Planejamento Regional, Notas de estudo de Geografia
savio-cruz-3
savio-cruz-3

Planejamento Regional, Notas de estudo de Geografia

3 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Processo que leva ao estabelecimento de um conjunto coordenado de ações (pelo governo, pela direção de uma empresa, etc.) visando à consecução de determinados objetivos. Elaboração de planos ou programas governamentais, especialmente na área econômica e social.
40 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE.

CENTRO DE FILOSOFIA E CIENCIAS HUMANA.

GEOGRAFIA BACHARELADO.

Planejamento Regional

Sávio Cruz.

Rio Branco, AC, 26 de agosto de 2009

Trabalho apresentado na disciplina de Planejamento Regional, Professor José Alves, como complemento da NI.

Planejamento

Trabalho de preparação para qualquer empreendimento, segundo roteiro e métodos determinados; planificação. Processo que leva ao estabelecimento de um conjunto coordenado de ações (pelo governo, pela direção de uma empresa, etc.) visando à consecução de determinados objetivos. Elaboração de planos ou programas governamentais, especialmente na área econômica e social.

A falta de planejamento leva a improvisação que não é uma ferramenta para o uso devido do planejamento, não se usa improvisação para administrar, planejamento é a preparação para o futuro.

Os argumentos vão reforçar a necessidade de haver planejamento enfatizando a situação do que realmente seja o planejamento, no primeiro argumento ressalta a importância de ação empregada hoje será eficaz amanha a necessidade de se preverem as possibilidades do amanha para traçar, antecipadamente, o rumo das ações a ser empreendidas no presente. Segundo argumento e que o futuro que nos afetara amanha é o que incide sobre eficácia de nossas decisões hoje, portanto deve-se estar preparado para reagir, rápida e eficazmente, ante as surpresas ou prevê-las, tentando diminuir seu impacto ou sua probabilidade de ocorrência.

No quinto argumento, diz que entre a ação e o conhecimento da realidade a seu serviço é indispensável o planejamento, ainda que apenas como mera analise do presente e para o presente, para que se explicitem as diferentes visões. No sexto argumento, e necessária uma ação central que busque a coerência global em face das ações parciais dos atores sociais, se quisermos conduzir o sistema social rumo aos objetivos democraticamente estabelecidos pelas pessoas.

Enfim os argumentos ao longo de seus enunciados enumeram muitas situações e problemas que possam vir a ocorrer, alertando a necessidade de haver um planejamento, que deva se atentar nas questões presentes, para que possa no futuro ser capaz de enfrentar os problemas.

Projeto de governo segundo autor e o conteúdo propositivo dos projetos de Ação que um ator propõe-se a realizar para alcançar seus objetivos. A discussão sobre o projeto de governo fala do tipo de sociedade, reestruturação política, a forma de desenvolvimento, política econômica etc., que parecem pertinentes ao caso e o grau de governabilidade do sistema. Isso tudo não é apenas produto de circunstâncias e dos interesses sociais do ator que governa, mas também de sua capacidade de governo. A eficácia do projeto depende da combinação, da composição correta dos elementos, valores, ciências e criatividade.

O planejamento normativo apóia-se na produção humana, sustenta-se na ação humana e seus efeitos em um dado sistema de governabilidade. E forma que mostra a real situação de governabilidade a governabilidade aparente. Pressupõe um sujeito que planeja um objeto. O sujeito e o Estado e o objeto e realidade socioeconômica.

Este planejamento um ator planeja e dirige, os demais são simples agentes econômicos, as ações destes agentes econômicos são previsíveis, correspondem a um sistema segue leis e um comportamento social. E uma forma monopolista de governo, o ‘EU’ e quem governa, planeja as ações. O planejamento normativo caracteriza-se por reduzir, ilegitimamente, todas as ações a comportamentos. Por sua vez, a eliminação artificial do outro revela que, como pressuposto oculto, o planejamento econômico normativo assume só “EU” tem poder absoluto.

No modelo estratégico de planejamento a governabilidade depende do peso do Eu em face do peso do OUTRO, para produzir as ações necessárias ao cumprimento dos objetivos. Neste caso mais de um planeja tendo em vista objetivos diversificados. O que define realmente o esta forma de planejamento e a divisibilidade, é o fato de não haver um monopólio ou uma unidade, neste se um (EU) perde força o OUTRO ganha.

Epistemologia é conjunto de conhecimentos que têm por objeto mostra o grau da necessidade de haver o planejamento

Até o momento nenhum comentário