Trabalho sobre Karl Marx - escrito, Pesquisas de Filosofia. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas)
matheus-souza-3
matheus-souza-3

Trabalho sobre Karl Marx - escrito, Pesquisas de Filosofia. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas)

DOCX (37 KB)
8 páginas
2Números de download
136Número de visitas
Descrição
Historia, obras, influencia e tudo sobre sua vida
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 8
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 8 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 8 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 8 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 8 páginas
Baixar o documento

Trabalho de Filosofia: Razão e modernidade

Karl Marx

Grupo: Bruno Yan

Douglas Ribeiro

Geisiane Gouveia

Letícia Martins

Lucas José

Manoel Murad

Matheus de Souza

Matheus Librelon

Wander de Pádua Meireles

Introdução

Este trabalho procura apresentar a vida e obra de Karl Marx e identificar a sua

contribuição para a história a da sociedade. O pensamento de Karl Marx (1818 -1883)

é de importância fundamental para a compreensão da sociedade contemporânea. Não

obstante sua importância, sua obra possui notável complexidade, abrangendo estudos

de: economia, filosofia, sociologia, história e religião, entre outros. A intenção é

aprofundar a concepção marxista de história. Para isso, estará e explícito a

caracterização da sociedade capitalista burguesa, alvo da crítica de Marx. Terá uma

breve apresentação o das origens de seu pensamento e de sua bibliografia, a fim de

permitir uma melhor compreensão do pensamento marxista e de seu método histórico.

Por fim possui as contribuições que o pensamento de Marx trouxe para compreender a

vida em sociedade.

QUEM FOI KARL MARX

Karl Marx foi um pensador extremamente profundo e complexo que deu origem a uma corrente de pensamentos revolucionários a fim de analisar a natureza do

desenvolvimento capitalista em suas contradições e antagonismos com o objetivo de

modifica-lo. Ele escreveu sobre filosofia, economia e sociologia exercendo grande

influência em várias áreas de conhecimentos, porem sua intenção não era apenas

contribuir para o desenvolvimento da ciência, mas propor uma ampla transformação

política, econômica e social.

ÉPOCA EM QUE VIVEU E CONTEXTO HISTÓRICO DE SUA VIDA

Para realizarmos uma compreensão da visão de Karl Marx, é necessário iniciarmos

por uma contextualização de sua bibliografia, pois suas relações sociais, desenvolvida

ao longo de sua vida, foram fundamentais para a formação de seu

pensamento . Karl Marx nasceu em 1818 em Treves, na Alemanha. Filho de Herschel

Marx e Henrietta. E m 1835 Marx ingressou na Universidade de Bonn para estudar

Direito, mas já no ano seguinte transferiu-se para a Universidade de Berlim, onde a

influência de Hegel ainda era bastante sentida. Ali, os interesses de Marx se voltam a

Filosofia, tendo participado ativamente do movimento dos Jovens Hegelianos.

Doutorou-se em 1841 com uma tese sobre As Diferenças da Filosofia da Natureza

em Demócrito e Epicuro. Nesse mesmo ano concebeu a ideia de um Sistema que

combinasse o materialismo de Ludwig Feuerbadh com a dialética de Hegel. Impedido

de seguir uma carreira acadêmica tornou-se em 1842 redator de uma gazeta liberal em

Colônia. Com o fechamento do Jornal pelos censores do governo prussiano ,em 1843,

Marx se emigra para a França onde adere à militância comunista, atraindo a atenção de

Friedrich Engels, seu companheiro de ideias e publicações por toda a vida. Nesse ano

casou-se com Jenne Von Westpalen, deste casamento Marx teve cinco filhos. Expulso

da França em 1845 foi para Bruxelas, onde participou da recém - fundada Liga dos

Comunistas. Com o malogro das revoluções sociais em 1848, Marx mudou-se para

Londres, onde se dedicou a um grandioso estudo critico da economia política. Durante

a maior parte da sua vida adulta, sustentou-se com artigos que publicava

ocasionalmente em jornais alemães e americanos, tentava angariar rendas publicando

livros que analisassem fatos da História recente, tais como “O dezoito Brumário” de

Luís Bonaparte. O isolamento político terminou em 1864, com a fundação da

Associação Internacional dos Trabalhadores (depois conhecida como Primeira

Internacional Socialista), que o adotou como líder intelectual, após a derrota do anarquista Mikhail Bakunin. Em 1871, a eclosão da Comuna de Paris o tornou

conhecido internacionalmente. Na última década de vida, sua militância tornou-se mais

crítica e indireta. Morreu em 1883 , após intensa vida política e intelectual . Suas

principais obras foram: A ideologia alemã, Miséria da filosofia, O manifesto do Partido

Comunista, Para a criticada economia política, A luta de classes em França e O capital.

ORIGENS DO PENSAMENTO

O pensamento de Karl Marx afetou radicalmente a história política da humanidade e é

até hoje um dos mais conhecidos de todo o mundo. Foi influenciado por alguns

pensadores em suas concepções e, consequentemente, em sua obra. Os

principais filósofos que o influenciou são Georg Hegel – que foram professor e reitor da

Universidade de Berlim na qual Marx estudou Ludwig Feuerbach de quem aderiu os

conceitos materialistas nos quais acreditava Friedrich Engels economista político e

revolucionário alemão que trabalhou com Marx até sua morte, sendo cofundador do

socialismo cientico. Além deles, também exerceram influência sobre os pensamentos

do alemão os socialistas utópicos franceses e os economistas britânicos Adam Smith e

David Ricardo, principalmente.

PRINCIPAIS IDEIAS

Para entender o capitalismo e explicar a natureza econômica humana, Marx

desenvolveu uma teoria abrangente e universal, que procura dar conta de toda e

qualquer forma produtiva criada pelo homem. Os princípios básicos dessa teoria estão

expressos em seu método de análise “O materialismo histórico” que é um modo de

examinar e compreender o mundo baseado não em ideias ou conceitos, mas na realidade

vivida pelos homens, e m suas condições de existência e nas ações que executam. Ao

centrar sua análise na maneira como os seres humanos produzem as condições materiais

de suas vidas, demonstrando que é essa produção a responsável pela organização da

sociedade, Marx fundou, para a sociologia, um caminho novo. O materialismo histórico

recompõe e analisa a história pelas relações que os homens mantêm entre si, divididos

em duas classes sociais: a dos trabalhadores e a dos proprietários (das terras e/ou dos

meios de produção). São essas relações que compõem a base econômica das

sociedades e que determinam com o supor-te da instância política (detentora da força) e

da coerção ideológica, o modo como os homens vivem, tanto material como simbolicamente. Isso tem como consequência a constatação de que nenhuma ideia,

nenhum conceito, por mais bem-intencionado que seja, pode realizar mudanças na

realidade concreta. Mudar a realidade implica transformar as relações entre os homens,

de modo que a classe trabalhadora se a aproprie dos meios de produção, encerrando o

ciclo de exploração e servidão a que é submetida pelos detentores do capital. Para Marx

não são os pensamentos que determinam a vida; é a vida que determina os

pensamentos: esta é à base do materialismo histórico em contraposição ao idealismo

hegeliano. Não são as relações sociais que determinam a vida; é a vida que leva

determina as relações sociais. Karl Marx pensava muito na classe operária e acreditava

que se as classes se organizassem, poderiam tornar as coisas mais justas, a Teoria

Marxista surgiu em meio a muita agitação e problemas sociais da época, revolucionou

aquela época, pois a posição do marxismo, é que a infraestrutura determina a

superestrutura, mas ao tomar conhecimento das contradições, o homem pode agir

ativamente sobre aquilo que o determina. A partir desse ponto, Marx cria um de seus

conceitos mais conhecidos que é a mais-valia. Essa mais-valia é concebida quando o

trabalhador vende ao capitalista (empresário) a sua força de trabalho por um valor

estipulado num contrato. Mas o que acontece é que ele produz mais do que esperado,

e como ele fica com tempo disponível dentro da empresa, ele produz um excedente que

é a mais-valia. A mais-valia é, portanto o valor que o trabalhador cria além de sua

força de trabalho e é a própria do pelo capitalista. Entende-se então, que o trabalhador produz mais ganhando menos e apenas os empresários saiam ganhando, ou seja, o

trabalhador era explorado por um salário muito abaixo do que realmente seu trabalho

valia. A alienação é outro conceito de Karl Marx, pois o trabalhador quando vende a

sua força de trabalho se torna estranho ao produto que concebeu. Essa perda do produto

causa outras perdas para o trabalhador, como a separação da concepção e execução do

trabalho, e ainda com o avanço tecnológico, ele fica sujeito ao ritmo da linha de

montagem, não tendo controle sobre o seu ritmo normal de trabalho. Para que o

trabalhador não se revolte, o capitalismo usa de mecanismos de introdução de ideologia

na cabeça das pessoas, para que estas se conformem com a situação de desigualdade

assim o trabalhador é controlado pelas empresas para que pense que, seguir apenas o

ritmo normal da linha de montagem é o correto. Outro conceito importante de Karl

Marx é o de classes sociais. Segundo o pensador alemão, liberdade e justiça, direitas

inalienáveis e consideradas naturais pelo liberalismo, não resistem às evidencias de

desigualdade sócia promovida pelas relações de produção, que dividem os homens nas

classes de operários e proprietários dos meios de produção. Dessa divisão criam-se as classes sociais: os operários, trabalhadores que não possuem meios de produção e que

vender sua força de trabalho em troca do salário e os proprietários que possuem os

meios de produção e apropriam-se da força de trabalho dos operários. Essas classes

sociais formadas pelo capitalismo estabelecem grande desigualdade entre os homens

que são, antes de tudo, de antagonismo e exploração. O antagonismo e a exploração

derivam dos interesses inconciliáveis entre as classes. O capitalista procura preservar

seu direito à propriedade dos meios de produção e dos produtos. O trabalhador, por

sua vez, luta contra a exploração. Então para Marx a história da humanidade é a

história de disputa constante por interesses que se contrapõem. As divergências e os

antagonismos entre os grupos estão subjacentes a toda relação social, nos mais diversos

níveis da sociedade, em todos os tempos, desde o surgimento da sociedade. Por outro

lado, apesar das oposições, as classes só cias são complementares e interdependentes,

pois uma só existe-me função da outra. A superação dessa oposição se dará na medida

em que a classe trabalhadora derrubar o capitalismo, dando início a uma sociedade sem

classes. Assim fica evidente que o foco dos pensamentos de Karl Marx estava

direcionado para a justiça de equilíbrio das classes trabalhadoras e que com certeza ser

viram como base para as organizações trabalhistas atuais. Essas ideias básicas de Karl

Marx tão expressas principalmente no livro O CAPITAL E O MANIFESTO

COMUNISTA, obra que escreveu com Friedrich Engels, economista alemão. Depois

da morte de Marx , a rápida industrialização da Alemanha e o fortalecimento do partido social -democrata e dos sindicatos melhoraram muito as condições

de vida dos trabalhadores alemães, ao mesmo tempo em que se tornou cada

vez mais improvável a esperada crise fatal do regime capitalista.

CONTRIBUIÇÕES

Uma das contribuições sociais de Marx foi o livro O capital em 1967, cujo assunto

tratado era o funcionamento da sociedade capitalista. Iniciando uma análise da

produção de mercadoria, Marx descreve perfeitamente a descrição do sistema, sua

evolução e suas transformações. A infraestrutura é formada pelas ferramentas, tais

como máquinas e as técnicas, utilizadas na produção de mercadorias e relações que

possibilitam a produção e a reprodução dessas mercadorias. Essas relações, no

Capitalismo, ocorrem entre os proprietários dos meios de produção e por aqueles que

detêm apenas a força de trabalho.

“... a finalidade da maquinaria utilizada como capital. Igual a qualquer outro

desenvolvimento da força produtiva do trabalho, ela se destina a baratear mercadorias e

a encurtar a p ar te da jornada de trabalho que o trabalhador precisa para si mesmo, a fim de encompridar a outra parte da sua jornada de trabalho que ele dá de graça para o

capitalista. Ela é meio de produção da mais valia” (Marx, 1984, p.7). Ao se desenvolver

os trabalhadores e os proprietários geram conflitos e com isso tem o inicio a uma

revolução social com possibilidade de produção de novas relações. Acreditava que ,

assim como ocorreu no escravismo e no feudalismo , o capitalismo chegaria ao fim com

uma grande crise, uma espécie de catástrofe da economia e das instituições. Previa que

essa falência do capitalismo ocorreria nos países mais industrializados da Europa,

entretanto a concepção marxista veio a ocorrer na Rússia e na China, países rurais e

atrasados. O marxismo forneceu ao socialismo uma base científica, definindo com

clareza os objetivos e os meios de luta. Marx elaborou uma teoria científica da

evolução das sociedades e chegou a uma série de conclusões, tais como: a constante

transformação das ideias e dos homens que tinham um papel essencial e dinâmico a

realidade exterior, a importância da realidade econômica, por que é a partir dela que

depende a sobrevivência e determinam as relações de produção, relações sociais e

relações políticas, a dinâmica de luta de classes entre os que dominam e se submetem a

os bens de produção e mecanismos econômicos, a evolução das sociedades humana s

como uma sucessão de modos de produção, elite dominadora e minoria da sociedade.

Incentivou os operários a organizar partidos marxistas e sindicatos revolucionários,

levou intelectuais à crítica da realidade e influenciou as atividades científicas de modo

geral e as ciências humanas em particular. As contribuições teóricas de Marx para a

sociedade atual são indispensáveis, pois na concepção sociológica, as classes são bem

divididas. Uma classe é a dos operários e a outra é a dos capitalistas, ambas distintas,

visto que o benefício de uma é o prejuízo da outra. Dessa forma, Marx propôs novas

formas de visualizar o mundo e a sociedade em que vivemos, pois continuamos

seguindo o mesmo ciclo de modos de produção que Marx descreveu anos atrás.

Considerações Finais

A partir desse estudo, podemos perceber que o século XIX, foi o século da consolidação

do sistema capitalista, deixando evidente que as transformações sociais, políticas,

econômicas e culturais, que ocorreram por conta dessa estabilização, possibilitaram

grandes modificações na vida em sociedade. Karl Marx que vivenciou tais alterações

contribuiu em grande caráter para a compreensão da sistematização e funcionamento da

sociedade capitalista. Diante do seu pensamento podemos entender que o homem é

um indivíduo histórico, e possui o poder de mudar sua natureza. Que a sociedade é dividida por classes sociais, tendo em vista que cada procura evidentemente atender

seus interesses subjetivos. Que as modificações ocorrentes na sociedade são

procedentes do ato do trabalho, que também é um ato histórico, pois parte de

conhecimentos já estabelecidos, para criar novos conhecimentos. Sendo que o homem

trabalha para atender suas necessidades, e por viver de forma coletiva, as produções dos

bens materiais, também ocorrem de forma coletiva, por meio da força do trabalho e das

relações de produção, ou seja, por meio da relação entre os homens e a natureza. No

modo de produção material, a força de trabalho é vendida ao capitalista pela classe

trabalhadora em troca de um salário. Nesse método é que aparece a contradição

presente entre forças produtivas e relações de produção. Essa contradição, que surge

nas relações de produção explica a existência da história como uma sucessão de modos

de produção levando a de cadência de um modo de produção e a sua substituição por

outro. Essa modificação se daria a partir da consciência da classe trabalhadora ao

perceber que o modo de produção capitalista condiciona e aliena os trabalhadores os

separado de sua própria produção. Assim podemos perceber que o sistema capitalista

por ter como característica uma contradição marcante entre as classes sociais, torna-se

desumana a relação entre essas classes, pois uma das técnicas mencionadas por Karl

Marx, é que o homem passou a ser considerada uma mercadoria, que recebe dinheiro o

valor mínimo muitas vezes, para sua própria sobrevivência, ou seja, uma mercadoria

que vem atender a classe dominante , que visa à acumulação do capital. A partir do

que foi exposto nesse trabalho, podemos concluir que todos os componentes da

sociedade encontram-se alienados ao sistema capitalista, sendo que os governantes

passam a ilusão para a população “sem informação”, que tudo é normal, e esta

satisfatoriamente bem. O pensamento de Karl Marx sobrevive até hoje, mesmo em um

mundo extremamente capitalista suas ideias continuam influenciando muitos

historiadores e cientistas sociais que, independente de aceitarem ou não as teorias do

pensador Alemão, concordam com a ideia de que para se compreender uma sociedade

deve-se primeiramente entender sua forma de produção.

Referências Bibliográficas

www.ebiografia.com/karl_marx/

www.livrosbiografiasefrases.com.br/biografias/biografia-de-karl-marx-vida-obra/

www.estudopratico.com.br/karl-marx-vida-obra-e-pensamentos/

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 8 páginas
Baixar o documento