Normas de Comunicação em Língua Portuguesa, Notas de estudo de Língua Portuguesa
bruno-moroz-11
bruno-moroz-11

Normas de Comunicação em Língua Portuguesa, Notas de estudo de Língua Portuguesa

15 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Normas de Comunicação em Língua Portuguesa
70 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 15
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 15 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 15 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 15 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 15 páginas

Normas de Comunicação em Língua Portuguesa

Mudanças no alfabeto

•O alfabeto passa a ter 26 letras. Foram reintroduzidas as letras k, w e y.

O alfabeto completo passa a ser:

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z Uso do I

• Conjugação dos verbos em: uir Exemplo: Possuir – Possui Contribuir – Contribui

Uso do G

Terminação em: -gem e –ege. Exemplo: Garagem, virgem, rege.

Atenção: Exceto: pajem e lambujem.

Terminação de verbos em: -ger, -gir. Exemplo: Proteger, convergir.

Usar o G depois da vogal A quando a vogal não for prefixo. Exemplo: Agido. Atenção: Exceto: ajeitar (o prefixo a + radical jeit).

Uso do J

Terminação em: -aje. Exemplo: ultrajem.

Terminação de verbos em: -jar. Exemplo: Viaje, arranjei, (talvez elas viajem), (atenção: fazer uma viagem).

Uso do X

Usa-se o X depois de duas vogais. Exemplo: Caixa.

Usa-se o X depois de –em quando não for prefixo. Exemplo: Enxergar, enxame.

PAGE 16

Atenção: Encharcar, enchedor.

Prefixo –ex. Exemplo: exala, exaurir.

Uso do Z

Em palavras que tem terminação em: -zada, -zal, -zeiro, -zinho, -zito, -zona, -zota, -zorra, -zudo. Exemplo: Mãozada, cafezal, caquizeiro, paizinho (pai).

• Nos verbos que tem terminação em: -izar. Exemplo: Civilizar (civil+izar), finalizar (final+izar), otimizar.

Substantivos femininos que tem terminação em: -eza ou –ez. Exemplo: Nobreza, rapidez.

Na conjugação dos verbos que terminam em: -zer e –zir. Exemplo: fez, fazia, traziam, conduz.

Trema

Não se usa mais o trema (¨), sinal colocado sobre a letra u para indicar que ela deve ser pronunciada nos grupos gue, gui, que e qui. Exemplo: Seqüência – Sequência Agüentar – Aguentar

Atenção: o trema permanece apenas nas palavras estrangeiras e em suas derivadas. Exemplos: Müller, mülleriano.

Acentuação

São Oxítonas as palavras cuja sílaba tônica é a última. E a acentuação termina em: éis, ói(s), á(s), é(s), ê(s), éis, ó(s), ô(s), éu(s), ói(s), ém, éns. Exemplos: papéis, herói, fiéis, céu, já, além.

São Paroxítonas as palavras cuja sílaba tônica é a penúltima. E a acentuação termina em: ã(s), ão(s), ei(s), i(s), um, uns, us, l, n, on(s), r, x, ps. Exemplos: álbum, bíceps, íon, jóquei.

Obs.: ○ Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no i e no u tônicos quando vierem depois de um ditongo.

É OBRIGATÓRIO acentuar pôde na 3º pessoa do singular. Exemplo: Ontem pôde, hoje não pode mais.

Não se acentua os hiatos -ee, -oo: crêem, dêem, enjôo, voos.

Não se acentua para ( verbo parar): ele para.

PAGE 16

Acento agudo (´)

• I e u tônicos isolados da vogal anterior e que não formam sílaba com o fonema seguinte (com exceção do s) ou que não estão antes de nh. Exemplo: aí, cafeína, sanduíche, saúde.

Atenção: Rainha, moinho, campainha.

Compare: Juízo – juiz Caíres - cair

Palavras com terminação em éis e ói(s). Exemplos: papéis, heróis, dói (verbo doer).

Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no i e no u (se haver sequência de duas vogais com sílabas diferentes). Exemplos: Baiúca - baiuca Feiúra - feiura

Atenção: 1) Se a palavra for oxítona em terminação i ou em u estiverem em posição final ou seguidos de (s), o acento permanece. Exemplos: tuiuiú, tuiuiús, Piauí; 2) Se o i ou o u forem precedidos de ditongo rescente, o acento permanece. Exemplos: Guaíba, Guaíra.

Acento circunflexo

O acento circunflexo não será mais usado nas palavras terminadas em oo. Exemplos: Vôo – Voo Enjôo – Enjoo

Hífen

Ohífen deixa de ser empregado nas seguintes situações:

Quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com as consoantes s ou r. Nesse caso, a consoante obrigatoriamente passa a ser duplicada.

Quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com uma vogal diferente. Exemplo: auto-estrada – autoestrada contra-regra - contrarregra

O hífen é empregado nas seguintes situações:

Usa-se o hífen diante de palavra iniciada por h. Exemplos: anti-higiênico

PAGE 16

Usa-se o hífen se o prefixo terminar com a mesma letra com que se inicia a outra palavra. Exemplos: micro-ondas

Não se usa o hífen se o prefixo terminar com letra diferente daquela com que se inicia a outra palavra. Exemplos: autoescola

Com os prefixos sub e sob, usa-se o hífen também diante de palavra iniciada por r. Exemplos: sub-região

Usa-se o hífen com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, vice. Exemplos: Além-mar

Aquém-mar Ex-aluno

O prefixo co junta-se com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por o ou h. Neste último caso, corta-se o h. Se a palavra seguinte começar com r ou s, dobram-se essas letras. Exemplos: Coobrigação Coedição Cosseno

Com os prefixos pre e re, não se usa o hífen, mesmo diante de palavras começadas por e. Exemplos: Preexistente Reescrever

Na formação de palavras com ab, ob e ad, usa-se o hífen diante de palavra começada por b, d ou r. Exemplos: ad-digital

ob-rogar ab-rogar

Não se usa o hífen na formação de palavras com não e quase. Exemplos: (acordo de) não agressão (isto é um) quase delito

Com mal*, usa-se o hífen quando a palavra seguinte começar por vogal, h ou l. Exemplos: mal-entendido

mal-humorado mal-limpo

Quando mal significa doença, usa-se o hífen se não houver elemento de ligação. Exemplo: mal-francês.

Se houver elemento de ligação, escreve-se sem o hífen. Exemplos: mal delázaro.

Obs.: Se no final da linha a partição de uma palavra ou combinação de palavras coincidir com o hífen, ele deve ser repetido na linha seguinte.

PAGE 16

Exceções de uso letras minúsculas e maiúsculas

• Letra minúscula inicial: ○ Usada em nomes de dias, meses, estações do ano: segunda-feira, outubro, primavera. Pontos cardeais: norte, sul. Mas nas abreviativas maiúsculo. No uso de fulano, sicrano, beltrano.

Exemplos: senhor, doutor (opcionalmente com maiúscula). Cursos e disciplinas (opcionalmente com maiúscula).

• Letra maiúscula inicial: ○ Nomes pessoais reais e fictícios: Pedro Marques, Branca de Neve, Netuno. Nomes de cidades: Lisboa, Rio de Janeiro. Nomes de instituições: Instituto Nacional de Previdência Social Nomes de festas e festividades: Natal Páscoa, Todos os Santos. Títulos periódicos: O Primeiro de Janeiro, O estado de São Paulo. Pontos cardeais ou equivalentes, quando empregados absolutamente: Não se refere a um lugar específico. Exemplo: Nordeste - nordeste do Brasil. Siglas ou abreviaturas: UTCH, NACH, TMSE.

Numerais

Cardinal: indica quantidade. Exemplo: um, três. Ordinal: Indica ordem. Exemplo: segundo, quinto. Multiplicativo: indica quantas vezes. Exemplo: duplo, triplo. Fracionário: indica parte. Exemplo: meio, terço.

Obs.: - 9ºC = nove graus Celsius; - 11h12min15s = onze horas, doze minutos e quinze segundos. - 11º 12’ 15’’ = onze graus, doze minutos e quinze segundos. - O Primeiro dia do mês sempre é Ordinal. Exemplo: 1º/08/2010.

Números Romanos: I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII, IX, X.

Dica: O número 5 em romano é escrito como V e 4 é o mesmo que V-I=IV então 5-1=4. Exemplo: 6+1=7 ou VI+I=7

Numeração Progressiva:

Primária: 1 2 3 ... Secundária: 1.1 1.2 2.5 ... Terciária: 1.1.1 1.4.3 3.2.1 ... Quaternária: 1.1.1.1 3.4.3.1 ...

Exemplo: 4 Preparo dos projetos 4.1 Procedimentos prévios

PAGE 16

4.1.1 Os projetos devem ser preparados pelas Comissões de estudo.

• Dica sobre títulos:

5 TÍTULOS 5.1 Os títulos das seções são destacados gradativamente, usando-se racionalmente os recursos de negrito, itálico ou grifo e redondo, caixa alta ou versal etc.

Dicas sobre pontuações:

Vírgulas ,

Quando não usar a vírgula:

Em hipótese alguma, use vírgulas entre:

SUJEITO VERBO COMPLEMENTO DO VERBO Exemplo: Certo: Empresários e gestores de todos as empresas almejam crescer na carreira e alcançar seus objetivos profissionais e pessoais. Errado: Empresários e gestores de todos as empresas, almejam crescer na carreira e alcançar seus objetivos profissionais e pessoais. (o uso da vírgula separa sujeito do verbo)

Não usar vírgula antes de etc., que significa "e outras coisas", "e assim por diante".

Obs.: NÃO PODE usar conjunção e antes de etc. Certo: Os colaboradores fazem diversos cursos de aperfeiçoamento, pós-graduação, MBA etc. Errado: Os colaboradores fazem diversos cursos de aperfeiçoamento, pós-graduação, MBA e etc.

Quando usar a vírgula:

Enumeração de mais de dois elementos: Exemplo: O processo seletivo é composto por teste on-line, dinâmica de grupo e entrevista. (1) (2) (3) ○Para isolar o aposto explicativo (usar duas vírgulas): Exemplo: O treinamento , fundamental para a capacitação dos profissionais, tem ganhado cada vez mais importância nas empresas. (aposto: fundamental para a capacitação dos profissionais) Para isolar o vocativo Exemplo: Carlos, por que você ainda não chegou à reunião? (vocativo: Carlos) Para marcar a supressão do verbo em uma oração: Exemplo: Eu fiz um curso de Gestão de Projetos; ele, de Comunicação Escrita. (ele fez - verbo suprimido) Para isolar certas expressões exemplificativas, conformação e conjunções: Além disso, por exemplo, isto é, ou seja, a saber, aliás, ou melhor, ou antes, com efeito,

PAGE 16

a meu ver, por assim dizer, por outra, entretanto, no entanto, por isso, logo etc. Exemplo: Não sei se faço esse curso no próximo semestre. Ou melhor, nem sei se terei as quintas-feiras à noite livres para fazer o curso. (uma vírgula em início de oração) ○ Antes das conjunções mas, porém, pois, embora: Exemplo:Sei que você não gosta de estudar quando é feriado , mas será preciso finalizar o trabalho o mais urgente possível.

Separar elementos quando não vêm ligados por e, nem, ou.

Obs.: Quando e, nem, ou estão repetidos, usam-se vírgulas antes: Exemplo: A decisão é sua: ou estuda, ou trabalha, ou viaja.

Isola elemento ou oração de valor explicativo, retificativo, conclusivo e o aposto: Exemplo: Localizar no mesmo lugar, no Largo da Sé, ocupa um prédio antigo.

Isola palavra que indica chamamento. Exemplo: - Venha cá, Zé. - Venha cá, Zé, e traga a nota.

Ponto final .

Quando termina um período.

Em abreviaturas e siglas. Exemplo: A Sr.ª Luiza trabalha no Curtume Couraça S.A.

Obs.: Quando a abreviatura estiver no final da frase, basta usar só um ponto.

Separa algarismos em datas, em números de lei e grupos de três algarismos (da direita para esquerda) quando indicam quantidade. Exemplo: Será em 18.08.2010

Lei n. 8.057. São 1.253 metros (atenção: processo n. 1253; Av. Brasil, 1253; CPF 089 556 453-53).

Ponto e vírgula ;

Indica pausa de leitura maior que a vírgula e menor que a do ponto final. Exemplo: O resultado foi péssimo; ninguém se conformou.

Separa partes de um período que se equivalem e das quais pelo menos uma contém vírgula. Exemplo: Mário comprou livros; Maria, revistas.

Separa itens de enunciados enumerativos. Exemplo: Caneta; Papel; Lápis; Caderno; Livro.

Dois Pontos :

PAGE 16

Para indicar citação das palavras ou do pensamento de alguém. Exemplo: Ela disse emocionada: “Eu estava com saudades”.

Antes de enumeração explicativa: Exemplo: São esses alimentos: queijo, presunto, pão, requeijão.

Antes de esclarecimento, síntese ou consequência. Exemplo: Olhou para o relógio: três horas.

Obs.: Depois do vocativo que encabeça cartas, requerimentos, ofícios, etc., costuma-se colocar DOIS PONTOS, VÍRGULA ou PONTO FINAL. (mas isto depende de cada autor)

Ponto de interrogação ?

Indica pergunta direta. Exemplo: Você fez o relatório?

Em casa de dúvida é seguido por reticências. Exemplo: Será que ele consegue?...Duvido.

Ponto de exclamação !

Indica expressão exclamativa. Exemplo: Não é possível.

Pode-se combinar ? com !, nas seqüências ?!, indicando surpresa. Exemplo: Você?! Quem esperaria por esta!?

Pode reforçar a expressão exclamativa. Exemplo: Viva a liberdade!!

Reticências ...

Indicar continuidade de uma ação ou fato. Exemplo: O tempo passa...

Indicar suspensão ou interrupção do pensamento. Exemplo: Vim até aqui achando que...

Representar, na escrita hesitações comuns na fala. Exemplo: - Vamos jantar amanhã? - Vamos...

Realçar uma palavra ou expressão. Exemplo: Não há motivo para tanto mistério

Realizar citações incompletas. Exemplo: O professor pediu que considerássemos esta passagem do hino brasileiro: "Deitado eternamente em berço esplêndido..."

PAGE 16

Deixar o sentido da frase em aberto, permitindo uma interpretação pessoal do leitor. Exemplo: "Estou certo, disse ele, piscando o olho, que dentro de um ano a vocação eclesiástica do nosso Bentinho se manifesta clara e decisiva. Há de dar um padre de mão-cheia. Também, se não vier em um ano..." (Machado de Assis).

Parênteses ( )

• São usados no caso de parte independente de uma sentença ou parágrafo, não diretamente relacionada com o restante da oração. Exemplo: Apelou contra empresas de telecomunicações (Embratel, Telefônica).

• Pode ser empregado para indicar uma questão, idens... Exemplo: a) b) c)

Colchetes [ ]

Isolam uma contrução que já contém parênteses. Exemplo: [2-5(5+8.2)]

Barra /

• Pode separar versos de um poema se solução de continuidade. Exemplo: “Terra adorada/Entre outras mil,/És tu, Brasil.”

• Em abreviaturas. Exemplo: A/C (aos cuidados) c/c (conta corrente)

• Entre o número do documento e o ano indicado pela década. Exemplo: 71/98

• Para indicar uma expressão alternativa usando e/ou. Exemplo: João Santos e/ou José.

Aspas “ “

Citações

Destacar palavras pouco usada (palavras estrangeiras, com valor afetivo, com sentido irônico, etc).

Exemplo: Que “maravilha” sua nota: um

Travessão

É um sinal de pontuação que serve para indicar mudança de interlocutor e para isolar palavras, frases ou expressões. Exemplo: - Por quê?

- Você sabe bem o motivo!

Asterisco *

PAGE 16

Usa-se no final da página ou do capítulo, uma citação ou comentário sobre o vocábulo ou o trecho. Exemplo: “...Tínhamos sido nomeados presidente e secretário da província de *** o Lobo Neves e eu.”

Apóstrofo ‘

Suprime a vogal, em certas palavras compostas ligadas pela preposição de. Exemplo: copo-d’água

Mãe-d’água

Algumas dificuldades

Acerca de – a respeito de. Cerca de – aproximadamente, mais ou menos. Há cerca de – existe(m), faz aproximadamente. Afim – que tem finalidade ou semelhança. A fim de – com o propósito de ou para. A par de – junto, bem informado ou ciente. A par de – valor igual para duas moedas ou equivalente ao seu valor legal. Ao nível de – à mesma altura. Em nível de – no plano de. Através de – lado a lado, transversalmente, por entre ou no decurso do tempo. Ao invés que - ao contrário de. Mais bem, mais mal – usa-se sempre antes de particípio: Agora o relatório está mais bem redigido. O clube nunca foi mais mal dirigido que agora. Obs.: Conta melhor aqui do que lá. Fala pior que analfabeto. Mal – é antônimo de bem: Escreveu mal. Mau – é antônimo de bom: É mau aluno. Malgrado – apesar de. Mau grado – de má vontade. Menos – é invariável, não há menos: Mais amor, menos confiança. Por atacado – conseguir por menor preço. Nem um – refere-se a numeral. Nenhum – apõe-se a algum. Onde – situação estática, sem movimento: É confortável onde estamos. Obs.: Pode ser de onde, mas nunca pode ser da onde ou adonde. Aonde – situação dinâmica, com movimento: Aonde vais? Donde – indica origem: Donde veio? Por isso – grafa-se separadamente: Estudou muito, por isso foi bem. Se não – equivalente a caso não. Obs.: Pode-se por uma palavra ente se ou não. Senão – Conjunção: equivalente a do contrário.

Preposição: equivalente a exceto, a não ser. Substantivo: equivalente a defeito.

Senão quando – equivalente a de repente, eis que.

Regência Nominal

Os substantivos, adjetivos e advérbios de uma oração podem exigir complemento de preposição. Exemplo: A proposta foi aceita por eles.

PAGE 16

Regência Verbal

Complementação de um verbo, que é o objeto direto, sem preposição e se é objeto indireto, com preposição, ou se não é necessário qualquer complemento. Exemplo: O preço não agradou aos fregueses.

Preposições: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por, sem, sob, sobre, trás.

Crase

• Usa-se em a, as, aquele(s), aquela(s) e aquilo.

(à, às) Podem ser inseridas antes de palavras femininas.

Para verificar se há crase ou não: Substituição do termo feminino por um masculino e observar se deveria ser usado ao ou aos. Exemplo: Voltei a cidade. = Voltei ao parque. – Portando: Voltei à cidade. A crase é empregada, obrigatoriamente: nas expressões que indicam horas ou nas locuções à medida que, às vezes, à noite, dentre outras, e ainda na expressão “à moda”.

A crase não ocorre: antes de palavras masculinas; antes de verbos, de pronomes pessoais, de nomes de cidade que não utilizam o artigo feminino, da palavra casa quando tem significado do próprio lar, da palavra terra quando tem sentido de solo e de expressões com palavras repetidas (dia a dia).

Pronomes

Pronomes pessoas

Uso do eu e do mim: Já o pronome "mim" é empregado no final de frase onde não especifica a ação futura do sujeito. Exemplo: Entre mim e ele não houve brigas.

O pronome "eu" é empregado antes de um verbo, uma ação ou depois de uma preposição. Exemplo: Preparei uma refeição para eu comer.

Uso do se, si, consigo: Podem ser empregados como reflexivos e podem acrescentar mesmo(s), mesma(s). Exemplo: Ela traz consigo a alegria. Muitos só pensam em si. (= em si mesmos)

Obs.: É errado dizer: Vou consigo à cidade. É correto dizer: Vou com você à cidade.

PAGE 16

Uso de de ele(s), de ela(s), dele(s), dela(s). Quando ele(s), ela(s) são sujeitos, não se contraem com preposição. Exemplo: É o momento de ele se explicar. A volta dele era muito esperada.

Pronomes demonstrativos:

Pronomes demonstrativos

Variáveis Invariáveis 1ª pessoa aquele (s), aquela (s) isto 2ª pessoa esse (s), essa (s) isso 3ª pessoa seu (s), sua (s) aquilo

Este(s), esta(s), isto: Para quando o ser ou objeto estiver perto de quem fala. Exemplo: Este livro que estou lendo é de Matemática.

Esse(s), essa(s), isso: Para quando o ser ou objeto estiver perto de quem ouve. Exemplo: Esse livro que você pegou tem que ser devolvido à biblioteca amanhã.

Aquele(s), aquela(s), aquilo: Para quando o ser ou objeto estiver longe de quem fala e também de quem ouve. Exemplo: Qual é aquele livro no final do estante?

• Pronomes relativos:

○ Que: Relaciona um termo de uma oração com a de outra evitando repetições de nomes. Exemplo: Li o livro. O livro é interessante. = Li o livro que é interessante. / O livro que li é interessante.

○ Quem: Referente a pessoas. Exemplo: Laura é a garota em quem confio.

○ O qual; a qual; os quais; as quais: Usa-se a qual no lugar de que quando o pronome vier distante do termo a que se refere. Exemplo: No Rio de Janeiro, houve uma convenção de trabalhadores em companhias de telecomunicações à qual fui convidado.

- Emprega-se após preposições e locuções de duas ou mais sílabas (ante o qual, apesar do qual, após o qual, até o qual, conforme o qual, desde o qual, durante o qual, perante o qual, segundo o qual, sem o qual, sob o qual).

○ Cujo; cuja; cujos; cujas: Equivale a do qual (da qual, dos quais, das quais) e concorda com o termo que vem após. Exemplo: O livro cuja edição está esgotada fez-me muita falta.

- Cujo pode vir depois de preposição. Exemplo: O autor em cujo livro se encontram estas idéias foi muito criticado.

Onde: Equivale a em que, no qual, na qual, nos quais, nas quais e refere-se a um lugar (NUNCA a tempo). Exemplo: A faculdade onde estudo é umas da melhores.

PAGE 16

• Pronomes indefinidos:

- Algum: Quando estiver antes de um substantivo, é positivo. Exemplo: Algum funcionário foi indiscreto.

- Quando estiver depois de um substantivo, é negativo. Exemplo: Ele não sabe coisa alguma sobre isso.

- Certo: Antes de um substantivo, é adjetivo. Exemplo: O amigo certo conhece-se nas horas incertas.

- Todo: Exemplo: Fazia todo problema que o professor passasse. (qualquer, cada) Exemplo: Fazia todo o problema antes de assinalar a alternativa. (inteiro, completo)

• Colocação dos pronomes pessoais átonos: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes.

○ PRÓCLISE: é obrigatória nos seguintes casos:

- Com palavras negativas: Nãotedisse isso.

- Com conectivos (conjunções subordinativas e pronomes relativos): Eu disse queovimos ontem.

- Com certos advérbios: Semprenos encontramos aqui.

- Com palavras interrogativas: Quemte disse?

- Com palavras exclamativas: Comomevalorizam!

○ MESÓCLISE: Só deve ser usada quando o verbo está no futuro e não haja motivo para uma próclise. Exemplos: Dar-te-ei um cigarro. (Futuro do presente) Dar-te-ia um cigarro. (Futuro do pretérito)

Obs.: Não te darei um cigarro. (Próclise obrigatória)

ENCLISE: é a posição para a Gramática Tradicional. Exemplo: Dê-me uma flor.

• Pronomes átonos em locuções verbais: Colocação do pronome solto entre dois verbos. Exemplo: Quero te dar um presente.

ATA

Como fazer uma ata:

Título da reunião; Introdução (relatar sobre o título da reunião, locar, data, horário e participantes);

PAGE 16

Participantes da reunião (nome completo do participante e especificar de qual instituição ele é); Contexto (leitura e aprovação da ata anterior, a ordem do dia, deliberação, resoluções, outros assuntos, encerramento); Relatar sobre a pauta da reunião, os temas a serem tratados e os respectivos responsáveis de cada tema. Desenvolvimento (descrever sobre os temas principais citados na reunião); Recomendações (descrever recomendações e observações feitas no decorrer da reunião); Assinaturas; Distribuição (relatar o nome de quem a ata será enviada).

Dicas:

Números, valores, datas e outras expressões sempre representadas por extenso; Texto completamente contínuo, sem parágrafos ou listas de itens. Sem emprego de abreviaturas ou siglas; Sem emendas ou rasuras; Todos os verbos descritivos de ações da reunião usados no pretérito do indicativo (disse, declarou, decidiu...).

Correspondência Interna As CI’s compreende várias modalidades, como relatórios, comunicações internas

ou memorandos, avisos, circulares, bilhetes, ordens de serviços memórias, entre outros documentos. Pode ser o tradicionalmente texto impresso ou em correio eletrônico.

Servem para mensagens, solicitações, consultas, informações breves; enfim, comunicação geral, principalmente interdepartamentais. A linguagem é simples, e tem a forma de documentar que algo foi comunicado. As empresas têm, normalmente, impresso próprio, que corresponde a meia carta, para a padronização das comunicações internas.

Sugestão de uma CI:

Comunicação Interna

Para______________ Dep.__________________ De_______________ Dep.__________________ Assunto___________ Data:__________________

Relatório Sugestões:

Capa: Título do relatório; Nome do relator; Cidade; Ano.

Na folha de rosto:

PAGE 16

Título do relatório; Referência; Destinatário; Relator; Assunto; Data da verificação (início e conclusão); Data final da elaboração; Tipo de relatório (parcial, total, inicial, final); Data final da elaboração; Tipo de relatório (parcial, total, inicial, final); Natureza (normal, confidencial, reservado, secreto);

Folhas seguintes: Resumo (o quê? Por quê? O que se fez? Recomendações); Introdução; Objetivos (o que se pretende); Método (entrevistas, questionários, observações, testes...); Meios (instrumentos); Duração (quanto tempo); Pessoal envolvido; Desenvolvimento; Fatos, constatações (exatos, objetivos, em seqüência); Avaliação crítica: motivos e consequência ou causas e efeitos; Recomendações (medidas a serem tomadas); Conclusão (resultados esperados); Anexos; Bibliografia; Local e data; Assinatura; Nome Legível; Identificação funcional.

PAGE 16

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 15 páginas