Separadores de Água e Óleo - Apostilas - Engenharia Naval, Notas de estudo de Engenharia Aeronáutica e Programação de Computadores. Universidade Anhembi Morumbi (UAM)
Agua_de_coco
Agua_de_coco8 de maio de 2013

Separadores de Água e Óleo - Apostilas - Engenharia Naval, Notas de estudo de Engenharia Aeronáutica e Programação de Computadores. Universidade Anhembi Morumbi (UAM)

DOCX (37 KB)
2 páginas
2Números de download
1000+Número de visitas
100%de 1 votosNúmero de votos
Descrição
Apostilas de Engenharia Naval sobre o estudo dos Separadores de Água e Óleo, Operação, Separadores capacitados para tratamento de emulsão, Separadores Centrífugos.
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização2 páginas / 2
baixar o documento

Separadores de Água e Óleo O Tipo mais comum de separadores de água e óleo encontrado em navios são os gravitacionais. Este tem o seu princípio na diferença de gravidade da mistura para separar o óleo da água.

Acima o tipo mostrado é o gravitacional que apresenta uma capacidade de descarga de efluentes de muito boa qualidade. Uma válvula de segurança (não mostrada) é montada na unidade, assim como as válvulas de prova e dreno. Operação A unidade é, inicialmente, enchida com água limpa. A descarga da bomba tem uma linha de amostra que vai para o monitor de 15ppm. Este fica alinhado e é utilizado com água para limpeza enquanto a bomba estiver em funcionamento. Quando o botão de ativação é pressionado, a válvula de descarga de óleo é fechada, a válvula de sucção é aberta e a bomba de descarga entra em funcionamento. A água de esgoto é conduzida pela unidade por um arranjo de placas empilhadas verticalmente. O monitor de 15 ppm fica alinhado pela linha de amostras na descarga da bomba.

Como o óleo se aglutina, ele é conduzido à câmara de descarga de óleo. Portanto, o óleo cria uma interface até que o sensor de parada bomba seja ativado, a bomba pára, a válvula de sucção se fecha, a descarga de óleo é aberta e a de água limpa se abre. O óleo é forçado para a saída de óleo pela água limpa. Quando a interface de óleo alcança a linha de corte, a válvula de descarga de óleo e a válvula de água limpa se fecham. A válvula de sucção se fecha e a bomba entra em funcionamento. Alarmes e Desarmes O equipamento de 15ppm ao detectar que há óleo acima desse nível contendo na água faz com a unidade seja desarmada e, ativa um alarme. Quando o sensor corte da bomba é ativado se inicia um temporizador, se a interface de óleo não alcançar o sensor de corte da bomba dentro de um tempo preestabelecido um alarme é soado e unidade desarma.

Separadores Centrífugos Separadores centrífugos têm sido propostos para o uso como Separadores de água oleosa.a qualidade da saída é determinada pela taxa de entrada. Quanto menor for o fluxo de óleo pelo separador melhor a qualidade de saída. Há uma interrogação sobre a sua eficiência em lidar com emulsões finas e, portanto é recomendado um pré-tratamento químico.

Separadores capacitados para tratamento de emulsão

Os Separadores gravitacionais não tem capacidade de operação com óleos emulsionados ou misturas contendo óleo com alta densidade em torno de 1 pra cima. Estes devem ser providos de pré-aquecimento da mistura antes ou durante o processo. Naqueles se torna mais difícil, pois a legislação vigente requer o controle rigoroso de detergentes capazes de efetivar a operação do separador instalado. Existem alternativas para a separação gravitacionais que estão sendo utilizadas. Atualmente, o mais comum envolve o uso de cloreto de polialumínio. Isto faz com que o óleo emulsionado se homogenize. A emulsão é, dessa maneira, quebrada e água e o óleo separado. Utilizando esse processo pode ser produzido um efluente de alta qualidade sem conter nenhuma química ou óleo. O custo é mais alto do que o dos Separadores gravitacionais. Um método alternativo é o uso de eletrocoagulação. Há três fatores sobre a qual este método se baseia para uma emulsão estável: iônico, tamanho da partícula ou gotícula, densidade da partícula ou gotícula. Uma carga elétrica passa por anodos de sacrifício feitos de alumínio. Os íons soltos são atraídos a partículas de contaminantes finas carregadas negativamente. O efeito complete é uma aglomeração com tamanho de partículas maiores sendo produzidas. Além do que bolhas de gás são produzidas pela hidrólise composta nessas partículas aumentam sua flutuabilidade. As partículas separadas que crescem na superfície devem ser removidos.

comentários (0)

Até o momento nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar!

baixar o documento