Teste de Chamas - Apostilas - Biotecnologia_Parte1, Notas de estudo de Biotecnologia. Universidade de São Paulo (USP)
Raimundo
Raimundo

Teste de Chamas - Apostilas - Biotecnologia_Parte1, Notas de estudo de Biotecnologia. Universidade de São Paulo (USP)

14 páginas
716Número de visitas
Descrição
Apostilas de Biotecnologia sobre o estudo do Teste de Chama e reações químicas ou fenomenos químicos, Procedimento Experimental, Reagentes e Materiais.
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 14
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 14 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 14 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 14 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 14 páginas
Baixar o documento

1

UNIVERSIDEDA ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIDADE DE BENTO GONÇALVES

ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA

DISCIPLINA QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL

TESTES DE CHAMA

E

REAÇÕES QUIMICAS

OU

FENÔMENOS QUIMICOS

Daniel Camini

BENTO GONÇALVES

2010

2

1.ÍNDICE

1. Índice.................................................................................................................2

2. Objetivos............................................................................................................3

3. Introdução..........................................................................................................4

4. Procedimento Experimental................................................................................7

4.1. Reagentes e Materiais......................................................................................7

4.2. Procedimentos.................................................................................................14

5. Resultados e Discussão......................................................................................20

6. Conclusão ..........................................................................................................22

7. Bibliografia.........................................................................................................23

8.Anexos.................................................................................................................24

3

2. OBJETIVOS

Na aula 3, teve-se o objetivo de demonstrar que cada composto, exposto a chama alterará a cor da mesma. Isso possibilitará, além de outras coisas, uma melhor compreensão a respeito do funcionamento dos fogos de artifício.

Já na aula seguinte teve-se o objetivo de observar resultados de reações tal como: oxidação, redução, reações envolvendo calor entre outras. Todas estas reações posem ter uma grande utilização na indústria em geral.

No decorrer dos testes e experiências, teve-se o objetivo de aperfeiçoar o conhecimento dos alunos, que através destes puderam, além de realizar observações valiosas também tirar conclusões a respeito de reações que, até então, só haviam sido realizadas no papel.

4

3. INTRODUÇÃO

Testes de chama:

O teste de chama é um procedimento utilizado em Química para detectar a presença de alguns íons metálicos, baseado no espectro de emissão característico para cada elemento.

O teste de chama é baseado no fato de que quando uma certa quantidade de energia é fornecida a um determinado elemento químico (no caso da chama, energia em forma de calor), alguns elétrons da última camada de valência absorvem esta energia passando para um nível de energia mais elevado, produzindo o que chamamos de estado excitado. Quando um desses elétrons excitados retorna ao estado fundamental, ele libera a energia recebida anteriormente em forma de radiação. Cada elemento libera a radiação em um comprimento de onda característico, pois a quantidade de energia necessária para excitar um elétron é única para cada elemento. A radiação liberada por alguns elementos possui comprimento de onda na faixa do espectro visível, ou seja, o olho humano é capaz de enxergá-las através de cores. Assim, é possível identificar a presença de certos elementos devido à cor característica que eles emitem quando aquecidos numa chama.

A temperatura da chama do bico de Bünsen é suficiente para excitar uma quantidade de elétrons de certos elementos que emitem luz ao retornarem ao estado fundamental de cor e intensidade, que podem ser detectados com considerável certeza e sensibilidade através da observação visual da chama.

O teste de chama é rápido e fácil de ser feito, e não requer nenhum equipamento que não seja encontrado normalmente num laboratório de química. Porém, a quantidade de elementos detectáveis é pequena e existe uma dificuldade em detectar concentrações baixas de alguns elementos, enquanto que outros elementos produzem cores muito fortes que tendem a mascarar sinais mais fracos.

Reações Químicas ou Fenômenos Químicos:

Os fenômenos químicos ou transformações químicas são também chamados de reações químicas.

Numa reação química ou transformação química uma ou mais substâncias (os reagentes) são

transformados em uma ou mais diferentes substâncias (os produtos), com diferentes propriedades

físicas tais como cor, ponto de fusão e solubilidade.

A explosão de uma mistura de hidrogênio/oxigênio

5

Quando uma vela acesa é posta em contato com um balão cheio de gás hidrogênio

o calor da chama fará o balão romper e o hidrogênio irá se misturar com o oxigênio do ar

atmosférico provocando uma explosão e formando água.

Numa reação química, no nível molecular, ocorre a produção de um novo arranjo de átomos (nova

substância), sem ganho ou perda no número de átomos de cada espécie envolvida no fenômeno. As

moléculas presentes depois da reação (produtos) são diferentes daquelas presentes antes da reação.

No exemplo citado moléculas de hidrogênio e de oxigênio reagem para formar moléculas de água.

Esta apresentação simbólica da transformação química é denominada equação química. Os

símbolos usados numa equação química são representados na tabela

Símbolos de uma Reação Química

Símbolo Significado

Produz

+ Reage com

Δ Calor

s Sólido

g Gasoso

l Líquido

aq. Solução aquosa

6

Como não há nem criação nem destruição de átomos, uma equação química deve ter o mesmo

número de átomos de cada elemento nos dois membros. Quando esta igualdade existe, a equação

está equilibrada.

Para escrevermos a equação química de uma reação temos que determinar, pela experiência, quais

os reagentes e os produtos. Com as fórmulas químicas dos reagentes e produtos, podemos escrever

a equação química não equilibrada. Depois, equilibramos a equação pela introdução de coeficientes

que proporcionam a igualdade dos números de cada átomo em cada membro da equação.

Exemplos:

a) CH4(g) + O2(g) CO2(g) + H2O(g) (não equilibrada)

CH4(g) + 2 O2(g) CO2(g) + 2 H2O(g) (equilibrada)

b) Na(s) + H2O(l) NaOH(aq) + H2(g) (não equilibrada)

2 Na(s) + 2 H2O(l) 2NaOH(aq) + H2(g) (equilibrada)

7

4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 4.1. Reagentes e Materiais:

EXPERIMENTO 01

- Bico de Bunsen;

-Palito de fósforo;

-Pinça metálica;

-Solução salina:CuSO4;

-Sal sólido: CuSO4.

EXPERIMENTO 02

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

-Solução salina: KCl;

-Sal sólido: KCl.

EXPERIMENTO 03

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

-Solução salina: BaCl2;

-Sal sólido: BaCl2.

8

EXPERIMENTO 04

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

-Solução salina: CaSO4;

-Sal sólido: CaSO4.

EXPERIMENTO 05

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

-Solução salina: MgSO4;

-Sal sólido: MgSO4.

EXPERIMENTO 06

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

-Solução salina: Al2(SO4)3;

-Sal sólido: Al2(SO4)3.

9

EXPERIMENTO 07

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

-Solução salina: SrCl2;

-Sal sólido: SrCl2.

EXPERIMENTO 08

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

-Solução salina: LiCl;

-Sal sólido: LiCl.

EXPERIMENTO 09

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

-Solução salina: Na2CO3;

-Sal sólido: Na2CO3.

10

EXPERIMENTO 10

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

-Álcool;

-Sal sólido: Amostra desconhecida 01.

EXPERIMENTO 11

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

- Álcool;

-Sal sólido: Amostra desconhecida 04.

EXPERIMENTO 12

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

- Álcool;

-Sal sólido: Amostra desconhecida 05.

11

EXPERIMENTO 13

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

- Álcool;

-Sal sólido: Amostra desconhecida 08.

EXPERIMENTO 14

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

- Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

- Álcool;

-Sal sólido: Amostra desconhecida 09.

EXPERIMENTO 15

-Béquer 10 ml;

-Álcool;

-Bico de Bunsen;

-Pinça metálica;

- Álcool;

-Sal sólido: Amostra desconhecida 10.

12

EXPERIMENTO 16

-Tubo de ensaio;

-NH4SCN;

-Ba(OH)2.2H2O;

-Papel amassado(substituindo a rolha);

-Espátula;

-Vidro de relógio.

EXPERIMENTO 17

-Tubo de ensaio;

-Glicerina;

-Cristais de Iodo;

-Pipeta;

-Pêra;

-3 ml de H2O;

-3 lentilhas de NaOH.

EXPERIMENTO 18

-Tubo de ensaio;

-Lâmina de Zinco;

-6 ml CuSO4 20%;

-Pipeta;

-Pêra.

13

EXPERIMENTO 19

-Tubo de ensaio;

-Fios de Cobre;

-6 ml AgNO3 10%;

-Pipeta;

-Pêra.

EXPERIMENTO 20

-6 tubos de ensaio;

-Raspas de Magnésio (tubos 1 e 2);

-Zinco granulado (tubos 3 e 4 );

-Fios de cobre (tubos 5 e 6 );

-9 ml HCl diluído;

-9 ml H2SO4;

-Capela;

-Pipetas;

-Pêras;

-Espátula;

-Vidro de relógio;

-Caneta.

EXPERIMENTO 21

-Tubo de ensaio;

-6 ml NaCl;

-1 ml AgBO3 10%;

-Pipeta;

-Pêra.

14

4.2. PROCEDIMENTO

Testes de chama:

EXPERIMENTO 01

1. Ligou-se o bico de Bunsen da forma correta;

2. Mergulhou-se a pinça metálica no frasco com solução salina de CuSO4;

3. Logo após mergulhou-se a mesma pinça no frasco com o respectivo sal sólido;

4. Em seguida colocou-se a pinça, com o sal, sobre a chama do bico de bunsen;

5. Fizeram-se observações sobre os resultados obtidos.

EXPERIMENTO 02

1. Mergulhou-se a pinça, contaminada com o ultimo experimento, num béquer contendo

álcool, logo após foram retiradas as sobras com um guardanapo;

2. Mergulhou-se a pinça metálica no frasco com solução salina de KCl;

3. Logo após mergulhou-se a mesma pinça no frasco com o respectivo sal sólido;

4. Em seguida colocou-se a pinça, com o sal, sobre a chama do bico de bunsen;

5. Fizeram-se observações sobre os resultados obtidos.

EXPERIMENTO 03

1. Mergulhou-se a pinça, contaminada com o ultimo experimento, num béquer contendo

álcool, logo após foram retiradas as sobras com um guardanapo;

2. Mergulhou-se a pinça metálica no frasco com solução salina de BaCl2;

3. Logo após mergulhou-se a mesma pinça no frasco com o respectivo sal sólido;

4. Em seguida colocou-se a pinça, com o sal, sobre a chama do bico de bunsen;

5. Fizeram-se observações sobre os resultados obtidos.

EXPERIMENTO 04

1. Mergulhou-se a pinça, contaminada com o ultimo experimento, num béquer contendo

álcool, logo após foram retiradas as sobras com um guardanapo;

2. Mergulhou-se a pinça metálica no frasco com solução salina de CaSO4;

3. Logo após mergulhou-se a mesma pinça no frasco com o respectivo sal sólido;

4. Em seguida colocou-se a pinça, com o sal, sobre a chama do bico de bunsen;

5. Fizeram-se observações sobre os resultados obtidos.

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 14 páginas
Baixar o documento