Microsoft Word - Documentos florestais n5.doc

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA “LUIZ DE QUEIROZ”

Departamento de Ciências Florestais

MENSURAÇÃO e GERENCIAMENTO de PEQUENAS FLORESTAS

Hilton Thadeu Z. do Couto João Luís Ferreira Batista Luiz Carlos E. Rodrigues

DOCUMENTOS FLORESTAIS Piracicaba (5): 1-37, nov.1989

"DOCUMENTOS FLORESTAIS" é o veículo de divulgação de textos elaborados pelo corpo docente do Departamento de Ciências Florestais da ESALQ/USP e aceitará para publicação, os seguintes tipos de trabalhos: a) Monografias e outros textos que enfoquem temas relacionados com a ciência florestal e voltados para a atualização científica e enriquecimento do conteúdo programático das disciplinas do curso de Engenharia Florestal e do curso de Pós- Graduação em Ciências Florestais; b) Trabalhos destinados à difusão de informações técnicas visando a atividades de educação e extensão florestal; c) Material destinado à divulgação das atividades de pesquisa e extensão realizadas no Depto. de Ciências Florestais, que apresentem algum interesse para a comunidade florestal. COMISSÃO EDITORIAL: Luiz Carlos Estraviz Rodriguez Márcio Roberto Gaiotto Walter de Paula Lima Fábio Poggiani ENDEREÇO:

Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" - USP Departamento de Ciências Florestais Av. Pádua Dias, 11 Caixa Postal 9 13400 Piracicaba - SP

MENSURAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PEQUENAS FLORESTAS

1. DETERMINAÇÃO DA IDADE ÓTIMA DE CORTE A determinação da idade ótima de corte de uma árvore ou floresta exige a explicitação do que se considera como idade ótima. Sabemos que a escolha de uma determinada idade de corte pode maximizar a produção anual média de uma floresta, masnão necessariamente o resultado econômico. Desta forma, definiremos duas idades ótimas de corte: aquela que maximiza a produção anual média (obtida pelo método de maximização do incremento médio anual) e aquela que maximiza o resultado econômico da floresta (obtida por métodos de determinação da maturidade financeira). 1.1. Método de Maximização do Incremento Médio Anual A Figura 1, através de uma representação teórica, mostra, no gráfico superior, o crescimento de uma floresta em volume ao longo do tempo. Considerando a idade da floresta um fator de produção, nota-se nessa curva o efeito de uma lei bastante conhecida em economia: a lei dos rendimentos decrescentes. A ocorrência desse fenômeno é fundamental para a validade dos conceitos que serão apresentados. Juntamente com a curva de crescimento em volume, a Figura 1 mostra também as curvas de incremento corrente anual (ICA) e incremento médio anual (IMA). Denomina-se ICA ao crescimento em volume ocorrido no período de um ano, e IMA ao resultado da divisão do volume pela idade da floresta. Deve ser notado que a curva de ICA atinge um máximo antes da curva de IMA, e que as duas curvas se cruzam no ponto de máximo IMA. Graficamente o ponto de máximo IMA corresponde ao ponto na curva de crescimento tangenciado por uma reta que sai da origem (ponto B).

1 Determinar a idade 6tima de corte através deste critério implica, portanto, no corte da floresta quando esta atingir a idade de máximo IMA. Justifica-se o emprego deste método se considerar-mos que ao longo de várias rotações florestais estaremos, em média, extraindo o maior volume possível. Analisemos o exemplo apresentado na Tabela 1. A tabela apresenta, para uma floresta teórica, o volume total de madeira aproveitável (VT), e o correspondente incremento corrente anual (ICA) e incremento médio anual (IMA).

1 Aumentando-se em quantidades iguais o nível de um fator de produção – enquanto o nível dos demais e a tecnologia permanecem constantes – as quantidades correspondentes do produto aumentarão, mas, além de um certo nível, esses aumentos serão cada vez menores.

Tabela 1

Idade (anos)

VT (m3/ha)

ICA (m3/ha)

IMA (m3/ha)

3 4 5 6 7 8 9

10 11 12 13 14 15 16 17 18

0,7 10,9 20,5 88,0

131,5 179,5 230,2 282,0 333,1 382,0 426,8 466,0 497,7 520,4 532,4 532,4

- 20,2 29,6 37,4 43,6 48,0 50,7 51,8 51,1 48,8 44,8 39,1 31,8 22,7 12,0 0,0

0,2 5,2

10,1 14,7 18,8 22,4 25,6 28,2 30,3 31,8 32,8 33,3 33,2 32,5 31,3 29,6

Observamos que a árvore para de crescer do 17o para o 18o ano, que o maior ICA ocorre do 9o para o 10o ano e que com 14 anos a árvore apresenta o maior IMA. Sabemos, entretanto, que a idade que maximiza o IMA está entre 14 e 15 anos, pois enquanto o ICA for maior que o IMA a árvore não terá atingido o máximo IMA. Este critério recomendaria corte quando a floresta estivesse com 14 a 15 anos de idade. 1.2. Método de Determinação da Maturidade Financeira A determinação da maturidade financeira de um povoamento florestal apresenta similaridade com o problema de determinação do término de uma convenção. O encerramento de uma convenção é imposto pela necessidade dos participantes voltarem aos seus locais de origem e pela necessidade de se liberar o espaço ocupado pelo evento. O problema é otimizar a duração do evento de tal forma a conciliar necessidades, custos e benefícios. Para solucionar este problema podemos lançar mão da análise marginal, bastante utilizada em economia. Cada hora a mais de reunião traz, no começo, benefícios crescentes. Isto, entretanto, não se mantém e tem início uma nova fase de benefícios marginais decrescentes (a satisfação resultante de uma hora a mais é cada vez menor). Em determinado momento o benefício marginal de estar mais uma hora na convenção se torna igual ao custo, e depois menor, não sendo mais interessante prolongar o evento. Determinar o momento ótimo de encerramento da convenção é, portanto, encontrar o instante exato em que prolongar por mais uma hora o evento resulta em custos e benefícios idênticos. Analogamente, o problema de determinação da maturidade financeira de uma floresta apresenta um momento cujo custo de mante-la em pé por mais um ano é igual ao benefício econômico da espera. O custo marginal (manter por mais um ano a floresta em pé) inclue o custo de ocupação do solo por mais um ano (renda da terra) e os juros que seriam pagos

sobre o capital proveniente da exploração da floresta caso não se prolongasse mais a sua existência (custo de oportunidade do capital florestal). A consideração simultânea destes dois custos envolveria uma análise mais complexa e detalhada do assunto, e seriam necessários conceitos avançados de matemática financeira para apresentação c discussão do método mais recomendado2. Para efeito deste curso, entretanto, estaremos preocupados apenas com o dilema financeiro de se manter a floresta em pé ou, mais especificamente com o custo de oportunidade do capital representado pela floresta em pé.

Regra de Decisão: Um povoamento florestal está financeiramente maduro quando a sua taxa anual de incremento em valor se torna igual à taxa anual de juros paga pela melhor opção alternativa.

Para estudar esta afirmação utilizaremos os dados já apresentados na Tabela 1, supondo que cada m3 de madeira vale $ 10,00. A Tabela 2 apresenta o valor da floresta (VF = $ 10,00 x VT) o incrmento no valor da floresta (IVF = VFt+1 – VFt) e a variação percentual do valor

da floresta a cada ano 100) x 1) - VF

VF ( %(

t

1t+=∆ .

2 Neste sentido, Martin Faustmann apresentou em 1849 uma das maiores contribuições, ao solucionar qual deveria ser o valor das terras florestais para efeito de taxação (GANE, 1968). Este método, hoje incorporado à literatura como VET - valor esperado da terra, também conhecido como renda esperada do solo, "bare land value", "soil expectation value", "land expectation value" ou fórmula de Faustmann - consiste em maximizar o valor, presente de uma série periódica e infinita de pagamentos, sendo que estes representam as receitas líquidas oriundas de uma rotação florestal. A idade ótima de corte ou maturidade financeira do povoamento florestal é obtida ao se verificar que rotação resulta no maior VET. Para uma apresentação mais derivada do VET ver RODRIGUEZ (1989). Para um aprofundamento no assunto sugere-se a leitura de NEWMAN (1988), SAMUELSON (1976), BENTLEY & TEEGUARDEN (1965) e BERGER (1985).

Tabela 2

Idade (anos)

VF ($/ha)

IVF ($/ha)

% 1 (%) 1

3 4 5 6 7 8 9

10 11 12 13 14 15 16 17 18

7,4 208,9 505,3 879,7

1.315,2 1.795,0 2.302,2 2.820,0 3.331,5 3.819,8 4.268,1 4.659,5 4.977,2 5.204,3 5.323,9 5.323,9

 201,5 296,4 374,4 435,5 479,8 507,2 517,8 511,5 488,3 448,3 391,4 317,7 227,1 119,6

0,0

 1 2.726,9 1

141,9 1 74,1 1 49,5 1 36,5 1 28,3 1 22,5 1 18,1 1 14,7 1 11,7 1

9,2 1 6,8 1 4,6 1 2,3 1 0,0 1

Observamos que a árvore apresenta o maior valor de venda aos 17 ou 18 anos, que o maior incremento no valor da árvore se dá entre o 9º e o 10º ano, e que a variação percentural no valor da floresta decresce de ano para ano. Para determinação da idade ótima de corte precisamos usar como parâmetro o custo de oportunidade do capital, ou seja, a taxa de juros que seria paga ao capital resultante da venda da floresta se este fosse aplicado na melhor opção alternativa de investimento.

FIGURA 2

VARIAÇÃO ANUAL PERCENTUAL DA FLORESTA

Vamos supor que o custo de oportunidade do capital é de 12%. Não compensa manter a floresta em pé até completar 13 anos de idade, pois mante-la resulta numa valorização menor do capital do que se o aplicassemos na melhor opção alternativa de investimento. O gráfico da Figura 2 ilustra esta situação. Nesta análise, é importante notar a função do custo de oportunidade do capital (taxa de juros utilizada para tomar a decisão de corte). Só compensará cortar a floresta se efetivamente o capital auferido com a venda da madeira puder ser aplicado à taxa utilizada. 2. CUBAGEM DE ÁRVORES ABATIDAS O objetivo central do inventário florestal é determinar o volume de madeira num povoamento. Para isso não é necessário determinar o volume de madeira de todas as árvores de um povoamento, por menor que ele seja. Faz-se na verdade, uma “estimativa”do volume das árvores a partir do volume de algumas árvores que são abatidas. Cubagem é o nome dado a esse processo de determinar o volume de uma árvore abatida. 2.1. Tipos de Volume Quando falamos no volume de uma árvore podemos nos referir a 3 tipos de volume. a) VOLUME CILÍNDRICO: é o volume hipotético de uma árvore, supondo que o tronco é um cilindro cujo diâmetro é o diâmetro do tronco a 1,30 m, e altura total do tronco. Normalmente é expresso em m3. b) VOLUME EMPILHADO: é o volume de madeira utilizável de uma ou mais árvores, quando os troncos são cortados em toras e empilhados. Esse volume é medido por uma unidade chamada ESTÉREO. (1 st – 1m3 de madeira empilhada). c) VOLUME SÓLIDO: é o volume que realmente se utiliza da árvore, sendo expresso em m3. Enquanto o volume cilíndrico depende somente das características da árvore (altura total e DAP), os volumes sólido e empilhado dependem da forma do tronco da árvore e também do que consideramos “utilizável” da madeira da árvore. Portanto, uma mesma árvore terá diferentes volumes sólidos se for destinada a produção de madeira serrada ou para celulose. A figura 3 mostra a relação entre esses tipos de volume.

O volume cilíndrico é calculado utilizando-se a fórmula:

H DAP 4

VC 2 π=

Assim, para se determinar o volume cilíndrico não é necessário derrubar a árvore, basta encontrarmos um método para medir o DAP e a altura total (H) da árvore em pé. 2.2. Determinação do Volume Sólido Para se determinar o volume sólido é necessário abater a árvore e cortá-la em toras. O método mais simples é mergulhar as toras num recipiente com água e medir o volume de água deslocado. A figura 4 mostra o funcionamento de um xilômetro, aparelho que tem esse objetivo.

O volume de tora mergulhada é facilmente obtido por:

d D 4

VS 2 π=

onde D é o diâmetro do xilômetro e d é o deslocamento no nível da água produzido pela imersão da tora. Como se vê pela figura 4 o xilômetro é um aparelho bastante simples, podendo ser facilmente construído com latões de óleo. Somando-se o volume das várias toras que compõem a árvore, obtêm-se o volume sólido da árvore. Outro método um pouco mais complexo, mas de fácil execução é o uso de fórmulas. Nesse método, basta medir o diâmetro do tronco em diferentes posições e utilizar a fórmula de Smalian, conforme a figura 5.

A fórmula de Smalian para uma tora é dada por:

l 2

aA V 



  

 +=

onde: A e a são a área da maior e menor secção da tora, respectivamente, e l é o comprimento da tora (vide figura 5). Como a área da secção da tora é obtida através do diâmetro, a fórmula de Smalian fica:

V = (/8)(D2 + d2) l Sendo que D e d são os diâmetros da maior e menor secção, respectivamente. Em geral, o tronco de uma árvore é seccionado em várias toras (figura 6), de modo que o volume de cada uma das toras, obtido através da fórmula de Smalian, é dado por:

1-n 2 n

2 1-n1-n

3 2 4

2 33

2 2 3

2 22

1 2 2

2 11

)lD (D /8)( V

...

)lD (D /8)( V

)lD (D /8)( V

)lD (D /8)( V

+=

+=

+=

+=

π

π π π

Volume total do tronco:

VT = V1 + V2 + V3 + ... + Vn-1 Caso todas as toras tenham o mesmo comprimento (l), pode-se simplificar a operação usando a fórmula:

)]D ... D 2(D )D [(D 8

VT 2 1-n 2 3

2 2

2 n

2 1 +++++= l

π

Pelas fórmulas apresentadas percebe-se que o VS dependerá do diâmetro mínimo que consideramos (Dmin). O diâmetro mínimo é função do uso que se pretende dar à madeira, em geral, os diâmetros mínimos utilizáveis são apresentados na tabela 3.

Tabela 3

UTILIZAÇÃO Dmin (cm) Serraria

Celulose e Papel Chapas de fibras Lenha e carvão

10 8 5 3

Assim, ao se determinar o volume sólido de uma árvore pode-se determinar o volume sólido para diferentes usos. 3. VOLUME DE ÁRVORES EM PÉ E MEDIÇÃO DE DIÂMETRO A partir dos volumes obtidos em árvores abatidas é possível se calcular alguns fatores úteis para a estimativa do volume de árvores em pé. 3.1. Cálculo de Fatores Algumas relações entre o volume cilíndrico (VC), volume sólido (VS) e volume empilhado (VE) são expressas na forma de FATORES. Os fatores permitem a obtenção de um dos volumes a partir de outro. O “FATOR DE FORMA” (FF) é expresso pela razão:

VC VS

FF =

O FF permite obter o volume sólido de uma árvore em pé medindo-se apenas o seu DAP e altura. Como o fator de forma varia de árvore para árvore é necessário determiná-lo para várias árvores abatidas (no mínimo 10) e utilizar uma média. As árvores escolhidas para o cálculo do FF devem representar bem todas as classes de tamanho de árvores presentes na floresta. Assim, a amostra de árvores para cálculo do FF deve conter um número de árvores grandes, médias e pequenas que seja proporcional ao número dessas árvores na floresta. É comum a comercialização de madeira de pequenas dimensões, normalmente utilizadas para lenha e carvão, com base nas pilhas de madeira no campo após a exploração. O FATOR DE EMPILHAMENTO (FE) é a forma de converter o VS de madeira em pé na floresta em volume de madeira empilhada. O FE é calculado pela razão:

VS VE

FF =

O FE é muito influenciado pela forma do tronco e pelo diâmetro das toras de modo que não deve ser generalizado para muitas situações. Ele deve ser determinado para o talhão particular onde será utilizado. 3.2. Estimativa do Volume de Árvores em pé Há duas formas de estimar o volume de árvores em pé. A primeira delas é calcular o VC a partir das medições do DAP e H e convertê-lo em VS e VE usando o FF e FE médios ( FE e FF ), respectivamente. Assim as fórmulas ficam:

FE . FF . HDAP 4

FE . VS VE

FF . HDAP 4

FF . VC VS

HDAP 4

VC

2

2

2

π

π

π

==

==

=

Esse método exige que os fatores médios ( FE e FF ) tenham sido determinados para a situação do trabalho. O outro método é o uso de equações de volume ou tabelas de volume. Essas equações ou tabelas são produzidas previamente para diversas regiões e espécies de árvores e são publicadas na literatura técnica. Numa equação de volume, o volume sólido é expresso em função do DAP e H da árvore. Alguns exemplos são: Volume para serraria de espécies nativas da Amazônia:

VS = 0,0757378 + 0,57531689 (DAP2H) Volume para celulose de Pinus elliotti var. elliottii no Estado de São Paulo:

VS = 0,001907 + 0,290275 (DAP2H) A tabela de volume nada mais é do que a transformação da fórmula em um quadro de dupla estrada onde o DAP está na linha e a H nas colunas (ou vice-versa), estando o volume nas intersecções entre linhas e colunas. Tabelas de volumes típicas podem ser vistas no ANEXO I. No ANEXO II são apresentadas publicações especializadas com tabelas e equações de volume para várias espécies em diferentes regiões do Brasil. 3.3. Medição de Diâmetro Para se estimar o volume de madeira de uma árvore em pé é necessário medir o seu diâmetro e a sua altura. O diâmetro é medido a 1,30 m de altura do solo e por isso é chadamo “Diâmetro à Altura do Peito” – DAP. Existem vários instrumentos para se medir o DAP sendo o mais comum a suta ou compasso florestal. Entretanto, o DAP pode ser facilmente obtido usando-se uma fita métrica ou uma trena. Nesse caso mede-se, na verdade, a “Circunferência à Altura do Peito” – CAP. A relação entre DAP e CAP é a seguinte:

3,1416 CAP

CAP

DAP == π

Embora seja simples a medição do DAP alguns cuidados devem ser tomados para se evitar erros grosseiros. O principal é cuidar para que as medidas sejam sempre tomadas a 1,30 m de altura, reduzindo ao máximo as diferenças dessa altura de uma árvore para outra. Outros cuidados são apresentados na figura 7.

4. MEDIÇÃO DE ALTURA A altura é uma informação essencial para a determinação do volume de madeira de árvores. Como é muito pouco prática a sua medição direta, lança-se mão de instrumentos que permitam a sua determinação indiretamente. Por isso a medição da altura está mais sujeita a erros que a medição do DAP. 4.1. Prancheta Dendroétrica O instrumento mais simples para a medição da altura de árvores é o conhecido como “Prancheta Dendrométrica”, sendo de fácil fabricação. A prancheta dendrométrica é uma tábua de 10 x 30 cm com uma escala em papel milimetrado numa das margens e o pêndulo fixado na margem oposta exatamente no meio da distância maior da tábua, conforme a figura 8.

O seu princípio de funcionamento se baseia em semelhança de triângulos, segundo a figura 9 e a dedução que segue abaixo: OAB = O’ab

 

  

= 

   

 ==

10 1

d h bO' aO'

OB OA bO' aO'

OB OA

1

l

onde:

h1 é a altura da árvore a partir da altura dos olhos do observador (em metros); d é a distância do observador à árvore (em metros); l1 é a leitura feita na escala da prancheta (em centímetros); 10 é a altura da prancheta (cm).

4.2. Regras de uso da Prancheta Dendrométrica A partir desse princípio podemos estabelecer normas básicas de como usar a prancheta dendrométrica:

1) Fazer uma visada no topo da árvore e anotar a leitura (l1) e o lado da prancheta em que ela foi feita (A ou B). 2) Fazer uma outra visada na base da árvore, anotando novamente a leitura (l2) e o lado da escala em que ela foi feita (A ou B). 3) Se as duas leituras forem feitas em lados diferentes usar a seguinte fórmula para calcular a altura total da árvore:

) ( 10 d

H 21 ll +=

4) Se as duas leituras forem fietas no mesmo lado da escala usar a fórmula:

) - ( 10 d

H 21 ll=

onde:

H é a altura total da árvore (m); D é a distância do observador à árvore(m); l1 e l2 são as leituras feitas na prancheta (cm).

Para se obter uma boa precisão no uso da prancheta é importante que a distância entre o observador e a árvore nunca seja inferior à altura da árvore. 4.3. Correção para Terrenos Íngremes Em terrenos com muita declividade a distância medida entre o observador e a árvore se afasta muito da distância horizontal (Figura 10).

Isso produz um erro na determinação da altura, sendo necessário corrigir a distância medida em campo quando a declividade é maior que 5%. Para isso utiliza-se a fórmula:

d = d’ . cos  onde:

d é a distância corrigida; d’ é a distância medida no campo;

 é a declividade expressa em graus: . 100

% em edeclividad arctg 



  

=α

5. INSTALAÇÃO E MEDIÇÃO DE PARCELAS NO CAMPO Nos levantamentos florestais para conhecer a situação dos povoamentos, a parcela é a unidade de amostragem. Em geral, os povoamentos de florestas nativas ou implantadas abrangem grandes áreas impossibilitando a medição de todas as árvores do povoamento. Se imaginarmos uma área de 100 alqueires paulista e um plantio de cerca de 5000 árvores por alqueire, o total de árvores existentes naquela área é de 500.000. Considerando que uma equipe de inventário florestal, bem experiente, localiza e mede uma parcela de 400 metros quadrados em 30 minutos, em uma floresta implantada, o tempo necessário para essa equipe levantar os 100 alqueires será de 126 dias. Através de uma amostragem adequada essa mesma equipe medirá cerca de 30 parcelas sem afetar a precisão dos resultados do inventário em 2 dias de trabalho. Nas florestas nativas o tempo de levantamento é maior, pois a localização das parcelas no campo é difícil pelo fato de não existir alinhamento, muito comum nas florestas implantadas da necessidade de identificar as espécies que são numerosas e estimar altura. Em geral, as florestas nativas apresentam um sub-bosque denso necessitando de limpeza da área antes da medição.

5.1. Tamanho e Forma de Parcelas A estimativa do volume de madeira na floresta como um todo será feita com base no conhecimento da área da floresta e da área da parcela. É necessário, portanto, um cuidado especial no que se refere ao tamanho e forma das parcelas, bem como à sua implantação no campo. O tamanho e a forma da parcela variam, dependendo das seguintes condições:

a) relevo; b) espaçamento; c) variabilidade interna da parcela.

Em áreas com declividade acentuada (acima de 10%) onde existe um gradiente de fertilidade recomenda-se o uso de parcelas retangulares como mostra a figura 11. Justifica-se o uso dessa forma de parcela para diminuir o número de parcelas, mesmo aumentando a variabilidade dentro da parcela. O tempo gasto para localizar e marcar uma parcela é, maior do que o tempo gasto para medição da parcela. Nesse caso de relevo acidentado o comprimento da parcela deve ser no mínimo 2 vezes a largura da mesma.

Nos terrenos planos pode-se usar formas retangulares, mais próximas da forma quadrada, para florestas implantadas onde o espaçamento é retangular. Aproveitam-se as linhas de plantio regulares para a instalação de parcelas. A área da parcela deve ter um número inteiro de árvores. Por exemplo, se o espaçamento médio entre as plantas for de 6 metros quadrados (3 x 2m) a parcela poderá ter 600 metros quadrados e nunca 28 x 17m. No primeiro caso a parcela conterá 100 árvores, mas no seugndo 79,33 árvores. Isto ocasionará erros no cálculo do volume por hectare. A locação correta das parcelas no campo é apresentada na figura 12.

Nos dois casos da Figura 12 acima tem-se o mesmo número de árvores por parcela, nas áreas diferentes. No caso (a) a área da parcela é de 54 metrosquadrados, ou seja, cada árvore ocupa 6 metros quadrados (espaçamento 3 x 2m). No caso (b) o espaçamento entre as árvores é de 4 metros quadrados. Nesse caso o volume por hectare é superestimado. A variabilidade interna da parcela também é responsável pela definição do tamanho da parcela. Quanto maior a variabilidade interna maior o tamanho das parcelas. No caso de florestas nativas a variabilidade é maior do que nas florestas implantadas e conseqüentemente o tamanho da parcela é maior. É comum utilizar para florestas implantadas áreas que variam de 400 a 600 metros quadrados e para florestas nativas, áreas de 1000 a 5000 metros quadrados. No caso de florestas nativas utiliza-se para fins de facilidade de locação e medição no campo de parcelas retangulares cuja largura é de 10m e o comprimento variável, dependendo da variabilidade interna do tipo florestal. 5.2. Tipos de Parcela de Inventário Florestal As parcelas de amostragem podem ser de dois tipos principais: permanentes e temporários. As parcelas permanentes são marcadas no campo de modo a serem localizadas periodicamente para novas medições. São usadas para estudos de crescimento, ou quando se quer estudar com precisão as mudanças ocorridas na floresta. As árvores da parcela deverão ser marcadas ou colocados piquetes de identificação. São utilizadas no inventário florestal contínuo para fins de planejamento. As parcelas temporárias não são marcadas no campo e após a medição não há mais possibilidade de encontrá-las. São usadas quando se quer uma informação estática da floresta, como no caso de inventário pré-corte quando pouco tempo após a medição o povoamento florestal será cortado. 5.3. Informações Coletadas Uma vez instalada a parcela no campo, inicia-se a coleta de informações. Essas informações são mais ou menos complexas, dependendo da necessidade do inventário. Um inventário de florestas homogêneas implantadas, quando já se conhece a espécie, mede-se no campo o DAP, a altura e algumas informações adicionais de árvore como mortalidade,

bifurcação, doenças, tortuosidade, frutifcação, etc. Nas florestas heterogêneas é comum a medição do DAP, altura do fuste e identificar a espécie, além das informações sobre a árvore. No ANEXO III são apresentadas algumas fichas padrão para a coleta de dados no campo. 5.4. Cálculos Preliminares A principal informação que se deseja em um inventário florestal é o volume de madeira por hectare que, uma vez multiplicado pela área total abrangi da pelo povoamento florestal, resulta no volume de madeira existente numa determinada fazenda ou área. O volume de uma parcela é obtido a partir do volume das árvores individuais. A estimação do volume de árvores individuais, como foi visto, pode ser realizada através do fator de forma ou através de equações I tabelas de volume. Uma vez estimado o volume sólido (VSi)de cada árvore da parcela, o volume da parcela (VSp)é obtido pela soma do volume das árvores individuais da parcela:

 =

= n

1 i ip VS VS

O volume sólido da parcela pode então ser transformado em volume empilhado (VEp)utilizando-se o fator de empilhamento médio. Para que o volume de madeira da parcela possa ser extrapolado para toda floresta plantada, torna-se necessário transformá-lo em m3/ha ou st/ha(estéres por hectare). Para isso utiliza- se as fórmulas:

10.000 S

VE VE

10.000 S

VS VS

p

p ha

p

p ha

=

=

onde: VSha é o volume sólido em m3/ha; VSp é o volume sólido da parcela em m3; VEha é o volume empilhado em st/ha; VEp é o volume empilhado da parcela em st; e Sp é a área da parcela em m2. 6. AMOSTRAGEM As áreas florestais geralmente são extensas e não permitem a medição de todas as árvores ali existentes, por ser cara e consumir muito tempo. Por outro lado, a aplicação das teorias de amostragem permite que se obtenha resultados confiáveis com baixo custo e rapidez. Grandes empresas medem cerca de 0,5% das árvores, mas a diferença entre o volume posto fábrica e o estimado através do inventário florestal por amostragem não ultrapassa 5%.

Existem vários sistemas de amostragem sendo a mais usada a amostragem simples aleatória. Esse sistema consiste em selecionar ao acaso parcelas numa determinada área onde se deseja conhecer as características florestais (volume, DAP médio, etc.). Para a relação das parcelas usa-se uma tabela de números aleatórios (ANEXO IV). Tomemos como exemplo uma área (figura 13) que possui 25 unidades de amostra (parcelas):

FIGURA 13

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25

Suponhamos que as colunas 26 e 27 da tabela de números aleotórios (vicie ANEXO IV) foram selecionadas por alguns mecanismos de casualização. O primeiro número daquela coluna é 55 que é superior a 25, o valor máximo do número de parcelas. Para achar o valor da parcela a ser selecionada basta dividir 55 por 25 o resto (5) é o número da parcela selecionada. No caso de talhões grandes esse processo seria demasiado lento, por isso utiliza-se um outro processo de casualização. A localização de o ponto inicial da parcela (canto esquerdo inferior da parcela) é determinada a partir de 2 distâncias, A e B, de um ponto de referência previamente especificado, como mostra a figura 14. Suponhamos que o talhão da figura 14 possua uma área de 2 ha, com as dimensões 200 x 100 m, e que se deseja locar uma parcela aleatoriamente. As colunas 61, 62 e 63 da tabela de números aleatórios foram selecionadas inicialmente por algum mecanismo aleatório.

O primeiro valor obtido com base nessas 3 colunas é 472 , sendo superior aos 200 m do maior lado. Então a distância A será 72 m. O próximo número é 585, também superior a distância B (100 m), assim essa distância será 85 m. Através desse processo a parcela foi locada de modo aleatório no talhão, uma vez que as distâncias A e B foram obtidas a partir de uma tabela de números aleatórios. 6.2. Número Adequado de Parcelas

Através de métodos estatísticos pode-se determinar o número de parcelas necessárias para amostrar aquela área com uma determinada probabilidade (fornecida pelo teste t) e intervalo de confiança. O número de parcelas necessárias (n)para amostrar o talhão será dado pela fórmula:

2

22

(E%) CVt

n =

onde:

té o valor tabular (tabela no ANEXO IV) da distribuição de tcom (no - 1) graus de liberdade; noé o númcro de parcelas do inventário florestal piloto; CVé o coeficiente de variação percentual; e E%é o erro permissível na amostragem.

Através dcssa fórmula é possível saber se o número de parcelas amostradas foi suficiente para cobrir a variabilidade do povoamento dentro do nível de probabilidade e erro permissível estabelecidos. Nos levantamentos florestais costuma-se utilizar um erro permissível de no máximo 10%, com um nível de probabilidade de 5%. 7. INVENTÁRIO E ADMINISTRAÇÃO DA FLORESTA O inventário florestal fornece todas as informações básicas para a administração da floresta. Para que isto seja possível essas informações devem ser as mais próximas da realidade, ou seja, devem ser precisas. A tomada de decisão na área florestal deve envolver o abastecimento contínuo com produtos florestais com o mínimo dano ao ambiente e que assegure a perpetuidade da produção. Todas as intervenções na floresta, como corte, desbastes, fertilizações, novos plantios, devem ser precedidos de um inventário contínuo ou pré-corte. 7.1. Esquema Geral de um Inventário Florestal O nventário se inicia pela obtenção de uma planta topográfica da área onde as características silviculturais (espécie, procedência de semente, idade, rotação, ciclo, desbastes, tratos culturais, etc.) estão anotadas. Essa planta deve ser uma representação fiel da área a ser estudada. Após a locação das parcelas na planta, através de um sistema elatório simples, iniciam-se os trabalhos de campo com a instalação de parcela e medição das árvores. Deve- se utilizar o talhão como a unidade mínima de manejo, ou seja, as informações devem ser obtidas, de preferência, por talhão. O fluxograma anexo (figura 15) esquematiza as etapas a serem seguidas no levantamento florestal de cada ano. 7.2. Curvas de Produção

Como foi visto no início desse trabalho, a curva de produção volumétrica da floresta é fundamental para a tomada de decisão quanto a idade ótima de corte. Para isso, é necessário realizar o inventário florestal anualmente de modo a se acompanhar o crescimento da floresta. É muito comum implantar o inventário florestal assim que o povoamento atinja' uma idade em que se pode projetar com segurança o volume, para idades futuras. Essa idade varia de 2 a 3 anos para as espécies do gênero Eucalyptus, 4 anos para Pinus e 7 anos para Araucaria angustifolia. As projeções são feitas com base em dados históricos do crescimento da espécie de interesse no local de trabalho.

É possível, às vezes, encontrar na literatura especializada sistemas de equações de produção que permitem estimar o volume futuro de madeira a ser produzido numa dada área, a partir da idade e volumes atuais da floresta. Um exemplo desses sistemas de previsão são as equações da diferença, muito usadas para as espécies do gênero Eucalyptus e Pinus. Os sistemas abaixo podem ser utilizados para obter o volume de madeira de uma floresta em diferentes idades: 1) Eucalyptus grandis, 1ª Rotação:

 

  

 +=

DA AD I

1 -

I 1

5,3320 )1n(V )1n(V

2) Eucalyptus saligna, 1ª Rotação:

 

  

 +=

DA AD I

1 -

I 1

5,6046 )1n(V )1n(V

3) Eucalyptus grandis, 2ª Rotação:

 

  

 +=

DA AD I

1 -

I 1

5,9960 )1n(V )1n(V

4) Eucalyptus saligna, 2ª Rotação:

 

  

 +=

DA AD I

1 -

I 1

5,3697 )1n(V )1n(V

5) Pinus caribaea, sem desbastes:

 

  

 +=

DA AD I

1 -

I 1

13,3349 )1n(V )1n(V

onde:

VA é o volume atual da floresta (m3/ha); IA é a idade atual da floresta (anos); ID é a idade para qual se deseja projetar o volume (anos); e 1n indica o logaritmo neperiano (base e = 2,7183).

Suponhamos que um proprietário rural possua um pequeno talhão de Eucalyptus grandis em segunda rotação com volume de 275 m3/ha (VA) aos 5 anos de idade (IA). Utilizando a expressão 3 acima, obtem-se as curvas de produção e de incrementos médios e correntes

apresentados na figura 16. Nesse caso a idade de corte indicada seria ao redor dos 6 anos com uma produção de 336 m3/ha.

8. ROTEIRO PARA O TRABALHO PRÁTICO Na atividade florestal, assim como em muitas atividades, a assimilação e compreensão de conceitos e técnicas só se faz na prática. Portanto, para se aprender como realizar o manejo de pequenas florestas plantadas é fundamental desenvolver um trabalho prático em que os alunos sejam colocados diante de uma situação real. O trabalho prático proposto consiste em dar a cada grupo de alunos um talhão para que eles decidam se ele deve ser explorado ou não. O roteiro abaixo sumariza, não só os tópicos que devem constar no relatório final, mas também as etapas que devem ser seguidas na execução do trabalho pratico. 1. OBJETIVOS. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE A ESPÉCIE ESTUDADA. 3. MATERIAL E MÉTODOS. 3.1. Características da região: clima, solo, localização geográfica, etc. 3.2. Equipamentos utilizados: descrição 3.3. Croqui da área, inclusive com a localização das parcelas medidas no campo. 3.4. Métodos de medição e cálculos. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. 4.1. Fichas de campo.

4.2. Projeção do volume para outras idades. 4.3. Curva de crescimento da floresta. 4.4. Idade ideal de corte. 4.5. Maturação da produção da floresta. 5. CONCLUSÕES 9. BIBLIOGRAFIA 9.1. Maturação da Produção Florestal BENTLEY,W.R. & TEEGUARDEN,D.E. (1965). Financial maturity: a theoretical review.

Forest Science. Washington. 11: 76-87. BERGER,R (1985) Aplicação de critérios econômicos para determinação da maturidade

financeira de povoamentos de Eucaliptos. Tese Depto. de Economia e Extensão, Setor de Ciências Agrárias, UFP. Curitiba. 85 pp.

GANE,M. (1968). Martin Faustmann and the evolution of discounted cash flow. Institute

Paper no42 Commonwealth Forestry Institute. University of Oxford. Oxford. 55pp. NEWMAN,D.H. (1988). The optimal forest rotation: a discussion and annotated

bibliography. Gen. Tech. Rep. SE-48. U.S. Department of Agriculture, Forest Service, Southeastern Forest Experiment Station. Asheville. 47pp.

RODRIGUEZ,L.C.E. (1989). Economia de Recursos Florestais. Apostila. Depto. de

Ciências Florestais. ESALQ/USP. Piracicaba. 100 pp. SAMUELSON,P. (1976). Economics offorestry in an evolving society. Economic Inquiry.

14 (Dec): 466-492. 9.2. Inventário e Medições de Florestas GOMES, A.M.A. (1957). Medição de Arvoredos. Lisboa, Livraria Sã da Costa. HUSCH, B. et alii (1982). Forest Mensuration. New York, John Wiley & Sons. SPURR, S.R. (1963) Forest Inventory. New York, Ronald Press. VEIGA, R.A. (1984)

Dendrometria e Inventário Florestal. Botucatu, FEPAF.

ANEXO 1

Exemplos de Tabelas de Volumes

ANEXO II

Publicações sobre

Tabelas e Equações de Volume

Eucalyptus COUTO, H.T.Z. (1986). Curvas de Crescimento em volume para Eucalyptus em 2aRotação no Estado de São Paulo. IPEF, Piracicaba, (34): 15-21. COUTO, H.T.Z. (1977). Tabelas de volume para brotação de touças de Eucalyptus saligna, IPEF, Piracicaba, (15): 117-21. HAWKINS, T. (1987). Biomass and volume tables for Eucalyptus camaldulensis, Dalbergia sissoo, Acacia auriculiformis and Cassia simea. O.F.I. Occasional Papers, Oxford, (33): 1-43. PAULA NETO, F. (1977). Tabelas volumétricas com e sem casca para Eucalyptus saligna. Árvore, Viçosa, 1(1): 31 -54. PAULA NETO, F. et alii (1977). Teste de aplicação de tabelas volumétricas para estimar a produção de plantações de Eucalyptus paniculata Sm. na região de Ipatinga, MG. Arvore, Viçosa, 1(2): 154-66. PAULA NETO, F. et alii (1983). Teste de aplicação de tabelas volumétricas para estimar a produção de plantações de Eucalyptus grandis em Bom Despacho, MG. Silvicultura, São Paulo, 8(28): 674-8. VEIGA, R.A.A. (1973). Tabelas de volume para Eucalyptus saligna Smith em ocasião do primeiro corte. Floresta, Curitiba, 4(3): 29-44.

Pinus BURLEY,J. (1972). A volume table for Pinus caribaea varo caribaea. Commomwealth Forestry Review, 51(2): 137-43. CAMPOS. J .C. (1972). Tabela de Volume comercial paraPinus elliottii Engelm., São Paulo, Serviço Florestal. KRONKA, F.J.N. (1974). Tabelas de volume para algumas espécies do gênero Pinus. São Paulo, Instituto Florestal, s.i. PINHEIRO, G.S. et alii (1982). Tabelas de volume para Pinus elliotiii Engelm. Var. elliottii, em povoamentos jovens. Boletim técnico, Instituto Florestal, São Paulo, 36(3): 127-36. SCHNEIDER, P.R. e L.E.G. ELESBÃO (1983). Tabela de volume com e sem casca para Pinus elliottii Engelm. da região do litoral do Rio Grande do Sul. Silvicultura, São Paulo, 8(28): 696-9. VEIGA, A.A. (1967). Tabelas de rendimento volumétrico para Pinus. São Paulo, Serviço Florestal.

Araucaria HEINSDIJK, D. (1959). Volumes do pinheiro: tabelas de volume e outros dados sobre o pinheiro brasileiro no Estado de Santa Catarina. Anuário Brasileiro de Economia Florestal, Rio de Janeiro, 11(11): 176-200. Florestas Nativas FERNANDES, N.P. et alii (1983). Tabelas de volume para a floresta de terra firme da Estação Experimental de Silvicultura Tropical. Acta Amazonica, Manaus, 13(3/4): 537-45. HIGUCHI, N. (1978). Tabelas de volume para povoamentos nativos de canafistula, cedro, pau-marfin e canelas, no extremo oeste paranaense. Curitiba, (Tese-Mestrado-UFP). RAMOS, A.A. et alii (1973). Tabelas de volume de madeira das essências florestais do Distrito Agropecuário da Zona Franca de Manaus. Floresta, Curitiba, 4(2): 72-81.

ANEXO III

Fichas de Coleta de Dados

em Inventário Florestal

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 36 páginas