Radioamador - Apostilas - Telecomunicações_Parte1, Notas de estudo de Cultura. Universidade de Taubaté (Unitau)
Selecao2010
Selecao2010

Radioamador - Apostilas - Telecomunicações_Parte1, Notas de estudo de Cultura. Universidade de Taubaté (Unitau)

PDF (321 KB)
21 páginas
742Número de visitas
Descrição
Apostilas de Telecomunicações sobre o estudo da Prova para Radioamador, Código do Radioamador, Testes de Avaliação.
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 21
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 21 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 21 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 21 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 21 páginas
Baixar o documento
Microsoft Word - APOSTILA DO RADIOAMADOR

1

APOSTILA DO

RADIOAMADOR

UGRO PY3 UGR - FUNDADA EM 05/05/1991 - REPETIDORA DE VHF PY3 SGA - 147090 + licença até 26/08/2029.Lei DE UTILIDADE PÚBLICA 2.179/96 DE 28-08-1996, CGC

01493.472.0001.96 - Endereço -Rua Arthur Pereira 524 -Bairro Vivenda

São Gabriel - CEP 97.300.000 - Tel 55 9918 0221- 55 3232 7022

A União Gabrielense de Rádio Operadores,UGRO, esta de parabéns, com os esforços dos colegas locais, está com a sua repetidora de VHF, disponível para toda a Fronteira Oeste do Estado, aproximando os colegas de rádio, 147090+, com o indicativo de PY3 SGA, tais esforços são méritos de PY3PZ Barboza, PU3 UFO Nei e PY3 UU Orlando, estes são os verdadeiros mantenedores de nossa repetidora.

Para Comemorar, resolvemos auxiliar os novos colegas que desejam ingressar nas classes C,B e A prestando prova para obtenção do COER, estamos disponibilizando uma apostila gratuita, com a matéria exigida para a prova para Radioamador.

O objetivo do radioamador é a intercomunicação, instrução pessoal e os estudos técnicos, sem fins lucrativos. De acordo com a Anatel - Agência Nacional de Telecomunicações - para se tornar um radioamador é necessário autorização, que depende da prévia verificação da capacidade operacional e técnica do interessado, observado através de exames. Com base no resultado dos testes, o radiamador é incluído nas classes A, B, C ou D.

A Licença de Funcionamento de Estação de Radioamador é documento obrigatório que autoriza a instalação e o funcionamento de estação de radioamador. Para a obtenção da licença deve-se comprovar o recolhimento de R$ 32,52 para cada estação fixa; R$ 32,52 para cada estação

2 repetidora e R$ 26,83 para cada estação móvel. Além disso, deverão ser pagos os encargos referentes à execução do serviço e o direito da radiofrequência.

Os interessados em fazer o exame de radioamador devem procurar as diretorias do Labre (Liga Brasileira de Radioamadores), nas capitais dos Estados, ou nos escritórios/unidades operacionais da Anatel para verificar o calendário anual de realização de testes para obtenção do Certificado de Operador de Estação de Radioamador – COER. Para obter o COER não existe qualquer despesa.

Classe A - acesso restrito ao radioamador classe “B”, após decorridos um ano da data de expedição do certificado COER - Certificado de Operador de Estação de Radioamador na classe “B”;

Classe B – menores de 18 anos, após terem decorrido dois anos da data de expedição do COER - Certificado de Operador de Estação de Radioamador classe “C”; ou maiores de 18 anos, em qualquer hipótese;

Classe C – maiores de 10 anos, aprovados nos testes de Técnica e Ética Operacional e Legislação de Telecomunicações;Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais em Código Morse;

Classe D - maiores de 10 anos, aprovados nos testes de Técnica e Ética Operacional e Legislação de Telecomunicações. (não existente mais, todos classe D são considerador classe C)

A licença será concedida apenas nos seguintes casos:

• A brasileiro e maior de 10 anos cabendo aos pais ou responsáveis a responsabilidade de atos ou omissões do menor. • Aos portugueses que tenham obtido o reconhecimento de igualdade de direitos e deveres para com os brasileiros. • A estrangeiros, funcionários de organismos internacionais, dos quais o governo brasileiro participe, desde que estejam prestando serviços no País.

Para saber quais rádios estão homologados pela Anatel obtenha mais informações no site www.anatel.gov.br

CÓDIGO DO RADIOAMADOR

1º- 0 Radioamador é atencioso e ponderado... Consciente ele jamais usará sua estação para prejudicar a atividade dos demais colegas ou de alguma forma que possa diminuir-lhes a satisfação em operar. 2º- 0 Radioamador é leal... Ele oferecera sua lealdade, encorajamento e apojo a seus companheiros, ao seu rádio clube local e à sua Liga Nacional, através da qual o radioamadorismo é respeitado. 3º- 0 Radioamador é progressista... Ele manterá sua estação no nível do conhecimento científico, conservando-a bem instalada e eficiente. Sua prática operacional devera ficar acima de qualquer censura. 4º 0 Radioamador é amistoso...Transmitir lenta e pacientemente, quando solicitado; aconselhar amigavelmente e orientar o principiante; prestar gentil assistência e

3

colaboração; considerar e cooperar com o interesse alheio - estas são as marcas do espírito radioamadorístico. 5º- 0 Radioamador e equilibrado... O rádio e seu hobby. Ele nunca permitirá que o seu passatempo interfira em quaisquer de seus deveres e obrigações domésticas, profissionais, escolares ou que tenha para com a sua comunidade. 6º-0 Radioamador e patriótico... A sua estação e o seu conhecimento estarão sempre disponíveis e a serviço do seu país e de sua comunidade. Concebido originalmente em 1928 pelo radioamador norte americano Paul M. Segal, W9EEA, esse código foi adotado como oficial, em escala mundial, por votação unânime, Na X Assembléia Geral da IARU - Região 2 realizada em 1989, em Orlando, FLORIDA.

UM POUCO DE HISTÓRIA

Em todos os campos do conhecimento humano as bases cientificas foram estabelecidas por vários cientistas e

estudiosos. Muitos deles passaram a vida inteira pesquisando determinada coisa para depois nos deixar sua herança

de conhecimento, herança essa aproveitada e continuada por outras pessoas. Isso aconteceu com André Marie

Ampére, Aloísio Galvani, Alessandro Volta, Samuel Morse, Heinrich Hertz, Padre Roberto Landell De Moura,

Guglielmo Marconi e muitos outros cientistas.

Em 1837, Samuel B. Morse inventou o telégrafo, um sistema capaz de transmitir sinais elétricos à distância que,

devidamente interpretados de acordo com um código inventado por ele, o Código Morse, permitiam a transmissão

de uma mensagem entre dois pontos distantes. Essa descoberta revolucionou o mundo e se constituiu na base das

telecomunicações. Quando parecia que o telégrafo-com-fio seria a solução para todos os problemas da

telecomunicação, surgiram os resultados das experiências de Heinrich Hertz, que demonstrou em 1888 a

propagação das ondas eletromagnéticas no espaço. Ele conseguiu por em prática aquilo que James Clarck Maxwell já

havia escrito na sua “Teoria Eletromagnética”.

As ondas que se propagam no espaço passaram a ser chamadas de ONDAS HERTZIANAS.

Para tentar fazer justiça a um brasileiro de Porto Alegre, Padre Roberto Landell de Moura, antes das experiências

realizadas por Marconi perto de Bolonha em 1895, já fazia espantosas experiências bem sucedidas de transmissão e

recepção da voz, sem fio, a uma distância de cerca de 8 quilômetros. E onde se faziam essas experiências? Na

Avenida Paulista, em São Paulo, de onde o Padre Landell conseguiu contatar o alto de Santana, nos anos de 1893 e

1894.

Em 1894, Guglielmo Marconi começou a pesquisar os princípios do rádio. Mas foi só em 1901 que ele conseguiu

espantar o mundo ao fazer um contato entre a Inglaterra e o Canadá, deixando seus críticos e as pessoas céticas

daquela época de queixos caídos.

A questão do registro da patente, no entanto, é que mudou o rumo da hist’roia oficial, legando glória a Marconi e

esquecimento ao Padre Landell de Moura. Informe-se a esse respeito e você também passará a sentir orgulho desse

genial brasileiro.

Até hoje, muita gente se surpreende coma facilidade de comunicação do Radioamadorismo, que além de

proporcionar lazer e alegria aos seus usuários, ainda presta serviços de emergência para o bem da comunidade.

4

COMO SER RADIOAMADOR?

Para executar o Serviço de Radioamador se faz necessário que o interessado seja titular de Certificado de Operador

de Estação de Radioamador - COER.

O Regulamento do Serviço de Radioamador, aprovado pela Resolução n.° 449, de 17/11/2006,

estabelece, em seu art. 33, que o COER será concedido aos aprovados em testes de avaliação,

segundo as seguintes classes:

I. Classe C aos aprovados nos testes de Técnica e Ética Operacional e Legislação de

Telecomunicações;

II. Classe B os portadores de COER classe “C”, menores de 18 anos, decorridos dois anos da data

de expedição do COER classe "C", e aos maiores de 18 anos, desde que aprovados, em ambos os

casos, nos testes de Técnica e Ética Operacional, Legislação de Telecomunicações e Conhecimentos

Básicos de Eletrônica e Eletricidade e Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais em Código

Morse;

III. Classe A aos radioamadores classe "B", decorrido um ano da data de expedição do COER

classe “B”, e aprovados nos testes de Técnica e Ética Operacional, Legislação de

Telecomunicações, Conhecimentos Técnicos de Eletrônica e Eletricidade e Transmissão e Recepção

Auditiva de Sinais em Código Morse.

Para o Serviço de Radioamador é necessária a realização de testes e avaliação da capacidade

operacional e técnica para operação da estação, devendo o candidato procurar os

Escritórios/Unidades Operacionais da Anatel (endereços encontrados em http://www.anatel.gov.br)

ou as Diretorias do LABRE (Liga Brasileira de Radioamadores), nas capitais dos Estados.

Para fazer os testes, o interessado deve consultar o endereço eletrônico da Anatel

(http://sistemas.anatel .gov. br/SEC), seus Escritórios Regionais, suas Unidades Operacionais ou,

ainda, as Diretorias da LABRE (Liga Brasileira de Radioamadores), nas capitais dos Estados, para

verificar o calendário anual de realização de testes para obtenção do Certificado de Operador de

Estação de Radioamador– COER.

Os órgãos citados no inciso anterior deverão se encarregar também da constituição de bancas

especiais para atendimento aos candidatos portadores de deficiências físicas, moléstias contagiosas

5 ou acometidas de males que lhes impeçam a livre movimentação.

Considerada a característica da deficiência, os testes poderão ser adaptados quanto à forma, à

natureza e ao conteúdo.

Serão nulos, no todo ou em parte, os testes nos quais se comprove ter havido irregularidade, quer no

ato de inscrição, quer na realização, sujeitando-se os responsáveis às penalidades previstas em lei.

O candidato aos testes de avaliação deverá se inscrever diretamente no endereço eletrônico da

Anatel (http://sistemas.anatel.gov.br/SEC), por intermédio da LABRE ou, ainda, por via postal.

Antes da realização dos testes, o candidato deverá apresentar:

a) documento de identidade;

b) autorização do responsável legal, se menor de dezoito anos;

c) documento expedido pelo Ministério da Justiça, que reconheça a igualdade de direitos e deveres

com os brasileiros, quando se tratar de candidatos de nacionalidade portuguesa (Portaria do

Ministério da Justiça ou certidão de igualdade);

d) comprovante da aquisição de conhecimentos técnicos de radioeletricidade ou recepção auditiva e

transmissão de sinais em código Morse que possibilite a isenção das respectivas provas, quando for

o caso.

Observação: quanto à comprovação citada no item “d”, conforme a Tabela I do Anexo III do

Regulamento do Serviço de Radioamador, esta deverá ser apresentada com até cinco dias antes do

encerramento das inscrições.

Os candidatos poderão se inscrever e prestar as provas em qualquer Unidade da Federação.

Não serão aceitas as inscrições dos candidatos que:

a) não preencham os requisitos estabelecidos para a classe pretendida;

b) estejam incluídos no Sistema de Impedimentos – SISCOI;

c) estejam em débito com o FISTEL;

d) estejam em situação de irregularidade junto à Receita Federal.

DOS TESTES DE AVALIAÇÃO

Os testes que habilitarão o candidato a obter o Certificado de Operador de Estação de Radioamador,

constituir-se-ão das seguintes matérias e respectivos índices de acertos para aprovação, dependendo

da classe:

6 a) Técnica e Ética Operacional – 70%;

b) Legislação de Telecomunicações – 70%;

c) Conhecimentos Básicos de Eletrônica e Eletricidade – 50%;

d) Conhecimentos Técnicos de Eletrônica e Eletricidade – 70%;

e) Código Morse:

Recepção Auditiva – 87 caracteres;

Transmissão Manual - 87 caracteres

Observações:

Só será considerado aprovado no exame de código Morse o candidato que tiver conseguido acertar,

no mínimo, oitenta e sete caracteres em cada uma das provas, ficando reprovado quem não atingir

estes valores quer em transmissão, quer em recepção.

Os testes de Recepção Auditiva e Transmissão de Sinais em Código Morse serão constituídos de

textos em linguagem clara, com 125 (cento e vinte e cinco) caracteres (letras, sinais e algarismos),

cada um deles, transmitidos em cinco minutos e recebidos em igual período.

O ingresso ao local de realização dos testes será permitido após a perfeita identificação do

candidato.

O candidato será considerado aprovado nas matérias em que atingir os índices estabelecidos.

O pedido da expedição do Certificado de Operador de Estação de Radioamador deverá ser feito, no

máximo, um ano após a aprovação da última prova realizada para a respectiva classe.

O conteúdo dos testes de avaliação será baseado nas ementas e programas previstos nestes

procedimentos e que constem no banco de dados do Sistema de Emissão de Certificados (SEC), da

Anatel.

A aprovação final possibilitará ao candidato requerer o Certificado de Radioamador e a Licença de

Funcionamento de Estação.

Os certificados de Operador de Estação de Radioamador serão expedidos de acordo com a

aprovação nas provas conforme citado abaixo:

I. Classe C aprovados nos testes de Técnica e Ética Operacional e Legislação de Telecomunicações;

II. Classe B aos radioamadores classe “C”, menores de 18 anos, decorridos dois anos da data de

expedição do COER classe “C”, desde que aprovados nos testes de Conhecimentos Básicos de

7 Eletrônica e Eletricidade e Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais em Código Morse; aos

radioamadores classe “C”, maiores de 18 anos, desde que aprovados nos testes de Conhecimentos

Básicos de Eletrônica e Eletricidade e Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais em Código

Morse.

Aos maiores de 18 anos, sem COER, que desejam ingressar diretamente na classe “B”, desde que

aprovados nos testes de Técnica e Ética Operacional, Legislação de Telecomunicações,

Conhecimentos Básicos de Eletrônica e Eletricidade e Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais

em Código Morse.

III. Classe A acesso restrito aos radioamadores classe "B", decorrido um ano da data de expedição

do COER classe “B”, e aprovados no teste de Conhecimentos Técnicos de Eletrônica e Eletricidade.

CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO

Os testes terão caráter eliminatório e serão aplicados na seqüência e com a duração de tempo

indicado:

a) Técnica e Ética Operacional: 20 questões– 60 minutos;

b) Legislação: 20 questões – 60 minutos;

c) Conhecimentos Básicos de Eletrônica e Eletricidade: 20 questões – 60 minutos;

d) Conhecimentos Técnicos de Eletrônica e Eletricidade: 20 questões – 60 minutos;

e) Código Morse para candidatos à classe “B”:

Recepção Auditiva – texto com 125 caracteres – 5 minutos;

Transmissão Manual – texto com 125 caracteres – 5 minutos.

Os ingressos ao local onde serão aplicados os testes dependerão da comprovação da identidade do

candidato em confronto com a respectiva inscrição.

O candidato menor de 18 anos que não possuir cédula de identificação poderá apresentar Certidão

de Nascimento ou qualquer documento que o identifique.

No local de aplicação dos testes será permitido acesso, além dos candidatos, apenas das pessoas

designadas para sua aplicação.

O candidato que tiver comportamento inconveniente durante a aplicação dos testes será impedido de

concluí-los e considerado reprovado.

Na avaliação dos testes, além das questões não respondidas ou respondidas incorretamente, serão

8 consideradas erradas as questões:

a) assinaladas a lápis;

b) assinaladas em duplicidade;

c) que apresentarem qualquer tipo de rasura.

RESULTADO

A avaliação dos testes será concluída no prazo máximo de 8 (oito) dias e o resultado estará à

disposição do candidato durante o prazo de 60 (sessenta) dias contados da data de sua publicação no

endereço eletrônico da Anatel.

REVISÃO

É assegurado ao candidato requerer revisão do resultado dos testes, dentro do prazo de 60 (sessenta)

dias a contar da data de sua publicação.

O pedido de revisão deverá ser dirigido à unidade responsável da Anatel pela aplicação dos testes.

VALIDADE DOS TESTES

O prazo para o requerimento do COER será de doze meses, a contar da data da publicação dos

resultados dos testes de avaliação, uma vez que é de um ano a validade das provas realizadas.

PROVA DE LEGISLAÇÃO DE TELECOMUNICAÇÕES

Legislação de telecomunicações aplicável ao Serviço de Radioamador, compreendendo: Lei Geral

de Telecomunicações, Lei n.° 9.472, de 16/7/1997; Regulamento de Radiocomunicações da União

Internacional de Telecomunicações (UIT) e o Regulamento do Serviço de Radioamador.

PROVA DE TÉCNICA E ÉTICA OPERACIONAL

Estação de Radioamador: receptor, transmissor, transceptor e diagrama de blocos; equipamentos

experimentais e suas principais características técnicas, estabilidade, tolerâncias; diagrama de

blocos de receptores, transmissores e retransmissores; transceptores QRP e transmissores para

irradiação de sinal piloto, interfaces para modos digitais;

Estação Repetidora: noções básicas e diagrama de bloco;

Operação: fixa ou móvel, em simplex ou através de Repetidora;

Freqüência e Comprimento de Onda: noções básicas - batimento de freqüência, medidores;

9 Antena: noções básicas, uso de antena artificial, medições de potência e onda estacionária;

transmissão, casamento de impedância, ondas estacionárias; antena direcional e seus princípios,

ganho da antena, acopladores; noções básicas - VHF/UHF/SHF; antenas direcionais, tipos e

características técnicas, antenas especiais, diagramas de irradiação, ângulo de irradiação, antenas

para HF - VHF - UHF - SHF, estudos da propagação; cálculo de antenas dipolo simples, V

invertido, linhas de transmissão;

Modos Digitais: noções básicas de CW, RTTY, AMTOR, ASCII, PACKET e PACTOR;

Comunicados Especiais: noções básicas;

Emergências: procedimentos operacionais em situações de emergência; operação em situação de

emergência, busca e salvamento;

Telecomunicações: mensagem, informação, onda portadora, modulação e demodulação, AM, FM,

SSB;

Comunicados: como estabelecer um comunicado nas diversas modalidades; como

estabelecer um comunicado de DX em fonia ou telegrafia; código Q; diplomas

brasileiros, concursos e contestes brasileiros; principais diplomas internacionais,

concursos e contestes internacionais;

Interferências: tipos de interferências, alternativas de solução; como detectar e evitar;

Propagação: ondas terrestres, espaciais, camadas atmosféricas, fluxo solar - FOT, MUF;

Componentes Eletrônicos: identificação, definição, simbologia e princípios de funcionamento;

Ética Operacional: comportamento ético do radioamador e seu Código de Ética; Procedimentos

indispensáveis;

Evolução da Eletrotécnica e do Radioamador: evolução da eletrotécnica e do radioamadorismo no

Brasil, etapas;

Faixas e Sub-Faixas: modalidades e tipos de emissão para estações de radioamador.

PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS DE ELETRONICA E

ELETRICIDADE

O candidato deve ser capaz de:

associar o valor de uma corrente elétrica com a necessidade de um diâmetro mínimo para o

condutor elétrico que a transporta;

10 associar os conceitos de Diferença de Potencial (V), Corrente (I) e Resistência (R) e suas unidades;

calcular as dimensões de uma antena dipolo de fio para uma freqüência determinada quando se

conhece o fator de velocidade para o fio;

calcular a freqüência de recepção quando o Efeito Doppler ocorre para:

a) receptor móvel e emissor parado;

b) receptor parado e emissor móvel.

calcular o valor da Resistência Equivalente quando vários resistores são associados em série e em

paralelo;

citar exemplos de Oscilação Forçada; citar experimentos com os quais podem-se determinar as grandezas acima

mencionadas;

definir Corrente Elétrica e sua unidade, o Ampère;

definir e empregar conceitos usados na descrição de osciladores forçados:

excitador, oscilador, amplitude, freqüência de excitação, freqüência natural de oscilação e

amortecimento;

definir e empregar conceitos usados na descrição de osciladores forçados:

Excitador, Oscilador, Amplitude, Freqüência de excitação, Freqüência natural de oscilação e

Amortecimento;

definir o conceito de auto-indução;

definir o conceito de Diferença de Potencial associado à energia de uma carga mencionar sua

unidade;

definir o conceito de Interferência (superposição de ondas de mesmo comprimento de onda) e citar

exemplos;

definir o conceito de modulação de uma onda;

definir o conceito de Relação de Onda Estacionária em uma linha de transmissão;

definir o conceito de Resistência Elétrica;

definir o conceito de Ressonância;

definir os conceitos de Comprimento de Onda, Freqüência, Velocidade de Propagação e Amplitude

de uma onda;

definir os conceitos de Corrente Efetiva e Tensão Efetiva e relacioná-los com Corrente de Pico e

Tensão de Pico;

11 definir os conceitos de Polarização Linear, Polarização Circular e Polarização Elíptica;

descrever a ação de uma bobina em um circuito de corrente continua;

descrever a geração de uma Onda Estacionária a partir de uma Onda Incidente e de uma Onda

Refletida;

descrever a Modulação por Amplitude (AM) e a Modulação por Freqüência (FM) de uma onda;

descrever a ocorrência de Reflexão e Refração quando uma onda ao se propagar encontra um outro

meio de características diferente do primeiro meio;

descrever a propriedade Carga Elétrica associada às partículas do átomo;

descrever as camadas da Ionosfera responsáveis pela reflexão dos sinais de rádio;

descrever as linhas do Campo Magnético de um ímã, da Terra, e de um Solenóide;

descrever com palavras ou figuras o uso de um Amperímetro para a determinação da corrente

elétrica em um circuito simples;

descrever com palavras ou figuras o uso do Voltímetro na determinação da diferença de potencial

entre pontos de um circuito simples;

descrever experimentos simples no qual se pode observar a ação de uma força magnética;

descrever o Efeito Doppler;

descrever o fenômeno da Indução Magnética em um solenóide;

descrever o funcionamento de um diodo semicondutor em um circuito;

descrever o funcionamento de um eletroímã simples e de seu uso em um relé;

descrever o funcionamento de um Transformador;

descrever o funcionamento de um transistor no papel de uma Resistência de controle da corrente;

descrever o funcionamento de uma antena;

descrever o funcionamento de uma válvula diodo;

descrever o funcionamento e principais características de uma antena dipolo e de uma antena

vertical de 1/4 de onda;

descrever o papel de um Fusível em um circuito elétrico;

descrever o processo de Carga e Descarga de um Capacitor;

descrever o processo de Ionização e Recombinação;

descrever o processo de reflexão dos sinais de rádio na ionosfera, estabelecendo as principais

12 características dos modos de propagação e suas relações com a hora do dia;

descrever o uso de satélites artificiais em telecomunicações;

descrever um Capacitor;

descrever um experimento destinado a produzir uma oscilação forçada;

descrever um modelo simples para o átomo e as moléculas;

descrever um procedimento simples de medida de resistência com o uso de Ohmímetro;

desenhar o circuito de uma Fonte de corrente continua, usando diagrama de blocos, no qual constem

os seguintes elementos: transformador, ponte de retificação de diodos, capacitor de filtragem e

regulador de tensão e descrever o papel de cada um destes elementos;

determinar o valor da Resistência de um resistor mediante a associação de suas cores de código com

as cores de uma tabela de código fornecida;

distinguir Ondas Transversais de Ondas Longitudinais e dar exemplos;

distinguir Oscilação Forçada de Oscilação Livre;

estabelecer a diferença conceitual entre modulação de Dupla Faixa Lateral (DSB) e de Faixa Lateral

Simples (SSB);

estabelecer a diferença entre Condutores e Isolantes;

estabelecer a diferença entre corrente contínua e corrente alternada;

estabelecer a diferença entre linha de transmissão balanceada e linha de transmissão desbalanceada;

estabelecer as condições para a existência de Interferência Construtiva e Interferência Destrutiva;

explicar como o conceito de Carga pode ser usado para descrever o estado elétrico de um corpo;

formular a condição para a ocorrência de Ressonância quando existe Oscilação Forçada;

identificar o tipo de polarização para vários tipos de antenas mais usadas;

usar a equação C = I.f para calcular uma das grandezas, quando as outras duas são dadas;

usar a equação V = R.I em um circuito de uma única malha;

usar a equação V = R.I para calcular uma das grandezas, quando as outras duas são dadas

13

PROVA DE RECEPÇÃO AUDITIVA E TRANSMISSÃO DE SINAIS EM

CÓDIGO MORSE

Textos, em linguagem clara, com 125 caracteres (letras, sinais e algarismos), para candidatos à

classe “B”.

PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE ELETRÔNICA E

ELETRICIDADE

O candidato, além do citado no item 8.3, deve ser capaz de:

associar a boa estrutura dos metais com a sua estrutura molecular;

definir formalmente a relação entre resistência, resistividade, comprimento de onda e área de seção

reta de um resistor;

descrever microscopicamente a corrente gerada em um semicondutor sujeito a uma tensão;

descrever o funcionamento de um transistor em um circuito simples de amplificação de sinal;

usar a Lei de Joule para relacionar a potência dissipada em um resistor com diferença de potencial

aplicada e com a corrente fluindo pelo mesmo.

ÉTICA OPERACIONAL

Os princípios éticos são a base de um radioamadorismo sadio, fraterno e construtivo e visam proporcionar a

harmonia e o entusiasmo humano.

Lembre-se que o radioamadorismo é um contínuo processo de aprendizado. Nós aprendemos através de instruções,

e os conhecimentos abaixo fornecerão princípios básicos para uso consciente de nossa QRG.

1. O coordenador da Rede ou Rodada é o responsável pelo fato de ser a mesma conduzida de maneira ordenada e

cortês e que não perturbe outros comunicados.

2. Nenhuma rede ou operador individual tem o direito exclusivo a uma freqüência específica, a menos que esteja

conduzindo tráfego de emergência. O uso pertence aquele que a está ocupando no momento.

3. Não interrompa no meio de uma conversação, se você pretende fazer uma chamada a outra estação ou

pretende juntar-se ao grupo, ou rodada. Espere, ao menos, até que o câmbio da estação que está com a palavra

termine e, só então anuncie seu indicativo de chamada depois que a estação que estiver falando desligar o PTT ou

VOX. O uso do “break” só é permitido em casos de comprovada emergência.

4. Identificar uma estação com “BOA TARDE”, “BOM DIA”, “ESTOU CHEGANDO AÍ”, “OPORTUNIDADE”, etc., não

são formas aceitáveis de identificação. Sempre provocam um retorno inútil de câmbio, que poderia ser evitado, por

exemplo “BOM DIA DE QUEM”, “QUEM CHAMOU?”, “OPORTUNIDADE PARA QUEM?” e por aí afora.

5. Se você achar que uma nova estação que chegou à freqüência não sabe quem você é, por bom procedimento

operacional e por cortesia, dê-lhe seu indicativo de chamada e nome.

14 6. Mesmo que a estação que se identificou seja de seu melhor amigo, se não é sua vez de falar, não entre

na QRG, não o cumprimente, não lhe dirija a palavra. Espere a sua oportunidade de falar, dentro da seqüência

natural.

7. É sinal de prática operacional deficiente deixar a freqüência “a quem de direito”, pois, normalmente gera certa

confusão logo após.

8. É extremamente desagradável desenvolver uma conversação bilateral com os demais à parte, em uma rodada.

9. Nunca faça comentários ou observações durante a conversação dos outros. É deselegante.

10.Use frases elegantes em sua conversação. Evite palavreado chulo, palavras e ou jargão de sentido duvidoso e

impróprio das bandas de radioamador, de forma que não venha ferir a suscetibilidade dos que estão escutando.

11.Lembre-se que sua transmissão está sendo ouvida por muitos radioescutas, inclusive por monitores e

rastreadores de banda. Do que disser nas faixas dependerá o conceito que cada ouvinte fará do radioamadorismo

brasileiro.

12.Não interrompa quem está falando, salvo se tiver algo muito importante a acrescentar. Interromper uma

conversa é tão deseducado em rádio como pessoalmente.

13.Evite criticar pela faixa, ou então comentar sobre assunto de que não tem real conhecimento. A crítica pela faixa

pode assumir graves proporções e causar males irreparáveis.

14.Não extravase sentimentos negativos pela faixa quando uma medida ou atitude dos Órgãos Diretivos não lhe

agradar, ou quando uma falha administrativa causar dissabor. Procure o diálogo com sinceridade.

15.Evite enfileirar-se com os que, por motivos inconfessáveis, procuram tudo denegrir aviltar.

16.Os comunicados devem ser amistosos e compreensivos. A maneira de fazer as coisas tão importante quanto as

coisas que devem ser feitas.

17.Ajude os menos experientes. Faça isso de uma forma elegante, desinteressada e paciente.

18.Guarde sigilo quanto às comunicações eventualmente ouvidas em outras faixas, que não as de radioamador.

19.Evite fazer crítica a outros modos de transmissão pelo fato de não se dedicar a esta ou aquela modalidade

operacional.

20.Se você tiver necessidade de um QSO mais demorado, será demonstração de camaradagem e consideração aos

demais colegas se procurar uma janela fora dos segmentos de DX.

21.O trote pela QRG, embora seja gozado para quem pratica predispõe a outra parte a ficar desconfiada, insegura e

sempre na expectativa de um novo trote. Isso poderá fazer com que, em situações emergênciais ela não acredite

naquilo que esteja ouvindo.

22.Jamais suprima parte de seu indicativo de chamada. Somente completo ele é exclusivo.

23.Quando se tratar de QTC de emergência ou SOS, interrompa todo e qualquer QSO, dando prioridade

exclusivamente ao operador que esta de posse do QTC/SOS na QRG.

24.Se você tem uma estação “poderosa” deve ser o primeiro a colaborar para que todos “tenham sua vez”. Será

fácil para você aguardar o término do contato já estabelecido, torcer por ele e, depois então, caçar a figurinha. O

15 companheiro do contato anterior vai ficar contente com o colega que teve a consideração de aguardar o término do

seu QSO.

25.É extremamente desagradável ouvir que este ou aquele colega impediu ou dificultou o outro com QRM ou sinais

de sua estação.

26.Faça sempre saber que você evita contatar estações que sejam violadoras habituais dos preceitos básicos de

ética operacional.

27.Respeite as freqüências das Expedições de DX. Evite entrar em sua QRG em desacordo com as normas da boa

operação e da ética radioamadoristica. Muito esforço foi previamente desenvolvido até se conseguir chegar “ao

ar”. Os operadores trabalham em condições difíceis, tem que ser verdadeiros malabaristas para atender milhares de

chamados do mundo inteiro. Os equipamentos, muitas vezes, ficam em cima de pedras ou mesmo no chão. Os

expedicionários se alimentam à base de conservas, passam noites mal dormidas, são perturbados por insetos e, tudo

isso, para proporcionar ao resto do mundo a oportunidade de faturar mais uma “figurinha” ou um novo país para

o DXCC.

28.Não entre encima de colega que já iniciou a contestação a um CQ. Dê-lhe a chance de concluir seu contato antes

que você tente seu chamado.

29.Antes de acessar uma repetidora, primeiro escute para familiarizar-se com as características do seu

funcionamento. Para iniciar um contato comunique que você esta na freqüência, informando seu indicativo de

chamada.

30.Faça uma pausa entre as transmissões. Isso permitirá que os outros radioamadores também comuniquem a

presença na freqüência.

31.Respeite os responsáveis e mantenedores de repetidoras. Embora instaladas no alto de torres, edifícios e

montanhas, elas não caem do céu, geralmente um grupo de pessoas se empenham para colocar este serviço à sua

disposição.

32. Os câmbios “espada” (Câmbios muito longos) podem impedir que alguém utilize a QRG, mesmo que esteja com

alguma emergência.

33. Ocasionalmente, poderá haver ocasiões que entrem na frequência operadores das Forças Armadas para testes

rádio necessitando para isto o conteste, a operação destes radioperadores é diferenciada e segue suas normas

especificas, como por exemplo a utilização de Indicativos fora do padrão PY3 XXX, a fala mais rápida, e qualidade de

sinal máxima classificada como 1 por 1 até 5 por 5 :

Sendo todo Radiamador reserva das forças armadas, esta prática de auxílio nos conquestes é interessante e de grande valia para ambos os operadores.

16 Sempre informe seu prefixo, apresente-se como radioamador e preste as informações necessárias em auxílio a estes operadores. Se verificar que há uma exploração rádio em certas frequências, nunca tente entrar para fazer contato, muito menos coloque portadora por cima, isto em nada se identifica com o verdadeiro Radioamadorismo.

TÉCNICAOPERACIONAL

Além da ética no uso do Serviço de Radioamador, é necessário que você também conheça a TECNICA

OPERACIONAL. A seguir, apresentamos algumas DICAS sobre esse assunto:

1. Antes de fazer um CQ, certifique-se de que a ORG está desocupada.

2. Quando você contestar um CQ, sintonize seu equipamento “beat zero” na QRG do colega, a fim de facilitar sua

recepção. A única exceção a essa regra ocorre no caso de operação “split”, previamente anunciada. Além disso,

tenha em mente que nossas faixas estão, cada vez mais, tornando-se pequenas diante do crescente número de

radioamadores.

3. Identifique-se pelo menos a cada 5 minutos, bem como no início e fim de QSO. Estas são regras aceitas

internacionalmente.

4. A estação que, pela ordem está para usar a freqüência, é a única que deve atender a outra que chamar e

se identificar num espaço entre câmbios. A razão para isso é manter a seqüência darodada.

5. Nunca tente transmitir “sobre” outra estação. Primeiro, porque é ilegal! E segundo, porque prejudica a todos.

6. Se você pensa que está modulando juntamente com outra estação, desligue o PTT ou VOX e ouça para certificar-

se.

7. Se para uma estação é cedida a QRG para fazer uma chamada rápida a alguém, a conversação entre elas deve ser

a mais breve possível ou ambas as estações devem mudar de QRG.

8. A palavra “break” é estritamente reservada para tráfego de emergência.

9. Não opere em freqüências que não lhe são permitidas.

10.Mantenha-se permanentemente atualizado com a legislação radioamadoristica. Tenha sempre presente os

termos em que lhe foi conferido o privilégio de ser radioamador.

11.Não utilize as faixas para propaganda de atividade comercial, política ou religiosa. Abstenha-se também de atos

que se caracterizam como mercantilização do radioamadorismo. Além de ser ilegal, sua conduta estará sendo

observadas pelos companheiros.

12.Cada radioamador tem o direito de procurar alcançar os objetivos legalmente abrangidos pela sua licença.

Contudo, tem o dever de evitar causar inconveniências aos outros.

13.Se há um estreito segmento de faixa que é utilizado para comunicados internacionais (DX), evite utiliza-lo para

bate-papos.

17 14.Respeite os segmentos das bandas destinados às diversas práticas operacionais. Há espaço suficiente para a

convivência harmônica e pacifica de todas as modalidades radioamadorísticas.

15.Nos bate-papos locais diários, dê preferência para a utilização das bandas baixas (40 e 80 metros) ou, então,

utilize as bandas altas de VHF/UHF (50,144 e 430 Mhz).

16.Normalmente os comunicados a longa distância têm preferência sobre os locais.

17.QRM zero é coisa que não se pode pretender no radioamadorismo. Sempre haverá um ou outro QRM neste ou

naquele QSO, devido ao congestionamento das faixas, o que não é motivo para descarregar na QRG frases e/ou

palavras inconvenientes. Se você quiser comunicados livres de interferências, o radioamadorismo talvez não seja a

opção mais adequada.

18.Na ânsia de faturar um QSO, evite atropelar indevidamente a QRG, ocupando-a antes da conclusão do contato

anteriormente estabelecido.

19.Nos DX e “pile-up”, respeite a ordem natural dos QSO, evitando beneficiar esta ou aquele estação. Em casos

excepcionais, essa prática poderá ser admitida apenas se a estação favorita for QRP.

20.Considera-se que um comunicado é válido quando as duas estações tenham trocado os indicativos e as

reportagens de forma correta.

21. Seja breve, preciso e conciso nos contatos DX. Nos “pile-up”, então, dê o indicativo, reportagem e ... nada mais.

22.Jamais faça interrogatório quando contatar um indicativo especial. A única pergunta cabível é “PSE

MANAGER?” ou “QSL INFO?”, para saber por intermédio de quem devemos mandar o QSL.

23.Em comunicado “pile-up” evite pedir informações, pois a estação DX sempre passa os dados do

respectivo MANAGER.

24.Escute bastante antes de tentar “faturar” uma figurinha... Ao se defrontar com um “pile-up” evite oferecer o

próprio indicativo sem antes saber de quem se trata e depois perguntar“PSE UR CALL?”.

25.Se a estação DX opera em “SPLIT” e você não tem condições de fazê-lo, esqueça a figurinha, senão ficará

perturbando os outros com sua chamada sem a mínima possibilidade de contato.

26.As extremidades de cada faixa são usadas para comunicados mais difíceis, DX e Dxpedições. Tente sempre se

lembrar disso.

27.Não é bom procedimento acionar várias vezes uma repetidora sem identificar-se.

28.Faça câmbios curtos para garantir a durabilidade do equipamento e “espaço” para os demais radioamadores.

29.Utilize comunicado simplex, sempre que possível. Se puder terminar um QSO em uma freqüência direta, não há

necessidade de manter a repetidora ocupada e impedir os demais a utilizem.

30.Utilize a mínima potência necessária para manter a comunicação. Além de não forçar o equipamento, minimiza a

possibilidade de acionar outra repetidora mais distante, que porventura utilize a mesma freqüência.

31.Muitas repetidoras estão equipadas com “autopatch” (conexão com rede telefônica) que, corretamente

utilizado, proporciona muitas facilidades. Entretanto, os abusos do privilégio do “autopatch” podem levar à sua

perda.

18

OS CÓDIGOS UTILIZADOS NA FAIXA

Os códigos existem para facilitar a comunicação.

Utilize-os quando necessário. Lembre-se que tudo o que é demais prejudica.

Portanto, sugerimos que você não fique apenas falando em código ou repetindo gírias e

chavões. O bom radioamador não deve se comportar como o papagaio, que só repete o que

ouve, mas não raciocina sobre o que fala. Simplesmente .... CONVERSE!

FONÉTICO INTERNACIONAL, DE PAÍSES E ELETRÔNICO

A= ALFA........................................ AMÉRICA ........................... ANTENA

B= BRAVO.................................... BRASIL ............................... BATERIA

C= CHARLIE .................................. CANADÁ ............................. CONDENSADOR

D= DELTA ..................................... DINAMARCA ..................... DIODO

E= ECO .......................................... EUROPA .............................. ESTÁTICA

F=FOX ............................................ FRANÇA.............................. FILAMENTO

G= GOLF ........................................ GUATEMALA .................... GRADE

H=HOTEL ..................................... HOLANDA........................... HORA

I= ÍNDIA ......................................... ITÁLIA................................. INTENSIDADE

J= JULIET ...................................... JAPÃO ................................. JACK

K= KILO ........................................ KWAIT ................................ KILOWATT

L= LIMA ........................................ LONDRES ........................... LÂMPADA

M= MIKE ....................................... MÉXICO .............................. MANIPULADOR

N= NOVEMBER ............................ NORUEGA .......................... NEGATIVO

O= OSCAR .................................... OCEANIA ........................... ONDA

P= PAPA.......................................... PORTUGAL......................... PLACA

Q= QUEBEC .................................. QUÊNIA............................... QUADRO

R= ROMEU ..................................... ROMA.................................. RÁDIO

S= SIERRA ..................................... SANTIAGO ......................... SINTONIA

T= TANGO ..................................... TORONTO .......................... TERRA

19 U= UNIFORME .............................. URUGUAI............................ UNIDADE

V= VICTOR .................................... VENEZUELA ...................... VÁLVULA

W= WHISKEY ................................ WASHIGTON ..................... WATT

X= XILÓFONO .............................. XINGÚ ................................. XADREZ

Y= YANQUE .................................. YUCATÁN .......................... I-GREGA

Z= ZULU ........................................ ZANZIBAR ......................... ZERO

Os códigos são necessários, porque na freqüência onde há estática e interferências, quando você pronuncia algum nome, por exemplo: MILTON, o outro operador poderá entender: NILTON. Então, você deverá “codificar” o nome Milton, assim: Mike, Índia, Lima, Tango, Oscar, November.

Portanto, utilize o Código Fonético que todo o planeta o compreenderá, mesmo se o radio-operador for de outro país. Lembre-se: esse código é internacional e conhecido por todos os radioamadores, aviadores, soldados, marinheiros e policiais, que o utilizam largamente.

CÓDIGO “Q” INTERNACIONAL Este código é utilizado em todo o mundo, sendo que a cada conjunto de três letras associa-se

uma idéia. Veja, a seguir, os mais usados pelos radioamadores:

QRA = Nome da estação

QRG = Freqüência

QRM = Interferência

QRN = Estática

QRT = Fim de transmissão

QRV = Estou à disposição

QRX = Aguarde

QRZ = Quem está chamando?

QSB = Variação de intensidade de sinais

QSJ = Dinheiro

QSL = OK. Confirmado. Tudo entendido.

QSO = Conversa. Comunicado. Contato

QSP = Ponte (Quando duas estações não conseguem ouvir-se mutuamente, uma terceira entra para fazer a “ponte”,

ou seja, a conexão entre as duas).

QSY = Mudar de frequência

QTC = Mensagem

20 QTC DE EMERGÊNCIA (SOS) = Pare de falar imediatamente: será transmitida uma mensagem de emergência.

QTH = Endereço de estação ou do Radioamador

QTR = Horário

QRO = Aumentar a potência da estação

QRP = Diminuir a potência da estação

QRB - Qual a distância?

QRD - Qual a sua localização

QRG - Freqüência de operação

QRI - Tonalidade de sinais (1 a 5)

QRH - Sua freqüência varia

QRK - Inteligibilidade dos sinais (1 a 5)

QRL - Estou ocupado, não interfira

QRM - Interferência de outra estação

QRN - Interferência atmosférica ou estática

QRO - Aumente sua potência

QRP - Diminuir sua potência

QRQ - Manipule mais rápido

QRR - S.O.S. terrestre

QRS - Manipule mais devagar

QRT - Vou parar de transmitir

QRU - Você tem algo para mim?

QRV - Estarei à sua disposição

QRW - Estação “X” chama em ...KHz/s

QRX - Aguarde sua vez de transmitir

QRY - Quando será minha vez de transmitir

QRZ - Quem me chama?

QSA - Intensidade dos sinais

QSB - Seu sinal varia

QSD - Sua Transmissão é defeituosa

QSJ - Taxa, dinheiro

QSL - Entendido, confirmado

QSM - Repita a última mensagem

QSN - Escutou-me?

QSO - Comunicado, contato

QSP - Retransmissão de mensagem de outra estação

QST - Comunicado de interesse geral

QSU - Transmitir ou escutar em KHz/s

QSV - Transmita uma série em “V”

QSW - Transmitirei nesta ou em outra freqüência

QSX - Escutarei sua chamada em ...KHz/s

QSY - Vou transmitir em outra freqüência

QSZ - Devo transmitir cada palavra ou grupo?

QTA - Anule a mensagem anterior

QTB - Concordo com sua contagem de palavras

QTC - Mensagem, Notícia

21 QTH - Local da estação

QTR - Horas

QTX - Sairei por tempo indeterminado

QUD - Recebi seu sinal de urgência

QUF - Recebi seu sinal de perigo

QAP - Permaneça na escuta

REGIÕES GEOGRÁFICAS DO BRASIL

1ª - Rio de Janeiro e Espírito Santo 2ª - São Paulo 3ª - Rio Grande do Sul 4ª - Minas Gerais 5ª - Santa Catarina e Paraná 6ª - Bahia e Sergipe 7ª - Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará 8ª - Acre, Amazonas, Maranhão, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima e Amapá 9ª - Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Fernando de Noronha e Ilhas oceânicas e Tocantins.

GIRIAS DE RADOAMADORES: (Não solicitado em prova, somente para conhecimento)

88 - Beijo 73/51 - Aperto de mão e um abraço Atrás do loco/Corujando - Só ouvindo Aparato - Rádio Ana Maria - (AM) Amplitude modulada Asa dura - Avião Baixar freqüência linha de 500 - Telefonema Batente - Trabalho, serviço Bicorar/Modular - Falar Break - Solicitar QRG Botina - Amplificador de RF Barra móvel - Automóvel Botina branca - Médico Botina preta - Polícia Rodoviária Bailarina - Caneta Balaio de gato - Bagunça no QRG Bigode a bigode - Pessoalmente (ele/ele) Banda lateral - Rádio c/ freqüência SSB Batom a batom - Pessoalmente (ele/ela) Bigodeira - Interferência, batimento Biônica - Estação sofisticada Bruxa - Ventania

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 21 páginas
Baixar o documento