Modelo de gestão para escolas, Dissertações de Mestrado de Educação avançada. Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
vinicius-igor
vinicius-igor5 de julho de 2017

Modelo de gestão para escolas, Dissertações de Mestrado de Educação avançada. Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

PDF (2 MB)
51 páginas
26Número de visitas
Descrição
Gestão para escolas publicas e privadas
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 51

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 51 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 51 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 51 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 51 pages

baixar o documento
1235_edital_014_seletivo_iema_pleno_gest_2016_doc_1.pdf

Tecnologia de Gestão

Educacional Princípios e Conceitos

Planejamento e Operacionalização

Propriedade de: Data:

Anotações:

Tecnologia de Gestão

Educacional Princípios e Conceitos

Planejamento e Operacionalização

Neste Caderno você conhecerá as bases do Modelo de Gestão da Escola da Escolha, seus princípios e conceitos, e orientações sobre planejamento e operacionalização.

O Caderno da Tecnologia de Gestão Educacional (TGE) está organizado da seguinte forma:

Planejamento e Operacionalização

• Plano de Ação • Programa de Ação • Registros e Relatórios

Princípios e Conceitos

• Ciclo Virtuoso • Educação pelo Trabalho • Descentralização • Delegação Planejada • Ciclo de Melhoria Contínua • Níveis de Resultados • Parceria

Bom trabalho!

Olá Educador

©iStock.com/andresrimaging

COORDENAÇÃO DE PARCEIROS NA ESCOLA DA ESCOLHA

Retomando o que vimos no Caderno do Modelo Pedagógico e acrescentando a esse debate a discussão da Tecnologia de Gestão Educacional, temos os pontos que estruturam a base de sustentação do Modelo, a Escola da Escolha. Esse sistema, fundamentado em princípios - Quatro Pilares da Educação, Educação Interdimensional, Pedagogia da Presença e Protagonismo - opera um currículo ple- namente integrado entre as diretrizes e parâmetros nacionais e/ou locais e as inovações concebidas pelo Instituto.

A Tecnologia de Gestão Educacional (TGE) pode ser definida como a arte de integrar tecnologias específicas e educar pessoas. No contexto da Escola da Escolha, educar pessoas significa criar um ambiente educacional onde todos, gestores e educadores, sintam-se estimulados a aprender e pôr em prática seus conhecimentos a serviço do estu- dante e seu Projeto de Vida. O Modelo Pedagógico e a TGE são indissociáveis e constituem o organismo que torna possível transformar a visão e a missão

Tecnologia de Gestão Educacional Princípios e Conceitos

Introdução

6

da escola em efetiva e cotidiana ação. Portanto, a TGE é a base na qual o Modelo Pedagógico se alicerça para gerar o movimento e respectivo tra- balho que transformará o que ele traz enquanto “intenção”, efetiva e concretamente em “ação”.

A missão primordial da escola é ga- rantir uma aprendizagem de qualidade, por meio da qual o estudante atribua sentido e significado ao conhecimento de modo que esta (a escola) promova seu pleno desenvolvimento em todas as dimensões humanas (corpo, intelecto, espírito e emoção).

Assegurar que a escola cumpra sua missão é a tarefa mais complexa da gestão escolar, isso porque encontra- mos o Gestor diante de uma enorme

diversidade de participantes na vida escolar, e com os quais deverá lidar: professores, coordenadores, estudan- tes, pais, comunidade, sindicato, par- ceiros, os diversos setores da Secre- taria de Educação. Além disto, há um enorme desafio posto para o Gestor na otimização do tempo voltado aos processos administrativos e de ges- tão de recursos. É essencial que o seu papel na escola esteja claro para toda a equipe escolar e para a comunidade. O Gestor tem como responsabilidade principal coordenar as diferentes áreas da escola, integrar os resul- tados gerados por todos e educar sua equipe pelo exemplo e trabalho, inspirando-a na continuidade do projeto escolar.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

A minha escola tem as ferramentas e o apoio adequado?

7

Para que o Gestor e sua equipe possam atuar verdadeiramente à luz dos princí- pios e conceitos da Escola da Escolha, é necessário refletir quanto às condições essenciais para um funcionamento pleno e às atitudes que a equipe deve cultivar e praticar.

Quais são estas condições? As condições acima colocadas so-

mente serão ativadas na direção dos pressupostos da Escola da Escolha se certas atitudes forem adotadas por todos os envolvidos. Atitudes como iniciativa, determinação, comprome- timento, flexibilidade, abertura para o novo, respeito, delegação, autodesen- volvimento, mediação, dentre tantas outras, são essenciais na garantia de uma engrenagem fluida e cuidadosa.

A liderança do Gestor é, sem dúvida, uma característica fundamental, porém isoladamente não basta.

Faz-se necessário pôr a sua dispo- sição e de sua equipe um conjunto de ferramentas gerenciais que permitam dirigir a escola de forma estruturada para atingir a visão estabelecida pelo município e/ou estado.

Essa estrutura deverá garantir que missão, objetivos, metas, indicadores, estratégias e ações estejam todos alinhados e claramente definidos, em todas as instâncias da escola, de modo que todos possam, com clareza, compreender o seu papel e contribuir objetivamente para a consecução dos resultados esperados para que sejam medidos, avaliados e reconhecidos.

Com base na TGE, a gestão escolar utiliza-se de importantes ferramentas gerenciais, devidamente customizadas ao ambiente escolar, possibilitando a harmonização de processos adminis- trativos e pedagógicos.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

8

Histórico

A Tecnologia de Gestão Educacional encontra suas origens no princípio da Educação pelo Trabalho. Trata-se, aci- ma de tudo, de uma filosofia de vida calcada no trabalho, complementada e sustentada pela dimensão educacional. Essa filosofia se inspira na mensagem educativa de Norberto Odebrecht, em- preendedor e fundador da organização Odebrecht. O caráter humanista da tecnologia de gestão desta organização foi fator decisivo na ocasião em que se fez necessário eleger qual o modelo de gestão que serviria de referência para a concepção do que se tornou a TGE.

As ações de desenvolvimento hu- mano dos colaboradores da Odebrecht são pautadas pelo princípio da Educa- ção pelo Trabalho, que compreende um processo educativo alicerçado na arte de influenciar e ser influenciado e apoia-se no princípio da Pedagogia da Presença, concebido pelo educa- dor Antônio Carlos Gomes da Costa. Por meio desta, a formação da pessoa não se realiza apenas no e para o tra- balho, mas fundamentalmente para a vida, na adoção de uma atitude de não indiferença em relação ao outro, aos problemas da vida e do seu entorno. Essa filosofia, centrada no trabalho e na educação, estrutura-se em torno da atividade produtiva do ser humano, enquanto produtor de conhecimento e gerador de riqueza material e moral.

No âmbito escolar, a Pedagogia da Presença se materializa por meio do estabelecimento de vínculos de consi- deração, afeto e reciprocidade entre os estudantes e os educadores. É o funda- mento da relação entre quem educa e

quem é educado e traduz a capacidade do educador de se fazer presente na vida do educando, satisfazendo, assim, uma necessidade vital do processo de formação humana.

A TGE foi inicialmente desenvolvida em 2004, no Centro de Ensino Experi- mental Ginásio Pernambucano. Essa implantação foi tratada como um expe- rimento para as adequações e modu- lações iniciais, com vistas a atender às características do projeto escolar, ou seja, considerando as especificidades do ensino médio em tempo integral. A partir daí foram agregadas as reco- mendações presentes no Relatório de Jacques Delors em virtude da natureza do seu conteúdo, isto é, das aprendiza- gens que ele traz e propõe como sendo fundamentais para que o ser humano desenvolva conhecimentos, competên- cias e valores, em todas as dimensões e em todas as fases da sua vida, desde a infância até a idade adulta, em qual- quer nível ou espaço de ensino e em qualquer cultura.

Nele há também o reconhecimento de que a aprendizagem não é apenas um processo intelectual, mas o meio fundamental para o desenvolvimento do indivíduo através de todas as dimen- sões da vida humana, considerando o seu desenvolvimento pessoal, social e produtivo e, finalmente, o indicativo de um ideal antropológico em termos de formação humana que, se perse- guido com competência e persistência, poderá contribuir sobremaneira com as futuras gerações. (“Educação: um tesouro a descobrir”, Comissão Internacional sobre educação para

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

9

o século XXI, 8ª ed. São Paulo: Cortez 2003), usualmente conhecidas como os Quatro Pilares da Educação.

É dispor de um conjunto de competências pessoais que

possibilitem à pessoa relacionar-se melhor consigo mesma

enquanto condição para relacionar-se com os outros e com as

suas circunstâncias naturais, sociais, econômicas, políticas e

culturais, bem como para relacionar-se com a dimensão trans-

cendental – de natureza religiosa ou não - que alimenta de

sentido e significado a sua existência.

Desenvolver a compreensão e aceitação progressiva de si

próprio e do outro e a percepção da interdependência entre os

seres humanos no sentido do convívio, do trato, da realização

de projetos comuns e da preparação para aprender a gerir con-

flitos no respeito pelos valores do pluralismo, da compreensão

mútua e da convivência pacífica é a aprendizagem de que trata

este pilar.

O fazer deixou de ser puramente instrumental. Nesse senti-

do, valoriza-se a competência pessoal que torna a pessoa apta

a enfrentar novas situações e não apenas a restrita qualificação

profissional. Ou seja, qualidades humanas que se manifestam

nas relações interpessoais e que são mantidas no trabalho

passam a ser mais apreciadas.

APRENDER

A SER

APRENDER

A FAZER

APRENDER

A CONVIVER

APRENDER

A CONHECER

Esta aprendizagem vai além do domínio do conhecimento,

ou seja, não se limita à aquisição de um acervo de saberes pro-

priamente ditos. Ela se estende ao domínio da própria forma

como se adquire o conhecimento e das diversas maneiras de

cada um lidar com ele, por meio do acesso ou da sua produção.

Para Jacques Delors (1998, p. 92) “aprender a conhecer supõe,

antes de tudo, aprender a aprender, exercitando a atenção, a

memória e o pensamento.” A literatura trata simultaneamente

como um meio e como uma finalidade.

Em 2006, com a expansão das Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral (assim batizadas pela Secretaria Estadual de Educação), iniciada em Pernambuco, a TGE foi incluída como parte do processo de formação dos Gestores das escolas de Ensino Médio e a partir de 2010 foram incorporados os Gestores das escolas dos anos finais do Ensino Fundamental.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

A minha comunidade tem trabalhado mais pela

universalização ou mais pela qualidade da educação?

10

TGE – Uma quebra de paradigmas

Vivemos uma época de profundas e constantes transformações. A socie- dade do século XXI, calcada no conheci- mento, na fluidez de relacionamentos e na adaptabilidade às mudanças, deman- dará cada vez mais dos seus partícipes uma formação integral, ou seja, que considere várias dimensões humanas (corpo, intelecto, espírito e emoção).

Reunir as condições para atuar diante desses cenários, exigiria cada vez mais a oferta de uma escola totalmente comprometida com sua atividade-fim, isto é, trabalhar incansavelmente pela busca e manutenção de uma educação de qualidade.

Vale relembrar a lógica que orienta este modelo. Após recuperação da infra- estrutura do Ginásio Pernambucano, iniciou-se um profundo projeto de recuperação da estrutura pedagógica e da qualidade do ensino por meio da criação de um novo paradigma na educação pública brasileira. Esse paradigma referia-se à criação de uma nova escola pública de Ensino Médio que equacionasse a “univer- salização” e a “qualidade”, fundamenta- da num modelo pedagógico eficaz e num modelo de gestão absolutamen- te comprometido com resultados.

A questão paradigmática que se pôs foi como introduzir inovações em conteúdo, método e gestão de maneira a assegurar que as concepções peda- gógicas pudessem ser efetivamente transformadas em ações e, por con- sequência, nos resultados esperados e pactuados, decorrentes do desejo e dos esforços conjugados por toda a comunidade escolar. A partir disto,

tornava-se cada vez mais clara a relação direta e imprescindível entre o Modelo Pedagógico e o Modelo de Gestão posto que a Tecnologia de Gestão Educacional se coloca como a base que oferece os mecanismos para trans- formar as intenções pedagógicas em efetiva ação.

Em vista disso, a TGE apoia-se em princípios, conceitos e instrumentos, para integrar tecnologias educacio- nais e contribuir decisivamente na formação plena do educando. A TGE exige uma verdadeira desconstrução de conceitos e paradigmas para en- tender, aceitar e praticar seus postu- lados. Portanto, ela é mais consciência do que um método de gestão, porque requer de todos os profissionais que compõem a equipe escolar a adoção de posturas e atitudes que, via de regra, não fazem parte das práticas cotidia- nas das escolas. Ainda que todas traba- lhem para cumprir sua tarefa educativa conforme preceitua a legislação brasi- leira, não necessariamente os resulta dos são assegurados. Aqui, a adoção da TGE é movida pela determinação em construir um novo paradigma para a gestão escolar, criando a condição para que o modelo de gestão “sirva” ao mode- lo pedagógico, implicando em processos que necessariamente levarão a escola a gerar os resultados comprometidos com a sua visão. Aqui, portanto, fala-se não apenas de cumprimento de preceitos

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

Qual tem sido a atitude da minha comunidade? Quais adaptações teríamos que fazer? Temos educado pelo trabalho?

11

legais, mas de envolvimento numa perspectiva que eleva os profissionais da escola a uma condição de corres- ponsabilidade, não apenas pelo proje- to escolar, mas pela própria realização do Projeto de Vida dos estudantes, no qual todos se reconhecem fundamen- tais para a sua constituição. Portanto, ao mesmo tempo em que se reconhe- cem valorizados pela estatura da sua tarefa educativa, sentem-se igualmente comprometidos a realizá-la.

A TGE também se ajusta à realida- de de cada escola, respeitando suas peculiaridades, ao mesmo tempo em que direciona ações para sanar as demandas administrativas e pedagógi- cas identificadas.

Em síntese, a TGE: • Quanto à sua Postura, rege-se mais pela consciência do que pelo método. • Adapta-se a cada realidade. • Educa pelo trabalho, pelo fazer, portanto vale-se mais da prática do que da teoria.

A Tecnologia de Gestão Educacional constitui-se um instrumento versátil e eficaz, na medida em que torna um ciclo de planejamento escolar um exer- cício contínuo, de “ação e concepção” (teoria e prática). Instrumentos estra- tégicos e operacionais dão vida à TGE - os Planos e Programas de Ação - e proporcionam a “matéria-prima” para a elaboração dos relatórios de acom- panhamento. A partir daí, inicia-se um novo ciclo de planejamento, tendo como pano de fundo a melhoria con- tínua dos processos administrativos

e pedagógicos. Todos vivenciam uma relação “ganha-ganha” com a prática deste modus operandi: pais, gestores e vice-gestores, coordenadores peda- gógicos, docentes, equipe de apoio, parceiros, diversos setores da Secreta- ria de Educação, além do seu principal participante, o estudante.

Teoricamente, a TGE trata do “óbvio”. A prática, porém, envolve conscienti- zação e disposição para rever paradig- mas, assumir uma nova postura, trans- formar obstáculos em oportunidades de aprendizado e sucesso para todos, à medida em que o projeto escolar se realiza e se cumpre. Essa característica é de fundamental importância, pois propicia aos que dela se beneficiam uma oportunidade única de desenvolvimento humano, entendido aqui como uma junção harmônica das habilidades cognitivas e socioemocionais.

A expressão máxima dessa abor- dagem metodológica configura-se no Projeto de Vida dos estudantes, pois esse se assemelha à elaboração do Plano de Ação da própria escola, no qual estudantes, educadores e gestores se utilizam da mesma linguagem e dos mesmos instrumentos para planejar, definir metas, gerenciar suas ativida- des e avaliar seus resultados.

Vamos agora aos princípios e con-

ceitos que norteiam a implantação da TGE no ambiente escolar.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

O ICE entende como tecnologias educacionais o conjunto de conhecimentos e de know how de cada membro da equipe escolar, incluindo a equipe de apoio (agente de pátio, merendeira, secretária). Todos têm uma tecnologia que deve ser colocada a serviço da escola, bem utilizada pelo diretor e, necessariamente, gerar resul- tados porque existe numa perspectiva contributiva.

No fim, o Plano de Ação da Escola é a materialização de um sonho coletivo, do Projeto de Vida de uma comunidade.

O CICLO VIRTUOSO

12

Princípios

Ciclo virtuoso

O estudante e o provimento de uma educação de qualidade devem ser a centralidade da escola – o que ocupa a mente de cada um dos membros da equipe escolar, de acordo com suas áreas específicas. A escola deve gerar resultados, satisfação da comunidade (entenda-se sociedade) pelo desem- penho dos estudantes, educadores e gestores. Todos devem estar a serviço da comunidade e devem se sentir realiza- dos pelo que fazem e pelos resultados que obtêm.

O Ciclo Virtuoso, representado abai- xo, é um importante princípio da TGE.

Ele evidencia as relações existentes entre gestão pública, escola/estudante, investidores sociais e comunidade e como estas se retroalimentam via um sistema de comunicação pautado na confiança e na parceria.

Nesta perspectiva, gestão públi- ca, comunidade, escola e investidores sociais atuam precipuamente em be- nefício da formação dos educandos, promovendo a manutenção e perpetui- dade de um sistema público de ensino de qualidade, comprometido com os conceitos e princípios da Escola da Escolha. Em vista disso, cria-se um ci-

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

Princípios e Conceitos da TGE

Voltando à definição da TGE, como a arte de integrar tecnologias específicas (di- ferentes saberes, às diversas áreas do conhecimento) e de educar pessoas, lem- bran-do que ela é mais consciência do que um método de gestão. A TGE demanda uma abertura para o novo, para uma nova forma de ver, sentir e cuidar da escola.

13

Educação pelo trabalhoclo virtuoso, produtor de riqueza mate- rial e moral: • Os estudantes bem formados im- pactam positivamente a comunidade em que vivem, nos espectros político, econômico, social e cultural; • Os investidores sociais (parceiros) interagem e percebem claramente, ao longo do tempo, os benefícios socioe- ducacionais originados da replicabili- dade do Modelo nas demais escolas de uma rede pública de ensino; • A escola e a comunidade estabelecem um processo progressivo de aproxima- ção, tendo no exercício de uma edu- cação de qualidade, o elo entre pais e educandos; • A gestão pública maximiza seus in- vestimentos sociais, empregando de maneira eficaz, eficiente e efetiva, os tributos angariados da sociedade.

Grande parte das dificuldades e confli- tos vivenciados na escola (e em tantas outras organizações) é motivada pela falta de comunicação com uma inten- ção clara. É a própria fala em movimen- to entre os interlocutores que, ao ser recebida, gera um outro movimento, de preferência aquilo que é necessário e que se espera. Se não gerar isso, é somente “falação”. O Gestor deve ter a comunicação como foco de seu tra- balho. Perdendo o foco, põe em risco a sinergia da equipe.

Educação pelo Trabalho é um princípio educativo que exerce uma influência construtiva e deliberada na formação e desenvolvimento das pessoas. Nela, a transmissão de conhecimentos, valo- res, princípios, atitudes, competências e habilidades se dão em tempo e condi- ções reais, no dia a dia do exercício de suas atividades.

A TGE traz uma visão pedagógica na qual o processo educativo deve ocorrer

para, pelo e no trabalho. Na educação para o trabalho, o educando aprende para trabalhar; na educação pelo tra- balho, ele trabalha para aprender; e na educação no trabalho, ele se auto-edu- ca. A Educação pelo Trabalho pode ser considerada a veia principal da TGE, para a qual confluem as estratégias.

Por esta razão, este princípio tem a condição de mobilizar a escola para o futuro, assegurando ao mesmo tempo a sua sobrevivência, a sua expansão e a sua sustentabilidade.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

Comunicação

© Centro de Ensino Experimental de Arcoverde

EQUIPE ESCOLAR DESCENTRALIZADA

14

Conceitos

Descentralização

Descentralizar significa distribuir as responsabilidades e decisões de um trabalho entre os protagonistas da ação (os seus autores). Paralelamente, os objetivos das ações pactuadas devem estar claros para gestores, coordenadores pedagógicos, profes- sores e alunos. Com isso, criam-se condições favoráveis ao delineamento do processo de delegação planejada. A descentralização está assentada sobre a pedra angular formada pela disciplina, respeito e confiança. Disciplina não significa militarismo, inflexibilidade, nem intransigência.

Constitui-se, sobretudo, do envol-

vimento de todos na consecução dos objetivos comuns. A segunda caracte- rística da descentralização refere-se ao respeito mútuo, balizando o relaciona- mento entre os diversos participantes do processo educativo.

Significa, antes de tudo, um clima de abertura que favoreça iniciativas e eclosão de novas ideias, independen- temente de ter partido do gestor ou do educando. A terceira e última caracte- rística da descentralização pressupõe a existência da confiança, que não deve ser imposta, mas sim, conquis- tada. Depende, por sua vez, de valores morais, tais como probidade e retidão.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

15

Delegação planejada

Adicionalmente, a competência profis- sional insere-se como condição sine qua non à realização de um processo de descentralização coerente com seus propósitos.

Significa praticar a liderança acredi- tando no potencial do outro, em sua competência e vontade de se desen- volver, tendo em vista à delegação gra- dual de responsabilidades com base na confiança e no alinhamento com as concepções filosóficas da escola. O conceito de descentralização, confor- me visto anteriormente, exige do ges- tor autoconhecimento e envolvimento com os receptores da sua ação.

Reflexos concretos de um processo de delegação exitoso: • Aprofundamento do senso de eficácia. • Intensificação dos sentimentos de pertencimento e lealdade à escola. • Construção conjunta dos indicadores de desempenho. • Geração de sentimentos de autoestima e orgulho coletivos.

Complementarmente, a delegação planejada, gradualmente dirigida

e exercitada, pode propiciar aos educandos e à equipe escolar,

a execução de tarefas com graus crescentes de complexidade, pautadas

nas capacidades e maturidades cognitiva e emocional de cada um.

• Entendimento das expectativas refe- rentes ao desempenho. • Surgimento do espírito de equipe.

O Ciclo PDCA (Plan, Do, Check, Act) é um conceito e um instrumento des- tinado a apoiar o processo de melhoria contínua que considera as fases: plane- jar, executar, avaliar e ajustar.

Constitui-se uma poderosa ferra- menta para acompanhamento e detec- ção dos ajustes necessários ao final de uma aula, uma eletiva, um processo ou até mesmo de um período letivo.

Os resultados proporcionados pela utilização do Ciclo PDCA em uma organização também contribuem para o desenvolvimento do pensamento crítico dos seus colaboradores. O estí- mulo constante em planejar, executar, avaliar e ajustar pode desencadear em cada pessoa uma melhor compreensão do(s) processo(s) de que participa, pro- piciando condições para o surgimento de um ambiente criativo em toda a escola.

Destacamos ainda que o Ciclo PDCA pode ser aplicado tanto em processos administrativos quanto pedagógicos. Não importa a área, o conceito da melhoria contínua pode e deve permear toda a escola. A figura a seguir ilustra o ciclo do plano de gestão estratégico da Escola.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

O ciclo de melhoria contínua O Ciclo PDCA

PLANEJAR “Plan”

1 EXECUTAR

“Do”

2

AVALIAR “Check”

3 AJUSTAR

“Act”

4

P D

A C

CICLO DE MELHORIA CONTÍNUA

16

Vamos agora à definição de cada uma das fases do Ciclo PDCA citadas acima: Planejar: estabelecer objetivos, es- tratégias e metas propostas. Executar: implantar o plano, executar o processo e coletar dados para mape- amento e análise dos dados gerados. Avaliar: (medição e análise): estudar os resultados reais e comparar com as metas, no intuito de se averiguar as diferenças. O foco deve ser no desvio da execução do plano, na análise das diferenças para determinar as cau- sas, checando a adequação e a inte- gridade das ações. Dados gráficos podem facilitar a visualização de eventuais tendências. Com base nas informações analisadas, podemos passar à próxima fase. Ajustar: (ações corretivas): determinar

onde aplicar as mudanças que incluem a melhoria do processo. Ao final de um período, geralmente anual, é impres- cindível proceder à correção do Plano de Ação da escola, ajustando estra- tégias, metas, indicadores e outras variáveis, em função da vivência de cada um e dos resultados alcançados. Após essa fase, recomeça-se um novo Ciclo PDCA.

O exercício dos conceitos acima abordados proporcionam ao Gestor preciosas informações acerca da esco- la que administra.

A cultura da melhoria contínua pode contribuir, decisivamente, para o alcance de patamares crescentes de eficiência escolar, pavimentando o caminho dos estudantes na cons- trução dos seus Projetos de Vida.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

CICLO DE VIDA DA ESCOLA

17

Níveis de resultados

As escolas existem e se consolidam em suas respectivas comunidades como instituição que assegura os processos formais de educação das crianças e dos jovens. Existem por tempo indefi- nido, para serem perenes, mediante a integração sinérgica e produtiva das pessoas que lhes dão vida, ou seja, que asseguram a sua operação. É impor- tante analisar a relação entre os resul- tados alcançados e o ciclo de vida da escola. Os resultados são diretamente proporcionais ao ciclo de vida.

Podemos dizer que há distintos níveis do ciclo de vida da escola:

• Sobrevivência • Crescimento • Sustentabilidade Cada um desses níveis é suporte

para o seguinte. Não são estáticos, eles se sobrepõem e se interligam.

Vejamos, como exemplo, uma nova escola de Ensino Médio que adere ao Modelo da Escola da Escolha:

Em condições ideais, serão necessá- rios aproximadamente três anos para

que esta escola navegue pelos dois pri- meiros níveis (Sobrevivência e Cresci- mento) e então se estabeleça no nível da Sustentabilidade.

É natural e esperado que o primeiro ano de implantação ainda seja de muitas incertezas, de erros e acertos e também de muitas descobertas com as quais todos deverão aprender.

Já na transição para o segundo ano, espera-se que a escola tenha entendido plenamente os princípios do Modelo, adquirido domínio das meto- dologias, consolidado suas rotinas, sua forma de se organizar, de se comunicar etc. É também no segundo ano, que a equipe escolar deve estar em busca, cada vez mais, do autodesenvolvimento e do aperfeiçoamento pessoal e pro- fissional. Ao fim do terceiro ano, a ex- pectativa é que a escola se estabeleça como centro difusor de boas práticas como reflexo dos resultados alcançados e tenha condições de se tornar uma Escola Tutora, apoiando a formação de novos Gestores em novas comunidades.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

18

Ela se torna sustentável porque criou as condições, pelos resultados que exibe, de se manter operando no sistema e demonstra para a sociedade, para o gestor público e investidores sociais a quem ela responde, o que se espera dela enquanto instituição pública de educação, ou seja, ela gera valor ao sistema, provando que não é apenas alimentada/mantida pelo

sistema público que a financia, mas ela também alimenta esse mesmo sistema público porque oferece à sociedade que a financia (pelo pagamento dos seus tributos) os resultados que lhes são devidos. A escola é sustentável porque retribui sob a forma de resultados àquele que a mantém por meio de re- cursos advindos dos tributos.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

PARCEIROS

19

A parceria é a manifestação do com- promisso e da responsabilidade com um objetivo comum.

Na relação com a comunidade, a escola pode e deve firmar alianças com Parceiros Locais (organizações e/ou pessoas) que apoiam o projeto escolar por meio de ações que atendem uma determinada demanda específica.

Parceria

Por outro lado, existem parcerias estabelecidas na dimensão da Secretaria de Educação. Esses são os Parceiros Institucionais. São organizações e/ou pessoas que, associadas à Secretaria de Educação, apoiam no conjunto de todas as Escolas da Escolha ou no maior número possível, por meio de ações que beneficiam a escola no de- senvolvimento de projetos acadêmi- cos, científicos, culturais, artísticos ou esportivos.

As Escolas da Escolha cumprem com a sua responsabilidade como par- ceiras da comunidade quanto produtor de riqueza moral quando:

• alcançam a sobrevivência, o cresci- mento e a sustentabilidade;

• oferecem à comunidade um ensino público de qualidade;

• formam um patrimônio moral re- presentado por uma geração de jovens com valores éticos;

• criam oportunidades para o estu- dante desenvolver outras habilida- des além das cognitivas, as socio- emocionais;

• contribuem para o desenvolvimento social e econômico da comunidade por intermédio do jovem autônomo, solidário e competente.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Princípios e Conceitos

©iStock.com/kali9

Alguns autores consideram a admi- nistração uma área interdisciplinar do conhecimento, uma vez que utiliza métodos e saberes de diversas ciências, como contabilidade, direito, economia, filosofia, psicologia, sociologia etc.

Historicamente, a necessidade de organizar os estabelecimentos nasci- dos com a Revolução Industrial, levou profissionais de outras áreas mais an- tigas, como a engenharia, a buscar so- luções específicas para problemas que não existiam antes. Assim, a aplicação de métodos de ciências diversas para administrar esses empreendimentos deu origem aos rudimentos da “ciência da administração”.

O termo “administração” vem do latim “administratione”, que significa direção, gerência. Portanto, consis- te no ato de administrar ou gerenciar pessoas ou recursos com o objetivo de alcançar metas previamente pactuadas

e definidas. Além disso, é uma área do conhecimento fundamentada em um conjunto de princípios, normas e conceitos elaborados para disciplinar os fatores de produção, tendo em vista o alcance de determinados fins, como a adequada prestação de serviços públi- cos (por exemplo, a oferta de um ensi- no de qualidade).

Portanto, como elo entre os recursos e os objetivos de uma escola, cabe ao gestor combinar os meios na proporção adequada e constantemente tomar decisões num contexto de restrições, pois nenhuma organização dispõe de recursos ilimitados e a capacidade de processamento de informações do ser humano é, também, limitada. Adminis- trar (ou gerir) envolve a elaboração de planos, programas, relatórios e proje- tos em que é exigida a aplicação de co- nhecimentos inerentes às técnicas de administração (gestão).

Tecnologia de Gestão Educacional Planejamento e Operacionalização

Qual a relação entre gestão e escola? Por que precisamos de um Modelo de Gestão?

22

Uma escola, como toda organização vol- tada à consecução de um determinado objetivo, necessita dispor de maneira coordenada seus recursos (materiais e humanos) em prol da realização da sua atividade-fim. Por exemplo, formar cidadãos, habilitando-os para atuarem competentemente na “sociedade do con- hecimento” (empregamos esse termo ao nos referirmos à sociedade atual, demandante de indivíduos cada vez mais qualificados, cidadãos críticos e proposi- tivos e que tenham a capacidade de atuar e influir consistentemente nos contextos político, econômico, social e cultural).

Pensar o agir constitui etapa relevan- te de qualquer ação do Gestor ou educa- dor. Planejar é o momento de reflexão, de discutir com a equipe a visão de futu- ro estabelecida pela Secretaria de Edu- cação para a Escola da Escolha e de de- cidir como desdobrá-la em estratégias e ações a serem operacionalizadas no dia a dia da Escola. Esse também é o momen- to de refletir sobre as expectativas da es- cola, os prazos e os responsáveis pelo le- vantamento de informações e dados, que servirão de subsídio à elaboração dos instrumentos de gestão.

Os instrumentos são: Plano de Ação: é um instrumento estratégico da escola que norteia a equipe escolar na busca de resultados comuns sob a liderança do Gestor.

A TGE utiliza alguns importantes instrumentos de gestão, traduzindo estratégia em operação, ou melhor

dizendo, sonho em ação.

Como estes instrumentos operam entre si e a favor dos resultados esperados?

Programa de Ação: é um instrumento operacional individual que trata dos meios e processos e que desdobram as estratégias traçadas no Plano de Ação em ações no chão da escola. Agenda: é o instrumento que traduz “o quando” do Plano de Ação para a equi- pe escolar. PDCA: é um instrumento destinado a apoiar o processo de melhoria contínua.

O Planejamento se inicia a partir da observância do Plano de Ação da escola – sua “bússola” estratégica – e se desdobra nos Programas de Ação dos profissionais que compõem a equi- pe escolar – o modus operandi – o “fazer” de cada um. Nos Programas de Ação, encontramos os objetivos, metas e indicadores que nortearão o curso de uma ação individual para a realiza- ção dos resultados pactuados no Plano de Ação.

Não apenas o Planejamento, mas outras ações do cotidiano da orga- nização escolar devem ter como re- ferência o que preceitua o PDCA, ou seja, que a passagem atenta e plena por todas as suas fases deve levar a organização a uma trajetória contínua de melhoria dos processos e, por con- sequência, dos resultados obtidos.

Deve-se ter em mente a carac- terística estratégica do Plano de Ação ao subsidiar a elaboração dos Programas de Ação. A ideia consis- te em desdobrar o Plano de Ação em Programas de Ação para cada

Como funciona a Fase de Planejamento?

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Planejamento e Operacionalização

©iStock.com/track5

23

Elaboração do Plano de Ação da Escola

Estudo e Mobilização da Equipe Escolar1

O primeiro passo do Gestor na elabora- ção do Plano de Ação da Escola é ter em mãos o Plano de Ação da Secretaria de Educação. Esse documento irá nortear a definição das estratégias específicas da escola e de seus desdobramentos. É importante ressaltar que a Visão de futuro e as Premissas no Plano de Ação da Secretaria de Educação não devem ser alteradas, pois se trata de uma expressão da Secretaria.

A preparação para a elaboração do Plano de Ação da Escola é um momen- to importante para que o Gestor se posicione como líder de sua equipe e dê o tom do trabalho que está por vir. Diante da importância desta etapa inicial, recomendamos que:

O GESTOR DA ESCOLA • Estude com a equipe escolar os funda- mentos do Modelo da Escola da Escolha. O roteiro da representação da Escola de- ve apoiar o entendimento necessário para o início da elaboração do Plano de Ação. • Reproduza a sequência que motivou a criação do Modelo no contexto daquela Secretaria, daquele município ou estado. • Utilize o material de referência apresen- tado nas formações já realizadas e nos materiais recomendados para estudos. • Assegure o tempo necessário na se- mana de planejamento para sessões de discussão e debate para o pleno enten- dimento do Modelo a ser implantado.

O GESTOR E TODA A EQUIPE • Com os fundamentos conhecidos, podem iniciar a discussão do Plano de Ação da Secretaria de Educação. • Serão necessários vários encontros com a equipe para entender, discutir e preparar o Plano de Ação da Escola.

O Plano de Ação dispõe ao Gestor uma ferramenta gerencial específica para melhor planejar, executar, ava- liar e replanejar objetivos, metas e estratégias da escola. Integra tanto processos administrativos quanto pedagógicos, fazendo com que esses processos coexistam complemen- tarmente. É aí que reside um dos diferenciais mais importantes desse Modelo, ou seja, a plena integração entre processos de gestão a serviço dos processos pedagógicos que, jun- tos, operam para assegurar os resul- tados da escola que interessam a to- dos e são responsabilidade de todos.

Adicionalmente, o Plano de Ação visa a reforçar a conexão entre visões de curto, médio e longo prazo, ou seja, proporciona meios de se agir no presente, mas também enxergan- do os possíveis impactos. Em outras palavras, o Plano de Ação alme- ja harmonizar um dos principais desafios administrativos: com- patibilizar as estratégias de longo prazo com as ações de curto prazo de uma escola.

TECNOLOGIA DE GESTÃO EDUCACIONAL

Planejamento e Operacionalização

membro da equipe escolar, espelhando os objetivos, metas e indicadores que nortearão o seu curso de ação individual.

comentários (0)

Até o momento nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar!

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 51 pages

baixar o documento