Paineis schneider, Notas de estudo de Tecnologia Industrial
adriano-rosa-7
adriano-rosa-7

Paineis schneider, Notas de estudo de Tecnologia Industrial

17 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Paineis schneider
100 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 17
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 17 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 17 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 17 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 17 páginas
E Forma 2: separação entre barramentos e unidades funcionais; E Forma 3: separação entre barramentos e unidades funcionais e separação entre todas unidades funcionais entre si, exceção feita a dos terminais de saída; Em Forma 4: como a forma 3, mas incluindo a separação de todos terminais de saída entre si. A forma de separação (ex. metálica ou não metálica) deve ser submetida a acordo entre fabricante e usuário. As formas 2,3 e 4 são as geralmente usadas desde que, em qualquer dos casos, os barramentos estão em volumes segregados permitindo dessa maneira uma intervenção mais segura nas unidades funcionais ou seus componentes do circuito de saída, do que na forma 1. As formas 3 e 4 são adotadas quando o espaço disponível para cada unidade funcional é limitado, de modo que sem uma completa segregação entre as unidades adjacentes não é possível uma intervenção segura para manutenção a não ser que se providencie um desligamento total do painel de distribuição. E finalmente, os ensaios de tipo individuais, as verificações e os testes funcionais executados durante a fabricação asseguram conformidade com a norma para todo o conjunto. 8 -Controle centralizado A integração dos painéis de distribuição funcionais em um sistema de gerenciamento centralizado precisa ser levado em consideração a partir do primeiro estágio do projeto. A organização em esquemas de controle remoto da aquisição de dados de um dado equipamento, e as instruções enviadas ao mesmo equipamento, está assumindo papel cada vez mais importante porque as técnicas de Gerenciamento Técnico Centralizado estão se tornando de uso generalizado. No interesse da economia (nos custos dos cabos de comunicação) todos os dados e sinais de controle e comando devem ser processados ao equipamento (ex. QDs funcionais) em questão, para transmissão a partir do posto de comando central e recepção para este de comando central. Tais conversões de sinal (analógico para digital, elétrico para ótico, etc.) para combinar com as junções de transmissão de dados precisam ser captados e fornecidos sem poluição no painel de distribuição ou muito próximo a ele ou a outro equipamento correspondente. 9- Influências externas Toda instalação elétrica ocupa um ambiente que apresenta um maior ou menor grau de risco para: E pessoas; E materiais que constituem a instalação. As condições do ambiente inflenciam a escolha e a definição dos materiais da instalação e a escolha das medidas de proteção para segurança das pessoas. As condições do ambiente são referidas como "influências externas". A norma IEC 364-3 e a NBR 5410 dedicam muitas páginas para explicação detalhada de cada classe de inflência. A tabela a seguir apresenta uma lista das influências externas extraída do Apêndice A da IEC364-3.A codificação conssite em um conjunto de duas letras maiúsculas e um número. as letras têm o seguinte significado: A= ambiente B= utilização C= construção do edifício O número dá a "intensidade" da influência. Exemplo: AC2, significa: A= ambiente AC=ambiente-altitude AC2=ambiente-altitude> 2.000 m AA AA1 AA2Z AA3 AA4 AAS AA6 AB AC AC1 AC2 AD AD1 AD2 AD3 AD4 ADS AD6 AD7 AD8 AE AE1 BA BA1 BA2 BA3 BA4 BA5S BB BC1 BC1 CA Cai CA2 ambiente(C) -60º0C + 5ºC -40ºC + 5ºC -25ºC +50 -5ºC + 40ºC +5ºC + 40ºC +5C + 60º humidade altitude (m) < 2000 > 2000 água desprezível gotejar pulverizador esguicho jatos ondas imersão sub-imersão corpo estranho desprezível capacidade normal criança dificultar instruir hábil resistência contato com terra nenhum materias não combustivel combustivel AE2 AE3 AE4 AF AF1 AF2 AF3 AF4 AG AGi AG2 AG3 AH AH AH2 AH3 AJ AK AK1 AK2 BC2 BC3 BC4 BD BD1 BD2 BD3 CB CcB1 CB2 pequeno muito pequeno poeira corrosão desprezível atmosférica intermitente continuos impacto baixo médio alto vibração baixo médio alto outro mecânico stresses flora não arriscado arriscado baixo frequência ininterrupto evacuação AL fauna AL1 não arriscado AL2 arriscado AM radiação AM1 desprezível AM2 fuga de corrente AM3 eletromagnética AM4 ionização AMS eletrostatica AM6 indução AN solar ANÍ1 desprezível AN2 significante AP | sísmico AP1 desprezível AP2 baixo AP3 médio AP4 alto AQ iluminação AQ1 desprezível AQ2 indireta AR resumo BD4 (alta densidade / dificil saida) BE materiais BE1 não risco (baixa densidade / facil saida) |BE2 risco de fogo BE3 risco de explosão (baixa densidade / dificil saida) |[BE4 risco de contaminação (alta densidade / facil saida) estrutura CB3 estrutura movéis risco desprezível CB4 flexiveis propagação 10- Proteção por envoltórios: Código IP O grau de proteção proporcionado por um envoltório é indicado pelo código IP recomendado pela IEC 529 e NBR 5410. A proteção se refere às influências externas: E penetração de corpos sólidos; E proteção das pessoas contra acesso às partes vivas; Quando não for requerido um numeral ele pode ser substituido pela letra X (XX se os dois numerais forem omitidos). A tabela abaixo dá uma descrição sucinta do código IP. A figura mostra os dipsoitivos de teste de penetração para proteção das pessoas. Proteção contra impactos E proteção contra entrada de poeira; mecânicos. E proteção contra entrada de líquidos. , E dada pelo código AG (1 a 4). A tabela abaixo dá a O código IP se aplica a equipamentos elétricos até energia em Joules correspondente aos impactos: 72,5kV e o significado é o seguinte: nível energia em Joules IP =International Protection 1 0,255 1o. numeral característico (O a 6, ou letra X) 2 2,0 20. numeral característico (O a 8, ou letra X) 3 6,0 Letra adicional opcional(A,B,C,D) 4 20,0 Letra suplementar opcional (H,M,S,W) Elementos Números Meio para proteção Meio para ou letras de equipamentos proteção de pessoas ' Códigodasletras | IP - IH - ] Contra corpos sólidos Contra acesso em diâmetro superiores partes perigosas como: 0 (não-protegidor) (não-proteger) Primeiro 1 > 50 mm diâmetro costa e mão um caracter 2 > 12.5 mm diâmetro dedo numérico 3 > 2.5 mm diâmetro ferramenta 4 > 1.0 mm diâmetro fio 5 Contra poeira fio 6 Totalmente protegido contra poeira fio Contra os efeitos nocivos do ingresso de água 0 (não-protegido) 1 Queda verticais de gotas Segundo 2 Queda verticais d'água ( 150 inclinação) um caracter 3 Em chuva - numérico 4 Contra água 5 Jato d'água 6 Vagalhões do mar 7 Temporariamente imerso 8 Imersão prolongada Contra acesso de partes perigosas como: A costa e mão Letras adicionais B - dedo (opcional) Cc ferramenta D fio Informações suplementares para especificar H Aparelhagem alta-tensão Letras suplementares M Teste com água em movimento - (opcional) s Teste com água parada w Condição do tempo rat 5az. Est numeral er acreso probe Eme 1 sa aphers50 mm demetr BOM a lho pesppron. 100 co poe nr la tapete imeta handte alara aulsing ms nan 4 é E lAnted testinger OM a tha pen tê oie ses anger mem) matam materia JL stop di é 06 nec z E Estrod25 mm damets, MO mulona TRE iss pespproa, 190 0 —ay pot + pose FAT] Lone ste handle op ima SE dmeulsangmaenan o) Cnsubang mamran Lemgia mestras mesa LER T Estutre 10 mm dametr, 100 mm lona EST na TO di— 21 t E += manaie dnulina maternas sor due Cinsulving material Leda tres trem bum+ É rtata testar matado 11- Subestação compacta de consumidor com medição na BT 11.1- Construção Todos os componentes da SE estão localizadas em uma câmara, seja em um edifício existente seja na forma de um conjunto pré-fabricado montado na parte externa do prédio. 11.2- Conexão à rede de AT por cabo ou linha aérea; por duas chaves de abertura sob carga intertravadas com linhas independentes; por duas chaves de abertura sob carga intertravadas e ligadas a um anel. 11.3- O Transformador Como o PCB está proibido, as alternativas para a isolação do transformador são: E óleo mineral para transformadores para uso externo; a seco, resina fundida sob vácuo para ambientes internos, edifícios com acesso de público, prédios comerciais com vários andares e outros. 11.4 - Medição É feita na BT usando transformadores de medida de baixo custo. 11.5- Diagramas unifilares Os diagramas mostrados na figura representam: E diferentes métodos de ligação à alimentação em AT, as quais podem ser de quatro tipos: - entrada em circuito singelo; - entrada em circuito singelo (preprado para posterior ligação a anel); - entrada em circuito duplo (intertravado mecanicamente); - entrada em anel. Funções protetoras na AT e transformação AT/BT, medição na BT e funções gerais de isolação; proteção na BT e funções de distribuição; zonas de acesso para pessoal (concessionária ou consumidor). 12- Escolha dos painéis normas e especificações Os dispositivos de manobra em SF6 e os equipamentos descritos a seguir são para tensões nominais de 1 a 24kV que estão de acordo com: IEC 56-1, 129, 265-1, 298, 694 UTE (França), BS (Inglaterra), VDE (Alemanha), ANSI (EUA), ABNT(Brasil)[?] 13- Tipo de material São possíveis todos tipos de arranjos de equipamentos de manobra quando usados painéis modulares compartimentados, e as provisões para extensões futuras são facilmente realizadas. 14- Segurança operacional de painéis compartimentados e blindados Descrição: As anotações a seguir descrevem o "estado da arte" de painéis com chaves de abertura sob carga (interruptores)/ seccionadores incorporando os mais modernos desenvolvimentos para assegurar: segurança operacional; requisitos mínimos de espaço; possibilidade de expansão e flexibilidade; requisitos mínimos de manutenção. Cada painel inclui quatro compartimentos: E equipamento de manobra: a chave de abertura sob carga é incorporada em uma unidade moldada em resina epoxy hermeticamente selada (para a vida do equipamento) E conexões: por cabos nos terminnais localizados na uniddemoldada em resina E barramentos: modulares, de modo que qualquer número de paineis pode ser montado lado a lado para formar um conjunto de quadros E controle e indicação: um compartimento de controle e instrumentos que pode acomodar aparelhos de controle automático e relés. Se for requerido, ode ser montado um compartimento adicional acima do existente. 15- Conexões para cabos Na parte frontal da unidade está um compartimento com as conexões para cabos, acessível pela retirada da tampa do compartimento. As unidades são conectadas eletricamente por meio de secções pré-fabricadas de barramentos. A montagem no local é realizada segundo as instruções de montagem. A operação do equipamento é simplificada pelo agrupamento de todos os controles e indicações no painel de controle situada na frente de cada unidade. Atecnologia destas unidades de equipamentos de manobra é baseada essencialmente na segurança operacional, facilidade de instalação e pequena manutenção. 16- Estado da isolação (separação) claramente aparente A chave de abertura sob carga/ seccionador satisfaz os requisitos de "isolação claramente aparente" definida na IEC 129, por meio de: E um indicador de posição refletindo precisamente o estado de contatos abertos; m uma barreira metálica aterrada interposta entre os contatos abertos. 17- Intertravamentos E não é possível fechar a chave principal a não ser que a chave de aterramento esteja aberta e o acesso ao compartimento esteja fechado; EH achave de aterramento só pode ser fechada se a chave principal estiver aberta; E só é possível abrir o compartimento das terminações dos cabos se a chave de aterramento estiver fechada; E a chave principal é bloqueada na posição aberta quando o compartimento* dos cabos está aberto; a operação da chave de aterramento fica liberada. * quando são usados fusíveis de AT eles ficam neste compartimento. Além dos intertravamentos funcionais listados acima, cada painel inclui: E local para instalação de cadeados; E 5 conjuntos de furos de fixação pré-rosqueados para futura instalação de intertravamentos. 18- Manobras Em as alavancas e manoplas de operação requeridas para manobras de chaveamento são agrupadas em um painel claramente identificado; E todas alavancas de operação são idênticas para todas unidades (exceto para aquelas contendo disjuntores); E o esforço de eperação requer um esforço muito pequeno; E a abertura ou fechamento da chave de abertura sob carga/seccinador pode ser feita por alavanca ou por botões a impulsão para chaves automáticas; as condições da chaves (aberta, fechada, mola carregada) são indicadas claramente. Tabela : capacidades nominais de interrupção de curto- ci ci rcuito em MVA, correntes de estabelecimento de curto- ircuito e correntes térmicas suportáveis de curta duração (1 s) curto-circuito (MVA) para tensões nominais do sistema 1/1 seg. [15,9 (kV) Isc(2) (KA) 3 3.3 416 5 5.5 6 66 10 11 13.8 15 20 22 33 |(kA)rmss. crista 65 70 90 |110 120 130 145 215 240 300 325 435 475 715 | 125 31.5 75 85 105 |125 135 150 165 250 275 345 375 500 550 825 | 144 36.5 85 90 115 /140 150 165 185 280 305 385 415 555 610 915 | 16 40 110 120 150 |180 200 220 240 365 400 500 545 20 50 135 150 190 |230 250 275 300 455 500 25 62.5 165 180 227 |275 300 330 360 31.5 79 18.1 - Escolha de painel de equipamento de manobra para um circuito de transformador São disponíveis três tipos de painéis de AT: E chaves de abeitura sob carga e fusíveis em separado no painel; E combinação chaveada abertura sob carga/fusíveis. Sete parâmetros inflenciam uma escolha otimizada: corrente primária do transformador; meio isolante do transformador; posição da subestação em relação ao centro de carga; a distância entre o equipamento de manobra e o transformador; uso de relés de proteção separados (em oposição às bobinas de disparo direto). Nota: os fusíveis usados na conbinação chave de abertura sob carga/seccionador têm pinos que asseguram o disparo da chave tripolar em caso de operação de um ou mais fusivel(eis). a potência aparente (kVA) nominal do transformador, 19- Subestações abrigadas equipadas com eq. de manobra dentro de envoltório metálico Conexões à rede e interligação entre equipamentos Na alta tensão E conexão ao sistema de AT são fitas por e sob a responsabilidade da concessionária de energia; conexões entre o eq. de manobra de AT e o transformador podem ser: - por barras de cobre curtas, quando o transformador é obrigado em um painel fazendo parte do equipamento de manobra; - por cabos singelos não ar, armados com isolação sintética; - por cabos singelos não armados de 250 A (ou mais) do tipo de encaixe nos terminais do transformador (plug-in). Na baixa tensão M m conexões entre os terminais de baixa tensão do transformador e o equipamento de manobra de BT podem ser: - por cabos singelos não armados, - barras de cobre (seção circular ou retangular) com isolação termo-contrátril edição os TCs são geralmente instalados na tampa protetora dos terminais de BT; a cobertura é lacrada pela concessionária; alternativamente, os TCs são instalados em um compartimento lacrado dentro do painel de distribuição principal; os medidores são montados em um painel que é completamente isento de vibrações; instalação tão próximo quanto possível dos TCs, e são acessíveis somente ao pessoal da concessionária. Os visores e as graduações devem estar a uma altura de aproximadamente 1.65 m. acima do nível do solo, nada m Ci A ais baixa que 0.7 m, nada mais alta que 1.8 m. rcuitos de aterramento subestação precisa incluir: um eletrodo de aterramento para todas as partes condutoras expostas dos equipamentos elétricos da SE e partes metálicas estranhas, incluindo: - telas metálicas protetoras; - barras de aço do concreto armado na base da SE; - ponto comum do enrolamentos secundários dos TCs. 12 Nota: Portas metálicas e venezianas de ventilação não são aterradas. E um eletrodo para o neutro da BT do transformador *; E links removíveis em pontos estratégicos para medição da continuidade e resistências do eletrodos individuais; m um eletrodo de terra para a instalação *; E em área pequenas, as zonas de resistência dos eletrodos se superpõem. Nestes casos todos eletrodos são interligados para formar um sistema de terra comum para os equipamentos de AT e BT como discutido em "Conexões à terra" na Sub-cláusula 1.1. Iluminação da subestação A alimentação do circuitos de iluminação pode ser feita a montante ou a jusante do disjuntor principal de entrada de BT. Em qualquer caso precisa ser instalada uma proteção adequada. É recomendável instalar circuito(s) automático(s) separado(s) para iluminação de emergência. Dispositivos de manobra, botões a impulsão, etc. são normalmente localizados juntos às entradas. As luminárias são arranjadas de modo que: m as alavancas de operação dos dispositivos de manobra e as marcas indicadoras de posição estejam bem iluminadas; m todos leitores de medição, placas de instrução, e outros podem ser facilmente lidos. Materiais e acessórios para operação e segurança a subestação precisa ter: m materiais e acessórios para operação segura do equipamento incluindo: - um banco de madeira ou tapete (de borracha ou sintético); - um par de luvas isolantes armazenando em um saco plástico fechado; - um dispositivo detector de tensão para uso em equipamentos de AT; - acessórios de aterramento (de acordo com o tipo de equipamento de manobra); - extintores de incêndio do tipo pó ou CO,, E sinais de advertência, avisos e alarmes de segurança: - na fase externa de todas portas de acesso uma placa de Perigo e outra de Entrada proibida, junto com instruções de primeiros socorros para vítimas de acidentes elétricos; - dentro da SE: um painel de primeiros socorros como acima; - uma placa PERIGO (caveira e ossos cruzados, ou um sinal local equivalente) em cada painel removível permitindo acesso a partes vivas. Subestações ao tempo Campo de aplicação Estas subestações são usadas principalmente para alimentar por sistemas de linhas aéreas de distribuição, consumidores rurais ou de regiões de baixa densidade de consumidores: E em níveis de tensão entre 1 - 24kV; E de um único transformador não excedendo 160 KVA e em nível preferido de tensão de 230/400 V (trifásico a 4 fios) [na Europa], 380/220 trifásico, 4 fios, [Brasil]; E com medição na baixa tensão. Constituição Essas subestações são normalmente supridas por uma linha a 3 fios, sem equipamento de manobra local ou fusíveis na alta tensão do transformador. São, entretanto, instalados pára-raios para proteger o transformador e os consumidores, como mostrado na figura. A proteção dos circuitos de BT é geralmente feita por dois disjuntores (D1) e (D2), como mostrado na figura: E disjuntor (D1) protege o transformador contra sobrecargas e as ligações de BT contra os curtos- circuitos. Este disjuntor é montado no poste e tem características de relê de corrente de tempo inverso, ou pode ser disparado por um relê imagem térmica do transformador, monitorando a temperatura dos enrolamentos do transformador; E disjuntor D2 é o disjuntor principal de BT para a instalação. A descrição do disparo entre estes dois disjuntores precisa ser estabelecida, sendo os ajustes e a lacração feitos depois pela concessionária. Conjuntos pré-fabricados para SEs externas para SEs mais elaboradas requerendo o uso de unidades em anel ou um painel de manobra com vários disjuntores são normalmente usados conjuntos compactos, a prova de tempo e de vermes. Estas unidades pré-fabricadas requerem um mínimo de obras civis, sendo montadas em uma base simples de concreto e são usadas tanto em SEs urbanas como rurais. Entre as vantagens oferecidas por estas unidades estão: E uma otimização de produtos e segurança como: - envoltórios disponíveis; - conformidade com todas normas internacionais existentes e projetadas; E redução nos tempos de estudo e projeto, e no custo de implementação, por: - coordenação mínima entre as várias disciplinas de construção de edifícios e trabalhos de campo; - realização independente da construção do edifício principal; emover a necessidade de conexões temporárias no io da preparação dos trabalhos de campo; - simplificação do trabalho civil o qual consiste somente na provisão de uma base de concreto armado; - instalação e conexões simples dos equipamentos. 20 - Subestações de distribuição pública em poste A Norma IEC 439 -1 Conjuntos de equipamentos de manobra e controle em Baixa Tensão. 12 Parte: Conjuntos testados com todos ensaios de tipo (TTA) e conjuntos testados com parte dos ensaios de tipo (PTTA). Algumas definições importantes: 20.1 Conjunto de manobra e controle em baixa tensão (BT), daqui por diante designado Conjunto É uma combinação de dois ou mais dispositivos de manobra associados com outros de controle, medição, sinalização, equipamentos de regulação, etc., completamente montado sob a responsabilidade do fabricante, com todas interligações elétricas e mecânicas e com as partes estruturais. Nota: Os componente do conjunto podem ser eletromecânicos ou eletrônicos e por alguma razão (transporte, produção) certas etapas da montagem podem ser feitas fora da fábrica. 20.2 - Conjunto com todos ensaios de tipo (TTA) Um conjunto em conformidade com um tipo ou sistema estabelecido, sem desvios capazes de afastar o comportamento do conjunto típico verificado de acordo com esta norma. Nota: Um conjunto com partes montadas fora da fábrica do fomecedor pode ser considerado um TTA desde que a montagem tenha sido feita de acordo com instruções do fabricante de modo que são satisfeitas as condições de ensaio de acordo com esta norma incluindo a realização dos ensaios de rotina. 20.3 - Conjunto com parte dos ensaios de tipo (PTTA) Um conjunto contendo ambos arranjos, com os ensaios de tipo e sem os ensaios de tipo, desde que, os últimos são derivados (por cálculo, por ex.) de arranjos com ensaios de tipo cumprindo as exigências desta norma. 20.4 - Unidade funcional Uma parte de um conjunto com todos elementos elétricos e mecânicos para exeutar a mesma função. 20.5 - Grupo funcional Um grupo de unidades funcionais que são eletricamente interligadas. 20.6 - Situação de ensaio Uma condição de um conjunto em que os circuitos relevantes principais estão desconectados (isolados) enquanto que os circuitos auxiliares estão ligados permitindo a realização de ensaios de dispositivos incorporados. 20.7 Unidades construtivas dos conjuntos Secão Unidade construtiva entre duas separações verticais do conjunto. Sub-seção Unidade construtiva entre duas separaçõe horizontais sucessivas dentro de uma seção. Compartimento Uma seção ou sub-seção fechada, exceto para as aberturas de interligação, controle ou ventilação. 14 Seção ou sub-seção com barreiras Aquelas incluindo barreiras projetadas e arranjadas para proteção contra contatos acidentais com equipamentos adjacentes quando manuseando os elementos na seção ou subseção. 20.8 - Parte removível Uma parte do conjunto que pode ser inteiramente retirada e substituída com o circuito energizado. 20.9 - Parte extraível Uma parte do conjunto que pode ser movida para uma posição em que é estabelecida uma distância de isolamento, apesar de continuar mecanicamente ligada ao conjunto. 20.10 - Posição de teste A posição de uma parte removível em que os circuitos principais estão abertos mas não necessariamente desconectados e na qual os circuitos de comando permanecem ligados permitindo os testes de operação da parte extraível. 20.11- Repartição Parte do envoltório de um compatimento separando-o de outros compartimentos. 20.12 - Barreira Parte que proporciona proteção contra contatos diretos de uma direção usual de acesso (mínimo IP2X) e contra arcos dos dispositivos de manobra sob carga. 20.13 - Obstáculo Parte que previne contato direto não intencional mas não previne ação deliberada. 21 - Condutor de proteção PE Um condutor requerido por algumas medidas de proteção contra choques elétricos pela conexão elétrica de algumas das seguintes partes: E partes condutoras expostas; E partes condutoras extranhas; E terminal principal de aterramento; E eletrodo de aterrramento; E ponto de aterramento da fonte ou neutro artificial. 21.1- Poluição Qualquer condição entrada de material extranho sólido, líquido ou gasoso (gases ionizados) que podem alterar a suportabilidde dielétrica ou resistividade superficial. 21.2- Grau de poluição (ou condições ambientais) Um número convencional da quantidade de materiais extranhos e de umidade e de sua frequência de ocorrência resultando em absorção higroscópica ou condensação de umidade levando a uma redução da rigidez dielétrica ou resistividade superficial. As condições que determinam o grau de poluição a ser considerado são aquelas que correspondem ao ambinete interno ao conjunto (micro-ambiente). 21.3 - Arvorejamento A formação progressiva de caminhos condutores na superfície de dielétricos sólidos devidos a uma combinação de esforços dielétricos e de contaminação eletrolítica da superfície. Indice comparativo de arvorejamento (CTI). O valor numérico da máxima tensão em volts que o material pode suportar 50 gotas de um líquido definido em ensaio sem apresentar arvorejamento. 21.4 - Classificação dos conjuntos São classificados de acordo com: projeto externo; local de instalação; condições de instalação quanto à mobilidade; grau de proteção; tipo do envoltório; método de montagem; medidas de proteção das pessoas; forma da separação intern; tipos de conexões elétricas das unidades funcionais. 21.5 - Características elétricas dos conjuntos Tensão nominal; Tensão nominal de operação; Tensão de nominal de isolação; Tensão suportável nominal de impulso; Corrente nominal; Corrente suportável nominal de curta duração; Corrente de crista suportável; Corrente condicional de curto-circuito; Corrente de curto-circuito de fusão; Frequência nominal; Fator de diversidade nominal. 21.6 - Fator de diversidade funcional Relação entre a máxima soma, em qualquer instante, das correntes consumidas pelos circuitos principais envolvidos e a soma das corrente nominais de todos os circuitos principais do conjunto. Este fator, quando estabelecido pelo fabricante, deve ser usado nos ensaios de aquecimento (ou elevação de temperatura). Quando o fabricante não especifica esse fator, podem ser utilizados os seguintes valores: No. de circuitos Fator de diversidade 2e3 0,9 4e5 0,8 6a 9inclusive 0,7 10 ou mais 0,6 21.7 - Placas de características Devem ter as seguintes informações: a) nome ou marca do fabricante; b) designação do tipo ou do número de identificação, para informações posteriores; c) Norma: IEC 439-1, NBR ----————---- ; d) tipo da corrente; e) tensões nominais de operação; f) tensões de isolação nominais; 9) tensões nominais dos circuitos auxiliares; h) limites de operação; j) corrente nominal de cada circuito; k) corrente suportável de curto-circuito; 1) grau de proteção; m) medidas de proeção às pessoas; n) condições de operação para usos interno, externo ou especial se forem diferenrtes das condições usuais de operação; - grau de poluição quando declarado pelo fabricante. 0) tipos de aterramento do sistema para o qual o conjunto foi projetado; p) dimensões na ordem: altura, largura (ou comprimento), e profundidade; q) peso (não aplicável aos PTTAs); r) forma da separação interna; s) tipos de conexões elétricas das unidades funcionais. 22 - Especificações de Ensaio Classificação dos ensaios: - de tipo, destinados a verificar a concordância com os requisitos da Norma. São realizados em uma amostra de conjunto ou em partes do conjunto fabricado(s) pelo mesmo (ou similar) projeto de rotina, destinados a verificar falhas de material ou de manuseio. São realizados em cada novo conjunto, depois de sua montagem ou em cada unidade de transporte. Não é necessária a repetição no local da instalação. Relação dos ensaios de tipo Os ensaios de tipo incluem a verificação: a) dos limites de elevação de temperatura; b) das propriedades dielétricas; c) da suportabilidade aos esforços de curto-circuito; d) da continuidade do circuito de proteção; e) das distâncias de islação e de escoamento; f) da operação mecânica; 9) do grau de proteção. Estes ensaios podem ser executados em cada pedido e/ ou em diferentes amostras do mesmo tipo. Relação dos ensaios de rotina Estes ensaios incluem: a) inspeção do conjunto incluindo a fiação e, se necessário, teste de operação elétrica; b) ensaios dielétricos; c) verificação das medidas de proteção e da continuidade elétrica do circuito de proteção. Estes ensaios podem ser executados em qualquer ordem. O fato de um conjunto ter satisfeito todos os ensaios não exime a responsabilidade do instalador de verificá-lo após o transporte e a instalação. 23- Osensaios 1. de elevação de temperatura Os limites de elevação são dados na tabela 3; em alguns casos são deixados em aberto, dependendo das características dos materiais. Os ensaios devem ser realizados com o tipo de corrente para a qual o conjunto foi projetado ( c.c., c.a. mono- bi- ou trifásico, frequência). Os conjuntos para uso ao tempo podem não ser ensaiados se for óbvio pelos ensaios de tipo nas partes individuais ou pela dimensão dos condutores e do arranjo dos aparelhos ou equipamentos que não haverá aumento excessivo da temperatura e que não haverá danos aos equipamentos ligados ao conjunto e às partes adjacentes de material isolante. A corrente do ensaio deve ser a nominal multiplicada pelo fator de diversidade. A duração do enasio deve ser sufuciente para que seja atingida uma temperatura constante (normalmente inferior a 8 horas). Na prática o limite do aquecimento é obtido quando não há variação de 1K/ hora. A norma dá as dimensões dos condutores de alimentação de modo que eles não levem calor ao conjunto (se suas dimensões forem reduzidas) ou retirem calor do conjunto (se foremsuperdimensionados). A medição da temperatura deve ser feita com termometors ou termopares protegidos contra correntes dear. Resultados a serem obtidos: E no final do ensaio a elevação de temperatura não deve ser superior aos limite da tabela 3; E todos os componentes do conjunto devem funcionar satisfatoriamente na temperatura final. 16 2. Verificação das propriedade dielétricas m Ensaios em baixa frequência Os componentes que já tenham sido ensaiados de acordo com suas normas, não precisam ser ensaiados desde que suas propriedades não sejam alteradas pela colocação dentro do conjunto. Se o envoltório for de material isolante deve ser feito um ensaio adicional cobrindo a parte externa do isolante com uma folha metálica e aplicando a tensão entre essa folha e as parte condutoras internas interligadas. A tensão deve ser 1,5 vezes a tensão especificada na tabela 10. Resultados a serem obtidos Não deve haver descarga disruptiva nem de contorno ou ainda perfuração de isolação sólida. m Ensaios de impulso São aplicados três impulsos de cada polaridade com intervalo mínimo de 1s. A tensão deve ser aplicada: a) entre cada parte viva e todas as partes condutoras expostas; b) entre cada polo do circuito principal e os outros polos; c) entre cada circuito de controle ou auxiliar não ligado normalmente ao circuito prncipal e: E o circuito principal; E as partes condutora expostas; E o envoltório ou placa de montagem; d) para componentes extraíveis: através da distância de isolação, entre o lado da fonte e a parte extraível e entre o terminal da fonte e o terminal da carga. Não deve haver descarga disruptiva não intencional. m Verificação das distâncias de escoamento. Devem ser medidas as distâncias de escoamento entre fases, entre condutores de circuito a tensões diferentes, entre partes vivas e partes condutoras expostas. As distâncias devem obedecer os requisitos de 7.1.2.3.5. 3. Verificação da suportabilidae aos curto-circuitos São dispensados destes ensaios: E os conjuntos cuja corrente suportável de curta duração seja inferior a 1OkA; E os conjuntos protegidos por dispositivos limitadores de corrente de corte inferior a 15kA, na sua capacidade nominal de interrupção; E os circuitos auxiliares dos conjuntos destinados a serem ligados a transformadores com potência inferior a 10kVA de tensão secundária não inferior a 110V ou 1,6 kVA para tensão inferior a 110V e com impedância não inferior a 4%. E todas as partes (barramentos e seus suportes, conexões a barramentos, unidades de entrada e de saída, dispositivos de manobra etc.) que já tenham sido submetidas aos ensaios de tipo válidos para as condições do conjunto. O ensaio deve ser feito sob a tensão nominal e com o valor da corrente prospectiva aplicada no lado da fonte igual ao valor da corrente nominal de crista suportável, da corrente nominal condicional de curto-circuito ou da corrente nominal de fusão do fusível estabelecida pelo fabricante. Resultados a serem obtidos m Depois do ensaio os condutores não devem mostrar nenhuma deformação indevida. São permitidas pequenas deformações desde que sejam satisfeitas as distâncias de isolação e de escoamento. Também, a isolação dos condutores e as partes isolantes não devem mostrar sinais de deterioração significativa, isto é, as características da isolação permanecem tais que as propriedades mecânicas e dielétricas do equipamento satisfazem os requisitos da norma; m O dispositivo de detecção não deve indicar uma corrente de falta; m Não deve haver afrouxamento das partes usadas para conexão de condutores e os condutores não devem se separar dos terminais de saída; m É permitida uma deformação do envoltório desde que o grau de proteção não seja modificado e as distâncias de isolação não sejam reduzidas a valores inferiores aos especificados; m Qualquer deformação do barramento do circuito que prejudique a inserção de partes removíveis ou extraíveis são consideradas como falhas na suportabilidade. Ensaios de rotina Deve ser verificada a atuação mecância dos elementos, intertravamentos, travamentos. E necessária uma inspeção visual para constatar que foram mantidos o grau de proteção e as distâncias de escoamento e de isolação. As conexões, pricipalmente as aparafusadas devem ser verificadas, possivelmente por ensaios randômicos (medição da resistência de contato). Deve ser feita verificação da fiação e, nos conjuntos mais complexos, do funcionamento elétrico por testes. Em alguns casos, pode ser necessário repetir estes testes no local depois da instalação.
Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 17 páginas