Teclado apostila completa
dionas_arrom
dionas_arrom17 de Fevereiro de 2016

Teclado apostila completa

PDF (2 MB)
107 páginas
372Número de visitas
Descrição
Apostila pra iniciar aulas de teclado musical, piano ou orgão .
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 107
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 107 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 107 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 107 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 107 pages
baixar o documento
Teclado - Apostila completa

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 1

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 2

Índice

ÍNDICE ..........................................................................................................................................................................2

HISTÓRIA DO TECLADO E SINTETIZADOR ......................................................................................................3

INICIAÇÃO AO TECLADO .......................................................................................................................................7

ACORDES E SUA SIMBOLOGIA ...........................................................................................................................15

INTERVALOS.............................................................................................................................................................16

PARTITURA, FIGURAS OU VALORES ................................................................................................................18

DURAÇÃO ..................................................................................................................................................................23

NOTAS DE MEIO TEMPO .......................................................................................................................................26

LIGADURA .................................................................................................................................................................27

PONTO DE AUMENTO E DIMINUIÇÃO ..............................................................................................................28

SISTEMA DE NOTAÇÃO UNIVERSAL.................................................................................................................30

COMPASSOS ..............................................................................................................................................................32

ANDAMENTO MUSICAL.........................................................................................................................................36

ESTUDOS DAS ESCALAS ........................................................................................................................................36

FORMAÇÃO DE ACORDES NO TECLADO ........................................................................................................39

TOCANDO COM AS DUAS MÃOS.........................................................................................................................43

ACORDES MAIORES E MENORES.......................................................................................................................46

ACORDES COM BAIXO EM OUTRA NOTA........................................................................................................52

A IMPORTÂNCIA DO ENCORE NO TECLADO .................................................................................................54

FUNÇÕES DO TECLADO ........................................................................................................................................56

EQUIPAMENTOS PARA TRABALHAR COM O TECLADO ............................................................................58

DICAS FUNDAMENTAIS PARA SEU APRENDIZADO......................................................................................59

TABELAS DOS ACORDES MAIS USADOS ..........................................................................................................62

LIGANDO SEU TECLADO NO COMPUTADOR .................................................................................................66

10 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O TECLADO ......................................................................................67USANDO SUA TÉCNICA NO TECLADO ..............................................................................................................69

MÉTODO RÁPIDO E FÁCIL PARA SAIR TOCANDO .......................................................................................71

MÚSICAS CIFRADAS PARA TECLADO ..............................................................................................................73

CONCLUSÃO ...........................................................................................................................................................104

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 3

História do Teclado e Sintetizador

Antes de começarmos a abordar todos os assuntos referentes ao Teclado, vamos faz uma abordagem introdutória sobre a história dele, para que vocês amantes, do teclado eletrônico, possam conhecer mais a fundo o instrumento que irá predominar em seus estudos.

O teclado é um dos instrumentos mais utilizados atualmente, por causa da sua grande flexibilidade e diversas finalidades no mundo da música. Com um simples teclado pode-se dispensar o acompanhamento básico de outros componentes de um grupo musical (baterista, guitarrista, contrabaixista, etc.)

O teclado é dividido em 4 tipos: Sintetizadores, Teclados com acompanhamento automático, Workstations, Pianos digitais e Controladores.

Os Sintetizadores são os mais usados atualmente. É um instrumento que possui vários timbres (sons) que na qual podem ser editados (alteração de freqüências, modulação, efeitos, etc.), com isso criando novos timbres (sons).

Os Teclados com acompanhamento automático, São teclados que possuem vários estilos musicais (pop, jazz, rock, balada, samba, bossa nova, dance, e muitos outros), onde pode-se criar e modificar outros estilos, acompanhados por parte rítmica (bateria), baixo, strings, cordas (violão, guitarra), metais (trompete, trombone, etc.), bem como ainda pode-se sintetizar estes timbres (sons).

Os Workstations, são teclados mais complexos, que envolve síntese de sons e sequenciadores para composição, arranjos de partes musicais ou peças musicais completas, e ainda possuem a capacidade de síntese de timbres (sons).

Os Pianos digitais, São teclados com várias teclas (76,88), que possuem vários timbres de piano, gran piano, piano elétrico, cravo, etc..

Os Controladores são teclados com várias teclas (76,88), na maioria das vezes não possuem timbres, que tem a finalidade de controlar outros instrumentos digitais através de MIDI (comunicação entre instrumentos digitais), controla uma bateria eletrônica, computadores, módulos de som, etc..

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 4

Como já dissemos, o tipo de teclado mais usado entre os músicos no momento é o sintetizador. Vamos se basear nele para que você fique por dentro sobre sua história. Um bom sintetizador pode imitar sons da natureza tais como o canto de pássaros, vento, trovões, etc; imitar todos os instrumentos musicais acústicos e elétricos como os de uma orquestra sinfônica (ou mesma de uma guitarra elétrica) e pode simular sons de helicópteros , carros, ruídos, virtualmente quase qualquer som.

Obviamente o sintetizador definitivamente proporcionou à música um enfoque criativo muito grande pois muitos músicos e técnicos desenvolveram sons novos até então, além da imaginação.

Pode-se dizer que 3 pessoas foram responsáveis pela popularidade deste

instrumento : Robert A. Moog - pode-se dizer que foi o inventor do sintetizador . Fundou a Moog Music Inc. no final dos anos 60 , fabricante dos sintetizadores Moog.

Wendy Carlos - foi responsável pela primeira obra musical - totalmente executada em um sintetizador Moog - a obter sucesso comercial com o Lp ´´Switched on Bach (1968). Trazia obras de Johann Sebastian Bach e foi aclamado pela crítica e público, inclusive pelo controvertido pianista Glenn Gould. Wendy Carlos procurou não imitar qualquer instrumento de orquestra. Reformulou todos os timbres. Posteriormente foi responsável pela trilha sonora dos filmes "A Laranja Mecânica" e "O Iluminado", ambos de Stanley Kubrick. Keith Emerson - Integrante do grupo de rock progressivo inglês "Emerson , Lake & Palmer". Foi o primeiro a usar o "Moog" no rock , inclusive ao vivo , nos palcos. O próprio inventor, Robert Moog, o desaconselhou devido a instabilidade na afinação do instrumento e a dificuldade de se mudar rapidamente os timbres.

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 5

Os Moog mais sofisticados eram os "modulares". Os módulos de criação de sons podiam ser adquiridos conforme a necessidade, contudo o preço era muito alto, acima dos U$ 10.000,00 , e muito complicado de se operar. Podiam chegar ao tamanho de uma parede e os módulos eram interligados com cabos , como os de uma telefonista.

A Moog Music resolveu lançar um sintetizador mais barato e fácil de se operar , certamente sacrificando sua flexibilidade. Surgia o "Minimoog" que foi provavelmente o sintetizador mais importante pela sua popularidade.

Na realidade o sintetizador foi criado em 1955 pela RCA (Radio Corporation of America). Apesar de ter ganho o Prêmio Nobel nesse ano, este sintetizador era um instrumento que somente podia ser operado por técnicos. Engenheiros especializados precisavam de horas para criar algum som útil. Conhecido como RCA MkII, tinha mais de 2 metros de altura e 5 metros de comprimento. Custava U$ 175.000,00.

Os poucos músicos capazes de operá-lo eram obrigados a revezar-se em turnos e fazer uma reserva no estúdio da Universidade de Columbia/Princeton em Nova York. Robert Moog, por ser músico (teve aulas de piano por 12 anos), além de engenheiro e físico, teve um approach diferente, desenvolvendo um instrumento mais acessível e orientado para músicos,

e não para técnicos. Foi com a sua invenção que o sintetizador começou a se popularizar. Por esse motivo eele é considerado o "Pai do Sintetizador".

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 6

Atualmente Bob Moog não trabalha mais na empresa que tem o seu nome (Moog Music). Fundou a "Big Em 1962, Robert Moog apresentou o seu sintetizador. Seu primeiro comprador foi Alwin Nikolais, um famoso coreógrafo. Seu segundo foi Eric Siday, um compositor de comerciais (jingles). Havia dinheiro o bastante para manter-se no negócio, mas não existiam muitos compradores, de fato só se ouvia sons de sintetizador em jingles.

Moog procurou encontrar-se com o maior numero de músicos que podia para divulgar o sintetizador. Dentre eles conheceu a Wendy Carlos, que com o álbum "Switched-On Bach" divulgou o instrumento para o mundo. Carlos chegou a colaborar com Robert Moog no aperfeiçoamento do instrumento. Briar", onde produz dispositivos para seus antigos instrumentos e theremins (um instrumento musical eletrônico que é executado movendo-se as mãos perto de uma antena - muito usado em filmes de ficção científica e horror). Talvez por ser um cientista, e não um negociador, vendeu os direitos do seu nome e criação, ironicamente perdendo o direito de usar seu próprio nome.

No final dos anos 90 voltou à mídia, em comemoração dos 30 anos do sintetizador Moog, juntamente com o músico Keith Emerson. O inglês Keith Emerson (nascido em 02/nov/1944) pode ser considerado um dos mais importantes tecladistas do rock, se não for o mais importante. Pianista, organista, show man, Emerson fez pelos teclados o que Jimmy Hendrix fez pela guitarra: exibições virtuosísticas, destruição de instrumentos, utilizando inclusive elementos pirotécnicos. A efervescência das suas apresentações perdia somente para a sua musicalidade. Emerson conseguiu levar a música clássica ao rock, sendo também um dos pais do rock progressivo. Começou com o grupo "the Nice" e posteriormente consagrou-se com o trio "Emerson, Lake & Palmer" (ELP), alem de compor diversas trilhas sonoras para filmes. Foi o primeiro a usar um sintetizador num palco , ao vivo.

O sintetizador foi descoberto por Emerson em 1968, através do álbum "Switched-On Bach" de Wendy Carlos. Ficou fascinado pelo aspecto do instrumento que constava na capa, bem como a sua sonoridade. Na época descobriu que em toda a Inglaterra havia apenas um destes instrumentos, o qual conseguiu emprestado para um dos seus shows (ainda com o "the Nice").

O público ficou intrigado com o som estranho e não conseguia compreender o que estava fazendo aquele som. Decidiu comprar um Moog modular, o qual pagou 13.000 libras (cerca de US$ 21.000 dólares). Teve muito trabalho com o sintetizador no início: recebeu-o desmontado em diversas caixas, não havia qualquer manual (montagem ou operação) e sempre desafinava nas turnês Emerson entrou em contato com Robert Moog e viajou até o seu centro

de desenvolvimento em Nova York.

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 7

A principio o Dr. Moog por acreditar que sua invenção deveria ser usada somente em estúdios, desaconselhou Emerson a usar o instrumento ao vivo, num palco. Emerson conseguiu convencer Robert Moog do contrário, que acabou aperfeiçoando o sintetizador e posteriormente desenvolveu novos instrumentos ( como o Minimoog), para apresentações ao vivo. Certamente Emerson influenciou a forma em que evoluiu o sintetizador. Bob Moog e Emerson se reencontraram em 1999, em Los Angeles, comemorando os 30 anos da música eletrônica.

Com o aparecimento do álbum "Switched-on Bach" em 1968, Wendy Carlos tornou-se instantaneamente uma celebridade e o álbum tornou-se um dos maiores best- sellers clássicos de todos os tempos. Desde o início de sua juventude, Wendy Carlos (nascida em Pawtucket, Rhode Island, E.U.A. - 1939) demonstrou um forte interesse em música e tecnologia científica. Precocemente, aos 10 anos de idade ela compôs um Trio para Clarinete, Acordeão e Piano, e quatro anos mais tarde construiu um pequeno computador. Quando tinha 17 anos de idade montou um estúdio de música eletrônica e produziu sua primeira

composição a qual utilizava sons criados e manipulados em gravadores de rolo. Estudou música e física.

Em 1965 Wendy Carlos, na época engenheira de som do estúdio Gotham Recording (Nova York), comprou uma das máquinas de Robert Moog e em 1966 ela construiu seu próprio estúdio de gravação (8 pistas) em casa. Ainda em 1966 ela iniciou a gravação do hoje lendário "Switched-on Bach" onde Carlos executava no sintetizador Moog obras de J.S.Bach ( houve um cuidado musicológico de sua parte com relação ao estilo barroco), gravando cada timbre pista por pista, pois o instrumento era monofônico (emitia somente uma nota por vez). Um trabalho insano que foi consagrado como o primeiro álbum clássico a receber o "disco de platina".

Após aperfeiçoar sua técnica no álbum "The Well-Tempered Synthesizer", Wendy apresentou o uso do vocoder (processador de voz - fabricado por Moog) para vocalizações sintetizadas para a trilha sonora do filme "A Laranja Mecânica" do diretor Stanley Kubrick, desta vez usando basicamente obras de Beethoven e composições próprias. Sua obra seguinte, "Sonic Seasonings", apresentou o que conhecemos hoje como o estilo New-Age ,

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 8

utilizando o sintetizador Moog para simular sons da natureza, tais como chuvas, ventos, pássaros, lobos uivando, etc. Compôs trilhas para os filmes "O Iluminado" ( também de Kubrick) e "Tron" (dos estúdios Disney)

Após o sucesso do sintetizador Moog, começaram a surgir diversos outros fabricantes de sintetizadores : Arp (provavelmente o concorrente principal da Moog Music no inicio), E-mu, Korg, Oberheim, Roland, dentre outros. A tendência natural foi produzir sintetizadores cada vez mais voltados para performances ao vivo: mais estáveis (que não desafinassem muito com o passar do tempo), menores e com preço mais acessível.

Alguns anos depois os sintetizadores passaram a ser polifônicos, ou seja, podiam executar várias notas simultaneamente, possibilitando tocar acordes. Na maior parte da vezes, técnicamente falando, estes novos instrumentos nada mais eram do que vários sintetizadores acoplados em um único instrumento. Por exemplo: um sintetizador com a polifonia de 4 notas, nada mais era do que um instrumento composto por quatro sintetizadores.

Ainda havia um grande problema. Para alterar o som do instrumento por exemplo, mudar o som de uma flauta, para o som de um violino, o músico era obrigado a alterar diversos parâmetros, nos controles/botões do instrumento. Isso requeria conhecimento técnico e tempo. Alguns músicos, utilizavam diversos sintetizadores e quando necessitavam mudar de som, tinham que mudar de instrumento. A solução veio com o advento da memória. Por intermédio de botões memorizavam-se os sons criados (sistema que é usado até hoje), algo muito semelhante ao que se já encontrava nos órgãos.

Atualmente existem inúmeras marcas de teclados (sintetizadores), que vão dos mais simples aos mais sofisticados com grande possibilidade de síntese de sons e arranjos musicais. As marcas mais conhecidas são Cassio, Yamaha, Kawai, Roland, Korg , Alesis, Techinics, Solton, Ensomiq, Peavy, General Music (GEM), Minami, Kurzwell, CCE e E-mu .

ARP 2500

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 9

Capítulo 1 – INICIAÇÃO AO TECLADO A melhor forma de começarmos a aprender qualquer instrumento é conhecendo um pouco de teoria musical, que é a base onde está alicerçada toda e qualquer execução prática consciente.

- A pauta (ou pentagrama)

A pauta (ou pentagrama) é sobre onde escrevemos as notas musicais Nela, escrevemos as notas sobre as linhas e nos espaços entre elas:

Dependendo da sua posição sobre a pauta é que sabemos qual a nota musical está representada. NOTA: A palavra pentagrama é de origem grega: penta significa cinco e grama escrita. - CLAVES São as figuras musicais que dão nome às notas. Cada uma delas é escrita (representada) no início da pauta. Existem várias claves, porém as mais utilizadas são as claves de Fá e de Sol. Trabalhamos no teclado apenas a clave de sol pois a clave de fá (que no piano é executada pela mão esquerda) nós substituiremos pelas cifras. A clave de sol é utilizada por instrumentos agudos como violino, flauta, trompete, violão, saxofones etc... A clave de fá por sua vez é utilizada por instrumentos graves como contrabaixo, trombone, fagote, cello etc... Clave de Fá mão esquerda - acompanhamento

Clave de Sol

mão direita - melodia

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 10

- NOTAS MUSICAIS Antes de aprendermos como escrever as notas na pauta, veremos os seus nomes e a sua ordem .Como qualquer instrumento musical as notas básicas (ou naturais) são:

dó ré mi fá sol lá si

Vamos agora entender como as 7 notas musicais Do, Re, Mi, Fa, Sol, La, Si se encontram dispostas no teclado olhando a figura abaixo:

A seqüência Dó, Re, Mi, Fa, Sol, La, Si é repetida várias vezes no teclado. Cada vez que se repete a mesma nota na seqüência, ex: de Dó a Dó essa repetição é chamada de Oitava, portanto um Teclado de 61 teclas possui 5 Oitavas, que começam com sons Graves e terminam com sons Agudos. Nos teclados arranjadores as 2 primeiras oitavas são destinadas para uso dos Styles, e as demais 3 oitavas são destinadas para o uso dos Songs, isso se o equipamento estiver operando no modo Single ou Fingered (Consulte o manual do seu teclado para maiores informações). Existem duas maneiras de identificarmos as teclas. Uma é tomando como base as teclas Pretas, ou acidentes. Ao olharmos as teclas pretas iremos identificar que elas possuem um intervalo de 2 e 3 teclas. Assim, o Dó será sempre a tecla branca que vem antes do Intervalo de 2 Pretas, o branca que vem antes do Intervalo de 2 Pretas, o Ré vai ser a tecla branca localizada entre o intervalo de 2 pretas e o Mi a tecla branca localizada após o intervalo de 2 prestas. Pronto, já identificamos 3 notas Do, Re e Mi. Agora vamos as demais. EX Dó: A primeira tecla branca antes das duas teclas pretas sempre será a nota .

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 11

O Fá será a tecla branca localizada antes do intervalo de 3 teclas pretas, o Sol e Lá estarão entre o intervalo de 3 teclas pretas, em sua ordem respectiva e o Si estará após o intervalo de 3 teclas pretas. EX Fá: A primeira tecla branca antes das três teclas pretas sempre será a nota .

Assim aprendemos a localizar todas as notas, mas existe outra maneira ainda, pelo formato das teclas, atentem à figura abaixo. O Re, Sol e Lá possuem formas diferenciadas. Já o Dó e o Fá, possuem formas iguais, semelhantes a um L. E o Mi e Si, também, mas como se fosse um L invertido. Agora que já sabemos identificar as teclas vamos numerar os dedos de nossa mão para fazermos um exercício. Tanto na mão esquerda quanto na direita os dedos terão atribuídas a seguinte numeração: Polegar = 1 Indicador = 2 Médio = 3

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 12

Anelar = 4 Mínimo = 5

OBS: As mãos devem trabalhar como se fossem conchas, sendo que o que toca a tecla é a ponta e não a "barriga" dos dedos, ok?

 Exercícios Vamos realizar agora um exercício para que você pratique tudo que abordamos a cima, combinado?

Coloque seu dedo Mínimo (5) da mão esquerda no primeiro Dó do teclado. Vá com sua mão direita até o 3 º Dó do teclado, que será chamado Dó Central e coloque sobre esta tecla o Polegar (1) da mão direita, conforme a figura identificada abaixo:

Agora execute o exercício conforme exemplificado na figura abaixo ,usando o dedo determinado para a tecla especificada, conforme a figura abaixo.

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 13

Procure fazer primeiro a mão esquerda, depois a mão direita, e por fim juntar as duas. Faça lentamente e conforme for ganhando firmeza nos dedos vá aumento a velocidade do exercício gradativamente. Ao fazer o exercício mantenha os dedos levemente dobrados, sobre as teclas e o pulso erguido. É importante também executa-lo diariamente. Ah, e para sentir melhor o exercício sugiro que o faça com o teclado operando no modo Normal e usando o Song Piano, que normalmente é o 00 ou 01.

- INTERVALOS Segundo Aristójenes, filósofo grego discípulo de Aristóteles Intervalo é a distância entre dois sons de diferentes tensões. Essas “distancias” são medidas através de tons e semitons. O sistema de afinação temperada divide equitativamente uma oitava em 12 sons. A distância entre cada um desses sons é chamada de semitom. No teclado é de um semitom a distância entre duas teclas contíguas.

Um tom equivale a 2 semitons. Todas as teclas brancas do teclado separadas por uma tecla preta possuem o intervalo de um tom. As que não tem a tecla preta entre elas possuem um intervalo de um semitom entre elas:

ACIDENTE As teclas pretas do teclado representam uma alteração nos sons das teclas brancas, aumento ou diminuindo sua tonalidade. Os sinais de alterações mais comuns são: Bequadro, Sustenido e Bemol .

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 14

- Bequadro

O Bequadro é um acidente que serve para eliminar sustenidos e bemóis. - Sustenido

#

É o nome que damos quando queremos representar uma nota acrescida de meio tom, exemplo: Temos a nota Dó e queremos representar (na Escala Cromática) a próxima nota que vem depois dela, então essa próxima nota chamar-se-á Dó# ou Dó sustenido, porque está entre Dó e Ré. Essa convenção foi criada porque nosso ouvido capta apenas determinados intervalos, que é a escala cromática. Geralmente sustenido é o nome que damos às teclas pretas do teclado, quando estamos executando uma seqüência ascendente (que sobe). Exemplo mais prático - olhando no teclado.

Exemplo: Aumentando a nota em meio (1/2) tom (da esquerda para a direita)

dó dó#

Bemol

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 15

Diminui a nota em meio (1/2) tom, (da direita para a esquerda).

sol sol b

OBS: Chama-se sol bemol (nota sol diminuída meio (1/2) tom).

Com as demais notas repete-se o mesmo processo:

fá aumentando meio (1/2) tom = fá# (fá sustenido) lá aumentando meio (1/2) tom = lá# (lá sustenido) ré diminuindo meio (1/2) tom = réb (ré bemol) lá diminuindo meio (1/2) tom = láb (lá bemol)

Como você pôde notar, existem notas com o mesmo som, mas com nomes diferentes como, por exemplo, nesse caso onde dó# = réb (dó sustenido é igual a ré bemol) Isto ocorre porque aumentando meio (1/2) de dó será igual a diminuirmos meio (1/2) tom de ré. Nota: Futuramente estudaremos a Classificação dos intervalos.

Capítulo 2 – SISTEMA DE CIFRAS

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 16

Assim como já foi falado nas apostilas de violão e guitarra, temos que, antes de tudo, lembrarmos de um assunto de vital importância para nosso aprendizado: O sistema de cifras. Sistema de cifras, muito conhecido como sistema musical americano, é um sistema universal, no qual as sete primeiras letras do alfabeto, associadas a sinais, representa não só as notas musicais como também os acordes. Existem sete notas musicais: Dó Ré Mi Fá Sol Lá e Si, que representadas no sistema de cifras aparecem desta forma: A = Lá -> Am = Lá menor B = Si -> D# = Ré sustenido C = Dó -> Gb = Sol bemol D = Ré -> B7 = Si com sétima E = Mi -> C#m = Dó sustenido menor F = Fá -> F7 = Fá com sétima G = Sol -> Caum7 = Dó aumentado com sétima m = Menor -> Cdim7 = Dó diminuto com sétima b = Bemol -> Bb = Si bemol # = Sustenido -> A7 = Lá com sétima 7 = Com sétima -> Gbm = Sol bemol menor + ou Aum = aumentado -> A7+ = Lá com sétima aumentada - ou Dim = diminuto -> C7- = Dó com sétima diminuta Resolvemos destacar isso, apesar de pequeno, num único capítulo, para que você fixe mais em sua mente esse assunto. No decorrer de nossa apostila, iremos abordar muitos conceitos e esta lição servirá como base primordial em nosso aprendizado.

Capítulo 3 – ACORDES E SUA SIMBOLOGIA

Neste capítulo vamos posicionar a você, que está aprendendo a arte das teclas, tudo sobre a interpretação dos acordes. É importante você dominar esse assunto para que não torne seus estudos mais complicados.

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 17

Os acordes nada mais são que a combinação de notas de uma determinada escala, dividida em graus, empilhadas em intervalos de 3º e 5º graus. Temos basicamente três tipos de acordes, que são:

 Tríades: Acordes formados por três notas. Entre estes estão os acordes

básicos, Do – Re – Mi – Fá – Sol – La – Si, tanto Maiores, como Menores e também Sustenidos (#) e Bemois (b), além dos Diminutos.

 Tétrades: Acordes formados por quatro notas. Entre estes estão todas as

tríades, acrescidas de um 4 nota, que pode ser por exemplo Sétima (7), Nona (9), Sétima Maior (+7) e uma infinidade, que também abordaremos no futuro.

 Tétrades Acrescentadas: Acordes formados por cinco ou mais notas.

Entres estes estão todas as tétrades, acrescidas de uma ou mais notas, como por exemplo, Sétima Maior e Nona, ficaria +7, 9.

Os acordes possuem uma nomenclatura diferente das notas, onde para representa-los são usadas letras do alfabeto. A figura abaixo exemplifica a nomenclatura dos 7 primeiros acordes que iremos aprender. Fique atento para o quadro abaixo e deixe ele bem presente em sua mente:

Para que esta lição fique bem explicada, vamos definir os Acordes Maiores, Menores e Diminutos que vocês já devem ter ouvido falar: Maiores - Um acorde será maior quando a distância entre o 1º grau e o 3º grau for igual à dois tons (Dó+Dó#+Ré+Ré#+Mi) e a distância entre o 3º e 5º grau for um tom e meio (Mi+Fá+Fá#+Sol); Menores - Um acorde será menor quando a distância entre o 1º grau e o 3º grau for igual à 1 tom e meio (Dó+Dó#+Ré+Ré#) e a distância entre o 3º e 5º grau for dois tons (Mi+Fá+Fá#+Sol); Diminutos - Um acorde será diminuto quando a distância entre o 1º grau e o 3º grau for igual à 1 tom e meio e a distância entre o 3º e 5º grau for um tom e meio (Dó+Dó#+Ré+Ré#);

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 18

Capítulo 4 – INTERVALOS Intervalo nada mais é que é a distância de freqüência sonora que existe entre duas notas. O menor intervalo possível entre duas notas é de meio tom (um semitom). Por exemplo: o intervalo entre as notas C e D é de 1 tom, ou 2 semitons. Tipos de Intervalo  Intervalo melódico: formado por notas sucessivas.  Intervalo harmônico: formado por notas simultâneas.  Intervalo ascendente(ou superior): A primeira nota é mais grave do que a

segunda.  Intervalo descendente(ou inferior): A primeira nota é mais aguda do que a

segunda. OBS: a classificação de intervalos ascendente ou descendente só faz sentido para intervalos melódicos.  Intervalo conjunto: formado por notas consecutivas.  Intervalo disjunto: formado por notas não consecutivas.  Intervalo simples: formado por notas que se encontram dentro do limite de

oito notas sucessivas.(uma oitava)  Intervalo composto: formado por notas que ultrapassam o limite de oito

notas sucessivas. A classificação de intervalos é feita segundo o número de notas contidas no intervalo. Ex: Intervalo de primeira contém uma nota. Intervalo de quarta contém quatro notas: de dó a fá por exemplo; dó,ré,mi,fá. A qualificação de intervalos é feita segundo o número de tons e semitons contidos num determinado intervalo. Há dois tipos de intervalos: justos (ou puros, ou perfeitos) e os maiores e menores. Os justos são: 1ª, 4ª, 5ª e 8ª Os maiores ou menoressão: 2ª, 3ª, 6ª e 7ª Como intervalo em música é a diferença entre duas notas, para compreende-los basta saber quantos tons e (ou) semi-tons se encontram entre cada um deles.

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 19

Os mesmos exemplos podem ser usados na forma descendente também. Na frente de cada exemplo foi colocado como esses acordes geralmente vem cifrados nos métodos mais comuns. Vale lembrar que eles podem aparecer de outras formas, e com o mesmo efeito, isto chamamos de enarmonia, ou seja, duas notas com o mesmo som, mas nomes diferentes. 1º Justa: Compreende dois sons de mesma altura e mesmo nome. Ex: 1º J de DÖ=DÖ. O mesmo Dö no mesmo lugar. Geralmente não se cifra acordes com primeira justa, visto que ela já está no acorde normal. 2º Menor: diferença de ½ tom entre uma nota e outra. Ex: 2ºm de RÉ=RË# Cifra: D2- ou D2b 2º Maior: diferença de um tom. Ex: 2ºM de SOL=LÁ Cifra: G2 3º Menor: diferença de um tom e meio Ex: 3ºm de LÁ=DÓ. A terça determina se o acorde é maior ou menor portanto também não é cifrado. Ou o acorde é maior (tem a terça maior) ou é menos (terça menor) 3º Maior: diferença de dois tons Ex: 3ºM de DÓ=MI 4º Justa: diferença de dois tons e meio Ex: 4º J de FÁ=SIb Cifra: F4 5º Diminuta: diferença de três tons Ex: 5ºD de SI=FÁ Cifra: B5- ou B5b 5º Justa: diferença de três tons e meio Ex: 5ºJ de MI=SI Veremos que todo acorde é constituído de I III e V , então a quinta já faz parte do acorde, quando cifra-se um acorde com quinta, como E5, geralmente é por que pede-se o acorde sem a terça, somente Tônica e quinta, chamado acorde pesado em guitarra. 5º Aumentada: diferença de quatro tons Ex: 5ºA de SOL#=MI Cifra: G#5+ ou G#5# 6º Maior: diferença de quatro tons e meio Ex: 6ºM de FÁ#=RÉ# Cifra: F#6 7º Menor: diferença de cinco tons Ex: 7ºm de RÉ=DÓ Cifra: D7 ou D7minor 7º Maior: diferença de cinco tons e meio Ex: 7ºM de DÓ=SI Cifra: C7+ ou C7M ou C7major 8º Justa: diferença de seis tons

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 20

Ex: 8ºJ de SOL=SOL uma oitava acima. Não é comum cifrar oitava também.

Capítulo 5 – PARTITURA, FIGURAS OU VALORES Para que possamos falar mais sobre as figuras e valores usada numa partitura é necessário que você fique mais por dentro do que ela realmente é e representa. A partitura serve para transferirmos uma música para o papel. Em outras palavras, podemos tocar uma música, sem nunca ter ouvido-a, apenas com a sua partitura. Isso porque na partitura estão escritos os solos e os acordes. A partitura nada mais é que o conjunto de sinais usados para simbolizar os sons quanto à textura, duração, modo, timbre, etc... Ela é composta por: Pentagrama, Compasso, Ritmo, Claves e outros acessórios.

Bom, visto isso vamos agora falar sobre Figuras ou Valores. Nem todas as notas tem a mesma duração. Para representar as várias durações dos sons musicais as notas são escritas sob formas diferentes. Essas diversas formadas das notas é que são chamadas figuras ou valores.

Para representar os sons e a duração deles, usamos figuras e para cada valor temos uma figura musical. O valor máximo de uma nota é de 4 tempos (quatro batidas com igual valor de distância entre si) e o menor valor é 1/16 (dezesseis avos, ou 1 tempo dividido em dezesseis partes iguais).

Abaixo, listaremos as figuras mais usadas nas partituras com seus respectivos valores. Preste bastante atenção, pois quando você se deparar com uma partitura será muito comum presenciar esses símbolos.

Fig 2

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 21

OBS: Essas figuras representam os sons; são chamadas valores ou ainda, figuras de som.

* PAUSAS Já as pausas são figuras que indicam duração de silêncio entre os sons. Alguns tecladistas dão às pausas a denominação de figuras negativas ou valores negativos, mas eu definitivamente não concordo. As pausas têm função rítmica e função estética definidas no sentido musical. Logo, não podem ser consideradas como figuras negativas, o que vem dar sentido de ausência de valor. A figura da pausa é, na construção musical, tão importante e significativa quanto a figura do som. Abaixo podemos ver um exemplo de Pausa. Essa seria considerada uma grande pausa já que aparecem contagens na partitura, equivalentes a um tempo. * Semi Breve

* Mínima

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 22

* Semínima

* Colcheia

* Semi-colcheia

* Fusa

* Semi-fusa

OBS: Lembre-se que cada figura de som tem sua respectiva pausa que lhe corresponde ao tempo de duração.

Vale lembrar que o que determina a métrica (fórmula de divisão) das notas escritas em um pentagrama é o Ritmo, que pode ser:

- Quaternário - quando se divide o tempo em de 4 em 4 células.

Exemplo:

| * * * * | * * * * | * * * * | * * * * | * * * * | * * * * | * * * * | * * * * | etc...

- Ternário - quando se divide o tempo em de 3 em 3 células.

Exemplo:

| * * * | * * * | * * * | * * * | * * * | * * * | * * * | * * * | etc...

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 23

- Binário - quando se divide o tempo em de 2 em 2 células.

Exemplo:

| * * | * * | * * | * * | * * | * * | * * | * * | etc...

O ritmo por sua vez é regido por um instrumento chamado METRÔNOMO, que oscila de tempo em tempo sem variações, ou seja, seu movimento é sempre contínuo e não muda. Muitos teclados já têm essa função.

O metrônomo pode ser regulado para executar uma quantidade específica de batidas por minuto.

Para exemplificar, veja abaixo o que tentamos dizer: Usando o compasso 4/4 e uma métrica de 88 notas por minuto.

* LIGADURACurva que pode ligar duas ou mais notas na mesma altura. Toca-se a 1ª e segura até completar o tempo das demais. * FRASEADO Curva que pode ligar duas ou mais notas em alturas diferentes. Toca-se a 1ª e segura só soltando quando tocar a última. * FERMATA

Figura que dobra o valor da figura musical.

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 24

* TERCINAS É um grupo de três notas acompanhadas por uma ligadura e no seu interior, o no 3 Exemplo1: Três notas de meio tempo tem valor de 1 tempo

Toca-se, então, as três notas em mais ou menos 1 segundo Exemplo2 : Três notas de um tempo tem o valor de 2 tempos. Toca-se as três notas em mais ou menos 2 segundos.

Capítulo 6 – DURAÇÃO

COMO TOCAR TECLADO - Rafael Harduim 25

No capítulo acima falamos das figuras, dos valores, porém não aprofundamos sobre um item de suma importância e que envolve esses assuntos: A duração. A duração nada mais é do que um intervalo de tempo. É o tempo entre o início e o final do evento sonoro. Poderíamos medir esse tempo em termos de segundos. Um maestro poderia dizer ao primeiro violino: toque um Si por 4.56 segundos. Essa não é, no entanto, a maneira pela qual os músicos representam a duração de um evento sonoro. A duração de uma nota é representada, em uma partitura, por meio de uma convenção de sinais que já dura alguns séculos. Nesse tipo de notação usual, não se especifica a duração em termos absolutos. Os símbolos contidos em uma partitura jamais dizem para um músico: "toque uma nota tal durante tantos segundos". Uma partitura diz ao músico: "toque uma nota longa" ou "toque uma nota com duração igual a metade da duração de uma nota longa" ou "um quarto da duração" e assim por diante. Os símbolos e as durações representadas por eles estão na Figura 1.2 no capítulo anterior. Note que esta notação representa a duração relativa entre as notas. A partir da tabela da Figura 1.2 podemos deduzir não só as relações entre a semibreve e as outras figuras mas entre as figuras entre si. Por exemplo: qual a relação entre a duração da colcheia e a da mínima? Ora, se as duas mínimas eqüivalem a uma semibreve e oito colcheias eqüivalem a uma semibreve, então quatro colcheias eqüivalem a uma mínima. O que é importante é que na notação tradicional da partitura, não se exprime tempo absoluto mas tempo relativo. Cada figura exprime um tempo que não tem sentido isolado mas somente em conjunto com as outras. Por isso uma partitura pode ser tocada mais lenta ou mais rapidamente. Quando uma partitura é tocada em uma velocidade diferente, a relação entre as durações das notas não muda. A notação de duração é conhecida habitualmente pelos músicos como notação rítmica. Uma combinação de diversas notas de diferentes durações sempre denota um ritmo ou padrão rítmico. Podemos representar um padrão rítmico combinando vários símbolos de duração. Veja o padrão rítmico da Figura 1.2, por exemplo. Nela estão quatro figuras rítmicas: uma semibreve seguida de duas semínimas e uma mínima.

Qual a duração que cada uma dessas quatro figuras representa?

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 107 pages
baixar o documento