Trabalho sobre platão, Pesquisas de Filosofia. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas)
matheus-souza-3
matheus-souza-3

Trabalho sobre platão, Pesquisas de Filosofia. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas)

DOCX (34 KB)
7 páginas
12Números de download
192Número de visitas
100%de 2 votosNúmero de votos
1Número de comentários
Descrição
trabalho sobre platão, historia e tudo
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 7
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Baixar o documento

Trabalho de Filosofia: Razão e modernidade

Platão

Nome: Douglas Ribeiro

Matheus de Souza

Introdução

No início da Filosofia, o foco era na origem d a natureza, do mundo e, por

reflexo, a s relações entre o s homens. Porém, com o movimento dos sofistas no século

V antes de Cristo, houve uma ruptura, no qual o homem é colocado no centro

das discussões filosóficas. Os sofistas – sábios – foram os primeiros professores,

mas não formaram uma escola propriamente dita, já que vários dos seus

pensamentos divergiam entre si. Com uma relativa estabilização política da Grécia

Antiga (século V A.C.), no chamado Século de Péricles, não havia tanta

necessidade de cultivar as virtudes (arete) dos guerreiros. Nessa época,

floresceram as artes, a mitologia, a filosofia, a literatura, a história e a política.

Os fatores que contribuíram para isso, segundo Bittar e Almeida (p. 92), foram

à participação popular nos instrumentos de poder, principalmente com a

estruturação da democracia de Atenas, a expansão das fronteiras gregas, acúmulo

de riquezas e intensificação do comércio, inclusive com outros povos, e a

utilização do "falar bem" para assemblear, além de se ter conhecimentos gerais.

Biografia

Este importante filósofo grego nasceu em Atenas, provavelmente em 427 A.C. e

morreu em 347 a.C. É considerado um dos principais pensadores gregos, pois

influenciou profundamente a filosofia ocidental. Suas ideias baseiam-se na

diferenciação do mundo entre as coisas sensíveis (mundo das ideias e a

inteligência) e as coisas visíveis (seres vivos e a matéria). Filho de uma família de

aristocratas começou seus trabalhos filosóficos após estabelecer contato com outro

importante pensador grego: Sócrates. Platão torna-se seguidor e discípulo de

Sócrates. Em 387 acc, fundou a Academia, uma ES cola de filosofia com o

propósito de recuperar e desenvolver as ideias e pensamentos socráticos.

Convidado pelo rei Dionísio, passa um bom tempo em Siracusa, ensinando filosofia

na corte. Ao voltar para Atenas, passa a administrar e comandar a Academia,

destinando mais energia no estudo e na pesquisa em divers as áreas do

conhecimento: ciências, matemática, retórica (arte de falar em público), além da

filosofia. Suas obras mais importantes e conhecidas são: Apologia de Sócrates, em

que valoriza os pensamentos do mestre; O Banquete, fala sobre o amor de uma

forma dialética; e A República, em que analisa a política grega, a ética, o

funcionamento das cidades, a cidadania e questões sobre a imortalidade da alma.

Ideias de Platão para a educação

Platão valorizava os métodos de debate e conversação como formas de alcançar

o conhecimento. De acordo com Platão, os alunos deveriam descobrir as coisas

superando os problemas impostos pela vida. A educação deveria funcionar como

forma de desenvolver o h om em moral. A educação deveria dedicar esforços p

ara o desenvolvimento intelectual e físico dos alunos. Aulas de retórica, debates,

educação musical, geometria, astronomia e educação militar. Para os alunos de

classes menos favorecidas, Platão dizia que deveriam buscar em trabalho a partir

dos 13 anos de idade. Afirmava também que a educação da mulher deveria se r

a mesma educação aplicada aos homens.

Vida e Obras de Platão

Platão nasceu em Atenas, em 428 ou 427 A.C. , de pais aristocráticos e

abastados, de antiga e nobre família. Temperamento artístico e dialético -

manifestação característica e suma do gênio grego - deu, na mocidade, livre

curso ao seu talento poético, que o acompanhou durante a vida toda, manifestando-se na expressão estética de seus escritos; entretanto isto prejudicou

sem dúvida a precisão e a ordem do seu pensamento, tanto assim que várias

partes de suas obras não têm verdadeira importância e valor filosófico. Aos vinte

anos, Platão travou relação com Sócrates - mais velho do que ele quarenta anos

- e teve oito anos do ensinamento e da amizade do mestre. Quando discípulo de

Sócrates e ainda depois, Platão estudou também os maiores pré-socráticos. Depois

da morte do mestre, Platão retirou-se com outros socráticos para junto de Euclides,

em Mégara. Visitou o Egito, a Itália meridional, a Sicília, onde conheceu Dionísio

o Antigo. Caído, porém, na desgraça do tirano pela sua fraqueza, foi vendido

como escravo. Libertado graças a um amigo, voltou a Atenas. Em Atenas, pelo ano de

387, Platão fundava a sua célebre escola, que, dos jardins de Academo, onde

surgiu, tomou o nome famoso de Academia. Mais para levantou um templo às

Musas, que se tornou propriedade coletiva da escola e foi por ela conservada

durante quase um milênio, até o tempo do imperador Justiniano. Platão interessou-

se vivamente pela política e pela filosofia política. Dedicou-se inteiramente à

especulação metafísica, ao ensino filosófico e à redação de suas obras, atividade

que não f oi interrompida a não ser pela morte. Morreu o grande Platão em 348

ou 347 a.C., com oitenta anos de idade. Platão é o primeiro filósofo antigo de

quem possuímos as obras completas. A atividade literária de Platão abrange mais

de cinquenta anos da sua vida: desde a morte de Sócrates, até a sua morte. A

p arte mais importante da atividade literária de Platão é representada pelos

diálogos - em três grupos principais, segundo certa ordem cronológica, lógica e

formal, que representa a evolução do pensamento platônico, do socratismo ao

aristotelismo.

O Pensamento de Platão: A Gnosiologia

Em P latão a filosofia tem um fim prático, moral; é a grande ciência que

resolve o problema da vida. Este fim prático realiza - se, no entanto,

intelectualmente, através da especulação, do conhecimento da ciência. Mas

conceptual, ao campo antropológico e moral - Platão estende tal indagação ao

campo metafísico e cosmológico, isto é, a toda a realidade. Este caráter íntimo,

humano, religioso da filosofia, em Platão é tornado especialmente vivo

angustioso, pela viva sensibilidade do filósofo em face do universal vir a ser,

nascer e perecer d e todas as coisas; em face do mal, da desordem que se

manifesta em especial no homem, onde o corpo é inimigo do espírito, o sentido se opõe ao intelecto, a paixão contrasta com a razão. Platão considera o espírito

humano peregrino neste mundo e prisioneiro na caverna do corpo. Pensava que

este deve transpor este mundo e libertar-se do corpo para realizar o seu fim, isto é,

chegar à contemplação do inteligível, para o qual é atraído por um amor nostálgico,

pelo Eros platônico. Segundo Platão, o conhecimento humano divide-se em dois

graus: o conhecimento sensível, e o conhecimento intelectual, que parte d o

primeiro conhecimento, mas que dele não se pode derivar. A diferença essencial

entre eles está nisto: o conhecimento sensível não sabe que o é, de onde pode

passar o conhecimento diverso, cair no erro sem o saber; ao passo que o

segundo, sabe que o é, não podendo de modo algum ser substituído, errôneo. Platão

parte do conhecimento empírico, sensível, para chegar ao conhecimento intelectual. A

gnosiologia platônica tem o caráter científico, filosófico. O conhecimento

sensível deve ser superado p elo conhecimento conceptual. O conhecimento

sensível não pode explicar o conhecimento intelectual, que tem por sua

característica a universalidade, e ainda menos pode o conhecimento sensível

explicar o dever ser, os valores de beleza, verdade e bondade, que estão

efetivamente presentes no espírito humano, e se distinguem totalmente da fealdade,

erro e má posição. Platão não admite que da sensação se possa de algum modo

tirar o conceito universal; diz que os conceitos são a priori, donde têm de ser

tirados, e sustenta que as sensações correspondentes aos conceitos lhes constituem

a ocasião para fazê-los reviver.

Teoria das Ideias de Platão

Platão aprofunda-lhe a teoria e procura determinar a relação entre o conceito e a

realidade fazendo deste problema o ponto de partida da sua filosofia. A ciência é

objetiva; ao conhecimento certo deve corresponder a realidade. Pensa que deve

existir outro mundo de realidades, objetivamente dotadas dos mesmos atributos

dos conceitos subjetivos que as representam. Estas realidades chamam-se Ideias.

As ideias são realidades objetivas, modelos e arquétipos eternos de que as coisas

visíveis sãs o cópias imperfeitas. Assim a ideia de homem é que o homem

abstrato perfeito e universal de que os indivíduos humanos são imitações transitórias

e defeituosas. Todas as ideias existem num mundo separado, o mundo dos

inteligíveis, situado na esfera celeste. A certeza da sua existência funda-a Platão

na necessidade de salvar o valor objetivo dos nossos conhecimentos. Tal a célebre teoria das ideias, alma de toda filosofia platônica.

A Metafísica de Platão

O sistema metafísico de Platão centraliza-se e culmina no mundo divino das

ideias; e estas se contrapõe a matéria obscura e iniciada. Entre as ideias e a

matéria estão o Demiurgo e o mundo, através de que desce das ideias à matéria

aquilo de racionalidade que nesta matéria aparece. O divino platônico é representado

pela ideia do Bem, que está no vértice. A existência desse mundo ideal seria

provada pela necessidade de estabelecer uma base ontológica, um objeto

adequado ao conhecimento conceptual, que se impõe ao lado e acima do

conhecimento sensível, para poder explicar verdadeiramente o conhecimento humano

na sua efetiva realidade. E, em geral, o mundo ideal é provado pela necessidade de

justificar os valores, o dever ser, de que este nosso mundo imperfeito participa e a que

aspira. Visto serem as ideias conceitos personalizadas, transferidas da ordem

lógica à ontológica, terão consequentemente as características do s próprios

conceitos: transcenderão a experiência, serão universais, imutáveis. Além disso, as

ideias terão aquela mesma ordem lógica dos conceitos, que são ordenadas em

sistema hierárquico, estando no vértice à ideia do Bem, que é papel da lógica

real, ontológica, esclarecer. Como a multiplicidade dos indivíduos é unificada nas

ideias respectivas, assim a multiplicidade das ideias é unificada na ideia do Bem.

Logo, a ideia do Bem, no sistema platônico, é a realidade suprema, donde

dependem todas as demais ideias, e todos os valores (éticos, lógicos e estéticos)

que se manifestam no mundo sensível; é o ser sem o qual não se explica o vir a ser.

O Mundo

O mundo material, o cosmos platônico, resulta da síntese de dois princípios

opostos, as ideias e a matéria. O Demiurgo plasma o caos da matéria no modelo

das ideias eternas. O mundo, pois, está entre o ser (ideia) e o não ser (matéria),

e é o devir ordenado, como o adequado conhecimento sensível está entre o saber

e o não saber, e é a opinião verdadeira. Da ideia - ser, verdade, bondade, beleza -

depende tudo quanto há de positivo, de racional n o vir a ser da experiência. Da

matéria - indeterminada, informe, mutável, irracional, passiva, espacial - de pende,

ao contrário, tu do que há de negativo na experiência. Consoante à astronomia

platônica, o mundo, o universo sensível, são esféricos. A terra está no centro,

em forma de esfera e, ao redor, os astros, as estrelas e os planetas, cravados em esferas o u anéis rodantes, transparentes, explicando-se deste modo o movimento

circular deles. No seu conjunto, o mundo físico percorre uma grande evolução,

um ciclo de dez mil anos, não no sentido do progresso, mas no da decadência,

terminados os quais, chegado o grande ano do mundo, tudo recomeça de novo.

É a clássica concepção grega d o eterno retorno, conexa ao clássico dualismo

grego, que domina também a grande concepção platônica.

Algumas Frases de Platão

• "O belo é o esplendor da verdade".

• "O que mais vale não é viver, mas viver bem".

• "Vencer a si próprio é a maior de todas as vitórias".

• “O amor é uma perigosa doença mental".

• "Praticar injustiças é pior que sofrê-las".

• "A harmonia se consegue através da virtude".

• “Teme a velhice, pois ela nunca vem só".

• "A educação deve possibilitar ao corpo e à alma toda a perfeição e a

beleza que podem ter".

Bibliografia

https://pt.wikipedia.org/wiki/Plat%C3%A3o

http://www.infoescola.com/filosofos/platao/

https://www.suapesquisa.com/platao

comentários (1)
otimo me ajudou muito, obrigado
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Baixar o documento