Sistema Digestivo - Apostilas - Bioquímica, Notas de estudo de Bioquímica. Universidade Estadual de Maringá (UEM)
Lula_85
Lula_8514 de Março de 2013

Sistema Digestivo - Apostilas - Bioquímica, Notas de estudo de Bioquímica. Universidade Estadual de Maringá (UEM)

PDF (2 MB)
38 páginas
13Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Apostilas de Bioquímica sobre o estudo do Sistema Digestivo, divisão do sistema digestivo, boca e cavidade bucal, faringe, esôfago, abdome, estômago.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 38
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 38 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 38 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 38 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 38 pages
baixar o documento

115

CAPÍTULO 8

SISTEMA DIGESTIVO

Divisão do sistema digestivo

Reconhecemos no sistema digestivo um canal e órgãos anexo. Do primeiro fazem parte

órgãos situados na cabeça, pescoço, tórax, abdome e pelve. O canal alimentar inicia-se na

cavidade bucal, continuando-se na faringe, esôfago, estômago, intestinos (delgado e

grosso), para terminar no reto, que se abre no meio externo através do ânus.

Boca e cavidade bucal

A boca é a primeira porção do canal alimentar. Comunica-se com o exterior através de

uma fenda limitada pelos lábios (rima bucal), e, posteriormente, com a parte da faringe

(orofaringe), através do istmo das fauces (dorso as língua + arco palatoglosso + úvula). Está

limitada lateralmente pelas bochechas e , superiormente, pelo palato duro e mole e,

inferiormente, por músculos.

A cavidade bucal é dividida em duas porções:

- Vestíbulo da boca espaço limitado pelos lábios, pelas bochechas, pelas

gengivas e dentes.

- Cavidade bucal propriamente dita é o restante.

- Palato

É o teto da cavidade bocal. Temos palato duro, anterior, ósseo, e o palato mole,

posterior e muscular. O palato separa a cavidade nasal da bucal. Do palato mole projeta-se,

no plano mediano, uma saliência cônica, a úvula e, lateralmente duas pregas denominadas

arco palatoglosso (mais anterior) e arco palatofaríngico (mais posterior). Entre as pregas

existe um espaço, a fossa tonsilar, ocupada ela tonsila palatina (antiga amígdala).

- Língua

116

É um órgão muscular revestido por mucosa e exerce importante funções na

mastigação, na deglutição, como órgãos gustativos e na articulação da palavra. Sua face

superior é denominada dorso da língua, onde nota-se o sulco terminal que divide a língua

em duas porções: o corpo (anterior) e a raiz da língua (posterior). A partir da observação da

mucosa que reveste o dorso da língua, é possível identificar papilas linguais (gustativas),

que são de vários tipos: papilas filiformes, fungiformes, foliares e as papilas valadas (logo

adiante do sulco terminal).

- Dentes

São estruturas rijas, esbranquiçadas, implantadas em cavidades da maxila e da

mandíbula (alvéolos dentários).

- Glândulas salivares

São consideradas anexos do sistema digestivo. São responsáveis pela secreção da

saliva. As mais importantes são as chamadas extraparietais, que compreendem as parótidas,

submandibulares e sublinguais.

Faringe

A parte nasal da faringe comunica-se com a cavidade nasal (através da coana). A parte

bucal da faringe comunica-se com a cavidade bucal através do istmo das fauces (dorso da

língua + arco palatoglosso + úvula), e a parte laríngica comunica-se anteriormente com o

ádito da laringe e, posteriormente, é continuada pelo esôfago. Durante a deglutição, o

palato mole é elevado, impedindo que o alimento passe a nasofaringe e, eventualmente,

penetre na cavidade nasal. Por outro lado, a cartilagem epiglótica fecha o ádito da laringe,

evitando que o alimento penetre no trato respiratório.

Esôfago

É um tubo muscular que continua a faringe e é continuado pelo estômago. Pode-se

distinguir três porções no esôfago: cervical, torácica e abdominal. No tórax, o esôfago

situa-se anteriormente a coluna vertebral e posteriormente à traquéia. A luz do esôfago

aumenta durante a passagem do bolo alimentar, o qual é impulsionado por contrações da

musculatura de sua parede (movimentos peristálticos).

117

Abdome

Até agora, os órgãos descritos estão situados na cabeça, pescoço e tórax, com exceção

da porção mais caudal do esôfago. O restante do canal alimentar localiza-se no abdome.

- Diafragma

Septo muscular que separa o abdome do tórax. A aorta, a veia cava inferior e o

esôfago atravessam o diafragma passando pelo hiato aórtico, forame da veia cava e hiato

esofágico, respectivamente.

- Peritônio

Os órgãos abdominais são revestidos por uma membrana serosa denominada de

peritônio, que apresenta duas lâminas: o peritônio parietal (reveste as paredes da cavidade

abdominal) e o peritônio visceral (envolve as vísceras).

Entre as lâminas, existe uma cavidade peritonial, que contém pequena quantidade de

líquido. Alguns órgãos abdominais situam-se junto da parede posterior do abdome e, nestes

casos, o peritônio parietal é anterior a eles (são ditos retroperitoneais – rins e pâncreas). As

vísceras que ocupam posição retroperitoneais são fixas. Muitas outras salientam-se na

cavidade abdominal, destacando-se da parede, e o peritônio que as reveste as acompanha,

de modo que, entre o órgão e a parede, forma-se uma lâmina peritoneal denominada meso

ou ligamento.

Estômago

É uma dilatação do canal alimentar que segue ao esôfago e se continua no intestino.

Situa-se abaixo do diafragma, com a maior porção à esquerda do plano mediano.

Descrevem-se no estômago as seguintes partes:

- Região cárdica corresponde a junção com esôfago e onde está localizado o esfíncter

cárdico.

- Fundo gástrico, situado superiormente a um plano horizontal que tangência a junção

esôfago-gástrica.

- Corpo corresponde a maior porção do órgão.

- Antro, situado inferiormente a um plano horizontal que tangência a junção gástrico-

intestinal.

118

- Região pilórica corresponde à porção terminal continuada pelo duodeno. Localiza-se

nesta região o esfíncter pilórico.

As duas margens do estômago são denominadas curvatura maior ou esquerda e

curvatura menor ou direita.

Intestino

O estômago é continuado pelo intestino delgado e este pelo intestino grosso. Estas

denominações se devem ao calibre que apresentam.

- Intestino delgado

Subdivide-se em três segmentos: duodeno, jejuno e íleo. O duodeno é um órgão

bastante fixo (quase retro peritoneal), e nele desemboca o ducto colédoco (que traz a bile) e

o ducto pancreático (que traz a secreção pancreática). O jejuno e o íleo constituem a porção

móvel do intestino delgado. O jejuno-íleo apresenta numerosas alças intestinais e está preso

à parede do abdome por uma prega peritoneal, o mesentério.

- Intestino grosso

Constitui a porção terminal do canal alimentar, sendo mais calibroso e mais curto que o

delgado. O intestino grosso possui dilatações limitadas por sulcos transversais denominados

haustros, formações em fita chamadas tênias (condensação da musculatura longitudinal), e

acúmulos de gorduras na serosa da víscera. Os apêndices epiplóicos. Subdivide-se nos

seguintes seguimentos:

 Cécum: é o segmento inicial, em fundo cego, que se continua com o cólon ascendente.

Um prolongamento cilindróide, o apêndice vermiforme, destaca-se do cécum, no ponto

de convergência das tênias.

 Cólon ascendente: segue-se ao cécum e tem direção cranial, estando fixado à parede

posterior do abdome. Continua-se com o cólon transverso, e a flexura cólica direita,

marca o limite entre os dois segmentos.

 Cólon transverso: é bastante móvel, estendendo da flexura cólica direita a esquerda,

onde se flete para continuar no cólon descendente.

 Cólon descendente: está fixado a parede posterior do abdome e inicia-se na flexura

cólica esquerda.

119

 Cólon sigmóide: continuação do cólon descendente e tem trajeto sinuoso, dirigindo-se

pare o plano mediano da pelve onde é continuado pelo reto.

 Reto: continua o cólon sigmóide e sua parte final, denominada de canal anal.

Anexos do canal alimentar

Correspondem as glândulas salivares (já descritas), fígado e pâncreas.

- Fígado

Órgão mais volumoso, localizando-se abaixo do diafragma e a direita, embora uma

pequena porção ocupe também a metade esquerda do abdome. Desempenha importante

papel nas atividades vitais dos organismos, seja secretando a bile e participando de

mecanismos de defesa. O fígado possui duas faces: diafragmática (em contato com o

diafragma) e visceral (em contato com as vísceras). Na face visceral distinguem-se quatro

lobos o direito, o esquerdo, o caudado e o quadrado. Na face diafragmática os lobos direito

e esquerdo são separados por uma prega do peritônio, o ligamento falciforme. Entre o lobo

direito e o quadrado se situa a vesícula biliar; entre o direito e o caudado há um sulco que

aloja a veia cava inferior; entre o caudado e o quadrado encontramos a veia porta do fígado,

a artéria hepática, ducto hepático comum, além de nervos e linfáticos.

A bile, produzida no fígado, é armazenada na vesícula biliar. Esta sai do fígado pelo

ducto hepático comum, e da vesícula biliar pelo cístico; estes ductos se confluem, formando

o ducto colédoco, que se abre no duodeno, quase sempre junto com o ducto pancreático.

- Pâncreas

Situa-se posteriormente ao estômago, em posição retroperitoneal, estando fixado à

parede abdominal posterior. No órgão reconhecem-se três partes: cabeça, corpo e cauda. O

pâncreas é uma glândula mista (endócrina e exócrina). A secreção endócrina é a insulina e a

exócrina é o suco pancreático.

120

.

Figura 8.1: Desenho esquemático das partes constituintes do sistema digestivo. Os órgãos anexos não estão representados.

121

Figura 8.2: Duodeno, pâncreas e vias biliares.

122

Figura 8.3: Face visceral do fígado.

Figura 8.4: Face diafragmática do fígado.

123

Figura 8.5: Vias biliares e ducto pancreático - (esquemático).

Figura 8.6: Órgãos retroperitoniais (em reticulado) em corte transversal do abdome, esquema simplificado.

124

Figura 8.7: Esquema geral do comportamento do peritônio.

125

Figura 8.8: Intestino Grosso

126

CAPÍTULO 9

SISTEMA URINÁRIO

O sistema urinário compreende os órgãos responsáveis pela formação da urina, os rins,

os outros, a eles associados, destinados a eliminação da urina: ureteres, bexiga urinária e

uretra.

Órgãos do sistema urinário

- Rim

É um órgão par, abdominal, localizado posteriormente ao paritôneo parietal, o que o

identifica como retroperitoneal. Estão situados a direita e a esquerda da coluna vertebral,

ocupando o direito uma posição inferior em relação ao esuquerdo, devido à presença do

fígado à direita. O rim apresenta duas faces, uma anterior e uma posterior, e duas bordas,

medial e lateral. Suas duas extremidades, superior e inferior, são denominadas pólos e ,

sobre o pólo superior situa-se a glândula supra-renal, pertencente ao sistema endócrino. Os

rins estão envolvidos por uma cápsula fibrosa e, quase sempre, é abundante o tecido

adiposo perirenal constituindo a cápsula adiposa. A borda medial do rim apresenta uma

fissura vertical, o hilo, por onde passam o ureter, artérias e veias renais, linfáticos e nervos.

Estes elementos constituem, em conjunto, o pedículo renal. Dentro do rim o hilo se

expande em uma cavidade central denominada seio renal que aloja a pelve renal, que é a

extremidade dilatada do ureter.

- Corte macroscópico do rim

Em um corte frontal (que divide em metades anterior e posterior), é fácil de reconhecer

ao longo da periferia do órgão uma porção mais pálida, o cortéx renal, que se projeta numa

Segunda porção, mais escura, a medula renal. Estas projeções do cortéx têm a forma de

colunas, as colunas renais, e separam porções cônicas da medula denominadas pirâmides.

As pirâmides têm ápices voltados para a pelve renal, enquanto suas bases olham para a

superfície do órgão. A pelve renal, por sua vez, está dividida em dois ou três tubos curtos e

largos, os cálices renais maiores que se subdividem em um número variável de cálices

127

renais menores. Este oferecem em encaixe, em forma de taça, para receber o ápice das

pirâmides renais, denominado papila renal.

- Ureter

É um tubo muscular que une o rim à bexiga. Partindo da pelve renal, que constitui sua

extremidade dilatada, o ureter, com trajeto descendente (em virtude do seu trajeto, possui

duas partes: abdominal e pélvica), acola-se à parede posterior do abdome e penetra na pelve

par terminar na bexiga, desembocando neste órgão pelo óstio ureteral.

- Bexiga

É uma bolsa situada posteriormente à sínfise púbica e funciona como reservatório da

urina. O fluxo contínuo de urina que chega pelos ureteres é transformado, graças a ela, em

emissão periódica (micção).

No sexo masculino, o reto coloca-se posteriormente a bexiga; no sexo feminino, entre o

reto e a bexiga, situa-se o útero.

- Uretra

Constitui o último segmento das vias urinárias. Ela difere nos dois sexos, mas em

ambos é um tubo mediano que estabelece a comunicação entre a bexiga urinária e o meio

externo. No homem é uma via comum para micção e ejaculação, enquanto na mulher,

serve apenas à secreção da urina.

128

Figura 9.1: Desenho esquemático dos

componentes do sistema urinário.

Figura 9.2: Rim (esquerdo) e glândula supra-renal, vistos anteriormente; rim,

em corte frontal.

129

CAPÍTULO 10

SISTEMA GENITAL MASCULINO

Fazem parte do sistema reprodutor masculino os testículos (órgão produtor de gametas),

as vias condutoras dos gametas (túbulos e dúctulos dos testículs, epidídimo, ducto

deferente, ducto ejaculatório e uretra), o pênis (órgão da cópula), glândulas anexas (

vesículas seminais, próstata e glândulas bulbo-uretrais), as estruturas eréteis (corpos

carvenosos e corpo esponjoso do pênis) e por fim, órgãos genitais externos ( pênis e

escroto).

Testículos

São os órgãos produtores de espermatozóides e de hormônios responsáveis pelo

aparecimento dos caracteres sexuais secundários. São em número de dois, ovóides,

facilmente palpáveis dentro da bolsa escrotal (bolsa que os aloja). O testículo é revestido

por uma membrana fibrosa, a túnica albugínea. Estão localizados externamente a parede da

pelve, onde o esquerdo está em geral em um nível inferior ao direito.

Epidídimo

É uma estrutura em forma de C, situada contra a margem posterior do testículo e

armazena os espermatozóides até o momento da ejaculação. Possui cabeça, corpo e cauda.

Ducto deferente

É a continuação da cauda do epidídimo e conduz os espermatozóides até o ducto

ejaculatório. Como os testículos estão situados externamente a parede da pelve e o ducto

ejaculatório dentro da cavidade pélvica, torna-se necessária a existência de um túnel através

da parede do abdome para permitir a passagem do ducto deferente. A este passagem dá-se o

nome de canal inguinal. Por ele passam também as demais estruturas relacionadas com os

testículos, como artérias, veias, linfáticos e nervos. Essas estruturas mais o canal deferente,

dá-se o nome de funículo espermático.

130

Ducto ejaculatório

É formado pela junção do ducto defernete com o ducto da vesícula seminal. E quase

todo o seu trajeto está situado na próstata e vai desembocar na parte prostática da uretra.

Uretra

É um canal comum para a micção e para a ejaculação, com cerca de 20 cm de

comprimento. Inicia-se no óstio interno da uretra, na bexiga, e atravessa o assoalho da

pelve e o pênis, terminando na extremidade deste órgão pelo óstio externo da uretra. Possui

três partes: parte prostática (atravessa a próstata), parte membranosa (atravessa o assoalho

da pelve) e a parte peniana ou esponjosa ( localizada no corpo esponjoso do pênis). A uretra

possui duas dilatações: fossa navicular, adjacente ao óstio externo da uretra, e fossa bulbar,

adjacente ao bulbo do pênis (dilatação do corpo esponjoso).

Vesículas seminais

Estão situadas na parte póstero-inferior da bexiga, e em sua extremidade inferior

encontra-se o ducto da vesícula seminal, que se junta ao ducto deferente para constituir o

ducto ejaculatório.

A secreção das vesículas seminais faz parte do líquido seminal, e tem papel de ativação

dos espermatozóides e facilita a progressão dos mesmos através de suas vias de passagens.

Próstata

É um órgão pélvico, ímpar, situado inferiormente à bexiga e atravessado em toda a sua

extensão pela uretra. Sua secreção junta-se à das vesículas seminais para constituir o

volume do líquido seminal. A secreção das duas glândulas prostáticas é lançadas

diretamente na porção prostática da uretra através de ductulos prostáticos e conferem odor

característico ao sêmen.

Glândulas bulbo-uretrais

São pequenas e estão situadas nas proximidades da parte membranosa da uretra. Seus

ductos desembocam na uretra esponjosa e sua secreção é mucosa.

131

Pênis

Órgão masculino da cópula, é normalmente flácido, mas quando seus tecidos lacunares

se enchem de sangue, torna-se rígido e com sensível aumento de tamanho, ao que se dá o

nome de ereção.

O pênis é formado por três cilindros de tecido erétil: os corpos cavernosos e o corpo

esponjoso. O corpo esponjoso apresenta duas dilatações, a glande do pênis (anterior) e o

bulbo do pênis (posterior), sendo que este se prende as estruturas do assoalho da pelve. A

glande está recoberta por uma dupla camada de pele, o prepúcio.

Escroto

É uma bola situada atrás do pênis e abaixo da sínfese púbica. É dividido por um septo

em dois compartimentos, cada um contendo um testículo. Propicia uma temperatura

favorável a espermetogênese.

Figura10.1: Ducto deferente e seu trajeto, inclusive sua passagem através do canal inguinal. Corte sagital da pelve, esquemático.

Figura10.2: Ducto deferente, vesícula seminal, ducto ejaculador, próstata e bexiga, vistos posteriormente.

132

Figura 10.4: Testículo, em corte sagital, esquemático.

Figura 10.5: Corpos cavernosos e corpo esponjoso.Uma parte deste e a glande foram separados dos corpos cavernosos.

Figura 10.3: Testículo e epidídimo

Figura 10.6: Corpo do pênis, em corte trasversal.

133

CAPÍTULO 11

SISTEMA GENITAL FEMININO

Fazem parte do sistema reprodutor feminino os ovários (produzem os óvulos), as tubas

uterinas (vias condutoras dos gametas), o útero (órgão que abriga o novo ser), a vagina

(órgão da cópula), as estruturas eréteis (clitóris e bulbo do vestíbulo), glândulas anexas (

glândulas vestibulares maiores e menores) e órgão genitais externos (monte púbico, lábios

maiores, lábios menores, clitóris, bulbo do vestíbulo e glândulas vestibulares).

Comportamento do peritônio na cavidade pélvica

Os ovários, as tubas e o útero estão situados na cavidade pélvica entre a bexiga (que é

anterior a eles) e o reto (posterior a eles). O peritônio, após recobrir a bexiga, reflete-se do

assoalho e paredes laterais da pelve sobre o útero, formando uma ampla prega transversal

denominada ligamento largo do útero. Após recobrir quase todo o útero, o peritônio reflete-

se sobre o reto. O ligamento largo divide a cavidade pélvica em compartimento anterior e

outro posterior. A anterior é a escavação vésico-uterina (entre a bexiga e o útero) e a

posterior é a escavação reto-uterina (entre o reto e o útero). Já os ovários estão fixados pelo

ligamento mesovário à face posterior do ligamento largo do útero, mas não são revestidos

pelo peritônio. O ligamento largo do útero e o ligamento redondo do útero são os principais

meios de fixação do útero.

Ovários

Produzem os gametas femininos ao final da puberdade. Além disso produzem também

hormônios, os quais controlam o desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários e

atuam sobre o útero nos mecanismos de implantação do óvulo fecundado e início do

desenvolvimento do embrião. Os ovários estão fixados pelo ligamento mesovário à face

posterior do ligamento largo do útero, mas não são revestidos pelo peritônio.

Tubas uterinas

Transportam os óvulos que romperam a superfície do ovário para a cavidade do útero.

Por elas passam, em direção oposta, os espermatozóides, e a fecundação ocorre

habitualmente dentro da tuba. A tuba está incluída na borda superior do ligamento largo do

134

útero, é um tubo de luz estreita cuja extremidade medial (óstio uterino da tuba) se comunica

com a cavidade uterina e cuja extremidade lateral (óstio abdominal da tuba) se comunica

com a cavidade peritonial. É subdividida em quatro partes, que indo do útero para o ovário,

são: uterina (na parede do útero), istmo, ampola e infundíbulo.

Útero

É o órgão que aloja o embrião e no qual este se desenvolve até o nascimento. Envolvido

pelo ligamento largo, nele se distinguem quatro partes: fundo, corpo, istmo e cérvix (ou

colo). O corpo comunica-se da cada lado com as tubas uterinas. O útero apresenta três

camadas: endométrio (mais interna), miométrio (média) e perimétrio (a mais externa,

representada pelo peritônio).

Vagina

É o órgão de cópula feminino. A vagina é um tubo que comunica-se superiormente com

a tuba uterina (através do óstio do útero), e inferiormente abre-se no vestíbulo da vagina

(através do óstio da vagina). Nas virgens, o óstio da vagina é parcialmente fechado pelo

hímen, uma membrana de tecido conjuntivo forrada por mucosa interna e externamente. A

cavidade uterina e a vagina constituiem no conjunto o canal do parto, no qual o feto passa

no momento do nascimento.

Órgãos genitais externos

Denominado de pudendo ou vulva.

- Monte púbico: elevação mediana, anterior a sínfise púbica e constituída

principalmente de tecido adiposo. Apresenta pêlos espessos após a puberdade.

- Lábios maiores: são duas pregas cutâneas, alongadas, que delimitam entre si uma

fenda, a rima do pudendo.

- Lábios menores: são duas pregas cutâneas, localizadas medialmente aos lábios

maiores. O espaço entre os lábios menores é o vestíbulo da vagina, onde se

apresenta o óstio externo da uretra, o óstio da vagina e os orifícios dos ductos das

glândulas vestibulares.

135

- Estruturas eréteis: o clitóris é homólogo do pênis, ou mais exatamente do corpo

carvenoso. Possui uma porção dilatada, a glande do clitóris, que é visível no local

onde se fundem anteriormente os lábios menores. O bulbo do vestíbulo é formado

por duas massas pares de tecido erétil, sendo homólogos rudimentares do bulbo do

pênis e porção adjacente do corpo esponjoso.

- Glândulas vestibulares maiores: são em número de duas, situadas profundamente e

nas extremidades do vestíbulo da vagina, onde se abrem seus ductos, que secretam

muco. As glândulas vestibulares menores têm seus minúsculos ductos se abrindo no

vestíbulo, entre os óstios da uretra e da vagina.

136

Figura 11.1: Órgãos do sistema genital feminino, em corte sagital mediano.

137

Figura 11.2: órgãos genitais femininos internos, vistos posteriormente. Do lado direito foi retirado o lig. Largo e feito um core frontal para mostrar a luz da tuba e do útero.

Figura 11.3: Comportamento do peritônio na cavidade pélvica feminina. Observar a posição e relações do ligamento largo do útero. Corte transversal, esquemático.

138

Figura 11.4: Órgãos genitais femininos externos (vulva ou pudendo).

139

CAPÍTULO 12

SISTEMA AUDITIVO

O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido),

também chamada órgão vestíbulo-coclear ou estato-acústico.

A maior parte da orelha fica no osso temporal, que se localiza na caixa craniana.

Além da função de ouvir, o ouvido também e responsável pelo equilíbrio.

A orelha está dividida em três partes: orelhas externa, média e interna (antigamente

denominadas ouvido externo, ouvido médio e ouvido interno).

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 38 pages
baixar o documento