T3 - solar fotovoltaica e térmica, Notas de estudo de Engenharia Civil
marcellus-prado-6
marcellus-prado-6

T3 - solar fotovoltaica e térmica, Notas de estudo de Engenharia Civil

14 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
Descrição
SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA
80 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 14
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 14 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 14 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 14 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 14 páginas

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ CCET – Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Curso Engenharia Civil e Ambiental Disciplina: Fontes de Energia

Professor: Grijalba José Mendes Carneiro Filho

Francisco Marcellus Rodrigues Frota Prado

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA

SOBRAL – 2010

Francisco Marcellus Rodrigues Frota Prado

PAGE \* MERGEFORMAT 8

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA

SOBRAL – 2010 SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO.................................................................................................

03

2 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA...............................................................04

2.1 BREVE HISTÓRICO........................................................................................

04

2.2 EFEITO FOTOVOLTAICO...............................................................................05

PAGE \* MERGEFORMAT 8

2.3 TIPOS DE CÉLULAS FOTOVOLTAICAS........................................................06

2.3.1 Silício Monocristalino.......................................................................................06

2.3.2 Silício Policristalino..........................................................................................06

2.3.3 Silício Amorfo...................................................................................................

07

2.4 COMPONENTES DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO..................................07

2.4.1 Sistemas Isolados............................................................................................

08

2.4.2 Silício Amorfo...................................................................................................

08

2.4.3 Sistemas Interligados à Rede..........................................................................

08

3 ENERGIA SOLAR TÉRMICA..........................................................................09

3.1 APROVEITAMENTOS TÉRMICOS.................................................................09

3.1.1 Coletor Solar....................................................................................................10

3.1.2 Concentrador solar..........................................................................................10

4 VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ENERGIA SOLAR............................11

5 CONCLUSÃO..................................................................................................12

6 BIBLIOGRAFIA......................................................................................... .......13

1 - INTRODUÇÃO

Quase todas as fontes de energia – hidráulica, biomassa, eólica,

combustíveis fósseis e energia dos oceanos – são formas indiretas de energia solar.

Além disso, a radiação solar pode ser utilizada diretamente como fonte de energia

PAGE \* MERGEFORMAT 8

térmica, para aquecimento de fluidos e ambientes e para geração de potência

mecânica ou elétrica. Pode ainda ser convertida diretamente em energia elétrica, por

meio de efeitos sobre determinados materiais, entre os quais se destacam o

termoelétrico e o fotovoltaico.

O aproveitamento da iluminação natural e do calor para aquecimento

de ambientes, denominado aquecimento solar passivo, decorre da penetração ou

absorção da radiação solar nas edificações, reduzindo-se, com isso, as

necessidades de iluminação e aquecimento. Assim, um melhor aproveitamento da

radiação solar pode ser feito com o auxílio de técnicas mais sofisticadas de

arquitetura e construção.

O aproveitamento térmico para aquecimento de fluidos é feito com o

uso de coletores ou concentradores solares. Os coletores solares são mais usados

em aplicações residenciais e comerciais para o aquecimento de água. Os

concentradores solares destinam-se a aplicações que requerem temperaturas mais

elevadas, como a secagem de grãos e a produção de vapor. Neste último caso,

pode-se gerar energia mecânica com o auxílio de uma turbina a vapor, e,

posteriormente, eletricidade, por meio de um gerador.

A conversão direta da energia solar em energia elétrica ocorre pelos

efeitos da radiação (calor e luz) sobre determinados materiais, particularmente os

semicondutores. Entre esses, destacam-se os efeitos termoelétrico e fotovoltaico. O

primeiro caracteriza-se pelo surgimento de uma diferença de potencial, provocada

pela junção de dois metais, em condições específicas. No segundo, os fótons

contidos na luz solar são convertidos em energia elétrica, por células solares.

Entre os vários processos de aproveitamento da energia solar, os mais

usados atualmente são o aquecimento de água e a geração fotovoltaica de energia

elétrica. No Brasil, o primeiro é mais encontrado nas regiões Sul e Sudeste, devido

a características climáticas, e o segundo, nas regiões Norte e Nordeste, em

comunidades isoladas da rede de energia elétrica.

2 – ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

2.1 – BREVE HISTÓRICO

PAGE \* MERGEFORMAT 8

A conversão de energia solar em energia elétrica foi verificada pela

primeira vez por Edmond Becquerel, em 1839 onde constatou uma diferença de

potencial nos extremos de uma estrutura de material semicondutor quando exposto

a luz. Em 1876 foi montado o primeiro aparato fotovoltaico resultado de estudos das

estruturas no estado sólido, e apenas em 1956 iniciou-se a produção industrial

seguindo o desenvolvimento da microeletrônica.

Neste ano a utilização de fotocélulas foi de papel decisivo para os

programas espaciais. Com este impulso, houve um avanço significativo na

tecnologia fotovoltaica onde aprimorou-se o processo de fabricação, a eficiência das

células e seu peso. Com a crise mundial de energia de 1973/74, a preocupação em

estudar novas formas de produção de energia fez com a utilização de células

fotovoltaicas não se restringisse somente para programas espaciais, mas que fosse

intensamente estudados e utilizados no meio terrestre para suprir o fornecimento de

energia.

Um dos fatores que impossibilitava a utilização da energia solar

fotovoltaica em larga escala era o alto custo das células fotovoltaicas. As primeiras

células foram produzidas com o custo de US$600/W para o programa espacial. Com

a ampliação dos mercados e várias empresas voltadas para a produção de células

fotovoltaicas, o preço tem reduzido ao longo dos anos podendo ser encontrado hoje,

para grandes escalas, o custo médio de US$ 8,00/W.

Atualmente, os sistemas fotovoltaicos vêm sendo utilizados em

instalações remotas possibilitando vários projetos sociais, agropastoris, de irrigação

e comunicações. As facilidades de um sistema fotovoltaico tais como: modularidade,

baixos custos de manutenção e vida útil longa, fazem com que sejam de grande

importância para instalações em lugares desprovidos da rede elétrica.

2.2 – EFEITO FOTOVOLTAICO

O efeito fotovoltaico dá-se em materiais da natureza denominados

semicondutores que se caracterizam pela presença de bandas de energia onde é

permitida a presença de elétrons (banda de valência) e de outra onde totalmente

“vazia” (banda de condução).

PAGE \* MERGEFORMAT 8

O semicondutor mais usado é o silício. Seus átomos se caracterizam

por possuírem quatro elétrons que se ligam aos vizinhos, formando uma rede

cristalina. Ao adicionarem-se átomos com cinco elétrons de ligação, como o fósforo,

por exemplo, haverá um elétron em excesso que não poderá ser emparelhado e que

ficará "sobrando", fracamente ligado a seu átomo de origem. Isto faz com que, com

pouca energia térmica, este elétron se livre, indo para a banda de condução. Diz-se

assim, que o fósforo é um dopante doador de elétrons e denomina-se dopante n ou

impureza n.

Se, por outro lado, introduzem-se átomos com apenas três elétrons de

ligação, como é o caso do boro, haverá uma falta de um elétron para satisfazer as

ligações com os átomos de silício da rede. Esta falta de elétron é denominada

buraco ou lacuna e ocorre que, com pouca energia térmica, um elétron de um sítio

vizinho pode passar a esta posição, fazendo com que o buraco se desloque.

Se, partindo de um silício puro, forem introduzidos átomos de boro em

uma metade e de fósforo na outra, será formado o que se chama junção pn. O que

ocorre nesta junção é que elétrons livres do lado n passam ao lado p onde

encontram os buracos que os capturam; isto faz com que haja um acúmulo de

elétrons no lado p, tornando-o negativamente carregado e uma redução de elétrons

do lado n, que o torna eletricamente positivo. Estas cargas aprisionadas dão origem

a um campo elétrico permanente que dificulta a passagem de mais elétrons do lado

n para o lado p; este processo alcança um equilíbrio quando o campo elétrico forma

uma barreira capaz de barrar os elétrons livres remanescentes no lado n.

Se uma junção pn for exposta a fótons com energia maior que o gap,

ocorrerá a geração de pares elétron-lacuna; se isto acontecer na região onde o

campo elétrico é diferente de zero, as cargas serão aceleradas, gerando assim, uma

corrente através da junção; este deslocamento de cargas dá origem a uma diferença

de potencial ao qual chamamos de Efeito Fotovoltaico. Se as duas extremidades do

"pedaço" de silício forem conectadas por um fio, haverá uma circulação de elétrons.

Esta é a base do funcionamento das células fotovoltaicas.

2.3 – TIPOS DE CÉLULAS FOTOVOLTAICAS

PAGE \* MERGEFORMAT 8

As células fotovoltaicas são fabricadas, na sua grande maioria, usando

o silício (Si) e podendo ser constituída de cristais monocristalinos, policristalinos ou

de silício amorfo.

2.3.1 – Silício Monocristalino

As células de silícios monocristalino são historicamente as mais usadas

e comercializadas como conversor direto de energia solar em eletricidade e a

tecnologia para sua fabricação é um processo básico muito bem constituído.

Dentre as células fotovoltaicas que utilizam o silício como material

base, as monocristalinas são, em geral, as que apresentam as maiores eficiências.

As fotocélulas comerciais obtidas com o processo descrito atingem uma eficiência de

até 15% podendo chegar em 18% em células feitas em laboratórios.

2.3.2 – Silício Policristalino

As células de silício policristalino são mais baratas que as de silício

monocristalino por exigirem um processo de preparação das células menos rigoroso.

A eficiência, no entanto, cai um pouco em comparação as células de silício

monocristalino.

Basicamente, as técnicas de fabricação de células policristalinas são as

mesmas na fabricação das células monocristalinas, porém com menores rigores de

controle. Ao longo dos anos, o processo de fabricação tem alcançado eficiência

máxima de 12,5% em escalas industriais.

2.3.3 – Silício Amorfo

Uma célula de silício amorfo difere das demais estruturas cristalinas por

apresentar alto grau de desordem na estrutura dos átomos. A utilização de silício

amorfo para uso em fotocélulas tem mostrado grandes vantagens tanto nas

PAGE \* MERGEFORMAT 8

propriedades elétricas quanto no processo de fabricação. Por apresentar uma

absorção da radiação solar na faixa do visível e podendo ser fabricado mediante

deposição de diversos tipos de substratos, o silício amorfo vem se mostrando uma

forte tecnologia para sistemas fotovoltaicos de baixo custo. Mesmo apresentando um

custo reduzido na produção, o uso de silício amorfo apresenta duas desvantagens:

a primeira é a baixa eficiência de conversão comparada às células mono e

policristalinas de silício; em segundo, as células são afetadas por um processo de

degradação logo nos primeiros meses de operação, reduzindo assim a eficiência ao

longo da vida útil.

Por outro lado, o silício amorfo apresenta vantagens que compensam

as deficiências acima citados, são elas:

• processo de fabricação relativamente simples e barato;

• possibilidade de fabricação de células com grandes áreas;

• baixo consumo de energia na produção.

2.4 - COMPONENTES DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO

Um sistema fotovoltaico pode ser classificado em três categorias

distintas: sistemas isolados, híbridos e conectados a rede. Os sistemas obedecem a

uma configuração básica onde o sistema deverá ter uma unidade de controle de

potência e também uma unidade de armazenamento.

2.4.1 – Sistemas Isolados

Sistemas isolados, em geral, utilizam-se alguma forma de

armazenamento de energia. Este armazenamento pode ser feito através de baterias,

quando se deseja utilizar aparelhos elétricos ou armazena-se na forma de energia

gravitacional quando se bombeia água para tanques em sistemas de abastecimento.

Alguns sistemas isolados não necessitam de armazenamento, o que é o caso da

irrigação onde toda a água bombeada é diretamente consumida ou estocadas em

reservatórios.

PAGE \* MERGEFORMAT 8

2.4.2 – Sistemas Híbridos

Sistemas híbridos são aqueles que, desconectado da rede

convencional, apresenta várias fontes de geração de energia como, por exemplo:

turbinas eólicas, geração diesel, módulos fotovoltaicos entre outras. A utilização de

várias formas de geração de energia elétrica torna-se complexo na necessidade de

otimização do uso das energias. É necessário um controle de todas as fontes para

que haja máxima eficiência na entrega da energia para o usuário.

Em geral, os sistemas híbridos são empregados para sistemas de

médio a grande porte vindo a atender um número maior de usuários. Por trabalhar

com cargas de corrente contínua, o sistema híbrido também apresenta um inversor.

2.4.3 – Sistemas Interligados à Rede

Estes sistemas utilizam grandes números de painéis fotovoltaicos, e

não utilizam armazenamento de energia, pois toda a geração é entregue diretamente

na rede. Este sistema representa uma fonte complementar ao sistema elétrico de

grande porte ao qual esta conectada. Todo o arranjo é conectado em inversores e

logo em seguida guiado diretamente na rede. Estes inversores devem satisfazer as

exigências de qualidade e segurança para que a rede não seja afetada.

3 – ENERGIA SOLAR TÉRMICA

Nesse caso, estamos interessados na quantidade de energia que um

determinado corpo é capaz de absorver, sob a forma de calor, a partir da radiação

solar incidente no mesmo. A utilização dessa forma de energia implica saber captá-la

e armazená-la. Os equipamentos mais difundidos com o objetivo específico de se

utilizar a energia solar fototérmica são conhecidos como coletores solares.

Os coletores solares são aquecedores de fluidos (líquidos ou gasosos)

e são classificados em coletores concentradores e coletores planos em função da

existência ou não de dispositivos de concentração da radiação solar. O fluido

PAGE \* MERGEFORMAT 8

aquecido é mantido em reservatórios termicamente isolados até o seu uso final

(água aquecida para banho, ar quente para secagem de grãos, gases para

acionamento de turbinas, etc.).

Os coletores solares planos são, hoje, largamente utilizados para

aquecimento de água em residências, hospitais, hotéis, etc. devido ao conforto

proporcionado e a redução do consumo de energia elétrica.

3.1 - APROVEITAMENTOS TÉRMICOS

Os aproveitamentos térmicos se dão por forma de coletores solares e

concentradores solares.

3.1.1 – Coletor Solar

A radiação solar pode ser absorvida por coletores solares, principalmente para aquecimento de água, a temperaturas relativamente baixas (inferiores a 100ºC). O uso dessa tecnologia ocorre predominantemente no setor residencial, mas há demanda significativa e aplicações em outros setores, como edifícios públicos e comerciais, hospitais, restaurantes, hotéis e similares. Esse sistema de aproveitamento térmico da energia solar, também denominado aquecimento solar ativo, envolve o uso de um coletor solar discreto. O coletor é instalado normalmente no teto das residências e edificações. Devido à baixa densidade da energia solar que incide sobre a superfície terrestre, o atendimento de uma única residência pode requerer a instalação de vários metros quadrados de coletores. Para o suprimento de água quente de uma residência típica (três ou quatro moradores), são necessários cerca de 4m² de coletor. Um exemplo de coletor solar plano é apresentado na figura ao lado.

3.1.2 – Concentrador solar

PAGE \* MERGEFORMAT 8

O aproveitamento da energia solar aplicado a sistemas que requerem

temperaturas mais elevadas ocorre por meio de concentradores solares, cuja

finalidade é captar a energia solar incidente numa área relativamente grande e

concentrá-la numa área muito menor, de modo que a temperatura desta última

aumente substancialmente. A superfície refletora (espelho) dos concentradores tem

forma parabólica ou esférica, de modo que os raios solares que nela incidem sejam

refletidos para uma superfície bem menor, denominada foco, onde se localiza o

material a ser aquecido. Os sistemas parabólicos de alta concentração atingem

temperaturas bastante elevadas e índices de eficiência que variam de 14% a 22% de

aproveitamento da energia solar incidente, podendo ser utilizada para a geração de

vapor e, conseqüentemente, de energia elétrica. Contudo, a necessidade de

focalizar a luz solar sobre uma pequena área exige algum dispositivo de orientação,

acarretando custos adicionais ao sistema, os quais tendem a ser minimizados em

sistemas de grande porte. Entre meados e final dos anos 1980, foram instalados

nove sistemas parabólicos no sul da Califórnia, EUA, com tamanhos que variam

entre 14 MW e 80 MW, totalizando 354 MW de potência instalada (Figura 3.6). Trata-

se de sistemas híbridos, que operam com auxílio de gás natural, de modo a atender

a demanda em horários de baixa incidência solar. Os custos da eletricidade gerada

têm variado entre US$ 90 e US$ 280 por megaWatthora. Recentes melhoramentos

têm sido feitos, visando a reduzir custos e aumentar a eficiência de conversão. Em

lugar de pesados espelhos de vidro, têm-se empregado folhas circulares de filme

plástico aluminizado (NREL, 2000).

4 – VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ENERGIA SOLAR

Vantagens

- A energia solar não polui durante seu uso. A poluição decorrente da

fabricação dos equipamentos necessários para a construção dos painéis solares é

totalmente controlável utilizando as formas de controles existentes atualmente;

- As centrais necessitam de manutenção mínima;

PAGE \* MERGEFORMAT 8

- Os painéis solares são a cada dia mais potentes ao mesmo tempo em

que seu custo vem decaindo. Isso torna cada vez mais a energia solar uma solução

economicamente viável;

- A energia solar é excelente em lugares remotos ou de difícil acesso,

pois sua instalação em pequena escala não obriga a enormes investimentos em

linhas de transmissão;

- Em países tropicais, como o Brasil, a utilização da energia solar é

viável em praticamente todo o território, e, em locais longe dos centros de produção

energética, sua utilização ajuda a diminuir a demanda energética nestes e

consequentemente a perda de energia que ocorreria na transmissão.

Desvantagens

- Um painel solar consome uma quantidade enorme de energia para

ser fabricado. A energia para a fabricação de um painel solar pode ser maior do que

a energia gerada por ele;

- Os preços são muito elevados em relação aos outros meios de

energia;

- Existe variação nas quantidades produzidas de acordo com a situação

atmosférica (chuvas, neve), além de que durante a noite não existe produção

alguma, o que obriga a que existam meios de armazenamento da energia produzida

durante o dia em locais onde os painéis solares não estejam ligados à rede de

transmissão de energia;

- Locais em latitudes médias e altas (Ex: Finlândia, Islândia, Nova

Zelândia e Sul da Argentina e Chile) sofrem quedas bruscas de produção durante os

meses de inverno devido à menor disponibilidade diária de energia solar. Locais com

frequente cobertura de nuvens (Curitiba, Londres), tendem a ter variações diárias de

produção de acordo com o grau de nebulosidade;

- As formas de armazenamento da energia solar são pouco eficientes

quando comparadas, por exemplo, aos combustíveis fósseis (carvão, petróleo e

gás), a energia hidroelétrica (água) e a biomassa (bagaço da cana ou bagaço da

laranja).

5 – CONCLUSÃO

PAGE \* MERGEFORMAT 8

A Terra recebe do Sol energia suficiente para o atual consumo mundial

de eletricidade.

A energia solar termoelétrica é a quantidade de energia que um

determinado corpo é capaz de absorver, sob a forma de calor, a partir da radiação

solar incidente no mesmo. A utilização dessa forma de energia implica saber captá-la

e armazená-la. Os equipamentos mais difundidos com o objetivo específico de se

utilizar a energia solar fototérmica são conhecidos como coletores solares.

Já energia solar fotovoltaica é a energia obtida através da conversão

direta da luz em eletricidade (Efeito Fotovoltaico). O efeito fotovoltaico é o

aparecimento de uma diferença de potencial nos extremos de uma estrutura de

material semicondutor, produzida pela absorção da luz. A célula fotovoltaica é a

unidade fundamental do processo de conversão, que transformam a luz solar em

energia elétrica, é uma das tecnologias disponíveis que permitem gerar eletricidade

de forma limpa, com baixos custos operacionais, facilidade e rapidez de instalação,

entre muitas outras vantagens.

Em função da sua localização geográfica o Brasil é privilegiado por ter

uma insolação média superior à das nações industrializadas. O suprimento

energético a comunidades rurais isoladas e a áreas remotas ainda é um constante

desafio, principalmente nos países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento,

devido às enormes disparidades econômicas e sociais.

6 – BIBLIOGRAFIA

AGÊNCIA Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. Energia_Solar.

Disponível em <http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/atlas/pdf/03-

Energia_Solar(3).pdf> Acesso em 20 de mar 2010.

CENTRO de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo

Brito. Tutorial Solar.

Disponível em <http://www.cresesb.cepel.br/tutorial/tutorial_solar.pdf> Acesso em 20

de mar 2010.

DINGENEN, William Van. Energy. Disponível em <http://ec.europa.eu/

agriculture/rur/leader2/rural-pt/biblio/energy/energy.pdf> Acesso em 20 de mar 2010.

NOGUEIRA JR, Milton P. Disponível em

PAGE \* MERGEFORMAT 8

<http://www.aondevamos.eng.br/textos/texto02.htm> Acesso em 20 de mar 2010.

RIBAS, Roberto V. Energia Renovável. Disponível em <http://

www.dfn.if.usp.br/~ribas/download/Energia%20Renov%C3%A1vel.pdf> Acesso em

20 de mar 2010.

PAGE \* MERGEFORMAT 8

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 14 páginas