PHP para WEB, Notas de estudo de Informática
arnaldo-araujo-11
arnaldo-araujo-11

PHP para WEB, Notas de estudo de Informática

72 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
Descrição
Tutorial para o desenvolvimento de aplicações PHP para a WEB , associado ao uso de Bando de Dados SQL
80 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 72
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 72 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 72 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 72 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 72 páginas
1

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

PROGRAMANDO PARA WEB COM PHP/MySQL

2ª Edição

Revista e Atualizada

Autor: Fred Cox Junior

Março/2001

http://www.php.net

http://www.mysql.com

http://www.apache.org

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO .............................

1. CLIENT-SIDE SCRIPTS ................................ 2. SERVER-SIDE SCRIPTS ................................ 3. O QUE É PHP....................................... 4. UMA BREVE HISTÓRIA DO PHP........................ 5. ASP X PHP........................................ 6. INSTALAÇÃO EM AMBIENTE WINDOWS ................... 6.1 SERVIDOR APACHE ............................. 6.2 PHP4 ........................................ 6.3 MYSQL ....................................... 6.4 PHPED........................................

CAPÍTULO II - MYSQL ..................................

1.O BANCO DE DADOS MYSQL ............................ 2. CARACTERÍSTICAS DO MYSQL......................... 3. HABILITANDO O MYSQL PARA CONEXÕES................ 4. SISTEMA DE SEGURANÇA DO MYSQL.................... 5. GUIA DE REFERÊNCIA DO MYSQL...................... 5.1 MYSQL MONITOR ............................... 5.2 COMO ESCREVER STRINGS E NÚMEROS ............. 5.3 TIPOS DE COLUNAS SUPORTADOS PELO MYSQL ...... 5.4 OPERADORES .................................. 5.5 COMANDOS .................................... 5.6 CRIANDO USUÁRIOS NO MYSQL ...................

CAPÍTULO III - A LINGUAGEM HTML ......................

1. INTRODUÇÃO....................................... 2. CRIANDO DOCUMENTOS HTML.......................... 2.1 HTML MÍNIMO ................................. 2.2 MARCAÇÕES BÁSICAS ........................... 3. INTERLIGANDO DOCUMENTOS.......................... 4. INTERLIGANDO DOCUMENTOS EM OUTRO DIRETÓRIO....... 5. FORMULÁRIOS HTML................................. 5.1 CODIFICAÇÃO BÁSICA ............................ 5.2 ENTRADA DE TEXTO COMUM -TEXT .................. 5.3 ENTRADA DE TEXTO PROTEGIDO - PASSWORD ......... 5.4 ENTRADA DE VÁRIAS LINHAS DE TEXTO - TEXTAREA .. 5.5 LISTBOX E COMBO BOX ........................... 5.6 CHECKBOX ...................................... 5.7 RADIO BUTTON .................................. 5.8 SUBMIT BUTTON E RESET BUTTONX .................

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

5.9 CONCLUSÃO .....................................

CAPÍTULO IV - A LINGUAGEM PHP ........................

1. SINTAXE BÁSICA................................... 2. VARIÁVEIS........................................ 3. COMENTÁRIOS...................................... 4. TIPOS DE DADOS................................... 4.1 INTEGER ..................................... 4.2 FLOATING-POINT .............................. 4.3 ARRAY ....................................... 4.4 STRING ...................................... 4.5 CONSTANTES .................................. 4.6 OPERADORES .................................. 4.6.1 ARITMÉTICOS .......................... 4.6.2 STRINGS .............................. 4.6.3 LÓGICOS .............................. 4.6.4 COMPARAÇÃO ........................... 5. ESTRUTURAS DE CONTROLE........................... 5.1 IF AND ELSE ................................. 5.2 LAÇO WHILE .................................. 5.3 LAÇO FOR .................................... 5.4 COMANDO BREAK ............................... 5.5 SWITCH ...................................... 6. FUNÇÕES.......................................... 7. GRAVANDO COOKIES................................. 8. RECUPERANDO COOKIES.............................. 9. HEADER(LOCATION...).............................. 10. MYSQL FUNÇÕES................................... 10.1 MYSQL_CONNECT()............................ 10.2 MYSQL_SELECT_DB().......................... 10.3 MYSQL_QUERY().............................. 10.4 MYSQL_NUM_ROWS()........................... 10.5 MYSQL_FETCH_ARRAY()........................ 11. TRABALHANDO COM ARQUIVOS........................ 11.1 ABRINDO ARQUIVOS........................... 11.2 LENDO ARQUIVOS............................. 11.3 GRAVANDO DADOS............................. BIBLIOGRAFIA........................................ APÊNDICE A - FUNÇÕES MATEMÁTICAS DO MYSQL........... APÊNDICE B - FUNÇÕES DE STRING DO MYSQL............. APÊNDICE C - FUNÇÕES DE DATA E HORA DO MYSQL........ APÊNDICE D - OUTRAS FUNÇÕES IMPORTANTES DO MYSQL ....

.................................................... ....................................................

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

NOTAS DO AUTOR

Na maior parte do tempo, escrever um livro é desafiante, frustrante,

tedioso, excitante e muito trabalhoso, tudo simultaneamente. Mas a criação

de Programando para Web com PHP/MySQL teve um componente quase que

intangível. Eu assumi a responsabilidade de criar uma fonte rápida de

referência para o programador que deseja migrar para tecnologias

Intranet.

Este livro foi escrito para um público principiante, com o mínimo de

conhecimento necessário para programar em PHP. Saber como funciona a

linguagem html e possuir noções de lógica de programação é de fundamental

importância para a compreensão dos capítulos.

Procurei resumir o conteúdo, da melhor forma possível, descartando tudo

que for desnecessário, tornando assim uma leitura acessível e de rápida

assimilação e entendimento.

Críticas, dúvidas e sugestões serão bem-vindas.

O autor

meu email: ffredcox@aol.com minhas URL´s: http://www.fredcox.f2s.com (site de eletrônica)

http://www.fredcox.f2s.com/php (site sobre o manual)

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

AGRADECIMENTOS

Inicialmente gostaria de agradecer a minha

mãe, pelo incentivo à publicação desta obra.

Ao público iniciante e aos veteranos no PHP,

cujas dúvidas e sugestões foram

imprescindíveis no lançamento desta 2ª edição.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Não se mede o valor de um homem

Pelas suas roupas

Ou pelos bens que possui.

O verdadeiro valor de um homem

É o seu caráter,

Suas idéias

E a nobreza do seus ideais.

Charles Chaplin

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

PREFÁCIO À 2ª EDIÇÃO

A linguagem PHP é considerada, atualmente, uma das mais importantes em

termos de aplicações direcionadas para Internet.

Este livro tem como objetivo preencher um espaço quase vazio na literatura

nacional em Programação em PHP com Servidor de Banco de Dados MySQL. O

texto aborda de forma gradativa o aprendizado do programador.

Nesta 2ª edição, além da nova capa, uma grande mudança foi a seção

Instalação em Ambiente Windows, cuja atualização era mais do que

necessária devido às novas versões lançadas, causando problemas de

incompatibilidade entre o livro e os respectivos lançamentos. A questão

não somente foi resolvida como também solucionada. Estou disponibilizando

através do site do livro Programando para Web em PHP/MySQL

(http://www.fredcox.f2s.com/php) , todos os programas que porventura

possam sofrer modificações e, com isso, prejudicar os leitores com

incompatíbilidade de versões.

Programando para Web com PHP/MySQL 2ª edição poderá ser obtido

gratuitamente através do site http://www.fredcox.f2s.com/php. A cópia do

texto é autorizada pelo autor, desde que sejam respeitados os direitos

autorais. O sucesso da 1ª edição foi tanto que recebi emails de estudantes

universitários de Portugal sobre este documento. Fiquei sabendo também,

que o texto está sendo distribuído por vários sites especializados em

tutoriais, incluse a Universidade de Campinas – UNICAMP. Isto é

extremamente gratificante e motivador para lançamento de outras edições.

Finalmente, espero continuar recebendo os comentários e críticas dos

usuários deste texto.

Fred Cox Junior

16/03/2001

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

I N T R O D U Ç Ã O

1. Client-Side Scripts

São responsáveis pelas ações executadas no browser, sem contato com o

servidor. Os exemplos mais comuns de aplicações client-side são imagens e

textos que mudam com o passar do mouse e os java scripts.

Os scripts client-side são muito úteis para fazer validações de entrada de

formulários sem utilizar processamento do servidor, não provocando com

isso tráfego na rede. São exemplos de client-side scripts as rotinas para

validar entrada de CPF/CGC, números de telefones, emails, entre outras. Há

inúmeros java scripts e applets disponíveis gratuitamente

(http://www.jajaboutique.com) na internet com as mais diferentes

finalidades e a economia do fluxo de informações entre o cliente e o

servidor é essencial para uma boa performace do conjunto de aplicações

para web. Para validar um CPF, por exemplo, o programador poderá escolher

entre um java script ou um script em php. Recomendo a primeira opção,

visto que o código será executado no próprio cliente, cujo tempo de

resposta é muito menor do que um código executado pelo servidor. A segunda

opção é recomendada em rotinas de segurança, cujo código não pode ser

visto pelo usuário, tais como, validação de cartões de crédito, senhas de

usuários, enfim, informações que deverão ser criptografadas e que merecem

atenção redobrada na hora de desenvolver a aplicação.

2. Server-Side Scripts

São responsáveis pelas ações executadas no servidor. Os exemplos mais

comuns de aplicações server-side scripts são os cgi´s, php e asp.

No momento em que o usuário solicita uma informação através do cliente, o

servidor interpretará a requisição e retornará ao cliente um código html

dinâmico (gerado em tempo real); isto é muito útil para construções de

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

aplicações baseadas em informações on-line, tais como sistemas de busca,

cadastro de clientes, estatísticas de um site, contadores, livro de

visitas, enfim, qualquer aplicação para web.

(Figura 1)

3. O QUE É PHP

PHP (Hipertext PreProcessor) é uma linguagem de programação server-

side scripts para criar sites dinâmicos. Sites dinâmicos são aqueles que

retornam para o cliente uma página criada em tempo real. Um exemplo de

server-side scripts são os sistemas de busca www.yahoo.com,

www.cade.com.br, os webmails, que se popularizaram com grande proporção

nos últimos 2 anos, pela facilidade de induzir o usuário a ler propagandas

(banners). Quando você digita a palavra chave da busca, por exemplo, e

clica no botão pesquisar, a palavra-chave é processada pelo servidor;

outro exemplo são as salas de chat: nelas, quando você digita e clica no

botão enviar, as informações são processadas em tempo real conjuntamente

com a dos outros usuários, resultando num código HTML dinâmico gerado do

servidor para o cliente.

Cliente

Servidor (www)

Cliente-Side Scripts

Requisição = URL

Retorno = html

Cliente

Servidor (www) processamento

Server-Side Scripts

Requisição = URL

Retorno = html dinâmico

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Um exemplo de um script PHP

(Figura 2)

Utilizando a linguagem PHP você permite a interação direta do usuário com

o site, através de formulários, contadores de acesso, estatísticas, ou

criando aplicações para uma rede local baseadas numa Intranet. Você pode

criar qualquer aplicação em php.

Aplicações em PHP são geradas com estabilidade, alta performance e

automaticamente pelo servidor. O usuário não vê o código PHP, somente o

HTML; isto é muito importante quando se está lidando com informações

discretas, tais como senhas e validações de dados que requerem sigilo.

(Figura 3)

Cliente Requisição

(formulário HTML)

Servidor Processamento do Script

(página de resuldado HTML )

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

O PHP suporta as seguintes bases de dados:

Adabas Sybase Solid

Dbase MSQL Interbase

MySQL Oracle Unix DBM

Informix PostgreeSQL FilePro

4. UMA BREVE HISTÓRIA DO PHP

O PHP foi concebido no outono (lá nos EUA, aqui no Brasil seria primavera)

de 1994 por Rasmus Lerdorf. As primeiras versões foram usadas na sua

homepage para saber quem estava consultando o currículo online. A primeira

versão, utilizada por outras pessoas, foi disponibilizada em meados de

1995, e era conhecida como Personal Home Page Tools (Ferramentas para

Homepages Pessoais).

Ela consistia num motor de interpretação bem simples, que entendia algumas

macros especiais e alguns utilitários de uso comum nas homepages de então.

Um livro de visitas, um contador e outras coisas. Em meados de 1995, o

interpretador foi reescrito e batizado de PHP/FI Version 2. O sufixo FI

veio de um outro pacote escrito por Ramus, que interpretava dados de

formulário html. Ele combinou os scripts das Ferramentas para Homepages

Pessoais com o Interpretador de Formulário e adicionou o suporte ao mSQL;

o PHP/FI estava criado. O PHP/FI cresceu num ritmo incrível e as pessoas

começaram a adicionar-lhe código.

É muito difícil estimar corretamente, mas, em fins de 1996, o PHP/FI

estava sendo usado em pelo menos 15,000 web sites pelo mundo afora. Na

metade de 1997, este número havia aumentado para mais de 50,000. Nesta

época, o desenvolvimento do PHP também sofreu mudanças. De um projeto de

estimação de Rasmus, com contribuições de um pequeno grupo de pessoas, se

tornou um esforço de uma equipe mais organizada. O interpretador foi

reescrito do zero por Zeev Suraski e Andi Gutmans, e este novo

interpretador foi a base para o PHP Versão 3. Muito do código dos

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

utilitários do PHP/FI foi portado para o PHP3, e muito desse código foi

totalmente reescrito.

Já na metade de 1999 PHP/FI e PHP3 eram oferecidos juntos com vários

produtos comerciais, como o webserver StrongHold da C2 e o RedHat Linux.

Uma estimativa conservadora baseada na estrapolação dos números fornecidos

pela NetCraft diz que o PHP está em uso em mais de 150,000 sites em todo o

mundo. Para se ter uma idéia do que isso significa, esse número é maior do

que a quantidade de sites que rodam o Enterprise server da Netscape na

Internet.

5. ASP x PHP

Enquanto o ASP é somente executado em plataformas microsoft, o PHP suporta

a maioria dos sistemas operacionais, é distribuído sobre GPL (Licença

Pública Geral), ou seja, não se precisa pagar para usar o PHP. O PHP é

muito mais estável que o ASP, em razão da migração dos provedores de

acesso a começarem a trabalhar com a ferramenta. O maior sucesso do PHP é

na Europa, particularmente na França; a maioria dos serviços de internet

tem suporte para tal ferramenta. No Brasil, a utilização do PHP está se

popularizando; muitos provedores já migraram para a plataforma, unindo o

útil ao agradável; um interpretador de scripts distribuído sobre GPL,

estável, seguro e de fácil utilização e instalação.

6. INSTALAÇÃO EM AMBIENTE WINDOWS

Para trabalhar com PHP/MySQL em ambiente windows você precisa instalar

quatro softwares, são eles:

• Apache Web Server 1.3.19 – Servidor de web;

• PHP 4.04 - interpretador de scripts;

• MySQL – servidor de banco de dados SQL;

• PHPEd - ambiente de desenvolvimento

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Sugiro que o leitor faça o download das respectivas versões do Apache,

php, MySQL e PHPEd citados aqui no livro, tendo em vista que novas versões

quase sempre significam novos parâmetros e algumas, grandes mudanças.

O processo de instalação será dividido em quatro partes distintas, com

maior ênfase na configuração do apache+php+mysql.

O servidor de web, a ser utilizado será o Apache Web Server versão 1.3.19,

que está disponível gratuitamente para download em http://www.apache.org.

Os usuários do Win95 deverão fazer a upgrade da Winsock 2, que pode ser

obtida no site abaixo:

http://www.microsoft.com/windows/downloads/bin/W95ws2setup.exe

Obs: O apache só funcionará com a versão do Winsock atualizada.

A fim de facilitar o processo na instalação, bem como diminuir o tempo de

download, o Apache httpd Project, a partir da versão 1.3.17, vem

distribuindo o software no formato de pacote de instalação da microsoft

MSI package. Se você é usuário do Win95,Win98 e WinNT, copie o arquivo

“insmsi.exe” no site da microsoft para fazer a atualização do sistema

operacional, requisito necessário para instalação do apache, MSI versão

1.1 ou superior. O utilitário de instalação da microsoft, MSI versão 1.2

pode ser adquirido no endereço abaixo:

ftp://ftp.microsoft.com/developr/platformsdk/oct2000/msi/win95/instmsi.exe

Usuários do WindowsME não precisam fazer a upgrade acima, tendo em vista

que o sistema já possui tal atualização.

Para instalar o servidor de web em ambiente windows siga os passos abaixo:

6.1 - Servidor Apache 1.3.19

Execute o utilitário de instalação (apache_1.3.19-win32-no_src-r2.msi) e

siga os passos de instalação normalmente.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

A instalação é bastante interativa, rápida e transcorre sem dificuldades;

somente um iten merece atenção especial. Quando a janela de instalação

solicitar informações sobre o computador, digite:

localhost - para o campo Network domain;

localhost - para o campo Server name;

seu_email@provedor.com.br - para o campo Administrator´s email adress

Escolha a opção “Run as a Service for All users - Recommended”, clique no

botão next e finalize a instalação.

Quando o programa de instalação solicitar o diretório de destino, clique

no campo path e digite “C:\” na janela PATH. Isto garantirá um ganho de

tempo no acesso ao diretório htdocs (onde ficarão armazenadas as páginas

html e php reconhecidas pelo apache), visto que, por default, o Apache

será instalado em: “C:\Arquivos de Programas\Apache Group\Apache\”.

Para testar se a instalação foi concluída com sucesso, você deverá

carregar o console do Apache Web Server, ativar o seu browser, seja

netscape ou IE, e digitar http://localhost. Uma página de teste será

exibida.

6.2 – Instalação do PHP4

3.1 - Crie uma pasta: “C:\php4”

3.2 - Descompacte o arquivo “php-4.0.4pl1-Win32.zip” neste diretório.

3.3 – Copie o arquivo “php.ini-dist” para o diretório “C:\Windows” ,

renomeando-o para php.ini.

Dica: Para fazer isto: primeiro copie o arquivo php.ini-dist para a pasta

windows de seu computador e depois reinicie o prompt do msdos e digite:

Ren php~1.ini php.ini

Veja a figura abaixo.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

3.4 – Edite o arquivo php.ini com o bloco de notas e procure pela “linha

extension_dir” e inclua o seguinte parâmetro: “c:\php4”

Veja o trecho do arquivo abaixo como deve ficar:

;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;

; Paths and Directories ;

;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;

include_path = ; UNIX: "/path1:/path2" Windows: "\path1;\path2"

doc_root = ; the root of the php pages, used only if nonempty

user_dir = the directory under which php opens the script using

/~username, used only if nonempty

extension_dir =C:\php4 ./ ; directory in which the loadable extensions

(modules) reside

enable_dl = On

O próximo passo é a configuração do servidor de páginas www, Apache, a fim

de que ele execute os scripts em php.

1. Clique no botão [iniciar] e siga a seguência:

[Programas] -! [Apache httpd Server] -! [Configure Apache Server] -!

[Edit Configuration]

2. Adicione as seguintes linhas no final do arquivo httpd.conf:

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

# Configuração adicionada por mim no httpd.conf

LoadModule php4_module c:/php4/sapi/php4apache.dll

AddType application/x-httpd-php .php4 .php3

3. Salve o arquivo e reinicie o [Apache in console].

A primeira linha informa ao apache que carregue o módulo do php4 em

conjunto com o servidor, a segunda informa ao apache que qualquer arquivo

com extensões .php3 e .php4 são scripts que devem ser interpretados e por

ele processados.

Pronto! Você acaba de instalar o apache+php4. Agora só está faltando o

MySQL que de todos é o mais simples de se instalar. Há uma interação entre

o projeto Apache e o PHP, visando tornar a instalação cada vez mais

simples para o usuário final.

6.3 – MySQL

A versão do MySQL, que será utilizada neste texto, é a 3.23.35. O MySQL é

um robusto Servidor Banco de Dados, multiusuário, multitarefa que opera

com a linguagem SQL (Structured Query Language), linguagem de consulta

estruturada. O acesso e manipulação de dados no servidor MySQL serão

discutidos posteriormente.

Este servidor de banco de dados pode ser facilmente obtido pelo endereço

http://www.mysql.com .

3.1 – Crie uma pasta temporária; por exemplo : “c:\tempo”

3.2 - Descompacte o arquivo “mysql-3.23.35-win.zip” neste diretório e

execute o utilitário de instalação normalmente.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

6.4 – PHPEd

Este utilitário é um ambiente GUI (Graphical User Interface), de bastante

utilidade para o programador em PHP, tendo em vista a organização que

apresenta, padrões de cores para comandos, variáveis; enfim, o desempenho

do programador dispara consideravelmente porque o PHPEd fornece uma

interface amigável e ideal para programadores PHP. O utilitário poderá ser

obtido gratuitamente através do site: http://www.soysal.com/PHPEd .

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

M y S Q L

1. O Banco de Dados MySQL

O MySQL é servidor de banco de dados multiusuário, multitarefa que

trabalha com uma das linguagens de manipulação de dados mais popularizadas

do mundo.

SQL é uma linguagem simples, em que você facilmente pode gravar, alterar e

recuperar informações num web site com segurança e rapidez. Ela foi

desenvolvida pelo Departamento de Pesquisas da IBM como forma de interface

para o Sistema de Banco de Dados Relacionais SYSTEM R, no início dos anos

70; em 1996, a American National Institute (ANSI) publicou um padrão SQL.

A SQL estabeleceu-se como linguagem padrão de Banco de Dados Relacional.

A linguagem SQL tem como grande virtude sua capacidade de gerenciar

índices sem a necessidade de controle individualizado de índice corrente,

algo muito comum nos Sistemas Gerenciadores de Arquivos, o Dbase por

exemplo. Nunca trabalhe com arquivos do Dbase (*.DBF)! Esses falsos bancos

de dados não oferecem integridade alguma para os dados; uma simples

recuperação de dados resulta num código complicado e extenso, visto que

consiste numa busca de registro a registro, além de não passar de uma

simples e frágil gravação sequencial de strings. Você foi avisado!

O MySQL foi originalmente desenvolvido pela empresa sueca TCX , que

necessitava de um servidor de banco de dados que operasse com grandes

escalas de dados rapidamente sem exigir caríssimas plataformas de

hardware. A TCX opera desde 1996 com 40 bancos de dados, contendo 10.000

tabelas, sendo 500 delas com mais de 10 milhões de linhas.

2. Características do MySQL

suporta diferentes plataformas: Win32, Linux, FreeBSD, Unix,

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

etc...

Suporte às API´s das Seguintes linguagens: PHP, Perl,

C,C++,Java, Pynthon, etc...

Suporte a múltiplos processadores

Um sofisticado sistema de senhas criptografadas flexível e

Seguro.

Suporte à ODBC, você pode facilmente conectar o Access a um

banco de dados do MySQL

Suporta até 16 indices por tabela

Código fonte escrito em C e C++ e testado com uma variedade de

diferentes compiladores

O Cliente conecta no MySQL através de conexões TCP/IP.

Nenhum problema com o Y2K, visto que o MySQL usa o relógio do

Unix que não apresentará problemas até 2069

3. Habilitando o MySQL para conexões

Para efetuar qualquer conexão com o MySQL é necessário que o daemon,

programa que roda em standallone, esteja carregado na memória; para isso,

execute o binário “winmysqladmin.exe”, localizado no diretório

“c:\mysql\bin”.

Na primeira vez que o usuário acessa o mysqladmin, ele solicitará um login

e uma senha e lhe cadastrará como usuário com todos os privilégios para

utilizar o servidor de banco de dados, porém fique atento à próxima seção

que trata de um item indispensável em Segurança em banco de dados. Na

barra de tarefas aparecerá um pequeno semáforo como da figura abaixo:

4. Sistema de segurança do MySQL

Observe que o sinal verde indica que o mysql estará habilitado para conexões.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

O MySQL possui um avançado sistema de segurança, a ser tratado neste

capítulo.

Quando você se conecta a um MySQL Server, normalmente é solicitada uma

senha de usuário. Esta informação poderá ser lida no momento em que ela

passar do cliente para o servidor. O ideal é instalar o servidor de web

com um protocolo de compressão e criptografia, o Apache web server para o

Red Hat 6.1 já vem com mod_ssh e mod_ssl; com isto, a conexão TCP/IP entre

o cliente e o servidor estará sendo uma transação criptografada.

O MySQL criptografa as senhas dos usuários através de um algoritmo

semelhante ao processo de autenticação de login do Unix

Quando se instala o MySQL para win32 pela primeira vez, ele por padrão,

vem com dois usuários: um superusuário (root) e outro usuário padrão.

Para trocar a senha do root (superusuário) e apagar o usuário padrão, siga

os passos a seguir, supondo que o daemon “mysqladmin” já está ativado na

memória:

No prompt do MS-DOS digite os comandos abaixo, observando que quando o

mysql monitor solicitar a senha do superusuário você deverá pressionar

enter:

Você acabou de se logar como root (superusuário) no MySQL monitor; é neste

ambiente que você irá criar banco de dados, tabelas e usuários. Há outros

tipos de ambientes com interfaces GUI´s que não são abordados neste curso,

ficando a critério do aluno a escolha. Vamos agora definir a senha do

root: para isso, digite os comandos abaixo no MySQL monitor:

Não precisa digitar a senha do superusuário, apenas apertar enter.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Você apagou o usuário padrão e definiu a senha do root ('senha'). Não se

preocupe quanto à sintaxe SQL; isto será amplamente discutido no capítulo

seguinte.

5. GUIA DE REFERÊNCIA DO MySQL

5.1 - MySQL MONITOR

O MySQL monitor é o cliente que vem no pacote do MySQL para win32. Através

dele podemos criar tabelas, bancos de dados, usuários e estabelecer

critérios de segurança para usuários.

Para acessar o MySQL você precisa acessar o prompt do ms-dos na pasta

c:\mysql\bin>, e digitar os seguintes comandos.

c:\mysql\bin>mysql -u usuario -p banco_de_dados

ou

c:\mysql>bin>mysql -u usuario -psenha banco_de_dados

Veja figura abaixo:

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

O primeiro processo é mais seguro, visto que o MySQL Server solicitará a

digitação da senha (ver figura). É extremamente necessário acessar o MySQL

monitor para efetuar as consultas da linguagem SQL.

5.2 - COMO ESCREVER STRINGS E NÚMEROS

Strings

Qualquer sequência de caracteres delimitados por ' ' ou " ".

Exemplo:

'um string'

"outro string"

Números

Inteiros são representados por uma sequência de dígitos e ponto flutuante

utiliza-se ' . ' como separador decimal.

Exemplos de números inteiros válidos

1543

0

-48

Exemplos de números ponto flutuante válidos

294.42

-32032.6809e+10

148.00

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

5.3 - TIPO DE COLUNAS SUPORTADOS PELO MySQL

O MySQL suporta uma ampla variedade de colunas. Esta seção descreve os

tipos disponíveis.

Os tipos de dados suportados pelo MySQL estão listados abaixo. O código

das letras usado nas descrições é o seguinte:

• M - indica o tamanho máximo. O máximo valor que M pode assumir é 255

• D - utilizado para ponto flutuante, indicando o número de casas

decimais. O valor máximo para D é 30.

• [] - indica um valor opcional.

* Note que se for especificado um parâmetro [ZEROFILL], o MySQL

automaticamente atribui UNSIGNED para a coluna.

TINYINT[(M)] [UNSIGNED] [ZEROFILL]

Números inteiros muito pequenos. Pode assumir intervalo de valores entre -

128 to 127. O intervalo de valores para unsigned é de 0 a 255.

SMALLINT[(M)] [UNSIGNED] [ZEROFILL]

Números inteiros pequenos. Intervalos de valores entre -32768 to 32767. O

intervalo de valores para unsigned é de 0 a 65535.

MEDIUMINT[(M)] [UNSIGNED] [ZEROFILL]

Números inteiros de tamanho médio. O intervalo de valores está entre -

8388608 a 8388607. O intervalo de valores para unsigned é de 0 a

16777215.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

INT[(M)] [UNSIGNED] [ZEROFILL]

Inteiros de tamanho normal. O intervalo de valores está entre -

2147483648 a 2147483647. Valores para unsigned é de 0 a 4294967295

BIGINT[(M)] [UNSIGNED] [ZEROFILL]

Inteiros de tamanho grande. Assume intervalo de valores entre -

9223372036854775808 a 9223372036854775807. Valores para unsigned está

entre 0 a 18446744073709551615.

FLOAT[(M,D)] [ZEROFILL]

Números ponto flutuante pequenos (simples-precisão) . Assume valores

entre -----3.402823466E+38 a -1.175494351E-38 . O valor de M

corresponde ao tamanho e D ao número de casas decimais.

'DOUBLE[(M,D)] [ZEROFILL]'

Números ponto flutuante de tamanho normal. Valores assumidos entre -

1.7976931348623157E+308' a `-2.2250738585072014E-308', O valor de M

corresponde ao tamanho e D ao número de casas decimais.

`DATE'

Para armazenar valores de data. Assume valores entre`'1000-01-01'' a

`'9999-12-31''.

Os *MySQL* são gravados no formato `'YYYY-MM-DD', porém há funções gravar

e recuperar dados de data e hora que serão discutidas posteriormente.

`DATETIME'

Uma combinação de data e hora. Suporta valores entre`'1000-01-01

00:00:00'' a `'9999-12-31 23:59:59''.

`TIME'

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Para armazenar valores hora. Assume intervalo de valores entre `'-

838:59:59'' a `'838:59:59''.

`CHAR(M) [BINARY]'

Valores de String. O valor de `M' indica o comprimento do campo string.

5.4 - OPERADORES

ARITMÉTRICOS

`+'

Adição

mysql> select 3+5;

-> 8

`-'

Subtração

mysql> select 3-5;

-> -2

`*'

Multiplicação

mysql> select 3*5;

-> 15

mysql> select 18014398509481984*18014398509481984.0;

-> 324518553658426726783156020576256.0

mysql> select 18014398509481984*18014398509481984;

-> 0

`/'

Divisão

mysql> select 3/5;

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

-> 0.60

mysql> select 102/(1-1);

-> NULL

LÓGICOS

Todas as operações lógicas no MySQL retornam `1' (Verdadeiro) ou `0'

(Falso).

`NOT'

`!'

Operador lógico de negação NOT. Retorna `1' se o argumento é falso,

caso verdadeiro retorna `0'.

The last example returns `1' because the expression evaluates the

same way as `(!1)+1'.

`OR'

`||'

Operador lógico de escolha OR.

`AND'

`&&'

Operador lógico AND.

COMPARAÇÃO

`='

Igualdade

`<>'

`!='

Diferença

`<='

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Menor ou igual

`<'

Menor que

`>='

Maior ou igual

`>'

Maior que

5.5 - COMANDOS

*Note que todo comando SQL termina com um ';'

CREATE DATABASE

Cria um banco de dados. Este comando cria uma área lógica, diretório, onde

estarão armazenadas todas as tabelas do banco de dados.

Sintax: Exemplo

REATE DATABASE banco_de_dados; mysql>CREATE DATABASE

funcionarios;

DROP DATABASE

Apaga um banco de dados.

Sintax: Exemplo

DROP DATABASE banco_de_dados; mysql>DROP DATABASE

funcionarios;

Obs: Muito cuidado com este comando. O usuário com garantia DROP pode

apagar todos os dados do seu banco. Você foi avisado!

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

CREATE TABLE

Comando utilizado para criar tabelas.

Sintax: Exemplo

CREATE TABLE

nome_tabela(nome_atributo1 tipo

[NOT NULL],nome_atributo2 tipo

[NOT NULL], ... ,nome_atributoN

tipo [NOT NULL]);

mysql>CREATE TABLE

alunos(matricula UNSIGNED

INT(10) NOT NULL,nome CHAR(40)

NOT NULL,turma CHAR(20) NOT

NULL,

PRIMARY KEY (matricula));

No exemplo acima foi definida uma chave primária para a coluna matricula.

Isto impede que hajam repetições no número de matrícula do aluno na

tabela. Uma chave primária indica que o valor armazenado no registro é

único.

ALTER TABLE

Sintax: Exemplo

ALTER TABLE nome_tabela ADD/DROP

Especificação

Nome_atributo1 tipo [NOT NULL],

Nome_atributo2 tipo [NOT NULL],

...

nome_atributoN tipo [NOT NULL]);

especificações possíveis

ADD INDEX [nome_indice]

(coluna_indice,...)

mysql>ALTER TABLE alunos ADD

COLUMN turno char(10) NOT NULL;

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

ADD PRIMARY KEY (coluna,...)

ALTER [COLUMN]

CHANGE [COLUMN] antiga_coluna

O exemplo acima adicionou na tabela alunos uma coluna para cadastrar o

turno, que é primordial na tabela, mas que foi esquecida com o intuito de

utilizar este comando.

DROP TABLE

Apaga uma tabela.

Sintax: Exemplo

DROP TABLE nome_tabela; mysql>DROP TABLE alunos;

INSERT

Comando utilizado para inserir valores numa tabela.

Sintax: Exemplo

INSERT INTO nome_tabela(coluna1,

Coluna2,...,

ColunaN)

VALUES

(expressao1,

expressao2,

...,

expressaoN);

mysql>INSERT INTO

alunos(matricula,

nome,turma,turno)

values

(127423,

'Fred Cox Junior',

'Eng. Eletrônica',

'Manhã');

SELECT

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Comando usado para recuperar valores de uma tabela. Este poderoso comando,

em conjunto com funcões, possibilita a recuperação de qualquer valor de

uma tabela.

Sintax: Exemplo

SELECT coluna1,

Coluna2,...,

ColunaN

FROM tabela

WHERE condição

ORDER BY coluna [ASC | DESC]

mysql>SELECT * FROM alunos where

nome='Fred Cox Junior';

mysql>SELECT matricula,turno

FROM alunos

ORDER BY matricula asc;

No primeiro exemplo, são mostradas todas as colunas da tabela alunos que

possuem nome igual a 'Fred Cox Junior' (O asterisco * indica que devem ser

mostradas todas as colunas). O segundo exemplo mostra somente as colunas

matricula e turno, em ordem crescente numérica.

DELETE

Apaga registros em uma tabela. Se não for especificada a condição where,

todos os dados serão apagados.

Sintax: Exemplo

DELETE FROM tabela

WHERE condição;

Mysql>DELETE FROM alunos WHERE

turno='Manhã';

O exemplo acima apaga todos os alunos que estudam pela manhã.

UPDATE

Altera dados numa tabela.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Sintax: Exemplo

UPDATE tabela SET

coluna1=expr1,col_name2=expr2,..

.,

ColunaN=exprN

WHERE condição;

mysql>DROP TABLE alunos;

5.6 - CRIANDO USUÁRIOS NO MySQL

Criar um usuário no MySQL pode ser de duas formas: com o comando INSERT

ou com o comando GRANT. A segunda forma é mais amigável e menos

trabalhosa. Para criar e dar garantias a um usuário no MySQL você terá de

especificar os privilégios e tabelas que este usuário pode acessar. Nunca

garanta privilégios para um usuário no banco de dados mysql, pois somente

o root (superusuário) deve possuir garantias para tal.

O superusuário pode especificar quais os privilégios que o usuário comum

possui no banco ou tabela do banco de dados. Veja a lista de privilégios

abaixo:

Tipo Descrição

Select

Insert

Update

Delete

Alter

Create

Drop

Grant

Recuperar dados

Inserir dados

Alterar dados

Apagar dados

Alterar estrutura da

tabela

Criar tabelas

Apagar tabelas

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

all

privileges

Estabelecer

privilégios

Todos os privilégios

acima

Vamos criar um usuário para acessar o banco de dados controle.

• Acesse o MySQL monitor como root

• Crie um banco de dados com o nome controle. Utilize o comando CREATE

DATABASE.

Veja a figura abaixo

Na figura acima foi criado um usuário com o login 'joao' e senha

'joao', que possui todos os privilégios no banco de dados controle em

qualquer tabela (controle.*). O Comando USE possibilita configurar o

banco de dados controle como o corrente. O FLUSH PRIVILEGES atualiza a

tabela de privilégios do banco de dados MySQL, efetuando as mudanças e

adicionando o usuário. Para fazer o teste, se o usuário foi corretamente

cadastrado, digite no prompt do ms-dos:

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

C:\mysql\bin>mysql -u joao -p

Quando solicitar a senha, digite joao.

Observe outros exemplos de criação de usuários.

Exemplo Descrição

mysql>GRANT select ON

controle.alunos TO

'paulo' IDENTIFIED BY 'paulo';

mysql>FLUSH PRIVILEGES;

Usuário paulo de senha paulo com

o privilégio somente de

recuperar dados na tabela alunos

do banco de dados controle.

mysql>GRANT

select,insert,update,

delete ON controle.* TO 'paula'

IDENTIFIED by 'paula366';

mysql>FLUSH PRIVILEGES;

Usuária paula de senha paula366

com os privilégios de inserir,

apagar, recuperar e alterar

dados em qualquer tabela do

banco de dados controle.

Depois que o aluno aprender a linguagem de Script PHP, no decorrer do

curso, o ideal é construir uma aplicação para gerenciar o proceso de

criação e manipulação de usuários, se for um caso de uma Intranet e o

volume de usuários for extenso. A digitação da senha do usuário pelo

administrador da rede não lhe agrada muito. Palavra de quem trabalha com

isto. "

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

A L I N G U A G E M H T M L

1. INTRODUÇÃO

O propósito do curso resume-se a programação para web com linguagem de

Script PHP e acesso a banco de dados MySQL. Pressupõe-se que o aluno

esteja familiarizado com as tags html, visto que é requisito necessário

para fazer o curso, e além do mais, estenderia o curso. Por isso, a

abordagem desta linguagem será apenas no intuito de entender o conceito de

páginas web dinâmicas, com comentários voltados a esclarecer a passagem de

parâmetros de formulários html para os scripts em PHP.

A aparente sofisticação das páginas html, não passam de documentos de

texto simples. Podem ser produzidos com qualquer editor de texto, como o

Notepad, Emacs, vi, joe, etc... A diferença é que algumas páginas da web

possuem características especiais de formatação de documento. Há programas

especializados em fazer páginas html, tais como Dreamweaver 3.0, Hot Dog,

Homesite, etc... Há uma ampla variedade de documentos, tutoriais e

templates na Internet. Um bom endereço para começar a pesquisar sobre

webdesign é : http://www.tol.pro.br

2. Criando Documentos HTML

2.1 - HTML Mínimo

Todo documento deve ser identificado como HTML (<html> </html>), ter uma

área de cabeçalho (<head></head>) com o nome para o documento (<title>

</title>), um título principal e uma área definida como

corpo(<body></body>) do conteúdo do documento. Como o exemplo a seguir:

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

2.2 - Marcações Básicas

Títulos

Todo documento em HTML deve possuir um título. De um modo geral o título

aparece em lugar separado da página (por exemplo, alto da tela no

Netscape), e é utilizado para identificar o documento em outros contextos

(por exemplo, buscas Wais). É interessante que o título possa sugerir

claramente o conteúdo do documento.

Atenção porque o conceito de título é diferente de cabeçalho. O título

está mais para o nome do arquivo. Não é um elemento relevante na

visualização do documento como acontece com o cabeçalho.

A marcação utilizada para títulos é <title> e seu par </title>.

Escrito desta forma:

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Cabeçalhos

"Cabeçalhos" normalmente são usados para títulos e sub-títulos de uma

página.

HTML possui seis níveis de cabeçalhos, numerados de 1 a 6, sendo o número

1 o de maior destaque. Cabeçalhos são exibidos em letras maiores e em

negrito. O primeiro cabeçalho em cada documento deve estar marcado como

<H1>.

ATENÇÃO: ao definir o tamanho de um cabeçalho, você não está definindo o

tamanho da letra (fonte 10, fonte 14). Você apenas define que ele

aparecerá com maior tamanho e destaque que o resto do texto. O tamanho

exato com que ele será visualizado é definido pelo programa visualizador

de html (browser) de cada pessoa que acessar a informação.

As notações relativas a cabeçalhos são:

<h1>Cabeçalho da Página</h1>

Parágrafos

A marcação <p> é utilizada para definir o início de um novo parágrafo,

deixando uma linha em branco entre cada parágrafo.HTML não reconhece o

caracter de quebra de linha dos editores de texto. Mesmo que exista uma

linha em branco, os clientes Web só reconhecem o início de um novo

parágrafo mediante a marcação apropriada.

Quebras de linha

A marcação <br> faz uma quebra de linha sem acrescentar espaço extra entre

as linhas. Veja a diferença do uso de <p> e <br> ,nos exemplos a seguir:

2ª Edição

Veja a diferença no uso das duas notações:

Programando para Web com PHP/MySQL

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

3. Interligando Documentos

O principal poder do HTML vem da sua capacidade de interligar partes de um

texto (e também imagens) a outros documentos. Os clientes exibem em

destaque estas áreas ou pontos chaves (normalmente com cores diferentes ou

sublinhado) para indicar que se trata de um link, ou interligação, no

hipertexto.

A marcação <A>, que define o ponto de partida para os links, é denominada

de âncora. Para incluir uma âncora em seu documento:

1. Inicie a âncora com <A . ( Há um espaço depois de A.)

2. Especifique o documento a ser interligado, inserindo parâmetro

HREF="arquivo" seguido do sinal: >

3. Insira o texto que vai funcionar como link no documento corrente

4. Anote a marcação de final da âncora: </A>.

Um exemplo de referência a um hipertexto:

<A HREF="ListaPraias.html">Praias</A>

A palavra “Praias'' é definida como o marcador do link para se chegar ao

documento ListaPraias.html, que está no mesmo diretório do documento

corrente. Ou seja, "Praias" aparece em negrito e se eu clicar nessa

palavra será exibido o documento apontado - ListaPraias.html

4. Interligando Documentos em Outros Diretórios

É possível interligar documentos em outro diretório especificando-se o

caminho relativo a partir do documento corrente, em relação ao que está

sendo interligado.

Por exemplo, um link para o arquivo Sergipe.html localizado no

subdiretório Estados seria assim:

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

<A HREF="Estados/Sergipe.html">Sergipe</A>

Estes são os denominados links relativos. É também possível usar o caminho

completo (pathname absoluta) do arquivo desejado. Para isso, utiliza-se a

sintaxe padrão do sistema UNIX.

Importante: se você quiser referenciar um diretório a partir da “raiz” do

seu servidor www, inicie a notação com /. Isto é, se você tiver uma

notação desta forma.

<A HREF=“/imagens/incon1.gif”>, significa que o arquivo incon1.gif deverá

ser buscado no diretório imagens que está imediatamente acima do diretório

raiz do seu servidor WWW.

5. FORMULÁRIOS HTML

Esta constitui a seção mais importante deste capítulo, visto que, é a

partir de um formulário html que o usuário interage, com o servidor

enviando e recebendo informações.

Cada comando será comentado, a fim de que o aluno se familiarize o mais

rápido possível com o conceito de passagem de parâmetros de formulários

html para scripts php, visto que esta é uma das maiores dúvidas.

Existem vários tipos de campos de entrada de um formulário, como:

• campos de entrada de texto

• menus de múltipla escolha ou escolha única

• botões sim-ou-não

• botões para submissão ou limpeza de formulário

Cada um destes campos tem funcionalidade própria e você vai aprender em

que situação utilizá-los em seus formulários.

Se você já conhece HTML, as marcações utilizadas em formulários seguem a

mesma convenção, e portanto, será fácil aprender.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

5.1 - Codificação básica

Um formulário começa com a marcação <FORM> e termina com </FORM>. Outros

itens devem ser especificados:

Primeiro, o formulário precisa saber como enviar a informação para o

servidor. Existem dois métodos: GET e POST.

METHOD="GET"

A maioria dos documentos HTML são recuperados a partir da requisição de

uma única URL ao servidor. Assim, um formulário que utilize este método,

envia toda sua informação ao final da URL ativada.

METHOD="POST"

Este método transmite toda a informação fornecida via formulário,

imediatamente após a URL ativada. Ou seja, quando o servidor recebe uma

ativação de um formulário, utilizando POST, ele sabe que precisa

continuar "ouvindo" para obter a informação. Este é o método que iremos

utilizar para direcionar um script.

Segundo: o formulário precisa saber para onde enviar a informação. Esta

é a URL sendo ativada a partir do formulário, e ela é referenciada

através da marcação ACTION. Esta URL apontará para um script PHP que

irá receber e decodificar os resultados.

ACTION="teste.php3"

Após você construir estas marcações, seu formulário geralmente terá a

seguinte estrutura:

<FORM METHOD="POST" ACTION="teste.php3">

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Marcações de campos de entrada e HTML em geral

</FORM>

Observe que este formulário utiliza o método POST e envia as informações

digitadas para um script PHP chamado teste.php3 no diretório padrão do

servidor.

Outra informação importante: cada marcação de entrada em um formulário

tem uma opção NAME associada, de tal forma que o script que apontado pelo

parâmetro ACTION receba uma variável com o valor digitado pelo usuário.

Certamente você pode definir mais de um campo de entrada textual ou menu

dentro de um formulário, mas certifique-se de que cada um possui um nome

diferente; assim sendo, o script receberá campos digitados com variáveis

diferentes.

5.2 - ENTRADA DE TEXTO COMUM - TEXT

A forma mais simples de campo de entrada é a marcação text. Este campo

permite a digitação de uma única palavra ou linha de texto, e possui uma

largura default de 20 caracteres.

Opções:

VALUE="" OPCIONAL

Utilizando a marcação VALUE você especifica que texto aparecerá no campo

quando o formulário for exibido.

SIZE="" OPCIONAL

Esta marcação altera o tamanho deste campo exibido na tela.

Obs.: o usuário sempre poderá digitar mais caracteres do que o tamanho do

campo na tela, pois o texto irá se deslocar à esquerda dentro do campo.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

MAXLENGTH="" OPCIONAL

Se você deseja limitar o número de caracteres que o usuário pode digitar,

basta usar esta marcação. O formulário irá emitir um bip de erro se o

usuário tentar digitar além do permitido em MAXLENGTH.

Observe o exemplo abaixo. Note que o parâmetro NAME="primeiro_nome",

indica que ao submeter este formulário, o script apontado pelo parâmetro

ACTION="teste.php3" receberá uma variável chamada $primeiro_nome

(variáveis no PHP começam com '$' ), contendo o primeiro nome digitado

pelo usuário ou o valor padrão especificado no parâmetro VALUE="Fred".

5.3 - ENTRADA DE TEXTO PROTEGIDO - SENHA

Marcações de entrada do tipo password são idênticas aos campos do tipo

text, exceto pelo fato de todos os caracteres serem exibidos como

asteriscos ( *). Apesar da máscara de entrada, o script receberá a

variável especificada no parâmetro NAME do mesmo jeito do formulário

anterior.

Opções:

VALUE="" OPCIONAL

A marcação VALUE especifica um valor default para este campo. Obs: Esta

opção não deve ser usada, é lógico!

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

SIZE="" OPCIONAL

Esta troca o tamanho do campo de password exibido na tela.

MAXLENGTH="" OPCIONAL

Limita o número de caracteres que o usuário pode informar como password.

Observe que no exemplo acima o script teste.php3 receberá duas variáveis,

a primeira $primeiro_nome, contendo o nome do usuário e a segunda $senha,

contendo a senha do usuário.

5.4 - ENTRADA DE VÁRIAS LINHAS DE TEXTO - TEXTAREA

A marcação TEXTAREA não utiliza o formato convencional INPUT TYPE="text"

dos exemplos anteriores. Ao contrário, uma marcação <TEXTAREA> delimita o

seu início e a marcação </TEXTAREA> o seu fim.

Opções:

ROWS="" OBRIGATÓRIO

Especifica o número de linhas da entrada textual.

COLS="" OBRIGATÓRIO

Especifica o número de colunas da entrada textual.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Texto default OPCIONAL

Se você deseja que um texto seja exibido no campo textual ao abrir o

formulário, simplesmente coloque este texto entre as marcações de início

e fim da TEXTAREA.

Observe o exemplo abaixo:

5.5 - LISTBOX E COMBO BOX

COMBO BOX

Select

Esta entrada de formulário é muito importante, visto que é a partir dela

que poderemos carregar base de dados inteiras através de comandos de

recuperação SQL (SELECT) com suas respectivas cláusulas e sintaxe

adequada para o contexto.

<select name="" size="">

<option value="">texto</option>

</select>

Se você deixar de especificar o parâmetros “size” , aparecerá um COMBO

BOX na tela; caso contrário, uma LISTBOX.

Parâmetros:

Size – número de linhas exibidas. Default: 1;

Multiple – parâmetro que, se presente, permite que sejam selecionadas duas

ou mais linhas, através das teclas Control ou Shift;

option – Cada item do tipo “option” acrescenta uma linha ao select;

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

value – Valor a ser enviado ao servidor se aquele elemento for

selecionado. Default: o texto do item;

text – valor a ser exibido para aquele item. Não é definido por um

parâmetro, mas pelo texto que fica entre as tags <option> e </option>

Observe os exemplos abaixo:

5.6 - CHECKBOX

Esta tag de formulário html é muito utilizada na internet. Você, com

certeza, já deve ter aberto para um amigo uma conta de e-mail ou pedido

um desses serviço grátis, onde são solicitadas pesquisas, tais como;

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Retornando ao formato de INPUT TYPE="", a marcação CHECKBOXES é perfeita

para escolher entre várias opções.

<input type="checkbox" name="" value="" checked>

Opções:

VALUE="" OBRIGATÓRIO

Especifica o valor da opção enviado ao script PHP. Esta opção deve conter

o mesmo valor

CHECKED OPCIONAL

Esta marcação define a opção selecionada por default.

Observe o exemplo abaixo:

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Note que ao submeter o formulário acima, será enviado ao script PHP um

array chamado $pesquisa numerado de 0 a 3, contendo os valores

selecionados pelo usuário. Por exemplo: Vamos supor que o usuário marcou

as opções Cinema e Ciência e Tecnologia. O script receberá os seguintes

valores:

$pesquisa[0]='Cinema';

$pesquisa[1]='';

$pesquisa[2]='Ciência e Tecnologia'

$pesquisa[3]='';

5.7 - Radio Button

<input type="radio" name="" value="" checked>

Utilizado para campos de múltipla escolha, onde o usuário pode marcar

apenas uma opção. Para agrupar vários elementos deste tipo, fazendo com

que eles sejam exclusivos, basta atribuir o mesmo nome a todos do grupo.

Parâmetros:

Value – o valor que será enviado ao servidor quando o formulário for

submetido, no caso do campo estar marcado

Checked – O estado inicial do elemento. Quando presente, o elemento já

aparece marcado;

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Observe o exemplo abaixo:

Note que, ao submeter o formulário, a variável $opcao conterá a escolha do

usuário. Por exemplo: vamos supor que o usuário clicou na opção Recife; o

formulário enviará ao script PHP uma variável chamada $opcao contendo o

valor 'Recife'.

5.8 - SUBMIT BUTTON E RESET BUTTON

Em vez de o usuário corrigir cada INPUT, um botão RESET pode ser

utilizado para restaurar todos os campos a seus valores default, como se

nenhuma informação houvesse sido digitada.

E finalmente, o FORM precisa de uma opção para enviar toda a informação

digitada para o servidor, uma vez que o usuário terminou de preencher

todos os campos de entrada. O botão SUBMIT transfere toda a informação

para a URL especificada no elemento ACTION.

<INPUT TYPE="submit" NAME="botao" VALUE="Enviar">

Opções:

VALUE="" OPCIONAL

Especifica o texto a ser exibido no botão.

Se não for especificado, os textos default "Reset" e "Submit Query" serão

colocados nos botões RESET e SUBMIT, respectivamente.

NAME="" OPCIONAL

Se NAME for definido em um botão SUBMIT, o formulário irá transmitir o

valor do conteúdo do elemento VALUE, permitindo que você tenha múltiplos

botões SUBMIT numa espécie de versão simplificada de um RADIOBUTTONS.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

5.9 - Conclusão

O conhecimento da linguagem de marcação html é de extrema importância, bem

como a forma que os formulários e as páginas da web interagem com o

servidor, permitindo assim gerar páginas com código dinâmico.

O Capítulo II abrangeu um html simples, ou seja, o curso fornece o mínimo

e necessário para o aluno comunicar-se com o servidor, gerando códigos

html dinâmicos. Cabe ao aluno, caso não tenha conhecimento, se aprofundar

na linguagem html. Na internet há um grande acervo de tutoriais, manuais e

até mesmo livros, ensinando como elaborar páginas das mais simples às mais

complexas. Você pode começar coletando manuais no endereço:

http://www.tol.pro.br (Tutoriais On-line).

No próximo capítulo, estudaremos a linguagem de script PHP e ao final

deste, o aluno estará preparado para escrever qualquer aplicação com

tecnologia Intranet.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

A L I N G U A G E M P H P

1. Sintaxe Básica

O interpretador reconhece automaticamente scripts php delimitados da

seguinte maneira:

<?

// código em php

?>

Veja o exemplo da página "curso.php3", no momento em que o apache web

server verificar a incidência de "<? ?>", ele automaticamente iniciará o

interpretador php, que construirá a página baseado no código php existente

entre as devidas delimitações.

Observe que a marcação html utilizada é a mesma do capítulo anterior; o

que muda é o trecho compreendido entre "<?" e "?>" no caso.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

Note que todo comando php termina com ';´, semelhante à linguagem C e

Pascal. O simples esquecimento desse parâmetro resulta em erro no script,

assim como programas em pascal e c.

2. Variáveis

As variáveis do PHP sempre começam com $ e são declaradas quanto o tipo

(inteiro,string,array, etc...) no momento em que é atribuído o seu valor,

não sendo necessário indicar o nome e tipo da variável como na linguagem

C. O php é case sensitive, portanto a variável $fredcox é diferente da

variável $Fredcox.

3. Comentários

Os comentários podem ser de três tipos. Observe o exemplo abaixo:

$a=1237; #isto é um número inteiro

$b='Fabiana Ferraz'; //isto é um string

/* Isto é um comentário de

várias linhas */

4. Tipos de Dados

Os tipos de dados do PHPs são:

4.1 - Integer

Variáveis inteiras são declaradas no PHP no momento da atribuição.

Exemplo:

$numero1=-12; #número inteiro negativo

$numero2=64; #número inteiro positivo

4.2 - floating-point

Números com notação científica e decimais podem ser escritos da seguinte

forma:

$a=1.12; #número decimal positivo

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

$b=1.21e4 #número em notação científica

4.3 - Array

Você pode criar arrays usando as funções list() e array(), ou atribuindo

valores aos seus respectivos elementos.

Exemplo:

$a[0]="Azul";

$a[1]="Amarelo";

$a[2]="Vermelho";

Veja a notação da função array:

$a = array( "cor" => "Vermelho", "gosto" => "Doce", "formato" => "Redondo", "nome" => "Maçâ"); Arrays serão amplamente utilizados com a cláusula SELECT do MySQL...

4.4 - String

Strings podem ser declarados delimitados por " " (aspas).

Exemplo:

$nome="Fred cox Junior";

4.5 - CONSTANTES

O php possui várias constantes pré-definidas, além de prover funções para

criá-las em tempo de execução define().

Algumas das constantes pré-definidas do php:

CONSTANTE RETORNO

__FILE__

Nome do arquivo de script.

__LINE__

Número de linhas do script corrente.

PHP_VERSION

Versão do PHP que está sendo utilizada pelo servidor.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

4.6 - Operadores

4.6.1 - Aritmétricos

Exemplo Nome Resultado

$a+$b Adição Soma de $a mais $b.

$a-$b Subtração Diferença entre $a e $b

$a*$b Multiplicação Produto entre $a e $b

$a/$b Divisão Divide $a por $b

4.6.2 - Strings

O operador de concatenação de strings é ".".

$a="Fernanda";

$b="Ferraz";

$c=$a." ".$b;

echo $c;

O resultado será um string contendo o valor "Fernanda Ferraz".

4.6.3 - Lógicos

Exemplo Nome Resultado

$a and $b And verdadeiro se $a e $b são verdadeiros

$a or $b Or Verdadeiro se $a ou $b são verdadeiros

!$a Not Verdadeiro se $a for falso

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

4.6.4 - Comparação

Exemplo Nome Retorno

$a==$b Igual Verdadeiro se $a for igual a $b

$a!=$b Não Igual Verdadeiro se $a for diferente de $b

$a<$b Menor que Verdadeiro se $a for menor que $b

$a>$b Maior que Verdadeiro se $a for maior que $b

$a>=$b Maior ou igual Verdadeiro se $a for maior ou igual a $b

$a<=$b Menor ou igual Verdadeiro se $a for menor ou igual a $b

5. Estruturas de Controle

5.1 - If and Else

Frequentemente, o programador necessitará testar o valor de uma variável

para decidir ou não pela execução de uma tarefa. O comando utilizado para

tal é o if.

O "If" é uma das mais importantes estruturas de controle de muitas

linguagens. O PHP possui a sintaxe desse comando semelhante à linguagem C.

if (expressão) { //Código se a expressão for verdadeira } else

{

//Código se for falsa a expressão

}

Exemplo:

If ($a==$b) {

Echo ("A é igual a B.");

}

else

{

echo ("B é diferente de A.");

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

}

Traduzindo: se $a for igual a $b então imprima na tela "A é igual a B". De

outro modo, imprima "B diferente de A".

5.2 - Laço While

O primeiro laço disponível em PHP é o laço while. A sua forma geral é:

While (condição) {

//Bloco de comandos...

}

Exemplo:

$aux=0;

while ($aux<=10){

echo $aux;

$aux+;

}

5.3 - Laço for

Esse comando permite que determinado processo seja executado várias vezes.

Sua sintaxe é a seguinte:

for (inicio; fim; incremento) { //Bloco de comandos... }

Exemplo:

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

//Imprime os números de 1 a 10 com incremento de 1 em 1

For ($contador=1; $contador<=10; $contador++) {

Echo $contador;

}

1. A variável $contador pode ser um número inteiro (integer) ou real

(float), sendo a utilização de números inteiros mais frequente.

2. A variável contador pode ser inicializada com qualquer valor positivo,

negativo ou zero.

5.4 - Comando break

O comando break é utilizado para forçar uma terminação imediata de um

laço, evitando o teste condicional do laço.

Quando o comando break é encontrado dentro de um laço, o laço é

imediatamente terminado e o controle do script retorna no comando

seguinte.

5.5 - Switch

O PHP tem um comando interno de seleção múltipla, switch, que testa

sucessivamente o valor de uma expressão contra uma lista de constantes

inteiras ou de caracteres. Quando o valor coincide, os comandos associados

àquela constante são executados.

A sintaxe desse comando é a seguinte:

switch (variável) {

case valor1: //Bloco de comandos Comandos... break;

case valor2: //Bloco de comandos Comandos...

break; case valor3:

//Bloco de comandos Comandos... break;

}

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

O padrão ANSI especifica que um switch pode ter pelo menos 257 comandos

case. Na prática, você deve limitar o número de comandos case em uma

quantidade menor, para obter mais eficiência. Embora case seja um rótulo,

ele não pode existir sozinho, fora de um switch.

6. Funções

Funções são blocos de comandos executados independentementes do script. A

qualquer momento da execução você poderá solicitar uma função. Você pode

passar argumento para as funções realizarem operações especificadas em

tempo de programação. A sintaxe básica de construção de funções em php é a

seguinte:

function nome_função ($arg_1, $arg_2, ..., $arg_n) { //Bloco de comandos... return $valor_retorno; }

Importante: Toda função em PHP tem de ser construída antes da sua

respectiva chamada, a fim de que o interpretador reconheça a solicitação

do script. Caso contrário, uma mensagem de erro é retornada.

Exemplo de funções:

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

7. Gravando Cookies

Cookies são variáveis gravadas remotamente pelo browser do usuário. É

muito útil na hora em que um usuário executa uma rotina de login no

sistema. Você pode gravar o login e a senha dele e recuperá-los de acordo

com o tempo especificado na função; se o parâmetro tempo não for

especificado, o cookie será gravado até o fim da aplicação, ou seja, até

que o usuário feche o browser. Qualquer cookie enviado por um cliente é

automaticamente transformado numa variável PHP. A função para gravar

cookies é a setcookie(), cuja sintaxe é a seguinte:

setcookie(string_nome,string_valor,tempo);

Exemplos

setcookie("usuario",

$senha,time()+3600); #Este cookie expira em 1 hora

setcookie("senha",

$senha); #este cookie expira no momento do fechamento do browser.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

8. Recuperando Cookies

Os cookies gravados pelo script PHP ficam armazenados no array

$HTTP_COOKIE_VARS[], cujo índice é o string nome especificado na função

setcookie.

Para recuperar um cookie proceda da seguinte maneira:

echo $HTTP_COOKIE_VARS["usuario"];

O exemplo anterior mostrará na página html o nome do usuário.

9. header(Location...)

Esta função permite que um script php redirecione para outra página. A

sintaxe é:

header("Location: endereço"); O exemplo a seguir redireciona o script para a página index.php3 localizada no servidor server e diretório controle: header("Location: http://server/controle/index.php3");

10. MySQL Funções

Veremos as funções mais importantes de comunicação entre um script php e

um servidor de Banco de Dados MySQL. Colocar todas as funções e hipóteses

neste livro o tornaria tedioso e cansativo, estendendo demais a leitura. O

proprósito é impulsionar um programador para a tecnologia de Intranet. As

demais funções e parâmetros não contidos neste livro ficam a critério do

leitor pesquisar no manual do PHP, disponível também gratuitamente no

site: http://www.php.net

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

10.1 - mysql_connect()

Esta função habilita uma conexão com o servidor de banco de dados MySQL.

Há indispensável necessidade de chamada dessa função antes de qualquer

transação na base de dados. Esta função retorna o número inteiro 1 se a

conexão for bem sucedida, caso contrário retorna 0. A sintaxe dessa

função:

mysql_connect("host","seu_login","sua_senha");

onde;

host - corresponde ao nome do computador que tem o servidor de Banco de

Dados MySQL rodando. Pode ser o nome, por exemplo - localhost, ou o

endereço de IP.

seu_login - é o nome de usuário do banco de dados

sua_senha - a senha do banco de dados

Exemplos do uso da função mysql_connect():

$conexao=mysql_connect("localhost","usuario","senha");

mysql_connect("localhost",

$HTTP_COOKIE_VARS["usuario"],

$HTTP_COOKIE_VARS["senha"])

9.2 - mysql_select_db()

Esta função seleciona um banco de dados, retornando 1 se a transação foi

bem sucedida e 0, caso contrário. Possui a seguinte sintaxe:

mysql_select_db("nome_do_db",inteiro_conexao);

onde;

Neste caso há dois cookies gravados remotamente no browser pela função setcookie() que é recuperado no momento da conexão.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

nome_do_db - é o banco de dados que se quer utilizar.

inteiro_conexao - corresponde ao identificador retornado pela função

mysql_connect().

Exemplo:

<?

//Conectando com o MySQL Server

$conexao=mysql_connect("localhost","login","senha");

//Selecionando o banco de dados

$banco=mysql_select_db("usuarios",$conexao);

?>

10.3 - mysql_query()

Envia um comando SQL para o MySQL Server. Esta função retorna um

identificador inteiro se o comando foi bem sucedido, caso contrário

retorna o valor 0. A sintaxe desse comando é:

mysql_query(string_comando,inteiro_banco);

onde;

comando = string contendo o comando SQL.

inteiro_banco = identificador do banco de dados.

10.4 - mysql_num_rows( )

Esta função retorna o número de linhas de uma query SQL.

Sintaxe:

mysql_num_rows(inteiro_query);

o parâmetro inteiro_query corresponde ao identificador de retorna da

função mysql_query().

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

10.5 - mysql_fetch_array()

Retorna um array contendo o resultado da query SQL.

Sintaxe:

mysql_fetch_array(inteiro_query);

onde inteiro_query corresponde ao identificador retornado pela função

mysql_query().

Exemplos:

11 - Trabalhando com Arquivos

Algumas vezes, o usuário precisa ler e gravar dados de arquivos no

servidor. Por exemplo: um contador de página da web, seja gráfico ou modo

texto, possui um arquivo guarda o resultado da última visita no site, um

livro de visitas pode gravar os dados num arquivo de texto, um simples

gerador de estatísticas de um site pode ser um arquivo texto contendo o

IP, domínio e hora que o usuário solicitou àquela URL.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

11.1 - Abrindo arquivos

Muito frequentemente, o usuário de uma aplicação desejará armazenar dados

para posterior análise. Inicialmente, para que um arquivo possa ser

manipulado, ele precisa ser aberto ou criado. Para isso, vamos utilizar o

comando fopen.

O comando fopen, semelhante à linguagem C, retorna um identificador

inteiro se a operação for bem sucedida ou 0, caso contrário. Esta função

possui a seguinte sintaxe:

int fopen("arquivo",atributo);

Onde;

arquivo - string contendo o nome do arquivo

Modo - um dos especificadores abaixo.

R Abre o arquivo com permissão apenas para leitura. R+ Abre o arquivo com permissão para escrita e leitura, posicionando o

ponteiro no início do mesmo. W Abre o arquivo com permissão apenas para escrita. Se o arquivo

existir, todo o conteúdo é apagado. Se não existir, o PHP tenta criá- lo. O ponteiro é posicionado no início do arquivo

W+ Abre o arquivo com permissão para escrita e leitura. Se o arquivo existir, todo o conteúdo é apagado. Se não existir, o PHP tenta criá- lo. O ponteiro é posicionado no início do arquivo

A Abre o arquivo com permissão apenas para escrita. Se o arquivo não existir, o PHP tenta criá-lo. O ponteiro é posicionado no final do arquivo

A+ Abre o arquivo com permissão para escrita e leitura. Se o arquivo não existir, o PHP tenta criá-lo. O ponteiro é posicionado no final do arquivo.

11.2 - Lendo Arquivos

O comando utilizado para leitura é o fread, cuja sintaxe é:

string fread(id,tamanho);

onde

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

id - corresponde ao identificador retornado pelo comando fopen.

tamanho - tamanho do arquivo a ser lido. Você poderá especificar a função

filesize("nome_arquivo") neste parâmetro para indicar que corresponde ao

valor máximo.

Exemplo de leitura de arquivo:

11.3 - Gravando Dados

Para gravar dados em arquivos utiliza-se o comando fputs. A sintaxe desse

comando é:

int fputs(id,valor);

onde

id - corresponde ao identificador do arquivo

valor - o valor a ser armazenado no arquivo.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

11 - Conclusão

Os comandos vistos anteriormente, juntamente com os capítulos anteriores,

fornecem embasamento suficiente para qualquer programador inserir,

alterar, apagar e recuperar dados de um MySQL Server através de scripts

PHP. Os demais comandos poderão ser encontrados na documentação oficial no

site http://www.php.net. O principal objetivo deste livro é fornecer

conhecimento suficiente para que um programador se familiarize com a nova

tecnologia.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

1 - LERDORF, Rasmus - PHP Manual, 1999 by PHP documentation group.

2 - CÔRTES, Pedro - C Auto Explicativo, São Paulo, Érica Editora Ltda

1992.

3 - SSHILDT, Herbert, C Completo e Total, São Paulo: Makron, McGraw-

Hill, 1990.

4 - MySQL Manual - http://www.tcx.se, Suécia.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

APENDICE A

FUNÇÕES MATEMÁTICAS DO MySQL

ABS(X) Retorna o valor absoluto do número X

FLOOR(X) Retorna o maior valor inteiro de um número.

Mysql> select FLOOR(1.23);

-> 1

mysql> select FLOOR(-1.23);

-> -2

ROUND(X) Arredonda o argumento `X', retornando um inteiro.

mysql> select ROUND(-1.23);

-> -1

mysql> select ROUND(-1.58);

-> -2

mysql> select ROUND(1.58);

-> 2

LOG(X) Retorna o logarítmo natural de 'X'

SQRT(X) Retorna a raiz quadrada de `X'.

Mysql> select SQRT(4);

-> 2.000000

mysql> select SQRT(20);

-> 4.472136

PI() Retorna o valor de Pi

Mysql> select PI();

-> 3.141593

COS(X) Retorna o cosseno de `X'. Obs: X em radianos

Mysql> select COS(PI());

-> -1.000000

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

SIN(X) Retorna o seno de `X'. Obs: X em radianos

Mysql> select SIN(PI());

-> 0.000000

TAN(X) Retorna a tangente de X. Obs: X em radianos.

ACOS(X) Retorna o arco-cosseno de `X'.

ASIN(X) Retorna o arco-seno de X.

ATAN(X) Retorna o arco-tangente de X

DEGREES(X) Converte o argumento X de radianos para graus.

RADIANS(X) Converte o argumento X de graus para radianos.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

APÊNDICE B

FUNÇÕES DE STRINGS DO MySQL

Função Retorno

LOWER(str) Força caracteres maiúsculos a aparecerem

minúsculos.

UPPER(str) Força caracteres minúsculos aparecerem maiúsculos.

CONCAT(str1,str2,...) Concatena os strings

SUBSTRING(str,pos,len) Extrai um substring começando em pos e terminando

em len.

LTRIM(str) Extrai espaços em branco à esquerda do string

RTRIN(str) Extrai espaços em branco à direita do string

TRIM(str) Extrai espaços em branco à esquerda e à direita do

string.

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

APÊNDICE C

FUNÇÕES DE DATA E HORA DO MySQL

Função Retorno

WEEKDAY(data) Dia da semana (`0' = Monday, `1' = Tuesday,

... `6' = Sunday).

mysql> select WEEKDAY('1997-10-04 22:23:00');

-> 5

mysql> select WEEKDAY('1997-11-05');

-> 2

DAYOFMONTH(data) Dia do mês. Assume valores de 1 a 31.

mysql> select DAYOFMONTH('1998-02-03');

-> 3

DAYOFYEAR(data) Dia do ano. Assume valores de 1 a 366.

MONTH(data) Mês do ano. Assume valores de 1 a 12

YEAR(data) Ano referente a data. Assume valores entre 1000

a 9999

DATE_FORMAT(data,formato)

Valores para o formato

`%W' Dia da Semana

%Y' Ano, numerico, 4

digitos

`%y' Ano, numerico, 2

digitos

`%d' Dia do mês,

numérico. (`00'..`31')

%m' Mês, numerico

Formata uma data.

Exemplos:

mysql> select DATE_FORMAT('1997-10-04

22:23:00', '%d-%m-%Y');

-> '04-10-1997'

mysql> select DATE_FORMAT('1997-10-04

22:23:00', '%H:%i:%s');

-> '22:23:00'

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

(`01'..`12')

CURDATE() Data atual. Formato (yyyy-mm-dd)

CURTIME() Hora atual.

NOW() Data e hora atual.

mysql> select NOW();

-> '2000-08-01 23:50:26'

2ª Edição

Programando para Web com PHP/MySQL

APÊNDICE D

OUTRAS FUNÇÕES IMPORTANTES DO MySQL

DATABASE() Banco de dados corrente

USER() Usuário corrente

VERSION() String contendo a versão do MySQL Server

COUNT(expr) Número de vezes que acontece a expressão

AVG(expr) Média aritmética entre os valores da expresssão

MIN(expr) Menor valor da expressão

MAX(expr) Maior valor da expressão

SUM(expr) Somatório da expressão

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 72 páginas