pdf, Notas de estudo de Tecnologia Industrial
joao-carlos-alves-8
joao-carlos-alves-8

pdf, Notas de estudo de Tecnologia Industrial

18 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
Descrição
Condutores elétricos p baixa tensão
80 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 18
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 18 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 18 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 18 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 18 páginas
Slide sem título

1

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

CONDUTORES ELÉTRICOS: LINHAS ELÉTRICAS QUE TRANSPORTAM ENERGIA OU SINAIS ELÉTRICOS (COMUNICAÇÃO)

CONDUTOR ELÉTRICO: PRODUTO METÁLICO, GERALMENTE DE FORMA CILÍNDRICA E DE COMPRIMENTO MUITO MAIOR QUE A MAIOR DIMENSÃO TRANSVERSAL. PODEM SER:

- FIOS, BARRAS OU CABOS - ISOLADOS OU NÚS

- UNIPOLAR OU MULTIPOLAR - FIOS E CABOS COBERTOS

- BARRAMENTO BLINDADO

BARRA: UM CONJUNTO RÍGIDO, EM FORMA DE TUBO OU DE SEÇÃO PERFILADA.

BARRAMENTO: CONJUNTO DE BARRAS DE MESMA TENSÃO NOMINAL COM SEUS SUPORTES E ACESSÓRIOS

BARRAMENTO BLINDADO: LINHA PRÉ-FABRICADA CUJOS CONDUTORES SÃO BARRAS

CONDUTOR ENCORDOADO: CONSTITUÍDO POR UM CONJUNTO DE FIOS DISPOSTOS HELICOIDALMENTE (CONDUTOR FLEXÍVEL)

CONDUTOR ENCORDOADO COMPACTADO: OS INTERSTÍCIOS ENTRE OS FIOS COMPONENTES TIVERAM SIDO REDUZIDOS POR COMPRESSÃO MECÂNICA.

2

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

CONDUTORES DE COBRE: NBR 6880 - 6 CLASSES DE ENCORDOAMENTO

CLASSE 1 - CONDUTORES SÓLIDOS (FIOS)

CLASSE 2 - CONDUTORES ENCORDOADOS, COMPACTADOS OU NÃO

CLASSE 3 - CONDUTORES ENCORDOADOS NÃO COMPACTADOS

CLASSES 4, 5 e 6 - CONDUTORES COM GRAU DE FLEXIBILIDADE CRESCENTES

CONDUTORES DE ALUMÍNIO: NBR 6252 - 6 CLASSES

CLASSES 1, 2, 3, B, C e D ⇒ DIFERENÇA ENTRE ELAS: GRAU DE FLEXIBILIDADE

CABOS DE POTÊNCIA: CABOS USADOS PARA O TRANSPORTE DE ENERGIA ELÉTRICA EM GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO: PODE SER UNI OU MULTIPOLAR

CABOS DE CONTROLE: CABOS USADOS NOS CIRCUITOS DE CONTROLE DE SISTEMAS E EQUIPAMENTOS, GERALMENTE SÃO CABOS MULTIPOLARES

VEIA: SÃO OS CONDUTORES ISOLADOS QUE CONTITUEM OS CABOS UNI E MULTIPOLARES

ENCHIMENTO: É O MATERIAL UTILIZADO EM CABOS MULTIPOLARES PARA PREENCHER OS INTERSTÍCIOS ENTRE AS VEIAS

3

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

Cabos com encordoamento simples

Cabos com encordoamento composto

Cabos de alumínio com alma de aço

4

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

Cabo tripolar

Cabo concêntrico

5

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

APLICAÇÃO DOS CABOS DE POTÊNCIA EM INSTALAÇÕES DE BAIXA TENSÃO

CABOS ISOLADOS: CIRCUITOS TERMINAIS, CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E LIGAÇÕES INTERNAS DE QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO

CABOS UNIPOLARES: CIRCUITOS TERMINAIS E CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO

CABOS MULTIPOLARES: CIRCUITOS TERMINAIS, CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E LIGAÇÕES DE EQUIPAMENTOS MÓVEIS OU PORTÁTEIS

CORDÕES: LIGAÇÕES DE EQUIPAMENTOS MÓVEIS E PORTÁTEIS

CARACTERIZAÇÃO DOS CABOS DE POTÊNCIA

TEMPERATURA:

- TEMPERATURA EM REGIME PERMANENTE: TEMPERATURA EM QUALQUER PONTO DO CONDUTOR EM CONDIÇÕES NORMAIS DE FUNCIONAMENTO OU TEMPERATURA MÁXIMA PARA SERVIÇO CONTÍNUO

- TEMPERATURA EM REGIME DE SOBRECARGA: É A TEMPERATURA EM QUALQUER PONTO DO CONDUTOR EM REGIME DE SOBRECARGA.

- TEMPERATURA EM REGIME DE CURTO-CIRCUITO: É A TEMPERATURA ALCANÇADA EM QUALQUER PONTO DO CONDUTOR EM REGIME DE CURTO- CIRCUITO

6

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE: É A CORRENTE MÁXIMA QUE PODE SER CONDUZIDA CONTINUAMENTE PELO CONDUTOR EM CONDIÇÕES ESPECIFICADAS, SEM QUE SUA TEMPERATURA EM REGIME PERMANENTE ULTRAPASSE UM VALOR ESPECIFICADO.

TENSÃO DE ISOLAMENTO NOMINAL DE UM CABO: É UMA CARACTERÍSTICA RELACIONADA COM A ESPESSURA DA ISOLAÇÃO E COM AS CARACTERÍSTICAS DE FUNCIONAMENTO DO SISTEMA EM QUE O CABO VAI ATUAR.

BAIXA TENSÃO: 300 / 300 V 300 / 500 V 0,6 / 1 kV

MÉDIA TENSÃO: 1,8 / 3 kV 6 / 10 kV 8,7 / 15 kV 27 / 35 kV

PARTES CONTITUINTES DE UM CABO

- CONDUTOR: COBRE OU ALUMÍNIO

COBRE COMPUREZA DE 99,99 %

ALUMÍNIO COM UMA PUREZA DE CERCA DE 99,5 %

- EFEITO PELICULAR: É O FENÔMENO PELO QUAL A DENSIDADE DE UMA CORRENTE VARIÁVEL É MAIOR PERTO DA SUPERFÍCIE EXTERNA DO QUE NO INTERIOR DE UM CONDUTOR

- EFEITO DE PROXIMIDADE: É O FENÔMENTO CARACTERIZADO POR UMA DISTRIBUIÇÃO NÃO UNIFORME DA DENSIDADE DE CORRENTE EM UM CONDUTOR, CAUSADA PELA CORRENTE DOS CONDUTORES PRÓXIMOS.

7

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

SEÇÕES NOMINAIS: CARACTERÍSTICA DOS CONDUTORES ELÉTRICOS QUE NÃO DEVE SER CONFUNDIDA COM A SEÇÃO GEOMÉTRICA.

É CARACTERIZADA POR UM VALOR MÁXIMO DE RESISTÊNCIA A 20ºC, Nº DE FIOS COMPONENTES OU DIÂMETRO MÁXIMO DOS FIOS COMPONENTES

COBRE X ALUMÍNIO

CONDUTIVIDADE: σAl ≅ 60 % σCu MESMA CAPACIDADE ⇒ SAl ≅ 1,6 Scu

DENSIDADE: ρAl = 2,7 g/cm3 ρCu = 8,89 g/cm3

OXIDAÇÃO: Al ⇒ CONTATO COM AR ⇒ OXIDAÇÃO ⇒ ALTA ISOLAÇÃO E DE DIFÍCIL REMOÇÃO

ELETROPOSITIVIDADE: ∆V = 2 V CORROSÃO GALVÂNICA NA CONEXÃO E PARA EVITAR ⇒ UTILIZAR CONECTORES ESPECIAIS

CONCLUSÃO:

Al: IDEAL PARA L.T. E DISTRIBUIÇÃO ⇒ RELAÇÃO CONDUTIVIDADE / PESO

Cu: IDEAL PARA LINHAS COM MUITAS CONEXÕES, ONDE NÃO HAJA MANUTENÇÃO PERIÓDICA

8

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

Al: NBR-5410 - PERMITE O USO EM:

- EM LINHAS AÉREAS EXTERNAS SEM RESTRIÇÃO ELÉTRICA

- EM INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS, DESDE QUE:

- SEÇÃO NOMINAL DOS CONDUTORES SEJA, NO MÍNIMO, DE 10 mm2

- POTÊNCIA INSTALADA SEJA, NO MÍNIMO DE 50 kW

- INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO POR PESSOAS QUALIFICADAS

- EM INSTALAÇÕES COMERCIAIS

- SEÇÃO NOMINAL SEJA, NO MÍNIMO, DE 50 mm2

- LOCAL DE BAIXA DENSIDADE DE OCUPAÇÃO E CONDIÇÕES DE FUGA FÁCEIS

- INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO POR PESSOAS QUALIFICADAS

ISOLAÇÃO: GRADIENTE DE POTENCIAL (kV/mm)

- RELAÇÃO ENTRE A TENSÃO APLICADA A UMA CAMADA ELEMENTAR DO DIELÉTRICO E A ESPESSURA DESTA CAMADA

- GRADIENTE MÉDIO, GRADIENTE MÁXIMO E GRADIENTE MÍNIMO

- RIGIDEZ DIELÉTRICA OU GRADIENTE DE PERFURAÇÃO DO DIELÉTRICO

9

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

MATERIAIS ISOLANTES:

- MATERIAIS SÓLIDOS: TERMOPLÁSTICOS (CLORETO DE POLIVINILA E POLIETILENO) E TERMOFIXOS (BORRACHA ETILENO-PROPILENO E POLIETILENO RETICULADO)

- ISOLAÇÕES ESTRATIFICADAS: PAPEL IMPREGNADO: CABO DE MÉDIA E DE ALTA TENSÃO (CABO A ÓLEO SOB PRESSÃO)

CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS ISOLANTES SÓLIDOS MAIS USADO

CLORETO DE POLIVINILA (PVC): ATÉ 15 kV

BORRACHA ETILENO-PROPILENO (EPR): ALTA FLEXIBILIDADE; RESISTÊNCIA À DEFORMAÇÃO TÉRMICA ⇒ ∆θCURTO = 250ºC

POLIETILENO RETICULADO (XLPE): CABOS DE BAIXA E MÉDIA TENSÃO; ATÉ 15 kV E MAIS USUAL PARA B.T.; NÃO APRESENTA FISSURAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DOS CONDUTORES PELA COR: APLICAÇÕES ESPECÍFICAS: VERDE, VERDE-AMARELO E AZUL-CLARO

AZUL-CLARO: ISOLAÇÃO DE CONDUTORES ISOLADOS ⇒ CONDUTOR NEUTRO OU DE PEN

VERDE OU VERDE-AMARELO: ISOLAÇÃO DE CONDUTORES ISOLADOS ⇒ CONDUTOR DE PROTEÇÃO (PE)

10

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

BLINDAGENS:

BLINDAGEM SOBRE O CONDUTOR (BLINDAGEM INTERNA): INTERPOSIÇÃO DE UMA CAMADA SEMICONDUTORA ⇒ UNIFORMIZAR O CAMPO ELÉTRICO NA CAMADA ISOLANTE

CABO SEM BLINDAGEM: APRESENTA CAMPO ELÉTRICO NÃO RADIAL

CABO COM BLINDAGEM: APRESENTA CAMPO ELÉTRICO RADIAL

PROTEÇÃO:

PROTEÇÃO NÃO-METÁLICA:

- PROTEÇÃO COM PVC: AMBIENTE ÁCIDA, BÁSICA OU COM SOLVENTES ORGÂNICOS

- PROTEÇÃO COM NEOPRENE: CABOS DE USO MÓVEL (MAIOR FLEXIBILIDADE)

PROTEÇÃO METÁLICA: USO EM INSTALAÇÕES SUJEITAS A DANOS MECÂNICOS

- ARMAÇÃO DE FITA PLANA DE AÇOS, APLICADAS HELICOIDALMENTE

- ARMAÇÃO DE FITA DE AÇO OU ALUMÍNIO, APLICADAS TRANSVERSALMENTE, CORRUGADA E INTERTRAVADA (MAIOR RESISTÊNCIA A ESFORÇOS RADIAIS E COM BOA FLEXIBILIDADE)

11

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

BLINDAGEM INTERNA ⇒

⇐ BLINDAGEM SOBRE ISOLAÇÃO

12

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

ALGUMAS NORMAS BRASILEIRAS DE CABOS DE POTÊNCIA:

NBR6880/81: CONDUTORES DE COBRE PARA CABOS ISOLADOS - ESPECIFICAÇÃO

NBR6252/80: CONDUTORES DE ALUMÍNIO PARA CABOS ISOLADOS - ESPECIFICAÇÃO

NBR5285/85: FIOS DE ALUMÍNIO LIGA NUS DE SEÇÃO CIRCULAR PARA FINS ELÉTRICOS - ESPECIFICAÇÃO

NBR6980/81: CABOS E CORDÕES FLEXÍVEIS COM ISOLAÇÃO SÓLIDA EXTRUDADA DE PVC PARA TENSÕES ATÉ 750 v - ESPECIFICAÇÃO

NBR9113/85: CABOS FLEXÍVEIS MULTIPOLARES COM ISOLAÇÃO SÓLIDA EXTRUDADA DE BORRACHA SINTÉTICA PARA TENSÕES ATÉ 750 v - ESPECIFICAÇÃO

NBR9311/86: CABOS ELÉTRICOS ISOLADOS - DESIGNAÇÃO - CLASSIFICAÇÃO

NBR6251/80: CONSTRUÇÃO DOS CABOS DE POTÊNCIA COM ISOLAÇÃO SÓLIDA EXTRUDADA PARA TENSÕES DE 1 A 35 KV - PADRONIZAÇÃO

NBR7574/82: CONDUTOR DE COBRE PARA CABO ISOLADO - LIMITE DIMENSIONAL - PADRONIZAÇÃO

NBR7270/82: CABOS DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO - ESPECIFICAÇÃO

NBR8344/83: CABOS DE POTÊNCIA COM ISOLAÇÃO DE PAPEL IMPREGNADO PARA TENSÕES ATÉ 0,6 / 1 KV - ESPECIFICAÇÃO

13

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

TIPOS DE LINHAS ELÉTRICAS

- LINHA ABERTA: CONDUTORES EXPOSTA AO AR LIVRE E NÃO CONFINADO

- LINHA AÉREA: LINHA ABERTA E ELEVADA EM RELAÇÃO AO SOLO E SEM CONTATO

- LINHA APARENTE: LINHA COM CONDUTORES NÃO EMBUTIDOS

- LINHA EMBUTIDA: CONDUTORES ESTÃO ENCERRADOS NA ESTRUTURA DO PRÉDIO

- LINHA SUBTERRÂNEA: LINHA ENTERRADA DIRETAMENTE NO SOLO EM CONDUTOS SUBTERRÂNEOS

CONDUTO ELÉTRICO OU CONDUTO: CANALIZAÇÃO PARA CONDUTORES ELÉTRICOS

ELETRODUTO: ELEMENTO DE LINHA FECHADA PARA CONDUTORES ELÉTRICOS

CALHA: CONDUTO FECHADO PARA LINHAS APARENTES (COM TAMPAS)

MOLDURA: CONDUTO PARA LINHAS APARENTES, FIXADO AO LONGO DA PAREDE

CANALETA: CONDUTO COM TAMPA, AO NÍVEL DO SOLO, REMOVÍVEL

BANDEJA: SUPORTE DE CABOS COM REBORDAS E SEM COBERTURA

GALERIA ELÉTRICA OU GALERIA: CONDUTO FECHADO QUE PERMITE VISITAS

CAIXA DE DERIVAÇÃO: CAIXA PARA PASSAGEM DE CONDUTORES

CONDULETE: CAIXA DE DERIVAÇÃO PARA LINHA APARENTE, COM TAMPA PRÓPRIA

14

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

Caixa de derivação

condulete

15

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

ELETRODUTOS: SEÇÃO CIRCULAR (MAIS COMUM)

OBJETIVO: PROTEGER OS CONDUTORES ELÉTRICOS CONTRA CERTAS INFLUÊNCIAS EXTERNAS

- METÁLICOS OU MAGNÉTICOS: CONFECCIONADOS COM MATERIAIS METÁLICOS

- ISOLANTES OU NÃO MAGNÉTICOS: FEITOS COM MATERIAIS NÃO METÁLICOS

- RÍGIDO: ELETRODUTO CURVÁVEL COM A AJUDA MECÂNICA

- CURVÁVEL: ELETRODUTO CURVÁVEL COM A MÃO, COM FORÇA RAZOÁVEL

- FLEXÍVEL: ELETRODUTO DOBRÁVEL COM A MÃO E COM POUCA FORÇA

- TRANSVERSALMENTE ELÁSTICO: ELETRODUTO CURVÁVEL QUE MANTÉM A FORMA

OCUPAÇÃO DOS ELETRODUTOS:

Nº DE CONDUTORES OCUPAÇÃO DA ÁREA ÚTIL

1 ATÉ 53%

2 ATÉ 31%

3 OU MAIS ATÉ 40%

16

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

Alguns tipos de eletrodutos Calha com paredes perfuradas e tampa encaixada

Corte de um bloco alveolado com dois furos Corte de uma canaleta com tampa ventilada

17

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

ASPECTOS GERAIS DAS LINHAS

CONEXÕES: A NBR5410 RECOMENDA QUE AS CONEXÕES DE CONDUTORES ENTRE SI E COM EQUIPAMENTOS DEVEM TER CONTATOS FIRMES E DURÁVEIS E COM CONDIÇÕES DE PERMITIR SUA VERIFICAÇAO

PARA A ESCOLHA DOS DISPOSITIVOS DE CONEXÕES DEVEM SER CONSIDERADOS:

- O MATERIAL DOS CONDUTORES - A SEÇÃO DOS CONDUTORES

- A QUALIDADE E A FORMA DOS CONDUTORES

- O NÚMERO DE CONDUTORES A SEREM LIGADOS ENTRE SI

AS CONEXÕES DEVEM SATISFAZER ÀS SEGUINTES CONDIÇÕES:

- SEREM GARANTIDAS POR DISPOSITIVOS ADEQUADOS

- SEREM ACESSÍVEIS, MAS APENAS APÓS A DESMONTAGEM DE UM OBSTÁCULO

- APRESENTAR UM GRAU DE PROTEÇÃO CONTRA CONTATOS DOS DEDOS E CONTRA PENETRAÇÃO DE CORPOS SÓLIDOS ESTRANHOS.

18

I.E.I. 05 – INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - CONDUTORES ELÉTRICOS PARA BAIXA TENSÃO

CONDIÇÕES GERAIS DE INSTALAÇÃO:

- A PROTEÇÃO CONTRA INFLUÊNCIAS EXTERNAS QUE SEJA CONFERIDA PELA MANEIRA DE INSTALAR DEVE SER ASSEGURADA DE MANEIRA CONTÍNUA.

- NAS TRAVESSIAS DE PAREDES, AS LINHAS ELÉTRICAS DEVEM SER PROVIDAS DE PROTEÇÃO MECÂNICA ADEQUADA.

- DEVEM SER TOMADAS PRECAUÇÕES ESPECIAIS EM CASOS DE:

A) TRAVESSIAS ENTRE LOCAIS QUE APRESENTAM DIFERENÇAS HIGROMÉTRICAS;

B) TRAVESSIAS PARA O EXTERIOR;

C) AS LINHAS ELÉTRICAS NÃO DEVEM UTILIZAR AS MESMAS CANALETAS OU POÇOS QUE AS CANALIZAÇÕES NÃO ELÉTRICAS

D) NA VIZINHANÇA DE CANALIZAÇÕES DE CALEFAÇÃO, DE AR QUENTE OU DE DUTOS DE EXAUSTÃO DE FUMAÇA, AS LINHAS ELÉTRICAS NÃO DEVEM CORRER O RISCO DE SER LEVADA A UMA TEMPERATURA PREJUDICIAL

E) AS LINHAS ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO E AS LINHAS DE TENSÕES SUPERIORES A 1000 VOLTS NÃO DEVEM SER COLOCADAS NAS MESMAS CANALETAS OU POÇOS

F) AS TRAVESSIAS PARA UM LOCAL QUE APRESENTE RISCOS DE INCÊNDIO, DE EXPLOSÃO OU DE CORROSÃO DEVEM SER OBTURADAS NO LADO CORRESPONDENTE A ESSE LOCAL

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 18 páginas