Trabalho  Academico sobre Gestão Empresarial, Pesquisas de Administração Empresarial. Universidade Salvador (UNIFACS)
jpmj0810
jpmj0810

Trabalho Academico sobre Gestão Empresarial, Pesquisas de Administração Empresarial. Universidade Salvador (UNIFACS)

17 páginas
1000+Número de visitas
Descrição
Trabalho de Administração descrevendo sobre a área de produção, logística e empreendedorismo
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 17
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 17 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 17 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 17 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 17 páginas
Baixar o documento
ABNT - UNOPAR - Completo

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO ADMINISTRAÇÃO

TRABALHO INDIVIDUAL

Vitória da Conquista 2017

TRABALHO INDIVIDUAL

Trabalho apresentado à disciplina interdisciplinar da Universidade Norte do Paraná – UNOPAR

Vitória da Conquista 2017

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO

Gestão de projetos é a área da administração aplicada de

conhecimentos, habilidades e técnicas na elaboração de atividades relacionadas

para atingir um conjunto de objetivos pré-definidos, num certo prazo, com um certo

custo e qualidade, através da mobilização de recursos técnicos e humanos.

A globalização e o ciclo de vida curto dos produtos obrigam as

empresas a inovarem rapidamente as suas técnicas de gestão. Os produtos

rapidamente se tornam commodities, quer em termos de características intrínsecas

do próprio produto, quer pelo preço, pelo que cada vez mais a aposta na

diferenciação deve passar pela otimização dos serviços, superando a expectativa de

seus clientes com atendimentos rápidos e eficazes. O tempo em que as empresas

apenas se orientavam para vender os seus produtos, sem preocupação com as

necessidades e satisfação dos clientes, terminou. Hoje, já não basta satisfazer, e

necessário encantar. Os consumidores são cada vez mais exigentes em qualidade,

rapidez e sensíveis aos preços, obrigando as empresas a uma eficiente e eficaz

gestão de compras, gestão de produção, gestão logística e gestão comercial. Tendo

consciência desta realidade e dos avanços tecnológicos na área da informação, “e

necessária uma metodologia que consiga planear, implementar e controlar da

maneira eficaz e eficiente o fluxo de produtos, serviços e informações desde o ponto

de origem (fornecedores), com a compra de matérias primas ou produtos acabados,

passando pela produção, armazenamento, estocagem, transportes, ate o ponto de

consumo.

Essa situação do mercado econômico faz com que o tema

empreendedorismo venha sempre à tona cativando pessoas e causando interesse

em todos os níveis sociais, de maneira que se torna necessária a discussão em

torno de um conjunto de fatores, tais como ferramentas, dicas, detalhes e incentivos.

Sendo assim, muitos são capazes de empreender, basta descobrir-se empreendedor

e potencializar suas maiores características

O empreendimento moderno precisa ser associado ao plano de

negócio, não elimina o empreendedor, mas o complementa facilitando as

possibilidades de sucesso do empreendimento.

3

3

2 PRIMEIRO DESAFIO: GESTÃO DE PROJETOS

Gerenciamento de projetos é uma área de atuação e

conhecimento que tem ganhado, nos últimos anos, cada vez mais

reconhecimento e importância.

O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos,

habilidades, ferramentas e técnicas adequadas às atividades do projeto, a fim de

atender aos seus requisitos.

De acordo com o PMBOK, o gerenciamento de projetos têm 5 fases:

1. Iniciação: Fase de identificação das necessidades, da viabilidade, orçamentos e cronogramas, a equipe que irá trabalhar e a proposta. É a fase

onde se inicia oficialmente o projeto através do Termo de Abertura.

2. Planejamento: Estudos e análises,recursos e o detalhamento do plano. 3. Execução: Execução dos planos do projeto, coordenação de pessoas e

outros recursos para executar o plano.

4. Controle: Monitoramento, controle e modificações. 5. Finalização: Aceitação formal do projeto (com verificação de escopo) ou fase

para a sua finalização.

Para que se tenha um bom desempenho no gerenciamento do

projeto, o gerente deve dominar um conjunto de conhecimentos técnicos. Uma área

de conhecimento é definida por seus requisitos de conhecimentos e descrita em

termos dos processos que a compõem, suas práticas, entradas, saídas, ferramentas

e técnicas. Existem nove áreas de conhecimento, são elas: Integração, Escopo,

Tempo, Custos, Qualidade, Recursos Humanos, Comunicações, Riscos e

Aquisições.

Integração: Esta área de conhecimento descreve os processos que integram

elementos do gerenciamento de projetos, que são identificados, definidos,

combinados, unificados e coordenados dentro dos grupos de processos de

gerenciamento de projetos. Os processos dessa área são:

 Desenvolver o Termo de Abertura do Projeto.

 Desenvolver o Plano de Gerenciamento de Projeto.

 Orientar e Gerenciar a Execução do Projeto.

4

 Monitorar e Controlar o Trabalho do Projeto.

 Realizar o Controle Integrado de Mudanças.

 Encerrar o Projeto ou Fase.

Escopo: Esta área descreve os processos envolvidos na verificação de que o

projeto inclui todo o trabalho necessário e apenas o trabalho necessário, para

que seja concluído com sucesso.

Existem três processos de planejamento (três primeiros) e dois

processos de controle e monitoramento (dois últimos). Os processos de

planejamento criam um plano para o gerenciamento de escopo. Os processos de

controle e monitoramento controlam se que o escopo está sendo cumprido conforme

foi definido nos processos de planejamento e a verificação confirma com o cliente

que está tudo correto. Os processos dessa área são:

 Coletar Requisitos.

 Definir o Escopo.

 Verificar o Escopo.

 Controlar o Escopo.

Tempo: Está área descreve os processos relativos ao término do projeto no

prazo correto. Os cinco primeiros processos são de planejamento e apenas o

último é de controle. Os processos de planejamento definem as atividades

que vão para o cronograma, a ordem de precedência das atividades,

determinam o tipo e a quantidade de recursos necessários, o tempo

necessário para concluir as atividades, associam as atividades às datas do

cronograma e por fim verificam se o andamento dos trabalhos está de acordo

com o cronograma. Os processos dessa área são:  Definir Atividades.

 Sequenciar as Atividades.

 Estimar os Recursos da Atividade.

 Estimar as Durações da Atividade.

5

 Desenvolver o Cronograma.

 Controlar o Cronograma.

Custos: Esta área descreve os processos envolvidos em planejamento,

estimativa, orçamentação e controle de custos, de modo que o projeto

termine dentro do orçamento aprovado.

Os primeiros dois processos são de planejamento e temos que os processos nesta

área de conhecimento determinam o custo de cada atividade levando em

consideração o recurso alocado na atividade além dos períodos de trabalho que o

recurso estará trabalhando na atividade, determinam que os custos de cada

atividade sejam somados a fim de gerar uma linha de base de custos e

acompanham a execução para verificar se as coisas estão ocorrendo conforme o

orçamento definido. Os processos dessa área são:

 Estimar Custos.

 Determinar o Orçamento.

 Controlar Custos.

Qualidade: Esta área descreve os processos envolvidos na garantia de que o

projeto irá satisfazer os objetivos para os quais foi realizado. Os processos

dessa área de conhecimento determinam padrões ou normas de qualidade

que devem ser seguidos durante o projeto, realizam a auditoria da qualidade,

ou seja, se o trabalho esta sendo seguido conforme foi planejado tentando

impedir um produto ruim, e garantem que o que está sendo entregue está de

acordo com os padrões e normas pré-definidos. Os processos dessa área

são:  Planejar a Qualidade.

 Realizar a Garantia da Qualidade.

 Realiza o Controle da Qualidade.

Recursos Humanos: Esta área descreve os processos que organizam e

gerenciam a equipe do projeto. Os processos desta área de conhecimento

6

tem como objetivo determinar os tipos e o perfil dos profissionais, além da

hierarquia desses profissionais e quem é responsável pelo o que no projeto

quando ele estiver em execução, determinam como mobilizar as pessoas que

foram requisitadas no projeto, se preocupam com o treinamento da equipe

além da integração e geração de conhecimento e determinam como resolver

conflitos antes que eles afetem o projeto. Os processos dessa área são:

 Desenvolver o Plano de Recursos Humanos.

 Mobilizar a Equipe do Projeto.

 Desenvolver a Equipe do Projeto.

 Gerenciar a Equipe do Projeto.

Comunicação: Esta área descreve os processos relativos à geração, coleta,

disseminação, armazenamento e destinação final das informações do projeto

de forma oportuna e adequada. Os processos desta área de conhecimento

determinam quem está envolvido no projeto, definem como as comunicações

vão ocorrer quando o projeto iniciar e determina o tipo de informações

gerada, quem é o responsável, qual o meio, quem receberá as informações

geradas, qual a periodicidade, determinam como serão distribuídas as

informações, como podemos gerenciar as expectativas dos interessados

medindo o grau de satisfação ou insatisfação das pessoas interessadas, e

geram relatórios que permitam o acompanhamento e controle do que está

acontecendo com o tempo, custo, escopo, etc. Os processos dessa área são:  Identificar as Partes Interessadas.

 Planejar as Comunicações.

 Distribuição das Informações.

 Gerenciar as Expectativas das Partes Interessadas.

 Reportar Desempenho.

Riscos: Esta área descreve os processos relativos à realização do

gerenciamento de riscos em um projeto. Temos cinco processos de

planejamento e um de controle. Os processos desta área de conhecimento

7

tem como objetivo determinar como os riscos serão identificados, analisados

e como as respostas serão planejadas e como risco será planejado, criam

uma lista de riscos identificados no projeto com diversas técnicas que ajudam

a gerar essa lista de riscos, buscam priorizar os riscos com base no grau de

criticidade, permitem atribuir probabilidade numérica aos riscos, definem

estratégias e ações para lidar com os riscos negativos e positivos, monitoram

os risco com novos risco sendo identificados, revisão das análises de riscos,

definição de outras prioridades de riscos, etc. Os processos dessa área são:

 Planejar o Gerenciamento dos Riscos.

 Identificar os Riscos.

 Realizar a Análise Qualitativa de Riscos.

 Realizar a Análise Quantitativa dos Riscos.

 Planejar as Respostas aos Riscos.

 Monitorar e Controlar os Riscos.

Aquisições: Esta área descreve os processos que compram ou adquirem

produtos, serviços ou resultados, além dos processos de gerenciamento de

contratos. Os processos desta área de conhecimento têm como objetivo

determinar o que se quer adquirir, de quem se quer adquirir, receber as

resposta dos fornecedores e selecionar o fornecedor, como se dará o

gerenciamento dos contratos, pagamentos, se as entregas estão de acordo

com o que foi estabelecido, pagar o fornecedor, e por último formalizar a

finalização do contrato. Os processos dessa área são:  Planejar as Aquisições.

 Realizar as Aquisições.

 Administrar as Aquisições.

 Encerrar as Aquisições.

8

3 SEGUNDO DESAFIO: ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E LOGÍSTICA

A escolha da localização de qualquer tipo de empresa, deve levar

em conta tanto os aspectos geográficos ligados à naturezatais como: clima, solo, subsolo e conformação topográfica dos terrenos como também, são necessárias

uma série de informações adicionais de ordem técnica, econômica, financeira,

jurídica, administrativa, ambiental e mesmo política.

A escolha da localização de uma empresa ou de suas filiais é muito

importante para seu desempenho, pois exerce grande influência nos custos totais e

deve ser considerada como um “casamento”, ou seja, deve-se procurar fazer uma

boa escolha, pois qualquer mudança implicará em custos muito elevados.

As variáveis que os administradores precisam levantar para tomar a

decisão de localizar uma empresa são:

 Disponibilidade de Mão de Obra;  Nível salarial e sindicatos;  Disponibilidade de transporte;  Suprimento de eletricidade, gás, telefones, água, esgoto, etc.  Incentivos fiscais  Proximidade dos mercados  Tendências de crescimento populacional  Fornecedores e serviços de apoio

9

 Restrições ambientais  Disponibilidade e custos dos terrenos  Leis de zoneamento;  Proximidade de universidades;  Hospitais;  Nível de vida.

Os métodos que os administradores usam para definir a localização de uma empresa são:

Método de Ponderação de Fatores – Constitui em um método racional de

confrontar e avaliar alternativas de macro-localização.  Método do centro de gravidade – O método começa localizando num grid

simplificado as unidades já existentes (fontes de insumos e clientes). O

propósito é estabelecer as distâncias entre os locais, para estabelecer o

menor custo para instalação da empresa.  Método dos Momentos – É semelhante ao do centro de gravidade, onde a

ponderação de um determinado centro (cidade) considera o MOMENTO que

as demais cidades somadas possuem. (custo de transporte x quantidade x

distancia) o que tiver menor soma de momentos será o escolhido.  Método do Ponto de Equilíbrio – São comparadas diferentes localidades em

função dos custos totais da operação (custos fixos + custos variáveis).

10

4 TERCEIRO DESAFIO: EMPREENDEDORISMO E PLANO DE NEGÓCIOS

O intra-empreendedor tem um objetivo comum com o dono da

empresa em que trabalha: os dois se empenham ao máximo para alcançar o

sucesso nos negócios. Podemos até dizer que, mais do que uma hierarquia de

trabalho – em que o dono, detentor do capital e do empreendimento, comanda e

estabelece as diretrizes a serem seguidas pelos funcionários – a relação do intra-

empreendedor com o presidente da empresa é uma parceria, em que são

compartilhados tanto os riscos como o foco da empresa.

O empreendedor é um profissional dotado de uma visão

revolucionária, capaz de causar um verdadeiro “furacão” na sua vida profissional,

pois está sempre em busca de resultados. Em outras palavras, o empreendedor não

descansa enquanto não alcança seu objetivo, que muitas vezes é julgado, aos olhos

alheios, como impossível.

A diferença entre esses profissionais é que, enquanto o que mantém

o foco em abrir o próprio negócio arrisca seu capital, o intra-empreendedor põe em

jogo sua carreira e seu emprego, que são, respectivamente, o seu maior capital.

Essa é a maior característica que os difere. Em outros pontos, ambos mantêm a

mesma ousadia e persistência.

Apesar das similaridades nas funções empreendedoras e

administradoras, conceituadas desde a abordagem clássica pelos atos de planejar,

organizar, dirigir e controlar.

11

Por essa característica, o empreendedor direciona as atividades

para o aspecto estratégico das organizações, enquanto o administrador limita e

coordena as atividades diárias.

As empresas têm percebido que saber planejar é essencial para se

ter sucesso. Muito mais que um instrumento teórico, o plano de marketing é uma

ferramenta imprescindível para que o empresário possa focar seus esforços nas

oportunidades que o mercado lhe apresenta, aplicando de maneira eficaz e eficiente

seus recursos.

A elaboração de um plano de marketing pressupõe a integração de

pessoas e recursos da empresa em torno de processos de análise e identificação de

mercados-alvo, criação, comunicação e entrega de um produto ou serviço de valor

para o consumidor final. O resultado deve propiciar a satisfação do cliente, e para a

empresa, crescimento de mercado e retorno financeiro para o empresário e seus

colaboradores.

Confira as quatro etapas principais de um plano de marketing.

1. Análise do ambiente de negócios - A empresa deve estudar seu mercado de atuação e/ou similares (histórico, tamanho, potencial de demanda, etc.), buscando

identificar uma ‘oportunidade de marketing’ que pode ser trabalhada pelo plano.

2. Marketing estratégico - Nessa etapa, a análise detalhada dos ‘atores-chave’ que fazem parte do setor de negócios escolhido pela empresa – consumidores,

concorrentes, fornecedores -, e em que a oportunidade de marketing deverá ser

desenvolvida. Ao final desta etapa, a empresa define o modo como a quer ser

percebida e lembrada pelo consumidor. Este é o ponto principal de todo o processo

de planejamento de marketing, pois busca definir os diferenciais que a empresa irá

trabalhar nas ações de marketing para ganhar mercado e superar seus

concorrentes.

3. Marketing tático - Nesse momento são definidas as ações práticas do planejamento, a partir do posicionamento definido anteriormente. São especificadas,

em detalhes, as características do produto (ou serviço) a ser ofertado, seu preço, a

forma de comunicação e de distribuição do mesmo junto ao mercado-alvo.

12

4. Controle e avaliação - A quarta etapa deve tratar dos mecanismos de controle e avaliação do plano, por meio da definição de métricas e indicadores de desempenho

que permitam à empresa medir o alcance dos objetivos e estratégias definidas.

A elaboração de um plano de marketing permitirá à empresa ser

eficaz (ter foco e objetivos definidos) e eficiente (ter estratégias e ações práticas) no

mercado escolhido para atuar. Também é a base para a construção de uma

vantagem competitiva sustentável.

A análise de mercado é a primeira etapa do planejamento de

marketing. Cabe ao gerente de marketing avaliar e segmentar o mercadode forma a agrupar os clientes em potencial, que possuem necessidades de consumo

semelhantes. Desta forma torna-se possível definir estratégias adequadas a cada

segmento de mercado, agregando valor para o cliente e otimizando resultados para

a empresa.

A economia contemporânea, a partir do século XX, está sendo

conduzida por intensas transformações dos serviços quanto aos aspectos de

produção e consumo devido às crescentes inovações tecnológicas no âmbito da

informática, das telecomunicações, inovações organizacionais e novas formas de

comercialização.

O município de Vitória da Conquista se caracteriza como um

importante entreposto comercial e de serviços, influenciando, aproximadamente, 80

municípios do norte do Estado de Minas Gerais e do Sudoeste do Estado da Bahia.

Nas ultimas décadas, passou por um processo de reestruturação

econômica marcada pela expansão do setor terciário, tornando o município a

terceira economia do interior da Bahia. Este cenário se justifica pela diversificação

na oferta de serviços e ampliação do comércio que começou a atrair indivíduos de

outras localidades regionais, dinamizando a economia local.

Um grande destaque quanto à educação no município tem sido a

crescente oferta de vagas no ensino superior, e este segmento está se consolidando

como vetor de desenvolvimento social, cultural e econômico na economia do

município.

13

14

5 CONCLUSÃO

Gerenciar um projeto requer o envolvimento e comprometimento de

toda a equipe e a integração das atividades, proporcionando uma visão geral do

status do projeto, que fornecerá ao gerente e à alta direção, informações relevantes

para a tomada de decisão.

A concepção do projeto de empresa e a pesquisa de mercado

iniciam uma etapa crucial no desenvolvimento e sucesso da empresa. É um

processo ao mesmo tempo de análise e de intuição. Os dois elementos devem ser

considerados atentamente e sem precipitação inútil.

O conceito de empreendedorismo não teve grande variação no

tempo. Existe, normalmente, uma confusão entre empreendedores e

administradores, porém a partir do levantamento bibliográfico realizado percebeu-se

que, nem sempre um administrador é empreendedor e vice-versa, mesmo que isso

seja desejável. Para um administrador possuir ou desenvolver características

empreendedoras pode ser útil para olhar mais longe, ter uma visão de futuro que lhe

permita planejar o presente.

15

REFERÊNCIAS

DAVIS, Mark M; AQUILANO, Nicholas J; CHASE, Richard B. Fundamentos da administração da produção. Porto Alegre: Artmed, 2009.

KERZNER, Harold. Gestão de projetos: as melhores práticas. Porto Alegre: Bookman, 2002.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Administração para empreendedores: fundamentos da criação e da gestão de novos negócios. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

MENEZES, Luis Cesar de Moura. Gestão de projetos. São Paulo: Atlas, 2001.

16

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 17 páginas
Baixar o documento