Métodos de extração e qualidade da fração lipídica de, Pesquisas de Química. Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)
joao-paulo-ledis-bor
joao-paulo-ledis-bor

Métodos de extração e qualidade da fração lipídica de, Pesquisas de Química. Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

7 páginas
22Número de visitas
Descrição
extração e Métodos de extração e qualidade da fração lipídica de óleos
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 7
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Baixar o documento

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA

EXTRAÇÃO DE LIPÍDIOS

Relatório técnico apresentado na disciplina de Química Orgânica do Curso Técnico em Química do Centro Estadual de Educação Profissional de Curitiba. Orientador: Professora Simone.

JOÃO PAULO LEDIS BORGES LUIZ RESPEITA JANUÁRIO

CURITIBA 2017

SUMÁRIO

1 OBJETIVO...............................................................................................................3

2 RESUMO ................................................................................................................3

3 INTRODUÇÃO........................................................................................................3

4 MATERIAIS E MÉTODOS .......................................................................................6 4.1 materiais utilizados.....................................................................................6 4.2 reagentes utilizados...................................................................................6 4.3 procedimentos experimentais....................................................................6 5 RESULTADOS E DISCUSSÃO............................................................................... 6

6 CONCLUSÕES....................................................................................................... 7

7 Referencia bibliografica........................................................................................... 7

OBJETIVO

Realizar a extração de Lípidios, que nesse caso é o limoneno. Foi utilizada a

metodologia de extração de lipídios de cascas de laranja: Soxhlet. o mesmo

apresentou alto rendimento. O componente lipídico extraído foi separado por

destilação, a base de hexano. Há vários outros métodos para a extração do mesmo,

porém vamos esmiuçar o Soxhlet.

RESUMO

O limoneno (C10H16) é um hidrocarboneto da família dos terpenos, um óleo

incolor que pode ser encontrado na casca da laranja e de outros cítricos. Com base

em pesquisas realizadas, foi possível, experimentalmente, extraí-lo através do

método Soxhlet com utilização do solvente hexano e determinar seu teor na casca

de laranja pêra por meio de cromatografia em fase gasosa. Após os ensaios, o teor

de limoneno encontrado foi de 20% demonstrando a possibilidade do aproveitamento

da casca da laranja, que seria descartada, para utilização do óleo em outras

aplicações.

Introdução

O limoneno é um hidrocarboneto da família dos terpenos e da classe dos

monoterpenos, insolúvel em água, de odor cítrico, óleo incolor e volátil. O óleo

extraído da casca da laranja chega a 90% de limoneno. Figura 1: estrutura do

limoneno. Seu ponto de fusão é -75ºC, seu ponto de ebulição é 176ºC. A densidade

de vapor relativa (ar=1) é 4,7. A pressão de vapor a 14,4ºC é 0,4 kPa, a densidade

relativa (água=1) é 0,84, a temperatura de autoignição é 237ºC e o ponto de fulgor é

46ºC. Suas principais aplicações na indústria são como aroma em alimentos,

perfumes e produtos de limpeza, como intermediário químico, na fabricação de

resinas de politerpeno, como solvente biodegradável direto que pode substituir

produtos como metil etil cetona e acetona, na fabricação de adesivos e borrachas,

como flavorizante, aditivo para combustível, entre outras várias. Além do mais, o

limoneno possui aplicação médica. Os terpenos formam uma diversificada familia de

substâncias naturais. Tradicionalmente considerou-se como derivados do 2-metil-

butadieno, mais conhecido como isopreno. A utilização da regra do isopreno,

permitiu classificá-los e estudá-los num primeiro momento, no entanto, com o tempo

percebeu-se que os terpenos não derivam do isopreno, uma vez que este nunca foi

4

encontrado como produto natural. O verdadeiro percusor dos terpenos é o ácido

mevalônico o qual provém da acetil Coenzima A. Em qualquer caso, a divisão da

estrutura dos terpenos em unidades de isopreno é muito útil e se utiliza com

bastante freqüência. De acordo com o número de cadeias de isopreno presentes, os

terpenos são classificados como: •C5: hemiterpenos; C10: monoterpenos; C15:

sesquiterpenos; C20 até C40: diterpenos. Estes compostos encontram-se em

sementes, flores, folhas, raízes e madeira de plantas superiores assim como no

musgo, algas e líquens. Do ponto de vista químico, são hidrocarbonetos, compostos

apenas por carbono e hidrogênio. Alguns são os precursores de certas vitaminas,

como A, K, e E.Outros terpenos, como o fitol, forma parte da clorofila dos

carotenóides, e a maioria dos azeites aromáticos (mentol, glicerol,...), também

pertencem a este grupo. Obtido em "http://pt.wikipedia.org/wiki/Terpeno" T

MATERIAIS E MÉTODOS

MATERIAIS ULTILIZADOS;

4

• 200 mL de hexano

• 10,0370 g de casca de laranja

• Aparelho de Soxhlet

• Balança analítica

• Balão de 250 mL

• Banho de circulação

• Condensador

• Garra

• Manta aquecedora

• Papel filtro

• Pedras de ebulição

• Suporte universal

REAGENTES ULTILIZADOS

• Água;

• Hexano;

• Casca de laranja;

PROCEDIMNTO EXPERIMENTAL

Foram pesados 8,1143 g de casca de laranja em balança analítica e colocados dentro de um cartucho feito de papel filtro. O cartucho foi fechado e

colocado no aparelho de Soxhlet. Em seguida, foram colocados 200 mL de hexano

e pedrinhas de ebulição dentro de um balão de 250 mL. O balão foi colocado no

sistema de aparelhagem e ligou-se o banho de circulação. Logo depois, ligou-se o

sistema de aquecimento. O aquecimento foi mantido em uma temperatura em que o

gotejamento de solvente se mantivesse lento. Quando o solvente condensado

escoou para o balão pela sexta vez, o aquecimento foi desligado.

O material destilado foi transferido para um balão menor, previamente pesado com 91,1786 g, para que fosse feita a evaporação do solvente em um destilador. Na aula seguinte, o balão contendo a amostra foi pesado com. Com o valor da massa de 84,9106 balão vaziocom as pérolas e o valor deste contendo a amostra, foi calculada a massa da amostra e em seguida, calculado o rendimento. As Técnicas que serão utilizadas no isolamento do limoneno: Destilação por arraste a vapor e Extração. A destilação consiste na separação de líquidos de misturas que possuem diferentes pontos de ebulição, por passagem ao estado de vapor e posterior condensação, com auxílio de calor e/ou por redução de pressão. Os quatro métodos básicos de destilação são: simples, a vácuo (pressão reduzida), fracionada e a vapor. Destilação por arraste a vapor é empregada para destilar substâncias que se decompõem nas proximidades de seus pontos de ebulição e que são insolúveis em água ou nos seus vapores de arraste. Quando a mistura de dois líquidos imiscíveis é destilada, o p.e. permanece constante até que um dos componentes tenha sido separado, já que a pressão total do vapor independe das quantidades relativas dos componentes. A partir daí o ponto de ebulição eleva - se rapidamente até atingir o p.e. do líquido remanescente.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Nesta prática, abordou-se a extração sólido-líquido em extrator de Soxhlet e conclui-se que o método é eficiente para a extração do óleo essencial da casca de laranja a partir de um solvente com características adequadas. Como o aparelho permite o refluxo do solvente, a quantidade de solvente utilizada é relativamente pequena, permitindo a sua economia. Foi utilizado o hexano nesta extração devido a sua polaridade. O hexano é apolar, assim como o limoneno, ou seja, quando o solvente condensado entra em contato com a amostra, este arrasta consigo o limoneno. A presença das bolas de vidro e indispensável, pois sem as mesmas a solução teria risco de vazar devido a agitação das moléculas. O rendimento depende da quantidade de sifonações, quanto mais sifonadas, mais o solvente fica rico de extrato. Os principais constituintes dos óleos essenciais são os terpenos e seus derivados oxigenados. Limoneno, o terpeno cíclico, mais amplamente distribuído em plantas, é o principal constituinte do óleo da laranja (90 a 95%). O limoneno é altamente inflamável. Tanto o limoneno quanto o hexano são irritantes aos olhos e mucosas nasais. O hexano ainda pode causar, quando seus vapores são inalados, náuseas, dores de cabeça e tontura. Evitar o contato deste solvente com a pele, pois poderá causar adormecimento das extremidades, fraqueza nos músculos e inflamação na pele. Em casos extremos recomenda-se o uso de luvas cirúrgicas. Em algumas bibliografias constam que o limoneno é irritante à pele, porém pesquisas recentes relatam que ele não é tóxico, contudo, sofre auto- oxidação (reação espontânea com o oxigênio) e fotooxidação (alteração química subsequente da reação com a luz), produzindo (cis-d-

limoneno-1,2-óxido), que é irritante à pele produzindo dermatite. A foto- oxidação explica as manchas escuras sobre a pele, causadas ao espremer limão ou laranja ao sair ao sol.

A massa de óleo essencial obtida na extração foi 6,2680 g.

Cálculo de rendimento:

8,1143 g ---------------- 100%

6,2680 g ------------------ x

x = 77,25 %

CONCLUSÕES

Este método de análise é o mais adequado para a extração do óleo essencial.

Nesta prática, abordou-se a extração sólido-líquido em extrator de Soxhlet e conclui-se que o

método é eficiente para a extração do óleo essencial da casca de laranja a partir de um

solvente com características adequadas.

Como o aparelho permite o refluxo do solvente, a quantidade de solvente utilizada é relativamente pequena, permitindo a sua economia.

7 REFERÊNCIAS

Regitano-d'Arce, M. A. B.; Lima, U. A.; Ciência e Técnologia de Alimentos 1987, 7, 1.

Pino, L. M.; Regitano-d'Arce, M. A. B.; Racanicci, A. M. C.; Resumos do 19º Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, Recife, Brasil, 2004.

FERNANDES, I.J. et al. Avaliação da extração de óleo essencial do resíduo casca de laranja. Disponível em: < http://www.4firs.institutoventuri.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=144> Acesso em: 15/11/2017.

GARRETT, R. Limoneno. Disponível em: < http://qnint.sbq.org.br/qni/popup_visualizarMolecula.php? id=7zA_rLEjcuDvR58Tfp6Ekoe7hKIpSt74wAMKPrF03jGpuPsXRZFVHsDt6ytFWPmqJ2IVV6GC9lCW6ylY _gpQVg==> Acesso em: 15/11/2017.

MARTINS, A.S.; FERREIRA, L.R. Extração contínua sólido-líquido. Disponível em: < http:// www.ebah.com.br/content/ABAAABNZoAL/extracao-continua-solido-liquido> Acesso em: 15/11/2017.

ROCHA, W.X. Extração com solvente. Disponível em: < http://www.reocities.com/Vienna/choir/9201/ extracao_com_solvente.htm> Acesso em: 15/11/2017.

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Baixar o documento