NB013 Cap 2 Taylor e Ford A2013 S1, Notas de estudo de Engenharia Informática
wellington-cassio-faria-8
wellington-cassio-faria-8

NB013 Cap 2 Taylor e Ford A2013 S1, Notas de estudo de Engenharia Informática

26 páginas
45Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Taylor e Ford
40 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 26
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 26 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 26 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 26 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 26 páginas
Slide sem título

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Cap. 2 – Taylor e Ford

Baseado no livro: Teoria Geral da Administração: Da Revolução Urbana à Revolução Digital – A. C. A.

Maximiano – Sexta Edição

Prof. Guilherme Augusto Barucke Marcondes

NB013 – Administração e

Empreendedorismo

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Frederick Winslow Taylor

Criador e maior destaque da administração científica.

Formou-se em direito em Harvard.

Foi torneiro mecânico em uma fábrica de bombas

hidráulicas.

Observou o que considerava má administração:

“corpo-mole” dos funcionários.

Relações de má qualidade entre funcionários e gerentes.

Trabalhou em uma usina siderúrgica – de operário a

gerente.

Retomou seus estudos e formou-se mestre em engenharia.

Engenheiro brilhante com várias invenções e patentes.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Frederick Winslow Taylor (cont.)

Em seu trabalho na siderúrgica, observou:

A administração não tinha noção clara da divisão de suas

responsabilidades com o trabalhador.

Não havia incentivo para melhorar desempenho.

Muitos trabalhadores não cumpriam suas responsabilidades.

Decisões baseadas na intuição e no palpite.

Sem integração entre departamentos.

Trabalhadores em tarefas para as quais não tinham aptidão.

Gerência não via o benefício da excelência no desempenho (tanto

para si própria quanto para os trabalhadores).

Havia conflito entre capatazes e operários sobre a quantidade da

produção.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Administração Científica

Sociedade Americana dos Engenheiros Mecânicos.

Primeira Fase

- Ataque ao

“problema dos

salários”.

- Estudo sistemático

dos tempos.

- Definição de

tempos-padrão.

- Sistema de

administração de

tarefas.

Segunda Fase

- Ampliação do

escopo, da tarefa

para a administração.

- Definição de

princípios de

administração do

trabalho.

Terceira Fase

- Consolidação dos

princípios.

- Proposição de

divisão de autoridade

e responsabilidades

dentro da empresa.

- Distinção entre

técnicas e princípios.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Administração Científica – Primeira Fase

Problema do salário.

Duas formas de pagamento:

Por dia trabalhado: não valorizava a produtividade.

Pagamento por peça: quando a produção aumentava muito,

administradores diminuíam valor pago por peça. Desestímulo à

produtividade.

Proposta de Taylor: A piece-rate system.

Raiz da administração científica.

Definir, de forma científica e exata, qual a velocidade máxima em

que o trabalho poderia ser feito.

Estudo sistemático e científico do tempo.

Dividir cada tarefa em subtarefas básicas. Definir tempo-padrão para

cada uma.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Administração Científica – Primeira Fase

Motivação Definir valor dos salários

com maior precisão.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Administração Científica – Primeira Fase

Motivação Definir valor dos salários

com maior precisão.

Estudo de Tempos

Estudo de Tempos e Movimentos

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Administração Científica – Segunda Fase

Salário era um aspecto de um contexto muito maior.

A questão era mais ampla e mais complexa.

A ênfase passou a ser a produtividade.

Aprimoramento dos métodos de trabalho.

Apresenta os princípios da administração:

Seleção e treinamento de pessoal.

Salários altos e custos baixos de produção.

Identificação da melhor maneira de executar tarefas.

Cooperação entre administração e trabalhadores.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Administração Científica – Terceira Fase

Reafirma as ideias já apresentadas.

Amplia e propõe mudanças.

Criação de um departamento de planejamento.

Trabalho intelectual.

Estudar e propor aprimoramentos no chão-de-fábrica.

Departamento

de Planejamento

Estuda, pensa, planeja e aprimora

atividade na fábrica.

Operários e

Supervisores Executam a produção.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Administração Científica – Terceira Fase

Mecanismos da administração.

Estudos de tempos e movimentos.

Padronização de ferramentas e instrumentos.

Padronização de movimentos.

Conveniência de uma área de planejamento.

Cartões de instruções.

Sistema de pagamento de acordo com desempenho.

Cálculo de custos.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Administração Científica

Produtividade é resultado da

eficiência e não da

maximização do esforço.

Não é trabalhar duro, nem

depressa, nem bastante, mas

trabalhar de forma inteligente.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Frank e Lilian Gilbreth

Estudo dos movimentos.

Foco inicial na construção civil.

Experiência do assentamento de tijolos.

Colocação dos tijolos na altura em que o pedreiro podia pegar sem

agachar.

Aumento da produtividade pela redução de movimentos

desnecessários.

Estudo da fadiga.

Necessária: resultante das atividades exigidas para conclusão de

uma tarefa.

Desnecessária: resultante das atividades que não precisariam ser

feitas – desperdício de energia.

Redesenhar ambientes de trabalho para reduzir fadiga

desnecessária.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Henry Gantt

Foi assistente de Taylor.

Especialista em eficiência.

Comportamento humano: resistência à mudança e normas

grupais interferiam na produtividade.

Desenvolveu vários trabalhos de treinamento em hábitos

industriais e de como treinar trabalhadores.

Desenvolveu um método gráfico para controle diário da

produção.

Seu método foi difundido e é conhecido como Gráfico de

Gantt.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Hugo Munstenberg

Aplicação da psicologia ao ambiente industrial.

Ajudar a encontrar os homens mais capacitados para o

trabalho.

Definir as condições psicológicas mais favoráveis ao

aumento da produção.

Produzir influências desejadas nos trabalhadores de acordo

com os interesses da administração.

Elaboração dos primeiros testes de seleção de pessoal.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Críticas à Administração Científica

Trabalhadores, imprensa e políticos criticavam a

administração científica.

Aumentar eficiência provocaria desemprego.

Técnica para fazer o operário trabalhar mais e ganhar

menos.

Taylor foi convocado pelo congresso americano para dar um

depoimento.

Ao final, uso de cronômetro e pagamento de incentivos

foram proibidos.

Pessoas como meras “peças” do processo produtivo.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Produção em Massa

- Uma única tarefa ou pequeno

número de tarefas.

- Posição fixa dentro de uma

sequência.

- O trabalho vem até o trabalhador.

- As peças e máquinas ficam no

posto de trabalho.

- Máquinas especializadas

- Sistema universal de fabricação e

calibragem

- Controle da qualidade.

- Simplificação das peças.

- Simplificação do processo

produtivo.

Peças Padronizadas Trabalhador Especializado

Princípio da Produção

em Massa

F o

n te

: T e

o ri

a G

e ra

l d

a

A d

m in

is tr

a ç

ã o

– A

. C

.

A .

M a

x im

ia n

o –

S e

x ta

E d

iç ã

o

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Produção em Massa

- Uma única tarefa ou pequeno

número de tarefas.

- Posição fixa dentro de uma

sequência.

- O trabalho vem até o trabalhador.

- As peças e máquinas ficam no

posto de trabalho.

- Máquinas especializadas

- Sistema universal de fabricação e

calibragem

- Controle da qualidade.

- Simplificação das peças.

- Simplificação do processo

produtivo.

Peças Padronizadas Trabalhador Especializado

Princípio da Produção

em Massa

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Produção em Massa

Produto dividido em partes.

Fabricação de cada parte é uma etapa.

Operários se dedicam a uma única tarefa ou a um pequeno

grupo delas.

Mais fácil treinamento: só precisa conhecer uma tarefa.

Aumento de produtividade: realiza muitas vezes a mesma

tarefa.

Sem visão do todo.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Linha de Montagem de Henry Ford

No início, linha era mais artesanal.

Tempo médio de ciclo de 514 minutos (tempo trabalhado

antes de serem repetidas as tarefas).

Cada trabalhador ficava em uma mesma área. O Carro

vinha até ele.

Cada trabalhador fazia uma parte importante do carro e

não uma única tarefa.

Fazia todas as atividades em um dado carro antes de

passar para o próximo.

Trabalhador tinha que buscar as peças no estoque.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Linha de Montagem de Henry Ford

Primeiras providências:

Peças eram entregues no posto de trabalho. Trabalhador

não precisava mais sair.

Cada trabalhador executar uma única tarefa.

Os trabalhadores andavam de carro em carro.

Tempo médio de ciclo caiu para 3 minutos.

Problemas:

Movimentação consumia tempo.

Trabalhadores tinham velocidades diferentes: os mais

rápidos perdiam eficiência quando encontravam os mais

lentos pela frente.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Linha de Montagem de Henry Ford

Separação das plantas produtivas.

Algumas partes do carro eram feitas em plantas

separadas.

Havia uma planta para a montagem final, que recebia

partes prontas.

Linha de montagem móvel.

Produto em processo desloca-se, enquanto operários

ficam parados.

Mecanização da linha.

Redução do tempo de montagem do chassis: de

12h28min para 1h33min.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Linha de Montagem de Henry Ford

Consequências.

Tempo médio de ciclo caiu para 1,19min.

Menor necessidade de investimento.

Maior velocidade de produção.

Menor necessidade de estoque. Menor custo.

Quanto maior carros eram fabricados, mais baratos

ficavam.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Inovações de Ford

Além das inovações na linha de montagem, outros aspectos

foram aplicados.

Dia de trabalho de 8h.

Duplicou valor do salário dos operários. Para ele, os

trabalhadores deveriam ser capazes de comprar o

produto que fabricavam.

Manual em formato de perguntas e respostas, com

explicações simples de como resolver 140 prováveis

problemas.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Modelo Ford – Novas Ocupações

Com a implantação e popularização do modelo

desenvolvido por Ford, novas ocupações surgiram.

Engenheiro industrial, para planejamento e controle da

montagem.

Engenheiro de produção, para o planejamento do

processo de fabricação.

Faxineiros, para limpar a área de trabalho.

Controlador da qualidade.

Supervisores, para identificar e comunicar problemas na

fábrica.

Reparadores, para manutenção dos postos de trabalho.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Expansão do Modelo Ford

A Ford passou a ser a primeira dentre as indústrias

automobilísticas do mundo.

Muitos industriais visitavam as fábricas da Ford para

aprender o modelo.

Os princípios da administração científica e a linha de

montagem foram responsáveis pela grande expansão da

atividade industrial.

As fábricas atualmente empregam muito mais tecnologia,

mas muitos dos conceitos de Taylor e Ford ainda podem ser

observados.

w w

w .i n

a te

l. b

r

Taylor e Ford

Cap. 2 – Taylor e Ford

Baseado no livro: Teoria Geral da Administração: Da Revolução Urbana à Revolução Digital – A. C. A.

Maximiano – Sexta Edição

Prof. Guilherme Augusto Barucke Marcondes

NB013 – Administração e

Empreendedorismo

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 26 páginas