passo a passo relatório aula experimental, Manual de Relatórios e Produção. Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ)
lucas-schulze-da-sil
lucas-schulze-da-sil

passo a passo relatório aula experimental, Manual de Relatórios e Produção. Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ)

10 páginas
1Números de download
78Número de visitas
Descrição
é para seguir um certo modo de fazer relatório
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 10
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 10 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 10 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 10 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 10 páginas
Baixar o documento

ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO

Ao fazer seu relatório, o aluno deve conhecer a questão abordada pela experiência e qual a resposta que obteve para ela. Esta formulação sintética servirá de linha diretriz para toda a redação, impedindo que se perca em divagações sobre assuntos colaterais ou considerações sobre detalhes sem importância. Ou seja: retratar o que foi realmente realizado no experimento. A linguagem empregada deverá ser clara, concisa, correta e precisa. É praxe redigir relatórios de uma forma impessoal, utilizando-se a voz passiva no tempo passado, pois relata algo que já foi feito. Assim, para relatar a determinação da massa de algumas amostras sólidas, pode- se escrever: a. “A massa das amostras sólidas maciças foi determinada utilizando-se uma balança...”; ou

b. “Determinou-se a massa das amostras sólidas maciças utilizando-se uma balança...” Não se deve usar formas como: “Eu determinei a massa...” ou “Pesei as amostras...”; sempre evite a forma pessoal. É conveniente recorrer a tabelas e gráficos, pois permite concentrar grande quantidade de informações.

Os valores numéricos deverão estar acompanhados de unidades de medidas, preferencialmente pertencentes ao mesmo sistema. A unidade deverá ser incluída também no cabeçalho das tabelas e nos eixos das figuras.

Sempre que os valores numéricos forem muito grandes ou pequenos, convém multiplicar o valor por uma potência inteira de dez pra que o número fique com um algarismo antes da vírgula, e com tantos quantos forem necessários para expressar a precisão após a vírgula.

Tabela1 – Algumas características da matéria.

Estado da matéria Compressibilidade Fluidez ou Rigidez

Densidade Relativa

Gasoso

Líquido

Sólido

Alta

Muito baixa

Muito baixa

Fluido

Fluido

Rígido

Baixa

Alta

Alta

Tabela 2 Exemplo contendo a densidade da água em função da temperatura.*

T/ºC d/(kgm-3)

0

10

20

30

40

50

999,8425

999,7026

998,2071

995,6502

992,2187

988,0393 *Fonte: Weast, Robert C (Ed.) Handbook of chemistry and physics. 57ª ed. Cleveland (OH), CRC Press, 1976.p.F-5.

Após a redação do relatório, este deverá ser examinado criticamente, como se estivesse sendo lido por uma pessoa estranha, verificando-se a clareza com que é expressa cada ideia e se não pode fazê-lo com menor número de palavras, eliminando-se adjetivos supérfluos e repetições do mesmo assunto em pontos diferentes do relatório. O melhor relatório é aquele que cobre todo o assunto da maneira mais sucinta.

A seguir, será apresentado um esquema para relatórios, de modo a permitir uma

boa visualização do texto, assim como reprodução e encadernação corretas.

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA – UNISUL CURSO: QUÍMICA (LICENCIATURA) UNIDAE DE APRENDIZAGEM: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL

Relatório aula experimental pipeta volumétrica

Professora Msc. Daiana Cardoso de Oliveira

Palhoça (SC), 2017

RELATÓRIOS

Ao fazer seu relatório, o aluno deve conhecer claramente a questão abordada pela experiência e qual a resposta que obteve para ela. Esta formulação sintética servirá de linha diretriz para toda a redação, impedindo que se perca em divagações sobre assuntos colaterais ou considerações sobre detalhes sem importância. A linguagem empregada deverá ser concisa, correta e precisa. A redação deve ser coerente quanto ao tempo dos verbos empregados, recomendando-se expor os resultados das observações e experiências no passado, reservando o presente para as generalidades ou para as referências a condições estáveis. É conveniente recorrer a tabela e gráficos, pois permite concentrar grande quantidade de informações. Os valores numéricos deverão estar acompanhados de unidades de medidas, preferencialmente pertencentes ao mesmo sistema. A unidade de medida deverá ser incluída também no cabeçalho das tabelas e nos eixos das figuras. Sempre que os valores numéricos forem muito grandes ou pequenos, convém multiplicar o valor por uma potência inteira de dez para que o número fique com um ou dois algarismos antes da vírgula, e com tantos quantos forem necessários para expressar a precisão após a virgula. Após a redação do relatório, este deverá ser examinado criticamente, como se estivesse sendo lido por uma pessoa estranha, verificando-se a clareza com que é expressa cada idéia e se não pode fazê-lo com menor número de palavras, eliminando-se adjetivos supérfluos e repetições do mesmo assunto em pontos diferentes do relatório. O melhor relatório é aquele que cobre todo o assunto da maneira mais sucinta. A seguir, será apresentado um esquema para os relatórios. De modo a permitir uma boa visualização do texto, assim como reprodução e encadernação corretas devem ser observadas as seguintes margens:

Nome do(s) autores

Superior 3,0 cm Inferior 2,0 cm

Esquerda 3,0 cm Direita 2,0 cm

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA – UNISUL CURSO: QUÍMICA (LICENCIATURA) UNIDAE DE APRENDIZAGEM: QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL

Lucas Schulze da Silva Lucas Muller

Vinícius Belato Davi Ricardo

Determinação de precisão e exatidão na medida de volumes

Palhoça , (2017) Lucas Schulze da Silva Lucas Muller Vinícius Belato Davi Ricardo

Determinação de precisão e exatidão na medida de volumes

Relatório apresentado à disciplina Química geral do(s) Curso(s) de

Engenharia química

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA

Professora Daiana Cardoso de oliveira Palhoça, (2017)

1. INTRODUÇÃO

A experiência em laboratório teve como objetivo descobrir a precisão e exatidão na medida de volumes com a pipeta graduada, a pipeta volumétrica, a bureta, a proveta e os béqueres.

2) REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: A precisão mostra a aptidão de um instrumento de medição para

fornecer indicações muito próximas, mesmo sem estar na medida correta,

o instrumento pode ser muito preciso. Pode se dizer também que quanto

menor o desvio padrão, maior a precisão.

A exatidão mostra o quanto um instrumento se aproxima do valor

verdadeiro, do resultado correto. Mesmo que com um desvio padrão

acentuado, após uma série de medições a média dos valores se

aproximam do real.

“Então, um equipamento preciso e inexato é capaz de fornecer resultados reprodutivos, mas incorretos, e um equipamento exato e impreciso, é capaz de fornecer

resultados corretos, mas com uma grande variação entre as medidas.” – Oswald Rossi jr

O desvio padrão é uma grandeza desenvolvida no séc. XIX voltada

para a estatística. (PEARSON,1894)

A densidade da água varia em diferentes temperaturas. Fonte:Handbook of Chemistry and Physics [64th. Edition, 1983-1984]

Fórmulas utilizadas:

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 10 páginas
Baixar o documento