Organização Industrial USP - Notas de Aula - Cap 04 Planejamento de Custos Industriais, Notas de aula de Engenharia Química

Organização Industrial USP - Notas de Aula - Cap 04 Planejamento de Custos Industriais, Notas de aula de Engenharia Química

5 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
Descrição
Material do Profº Dr. Antônio Carlos França da EEL USP
70 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 5
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Microsoft Word - Cap 04 - Planejamento de Custos Industrial.doc

$ CUSTO

Produção no período Qnt.

Custo Total - CT

Custo Variável – CV

Custo Fixo – CF

4 – PLANEJAMENTO DE CUSTO INDUSTRIAL

Qualquer dispêndio de recursos financeiros seja ele direto ou indireto, para transformação de riquezas naturais denominadas de matéria prima e insumos, gastos com mão de obra, investimentos em capital, pagamento de taxas e tributos e despesas com manutenção, dentre outros, é denominado de custo de produção.

As empresas separam seus diversos custos em dois grandes grupos denominados Custos Fixos e Custos Variáveis para efeito de planejamento de custos

4. 1 - Custos Fixos ou Irreversíveis (overhead costs) São os custos que não variam com o volume de produção e são funções dos investimentos. Exemplos:

- Juros sobre o capital empatado, - Depreciação de equipamentos (ver nota 1), - Seguros sobre os equipamentos e edificações, - Custo do espaço ocupado (aluguéis), - Despesas gerais de administração, - Despesas gerais de manutenção, - Amortizações de patentes, licenças de fabricação, pesquisas e instalações, - Impostos fixos (IPTU, IR, etc).

4. 2 - Custos Variáveis São os custos que variam com o volume de produção e são funções dos custos operacionais. Exemplos:

- Custos da matéria-prima, - Custos da mão de obra direta, inclusive encargos sociais, - Custos com energia e combustíveis, - Despesas com lubrificantes, - Custos com mão de obra direta de manutenção, - Custos com suprimentos diversos, - Custos com “Royalties” (variáveis), - Impostos variáveis (ICMS, IPI, etc).

4. 3 – Custo Total É a somatória de todos os custos de produção, dos custos fixos e dos custos variáveis. Custo Total (CT) = Custos Fixos (CF) + Custos Variáveis (CV) (2) Graficamente os custos de uma empresa podem ser representados como na Figura 5

Figura 5 – Representação gráfica dos custos

PE

Lucros

Receita de vendas

$ Custos e Receitas

AO

S

Custos Totais

Prejuízos

Unidades Produzidas

Alguns custos podem receber denominações diferenciadas, mesmo que enquadrados em variáveis ou fixos. Os mais comuns são: Custos Sociais (Cs) – usados para distinguir as taxas, tributos e contribuições sociais recolhidos pela empresa. Custo Marginal (CMa) – representa o custo suplementar com a produção de mais uma unidade adicional de produção. Dependendo do tipo de empresa esse custo pode ser muito grande ou muito pequeno em relação ao custo normal da unidade econômica de produção. Custos Médios, Custos Máximos e Custos Mínimos – denominações complementares usadas para estabelecer faixas de tolerância dos custos, como por exemplo: custo fixo médio, custo variável mínimo, custo total máximo. Custos Invisíveis – representam os gastos empresariais muitas vezes sem efetivo controle e desnecessários, tais como o custo de reuniões improdutivas, vendas excessivas de publicidades, consumo elevado de energia, despesas de viagens desnecessárias, perdas de materiais de consumo, etc. 4. 4 - Ponto de Equilíbrio de produção (PE)

Ponto de Equilíbrio de produção éo ponto em que a Receita de Vendas é igual ao Custo Total de Produção, correspondendo a uma quantidade de unidades produzidas (A), mostrado na Figura 6, que corresponde ao volume de produção vendido cuja receita (Rv) cobre exatamente todos os custos de sua produção e comercialização. Operando neste volume de produção a empresa não obtém nem lucro e nem sofre prejuízo. Também é chamado de “Ponto de Paridade” ou “Ponto de Ruptura” (Break Even Point)

Figura 6 – Representação gráfica do Ponto de Equilíbrio de produção. 4. 4. 1 – Determinação do Ponto de Equilíbrio O ponto de equilíbrio se traduz por uma função dada por: PE = f (Rv, QA, CF, CV, L, VUND, …); (3)

onde: VRV = Receita de vendas no período QA = Quantidade “A” produzida no Período CF = Custos Fixos CV = Custos Variáveis L = Lucro no período A = Quantidade produzida no Ponto de Equilíbrio VUND = Valor de venda de uma unidade, VUND = VRV/QA

(4)

(5) (6)

Receita ≥ Despesas

V = CF + CV + L

L = 0 (no ponto de equilíbrio)

Rv

Receita = Custo Total + Lucro

Custo Total

-5% -10%

Faturamento Normal +5% +10%

$ CUSTOS

UNIDADES PRODUZIDAS

Custo totalLucro

Ponto de ruptura e redução dos lucros

Custos Fixos

Receita de Vendas

$ Custos

Produção no período

4. 5 - Variação dos Preços de Venda A variação do preço de venda quando influenciado por descontos promocionais e por superfaturamento faz com que o Ponto de Equilíbrio se desloque para a direita ou para a esquerda, respectivamente, conforme mostrado na Figura 7. O deslocamento do PE deve ser acompanhado com especial cuidado, dependendo da distância que o separa o novo ponto de equilíbrio do PE normal ou atual.

Figura 7 – Deslocamento do Ponto de Equilíbrio em função da variação do preço de vendas. O deslocamento do PE para a direita (desconto ou promoção) implica em redução do lucro e o deslocamento para a esquerda (superfaturamento) em aumento do lucro 4. 6 - Limitantes do Ponto de Equilíbrio – Lucro Máximo / Demanda Elástica

Figura 8 - Determinação do lucro máximo com redução de preços e demanda elástica A prática de descontos em vendas, promoções e o descuido dos índices de demanda do mercado pode levar o ponto de equilíbrio PE1 a se deslocar para a posição PE2 como mostrado na Figura 8. Ao conceder descontos, a curva de Receitas de Vendas (tracejada em negrito) tende a se deslocar assumindo o comportamento da curva de linha cheia em negrito, tendendo voltar a se cruzar com a curva de Custo Total e deslocando o ponto de equilíbrio para a posição PE2. Essa condição levaria a empresa a vender novamente com prejuízo.

a

b

PE

Qa Qb QPE

PE1

PE2

QE1 QE2

4. 7 – O Ponto de Equilíbrio e a Capacidade Ampliada de Produção na Hipótese de Expansão

+

- Figura 9 - Deslocamento do Ponto de Equilíbrio no caso de ampliação da produção na hipótese de expansão da empresa 4.7- Custos Médios Tabela 2- Custos Médios e Custo Marginal

Custos Médios e Custo Marginal de Produção Custo Total Médio CTM = CT / Q Custo Fixo Médio CFM = CF / Q Custo Variável Médio CVM = CV / Q Custo Marginal CMg = ∆CT / ∆Q Q = quantidade produzida; CT = custo total; CF = custo fixo; CV = custo variável; CMg = custo marginal; ∆CT = variação no custo total; ∆Q = variação na quantidade produzida

Período crítico de Expansão

$ CUSTO

QNT. PRODUZIDA

CUSTOS VARIÁVEIS

CUSTO TOTAL

PE1

CUSTOS FIXOS

PE2

INÍCIO DA EXPANSÃO

RECEITA FATURAMENTO

NOVA ZONA DE PREJUIZO

QE1

QE2

Nota 1 – De acordo com a regulamentação do Imposto de Renda, a taxa anual de depreciação é fixada em função do prazo durante o qual se possa esperar a utilização econômica do bem pelo contribuinte, na produção de seus rendimentos. A Secretaria da Receita Federal publica periodicamente o prazo de vida útil admissível, em condições normais ou médias, para cada espécie de bem, ficando assegurado ao contribuinte o direito de computar a quota efetivamente adequada às condições de depreciação de seus bens, desde que faça a prova dessa adequação, quando adotar taxa diferente. As taxas de depreciação consideram um turno de 8 horas diárias de operação. Se tais horas forem 16 (dois turnos) ou 24 (três turnos), a depreciação poderá ser considerada acelerada, adequando-se as taxas aos valores resultantes da utilização dos coeficientes redutores 1,5 e 2,0 respectivamente. A seguir, eis alguns exemplos de taxas máximas de depreciação anuais aceitas pelo Fisco Federal: Tabela 3- Taxas de Depreciação

Bens Tx. de deprec. anual

Anos de depreciação

Bens Tx. de deprec. anual

Anos de depreciação

Alicates 20% 5 Turbina a vapor 10% 10 Britadores 17% 5,8 Caldeiras de

Vapor 10 10

Correias de transmissão

50% 2 Ap. de Ar Condicionado

10%

10

Escavadeiras 20% 5 Fornos Laboratório

10% 10

Fornos para queima

10% 10 Refrigeradores 10% 10

Lanchas 5% 20 Embarcações 5% 20 Louças e talheres 10% 10 Tratores 25% 4 Martelos 33% 2 Contêineres 10% 10 Motores Pistão 10% 10 Aeronaves 10% 10 Rebocadores 5% 20 Ap. p/ Análise 10% 10 Rouparias de hotéis

20% 5 Móveis mobiliários

10% 10

Tornos 20% 5 Motores Geradores

10% 10

Vagonetas 20% 5 Bambas Hidráulicas

10% 10

• • •

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas