Organização Industrial USP - Notas de Aula - Cap 02 Noções de Administração, Notas de aula de Engenharia Química

Organização Industrial USP - Notas de Aula - Cap 02 Noções de Administração, Notas de aula de Engenharia Química

5 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
Descrição
Material do Profº Dr. Antônio Carlos França da EEL USP
60 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 5
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Microsoft Word - Cap_ 02_ Nocoes Adm.doc

2 - NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO Administrar é uma arte que se resume em tomar decisões, ou seja, fazer escolhas gerando ações que serão executadas por outras pessoas, ou que as afetarão. Administrar é: Planejar, Programar, Organizar, Dirigir, Acompanhar, Controlar, Reavaliar e Implementar ações que levem a um resultado desejado. É gerir recursos para otimizá-los estrategicamente, relacionando organização, tecnologia, pessoas, mercado, produtos, serviços e tendências. 2.1- Métodos Básicos de Administração a) Método da Experiência Individual – Método baseado na experiência de bons resultados obtidos, é geralmente

conservador e monopolizante. É um método funcional considerado de “Alto Risco”. Tem por chavão: “Foi assim que eu fiz. Sempre deu certo. Assim que deve ser feito”.. Esse método é geralmente adotado por pequenas empresas de características familiares, nas quais o dono tendo conhecimento técnico suficiente produz bens ou presta serviços calcado em sua experiência adquirida através de anos de trabalho. O que deu certo para um, pode não funcionar para outro. A maneira como foi feito pode não ser a melhor para fazer de novo.

b) Método Científico - Método estratégico e planejado de estudo do trabalho para melhorias dos índices de perdas e desperdícios. É um método de “Risco calculado”. O método Científico concite em: - estudar o trabalho, - medir movimentos, tempos e métodos, - calcular sua produtividade, - analisar cada ação de modo a cortar ou eliminar as desnecessárias, - planejar mudanças, - preparar os envolvidos para novas ações e - implantar os procedimentos, - medir novamente, - analisar os novos dados obtidos e - comparar as produtividades. - E, então, estabelecer novos procedimentos e padrões.

input output

custo ofaturament

Consumido ProduzidoADEPRODUTIVID === (1)

A aplicação da ciência à administração pode não resultar propriamente em ferramentas pragmáticas de aplicação imediata no dia-a-dia, mas certamente constitui a forma principal no processo de compreender as organizações. O conhecimento administrativo compõe-se de respostas a algumas perguntas tão antigas quanto às organizações:

- Quais os fatores que podem fazer com que a produtividade seja elevada? - Como motivar os trabalhadores para que eles trabalhem de acordo com o esperado?

- Como maximizar os ganhos e minimizar os recursos? - Como reduzir os custos?

Durante muito tempo as respostas eram em torno de ações que levavam a condições subumanas de trabalho como a adoção do capataz severo, punições, escravização e recompensas. Algumas escolas do pensamento administrativo surgiram por volta de 1890 impondo um processo evolutivo às organizações e a influenciar a gestão dos negócios.

ESCOLAS DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO Escolas Época Aproximada Principais Destaques Visão do Homem Administração Científica (1) 1890 a 192 Taylor, Grant Econômico Normativista (2) 1890 a 1925 Fayol, Gulick Econômico Relações Humanas (3) 1927 Mayo, Kurt Lewin Social Comportamento Humano (3) 1932 a 1940 Argyres, Somon, McGregor Social Burocrática (4) 1940 Max Weber, Merton, Selznick, Scott, Bendix Organizacional Estruturalista (5) 1950 Etizioni, Merton Organizacional Sistemas Gerais 1951 Ludwing, Von Bertalanffy, Katz, Johnson Funcional Administração por Objetivos (6) 1954 Peter, Drucher, Alfred, Sloan Jr. Econômico Desenvolvimento Organizacional (3) 1962 Leland Bradford, Blake, \mouton Administrativo Contingência (7) 1972 Laurence, Lorsch, Tompson Complexo Qualidade Total e Melhoria Contínua 1980 (até nossos dias) Outras Denominações: (1) Mecanicista, Tradicionalista, Americana; (2) Clássica, Européia, Teoria Administrativa; (3) Behaviorista; (4) Teoria da burocracia; (5) Weberiana; (6) APO, Neoclássica; (7) Administração Tecnológica.

2.2 - Contribuições Clássicas à Teoria da Administração 2.2.1 – Teilorismo (Taylor)

Frederick Winslow Taylor (1856-1915), maior colaborador da Administração Científica, nasceu na Filadélfia. De família comum, de princípios rígidos, foi educado dentro de uma mentalidade de disciplina, de devoção ao trabalho e poupança. Em seus primeiros estudos, tomou contato direto com os problemas sociais e empresariais decorrentes da Revolução Industrial. Iniciou sua vida profissional como operário, em 1878, na Midvale Steel Co.,onde exerceu as funções de capataz, contramestre, chefe de oficina e engenheiro em 1885, quando se formou pelo Stevens Institute. Acreditava que a produtividade aplicada com técnicas científicas resultava em prosperidade para o patrão e para os empregados. A partir de estudos de movimentos e tempos possibilitou o estabelecimento da produção-padrão, abrindo caminho para a redução de custos e da eficiência planejada de baixo para cima, ou seja do chão da fábrica para os escritórios a administração 2.2.1.1 - Principais técnicas científicas desenvolvidas

a) Padronização dos movimentos e dos tempos necessários à execução das tarefas. c) Designação das tarefas de acordo com as qualificações do trabalhador e treinamento para desempenho da

tarefa. c) Pagamento de acordo com a produtividade. d) Cooperação entre a administração e os trabalhadores. e) Estabeleceu cargos específicos para encarregados da execução do trabalho, tais como: encarregado das ordens

de execução, encarregado das instruções, encarregado de tempos, encarregado geral (disciplina), encarregado de inspeção, dentre outros

2.2.1.2 - Princípios da administração científica

1º) Desenvolver uma ciência para cada elemento do trabalho do homem. 2º) Selecionar cientificamente e depois treinar, instruir e desenvolver o trabalhador (antes ele escolhia seu próprio trabalho e treinava a si próprio o melhor que podia). 3º) Cooperação sincera com os trabalhadores, de modo a garantir que o trabalho esteja sendo feito de acordo com a ciência que foi desenvolvida. 4º) Existe uma divisão quase igual de trabalho entre a administração e os trabalhadores do chão de fábrica. A administração toma a seu cargo todo trabalho de planejamento e os trabalhadores o de execução. Antes, a maior parte das responsabilidades era atribuída à mão-de-obra direta.

2.2.1.3 - Palavras de Ordem da Administração:

Planejar – é visualizar o futuro e traçar programas de ação. Organizar – é dar função aos recursos material e humano da empresa. Comandar – é dirigir e orientar o pessoal. Coordenar – é ligar, unir, harmonizar todos os atos e esforços coletivos. Controlar – é verificar que tudo ocorra de acordo com as regras

2.2.1.4 – Resultados do Estudo de Movimentos e Tempos Melhor resultados (menos desperdícios de materiais e mão de obra) Mais economia Menor cansaço Maior bem-estar Pagamento de salários e gratificações por resultados Melhor produtividade 2.2.2 - Henri Fayol Henri Fayol (1841-1925), nascido em Constantinopla e radicado em França, graduou-se engenheiro de minas pela Escola Nacional de Minas de Saint Étienne, em 1860 e trabalhou toda sua vida em uma empresa de mineração de carvão e fundição de ferro. Projetou-se como administrador industrial com publicações de diversas obras e artigos. Definiu, sob sua visão, as funções básicas do administrador e da empresa. 2.2.2.1 – Funções e princípios básicos do administrador industrial Planejar, organizar, dirigir e controlar.

2.2.2.2 - As seis funções da empresa

Técnica (produção, manufatura e transformação). Comercial (compra, venda e troca) Financeira (busca e utilização ótima do capital) Segurança (proteção de propriedades e pessoas) Contábil (registro de estoques, balanços, custos e estatísticas) Administrativa (planejamento, organização, direção, coordenação e controle) A função Social da empresa (na época não era dada importância) surge mais tarde com a evolução da interferência de governos nos negócios empresariais.

2.2.2.3 - Princípios Estruturais

a) Divisão do Trabalho – relacionado à especialização e às idéias de Taylor. b) Unidade de direção – atividades com mesmo objetivo devem ser subordinadas a um mesmo plano e um

mesmo gerente. c) Centralização – equivalência entre responsabilidades de gerentes. d) Autoridade e Responsabilidade – a autoridade do gerente deve ser proporcional às responsabilidades que lhes

são designadas.

e) Hierarquia – composta pelos quadros de comando, do mais alto gerente ao menos graduado dos funcionários.

2.2.2.4 - Princípios de Processo:

a) Eqüidade – determinante do interesse em desempenhar tarefas com devoção e lealdade. b) Remuneração do pessoal – justa e suficiente para atender as necessidades básicas do trabalhador.

c) Disciplina – cumprimento de acordos estabelecidos entre empresa e seus empregados. d) Unidade de Comando – linhas de hierarquia no relacionamento superior - subordinado.

2.2.2.5 - Princípios do Resultado Final: Planos Padrões Procedimentos Controle Resultados 2.2.3 – Fordismo Henry Ford (1863 - 1947), engenheiro, americano, trabalhou como aprendiz de mecânico até juntar dinheiro e estabelecer-se por conta própria com uma fábrica de arado a vapor. Em 1888 fabricou a primeira carruagem a vapor. Fundou a Ford Motor Company e lançou em 1903 seu 1º carro - Modelo A de dois cilindros ao preço de US$ 850. - Encarou o lucro sob outro prisma; - Antes se vendia pouco com alto lucro por unidade. Se as vendas crescessem poderia ganhar na quantidade mesmo que com menos lucro. “Com preços acessíveis, as vendas crescem e compensam o baixo lucro-unitário”. - Classes menos abastadas deviam usufruir a posse de um carro. - Diminuiu o lucro por unidade; aumentou a produção com alta rotatividade. 2.2.3.1 - Diretrizes Econômico-sociais adotadas por Ford:

Qualidade / Preço adaptado ao consumidor. Barateamento do custo = aumento de consumo. Pagamento de altos salários = maior satisfação / maior poder aquisitivo. Salário médio nas indústrias da época era de US$ 2,40/h por 9 horas de trabalho.

Ford pagava US$ 5,00/h por 8 h de trabalho (1914).

- A Autoridade Legal – A obediência não é devida a alguém pessoalmente, mas as regras e regulamentos legais. A pessoa investida de autoridade, quando dá uma ordem, também obedece a uma regra.

Autoridade e Responsabilidade são funções inseparáveis.Quem delega responsabilidade tem que delegar também autoridade.

É falso confundir chefia com direção simplesmente. Chefiar é fazer cumprir com o programado. Dirigir é fornecer os meios necessários à realização do programado.

Preço do automóvel Modelo T em 1903 = US$ 850, 00, em 1926 = US$ 310,00 (com salários 4 vezes maior e pagando o dobro pela matéria- prima).

Fig. 1 - 1896: Henry Ford e quadriciclo com o qual chegava a atingir 15 km/h (foi vendido por US$ 200) e o Modelo T, base de um poderoso império automobilístico. 2.2.3.2 - Princípio Econômico TEORIA DA EFICIÊNCIA ECONÔMICA Produtividade Intensificação Economicidade Aumentar a capacidade de Capital de giro Diminuir volume de matéria produção com qualidade menor possível prima na linha de produção

Segredo Pagar pela matéria-prima depois de produzir, vender e receber

o pagamento pelo produto acabado (produção abundante e rápida)

2.2.3.3 - Teoria da Eficiência.– aumento planejado de salários diminuição de custos 2.2.3.4 - Princípios de Administração

1) Não temer o futuro nem idolatrar o passado (“A análise do fracasso é o meio mais inteligente de se começar tudo de novo”). 2) Despreocupar-se com a concorrência e procurar trabalhar melhor que os outros (“É criminoso dominar a concorrência pela força e não pela inteligência”). 3) Colocar o serviço acima do lucro (“O lucro não deve ser a base mas o resultado do serviço”). 4) Fabricar certo não é comprar barato e vender caro (“Não se vende gato por lebre por muito tempo”). 5) O jogo do dinheiro, a especulação e a intervenção dos governos atravancam o progresso de um país.

2.2.3.5 - Princípios da Produção Linear e em Série

1) Todo material deve estar em constante movimentação. 2) Todo trabalho deve vir ao homem e não ao contrário. 3) Todo equipamento deve estar o mais próximo possível do operário. 4) O operário deve estar na posição fisicamente mais cômoda possível. 5) Todo serviço deve ser executado, sempre que possível, na altura da cintura. 6) O empregado deve evitar andar na linha de produção. Fig. 2 – Linha de produção 7) Eficiência e velocidade de produção controlada pela esteira. 8) Descentralização – Ford foi o primeiro a se rebelar contra a centralização de produção. A Ford Motor Company produzia peças e as remetia para as filiais do mundo inteiro.

A Ford do Brasil foi criada em 1919, 1ª. Fábrica automobilística brasileira.

- Ford não dava assistência médica aos funcionários, preferia pagar bons salários para que tivessem poder aquisitivo sem depender da empresa. - Ford detestava toda e qualquer forma de paternalismo.

2.3 - Funções Orgânicas e Administrativas da Empresa 2.3.1 - Funções Orgânicas PRODUÇÃO – Produzir bens para atender as necessidades humanas. VENDA – Distribuição dos bens produzidos para abastecimento do Mercado. BUSCA DE CAPITAL – Busca de recursos para sobrevivência e recompensa pelo trabalho.

2.3.2 - Funções Administrativas(ou os 5 elementos administrativos de Fayol) PREVISÃO - Programação. Planejamento. É adequar-se planejadamente às mutáveis exigências da vida e do trabalho. ORGANIZAÇÃO – É o conjunto das relações estruturais, por meio das quais se realiza a coordenação na empresa. É determinar e relacionar os vários fatores conexos (equipamentos, pessoal, materiais e capital) para a realização do plano de produção estabelecido. É coletar fatores intangíveis (organizar informações, atribuir funções e tarefas, definir as relações entre os elementos da organização, atribuir autoridades e competências). DIREÇÃO – É fazer com que se realizem as fases programadas do trabalho através dos subordinados. É fornecer todos os meios relativos à atividade a desenvolver. COORDENAÇÃO – É a tarefa de harmonizar as várias atividades, a fim de assegurar o sucesso da empresa. É na coordenação que se reúnem toda tarefa administrativa. Meios utilizáveis para a coordenação: Definição do objetivo da empresa Definição de tarefas Expedição de manuais e regulamentos Criação de grupos de organização Desenvolvimento de treinamento interno Realização de reuniões com o pessoal Realização de entrevistas e colóquios pessoais Elaboração de planos e previsão de setores CONTROLE – É a conclusão lógica do ciclo administrativo. Segue a execução da previsão. Verifica a manutenção dos padrões prefixados e procura remover qualquer obstáculo ou anomalia prejudicial ao bom funcionamento de todo o sistema. Alguns parâmetros controlados na empresa:

a) Na produção (estoque de matéria-prima, volume de produção e custo do produto). b) Nas vendas (volume das vendas, custo das vendas e qualidade do produto) c) Na administração (qualidade, quantidade e custo do trabalho administrativo)

Fig. 3 – Operação de caldeira a vapor • • •

Os principais aspectos da organização racional do trabalho (ORT) são:

1- análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos; 2- estudo da fadiga humana; 3- divisão do trabalho conforme a especialização do operário; 4- definição de cargos e tarefas; 5- incentivos salariais e prêmios de produção; 6- conceito de “homo economicus” ; 7- condições ambientais de trabalho; 8- padronização de métodos e de máquinas; 9- supervisão funcional.

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas