Sistema integrado abc eva, Slides de Contabilidade de Custos. Universidade Jean Piaget de Cabo Verde
ludmila_andrade
ludmila_andrade29 de Julho de 2015

Sistema integrado abc eva, Slides de Contabilidade de Custos. Universidade Jean Piaget de Cabo Verde

PPT (1 MB)
33 páginas
858Número de visitas
Descrição
Este trabalho teve como objectivo a implementa
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 33
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 33 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 33 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 33 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 33 pages
baixar o documento
Slide 1

Complemento de Licenciatura em Contabilidade e Administração

Ramo: Administração e Controlo Financeiro

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Estrutura da Apresentação

 Introdução

 Enquadramento Teórico

 Metodologia e Modelo Adoptados

 Estudo de Caso

 Conclusões e Recomendações

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade

Introdução Justificação do Tema  Importância de ter um sistema de custeio adequado;  É uma forma de divulgar os sistemas de informação modernos,

de apoio à gestão;  Actualidade do tema.

Problema de Pesquisa  Porque é que a aplicação integrada do sistema ABC-EVA poderá

contribuir para a melhoria da qualidade da informação produzida numa empresa?

 Como é que essa mesma aplicação integrada poderá conduzir a melhoria das decisões tomadas a nível de gestão?

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 1

Introdução (Continuação)

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 2

Objectivos  Implementar o sistema de custeio ABC integrado ao indicador do

desempenho EVA numa empresa:  Apresentar os principais conceitos relacionados com os temas ABC, EVA e

ABC-EVA;

 Desenvolver uma metodologia de implementação do sistema ABC-EVA na empresa objecto de estudo;

 Comparar os valores resultantes da aplicação integrada do sistema ABC-EVA com os valores obtidos da aplicação isolada do ABC;

 Descrever como é que a informação proporcionada pelo sistema integrado ABC-EVA poderá ajudar no processo de tomada de decisão.

Enquadramento Teórico O Sistema Activity Based Costing (ABC)

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 3

Imputação das Actividades aos Objectos de CusteioImputação dos Recursos às Actividades

Cost Driver de Actividades

Recursos Ex.: Matéria-Prima, Mão-de- Obra Indirectas, etc.

Actividades Ex.: processamento de ordens de compra, produzir, setup, etc.

Objectos de Custeio

Ex.: Actividade, produtos, clientes, etc.

Cost Driver de Recursos

Fonte: Adaptado de Franco et al. (2010, p. 299)

É a resposta à ineficiência dos sistemas de custeio tradicionais na imputação dos custos indirectos.

Permite obter custos mais correctos. Não obstante, não considera o Custo de Oportunidade do Capital

(COC).

Enquadramento Teórico (Continuação) O Indicador Economic Value Added (EVA)  A metodologia do EVA assenta no princípio de que uma empresa

só cria valor quando os rendimentos obtidos, para além de cobrirem todos os custos inerentes ao negócio e reflectidos nas demonstrações financeiras (custos explícitos), são suficientes para cobrirem o custo total do capital investido (custos implícitos) (Mota & Custódio, 2012).

De acordo com Mota & Custódio (2012), EVA=NOPAT–IC*WACC então:

• EVA > 0 Criação de Valor • EVA < 0 Destruição de Valor • EVA = 0 Retorno mínimo esperado sem Criação de Valor

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 5

Custo de Oportunidade do Capital (COC)

Enquadramento Teórico (Continuação) O Sistema Integrado ABC-EVA

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 7

Custos Operacionais

Custos de Capital

Actividades

Objectos de Custeio

Consome

São atribuídos

Fonte: Adaptado de Kaplan e Atkinson (1998) apud Huynh et al. (2013)

Vantagens: Proporciona informação completa;

Permite avaliar projectos de gestão c/ elevados custos indirectos;

É consistente c/ o objectivo de criar valor;

Permite identificar factores causadores de valor (value drivers);

Consciencializa para a gestão mais eficiente do capital;

É favorável à empresas c/ investimentos em capital diversificados.

Características Gerais da Investigação Quanto à natureza - Investigação Aplicada  Quanto à abordagem – Investigação Qualitativa  Quanto aos procedimentos – Pesquisa Bibliográfica e Estudo de

Caso (experimental)

Fases para a Elaboração do Estudo de Caso 1ª Fase - Preparação para a Recolha da Evidência 2ª Fase - Recolha de Evidência 3ª Fase - Avaliação da Evidência 4ª Fase - Identificação e Explicação de Padrões 5ª Fase - Redacção da Monografia

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 8

Metodologia Adoptada

Modelo Adoptado  Modelo de integração do sistema ABC ao EVA desenvolvido por

Roztocki e Needy (1999c).  Modelo de implementação do sistema ABC numa PME

desenvolvido por Roztocki et al. (2004).

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 9

Breve Caracterização da Empresa Designação: Alfa, SA  Objecto Social: “a cultura, produção e importação de tabacos e

seus derivados podendo dedicar-se a qualquer outra actividade, directa ou indirectamente relacionada com o seu objecto social”.

Esquema de Produção

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 10

Estudo de Caso

FCF – Falcões com filtro FSF – Falcões sem filtro PG – Porto Grande SGG – SG Gigante MRR – Marlboro Red MRL – Marlboro Lights C&C – Charutos & Cigarrilhas

Marcas Próprias

Marcas comercializadas sob a licença da Philip Morris

Estudo de Caso (continuação) Concepção do Modelo de Implementação Imputação dos Custos Operacionais às Actividades 1º Passo - Identificação dos Recursos Matriz Recursos

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 11

Estudo de Caso (continuação)

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade

Concepção do Modelo de Implementação Imputação dos Custos Operacionais às Actividades 2º Passo – Identificação das Actividades

12

Concepção do Modelo de Implementação Imputação dos Custos Operacionais às Actividades 3º Passo – Estabelecer a Relação entre os Recursos e as Actividades Matriz Recurso-Actividade

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 13

Estudo de Caso (continuação)

Concepção do Modelo de Implementação Imputação dos Custos Operacionais às Actividades Definição dos Cost Drivers de Recursos

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade

Estudo de Caso (continuação)

14

Estudo de Caso (continuação) 4º Passo – Substituição dos Símbolos (✓) pelas Cost Driver Rates

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 15

Estudo de Caso (continuação) Concepção do Modelo de Implementação Imputação dos Custos Operacionais às Actividades 5º Passo - Cálculo dos Custos Operacionais por Actividade

Matriz Recurso Matriz Recurso-Actividade Matriz Actividade

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 16

+ Custos c/ Taxa Ecológica em 2012 + Custos c/ Estampilhas Fiscais

- Custos de Inactividade

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade

Estudo de Caso (continuação) Concepção do Modelo de Implementação Imputação dos Custos de Capital às Actividades 1º Passo - Cálculo do Invested Capital

17

Necessidades Cíclicas

Recursos Cíclicos

NFM

AFEL

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 18

Estudo de Caso (continuação) Concepção do Modelo de Implementação Imputação dos Custos de Capital às Actividades 2º Passo - Determinação do WACC

 Taxa de juro dos depósitos à prazo e BT (4%)  Comparação com empresas do mesmo sector (β)  Comparação com países emergentes (Rm-Rf)

Site DAMODARAN Online

Site do Banco de Cabo Verde (BCV)

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 19

Estudo de Caso (continuação) Concepção do Modelo de Implementação Imputação dos Custos de Capital às Actividades Invested Capital * WACC = Custo de Capital

Estudo de Caso (continuação) Concepção do Modelo de Implementação Imputação dos Custos de Capital às Actividades 3º Passo - Estabelecer a Relação as Categorias de Capital e as

Actividades Matriz Actividade-Capital

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 20

Estudo de Caso (continuação) Concepção do Modelo de Implementação Imputação dos Custos de Capital às Actividades Definição dos Cost Drivers de Capital

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 21

Estudo de Caso (continuação) 4º Passo – Substituição dos Símbolos ( ) ✓ pelas Cost Driver Rates

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 22

Estudo de Caso (continuação) Concepção do Modelo de Implementação Imputação dos Custos de Capital às Actividades 5º Passo - Cálculo do Custo de Capital por Actividade

Matriz Capital Matriz Actividade-Capital Matriz Actividade’

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 23

+ Custos c/ Taxa Ecológica em 2012 + Custos c/ Estampilhas Fiscais + Custos c/ Inventários Finais

Estudo de Caso (continuação) Concepção do Modelo de Implementação

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 24

Matriz Actividade Custos Operacionais Matriz Actividade’ Custos de Capital

Custo das Actividades pelo Sistema Integrado ABC-EVA

Estudo de Caso (continuação) Concepção do Modelo de Implementação Imputação do Custo das Actividades aos Produtos 1º Passo – Estabelecer a Relação entre as Actividades e os Produtos Matriz Actividade-Produto

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Ludmila Cristina Veríssimo Andrade 25

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 33 pages
baixar o documento